Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Callout: Please Submit Blog Posts, News and Events on New DRCNet Web Site!

Among the features available on DRCNet's new web site are interactive possibilities for you to be a part of the web team. First and foremost are Reader Blogs, a section of the new "Stop the Drug War Speakeasy" blogosphere project. Visit http://stopthedrugwar.org/speakeasy/reader to check it out and start posting! (If you tried already and had trouble, please try again -- we have worked out some of the initial technical issues, though probably not yet all.) We will be devoting an increasing amount of attention over time to the Reader Blogs -- this is just the beginning!

You can now let us know about important or interesting news items of relevance by submitting them directly to our new Latest News section -- visit http://stopthedrugwar.org/node/add/content-recent_news to send your suggested news links to our moderators.

DRCNet continues to publish listings of events large and small that relate to the cause, but now we feature them in a listing that appears on most of the pages on our site and which links to a full calendar. If you are involved with or know of a relevant event, you can post it directly -- not just a short description as we have done previously, but the full announcement -- at our add event page at http://stopthedrugwar.org/node/add/event online.

Drug War Chronicle articles now have comments sections at the bottom of them, another way you can join in the discussion.

Coming soon: syndication feeds you can post on your web site, a substantial drug policy links database, and geographically-targeted content for your personalized web site view. To get that geographically-targeted content, though, you'll need to be logged to our new user accounts (same e-mail address you gave us previously, if you're a subscriber) and provide us with your location if you haven't already. Visit http://stopthedrugwar.org/user to log in or register or update your information. (Please let us know if you experience any error messages or problems with the user accounts -- we have gotten some of the issues fixed but we want to get it as close to perfect as we can.)

Announcement: New Format for the Reformer's Calendar

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
With the launch of our new web site, The Reformer's Calendar no longer appears as part of the Drug War Chronicle newsletter but is instead maintained as a section of our new web site:

The Reformer's Calendar publishes events large and small of interest to drug policy reformers around the world. Whether it's a major international conference, a demonstration bringing together people from around the region or a forum at the local college, we want to know so we can let others know, too.

But we need your help to keep the calendar current, so please make sure to contact us and don't assume that we already know about the event or that we'll hear about it from someone else, because that doesn't always happen.

We look forward to apprising you of more new features of our new web site as they become available.

ONDCP: Senate Panel Recommends Cutting Salaries at Drug Czar's Office

The Congress is getting increasingly testy with the Office of National Drug Control Policy (ONDCP), and in a sharp signal of its unhappiness with the performance of ONDCP head John Walters, the drug czar, a Senate panel is recommending that salaries and expenses at ONDCP be slashed by well over half, from $26.6 million this year to $11.5 million next year.

Although Walters has been able to tout such successes as marginal declines in drug use rates among selected groups -- especially teenagers -- he has come under tough attack from congressional drug warriors, especially over ONDCP's halting response to the spread of methamphetamine. Walters and ONDCP are also taking flak for supporting the Bush administration's calls to slash funding for grants to help local law enforcement form drug task forces and the High Intensity Drug Trafficking Areas.

ONDCP has 111 full-time employees. As its director, Walters earns $183,000 a year.

He isn't worth it, the Senate Appropriations Committee signaled. In its July vote on an appropriations bill, the committee recommended the deep cuts, saying the reductions would "more closely reflect actual performance."

In that legislation, the committee called for independent evaluations of ONDCP and demanded documentation of travel records, salaries, and contracts. The committee also complained that Walters and ONDCP have been unresponsive to congressional requests for information and have prevented program directors from meeting with the committee.

"This kind of unresponsiveness... results in an unnecessary waste of time and energy," the bill states. "Numerous follow-up communications are required in almost every instance."

Sen. Kit Bond (R-MO) chairs the subcommittee with oversight over ONDCP. His spokesman, Rob Ostrander, told the Associated Press Walters had a bad habit of not paying attention to committee requests. "Unfortunately, this has been a long-term problem," Ostrander said. "The agency has a record of being unresponsive to committee staff. We hope that changes, because at the end of the day we need to ensure taxpayers' money is being spent wisely."

Sen. Joe Biden took to the Senate floor last week to complain about Walters. "Under him, the office operates like an ivory tower rather than the command center for our national drug control policy," Biden said.

The budgets cuts are likely to end up being restored, but even threatening to cut the once sacrosanct drug czar's budget is an indication that times are changing.

Latin America: In Break With Campaign Promises, Peru's New Government Will Accelerate Coca Eradication

When new Peruvian President Alain Garcia was in a tight race against pro-coca populist upstart Ollanta Humala earlier this year, he promised his government would oppose coca eradication because Peruvians consider the leaf sacred and a part of their tradition. But Reuters reported Wednesday that the Garcia government is now seeking US support for a new push against coca production in what is now the world's second largest coca producer.

https://stopthedrugwar.org/files/cocafield.jpg
coca field
According to the UN Office on Drugs and Crime's annual report on coca production, Peru produces 30% of the Andean coca crop. Colombia accounted for 54%, while third place Bolivia accounted for 16%. While the UN reported a slight decrease in Peruvian coca cultivation last year, the US government estimated production had actually increased by 38%.

While some coca is cultivated legally and sold to the Peruvian national coca monopoly to be made into various products, some doubtless is diverted to the black market and made into cocaine. Peruvian police report busting some 500 cocaine labs last year.

More than $330 million in US aid since 2000 has failed to rein in Peru's coca-growing peasantry. Now, the Peruvian government wants more. "We want a greater state presence in coca-growing areas, more effective coca eradication, coca crop substitution and security for export cargo to limit smuggling," Peru's anti-narcotics chief Romulo Pizarro told Reuters. "We can't let these traffickers continue to poison people's lives."

That was music to the ears of Susan Keogh, narcotics affairs director at the US embassy in Lima. She said eradication must be part of the new campaign because alternative development alone would not be enough to end the drug trade. "There are so many illegal drug laboratories that they're like the McDonald's on every corner (in Peru's coca regions)," Keogh told Reuters. "You can't just flood those areas with development, you need eradication too."

While not as politically potent as their Bolivian counterparts, Peruvian coca growers are increasingly organized, if fractious, and they and their representatives in the parliament, like coca grower union leaders Nancy Obregon and Elsa Malpartida, are bound to make life miserable for the Garcia government over this issue. It won't help matters that Garcia is breaking his vows to them.

Marijuana: Texas Gubernatorial Candidate Kinky Friedman Says Legalize It

Independent Texas gubernatorial candidate Kinky Friedman said Wednesday he favors legalizing marijuana. In an interview with the Associated Press, the musician turned author turned would-be Lone Star state governor said legalizing the weed would keep nonviolent users out of prison, adding that he would seek the release of those currently behind bars for marijuana offenses.

https://stopthedrugwar.org/files/kinkyfriedman.jpg
Kinky Friedman
"I think that's long overdue," Friedman said. "I think everybody knows what John McCain said is right: We've pretty well lost the war on drugs doing it the way we're doing it. Drugs are more available and cheaper than ever before. What we're doing is not working."

Friedman is running against incumbent Gov. Rick Perry (R), Democratic candidate Chris Bell, and Republican-turned-independent Carole Keeton Strayhorn, none of whom have called for marijuana legalization. According to the latest Rasmussen poll, Friedman may need a massive stoner voter turnout -- he came in last with 16%, compared with 18% for Bell, 22% for Strayhorn, and Perry with 33%. There is no run-off election in Texas.

The humorist and raconteur's campaign had originally been viewed as a joke by most observers, but at 16% of the vote, Friedman can have a real impact on the race. And as the campaign heads for its climax, he has been articulating serious positions on issues like immigration (send 10,000 Texas National Guard to the border), crime (send $100 million to Houston to help police a city awash with Katrina refugees), and taxes (less of 'em).

But all seriousness aside, it is Friedman's comic sensibilities that have always made him stand out. After graduating from the University of Texas at Austin, he formed the outrageously named Kinky Friedman & His Texas Jewboys, featuring tunes like the "Okie from Muskogee" parody "Asshole from El Paso," the self-explanatory "Get Your Biscuits in the Oven and Your Buns in Bed," and the anti-semitism-confronting "They Ain't Making Jews Like Jesus Anymore."

And he's still got it on the campaign trail. "I just want Texas to be number one in something other than executions, toll roads and property taxes," he said. As for the possibility of losing: "If I lose this race I will retire in a petulant snit," he said. "I'm not going to go out gracefully, I promise you."

Latin America: In Southern Colombia, It's Aid Out, Soldiers In

The US Agency for International Development (AID) has given up on an alternative development campaign designed to help farmers in southern Colombia switch to legal crops, the Houston Chronicle reported. The newspaper cited a Colombian government memorandum, and the report was implicitly confirmed by an unnamed US Embassy source in Bogota.

https://stopthedrugwar.org/files/eradication.jpg
eradication
According to the Colombian government document, US AID suspended the development program in southern Caqueta state, long a stronghold of the leftist rebels of the Revolutionary Armed Forces of Colombia (FARC), because the area was too dangerous for its workers and it lacked economic potential. With development assistance making up less than 10% of the $800 million the US is spending to wage the drug war in Colombia this year, US AID will channel funding to more secure areas.

"You can't be everywhere simultaneously, and you have to make choices," the unnamed embassy official told the Chronicle. "Resources have to be focused where they can be used most effectively."

With the US and Colombian governments having given up on developing the region, the departure of the US AID project clears the way as the Colombian military begins its largest ever campaign in the south. The US has spent more than $4 billion since 2000 to help the Colombian government obtain and maintain control in such areas, but now the economic advisers are leaving and the soldiers are coming.

US analysts and Colombian politicians contacted by the Houston Chronicle called the move a bad idea. "This is not a good way to win hearts and minds," said Sanho Tree, a Colombia expert at the Institute for Policy Studies in Washington. "We're driving people away from the government and into the hands of our declared enemies: the guerrillas and the drug traffickers," he told the Chronicle.

