Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Feature: Afghan Opium Crop Hits Record as Violence Increases

Things are not going well in Afghanistan. In a stunning admission that the hundreds of millions of dollars spent trying to eradicate the country's opium crop had accomplished little, the United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC) announced Saturday that this year's Afghan opium crop is up a "staggering" 60% over last year and will yield a record 6,100 tons this year, leading to a global surplus in black market heroin.

Opium is the backbone of the Afghan economy, accounting for somewhere between 35% and 50% of gross national product, and Afghan opium is the backbone of the global traffic in narcotics, now accounting for 92% of total illicit global production, according to UNODC.

https://stopthedrugwar.org/files/eradicationteam.jpg
opium eradication team (photo from the Senlis Council report, photo library section)
Meanwhile, US soldiers and NATO forces, who took over operations in the restive south of the country earlier this year, are being killed at a record pace as Taliban and Al Qaeda rebels reinvigorated by profits from the opium trade are taking the battle to the foreigners and the government they prop up. And in a reflection of the increased NATO role, for the first time, NATO casualties are keeping pace with American casualties. In what is turning into the bloodiest year so far for Afghanistan's occupiers, 73 NATO troops and 74 American soldiers have been killed so far. Last year, the second bloodiest since the US invasion nearly five years ago, 99 US and 31 NATO troops were killed in fighting.

"The news is very bad. On the opium front today in some of the provinces of Afghanistan, we face a state of emergency," UNODC head Antonio Maria Costa told a Kabul news conference after presenting results of its crop survey to Afghan President Hamid Karzai. "In the southern provinces, the situation is out of control."

In southern Helmand province, now a hotbed of Taliban activity, cultivation rose by a whopping 162% and accounts for 42% of total Afghan opium cultivation, the UNODC said. Costa told the Kabul news conference that NATO must step up its role in fighting the opium trade, especially in the south, where it is helping to fuel the Taliban insurgency.

"We need much stronger, forceful measures to improve security or otherwise I'm afraid we are going to face a dramatic situation of failed regions, districts and even perhaps even provinces in the near future," Costa said.

But while NATO commanders late this week called urgently for more troops on the ground in the south, they have little interest in fighting the drug war. NATO's official position is that its mandate is for stability and peace-keeping, not counternarcotics.

Still, there is pressure from the Americans and the British to try to wage both the war on terror and the war on drugs simultaneously. The top American anti-drug official in Afghanistan, Doug Wankel, told the press conference the need was urgent. "This country could be taken down by this whole drugs problem," he told reporters. "We have seen what can come from Afghanistan, if you go back to 9/11. Obviously the US does not want to see that again."

But analysts consulted by Drug War Chronicle warned that attempting to quash the opium economy and fight the Taliban at the same time is a recipe for disaster. "Paradoxically, the more they go after opium production, the more they strengthen the bond between the Taliban and the population and the traffickers," said Vanda Felbab-Brown, a research fellow at the Brookings Institution and Harvard University's John F. Kennedy School of Government Affairs. "It is a difficult conundrum. There can be no fundamental progress on either the narcotics problem or stabilization in general unless we deal with the insurgency," she told the Chronicle.

"The Taliban have now once again become integrated into production in the south," Felbab-Brown explained. "After 2001, they were pretty much forced out of the drug trade because they were fleeing and because the US and coalition forces were not going after drug trafficking. But now, the traffickers need someone to protect them, to scare off the eradication teams and the state presence, and the Taliban is providing this protection. It is also exploiting the eradication effort," the expert on illicit drugs and military conflict said. "They are handing out leaflets saying things like 'We are the Taliban. Isn't it awful that Karzai under the pressure of the foreign infidels is trying to destroy our crops. Here's our cell phone number. Give us a call.' So now, the Taliban is not only profiting financially, it is also gaining the allegiance of the population by providing protection."

"Things are a bit out of control because so many things happening in Iraq and the Middle East keep the superpowers' eyes off of Afghanistan, so the intruders have more opportunities to accelerate their destruction and illegal activities," said Raheem Yaseer, assistant director of the Center for Afghanistan Studies at the University of Nebraska-Omaha. "At the same time, the coalition and the Karzai government are too busy fighting the Taliban and Al Qaeda to concentrate on eradication," he told the Chronicle.

"The Taliban is moving into the areas where there is drug cultivation, and they receive support from farmers who have had their crops destroyed or threatened," Yaseer continued. "Thus, the traffickers and growers have a bit more freedom than usual. That's why business is booming for the drug dealers. There are too many fronts to deal with, and eradication is just one front."

Solutions are hard to come by. "Nobody knows what the answer is," Yaseer conceded. "Out of those billions of dollars they are spending, they need to use some to compensate farmers and create other jobs and projects. People in the provinces are unemployed and hungry, and the terrorists offer them money to join them. People turn to the Taliban and the terrorists and the drug dealers because that's where the money is. The government and the coalition cannot compete with the money drug dealers offer. It doesn't help that there is such nepotism and involvement of high level officials in the trade. That only makes it all the more difficult to enforce the drug laws. Many government officials are supporting the trade, not fighting it."

https://stopthedrugwar.org/files/opium-smaller.jpg
the opium trader's wares (photo by Chronicle editor Phil Smith during September 2005 visit to Afghanistan)
"There is no doubt lots of government officials are complicit in the trade, but focusing on individuals is a mistake," noted Felbab-Brown. "This isn't about individuals, but about deep structural factors like the lack of stability, security, and economic development. Whoever is in power, whether honest or corrupt, will have to contend with these issues. The honest ones will confront the fact that there is nothing but poppy-growing for much of the population. The only way they can do eradication now is at gunpoint, and that is not the way to carry out a legitimate, widely-embraced policy. Forced eradication generates instability and opposition from the people, and ambitious politicians in the south will link up with the Taliban."

For Felbab-Brown, it comes down to doing counterinsurgency right. "It is critical to increase the number of forces, to increase the troop presence and the delivery of aid," she said. "It's difficult to deliver aid during an active insurgency, but it is vital. But we also need patience, especially on the narcotics issue. The big pressure for premature eradication coming from Washington and international organizations needs to be resisted. We need more money, more troops, more development. Is this international community willing to provide these resources?"

Being patient with the opium economy is getting closer to the correct approach, said Ted Galen Carpenter, a foreign affairs and drug policy analyst with the libertarian leaning Cato Institute. "The only solution is one that no one in any position of influence in Washington or the NATO capitals will consider -- drug legalization," he told Drug War Chronicle. "That would take the black market profits out of the drug trade. It is the ultimate solution. If they won't consider legalization, the very least they can do is look the other way with regard to the drug trade. That worked in Peru in the 1980s, when the Peruvian generals figured out that leaving the coca crop alone dried up support for the Shining Path. Something similar needs to occur in Afghanistan, whether they admit it or not. If they are serious about preventing a further rebound of the Taliban and Al Qaeda, they need to lay off the drug war."

Trying to wage both the war on terror and the war on drugs undermines US policy in the country, Carpenter argued. "There is a fundamental inconsistency in the US nation-building strategy in Afghanistan. The primary goal remains to undermine the Taliban and Al Qaeda, but the problem is if they go after the drug trade, they alienate a major portion of the population and strengthen support for the Taliban. Even trying to prosecute the war on drugs there undermines the primary US goal in Afghanistan."

One European defense and development group, the Senlis Council, has proposed for nearly a year now that the Afghan opium crop be licensed, legalized, and diverted to the legitimate medicinal market. Senlis was harshly critical of Western policy this week.

"Huge amounts of money have been spent on large and costly military operations, but after five years southern Afghanistan is once more a battlefield for the control of the country," said Senlis executive director Emmanuel Reinert as he announced the publication of a new report on the rebirth of the Taliban. "At the same time Afghans are starving. The US has lost control in Afghanistan and has in many ways undercut the new democracy in Afghanistan. I think we can call that a failure, and one with dire consequences which should concern us all. The US policies in Afghanistan have re-created the safe-haven for terrorism that the 2001 invasion aimed to destroy."

But the Senlis licensing proposal is getting little respect or traction and is unlikely to prevail, said Yaseer. "I don't think the Senlis Council proposal will get very far," said Yaseer. "There is all kinds of opposition to any legalization. The religious groups will not support it, the legislators will not support it. There are also serious questions about whether it would just open up more venues for growing and trafficking."

Questions, questions. There are lots of questions in Afghanistan, but few good answers.

Feature: Law Enforcement Against Prohibition Stirs the Waters in Ireland

Retired Florida police chief and Law Enforcement Against Prohibition (LEAP) spokesman Jerry Cameron managed to put the drug debate squarely on the front burner with his appearance in Ireland last week. Cameron's address at the "Rethinking the War on Drugs" conference in Dublin, sponsored by a trio of Irish groups working on prison, drug policy and youth issues sparked numerous newspaper editorials and opinion pieces, filled the airwaves with talk about legalization, and forced the Irish government to respond.

Organized by the Irish Penal Reform Trust, the drug charity Merchant's Quay, and the Union for Improved Services, Communication, and Education (UISCE), a group combining sports and Gaelic language learning, "Rethinking the War on Drugs" brought more than one hundred Irish politicians, government workers, reformers, and activists together on August 28. With Cameron as the keynote speaker, the conference certainly inspired Irish reflection on national drug policy.

https://stopthedrugwar.org/files/jerrycameron.jpg
Jerry Cameron at the Dublin conference (courtesy IPRT)
That's just what the IPRT wanted, said executive director Rick Lines. "The IPRT doesn't have any formal policy supporting legalization or decriminalization," he told Drug War Chronicle. "However, we do work from an analysis that drug criminalization is a main driver of growing prison populations in Ireland, and is a main cause of high rates of HIV and Hep C infection in prisons. Therefore, examining alternatives to drug criminalization, and alternatives to prison for people who use drugs, must be a central part of the work done by penal reform organizations. I understand that this might make us a bit unusual among our sister organizations internationally. I am often told by people at harm reduction conferences that the prison reform organizations in their countries don't talk about drug laws at all. Whether this is true or not, I am not sure, but I hope it isn't."

For Lines, the conference and the attention it drew were a huge success. "The event was successful beyond all our expectations," he said. "The crowd was much bigger than anticipated -- standing room only -- as was the press coverage. We counted 26 separate TV, radio, and print outlets covering the event, and we may have missed some. As such, the event was a very successful beginning to reframing the debate on this issue, which was all we really hoped to accomplish."

"This was one of the better conferences I've been to," LEAP's Cameron told DRCNet. "The folks from the Irish Penal Reform Trust did a wonderful job of organizing it, and among those attending were a member of parliament and a member of the European Parliament, the immediate past Irish drug minister, several members of the probation system, a representative from the Garda [Irish police] -- it was a real cross-section of people interested in these issues. I have to say that the people from the Irish government were a lot more open-minded than the politicians I run into in the US."

The media attention was tremendous, Cameron said. "We were in every Irish newspaper the day after the conference. I also did a lot of work with Irish radio and TV stations," he explained. "I even appeared on a radio talk show where the woman arguing me was so crazed we had caller after caller calling in to reject her positions and argue for fundamental reform."