"This decision runs contrary to the whole concept of Plan Colombia," said Luis Fernando Almario, a congressman from Caqueta.

Adam Isacson, a Colombia expert at the Center for International Policy in Washington, told the Chronicle that writing off the war-torn south would be a grave error. Drawing parallels to the war in Iraq, he likened the current approach to saying: "Forget about the Sunni Triangle."

Europe: Portugal Approves Safe Injection Sites, Moves to Start Prison Needle Exchange Programs

In an embrace of harm reduction principles, the Portuguese government has approved the establishment of safe injection sites for drug users and is working to have needle exchange programs in prisons by 2008, Medical News Today reported on August 30. The moves come as part of a package of measures designed to "reduce the consumption of drugs and diminish their harmful social and health effects," the Portuguese government said.

Portugal now follows the lead of Australia, Canada, Germany, and Switzerland, where working safe injection sites are in place. The sites have been shown to help slow the spread of diseases like hepatitis C and HIV/AIDS, reduce overdoses, reduce criminality, help drug users achieve more stable lives, and help some of them connect with treatment and/or counseling services.

While, according to the European Monitoring Center on Drugs and Drug Abuse, Portugal's drug use rates are low by European standards, the country does have an injection drug-using population, mostly around heroin. About one-third of a sample of treatment patients in Portugal reported drug injection as their preferred route of administration.

Portugal decriminalized drug possession in 2000, although drug sales remain illegal. But even if Portugal is not ready to take the giant step of ending drug prohibition, the actions of its government since then show that it continues to move in a progressive direction on drug policy issues.

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

There is something rotten in the state of Tennessee, with the stench of police corruption stretching from the banks of the Mississippi to the hazy ridges of the Great Smoky Mountains, and this stuff is pretty rotten. Meanwhile, there's an apparent case of, er, overly aggressive policing in Florida and the mandatory prison or jail guard in trouble. Let's get to it:

In Cocke County, Tennessee, former Cocke County Sheriff's Department Chief Deputy Patrick Allen Taylor's guilty plea to conspiring to sell thousands of dollars of stolen NASCAR goods is only the tip of the iceberg of corrupt, criminal activities in the Cocke County Sheriff's Department, federal prosecutors alleged in a motion seeking a prison sentence far higher than federal sentencing guidelines call for, the Knoxville News-Sentinel reported Monday. According to prosecutors, Taylor was involved in robbery schemes, extortion, protection rackets, cockfighting, ripping off drug dealers, and tolerating drug use among department insiders. Taylor is the nephew of former Sheriff DC Ramsey, who resigned under pressure in the same federal corruption probe that has now brought down his nephew. Known as "Rose Thorn," the federal operation has led to the arrests of eight Cocke County lawmen and 170 other people, and has led to the closure of brothels, cockfighting pits, and a video amusement company. For more on the whole sordid affair, check out the News-Sentinel's special report, "Cocke County Confidential."

In Memphis, former Reserve Memphis Police Officer Andrew Hunt pleaded guilty last Friday to robbing drug dealers of cash, cocaine, and personal belongings. He could face up to life in prison, but that's unlikely since he has agreed to cooperate with prosecutors, the Memphis Commercial Appeal reported. Three other Memphis police officers have already been indicted in the case, and more indictments could be coming, prosecutors warned. Hunt was part of "a gang of corrupt uniformed officers" who ripped off at least 20 drug dealers, prosecutors said. And these guys were really sleazy: In one case, Hunt stole drugs, cash, and a $15,000 watch from one dealer, then told him he could buy his drugs back. When the dealer came up with $9500 in cash, Hunt took the money and kept the drugs.

In Surfside, Florida, police are investigating charges two Surfside police officers conspired to plant drugs in the vehicle of a local civic activist, Miami TV station Local 10 News reported September 7. Two officers, Sgt. John Davis and Officer Woody Brooks, have been suspended after allegedly plotting to plant cocaine in the car of Jay Senter, who had previously tangled with Sgt. Davis over the case of a French couple cited for numerous code violations and fined hundreds of thousands of dollars for renting homes in Surfside to vacationers. According to the allegations, Davis and Brooks were overheard plotting to plant the drugs in retaliation for Senter's reporting another officer to the FBI in the code violations case. Interestingly, Surfside Vice Mayor Howard Weinberg told Local 10 the same officers had conspired to arrest him for drunk driving near a local bar and release the dashboard camera video in a bid to embarrass him, but the plot was foiled because he only drinks iced tea when he goes out. Another, anonymous local official told Local 10 Davis was behaving "like a Nazi" toward political opponents.

In Westchester, New York, a Westchester County prison guard was sentenced to probation last week for interfering in a drug investigation, the North Country Gazette reported. Timothy Connolly, 39, pleaded guilty to one count of second degree hindering prosecution and one count of drug possession. He will be under supervision for the next five years. Connolly was arrested during a combined investigation by the Westchester District Attorney Narcotics Initiative (W-DANI), Yonkers Police, New York State Police and Westchester County Department of Correction Special Investigations Unit, and was told to keep his mouth shut about the bust. But he later warned one of the main targets of the investigation he was being watched, told him to "shut down" his cocaine sales operation, and advised him not to use his phone because it was being monitored. Connolly was fired from the Westchester County Department of Correction on September 7, the same day he pleaded guilty.

Job Opportunities: Three Positions at Drug Policy Alliance

The Washington, DC office of Drug Policy Alliance is hiring for three positions:

Deputy Director of National Affairs:

The Deputy Director of National Affairs works with the Director of National Affairs to promote drug policy reform in the nation's capitol, influence federal legislation and regulations, and change the national drug policy debate. Job responsibilities include tracking and analyzing federal legislation and executive branch polices; working with the Internet communications and membership departments to mobilize supporters to take action; developing fact sheets, position papers and other lobbying materials; managing the work of office interns; planning Congressional briefings and other events; and communicating the Alliance's positions to Congressional staffers and representatives of other organizations.

Qualifications include: At least 3 years experience in advocacy or public policy; Experience coordinating legislative campaigns (lobbying, media, grassroots mobilization, etc.); Working knowledge of the federal legislative process (hill experience, especially health, judiciary, or appropriations, a plus); Good research, writing and public speaking skills; Strong attention to detail.

Responsibilities include:

Legislative Tracking: Uses CQ, Thomas, and other services to track the status of drug-related federal legislation; Reads, summarizes, and analyzes legislation and executive policies and maintains legislative database; Monitors committee hearings and marks-ups; Maintains Congressional files; Evaluates and recommends various legislative services, such as bill tracking systems, activist tools, and fax broadcasting.

Research and Writing: Writes, develops and disseminates fact sheets, backgrounders, sign-on letters, policy reports, and other lobbying materials; Researches and writes on key policy issues; Speaks on drug policy reform issues at conferences.

Supervision of Interns: Manages internship program, including advertising the program, reading applications, interviewing applicants and hiring and managing interns.

Lobbying and Outreach: Educates Congressional staffers and others on legislation and executive policies; Represents Alliance at conferences, coalition meetings, and networking events, and builds relationships with other organizations; Plans Congressional briefings and other events; Organizes Alliance's coalition meetings, including maintaining invite lists and recruiting new members.

Grassroots: Works with Internet communications department and membership department to mobilize supporters to call/write/fax their representatives; Writes action alerts, web content, and fax texts for Action component of our website; Works with other groups to get them to send out action alerts and put up banner ads on their web sites regarding DPA campaigns.

DPA offers an excellent benefits package, including health, dental, vision, long-term disability and life insurance; a generous 403(b) plan; and four weeks paid vacation.

Position open until filled. Send cover letter describing interest, résumé, and writing sample (unedited by others) to: Bill Piper, Drug Policy Alliance, 925 15th Street NW, 2nd Floor, Washington, DC 20005, fax: (202) 216-0803, e-mail: [email protected]. E-mail submissions are encouraged (please use "Deputy Director" in the subject field) -- no phone calls, please.

Legislative Assistant

The Legislative Assistant is responsible for tracking and analyzing federal legislation and executive branch policies pertaining to the war on drugs, developing lobbying materials, researching issues, planning events, assisting other staff and coordinating special projects.

Qualifications include: Some legislative or advocacy experience; Excellent research and writing skills; Strong attention to detail.

DPA offers an excellent benefits package, including health, dental, vision, long-term disability and life insurance; a generous 403(b) plan; and four weeks paid vacation.

Position open until filled. Send cover letter describing interest, résumé, and writing sample (unedited by others) to: Bill Piper, Drug Policy Alliance, 925 15th Street NW, 2nd Floor, Washington, DC 20005, fax: (202) 216-0803, e-mail: [email protected]. E-mail submissions are encouraged (please use "Legislative Assistant" in the subject field) -- no phone calls, please.

Part-Time Office Manager/Receptionist

The office manager oversees the daily operations of the Alliance's Washington, DC office. Duties include, but are not limited to, answering the telephone, meeting and greeting visitors, tracking and ordering office supplies, processing mail, handling office maintenance issues, and assisting staff. Applicants should be organized, friendly, thoughtful, and have excellent phone skills. Commitment to drug policy reform preferred, but not essential.

The Office Manager position is part-time (25 hours a week) and pays $12 per hour with no benefits.

Position open until filled. Send cover letter describing interest, résumé, and writing sample (unedited by others) to: Bill Piper, Drug Policy Alliance, 925 15th Street NW, 2nd Floor, Washington, DC 20005, fax: (202) 216-0803, e-mail: [email protected]. E-mail submissions are encouraged (please use "Office Manager" in the subject field) -- no phone calls, please.

The core mission of the Drug Policy Alliance (DPA), the nation’s leading drug policy reform organization, is to advance those policies and attitudes that best reduce the harms of both drug abuse and the war on drugs, and to protect the sovereignty of individuals over their minds and bodies. Among other things, the DPA works to end marijuana prohibition; repeal mandatory minimum sentencing; enact alternatives to incarceration for non-violent drug offenders; reduce drug addiction, drug overdoses and the spread of HIV/AIDS and hepatitis; and cut wasteful drug war spending. (For more information on the Drug Policy Alliance, visit http://www.drugpolicy.org.)

DPA is headquartered in New York City and maintains seven other offices in four states and the District of Columbia. DPA retains 46 staff, and is supported by 26,000 dues-paying members and 107,000 online members.

Drug Policy Alliance is an Equal Opportunity Employer. Women, people of color, and people with disabilities are encouraged to apply.

Weekly: This Week in History

Posted in:

September 21, 1969: In an attempt to reduce marijuana smuggling from Mexico, the Customs Department, under Commissioner Myles Ambrose, acting on the orders of President Richard Nixon, launches Operation Intercept, subjecting every vehicle crossing the Mexican border to a three-minute inspection and to many observers marking the beginning of the modern was on drugs. The operation lasts two weeks and wreaks economic havoc on both sides of the border, but fails to seriously impact the flow of marijuana into the US.

September 19, 1986: Federal Judge H. Lee Sarokin says, "Drug testing is a form of surveillance, albeit a technological one. Nonetheless, it reports on a person's off-duty activities just as surely as if someone had been present and watching. It is George Orwell's Big Brother society come to life."

September 17, 1998: 93 members of Congress vote yes in the first vote on medical marijuana to take place on the floor of the House.

September 20, 1999: The public is finally informed of the results of Washington, DC's Initiative 59, the Legalization of Marijuana for Medical Treatment Initiative of 1998, after Judge Richard Roberts orders the release of the tally previously suppressed by Congress. Voters had supported medical marijuana by 69-31%.

September 17, 2002: Santa Cruz, California, officials allow a medical marijuana giveaway at City Hall to protest federal raids.

September 19, 2002: The Guardian (UK) reports that Mo Mowlam, the former cabinet minister responsible for drugs policy, is calling for the international legalization of the drug trade as part of a more effective drive to combat terrorism.

September 16, 2003: Seattle voters approve Initiative 75 by 57.8% to 42.2%. I-75 instructs local police and prosecutors to make adult marijuana possession their lowest priority.

September 21, 2004: In a speech, U.S. House Speaker Dennis Hastert (R-IL) says, "The illegal drug trade is the financial engine that fuels many terrorist organizations around the world, including Osama bin Laden."

Reducción de Daños: Trueque de Jeringas de Pittsburgh Logra Aprobación de Consejo de Salud para Seguir Funcionando

El Prevention Point Pittsburgh, el único proveedor de trueque de jeringas en el área de Pittsburgh, está más cerca de poder seguir en funcionamiento después que el Consejo de la Salud de la Comarca de Allegheny aprobó el miércoles las reglas que formalizan su funcionamiento. El programa de trueque estuvo bajo ataque en Abril, cuando los regidores municipales cuestionaron su legalidad en lo que fue en grande parte una riña burocrática entre el consejo municipal y el consejo de la salud.

“Estamos increíblemente satisfechos”, le dijo Renee Cox, directora ejecutiva de Prevention Point Pittsburgh a la Pittsburgh Post-Gazette el jueves. “Con todo, todo salió bien. Ello sí nos concede un poco más de permanencia ahora que tenemos normas formales”.

Fue difícil, a pesar de todo. Después que los regidores municipales hicieron su denuncia en Abril, el consejo de la salud redactó reglas en Mayo que habrían requerido que la gente que trueque jeringas diera sus nombres y otra información para identificación y habrían prohibido los “trueques secundarios”, en que las personas recogen jeringas y de ahí las distribuyen a otros que no están en el programa. El consejo oyó esas denuncias.

“Ellos restauraron el anonimato de los usuarios, lo que es absolutamente fundamental para el funcionamiento del trueque de jeringas”, dijo Cox. “Ellos también permitieron el trueque secundario, que expandirá el alcance de este pequeño programa”.

Las nuevas normas aún deben ser aprobadas por el consejo municipal

Redução de Danos: Troca de Seringas de Pittsburgh Consegue Aprovação do Conselho de Saúde para Continuar Funcionando

O Prevention Point Pittsburgh, o único fornecedor de troca de seringas na área de Pittsburgh, está mais próximo de poder continuar em funcionamento depois que o Conselho da Saúde da Comarca de Allegheny aprovou na quarta-feira as regras que formalizam o funcionamento dele. O programa de troca esteve sob ataque em Abril, quando os vereadores municipais questionaram a legalidade dele no que foi em grande parte uma rixa burocrática entre a câmara dos vereadores e o conselho da saúde.

“Estamos incrivelmente satisfeitos”, disse Renee Cox, diretora executiva do Prevention Point Pittsburgh à Pittsburgh Post-Gazette na quinta-feira. “Contudo, tudo deu certo. Isso sim nos concede um pouco mais de permanência agora que temos normas formais”.

Foi difícil, apesar de tudo. Depois que os vereadores municipais fizeram a audiência deles em Abril, o conselho da saúde redigiu regras em Maio que teriam requerido que as pessoas que trocam seringas dessem os nomes delas e outra informação para identificação e teriam proibido as “trocas secundárias”, em que as pessoas recolhem seringas e daí as distribuem a outros que não estão no programa. O conselho ouviu essas denúncias.

“Eles restauraram o anonimato dos usuários, o que é absolutamente fundamental para o funcionamento da troca de seringas”, disse Cox. “Eles também permitiram a troca secundária, que expandirá o alcance deste pequeno programa”.

As novas normas ainda devem ser aprovadas pela câmara dos vereadores.

Imposição da Lei: As Estórias de Policiais Corruptos Desta Semana

As tentações da fronteira maculam outro distintivo de um homem da lei do Texas, um policial de Tulsa é condenado por ser útil demais a um traficante de drogas e um par do melhor de Newark se confessa culpado em um esquema de venda de comprimidos. Vamos ao que interessa:

Em McAllen, Texas, a Procuradoria Federal do Distrito do Sul do Texas lançou uma nota à imprensa anunciando no dia 29 de Agosto o indiciamento do ex-oficial da polícia do Sul do Texas por supostamente aceitar suborno para proteger o que ele achava que era uma carga de cocaína. O ex-Oficial da Polícia da Cidade de Elsa, Herman Carr, 45, é acusado de aceitar um pagamento de $5.000 de um agente disfarçado do FBI para usar o cargo dele como oficial da lei para proteger um veículo que lhe disseram que continha cinco quilos de cocaína. Ele é acusado de corrupção passiva e pode pegar até 20 anos em prisão federal.

Em Tulsa, Oklahoma, um júri federal declarou um ex-oficial da polícia de Tulsa culpado de formação de quadrilha, obstrução da justiça e notificação ilegal de um mandado de busca na sexta-feira passada. O ex-Oficial Rico Yarbrough foi condenado por informar a um narcotraficante suspeito que um mandado de busca estava prestes a ser entregue na residência dele, informou o Tulsa World. Em Fevereiro, Yarbrough ligou para um homem de Tulsa e lhe pediu que informasse ao traficante suspeito do reide iminente. Infelizmente para Yarbrough, a conversação estava sendo gravada. Os investigadores federais que escutaram o telefone do narcotraficante suspeito ouviram referências a Yarbrough, daí lhe deram informação para ver se contaria. Ele fez isso. Yarbrough não foi declarado culpado em duas acusações relacionadas, mas ainda enfrenta uma sentença considerável de prisão quando for sentenciado no dia 29 de Novembro.

Em Newark, dois oficiais da polícia de Newark se confessaram culpados em tribunal federal na terça-feira de acusações de terem comprado milhares de comprimidos de Oxycontin de um médico e de tê-los vendido, informou a Associated Press. Os Patrulheiros John Hernández e Ronald Pomponio podem pegar até 20 anos de prisão e $1 milhão em multas quando forem sentenciados em Dezembro por conspiração para distribuir oxicodona, o ingrediente ativo no Oxycontin. O par admitiu na corte que Hernández comprou comprimidos de Oxycontin estimados em centenas de milhares de dólares, enquanto que Pomponio levou as receitas para os comprimidos às farmácias de todo o estado. O médico de quem eles supostamente compraram as drogas se declarou inocente.

Terapia da Dor: DEA Pronta para Relaxar Restrições Sobre Prescrições de Classe II

Segundo uma regra proposta revelada na quarta-feira, a Administração de Repressão às Drogas (DEA) permitiria que os médicos que prescreverem drogas de Classe II, como a morfina ou o Oxycontin, preencham prescrições durante 90 dias em vez dos 30 dias. Atualmente, os pacientes da dor podem receber somente prescrições não-renováveis de 30 dias, as quais exigem que façam mais visitas ao consultório médico apenas para conseguirem uma nova prescrição. Os médicos e pacientes reclamaram que a regulamentação estrita da DEA das drogas de Classe II tem forçado os médicos a limitar as prescrições deles, com conseqüências como a falta de tratamento de pacientes.

Em uma entrevista coletiva na quarta-feira em Washington, a administradora da DEA, Karen Tandy, tentou dar sinais de que a agência estava ouvindo essas preocupações. “A declaração de políticas de hoje reafirma que a DEA quer que os médicos tratem a dor da maneira adequada de acordo com os padrões aceitos pela comunidade médica”, disse Tandy em comentários informados pela Associated Press. “Os médicos que agirem em concordância com a prática médica aceita deveriam estar confiantes de que não serão acusados criminalmente”.

Embora o número de médicos que enfrentam acusações criminais pelas suas práticas de prescrição seja relativamente pequeno, está aumentando – de 38 em 2003 para 67 no ano passado. Outros terapeutas da dor enfrentaram acusações criminais estaduais de sanções administrativas e os grupos de defesa dos pacientes e dos terapeutas da dor reclamam que a agência está alterando e tendo um efeito terrível sobre a prática da terapia da dor.