Indeed, the media response was intense and mostly favorable. The Irish Examiner covered the conference and Cameron's remarks the same day with a story titled "US Police Chief's Warning Over Doomed Drug Policy", while the Irish Times published a reaction piece, "Government Considered Legalizing Heroin", and the Examiner came back the next day with another reaction piece, "Legalizing Cannabis 'Would Result in State Being Sued'". But even those reaction pieces featuring government figures explaining why drugs could not possibly ever be legalized kept the discussion of drug prohibition in front of the Irish public.

By the end of last week, the Irish government was forced to respond directly. The man in charge of Irish drug treatment, Minister of State at the Department of Community Noel Ahern, called in reporters to tell them the government was rejecting calls for drug legalization. "We are not going in that direction," he said in remarks reported by Irish wire services. "And if there are moves in the future it would have to be dealt with on a worldwide basis. One country on its own cannot move. Holland tried for a few years ago and they're backing off big time because they realized they were bringing in drug tourism," Ahern added, misrepresenting current Dutch drug policies as he did.

"We wouldn't have expected anything else from the government response," said IPRT's Lines. "But again our main objective was really just to raise debate, and in that sense we were remarkably successful. To paraphrase one of the speakers at the event, if we had held a public forum 20 years ago talking about needle exchange, people would have thought it was a crazy idea, but now it is well established policy."

"The media storm is still going on," Cameron said Tuesday with a mixture of surprise and pleasure. "There have been a couple more columns in the last few days, one of which quoted me extensively. The tack I took went over quite well. I told them I was not there to tell Ireland how to conduct its business, but to tell them US drug policy has been a total failure and ask them to profit from our mistakes. They have a lot of talented people who can come up with Irish solutions for Irish problems. What we've done in the US sure hasn't worked," he said.

An op-ed in the Irish Independent last Sunday titled "The War Isn't Working So Is It Now Time to Consider the Unthinkable and Legalize All Drugs?" was typical of Irish press commentary. "Currently, there is more crime, disease, death and addiction than ever before," wrote the columnist. "He [Cameron] believes, and I share his view, that not one objective or goal of the 'war on drugs' has been met, and that the 'relegalization of drugs' is 'the only way to stop drugs falling
into the hands of our children, to make room for violent offenders to serve their full terms in our prisons, and to return law enforcement to its legitimate function of protecting our citizens.'"

A columnist in the Irish Examiner opined similarly the day before in a piece titled "We Are Losing the War on Drugs and Policy Should Be Stood On Its Head". In that piece, columnist Ryle Dwyer summarized Cameron's argument, added some of his own, and concluded thusly: "Using tried and tested tactics that have failed so dramatically is a cause of, not the answer to, our problems."

"The first step in any effort to promote policy change is to mainstream your perspective, and move it beyond being a 'crazy idea' and make it into a legitimate part of the public discourse," said IPRT's Lines. "One event won't accomplish this, but it is a start. The story continued on in the press in the days after the event, and I think this bodes well for continuing work on this issue, as perhaps we have helped open up safe space for others to make similar arguments themselves."

Conference by conference, op-ed by op-ed, radio show by radio show, the anti-prohibitionist message is spreading, and with the help of groups like LEAP and the IPRT, it is spreading into the mainstream.

Click here to watch the LEAP video online or donate $15 or more to DRCNet to order a copy of the DVD.

Europe: Scottish Police Move Toward Warnings for Simple Marijuana Possession

Police in two Scottish police districts have begun a pilot program where people caught in possession of small amounts of marijuana are given warnings instead of being arrested and prosecuted. Police reported already issuing 23 warnings in the West Lothian area. The other district where the program is underway is Fife, where some 40 warnings had already been issued.

The newspaper The Scotsman quoted a spokesman for the Lothian and Borders police as saying, "West Lothian is the only division where they use adult warnings. There is a pilot project agreed with procurators fiscal."

After Scottish police were criticized by some anti-drug campaigners for "sending the wrong message," the Association of Chief Police Officers, the grouping of Britain's top cops, moved to assure the nervous that police weren't going soft. "The police service in Scotland continues to take a robust stance on anybody caught in possession of drugs. The projects in place in Fife and Lothian and Borders are in agreement with local procurators fiscal and in the spirit of the criminal justice reform process," the group said.

The pilot program comes on the heels of a decision by all Scottish police forces to move to warnings instead of arrests for a variety of minor offenses -- such as public urination or low-level disturbing the peace -- for first-time offenders. The moves are part of an effort to reduce the burden of a heavy caseload on courts and prosecutors.

But Scottish First Minister Jack McConnell is grumbling. While telling reporters he would not dictate to police or prosecutors, he added that he was "very keen" that people with pot be prosecuted. "Cannabis is illegal and nobody in Scotland should ever get the impression otherwise," he said.

Pain Medicine: DEA Set to Ease Restrictions on Schedule II Prescriptions

Under a proposed rule unveiled Wednesday, the Drug Enforcement Administation would allow doctors prescribing Schedule II drugs, such as morphine or Oxycontin, to fill prescriptions for 90 days instead of 30 days. Currently, pain patients can only get 30-day non-refillable prescriptions, requiring them to make additional visits to the doctor's office just to get a new prescription written. Doctors and patients have complained that the DEA's strict regulation of Schedule II drugs has forced doctors to limit their prescriptions, with patients going untreated as a result.

At a Wednesday press conference in Washington, DEA administrator Karen Tandy attempted to signal that the agency was hearing those concerns. "Today's policy statement reaffirms that DEA wants doctors to treat pain as is appropriate under accepted medical community standards," said Tandy in remarks reported by the Associated Press. "Physicians acting in accordance with accepted medical practice should be confident that they will not be criminally charged."

While the number of doctors who faced federal charges over their prescribing practices is relatively small, it is increasing -- from 38 in 2003 to 67 last year. Other pain management physicians have faced state criminal charges of administrative sanctions, and pain patient and physician advocacy groups complain that the agency is interfering with and having a chilling effect on the practice of pain medicine.

The move was welcomed by the American Medical Association, with AMA board member Dr. Rebecca Patchin telling the AP it was a step toward improving the care of pain patients. "Relieving suffering while doing everything we can to prevent the abuse of controlled substances reflects appropriate patient care, a standard which is easier to achieve when a strong patient-physician relationship exists," said Dr. Patchin. "We need to provide access to pain relief for patients with legitimate needs, and the DEA proposal would help in doing this."

Others were less sanguine. "Ms. Tandy states here, as she has on many occasions, that doctors need not fear criminal prosecution as long as they practice medicine in conformity with what these drug cops think is 'appropriate,'" said Siobhan Reynolds, president of the Pain Relief Network. "If that isn't a threat, it will certainly pass for one within the thoroughly intimidated medical community."

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

The temptations of the border tarnish another Texas lawman's badge, a Tulsa cop is convicted of being too helpful to a drug dealer, and a pair of Newark's finest plea to a pill-pushing scheme. Let's get to it:

In McAllen, Texas, the US Attorney's Office for the Southern District of Texas issued a press release announcing the August 29 indictment of a former South Texas police officer for allegedly taking a bribe to protect what he thought was a cocaine shipment. Former Elsa City Police Officer Herman Carr, 45, is accused of taking a $5,000 payment from an undercover FBI agent to use his position as a law enforcement officer to protect a vehicle he was told contained five kilos of cocaine. He is charged with bribery and faces up to 20 years in federal prison.

In Tulsa, Oklahoma, a federal jury last Friday found a former Tulsa police officer guilty of conspiracy, obstruction of justice, and providing unlawful notice of a search warrant. Former Officer Rico Yarbrough was convicted of informing a suspected drug dealer that a search warrant was about to be served at his residence, the Tulsa World reported. In February, Yarbrough called a Tulsa man and asked him to inform the suspected dealer of the impending raid. Unfortunately for Yarbrough, the conversation was being recorded. Federal investigators who had wiretapped the suspected dealer's phone overheard references to Yarbrough, then fed him information to see if he would leak it. He did. Yarbrough was found not guilty on two related counts, but still faces significant prison time when sentenced November 29.

In Newark, two Newark police officers pleaded guilty in federal court Tuesday to charges they bought thousands of Oxycontin pills from a doctor and resold them, the Associated Press reported. Patrolmen John Hernandez and Ronald Pomponio face up to 20 years in prison and $1 million in fines when sentenced in December for conspiracy to distribute oxycodone, the active ingredient in Oxycontin. The pair admitted in court that Hernandez purchased Oxycontin tablets valued at hundreds of thousands of dollars, while Pomponio took prescriptions for the pills to pharmacies across the state. The doctor from whom they allegedly purchased the drugs has pleaded not guilty.

Southeast Asia: Australian Foreign Minister "Grateful" for Indonesia's Tough Drug Stance After Four Australians Sentenced to Death for Smuggling

After the Indonesian Supreme Court sentenced four Australian citizens to death for trying to smuggle heroin from Bali to Australia, Australian Foreign Minister Alexander Downer told a press conference Tuesday night he was "grateful" for Indonesia's tough stance on drug policy. Downer held out little hope that the four, and two others already sentenced to death, would be spared.

Part of a group known as the "Bali Nine," the four Australians had originally been sentenced to lengthy prison terms, but prosecutors appealed the "lenient" sentences, and earlier this week the Supreme Court resentenced them to death. They join two other young members of the "Bali Nine" already sentenced to die in a case involving 18 pounds of heroin.

At the press conference called to confirm the imposition of the death sentences, Downer said the case would not harm relations between the two countries. "We actually urged the Indonesians to be tough on drug trafficking," he said. "The last thing we want is heroin brought into Australia from Indonesia. Don't make any mistake about that. We are grateful to the Indonesians for being tough on drugs. It's just that we don't support capital punishment. That they have arrested people who've been trafficking drugs means those drugs don't come into Australia and innocent Australians, or drug users in Australia innocent or not, aren't going to use those drugs, and that's a good thing."

Despite Downer's sanguine comments, Liberal Prime Minister John Howard, himself a staunch drug warrior, announced he would seek clemency, although he cautioned it would be unlikely. "I don't think people should entertain too many optimistic thoughts because it's difficult, but we will try hard and we will put the case against the death penalty," Howard said late on Wednesday.

Other Australian politicians have protested more loudly. "Judicial murder is what the Indonesian authorities have in mind here. It is a repugnant and barbaric practice," Green Senator Bob Brown told Reuters.

A group of Australian politicians who are members of Amnesty International said they would protest to the Indonesian government. "We should not sit back and say this is their laws and they can do what they want," said government MP Bruce Baird. Meanwhile, the six young Australians confront their imminent mortality.

One of the Australians sentenced to death, 20-year-old Scott Rush, said he was shocked by the ruling and pleaded for help. "This is making my head spin. I am sitting on death, am I?," he said. "At first I didn't want to appeal because of this sort of thing. I was scared and me and my parents were stressed. But everyone said no Australians would be put to death, and now I am on death row. If there is anything people can do to prevent this please make it happen because I need a second chance at life."

That's the way we do things in Indonesia, the country's top cop, General Sutanto said. "In Indonesia, drugs abuse is rampant because punishment has been too lenient. If we are not serious about tackling the problem, drug traffickers will not be deterred," Sutanto told reporters, according to Reuters.