A ação foi bem-recebida pela Associação Estadunidense de Medicina, com a integrante da diretoria da AMA, a Drª. Rebecca Patchin, dizendo à AP que isso era um avanço rumo ao melhoramento do tratamento dos pacientes da dor. “Aliviar o sofrimento enquanto se faz todo o possível para impedir o abuso de substâncias controladas reflete tratamento adequado dos pacientes, um padrão que é mais fácil de conseguir quando existe uma forte relação entre o paciente e o médico”, disse a Drª. Patchin. “Precisamos proporcionar acesso aos analgésicos aos pacientes com necessidades legítimas e a proposta da DEA ajudaria a fazer isto”.

Os demais foram menos otimistas. “Como em muitas outras ocasiões, a Sra. Tandy declara aqui que os médicos não precisam temer processo criminal contanto que pratiquem a medicina em conformidade com o que estes policiais das drogas acharem que for ‘apropriado’”, disse Siobhan Reynolds, presidenta da Pain Relief Network. “Se isso não for uma ameaça, certamente passará por uma dentro da comunidade médica totalmente intimidada”.

Maconha: Em Captura Anual de Colheita, 98% de Todas as Apreensões de Maconha São Maconha Selvagem

O fato pode perder-se em meio ao frenesi sobre as apreensões multimilionárias de plantações de maconha a esta altura do ano, mas a vasta maioria de todas as plantas de maconha confiscadas pela lei é maconha selvagem. Para aqueles que não cresceram no Meio-Oeste, “ditchweed” é a maconha selvagem que descendeu das plantas de cânhamo que os agricultores produziram como parte do esforço de guerra na Segunda Guerra Mundial.

https://stopthedrugwar.org/files/dodgecounty.jpg
equipe de erradicação da maconha (ou, provavelmente, maconha selvagem) da Guarda Nacional, Dodge County, Minnesota
Como as plantas de cânhamo de onde saiu, a maconha selvagem tem níveis irrisórios de THC, o componente psico-ativo da maconha. Há um ditado antigo no Meio-Oeste que diz que é possível fumar um baseado de maconha selvagem do tamanho de um poste telefônico e tudo o que se consegue é uma dor de cabeça.

De acordo com os dados oficiais da DEA, a policia confiscou uma estimativa de 223 milhões de plantas de maconha no ano passado. Mas, 219 milhões delas, ou 98%, eram maconha selvagem. Esse dado estava concorde com os anos anteriores. E assombrosos 212 milhões de plantas vieram só do Indiana. O Missouri chegou em segundo lugar com 4.5 milhões de plantas, o Kansas em terceiro com 1.1 milhão e o Wisconsin em quarto com 272.000. A maioria dos estados não teve apreensões de maconha selvagem.

A DEA arca com a erradicação da maconha selvagem, algo que ocasionou as críticas do diretor executivo da National Organization for the Reform of Marijuana Laws em uma declaração que observa os dados anuais de apreensão. “Claro, a ironia é que o cânhamo industrial é cultivado legalmente pela maior parte do mundo ocidental como cultivo comercial pelo seu conteúdo fibroso”, disse. “Mas, o governo dos EUA está gastando o dinheiro do contribuinte para objetivar e erradicar este mesmo bem agrícola”.

Assim é empregado o dinheiro dos seus impostos.

Europa: Polícia Escocesa Passa a Advertir o Simples Porte de Maconha

A polícia em dois distritos policiais escoceses deu início a um programa-piloto em que as pessoas pegas em porte de pequenas quantidades de maconha recebem advertências em vez de serem presas e processadas. A polícia informou que já emitiu 23 advertências na área de West Lothian. O outro distrito no qual o programa está em andamento é Fife, onde umas 40 advertências já foram emitidas.

O jornal The Scotsman citou o porta-voz da polícia de Lothian e das Fronteiras que dizia, “West Lothian é a única divisão em que eles usam advertências para os adultos. Há um projeto-piloto de acordo com a promotoria”.

Depois que a polícia escocesa foi criticada por alguns organizadores de campanhas antidrogas por “dar o recado errado”, a Associação de Comandantes da Polícia, o agrupamento de altos oficiais da polícia da Grã-Bretanha, agiu para tranqüilizar os nervosos que a polícia não ia pegar leve. “O serviço da polícia na Escócia continua tomando uma posição robusta contra qualquer um que for pego em porte de drogas. Os projetos a postos em Fife e Lothian e nas Fronteiras estão de acordo com a promotoria local e no espírito do processo de reforma da justiça criminal”, disse o grupo.

O programa-piloto acontece depois de uma decisão de todas as corporações escocesas da polícia de passar a advertir ao invés de prender para uma variedade de pequenas infrações – como urinar em público ou pela perturbação menor da ordem – para infratores primários. As ações são parte de um esforço para reduzir o peso do conjunto pesado de processos sobre os tribunais e os promotores.

Mas, o Primeiro Ministro Escocês, Jack McConnell está se queixando. Embora diga aos repórteres que ele não queria dar ordens à polícia ou aos promotores, ele acrescentou que “gostaria muito” que as pessoas que portassem maconha fossem processadas. “A cannabis é ilegal e ninguém na Escócia deveria ter a impressão contrária”, disse.

Sudeste Asiático: Ministro Australiano de Relações Exteriores Se Diz “Agradecido” pela Posição Antidrogas Severa da Indonésia Depois que Quatro Australianos São Condenados à Morte por Contrabando

Depois que a Suprema Corte indonésia condenou quatro cidadãos australianos à morte por tentarem contrabandear heroína de Bali à Austrália, o Ministro Australiano de Relações Exteriores, Alexander Downer, disse em nota à imprensa na segunda à noite que ele estava “agradecido” pela posição severa da Indonésia nas políticas de drogas. Downer tinha pouca esperança que os quatro, e dois outros que já foram condenados à morte, fossem poupados.

Parte de um grupo conhecido como os “Nove de Bali”, os quatro australianos tinham sido sentenciados originalmente a longas sentenças de prisão, mas os procuradores recorreram das sentenças “indulgentes” e, no início desta semana, a Suprema Corte os recondenou à morte. Eles se juntaram a dois outros membros jovens dos “Nove de Bali” que já foram condenados a morrer em um caso que envolvia mais de 8 quilos de heroína.

Na entrevista coletiva convocada para confirmar a imposição das sentenças de morte, Downer disse que o caso não prejudicaria as relações entre os dois países. “Na verdade, instamos os indonésios a serem duros com o tráfico de drogas”, disse. “A última coisa que queremos é que a heroína seja levada da Indonésia à Austrália. Não se enganem. Agradecemos aos indonésios por serem duros com as drogas. O caso é que não queremos apoiar a pena de morte. Que eles tenham prendido pessoas que têm sido traficantes de drogas não significa que aquelas drogas não vão à Austrália e que australianos inocentes, ou usuários de drogas na Austrália, inocentes ou não, não vão usar aquelas drogas, e isso é bom”.

Apesar dos comentários otimistas de Downer, o Primeiro Ministro Liberal John Howard, ele mesmo um firme guerreiro antidrogas, anunciou que buscaria a clemência, apesar de ter advertido que isso seria algo improvável. “Não acho que as pessoas devam ter muitos pensamentos otimistas porque é difícil, mas tentaremos bastante e seremos contrários à pena de morte”, disse Howard na quarta-feira.

Outros políticos australianos protestaram mais alto. “O assassinato judicial é o que as autoridades indonésias têm em mente aqui. É uma prática repugnante e bárbara”, disse o Senador verde Bob Brown à Reuters.

Um grupo de políticos australianos que são membros da Anistia Internacional disse que protestaria contra o governo indonésio. “Não deveríamos ficar de braços cruzados e dizer que estas são as leis deles e que podem fazer o que quiserem”, disse o parlamentar Bruce Baird. Enquanto isso, os seis jovens australianos confrontam a morte iminente deles.

Um dos australianos sentenciados à morte, Scott Rush de 20 anos, disse que estava chocado com a decisão e que pediria ajuda. “Isto faz a minha cabeça girar. Estou para morrer, não é?”, disse. “A princípio, não quis recorrer por causa deste tipo de coisa. Estava assustado e os meus pais e eu nos estressamos. Mas, todos disseram que nenhum australiano seria executado e agora estou no corredor da morte. Se há algo que as pessoas podem fazer para impedir isto, por favor façam isso porque preciso de uma segunda chance na vida”.

Fazemos as coisas deste jeito na Indonésia, disse o General Sutanto. “Na Indonésia, o abuso químico é descontrolado porque o castigo tem sido indulgente demais. Se não falarmos sério em lidar com o problema, os narcotraficantes não serão dissuadidos”, disse Sutanto aos repórteres, de acordo com a Reuters.

Nota do Editor: É uma ingenuidade tola pensar que a pena de morte possa dissuadir o tráfico de drogas. Afinal, muitos participantes do narcotráfico já correm o risco de morrerem nas mãos dos seus competidores rotineiramente. Um governo que acrescente mais alguns corpos à pilha não faz nada para alterar fundamentalmente a realidade. É muito mais provável que leve o tráfico às mãos dos tipos mais perigosos de criminosos que se sentem mais confortáveis em assumirem o risco.

Sul Asiático: Rebeldes Indianos Ameaçam Matar Traficantes de Drogas e Tabaco

Um trio de grupos separatistas armados no estado de Manipur no nordeste indiano estão ameaçando matar traficantes de drogas e tabaco e atirar contra vendedores de licor na perna, informou o Indo-Asian News Service na quinta-feira. A ameaça foi feita em uma declaração conjunta da Frente Unida de Liberação Nacional (UNLF), o Kanglei Yawol Kanna Lup (KYKL) e o Partido Revolucionário do Povo de Kangleipak (PREPAK), todos postos na clandestinidade.

De acordo com a declaração, a venda e consumo de heroína, ópio, algo chamado “comprimidos de Spasmo Provyvon” e produtos de tabaco serão proibidos a partir do dia 15 de Setembro. Há uma exceção para o licor caseiro usado para fins religiosos.

“Os traficantes de drogas podem ser condenados à morte sem julgamento nenhum e qualquer um declarado culpado de vender licor receberia um tiro na perna”, advertiu a declaração rebelde. “O abuso químico só compôs o problema do HIV/AIDS, mas também teve forte impacto sobre a saúde física e mental dos jovens”, dizia a declaração.

O estado de Manipur – população de 2,4 milhões de habitantes – faz fronteira com a Birmânia e junto com grande parte do nordeste da Índia, que abrange o “triângulo dourado” produtor de ópio do Sudeste Asiático, tem um problema sério com a injeção de heroína, informou a agência de notícias. Até 100.000 usuários de drogas intravenosas moram em Manipur, muitos dos quais, segundo consta, são soropositivos.

Os três grupos separatistas querem territórios independentes da comunidade Metei majoritária que habita o vale central de Manipur, mas que está em conflito endêmico com os seus vizinhos planaltinos, os Naga. Eles são três de pelo menos 19 grupos rebeldes no estado que buscam de tudo, desde mais autonomia e governo centralizado à sucessão direta. Mais de 10.000 pessoas foram mortas em combate nas últimas duas décadas, disse a agência de notícias.

Embora esta declaração marque a primeira campanha formal contra os traficantes de drogas de parte dos grupos rebeldes, pelo menos uma dúzia já foram mortos em Manipur e mais foram alvejados nas pernas por “não se reformarem”. Os rebeldes moralistas põem muita ênfase nisso. Eles também atiraram em 10 pessoas na perna no ano passado por ajudarem estudantes a colar nas provas da universidade.

Semanal: Esta Semana na História

10 de Setembro de 2004: O serviço de notícias NewScientist.com lança um artigo intitulado “Cannabis Truly Helps Multiple Sclerosis Sufferers” [A Cannabis Ajuda de Verdade os Pacientes de Esclerose Múltipla], informando sobre a nova pesquisa que confirma a eficácia da maconha no tratamento das dores e dos espasmos musculares associados aos pacientes da doença.

12 de Setembro de 2002: Em Petalumo, CA, o dispensário de maconha medicinal Gênese 1:29 é sitiado pela DEA e Robert Schmidt, o dono, é preso. Os agentes também sitiam uma horta em Sebastopol, que supria o dispensário Gênese.

13 de Setembro de 1994: O Presidente Clinton assina o Ato de Controle e Repressão do Crime Violento de 1994 [The Violent Crime Control and Law Enforcement Act of 1994 (P.L. 103-322)], que inclui disposições para incrementar as penas para certos crimes relacionados com as drogas e financiar novos programas relacionados com as drogas.

13 de Setembro de 1999: O Tribunal do 9° Circuito dos EUA decide que os pacientes terminais devem poder usar maconha se houver necessidade.

13 de Setembro de 2000: Alberto Sepúlveda, 11, de Modesto, Califórnia, é morto a tiros durante um reide da DEA que procurava o pai dele, quando um oficial na cena atira acidentalmente, matando-o instantaneamente. Um ano e meio depois, a família entra em acordo na ação federal aberta pela morte.

14 de Setembro de 1995: Um juiz conservador nomeado por Reagan descrito pela revista American Lawyer como “o juiz mais brilhante do país”, Richard Posner, Presidente do Tribunal de Apelações do Sétimo Circuito dos EUA em Chicago, é citado pelo USA Today: “Sou cético de que uma sociedade que seja tão tolerante com o álcool e os cigarros deva ser tão dura com o consumo de maconha e mandar pessoas à prisão até o fim de suas vidas sem condicional. Não deveríamos revogar todas as leis de drogas do dia para a noite, mas deveríamos começar com a maconha e ver o que acontece”.

Oportunidades de Emprego: Drug Policy Alliance, NYC e Sacramento

A Drug Policy Alliance está procurando candidatures para dois cargos, um em Nova Iorque e o outro em Sacramento, Califórnia:

Diretor, Assuntos Públicos, Nova Iorque:

Este novo cargo terá a responsabilidade principal de desenho e execução de comunicação, marketing e estratégias de construção de marcas compreensivas para promover a DPA e a sua missão, comunicar a sua pauta de políticas e incrementar a visibilidade e imagem da organização entre os partidos interessados internos e externos, incluindo os defensores da DPA, a mídia, os legisladores e o público em geral. O Diretor de Assuntos Públicos terá a autoridade de supervisionar oito pessoais que abrangem todas as funções comunicativas da DPA, inclusive: relações midiáticas, advocacia eletrônica e a página da DPA, publicações e a Biblioteca Lindesmith. O Diretor também trabalhará na equipe administrativa da DPA.

As responsabilidades principais incluem: Garantir que a pauta de reforma das políticas de drogas da DPA esteja disposta persuasivamente para públicos múltiplos e diversos, esteja posicionado com vantagem no contexto de outras questões de políticas sociais e esteja comunicada efetivamente através de uma ampla gama de canais midiáticos existentes ou emergentes; garantir o envio de mensagens e a comunicação da imagem e das posições nas políticas da DPA tanto internamente como para os partidos interessados externos da DPA; supervisar as relações com as emissoras, a mídia eletrônica e a imprensa impressa, para construir a compreensão do trabalho e das posições nas políticas da DPA, encorajar o reconhecimento dos porta-vozes da DPA e promover a cobertura das atividades da DPA; administrar a escrita, o desenho e a produção de todas as publicações impressas e eletrônicas; manter sistemas para processar a distribuição de todas as publicações; supervisionar o desenho de anúncios baseados em questões e outros e coordenar a sua colocação na mídia apropriada; coordenar a representação da DPA em conferências, simpósios e outros eventos regionais, nacionais e internacionais; supervisionar o desenho e a produção de mercadorias da DPA; administrar e ser o mentor do pessoal do programa e supervisionar os orçamentos para todas as funções comunicativas da DPA; treinar o pessoal da agência em estratégias de comunicações, mensagens fundamentais e no uso de materiais.

O candidato ideal será um defensor motivado e instruído que pense conceitual, criativa e estrategicamente. As qualificações específicas incluem: Dez anos de experiência progressiva em comunicação orientada para a advocacia; experiência na justiça criminal e/ou na saúde pública de preferência; antecedentes provados de desenho e implementação de estratégias sofisticadas de comunicação e marketing; experiência na administração de um ou mais departamentos, na supervisão de orçamentos e na motivação das equipes de criação; entendimento total das questões da reforma das políticas de drogas; preferência, não exigência, de um diploma avançado em jornalismo ou comunicação; capacidade analítica forte e habilidades comunicativas superiores que incluem a escrita e a oratória em público; experiência direta com as políticas de drogas de preferência; o compromisso com a filosofia da redução de danos é essencial; a disponibilidade de trabalho em noites e fins de semana ocasionais e de viagens periódicas.

Diretor, Escritório da Capital da Califórnia, Sacramento:

Este cargo tem a responsabilidade principal da defesa legislativa da Califórnia da DPA, supervisiona um pequeno escritório profissional e trabalha na equipe administrativa da DPA.

As responsabilidades principais incluem: identificar oportunidades para promover as prioridades institucionais da DPA e responder às questões de políticas que surgirem na assembléia californiana; desenvolver e manter relações com aliados legislativos importantes; conscientizar e exercer pressão sobre legisladores e subordinados nas questões de políticas de drogas; supervisionar os lobistas profissionais e administrar os contratos do trabalho de pressão; colaborar com os companheiros de coalizão em estratégias legislativas e em mensagens públicas; mobilizar o apoio estadual de base em épocas fundamentais para se comunicar com os legisladores; trabalhar como porta-voz da DPA na mídia e em eventos comunitários, conferências e outros fóruns; contribuir com a administração, a supervisão, o controle de qualidade e a comunicação interna da DPA através da participação na equipe administrativa; garantir que os programas e práticas do escritório da Capital da Califórnia sejam consistentes com a missão e filosofia, a abordagem estratégica, as metas e os objetivos totais da DPA; administrar um pequeno escritório, inclusive a supervisão e tutela do pessoal, estagiários e voluntários; contribuir com as atividades de arrecadação de fundos para a DPA, tanto local quanto nacionalmente.

O candidato ideal será um defensor motivado e instruído que pense conceitual, criativa e estrategicamente. As qualificações específicas incluem: De sete a dez anos de experiência progressiva em políticas públicas e assuntos legislativos e/ou governamentais, campanhas políticas ou iniciativas eleitorais; experiência na justiça criminal e/ou na saúde pública de preferência;entendimento completo dos processos de iniciativas eleitorais e legislativas da Califórnia; preferência, não exigência, de um diploma avançado em políticas públicas/administração, saúde pública, direito ou um campo relacionado; capacidade analítica forte e habilidades comunicativas superiores que incluem a escrita e a oratória em público; experiência direta com as políticas de drogas de preferência; o compromisso com a filosofia da redução de danos é essencial; a disponibilidade de trabalho em noites e fins de semana ocasionais e de viagens periódicas.

Estes cargos estão disponíveis até que sejam preenchidos. Envie uma carta que descreva o seu interesse e contenha currículo e amostra escrita (que não seja editada por terceiros) para: Derek Hodel, Vice-Diretor, Drug Policy Alliance, 70 West 36th Street, 16º Andar, Nova Iorque, NY 10018, (212) 613-8021 fax, [email protected]. Os envios de mensagens eletrônicas são encorajados (por favor, use o nome do cargo no campo assunto) – não ligue, por favor.

A DPA oferece um pacote excelente de benefícios que inclui seguro de saúde, plano odontológico, oftalmológico e de invalidez, além de seguro de vida; um plano 403(b) generoso; e quatro semanas de férias remuneradas. A Drug Policy Alliance é uma Empregadora de Oportunidade Igual. Mulheres, pessoas de cor e deficientes são incentivados a se candidatarem. Visite http://www.drugpolicy.org para saber mais sobre a DPA.

Errata: Will the Real UISCE Please Stand Up?