Editor's Note: It's foolishly naive to think that the death penalty does or can deter drug trafficking. After all, many participants in the drug trade already risk death at the hands of their competitors routinely. A government adding a few more bodies to the pile does nothing to fundamentally alter that reality. Much more likely is that it will push the trade into the hands of the most dangerous kinds of criminals who are most comfortable taking the risk.

Maconha: DEA Se Mete em Enrascada em Denver com Esforço Abortivo para Derrotar a Iniciativa de Legalização em Novembro

Jeff Sweetin, o agente especial da DEA em Denver, provavelmente deseja ter ficado quieto. Já era muito ruim que o jornal da Universidade do Colorado, o Daily Camera, informasse no domingo que um dos seus agentes especiais enviara um e-mail através de uma conta do Departamento de Justiça em busca de um agente de campanha para o “Comitê de Informação sobre a Maconha do Colorado”, aparentemente uma organização estabelecida para derrotar a iniciativa de legalização da maconha do Colorado. Essa iniciativa legalizaria o porte adulto de até trinta gramas de maconha.

Mas então Sweetin cometeu uma gafe de verdade, dizendo ao Daily Câmera que a lei “permite que a sua agência se envolva no processo de dizer aos eleitores por que eles não deveriam descriminalizar a maconha” e que o comitê arrecadara $10.000 de “doações privadas, inclusive algum dinheiro das próprias contas dos agentes”.

Isso foi suficiente para provocar o defensor da iniciativa, a SAFER Colorado, que criticou a agência pela interferência arbitrária em uma questão eleitoral estadual. “O dinheiro do contribuinte não deveria ir para a defesa do poder executivo de um lado ou outro”, disse o diretor executivo do grupo, Steve Fox, ao Daily Câmera. “É um uso totalmente inadequado do dinheiro do contribuinte”.

Mas, a SAFER Colorado não estava sozinha em sentir-se ofendida com as ações contrárias da DEA. Os dois maiores e mais influentes jornais do estado, o Rocky Mountain News e ol Denver Post, condenaram a ação em editoriais. A posição do News era clara pela sua manchete: "DEA Should Keep Out of State Politics” [A DEA Deveria Ficar Longe da Política Estadual].

O Post teve uma abordagem mais preocupada com que a politicagem da DEA possa ultrapassar os limites do apropriado, senão da legalidade. “Proporcionar os fatos às pessoas que os queiram é uma coisa”, escreveu o Post. “Usar a agência como plataforma para influenciar as eleições é outra. Sweetin diz que entende claramente a diferença. Com certeza, esperamos que isso seja assim”.

Se Sweetin esperava que a matéria simplesmente desaparecesse, ele não ajudou nada quando nublou ainda mais as coisas quando a KMGH-TV em Denver informou na terça-feira que: “Sweetin disse que, apesar dos informes contrários, o gabinete dele não está nem fazendo campanha contra ela nem arrecadando fundos. Quando indagado sobre o comitê e os $10.000 mencionados no e-mail, Sweetin disse, ‘Eu nunca soube dos $10.000 em dinheiro’”.

Isso levou a SAFER Colorado a levantar toda uma série de perguntas sobre qual versão do ativismo da DEA era a verdadeira, a qual eles enviaram bondosamente aos meios de comunicação do Colorado. “Achamos que é muito suspeito que o mesmo agente da DEA que deixou claro que o comitê tinha verbas de doadores e agentes privados esteja dizendo agora que nunca ficou sabendo deste dinheiro”, disse o coordenador de campanha, Mason Tvert. “Achamos que a DEA pensava que podia fazer campanha ativamente contra a gente, mas então lhes disseram por algum tipo de aconselhamento legal que isso não podia acontecer assim. De qualquer jeito, estamos tentando transformar isto na matéria mais relevante possível”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas.

Campanha Midiática do ONDCP: Anúncios Antidrogas do Secretário Antidrogas São um Fracasso, Diz GAO

O Tribunal de Contas do Governo (GAO) descobriu que a campanha publicitária antidrogas de $1.4 bilhão que visa à juventude e é administrada pelo Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas (a secretaria antidrogas, ONDCP) não funciona. O título do relatório do GAO, “ONDCP Media Campaign: Contractor's National Evaluation Did Not Find That the Youth Anti-Drug Media Campaign Was Effective in Reducing Youth Drug Use” [A Campanha Midiática do ONDCP: A Avaliação Nacional de Licitantes Não Achou que a Campanha Midiática Antidrogas para a Juventude Fosse Eficaz na Redução do Consumo de Drogas da Juventude], basicamente diz tudo.

https://stopthedrugwar.org/files/drugstory.jpg
evidentemente, não funciona...
O relatório do GAO é pelo menos o terceiro a criticar o programa nos últimos três anos. Em 2003, o Gabinete de Administração e Orçamento da Casa Branca qualificou o programa como “ineficiente” e carente em quaisquer resultados demonstráveis. Em 2005, a Westat, Inc. e a Universidade da Pensilvânia fizeram um estudo de $43 milhões financiado federalmente que descobriu que a campanha não funcionava. Essa avaliação descobriu que as crianças e os pais se lembravam dos anúncios e das mensagens deles, mas os anúncios não mudavam as condutas das crianças a respeito das drogas. Também sugeriu que a baixa porcentagem informada no uso de drogas entre adolescentes era resultado não da campanha publicitária, mas de uma série de outros fatores.

O estudo do GAO lançado na sexta-feira passada averiguou a avaliação da campanha publicitária feita pela Westat e a achou crível. “A revisão das avaliações da Westat realizada pelo GAO e a documentação acompanhante levam à conclusão de que a avaliação proporciona provas críveis de que a campanha não era eficiente na redução do consumo de drogas da juventude, seja durante todo o período da campanha, seja durante o período de 2002 a 2004 quando a campanha foi remanejada e esteve concentrada no consumo de maconha”, disse o GAO em seu sumário executivo.

Previsivelmente, o ONDCP atacou o relatório do GAO. O porta-voz Tom Riley disse ao USA Today que o relatório é “irrelevante para nós. Tem como base os anúncios de dois anos e meio atrás, e eles também foram eficazes. O consumo de drogas esteve caindo enormemente. Cortar o programa agora poria o seu progresso em perigo”.

O secretário antidrogas, John Walters, também se queixou que a Westat carecia de provas de uma relação real entre os anúncios e os dados que sugerem a diminuição do consumo de drogas entre adolescentes. “Estabelecer uma relação causal entre a exposição e os resultados é algo que os marqueteiros importantes raramente tentam porque é virtualmente impossível de fazer”, disse Walters em uma carta. “Este é o motivo pelo qual a campanha publicitária antitabagismo ‘Verdade’, aclamada como iniciativa bem-sucedida em vista das quedas consideráveis que temos visto no fumo adolescente, não afirmou provar uma relação causal entre a exposição da campanha e os resultados no fumo, informando ao contrário que a campanha estava associada às quedas consideráveis no fumo entre os jovens”.

Diferentemente de Walters, o Congresso pode querer ver algum tipo de relação causal entre a campanha publicitária e os dados de consumo de drogas antes de financiá-la durante outro ano. O governo Bush quer mais $120 milhões para o ano fiscal 2007, mas o GAO disse que sem um plano melhor de parte de Walters, o financiamento deveria ser cortado. O Congresso ponderará a questão neste outono.

Primeira Emenda: Kenneth Starr Se Une a Recurso de Decisão do 9º Circuito dos EUA em Caso “Bong Hits 4 Jesus”

O ex-promotor especial de Whitewater, Kenneth Starr, está oferecendo os seus serviços pro bono ao distrito escolar de Juneau, Alasca em um caso que opõe os direitos à Primeira Emenda contra as severas políticas antidrogas do distrito. O Tribunal de Apelações do 9º Circuito dos EUA decidiu em Março que a Diretora Deborah Morse infringira os direitos do estudante do Colégio Secundário de Juneau-Douglas, Joseph Frederick quando ela o suspendeu por 10 dias por segurar uma faixa que dizia “Bong Hits 4 Jesus” durante um desfile de Janeiro de 2002. Os funcionários do colégio disseram a Frederick que ele estava suspenso por defender o consumo ilegal de drogas.

https://stopthedrugwar.org/files/kenstarr.jpg
o novo alvo de Ken Starr: as camisetas sobre narguilés
O 9º Circuitop não concordava com isso. Em decisão unânime, um painel composto por três juízes sustentou que mesmo os estudantes do segundo grau têm o direito a se expressarem se não fizerem que a escola perca a sua missão educacional. “Uma escola não pode censurar nem punir a expressão dos estudantes meramente porque os estudantes defendem uma posição contrária às políticas do governo”, escreveu o Juiz Andrew Kleinfeld pelo painel.

Starr, cujo principal trampolim à fama foi investigar a relação entre o Presidente Bill Clinton e a estagiária Mônica Lewinsky, entrou com uma petição na segunda-feira que instava a Suprema Corte a ouvir o caso. Não é um assunto encerrado; pelo menos quatro de nove ministros devem votar a favor de uma audiência se ficar aprovado que deve aparecer perante a corte alta.

A Superintendente do distrito escolar, Peggy Cowan, disse à Associated Press que o distrito está recorrendo para buscar clareza nos direitos dos administradores a imporem a disciplina contra estudantes que infringirem as políticas da mensagem antidrogas do distrito. “A decisão do distrito de seguir adiante não é desrespeito nem da Primeira Emenda nem dos direitos dos estudantes”, disse ela. “Esta é uma questão importante sobre como a Primeira Emenda se aplica a mensagens pró-drogas em um ambiente educacional”.

Parece que alguém precisa voltar à escola para aprender o significado da Primeira Emenda.

América Latina: Guatemala Impõe “Estado de Prevenção” em Operação Antidrogas

O governo guatemalense anunciou na terça-feira que ia suspender alguns direitos constitucionais em municipalidades ao longo da fronteira com o México como parte de um esforço para desenraizar os cultivos de papoulas e o tráfico de drogas na região. Os habitantes de Concepción Tutuapa, Ixchiguán, San Miguel Ixtahuacán, Tajumulco e Tejutla acordaram na terça de manhã para encontrarem os seus municípios e aldeias cercados por 800 policiais que chegaram no meio da noite, informou Prensa Libre, o jornal da Cidade da Guatemala.

De acordo com uma ordem emergencial de duas semanas chamada estado de prevenção, o governo suspendeu o direito a portar armas de fogo ou realizar manifestações ou reuniões na área afetada. A medida também expande o direito governamental a conduzir buscas. Além do mais, o governo fez advertências aos meios de comunicação para que “não incitem à rebelião, porque em ocasiões anteriores as emissoras de rádios instigaram as pessoas a se oporem à destruição dos cultivos”.

Na terça-feira, os pontos de identificação da polícia cortaram o acesso à região afetada e todos os veículos estavam sendo submetidos a revistas. A polícia também sitiara, pelo menos, 22 locais por volta da terça à tarde, quando os funcionários guatemalenses realizaram uma entrevista coletiva para anunciar a ofensiva.