In our story last week about Law Enforcement Against Prohibition's Jerry Cameron creating a stir when he appeared at a conference in Ireland, we misidentified one of the sponsors of the conference. The UISCE that cosponsored the conference is an Irish drug users' group (whose actual name we still do not know), not the Gaelic language youth development group to whom we linked in the story.

Matéria: Law Enforcement Against Prohibition Agita as Águas na Irlanda

O comandante aposentado da polícia da Flórida e porta-voz da Law Enforcement Against Prohibition (LEAP), Jerry Cameron, conseguiu tornar redondamente o debate sobre as drogas o centro das atenções com a sua aparição na Irlanda na semana passada. O discurso de Cameron na conferência “Repensando a Guerra Contra as Drogas” em Dublin, patrocinada por um trio de grupos irlandeses que trabalham as questões da prisão, as políticas de drogas e a juventude provocou numerosos editoriais e artigos de opinião jornalísticos, preencheu as ondas radiofônicas de papos sobre a legalização e forçou o governo irlandês a responder.

Organizada pelo Irish Penal Reform Trust, a organização beneficente que lida com as drogas, Merchant's Quay e a Union for Improved Services, Communication, and Education (UISCE), um grupo que combina esportes e aprendizagem da língua gaélica, a conferência “Repensando a Guerra Contra as Drogas” reuniu mais de mil políticos, funcionários do governo, reformadores e ativistas irlandeses no dia 28 de Agosto. Com Cameron como orador, a conferência certamente inspirou a reflexão irlandesa sobre as políticas nacionais de drogas.

https://stopthedrugwar.org/files/jerrycameron.jpg
Jerry Cameron na conferência de Dublin (cortesia IPRT)
Era exatamente o que o IRPT queria, disse o diretor executivo Rick Lines. “O IRPT não tem nenhuma política formal que apóie a legalização e a descriminalização”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Contudo, partimos da análise de que a descriminalização das drogas é uma força motriz do crescimento das populações penais na Irlanda e é uma causa principal dos altos índices de infecção de HIV e Hepatite C nas prisões. Portanto, examinar as alternativas à criminalização das drogas e as alternativas à prisão para as pessoas que consumem drogas deve ser uma parte central do trabalho realizado pelas organizações de reforma das prisões internacionalmente. Freqüentemente, me dizem nas conferências de redução de danos que as organizações de reforma das prisões nos países deles nem sequer discutem as leis sobre as drogas. Quer isto seja verdade ou não, não tenho certeza, mas espero que não seja”.

Para Lines, a conferência e a atenção que atraiu foram um grande sucesso. “O evento foi bem-sucedido além de todas as nossas esperanças”, disse. “A multidão foi muito maior do que a antecipada – só na sala – assim como a cobertura da imprensa. Contamos 26 veículos diferentes de televisão, rádio e da mídia impressa cobrindo o evento e podemos ter ignorado alguns. Assim, o evento foi um começo muito bem-sucedido para remoldarmos o debate sobre esta questão, que era o que realmente esperávamos conseguir”.

“Esta foi uma das melhores conferências de que participei”, disse Cameron da LEAP à DRCNet. “O pessoal do Irish Penal Reform Trust fez um trabalho maravilhoso de organização e entre aqueles participantes havia um parlamentar e um membro do Parlamento Europeu, o ex-ministro irlandês de drogas, vários membros do sistema de liberdade vigiada, um representante da Garda [a polícia irlandesa] – foi um verdadeiro entrecruzamento de interessados nestas questões. Tenho que dizer que o pessoal do governo irlandês era muito mais aberto que os políticos que encontro nos EUA”.

A atenção da mídia foi tremenda, disse Cameron. “Aparecemos em todo jornal irlandês um dia depois da conferência. Também fiz muito trabalho com as emissoras irlandesas de rádio e televisão”, explicou. “Apareci até em um programa de rádio em que uma mulher que debatia comigo ficou tão enlouquecida que tivemos ouvinte após ouvinte ligando para refutar as posições dela e debater a favor da reforma fundamental”.

De fato, a resposta da mídia foi intensa e principalmente favorável. O Irish Examiner cobriu a conferência e os comentários de Cameron no mesmo dia com uma matéria intitulada "US Police Chief's Warning Over Doomed Drug Policy" [A Advertência do Comandante Estadunidense da Polícia Sobre as Políticas de Drogas Fracassadas], enquanto que o Irish Times publicou um artigo de reação, "Government Considered Legalizing Heroin" [Governo Considerou Legalizar a Heroína] e o Examiner voltava no dia seguinte com outro artigo de reação, "Legalizing Cannabis 'Would Result in State Being Sued'" [Legalizar a Cannabis “Resultaria em Processos Contra o Estado”]. Mas, mesmo esses artigos de reação que contavam com dados do governo os quais explicavam por que as drogas nunca poderiam ser legalizadas mantiveram a discussão da proibição das drogas perante o público irlandês.

Por volta do fim da semana passada, o governo irlandês foi forçado a responder diretamente. O homem encarregado do tratamento químico irlandês, o Ministro de Estado no Departamento de Comunidade, Noel Ahern, chamou os repórteres para dizer-lhes que o governo ia recusar os pedidos de legalização das drogas. “Não vamos nessa direção”, disse, em comentários informados pelos serviços irlandeses de notícias. “E se houver ações no futuro, elas teriam que ser tratadas mundialmente. Um país sozinho não pode agir. A Holanda tentou fazer isso há poucos anos e está retrocedendo bastante porque percebeu que estava atraindo o turismo de drogas”, acrescentou Ahern, entendendo equivocadamente as atuais políticas de drogas holandesas.

“Não teríamos esperado mais nada da resposta do governo”, disse Lines do IRPT. “Mas, mais uma vez, o nosso objetivo principal era somente colocar o debate de verdade e, nesse sentido, tivemos um sucesso impressionante. Para parafrasear um dos oradores no evento, se tivéssemos realizado um fórum público há 20 anos que falasse sobre a troca de seringas, as pessoas teriam pensado que fosse loucura, mas agora é uma política bem-estabelecida”.

“A tempestade na mídia ainda continua”, disse Cameron na terça-feira com uma mescla de surpresa e prazer. “Tem havido mais um par de colunas nos últimos dias, uma que me citou extensamente. A abordagem que tomei teve bons resultados. Disse-lhes que não estava ali para dizer à Irlanda como conduzir os negócios dela, mas para lhes dizer que as políticas estadunidenses de drogas têm sido um fracasso total e para lhes pedir que lucrem com os nossos erros. Eles têm muita gente talentosa que pode inventar soluções irlandesas para problemas irlandeses. O que fizemos nos EUA certamente não deu certo”, disse.

Uma carta aberta no Irish Independent no sábado passado intitulada "The War Isn't Working So Is It Now Time to Consider the Unthinkable and Legalize All Drugs?" [A Guerra Não Está Funcionando, Então Chegou a Hora de Pensar no Impensável e Legalizar as Drogas?] foi o típico comentário da imprensa irlandesa. “Atualmente, há mais criminalidade, doença, morte e dependência do que nunca antes”, escreveu o colunista. “Ele [Cameron] acha, e eu comungo com o ponto de vista dele, que nem sequer um objetivo nem uma meta da ‘guerra contra as drogas’ foi cumprido e que a ‘relegalização das drogas’ é ‘a única maneira de impedir que as drogas caiam nas mãos dos nossos filhos, de fazer espaço para que os infratores violentos cumpram as sentenças completas deles nas nossas prisões e de devolver à imposição da lei a sua função legítima de proteger os nossos cidadãos”.

Um colunista no Irish Examiner opinou similarmente um dia antes em um artigo intitulado "We Are Losing the War on Drugs and Policy Should Be Stood On Its Head" [Estamos Perdendo a Guerra Contra as Drogas e as Políticas Deveriam Ser Postas de Cabeça Para Baixo]. Nesse artigo, o colunista Ryle Dwyer resumiu o argumento de Cameron, acrescentou alguns argumentos seus e concluiu desta forma: “Usar táticas tentadas e testadas que fracassaram tanto é uma causa, não a resposta, dos nossos problemas”.

“O primeiro passo em qualquer esforço para promover a mudança das políticas é popularizar a sua perspectiva e transformá-la de ‘loucura’ em parte legítima do discurso público”, disse Lines do IRPT. “Um evento não conseguirá isto, mas é um começo. A matéria continuou na imprensa dias depois do evento e acho que isto agüenta bem o trabalho contínuo nesta questão, já que talvez tenhamos ajudado a abrir um lugar seguro para que outros levantem argumentos similares”.

Conferência após conferência, carta após carta, programa após programa, aa mensagem antiproibicionista está se difundindo e com a ajuda de grupos como a LEAP e o IRPT, está se difundindo na corrente principal.

Clique aqui para ver o vídeo da LEAP ou faça uma doação de $15 ou mais à DRCNet para pedir uma cópia do DVD.

Matéria: Local de Injeção Segura de Vancouver Recebe Somente Isenção Limitada de Continuação

O Insite, o local pioneiro de injeção segura de Vancouver, conseguiu um indulto do governo conservador do Primeiro Ministro Steven Harper na sexta-feira passada – mas um indulto limitado. A isenção de três anos do local das leis sobre as drogas do Canadá ia vencer na semana que vem e o governo Harper demorara meses para saber se aprovaria novamente a experiência polêmica da redução de danos. Os defensores, inclusive a cidade de Vancouver, o atual prefeito e dois ex-prefeitos, ativistas locais, investigadores de todo o mundo e políticos canadenses tinham procurado uma renovação da isenção de três anos, mas o governo Harper anunciou que renovaria a isenção só até Dezembro de 2007.

https://stopthedrugwar.org/files/insite1.jpg
InSite (cortesia Autoridade Litorânea da Saúde de Vancouver)
Em um pronunciamento na sexta passada à tarde – aparentemente, calculado para fazer com que a matéria desaparecesse durante uma eliminação de notícias do feriado prolongado de três dias --, o Ministro da Saúde Tony Clement disse que os resultados dos primeiros três anos da operação do Insite levantaram novas perguntas que devem ser respondidas antes que o governo Harper tomasse uma decisão sobre o futuro do Insite no longo prazo ou aprovasse qualquer outro local de injeção segura no Canadá.