“A idéia deste operativo de alto impacto, no fim dos 15 dias, é ter erradicado o plantio da papoula, capturar as pessoas vinculadas a este tráfico e ao de pessoas, e confiscar armamento pesado”, disse o Presidente guatemalense Óscar Berger aos repórteres. “Estamos tentando combater o tráfico de drogas e o crime organizado”, acrescentou o Ministro do Interior Carlos Vielman.

Para os moradores das municipalidades, todas elas localizadas no departamento de São Marcos, a operação policial está causando algum nervosismo. “Os vizinhos vieram para me achar muito preocupado e a única coisa que pude lhes dizer era que aquele que nada deve não tem nada a temer”, disse Jerônimo Navarro, o prefeito de Ixchiguán, à Prensa Libre.

Busca na Rede: Mark Fiore, Tony Papa, Dean Kuipers

a animação de Mark Fiore: The United States of Incarceration [Os Estados Unidos do Encarceramento]

o ex-preso feito ativista Anthony Papa golpeia promotor de narcóticos por distorsão em reforma Rockefeller em carta ao editor do NYT

o autor de “Burning Rainbow Farm”, Dean Kuipers sobre “The Spirit of Tommy Chong” [O Espírito de Tommy Chong], publicado no Drug Reporter da Alternet

Semanal: Esta Semana na História

01 de Setembro de 2003: Em um esforço para economizar mais de $30 milhões em arrecadação geral em cinco anos, o Texas implementa uma nova lei que exige a supervisão comunitária obrigatória para infratores primários da legislação antidrogas considerados culpados de porte de quantidade inferior a um grama de certas substâncias controladas ou de quantidade inferior a 454g de maconha. De acordo com a lei anterior, tais infratores somente eram elegíveis para supervisão comunitária na cadeia estadual ou encarceramento em instalação carcerária estadual.

02 de Setembro de 1994: Em Detroit, a Juíza Helen E. Brown condena Lázaro Vivas à prisão perpétua por porte de mais de 650 gramas de cocaína. A Juíza Brown diz a Vivas, “Eu não acho que isto seja justo. Não é uma sentença que eu te daria, se tivesse alguma escolha. Mas, eu tenho que te dar esta sentença, porque tenho que seguir a lei. Então, a tua sentença é prisão perpétua”.

04 de Setembro de 1991: O Juiz Distrital dos EUA, Juan Burciaga, diz, “A luta contra os narcotraficantes é um fogo cruzado que ameaça consumir aqueles direitos fundamentais do indivíduo estabelecidos deliberadamente na nossa Constituição”.

04 de Setembro de 2001: Dois importantes reformadores da legislação sobre a maconha do Michigan são mortos a tiros, depois de um cerco de uma semana de duração de seu recinto de 34 acres chamado “Rainbow Farm” em Vandália, Michigan. O confronto aconteceu depois de uma investigação de dois anos de alegações de consumo de maconha no acampamento.

05 de Setembro de 1989: Em seu primeiro discurso televisionado nacionalmente do Salão Oval, o Presidente George Bush declara que os narcóticos são “a maior ameaça que a nossa nação enfrenta” e que ele vai intensificar a guerra contra as drogas. Bush mostra um pacote de crack confiscado em cadeia nacional e declara, “Isto é crack, confiscado há alguns dias pelos Agentes de Repressão às Drogas em um parque do outro lado da rua da Casa Branca”, uma afirmação que é desmentida depois. Durante o mesmo discurso, Bush também exige a pena de morte para narcotraficantes como Pablo Escobar e pede o maior aumento orçamentário até hoje na história da guerra às drogas ao prometer $2 bilhões em ajuda aos países andinos.

05 de Setembro de 1990: O Comandante da Polícia de Los Ângeles, Daryl F. Gates, depõe ante o Comitê Judiciário do Senado dos EUA que os consumidores casuais de drogas deveriam ser fuzilados. Ele não menciona o consumo casual de drogas do próprio filho dele.

05 de Setembro de 2002: Os agentes da DEA prendem Valerie e Michael Corral da Wo/Men's Alliance for Medical Marijuana (WAMM) e destroem 150 plantas de maconha pretendidas para consumo de membros da WAMM, cuja maioria é de pacientes terminais.

06 de Setembro de 1988: Após duas audiências, o juiz de direito administrativo da DEA, Francis Young, recomenda a transferência da maconha para a Classe II para que possa ser prescrita como medicamento. Ele diz, “Seria insensato, arbitrário e caprichoso que a DEA continuasse entre aqueles pacientes e os benefícios desta substância à luz das provas neste registro”. O Juiz Young observa que a maconha é segura e que tem um “uso médico atualmente aceito no tratamento” e que “a maconha, em sua forma natural, é uma das substâncias terapeuticamente ativas mais seguras que o homem conhece”.

06 de Setembro de 1999: Jorge Castañeda, que depois vira o ministro de relações exteriores do México durante o governo Vicente Fox, escreve na Newsweek: “Afinal, a legalização de certas substâncias pode ser a única maneira de abaixar os preços e fazê-lo pode ser o único remédio para alguns dos piores aspectos da peste das drogas: a violência, a corrupção e o colapso do império da lei”.

06 de Setembro de 2000: O Ottawa Citizen informa que Jaime Ruiz, o ministro plenipotenciário do presidente colombiano, disse, “Do ponto de vista colombiano, [a legalização] é a solução fácil. Quero dizer, simplesmente legalizá-la e não teremos mais problemas. Provavelmente, em cinco anos já não teríamos mais guerrilhas. Problema nenhum. Teríamos um grande país sem problemas”.

07 de Setembro de 2001: Treze oficiais atuantes e passados da polícia de Miami são acusados por autoridades estadunidenses de abrir fogo contra pessoas desarmadas e conspirar para encobrir os fatos plantando provas. O indiciamento é o escândalo mais recente para a força policial assolada por problemas da cidade. Todos aqueles acusados são veteranos alocados a equipes da SWAT, unidades de narcóticos ou equipes especiais de supressão da criminalidade no fim dos anos 1990.

Anúncio: ASA Procura Pacientes que Não Usaram Maconha Medicinal em Razão de Afirmações do Governo

O Americans for Safe Access está conduzindo um estudo investigativo nacional e está procurando pacientes nos EUA (de qualquer estado) que durante algum período de tempo não tenham usado cannabis em razão da afirmação do governo federal de que isso não é medicamento.

POR FAVOR, REVISE OS CRITÉRIOS DE LIMITAÇÕES ABAIXO PARA SABER SE VOCÊ OU ALGUÉM QUE VOCÊ CONHEÇA CUMPRE AS EXIGÊNCIAS DE ELEGIBILIDADE PARA PARTICIPAR DESTE ESTUDO.

FAVOR NÃO RESPONDER ESTA MENSAGEM A MENOS QUE VOCÊ SATISFAÇA TODOS OS CRITÉRIOS SEGUINTES:

1. Um paciente NÃO consumiu maconha durante algum período de tempo dentro dos últimos 5 anos PORQUE O GOVERNO FEDERAL DISSE QUE NÃO TINHA VALOR MEDICINAL NENHUM?

2. O paciente consegue demonstrar, ATRAVÉS DE REGISTROS MÉDICOS VERIFICÁVEIS, que após começar a consumir maconha medicinal, melhorou a sua saúde ou aliviou os sintomas?

3. O paciente DEVE ter (ou poder obter) PROVAS DOCUMENTAIS DE PROFISSIONAIS DA SAÚDE que mostrem os efeitos nocivos da sua doença antes de usar cannabis e as provas de alívio ou diminuição de efeitos como resultado do consumo de cannabis.

4. Seus registros médicos devem documentar uma mudança na doença dentro dos últimos 5 anos.

5. Além das PROVAS MÉDICAS DOCUMENTADAS, seria útil, porém não necessário, se o seu médico estivesse disposto a atestar a melhoria da doença como resultado do consumo de cannabis.

Um exemplo seria mais ou menos assim:

Fulano de Tal (que é HIV+) se recusou a consumir cannabis até dois anos atrás porque o governo federal diz que não tem valor medicinal. Como conseqüência disso, Fulano sofreu algum dano físico (náusea, dores, perda de peso, etc.). Finalmente, Fulano decide usar cannabis sob incentivo de seu(s) amigo(s), médico)s) e outro(s) indivíduo(s). Como resultado de seu NOVO uso de cannabis, Fulano pôde demonstrar com REGISTROS MÉDICOS que a sua saúde melhorou.

É importante entender que você não contrairá nem obrigações nem benefícios financeiros pela sua participação neste estudo.

Caso você ou alguém que você conhece cumprir os critérios supracitados e estivesse interessado em participar deste estudo investigativo importantíssimo e oportuno, por favor, entre em contato com o Americans for Safe Access (ASA) o mais rápido possível.

Por favor, mande todas as perguntas a [email protected] ou entre em contato com o ASA por telefone através do (510) 251-1856 ramal 306.

Listagem de Empregos: Assistente Administrativo, NORML

Há uma vaga imediata em uma organização progressista de reforma da lei sobre as drogas, tempo integral, preferência dada a graduados da universidade, experiência em escritórios, com necessidade de habilidades em informática (dbase).

Os deveres incluem telefones, entrada diária de dados, processamento da correspondência e a organização/manutenção dos voluntários.

O salário está entre $20-25 mil, envie carta com currículo para: NORML, c/o Executive Director, (202) 483-0057 (f), [email protected]. Favor não ligar nem fazer visitas.

Imposição da Lei: A Guerra às Drogas Tira a Vida de Outro Oficial

Um oficial de narcóticos de Beckley, Virgínia Ocidental, foi morto a tiros na terça-feira de manhã em uma compra disfarçada de drogas que deu errado, informou o Beckley Register-Herald na quarta-feira. O Detetive Charles “Chuckie” Smith, 29, foi alvejado por numerosos tiros enquanto tentava realizar uma detenção após uma compra de crack.

Dois homens da área foram presos e acusados de homicídio qualificado na morte de Smith e estão na Cadeia Regional do Sul aguardando uma audiência de fianças no Tribunal do Circuito da Comarca de Raleigh.

De acordo com a queixa prestada contra o par, Smith contatou um deles para fazer uma compra de crack, daí se encontrou com o par perto de uma danceteria de Beckley. Quando um dos homens entregou algumas pedras a Smith, ele exibiu o distintivo dele. Um homem saiu correndo, mas o outro sacou uma arma e fez vários disparos contra Smith.

De acordo com o National Law Enforcement Officer Memorial Fund, na última década, os oficiais da lei têm sido mortos em um índice de cerca de 165 por ano, com pouco mais da metade daquelas mortes devida a acidentes. A guerra às drogas tira as vidas de cerca de uma dúzia de oficiais a cada ano.

Imposição da Lei: As Estórias de Policiais Corruptos Desta Semana

Outra semana, outro cesto de maçãs podres. Vemos tantas maçãs podres que começamos a imaginar se não há um problema no barril. De qualquer maneira, nesta semana temos um desempenho repetido de um juiz do Alabama com um mau hábito de verdade, alguns policiais de Chicago aceitam acordos por roubarem traficantes de drogas, um par de aviadores estadunidenses sendo condenados por agirem como entregadores de drogas e um delegado de uma pequena cidade do Texas procurando trabalho depois que lhe fizeram perguntas demais sobre o paradeiro de algum dinheiro de transações de drogas. Vamos ao que interessa:

Em Carollton, Alabama, o Juiz Distrital Ira Colvin da Comarca de Pickens está metido novamente em problemas pelo seu consumo de anfetamina. Os leitores antigos talvez de lembrem que o Juiz Colvin foi preso há duas semanas atrás sob acusações relacionadas à metanfetamina e aos precursores da metanfetamina na vizinha Comarca de Lowndes, Mississippi. Ele foi preso novamente no sábado de manhã no Alabama sob acusações de porte de metanfetamina com base na descoberta de metanfetamina no escritório dele no Centro Judicial da Comarca de Pickens no dia 15 de Agosto. O escritório dele foi revistado sob as ordens do Juiz James Moore do Tribunal do Circuito um dia depois de sua detenção no Mississippi. De acordo com o Tuscaloosa News, os funcionários da Comarca de Pickens disseram que eles estiveram investigando o suposto consumo de drogas de Colvin desde Maio. Ele foi suspenso como juiz e está livre sob fiança pelas acusações abertas tanto no Mississippi como no Alabama. Em uma reviravolta tardia e inesperada na estória, Colvin se demitiu na quarta-feira.

(Este não é um exemplo de corrupção – às vezes, é difícil decidir se qualquer caso de problemas legais que envolvam impositores da lei deve entrar nesta coluna – o Juiz Colvin presumivelmente julga os demais acusados de consumo de drogas, então decidimos inclui-lo.)

Nesta semana em Chicago, dois ex-oficiais de Chicago se confessaram culpados de acusações de roubo de milhares de dólares em maconha e cocaína de traficantes de drogas, informou a Associated Press. Os ex-oficiais Derek Haynes, um veterano de nove anos, e Broderick Jones foram parte de uma quadrilha de cinco ex-oficiais da polícia de Chicago acusados de deter traficantes de drogas e tirar as droga deles na Zona Sul da cidade. Os cinco foram acusados de conspiração para portar e distribuir cocaína; agora, Haynes e Jones já se confessaram culpados dessas acusações. Eles podem pegar uma sentença de entre 15 e 40 anos de prisão.

Em Houston, dois aviadores estadunidenses pegos enquanto tramavam contrabandear cocaína usando os cargos deles para burlar a segurança do aeroporto foram condenados à prisão na terça-feira, informou a Reuters. Shawn Nguyen, 38, e Burlie Sholar, 33, foram presos em Fevereiro em uma armação do FBI após concordarem em levar quase 15 quilos de cocaína em um vôo de Houston a Las Vegas. Eles iam receber $75.000 pelos seus esforços. O par caiu depois que um informante disse aos investigadores que Nguyen, um ex-agente antidrogas federal, estava envolvido no tráfico. Nguyen pegou sete anos, enquanto que Sholar recebeu nove. Eles podiam receber pena de prisão perpétua.

Em Troy, Texas, o Delegado de Polícia, David Seward, foi despedido em uma reunião da câmara dos vereadores na segunda à noite após ser suspenso no dia 11 de Julho por causa de uma investigação corrente do trato do dinheiro confiscado depois que se encontraram drogas em um veículo durante uma batida de trânsito. De acordo com a KWTX-TV 10 em Waco, os vereadores lhe perguntaram sobre como gastou esse dinheiro. Seward admitiu que gastou algum dinheiro inadequadamente, mas debateu que ele não deveria ser demitido. A câmara não aceitou isso, apesar de tudo. Votou unanimemente para despedi-lo.

Chamado: Por Favor, Envie Publicações, Notícias e Eventos à Nova Página da DRCNet!

Entre as características disponíveis na nova página da DRCNet estão as possibilidades interativas para que você seja parte da equipe eletrônica. Para começar, há os Blogs dos Leitores, uma seção do novo projeto blogosférico “O Bar Clandestino da Stop the Drug War”. Visite http://stopthedrugwar.org/speakeasy/reader para conferi-lo e começar a publicar! (Se você já tentou isso e teve problemas, por favor, tente novamente – consertamos alguns dos problemas técnicos iniciais, apesar de não termos corrigido todos ainda.) Vamos dedicar cada vez mais atenção com o tempo que passa aos Blogs do Leitor – isto é só o começo!

Você pode nos informar sobre notícias importantes ou interessantes ao enviá-las diretamente à nossa nova seção de Últimas Notícias – visite http://stopthedrugwar.org/node/add/content-recent_news para enviar as sus sugestões de links de notícias aos nossos moderadores.

A DRCNet continua publicando listagens de eventos grandes ou pequenos que estiverem relacionados com a causa, mas agora os publicamos em uma listagem que aparece na maioria das página no nosso sítio e que tem um link para o calendário completo. Se você estiver envolvido ou conhece algum evento relevante, pode publicá-lo diretamente – não só uma descrição curta como as que fizemos anteriormente, mas o anúncio completo – na nossa página de eventos em http://stopthedrugwar.org/node/add/event.

Agora, os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas têm seções de comentários debaixo deles, outra maneira de entrar na discussão.

A seguir: publicações agenciadas que você pode publicar na sua página, uma base de dados considerável com links de políticas de drogas e conteúdo geograficamente objetivado para a sua consulta personalizada do sítio. Para conseguir esse conteúdo geograficamente objetivado, você terá que se conectar às nossas novas contas (o mesmo endereço eletrônico que você nos deu antes, se for assinante) e dar-nos a sua localização, se já não fez isso. Visite http://stopthedrugwar.org/user para se conectar, se registrar ou atualizar a sua informação. (Por favor, conte-nos se lhe aparecer qualquer mensagem de erro ou se você tiver quaisquer problemas com as contas – consertamos alguns dos problemas, mas queremos chegar o mais perto possível da perfeição.)

Matéria: Vivendo na Época do Katrina – Perdidos no Gulag Lodoso da Luisiana

A moradora de Nova Orleans, Pearl Bland, foi presa e encarcerada por acusações de porte de apetrechos para consumo de drogas em Agosto de 2005, poucas semanas antes que o Furacão Katrina devastasse a cidade. Ela se confessou culpada no dia 11 de Agosto e o juiz dela ordenou que fosse libertada no dia seguinte para que fosse posta em um programa de reabilitação química. Reconhecendo que Bland era indigente, ele suspendeu as multas e taxas, mas Bland não foi solta no dia seguinte. A Prisão Paroquial de Orleans (OPP) a manteve presa porque ela devia $398 em multas e taxas de uma detenção anterior. Ela tinha uma audiência judicial em Agosto e outra marcada para o dia 20 de Setembro na qual as multas e taxas muito provavelmente teriam sido suspensas.

Pearl não pôde comparecer à audiência de Setembro. Ao invés disso, quando chegou o Katrina, ela se juntou aos milhares de prisioneiros atolados no purgatório. Após ser espancada pelas suas companheiras na OPP enquanto os adjuntos encolhiam os ombros, Bland foi evacuada, primeiro para a prisão estadual de segurança máxima em Angola e, por fim, para uma cadeia na Paróquia de Avoyelles. Em Junho, ela contatou desesperadamente a American Civil Liberties Union (ACLU), que por sua vez contatou advogados junto à Clínica de Direito Penal da Universidade de Tulane, os quais conseguiram soltá-la no dia 28 de Junho. Bland não pôde comparecer à audiência de soltura dela, assim como não pode estar presente nas quatro audiências das semanas anteriores, porque os carcereiros dela não queriam entregá-la ao tribunal.

“Pearl Bland passou 10 meses em prisões por todo o estado em razão de $398 em multas e taxas que o juiz dela provavelmente teria suspendido se ela houvesse comparecido ao tribunal”, disse Tom Javits, advogado do Projeto Nacional de Prisões da ACLU. “Mas, por causa da tempestade e da resposta a ela, Bland teve que esperar meses para que tivesse a sua vez na corte, e apenas porque procurou ajuda”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas.

https://stopthedrugwar.org/files/aclureport.jpg
o relatório da ACLU
Já seria ruim se Pearl Bland fosse uma exceção, mas infelizmente, o caso dela é típico do que aconteceu com muita gente azarada para estar atrás das grades quando o Katrina chegou ou para ser presa pouco tempo depois da tempestade. Como documentaram o Projeto Nacional de Prisões da ACLU e a ACLU da Luisiana no seu relatório do início de Agosto, "Abandoned and Abused: Orleans Parish Prisoners in the Wake of Katrina” [Abandonados e Abusados: Os Prisioneiros da Paróquia de Orleans Depois do Katrina], milhares de cidadãos de Nova Orleans sob custodia quando a tempestade atingiu o litoral foram deixados à própria mercê enquanto os guardas fugiam do nível crescente das águas. Desde então, aqueles presos têm sido espalhados ao vento, deixados sem defesa, os guardas abusaram deles e eles têm sido abandonados por um sistema de justiça que parece estar satisfeito ao esquecer-se deles. E com a reconstrução pós-Katrina levando uma forte marca de imposição da lei, eles foram somados por milhares, muitos deles presos por crimes triviais como cuspir na calçada, embriaguez em público e porte simples de drogas.

Um ano depois do Katrina, milhares de presos não viram nem advogado nem foram citados, nem sequer compareceram ante um juiz. Escandalosamente, ninguém tem uma contagem certa – ou se a tem, não a dizem. “Ninguém sabe os números”, disse a professora de direito Pámela Metzger, que dirige a Clínica de Direito Penal da Faculdade de Direito de Tulane e aqueles estudantes que foram às cadeias e prisões da Luisiana em busca dos presos do Katrina. “Quando pedimos à promotoria que nos ajude com isto, para que as pessoas possam ter advogados, eles dizem que não é trabalho deles. Só desde Junho, os meus estudantes conseguiram rastrear e soltar cerca de 95 pessoas”, disse Metzger. “Mas não temos nenhuma maneira de saber quantos estão na cadeia”.

Quando a Crônica fez a mesma pergunta ao diretor executivo da ACLU da Luisiana, Joe Cook, ele deu a mesma resposta. “Eu não sei qual é o número. Pergunte ao promotor”, disse.

A promotoria de Nova Orleans não atendeu as muitas chamadas em busca de informação sobre o número de pessoas presas antes ou depois do Katrina que ainda têm que ver um advogado ou ter uma audiência judicial. Igualmente, e isso talvez seja um indício do estado das coisas na defensoria pública, ninguém atendeu o telefone apesar de diversas ligações. (Isso não é bem verdade. Em uma ocasião, uma mulher atendeu, mas ela disse que era contadora e que não havia ninguém no escritório.)

As estimativas publicadas do número de presos de Nova Orleans aos quais se negou seus direitos básicos à defesa legal e a um julgamento ligeiro estiveram entre os 3.000 e 6.000.

Parte do problema é o colapso quase total do sistema de defesa dos indigentes na cidade. Já estava em péssima forma antes da tempestade e entrou em colapso junto com o resto do sistema de justiça criminal depois da tormenta. Mas, embora as autoridades fossem rápidas em consertar o aparato de repressão legal, foi preciso esperar até Junho para que os tribunais criminais começassem a funcionar, e a defensoria pública, que depende da arrecadação das multas para financiar as operações dela, não tinha dinheiro. Agora, quase três-quartos dos defensores públicos simplesmente foram embora apesar de serem necessários para representar quase 85% dos réus criminais da cidade.