“Os locais de injeção segura contribuem com a diminuição do consumo de drogas e com a luta contra a dependência? Agora mesmo, a única coisa que a pesquisa provou conclusivamente até o presente momento é que os dependentes químicos precisam de mais ajuda para se livrarem das drogas”, disse o Ministro Clement. “Dada a necessidade de mais fatos, sou incapaz de aprovar a solicitação atual de estender o local de Vancouver durante mais três anos e meio”.

Os comentários de Clement refletiram o antagonismo ideológico do governo Harper em relação às práticas de redução de danos em geral e em relação a qualquer forma de trato dos consumidores de drogas que não envolva a abstinência em particular. “Achamos que a melhor forma de redução de danos é ajudar os viciados a romperem o ciclo da dependência”, disse Clement. “Também precisamos de conscientização e prevenção melhores para garantirmos que os canadenses não virem dependentes das drogas, para início de conversa”.

Apesar do Insite e a Autoridade Litorânea da Saúde de Vancouver, a entidade governamental encarregada de operar o local, terem produzido resmas de pesquisa mostrando que o local reduziu as overdoses de drogas, ele atraiu os usuários que correm o risco de contraírem HIV/AIDS e hepatite C, aumentou o número de usuários que buscam tratamento ou aconselhamento e reduziu a partilha de seringas – tudo isso sem levar a aumentos nem na criminalidade nem no consumo de drogas --, o Ministério da Saúde insiste que quer mais.

“Demos uma olhada na pesquisa publicada pela Real Polícia Montada Canadense”, disse o porta-voz do Ministério da Saúde, Erik Waddell, à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Queremos que se faça mais pesquisa para mostrar que esta forma de redução de danos ajudará realmente os viciados a se livrarem das drogas”.

Embora o Ministro Clement e o governo Harper estejam pedindo mais pesquisa sobre a eficácia do Insite, não estão dispostos a arcar com ela. O governo federal esteve patrocinando a pesquisa no Insite até a soma de $500.000 ao ano, mas Waddell disse que isso chegara ao seu fim. “Não vamos dar mais financiamento nenhum à pesquisa”, disse.

Isso era novidade para a Autoridade Litorânea da Saúde de Vancouver e os defensores do Insite. “Não sabíamos disso”, disse Viviana Zanocco, porta-voz da Autoridade Litorânea da Saúde de Vancouver. “Ainda estamos tentando contatá-los e aguardamos detalhes”, disse ela à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Mas, estamos satisfeitos que a extensão tenha sido concedida, apesar de não ter sido para os três anos e meio que solicitamos”.

“É uma boa notícia que a isenção tenha sido estendida e que eles não o tenham fechado”, disse Gillian Maxwell da Insite for Community Safety, uma coalizão criada para ajudar a garantir a continuação da existência do local. “O Insite continua aberto por causa do amplo apoio em prol dele e em razão da profundidade da pesquisa levada a cabo que mostra o que já conseguiu”, disse ela à Crônica.

Mas, Maxwell também reclamou que o governo Harper está mudando as traves do gol. “Eles deixaram as coisas mais difíceis”, disse. “Temos um programa de redução de danos que ajuda as pessoas a entrarem no tratamento, mas agora o governo Harper quer que mostre que ajuda as pessoas a parar de consumir drogas. Nunca poderemos fazer que todos parem de usar drogas. Isto significa que temos muito trabalho a fazer para proteger o Insite”.

Maxwell disse que ela estava chocada, mas não surpresa, pela recusa do Ministério da Saúde a financiar a pesquisa adicional que pede. “Eles são ideologicamente opostos a isto, então tentam dificultar as coisas o máximo possível. Eles podem achar que as coisas deveriam ser de certa maneira, mas a realidade e a pesquisa dizem o contrário”.

Embora a extensão de curto prazo da isenção seja melhor do que fechar a instalação, disse Maxwell, ela pode ser muito bem um sinal de que o governo Harper tentará fechar o local permanentemente depois. “Eles não se sentiam confiantes o bastante para tentar fechá-lo agora, mas eles já deixaram claro que favorecem uma abordagem de três, não quatro, pilares. Não se importam muito com a redução de danos e acho que eles acreditam que daqui a 16 meses terá havido outra eleição e que eles terão a maioria e, então, poderão fechá-lo”.

Os representantes do Insite e da secretaria municipal de políticas de drogas de Vancouver saíram de férias nesta semana e não foram encontrados.

Ann Livingston da Vancouver Area Network of Drug Users (VANDU) previu há meses que o governo Harper buscaria uma solução interna. “Acho que estava certa”, disse ela à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Eu os conheço e eles não querem deixar que montemos uma campanha. Se eles tivessem dito não francamente, isso teria sido ótimo, podíamos ter nos mobilizado de verdade”.

Mas, Livingston e a VANDU não estão só de braços cruzados esperando o mês de Dezembro de 2007. No fim do mês passado, o grupo entrou com uma ação que busca um interdito para manter o local aberto e acusa o governo Harper de discriminar as pessoas com doenças diagnosticáveis como a dependência química. “Criminalizar um grupo de pessoas que é dependente das drogas é impedi-los de terem acesso aos cuidados médicos, e esse é um direito garantido pela Carta”, disse. “A ação judicial continuará”.

A ação judicial também acusou que o Insite não precisa de uma isenção das leis canadenses sobre as drogas e que mesmo se precisar dela, o governo não deu um processo de solicitação. “O pessoal no Insite não manuseia as drogas, então não deve precisar de uma isenção”, debateu Livingston. “Se eles forem debater que precisam de uma autorização, têm que nos dizer como fazer isso. No momento, não há processo de solicitação; tudo está ao bel-prazer de um ministro”.

O local de injeção segura sobreviveu a uma data de execução, mas os pretensos carrascos em Ottawa ainda continuam afiando os seus machados. Felizmente, o Insite tem um monte de amigos e antecedentes provados. Esta batalha vai continuar durante algum tempo.

Matéria: Cultivo Afegão de Papoulas Bate Recorde Enquanto Aumenta a Violência

As coisas não andam bem no Afeganistão. Em uma admissão desconcertante de que centenas de milhões de dólares gastos na tentativa de erradicar o cultivo de papoulas do país conseguira pouca coisa, o Escritório da ONU Contra as Drogas e o Crime (ONUDC) anunciou no sábado que o cultivo afegão de papoulas deste ano teve uma alta de “assombrosos” 60% sobre o ano anterior e renderá um recorde de 6.100 toneladas neste ano, levando a um excedente global no mercado negro da heroína.

O ópio é a espinha dorsal da economia afegã, respondendo por algo entre 35% e 50% do produto interno bruto, e o ópio afegão é a espinha dorsal do tráfico global em narcóticos, respondendo agora por 92% da produção global ilícita total, de acordo com o UNODC.

https://stopthedrugwar.org/files/eradicationteam.jpg
equipe de erradicação da papoula (foto do relatório do Conselho Senlis, seção de fotografias)
Enquanto isso, as tropas estadunidenses e as forças da OTAN, que assumiram as operações no sul intranqüilo do país no início deste ano, estão sendo mortas em um nível recorde enquanto os rebeldes do Talibã e da Al Qaeda, revigorados pelos lucros ganhos com o tráfico de ópio, estão levando a batalha aos estrangeiros e o governo que eles mantêm. E em um reflexo do aumento do papel da OTAN, pela primeira vez, as baixas da OTAN estão acompanhando o passo das baixas estadunidenses. No que está virando o ano mais sangrento até agora para os ocupantes do Afeganistão, 73 soldados da OTAN e 74 soldados estadunidenses foram mortos até o momento. No ano passado, o segundo mais sangrento desde a invasão estadunidense há quase cinco anos atrás, 99 soldados estadunidense e 31 da OTAN foram mortos em combate.

“As notícias são muito ruins. Hoje, na frente da papoula em algumas das províncias do Afeganistão, enfrentamos um estado de emergência”, disse o diretor do UNODC, Antonio Maria Costa, em entrevista coletiva em Cabul após apresentar os resultados da sondagem do cultivo ao Presidente Hamid Karzai. “Nas províncias do sul, a situação está fora de controle”.

Na província sulista de Helmand, presente germinal de atividade do Talibã, o cultivo teve uma alta de assombrosos 162% e responde por 42% do cultivo afegão total de papoulas, disse o UNODC. Costa disse à entrevista coletiva em Cabul que a OTAN deve aumentar o seu papel no combate ao tráfico de ópio, especialmente no sul, onde está ajudando a fomentar a insurgência do Talibã.

“Precisamos de medidas muito mais fortes e enérgicas para melhorarmos a segurança ou temo que vamos enfrentar uma situação dramática de fracasso em regiões, distritos e talvez até províncias no futuro próximo”, disse Costa.

Mas, embora no fim desta semana os comandantes da OTAN tenham pedido urgentemente mais tropas no sul, eles têm pouco interesse em lutar a guerra às drogas. A posição oficial da OTAN é que a sua ordem é de manutenção da estabilidade e da paz, não antinarcóticos.

Mas, há a pressão dos estadunidenses e britânicos que tentam fazer duas guerras simultaneamente, a guerra contra o terror e a guerra contra as drogas. O alto oficial antidrogas estadunidense no Afeganistão, Doug Wankel, disse em entrevista coletiva que a necessidade era urgente. “Este país pode ser derrubado por este problema das drogas”, disse aos repórteres. “Temos visto o que pode sair do Afeganistão, se voltarmos ao 11 de Setembro. Obviamente, os EUA não querem ver aquilo de novo”.