A situação chamou a atenção do Departamento de Justiça dos EUA, que em um relatório lançado em Abril concluiu que: “As pessoas esperam na cadeia sem nenhuma acusação e os julgamentos não podem ser realizados; mesmo os réus que desejam se confessar culpados devem ter um advogado para que o juiz aceite o acordo. Sem os advogados de defesa dos indigentes, atualmente Nova Orleans sente falta de um verdadeiro processo de defesa, o processo para garantir que mesmo a pessoa presa mais pobre receba um acordo justo, que o governo simplesmente não pode enclausurar suspeitos e esquecer-se deles... para a vasta maioria dos indivíduos presos”, descobriu o estudo, “a justiça simplesmente não está disponível”.

A situação também está começando a irritar os juízes de Nova Orleans. Em Maio, o Presidente da Vara Criminal do Distrito, Calvin Johnson, emitiu uma ordem que exigia que todos os acusados de infrações de trânsito ou do código municipal fossem citados, em vez de encarcerados. A cidade tem “um número limitado de vagas na cadeia e não podemos enchê-las de gente acusada de infrações menores como a perturbação da ordem, a invasão de propriedade ou por cuspirem na calçada... Não estou exagerando. Havia gente na cadeia por cuspir na calçada”, reclamou.

Na semana passada, outro juiz da vara criminal de Nova Orleans, Arthur Hunter, virou notícia quando ameaçou começar a realizar audiências nesta semana para soltar alguns dos presos detidos durante meses sem advogados nem audiências judiciais. Isso deveria ter acontecido na terça-feira, mas não ocorreu. Ao invés disso, o Juiz Hunter adiou a audiência depois que os promotores apresentaram as suas preocupações.

Embora os distúrbios no sistema fossem inevitáveis depois do Katrina, Metzger da Universidade Tulane pôs parte da culpa na promotoria. “Eles tomaram decisões muito ruins e são impedidos por uma espécie de resposta reflexiva de que tudo tem que ser processado totalmente. Eles não procuram esclarecer os casos; ao invés disso, eles deixam que as pessoas esperem sem advogados até que estejam dispostas a se confessarem culpadas”, disse. “É uma forma de extorsão acusatória”.

Não são apenas as pessoas que estavam na cadeia quando chegou o Katrina, mas muitos daqueles presos desde então que desapareceram no gulag lodoso, disse Metzger. “Na semana passada, encontramos um homem que estivera detido na prisão de segurança máxima de Angola desde Janeiro. Ele foi pego por porte de drogas, o seu único antecedente era por maconha e ele esteve aguardando em uma das piores prisões no país sem nem sequer consultar um advogado durante oito meses”, exclamou ela. “Conseguimos um alvará de soltura. Ele deveria ter saído na terça-feira, mas ainda está na cadeia. Simplesmente não sabemos quantos mais há como ele”.

A promotoria não só não está cooperando, está muito obstinada, denunciou Metzger. “Entramos com um pedido de direito a julgamento ligeiro em nome de um homem chamado Gregory Lewis que já cumpriu 10 meses de uma contravenção de drogas com um máximo de seis meses. A promotoria combateu isso e a moção dela dizia na verdade que, vou citá-la, ‘Não é insensato deter supostos viciados em drogas na cadeia durante mais tempo que as outras pessoas; isso permite que as drogas mortíferas saiam dos metabolismos delas’”, disse ela.

A moção da promotoria se referia obliquamente à desintoxicação, o que é irônico dado que não existe tal instalação em Nova Orleans. “Não há nenhum leito de desintoxicação em toda a cidade”, disse Samantha Hope da Hope Network, um grupo que busca financiamento privado para abrir um centro de tratamento e recuperação no coração da cidade. “A maioria das pessoas na OPP agora é gente que não pôde ter acesso ao tratamento de um problema com o álcool ou as drogas. Assim têm sido as coisas desde o princípio”, disse ela à Crônica. “Em vez de criminalizar as pessoas que têm problemas com o álcool ou as drogas, precisamos encontrar uma maneira de dar-lhes apoio. Confrontar o nosso sistema correcional devorador de dinheiro, a nossa rede conservadora e o racismo, isso é que são elas”.

Os estudantes de Tulane entraram com alguns casos de julgamento ligeiro, mas nem todos tiveram sorte o bastante para terem um estudante de direito de Tulane trabalhando no caso deles para que possam abrir um pedido de julgamento ligeiro. “A fim de entrar com uma moção para julgamento ligeiro, é preciso ter um advogado e milhares ainda nem têm defesa”, explicou Cook da ACLU da Luisiana. “O sistema de defesa dos indigentes estava falido muito antes do Katrina e agora é um completo desastre”, disse ele à Crônica.

Os presos da guerra às drogas são um número considerável, porém desconhecido, daqueles que cumprem “Katrina time”, disse Cook. “Definitivamente, é uma proporção considerável deles”, disse, “mas muitos deles nem sequer foram acusados formalmente. Em Nova Orleans, como na maior parte das grandes áreas urbanas, provavelmente é seguro dizer que uma pluralidade de detenções criminais mantém relação com as drogas”.

Há soluções, mas não virão facilmente. “Precisamos ter uma defensoria pública que seja financiada com dinheiro seguro e previsível”, recomendou Metzger. “Temos que ir além da confiança nas multas para financiar este escritório. Se houvéssemos tido defensores públicos, teria havido alguém atento para registrar os abusos”, disse ela.

“Segundo, precisamos ter promotores que entendam as suas obrigações para com a comunidade”, prosseguiu Metzger. “O trabalho deles não é simplesmente conseguir condenações, mas fazer justiça, e o que isso significa variará de acordo com os fatos e circunstâncias individuais. O que a justiça pós-Katrina exige não é o que a justiça exigia antes do Katrina. Se você estivesse vivendo em Nova Orleans no outono de 2005 e não estivesse bêbado ou drogado, provavelmente estava com um problema. Todos estavam medicados ou se automedicando”.

Cook tinha a sua própria série de recomendações para um conserto. “Primeiro, ligamos o aquecimento. Fiz uma visita ao promotor nesta semana e lhe pedi que acelerasse os processos”, revelou. “Queremos garantir que exista um plano coordenado de evacuação de emergência para todas as prisões e cadeias e pedimos à divisão de direitos civis do Departamento de Justiça que dê uma olhada no que aconteceu na OPP e desde então. Parte dela examinará por que estas pessoas não tiveram advogados de defesa nem a vez delas na corte”.

Ligar o aquecimento é precisamente o que um grupo comunitário recém-formado está tentando fazer. E não estão objetivando somente os promotores e o sistema de defesa pública. “A polícia adotou um novo ponto de vista do que pertence à cidade agora e esse ponto de vista não inclui os negros pobres”, disse Ursula Price da Safe Streets, Strong Communities, um grupo que organiza as pessoas que estiveram na cadeia ou foram brutalizadas de qualquer outra forma pela polícia. A Safe Streets, Strong Communities está administrando duas campanhas, uma para fortalecer a defensoria pública de indigentes e outra para melhorar as condições na própria cadeia. “Eles dizem aos nossos membros que ‘você não deveria ter voltado, não queremos a sua laia aqui’”, disse ela à Crônica. “A raça é um problema, a economia é um problema e os nossos adolescentes estão suportando o pior de tudo. Eles sempre são assediados pela polícia”.

É uma questão de escolhas, disse Price. “Temos tantos policiais como antes da tempestade e metade do total de pessoas e acabamos de lhes dar um aumento. O departamento municipal de finanças gasta deliberadamente a vasta maioria do seu dinheiro em segurança pública, e, então, já não resta nada para os serviços sociais, que estão sendo sacrificados de propósito”, disse ela. “Mas, estou encorajada porque a comunidade está começando a perceber. Quando as pessoas descobrirem que estávamos gastando meio-milhão de dólares por semana na Guarda Nacional sem ter impacto nenhum, elas começarão a se mobilizar”.

Cook tinha uma lista completa de reformas necessárias, que vão da diminuição da população carcerária a parar a prática de usá-la para deter presos estaduais e federais, criar programas adequados de saúde e tratamento dentro da cadeia e diminuir o número de pessoas presas como detidas pré-julgamento. “Precisamos de remanejamento antes do julgamento, a reforma das fianças e citar e lançar políticas para diminuir a população carcerária”, debateu. “Precisa-se de vontade política para fazer isto. É um crime encarcerar uma criança quando há uma escolha e há muitas outras escolhas. E devemos tratar o abuso químico como questão de saúde pública, não como uma questão de repressão legal”.

As perspectivas parecem sombrias. “Vai ser necessária uma liderança esclarecida e vejo apenas muito pouca esperança disso”, disse Cook. “Mas não vamos desistir. O sistema estadual do juizado de menores está finalmente passando por reformas por causa da pressão das famílias e dos ativistas e acho que será necessário o mesmo tipo de esforço para consertar as coisas no tocante aos adultos e aqui em Nova Orleans, no nível paroquial. Isso já está acontecendo por aqui com a Coalizão de Reforma da OPP, o pessoal da Safe Streets e tudo isso”.

Mas falta muito para que isso aconteça em Nova Orleans.

Matéria: Presidente Brasileiro Assina Nova Lei Sobre as Drogas – Os Usuários Não Serão Mais Presos

Na semana passada, o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva assinou um projeto que cria uma nova lei sobre as drogas no maior e mais populoso país da América do Sul. Segundo a nova lei, os consumidores e portadores de drogas não serão mais presos e encarcerados, mas citados, e receberão reabilitação e terão que prestar serviço comunitário. A nova lei marca uma mudança importante nas políticas brasileiras de drogas, com os usuários de drogas sendo vistos oficialmente não como criminosos, mas como gente carente de ajuda médica e psiquiátrica.

“Um usuário de drogas não é caso de polícia, é um viciado”, disse Elias Murad, o deputado que defendeu o projeto, ao Christian Science Monitor depois que Lula transformou o projeto em lei. “É mais um problema médico e social do que um problema de polícia e é assim que se pensa hoje, não só aqui no Brasil, mas em todo o mundo. Achamos que não é possível mandar alguém que está doente à cadeia”.

“Fumar maconha não é crime”, concordou Paulo Roberto Uchoa, que dirige a Secretaria Nacional Antidrogas do Brasil. “Um usuário de drogas é... alguém que precisa de aconselhamento e informação. Os que traficam drogas são os criminosos”.

https://stopthedrugwar.org/files/psicotropicusbanner.jpg
out-door da Psicotropicus que promove a legalização da maconha
Com 170 milhões, o Brasil tem emergido como grande mercado de drogas. O consumo de maconha é comum e o Brasil reclama a distinção ambígua de ser o segundo maior mercado de cocaína do mundo, atrás dos Estados Unidos. Tradicionalmente, o Brasil tem encarcerado os consumidores de drogas, mas isso é caro e coloca o risco de que eles serão expostos e se juntarão às gangues violentas e fortemente armadas do tráfico de drogas ou “comandos”.

Antes, os portadores de pequenas quantidades enfrentavam uma sentença de entre seis meses e dois anos de prisão, mas segundo a nova lei, eles podem pegar uma ou mais das seguintes: tratamento, serviço comunitário, multas ou suspensão de suas carteiras de motorista. As penas para traficantes e vendedores de drogas, contudo, foram ligeiramente aumentadas. Segundo a lei antiga, os traficantes recebiam entre três ou 15 anos de prisão; agora, eles podem pegar entre cinco e 15. A lei também cria o crime novo de ser um “capitalista do narcotráfico”, punível por entre oito e 20 anos de prisão.

Embora os funcionários do governo brasileiro se parabenizem pela abordagem progressista deles, nem todos estavam contentes. “Não nos enganemos, o consumo de drogas ainda é crime”, disse Martín Arangurí Soto, estudante de pós-graduação em ciência política que investiga o encarceramento na Pontifícia Universidade Católica de São Pulo (e que também trabalha como tradutor da DRCNet). “Sim, o novo mantra é o de que isto mudou de ser um caso de polícia para um problema de saúde pública”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Mas, as pessoas ainda andam sendo punidas pelas escolhas que fizeram e se não obedecerem às ‘medidas socioeducativas’ que a lei menciona – quaisquer que elas sejam, ainda podem ser presas de seis a 24 meses. Como se se devesse algo à sociedade por consumir drogas ou houvesse a necessidade de ser ‘educado’ ou ‘corrigido’”.

E embora os funcionários brasileiros estejam mostrando as penas alternativas como uma abordagem melhor, Arangurí Soto sugeriu que o motivo principal era o de desafogar as prisões superlotadas e superaquecidas do Brasil, lar de alguns nos narcotraficantes mais duros do país (que comandam o tráfico atrás das grades) e o palco de várias rebeliões violentas, que vêm acontecendo desde Maio, nas quais mais de 160 pessoas foram mortas em revoltas nas prisões e em combates armados organizados pelos comandos do narcotráfico.

“O grande argumento para apoiar as penas alternativas é o de que elas vão aliviar a superlotação nas prisões”, disse. “Também há a retórica sobre evitar a ‘contaminação moral’ – a mesma fórmula antiga repetida pelos criminologistas durante quase 200 anos”.

O Promotor Ricardo de Oliveira Silva, que defendeu a nova lei, apoiou o argumento de Arangurí Soto, dizendo ao Christian Science Monitor que a nova lei pode significar um corte de um-terço no número de pessoas enviadas à cadeia pelos juízes. Isso reduziria enormemente a superlotação, disse.

“Esta lei não descriminaliza o consumo de drogas”, denunciou Arangurí Soto. “Continua punindo os usuários, mas agora os trata como se fossem doentes. Ativa a justiça terapêutica e legitima o papel moralizador do estado quando se trata da conduta individual”, debateu. “A nova lei é uma armadilha, uma armadilha ‘moderna’, compassiva, curativa e terapêutica”.

Arangurí e seus colegas brasileiros se juntaram a um debate que tem criado alvoroço nos círculos estadunidenses da reforma durante anos, mas que foi intensificado com a campanha pela, e a aprovação da, Proposição 36 da Califórnia nas eleições de Novembro de 2000. Um ponto de vista mais esperançoso foi assumido numa entrevista de 2003 concedida à Crônica da Guerra Contra as Drogas pelo diretor do Projeto de Políticas de Drogas da Ordem dos Advogados da Comarca de King, Roger Goodman. “A reforma sempre se dá com dois passos para frente, um passo para trás”, disse Goodman, “mas agora toda esta idéia de tratamento em vez de encarceramento passou para a corrente principal. Já não é mais radical. O próximo passo é a regulamentação governamental das drogas em vez da regulamentação governamental do comportamento humano. Isso é muito mais radical”.

De qualquer maneira, a nova lei do Brasil tem sido esperada durante muito tempo. Apresentada pela primeira vez pelo Deputado Murad em 1991, o projeto demorou cinco anos para ser aprovado pela câmara dos deputados e outros cinco para passar pelo Senado. Então, definhou durante outros cinco anos antes que o governo Lula se dispusesse a assiná-lo.

Agora, o Brasil deu um passo adiante. A pergunta é como a nova lei será implementada e se servirá como pedra angular ou obstáculo para políticas de drogas mais progressistas.

Matéria: Vitória da Maconha Medicinal em Tribunal de Dakota do Sul por Súmula Eleitoral

A iniciativa de maconha medicinal de Dakota do Sul e seus organizadores, a South Dakotans for Medical Marijuana, conseguiram uma importante vitória legal na sexta-feira passada quando um juiz do tribunal do circuito ordenou que os funcionários estaduais descartassem a explicação eleitoral redigida pelo inimigo da maconha medicinal, o Procurador-Geral Larry Long (R). Os organizadores da iniciativa haviam aberto uma ação que desafiava a explanação eleitoral de Long por ser desesperadamente enviesada contra a iniciativa, e na sua decisão na sexta-feira passada, o Juiz Max Gors do Tribunal do Circuito de Pierre, a capital do estado, concordou com isso.

https://stopthedrugwar.org/files/southdakota.jpg
Nem sequer se é deixado em paz em Dakota do Sul...
De acordo com a lei de Dakota do Sul, o procurador-geral está encarregado de escrever um “sumário objetivo, claro e simples” das medidas eleitorais. Mas o original do Procurador-Geral Long nem chegou perto disso. Mesmo antes de fazer a própria súmula eleitoral, ele decidiu mudar o próprio nome da medida. Conhecida desde o começo e aberta junto ao estado como “Uma lei para proporcionar o acesso seguro à maconha medicinal a certas pessoas qualificadas”, Long decidiu que estaria mais bem intitulada se se chamasse “Uma Iniciativa para autorizar o consumo de maconha para adultos e crianças com doenças específicas”. O texto completo de sua explicação eleitoral original é o seguinte:

Atualmente, o porte, consumo, distribuição ou cultivo de maconha é crime tanto de acordo com a lei estadual quanto com a federal. A lei proposta legalizaria o consumo ou porte de maconha para qualquer adulto ou criança que tiver uma das diversas doenças listadas e que estiver registrado no Departamento de Saúde. A lei proposta também proporcionaria uma defesa às pessoas que cultivam, transportam ou distribuem maconha somente para pessoas registradas. Mesmo se esta iniciativa for aprovada, o porte, consumo ou distribuição de maconha continua sendo crime federal. As pessoas contempladas pela lei proposta ainda estariam sujeitas a processo federal por infração das leis federais de controle das drogas. Os médicos que derem certificações escritas podem estar sujeitos à perda de suas licenças federais para dispensar drogas prescritíveis.

Em sua decisão na sexta-feira passada, o Juiz Gors ordenou que o Procurador-Geral Long reescrevesse a súmula eleitoral ou usasse o texto que o próprio Juiz Gors redigiu:

Esta iniciativa permitiria que as pessoas, inclusive menores com autorização dos seus pais, que tiverem uma doença debilitante cultivem (não mais de seis plantas), portem (não mais de trinta gramas) e usem pequenas quantidades de maconha para fins medicinais. A “doença debilitante” é definida para incluir câncer, glaucoma, HIV, AIDS ou uma doença crônica e debilitante que inclua a caquexia, síndrome debilitante, dores intensas ou crônicas, náuseas crônicas, convulsões, inclusive as convulsões epiléticas, espasmos musculares crônicos ou persistentes, inclusive aqueles causados por ferimentos na coluna, esclerose múltipla, Mal de Chrohn, fibromialgia ou qualquer outra doença aprovada pelo Departamento da Saúde. A certificação pode ser conseguira ao enviar os registros médicos ao Departamento da Saúde ou enviando a recomendação de um médico. Uma pessoa não pode dirigir enquanto estiver intoxicada com maconha nem pode fumar maconha em qualquer lugar em que o fumo de tabaco esteja proibido. O cultivo, porte e consumo de maconha ainda serão ilegais segundo a lei federal, mas a certificação é uma defesa contra o processo criminal de acordo com a lei estadual.

Sarah Raeburn, porta-voz da procuradoria-geral, disse à Crônica da Guerra Contra as Drogas na quarta-feira que Long decidira aceitar a versão do juiz como está. “Essa é a que usaremos”, disse ela. “As únicas mudanças são dois erros de pronúncia que corrigimos”.

“Ficamos muito satisfeitos com a decisão do juiz”, disse o advogado de Huron, Ron Volesky, que debateu o caso a favor da principal demandante, Valerie Hanna, da South Dakotans for Medical Marijuana, uma ex-enfermeira do exército que padece de males neurológicos relacionados à sua exposição a químicos durante a Guerra do Golfo. “Sentimos que é uma vitória para a justiça nas urnas. O tribunal do circuito expôs um remédio com um texto novo que é justo em sua essência”, disse ele à Crônica.

Volesky, um ex-legislador estadual que é o indicado democrata ao cargo do procurador-geral neste ano, era o homem perfeito para o trabalho. Não só ele está entre os poucos políticos de Dakota do Sul interessados na maconha medicinal – ele apresentou um projeto que não chegou a lugar nenhum na assembléia em 2002 --, ele teve experiência anterior em desafiar as súmulas eleitorais do Procurador-Geral Long em 2004.

A demandante Hanna também se pronunciou satisfeita. “Estou muito contente e satisfeita com a decisão”, disse ela à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Este é um bom dia para as pessoas doentes em Dakota do Sul”.

O Marijuana Policy Project, sediado em Washington, DC, que ajudou a financiar o esforço de coleta de assinaturas para colocar a iniciativa na votação, também se satisfez. “Graças a esta decisão sensível, Dakota do Sul terá agora uma descrição justa da iniciativa de maconha medicinal nas urnas e os habitantes de Dakota do Sul podem tomar uma decisão que não for enviesada sobre se querem proteger os pacientes de maconha medicinal de Dakota de Sul de detenção e processo criminal por usar o medicamento que lhes dá mais resultados”, disse a porta-voz do MPP, Rebecca Greenberg, à Crônica da Guerra Contra as Drogas.

Agora, com o problema do texto eleitoral no passado, os defensores da maconha medicinal em Dakota do Sul voltarão suas atenções para a vitória nas urnas em Novembro. O estado socialmente conservador será um grande desafio, mas os organizadores estão otimistas.

“Continuaremos fazendo pressão”, disse Hanna. “Estamos falando com a imprensa e estou contatando os membros do clero agorinha mesmo. Com sorte, encontraremos alguns que tiverem coragem para se pronunciar publicamente, mas é bem assustador defender algo assim por aqui. Mas tenho muita esperança que as pessoas vão responder positivamente a esta iniciativa”.

“Chegou a hora das pessoas se pronunciarem”, disse Volesky. “Quando a assembléia não age, temos o poder do povo através de medidas eleitorais e referendos para passar a legislatura. Em vez de tentar conseguir um punhado de legisladores controlados pelo governo, o povo pode tomar a sua própria decisão”.

Se a campanha for bem-sucedida, Dakota do Sul virará o 12º estado a legalizar a maconha medicinal e o nono a fazê-lo através do processo de iniciativas.