Porém, os analistas consultados pela Crônica da Guerra Contra as Drogas advertiram que tentar esmagar a economia do ópio e lutar contra o Talibã ao mesmo tempo é uma receita para o desastre. “Paradoxalmente, quanto mais forem atrás da produção de ópio, mais eles fortalecem o laço entre o Talibã e a população e os traficantes”, disse Vanda Felbab-Brown, pesquisadora na Instituição Brookings e na Faculdade John F. Kennedy de Assuntos Governamentais da Universidade de Harvard. “É um dilema difícil. Não pode haver progresso fundamental seja no problema dos narcóticos, seja na estabilização em geral, a menos que lidemos com esta insurgência”, disse ela à Crônica.

“Agora, o Talibã ficou mais integrado na produção no sul mais uma vez”, explicou Felbab-Brown. “Após 2001, eles foram expulsos do tráfico de drogas porque estavam em fuga e porque as forças estadunidenses e da coalizão não estavam indo atrás do tráfico de drogas. Mas agora, os traficantes precisam de alguém para protegê-los, para assustar as equipes de erradicação e a presença do estado, e o Talibã está lhes dando esta proteção. Também está explorando a erradicação”, disse a especialista em drogas ilícitas e o conflito militar. “Eles estão entregando panfletos que dizem coisas como ‘Somos o Talibã. Não é horrível que Karzai, sob pressão dos infiéis estrangeiros, esteja tentando destruir os nossos cultivos? Aí está o nosso telefone celular. Ligue para gente’. Então, agora o Talibã não está só lucrando financeiramente, também está conseguindo a fidelidade da população ao proporcionar-lhe proteção”.

“As coisas estão um pouco fora de controle porque muitas coisas que acontecem no Iraque e no Oriente Médio tiram a atenção das superpotências ao Afeganistão, então os intrusos têm mais chances de acelerarem as atividades destrutivas e ilegais deles”, disse Raheem Yacer, vice-diretor do Centro de Estudos Sobre o Afeganistão na Universidade de Nebraska-Omaha. “Ao mesmo tempo, a coalizão e o governo Karzai estão ocupados demais lutando contra o Talibã e a Al Qaeda para se concentrarem na erradicação”, disse ele à Crônica.

“O Talibã está adentrando áreas em que há cultivo de papoulas e eles recebem o apoio dos agricultores cujas plantações foram destruídas ou ameaçadas”, prosseguiu Yaseer. “Assim, os traficantes e cultivadores têm um pouco mais de liberdade que costumam ter. Por isso o negócio está florescendo para os traficantes de drogas. Há frentes demais a lidar e a erradicação é só uma frente”.

É difícil conseguir soluções. “Ninguém sabe qual é a resposta”, reconheceu Yaseer. “Daqueles bilhões de dólares que eles estão gastando, precisam usar parte disso para compensar os agricultores e criar outros empregos e projetos. As pessoas nas províncias não têm emprego e passam fome e os terroristas oferecem dinheiro para que se juntem a eles. As pessoas se voltam para o Talibã, os terroristas e os narcotraficantes porque aí está o dinheiro. O governo e a coalizão não podem competir com o dinheiro que os narcotraficantes oferecem. E não ajuda em nada que exista tanto nepotismo e envolvimento de funcionários importantes no tráfico. Isso só dificulta mais a imposição das leis sobre as drogas. Muitos funcionários do governo estão apoiando o tráfico, não combatendo-o”.

https://stopthedrugwar.org/files/opium-smaller.jpg
os artigos do traficante de ópio (foto do editor da Crônica Phil Smith durante a sua visita de Setembro de 2005 ao Afeganistão)
"Sem dúvida, muitos funcionários do governo são cúmplices no tráfico, mas se concentrar nos indivíduos é um erro”, observou Felbab-Brown. “Não se trata dos indivíduos, mas de fatores estruturais profundos como a falta de estabilidade, segurança e o desenvolvimento econômico. Quem quer que esteja no poder, seja honesto ou corrupto, terá que confrontar estas questões. Os honestos confrontarão o fato de que não há nada, exceto cultivar papoulas, para grande parte da população. A única maneira de fazer a erradicação agora é a ponto de bala e assim não se levam a cabo políticas legítimas e aceitas. A erradicação forçada gera a instabilidade e a oposição do povo, e os políticos ambiciosos no sul se aliarão ao Talibã”.

Para Felbab-Brown, tudo se trata de fazer a contra-insurgência direito. “É crucial aumentar o número das forças, aumentar a presença de tropas e a entrega de ajuda”, disse ela. “É difícil entregar ajuda durante uma insurgência ativa, mas é vital. Também precisamos de paciência, especialmente na questão dos narcóticos. A grande pressão em prol da erradicação prematura que vem de Washington e das organizações internacionais precisa ser resistida. Precisamos de mais dinheiro, mais tropas, mais desenvolvimento. Esta comunidade internacional está disposta a proporcionar estes recursos?”

Ser paciente com a economia do ópio é aproximar-se da abordagem certa, disse Ted Galen Carpenter, um analista de relações exteriores e políticas de drogas junto ao Instituto Cato, de tendência libertariana. “A única solução é a que ninguém em qualquer cargo de influência em Washington ou nas capitais da OTAN quer considerar – a legalização das drogas”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Isso tiraria os lucros do mercado negro do tráfico de drogas. É a solução final. Se eles não pensarem na legalização, o mínimo que podem fazer é vista grossa quando se trata do tráfico de drogas. Isso funcionou no Peru nos anos 1980, quando os generais peruanos resolveram que ignorar o cultivo de coca acabaria com o apoio ao Sendero Luminoso. Algo similar precisa acontecer no Afeganistão, quer eles admitam isso ou não. Se falam sério em prevenir mais rebotes do Talibã e da Al Qaeda, precisam se livrar da guerra às drogas”.

Tentar fazer tanto a guerra contra o terror quanto a guerra contra as drogas solapa as políticas estadunidenses no país, debateu Carpenter. “Há uma inconsistência fundamental na estratégia estadunidense de construção do país no Afeganistão. A meta principal é solapar o Talibã e a Al Qaeda, mas o problema é que se eles forem atrás do tráfico de drogas, alienam uma grande parte da população e fortalecem o apoio ao Talibã. Mesmo tentar processar a guerra contra as drogas ali solapa a meta principal dos EUA no Afeganistão”.

O nosso grupo europeu de advocacia e desenvolvimento, o Conselho Senlis, tem proposto durante quase um ano que o cultivo afegão de papoulas seja autorizado, legalizado e desviado para o mercado medicinal legítimo. O Conselho Senlis foi um forte crítico das políticas ocidentais nesta semana.

“Enormes quantidades de dinheiro foram gastas em operações militares grandes e custosas, mas após cinco anos, o sul do Afeganistão é mais uma vez um campo de batalha pelo controle do país”, disse o diretor executivo do Conselho Senlis, Emmanuel Reinert, enquanto anunciava a publicação de um novo relatório sobre o renascimento do Talibã. “Ao mesmo tempo, os afegãos passam fome. Os EUA perderam o controle no Afeganistão e, de várias maneiras, solapou a nova democracia no Afeganistão. Eu acho que podemos chamar isso de fracasso, e um fracasso tal que as suas conseqüências terríveis devem nos preocupar a todos. As políticas estadunidenses no Afeganistão recriaram o abrigo do terrorismo que a invasão de 2001 visava a destruir”.

Mas, a proposta de autorização do Conselho Senlis está conseguindo pouco respeito ou tração e provavelmente não vencerá, disse Yaseer. “Não acho que a proposta do Conselho chegue muito longe”, disse Yaseer. “Há todos os tipos de oposição a qualquer legalização. Os grupos religiosos não a apoiarão, os legisladores não a apoiarão. Também há questões sérias sobre se isso simplesmente abriria mais locais de cultivo e tráfico”.

Perguntas, perguntas. Há muitas perguntas no Afeganistão, mas poucas boas respostas.

Semanal: Esta Semana en la Historia

10 de Septiembre de 2004: El servicio de noticias NewScientist.com lanza un artículo intitulado “Cannabis Truly Helps Multiple Sclerosis Sufferers” [El Cannabis Ayuda de Verdad a Pacientes de Esclerosis Múltiple], informando sobre la nueva pesquisa que confirma la eficacia de la marihuana en el tratamiento de los dolores y los espasmos musculares asociados con los pacientes de la enfermedad.

12 de Septiembre de 2002: En Petalumo, CA, el dispensario de marihuana medicinal Génesis 1:29 es allanado por la DEA y Robert Schmidt, el dueño, es preso. Los agentes también allanaron a un jardín en Sebastopol, que suplía el dispensario Génesis.

13 de Septiembre de 1994: El Presidente Clinton firma la Ley de Control y Represión del Crimen Violento de 1994 [The Violent Crime Control and Law Enforcement Act of 1994 (P.L. 103-322)], que incluye a disposiciones para incrementar las penas para ciertos crímenes relacionados con las drogas y financiar nuevos programas relacionados con las drogas.

13 de Septiembre de 1999: El Tribunal del 9º Circuito de los EE.UU. decide que los pacientes terminales deben poder usar marihuana si hay necesidad.

13 de Septiembre de 2000: Alberto Sepúlveda, 11, de Modesto, California, es muerto a tiros durante un allanamiento de la DEA que buscaba a su padre, cuando un oficial en la escena dispara accidentalmente, matándolo instantáneamente. Un año y medio después, la familia hace un acuerdo en la acción federal abierta por la muerte.

14 de Septiembre de 1995: El juez conservador nombrado por Reagan descrito por la revista American Lawyer como “el juez más brillante del país”, Richard Posner, Presidente del Tribunal de Apelaciones del Séptimo Circuito de los EE.UU. en Chicago, es citado por el USA Today: “Soy escéptico de que una sociedad que sea tan tolerante con el alcohol y los cigarrillos deba ser tan dura con el consumo de marihuana y enviar personas a la prisión hasta el fin de sus vidas sin condicional.. No deberíamos revocar todas las leyes de drogas de la noche a la mañana, pero deberíamos empezar con la marihuana y ver lo que pasa”.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Pill Testing, Safer Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psilocybin / Magic Mushrooms, Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School