Listado de Empleos: Asistente Administrativo, NORML

Hay una vacante inmediata en una organización progresista de reforma de la ley sobre las drogas, tiempo integral, preferencia dada a egresos de la universidad, experiencia en oficinas, con necesidad de habilidades en informática (dbase).

Los deberes incluyen a teléfonos, entrada diaria de datos, procesamiento de la correspondencia y la organización/manutención de los voluntarios.

El salario está entre $20-25 mil, envíe carta con currículo a: NORML, c/o Executive Director, (202) 483-0057 (f), [email protected]. Por favor, no llame ni haga visitas.

Anuncio: ASA Busca Pacientes que No Usaron Marihuana Medicinal en Razón de Afirmaciones del Gobierno

El Americans for Safe Access está conduciendo un estudio investigativo nacional y está buscando pacientes en los EE.UU. (de cualquier estado) que durante algún período de tiempo no hayan usado cannabis en razón de la afirmación del gobierno federal de que ello no es medicamento.

POR FAVOR, REVISE LOS CRITERIOS DE LIMITACIONES ABAJO PARA SABER SI USTED O ALGUIEN QUE USTED CONOZCA CUMPLE LAS EXIGENCIAS DE ELEGIBILIDAD PARA PARTICIPAR DE ESTE ESTUDIO.

POR FAVOR, NO CONTESTE ESTE MENSAJE A MENOS QUE USTED SATISFAGA TODOS LOS CRITERIOS SIGUIENTES:

1. ¿Un paciente NO consumió marihuana durante algún período de tiempo dentro de los últimos 5 años PORQUE EL GOBIERNO FEDERAL DIJO QUE NO TENÍA NINGÚN VALOR MEDICINAL?

2. ¿El paciente puede demostrar, A TRAVÉS DE REGISTROS MÉDICOS VERIFICABLES, que tras empezar a consumir marihuana medicinal, mejoró su salud o alivió los síntomas?

3. El paciente DEBE tener (o poder obtener) PRUEBAS DOCUMENTALES DE PROFESIONALES DE LA SALUD que muestren los efectos nocivos de su enfermedad antes de usar cannabis y las pruebas de alivio o disminución de efectos como resultado del consumo de cannabis.

4. Sus registros médicos deben documentar un cambio en la enfermedad dentro de los últimos 5 años.

5. Además de las PRUEBAS MÉDICAS DOCUMENTADAS, sería útil, pero no necesario, si su médico estuviera dispuesto a atestar la mejoría de la enfermedad como resultado del consumo de cannabis.

Un ejemplo sería más o menos así:

Fulano de Tal (que es VIH+) se rehusó a consumir cannabis hasta dos años atrás porque el gobierno federal dice que no tiene valor medicinal. Como consecuencia de eso, Fulano sufrió algún daño físico (náusea, dolores, pérdida de peso, etc.). Finalmente, Fulano decide usar cannabis bajo incentivo de su(s) amigo(s), médico(s) y otro(s) individuo(s). Como resultado de su NUEVO uso de cannabis, Fulano pudo demostrar con REGISTROS MÉDICOS que su salud ha mejorado.

Es importante comprender que usted no contraerá ni obligaciones ni beneficios financieros por su participación en este estudio.

Si usted o alguien que usted conoce cumple los criterios susodichos y estuviera interesado en participar de este estudio investigativo importantísimo y oportuno, por favor contacte al Americans for Safe Access (ASA) lo más pronto posible.

Por favor, mande todas las preguntas a [email protected] o contacte al ASA por teléfono a través del (510) 251-1856 ext. 306.

Semanal: Esta Semana en la Historia

01 de Septiembre de 2003: En un esfuerzo para ahorrar más de $30 millones en réditos generales en cinco años, Tejas implementa una nueva ley que exige la supervisión comunitaria obligatoria para infractores primarios de la legislación antidroga considerados culpables de tenencia de cantidad inferior a un gramo de ciertas sustancias controladas o de cantidad inferior a 454g de marihuana. De acuerdo con la ley anterior, dichos infractores solamente eran elegibles para supervisión comunitaria en la cárcel estadual o encarcelamiento en instalación carcelaria estadual.

02 de Septiembre de 1994: En Detroit, la Jueza Helen E. Brown condena a Lázaro Vivas a prisión perpetua por tenencia de más de 650 gramos de cocaína. La Jueza Brown le dice a Vivas, “Yo no creo que esto sea justo. No es una sentencia que yo te daría, si tuviera alguna opción. Pero yo tengo que darte esta sentencia, porque tengo que seguir la ley. Entonces, tu sentencia es prisión perpetua”.

04 de Septiembre de 1991: El Juez Distrital de los EE.UU., Juan Burciaga, dice, “La lucha contra los narcotraficantes es un fuego cruzado que amenaza consumir aquellos derechos fundamentales del individuo establecidos deliberadamente en nuestra Constitución”.

04 de Septiembre de 2001: Dos importantes reformadores de la legislación sobre la marihuana de Michigan son muertos a tiros, después de un sitio de una semana de duración de su recinto de 34 acres llamado “Rainbow Farm” en Vandalia, Michigan. El confronto ocurrió después de una investigación de dos años de alegaciones de consumo de marihuana en el acampamento.

05 de Septiembre de 1989: En su primer discurso televisado nacionalmente desde la Sala Oval, el Presidente George Bush declara que los narcóticos son “la amenaza más grande que se enfrenta nuestra nación” y que él va a intensificar la guerra contra las drogas. Bush muestra un paquete de crack confiscado en cadena nacional y declara, “Esto es crack, confiscado hace algunos días por los Agentes de Represión a las Drogas en un parque del otro lado de la calle de la Casa Blanca”, una afirmación que es desmentida después. Durante el mismo discurso, Bush también exige la pena de muerte para narcotraficantes como Pablo Escobar y pide el aumento presupuestario más grande hasta el día de hoy en la historia de la guerra a las drogas al prometer $2 billones en ayuda a los países andinos.

05 de Septiembre de 1990: El Comandante de la Policía de Los Ángeles, Daryl F. Gates, atesta ante el Comité Judiciario del Senado de los EE.UU. que los consumidores casuales de drogas deberían ser fusilados. Él no menciona el consumo casual de drogas de su propio hijo.

05 de Septiembre de 2002: Los agentes de la DEA arrestan a Valerie y Michael Corral de la Wo/Men's Alliance for Medical Marijuana (WAMM) y destruyen 150 plantas de marihuana pretendidas para consumo de miembros de la WAMM, cuya mayoría es de pacientes terminales.

06 de Septiembre de 1988: Tras dos audiencias, el juez de derecho administrativo de la DEA, Francis Young, recomienda la trasferencia de la marihuana para la Clase II para que pueda ser prescrita como medicamento. Él dice, “Sería irrazonable, arbitrario y caprichoso que la DEA siguiera entre aquellos pacientes y los beneficios de esta sustancia a la luz de las pruebas en este registro”. El Juez Young observa que la marihuana es segura y que tiene un “uso médico actualmente aceptado en el tratamiento” y que “la marihuana, en su forma natural, es una de las sustancias terapéuticamente activas más seguras que el hombre conoce”.

06 de Septiembre de 1999: Jorge Castañeda, que se vuelve después el ministro de relaciones exteriores de México durante el gobierno Vicente Fox, escribe en Newsweek: “Al fin, la legalización de ciertas sustancias puede ser la única manera de bajar los precios y hacerlo puede ser el único remedio para algunos de los peores aspectos de la peste de las drogas: la violencia, la corrupción y el colapso del imperio de la ley”.

06 de Septiembre de 2000: El Ottawa Citizen informa que Jaime Ruiz, el ministro plenipotenciario del presidente colombiano, dijo, “Desde el punto de vista colombiano, [la legalización] es la solución fácil. Digo, legalizarla no más y no tendremos más problemas. Probablemente en cinco años ya no tendríamos más guerrillas. Ningún problema. Tendríamos un gran país sin problemas”.

07 de Septiembre de 2001: Trece oficiales actuantes y pasados de la policía de Miami son acusados por autoridades estadounidenses de disparar contra personas desarmadas y conspirar para encubrir los hechos plantando pruebas. La incriminación es el escándalo más reciente para la fuerza policíaca plagada por problemas de la ciudad. Todos aquellos acusados son veteranos asignados a equipos de la SWAT, unidades de narcóticos o equipos especiales de supresión de la criminalidad a fines de los años 1990.

Búsqueda en la Red: Mark Fiore, Tony Papa, Dean Kuipers

la animación de Mark Fiore: The United States of Incarceration [Los Estados Unidos del Encarcelamiento]

el ex preso convertido en activista Anthony Papa golpea fiscal de narcóticos por distorsión en reforma Rockefeller en carta al editor del NYT

el autor de “Burning Rainbow Farm”, Dean Kuipers sobre “The Spirit of Tommy Chong” [El Espíritu de Tommy Chong], publicado en Drug Reporter de Alternet

Latinoamérica: Guatemala Impone “Estado de Prevención” en Operación Antidroga

El gobierno guatemalteco anunció el martes que iba a suspender algunos derechos constitucionales en municipalidades a lo largo de la frontera con México como parte de un esfuerzo para desenraizar los cultivos de adormideras y el tráfico de drogas en la región. Los habitantes de Concepción Tutuapa, Ixchiguán, San Miguel Ixtahuacán, Tajumulco y Tejutla se despertaron el martes por la mañana para encontrar sus municipios y pueblos cercados por 800 policías que llegaron en el medio de la noche, informó Prensa Libre, el periódico de Guatemala.

De acuerdo con una orden de emergencia de dos semanas llamada estado de prevención, el gobierno ha suspendido el derecho a tener armas de fuego o a realizar manifestaciones o reuniones en el área afectada. La medida también expande el derecho gubernamental a conducir búsquedas. Además, el gobierno les hizo advertencias a los medios de comunicación para que “no inciten a la rebelión, porque en ocasiones anteriores las emisoras de radio han instigado a que la gente se oponga a la destrucción de cultivos”.

El martes, los puntos de identificación de la policía cortaron el acceso a la región afectada y todos los vehículos estaban siendo sometidos a búsquedas. La policía también había allanado, por lo menos, 22 locales por vuelta del martes por la tarde, cuando los funcionarios guatemaltecos realizaron una rueda de prensa para anunciar la ofensiva.

“La idea de este operativo de alto impacto, al final de los 15 días, es tener erradicada la siembra de amapola, capturar personas vinculadas a este trasiego y al de personas, y confiscar armamento pesado”, les dijo el Presidente guatemalteco Óscar Berger a los reporteros. “Estamos intentando combatir el tráfico de drogas y el crimen organizado”, añadió el Ministro del Interior Carlos Vielman.

Para los residentes de las municipalidades, todas ubicadas en el departamento de San Marcos, la operación policíaca está causando algún nerviosismo. “Los vecinos vinieron para encontrarme muy preocupado y la única cosa que pude decirles era que aquél que nada debe no tiene nada que temer”, le dijo Jerónimo Navarro, el alcalde de Ixchiguán, a la Prensa Libre.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Pill Testing, Safer Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psilocybin / Magic Mushrooms, Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School