Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Feature: Pain Patients, Pain Contracts, and the War on Drugs

Pain contracts. Pain management contracts. Medication contracts. Opioid contracts. Pain agreements. They go by different names, but they all mean the same thing: A signed agreement between doctor and patient that lays out the conditions under which the patient will be prescribed opioid pain medications for the relief of chronic pain. (To see a standard pain contract, click here.)

https://stopthedrugwar.org/files/oxycontinpills.jpg
Oxycontin pills
For some of the tens of millions of Americans suffering from chronic pain, opioid pain medications, such as Oxycontin or methadone, provide the only relief from a life of agony and disability. But with the Office of National Drug Control Policy's ongoing campaign against prescription drug abuse and the Drug Enforcement Administration's (DEA) ongoing crackdown on physicians it believes are prescribing opiates outside the bounds of accepted medical practice, the medical establishment is increasingly wary of pain patients and adequate treatment of pain is a very real issue for countless Americans.

In recent years, doctors and hospitals have turned increasingly to pain contracts as a means of negotiating the clashing imperatives of pain treatment and law enforcement. Such contracts typically include provisions requiring patients to promise to take the drugs only as directed, not seek early refills or replacements for lost or stolen drugs, not to use illegal drugs, and to agree to drug testing. And as the contract linked to above puts it, "I understand that this provider may stop prescribing the medications listed if... my behavior is inconsistent with the responsibilities outlined above, which may also result in being prevented from receiving further care from this clinic."

"Pain agreements are part of what we call informed consent," said Northern Virginia pain management and addiction treatment specialist Dr. Howard Heit. "They establish before I write the first prescription what I will do for you and what your responsibilities are as a patient. They are an agreement in order to start a successful relationship that defines the mutual responsibilities of both parties. More and more states are suggesting we use agreements as part of the treatment plan with scheduled medications. Such agreements are not punitive; they protect both sides in functional way."

If Heit sees a cooperative arrangement, others disagree. "This is really an indication of how the current DEA enforcement regime has created an adversarial relationship between patients and physicians where the doctors feel the need to resort to contracts instead of working cooperatively with patients," said Kathryn Serkes, spokesperson for the Association of American Physicians and Surgeons (AAPS), which has been a fierce critic of criminalizing doctors over their prescribing practices. "The pain contracts are a tool to protect physicians from prosecution. He can say 'I treated in good faith, here's the contract the patient signed, and he violated it.' It's too bad we live in such a dangerous environment for physicians that they feel compelled to resort to that," she told the Chronicle.

"Patients aren't asked to sign contracts to get treatment for other medical conditions," Serkes noted. "We don't do cancer contracts. It is a really unfortunate situation, but it is understandable. While I am sympathetic to the patients, I can see both sides on this," she said.

"There is no evidence these pain contracts do any good for any patients," said Dr. Frank Fisher, a California physician once charged with murder for prescribing opioid pain medications. He was completely exonerated after years of legal skirmishing over the progressively less and less serious charges to which prosecutors had been forced to downgrade their case. "The reason doctors are using them is to protect themselves from regulatory authorities, and now it's become a convention to do it. They will say it is a sort of informed consent document, but that's essentially a lie. They are an artifact of an overzealous regulatory system," he told the Chronicle.

"When this first started, it was doctors using them with problem patients, but now more and more doctors and hospitals are doing it routinely," Fisher added. "But the idea that patients should have to sign a contract like that or submit to forced drug testing is an abrogation of medical ethics. Nothing in the relationship allows for coercion, and that is really what this is."

The pain contracts may not even protect doctors, Fisher noted. "When they prosecute doctors, they can use the pain contract to show that he didn't comply with this or that provision, like throwing out patients who were out of compliance. The whole thing is a mess."

https://stopthedrugwar.org/files/michaelkrawitz.jpg
Michael Krawitz (photo courtesy Drug Policy Forum of Virginia)
It is a real, painful mess for a pair of veterans trying to deal with chronic pain through the Veterans Administration -- and it is the drug testing provisions and the use of marijuana that are causing problems. Michael Krawitz is an Air Force veteran who was injured in an accident in Guam two decades ago that cost him his spleen, pancreas, and part of his intestine. Krawitz also suffered a fracture over his left eye, received an artificial right hip, and has suffered through 13 surgeries since then. He had been receiving opioid pain medication at a VA Hospital in Virginia, but things started to go bad a year ago.

"Last year, I refused to sign the pain contract they had just introduced there, and they cut me off my meds because I refused," Krawitz told the Chronicle. "Then I amended the contract to scratch off the part about submitting to a drug test, and that worked fine for a year, but the last time I went in, they said I had to do a drug test, and I again refused. I provided a battery of tests from an outside doctor, but not an illegal drug screen. That's when my VA doctor sent an angry letter saying I was not going to get my pain medicine."

Krawitz has provided documentation of his correspondence with the VA, as well as his so far unheeded complaint to the state medical board. As for the VA, some half-dozen VA employees ranging from Krawitz' patient advocate to his doctor to the public affairs people to pain management consultants failed to respond to Chronicle requests for interviews.

For Krawitz, who has used marijuana medicinally to treat an eye condition -- he even has a prescription from Holland -- but who says he is not currently using it, it's a fight about principles. "I will not submit my urine for a non-medical test," he said. "The VA doesn't have the authority to demand my urine. It's an arbitrary policy, applied arbitrarily. The bottom line is that we vets feel very mistreated by all this. Some of us have sacrificed limbs for freedom and democracy, and now the VA wants to make us pee in a bottle to get our pain medication?"

The imposition of pain contracts is not system-wide in the VA. A 2003 Veterans Health Administration directive on the treatment of pain notes that "adherence with opioid agreement, if used" should be part of the patient's overall evaluation.

Krawitz is preparing to file a federal lawsuit seeking to force the VA to treat him for pain without forcing him to undergo drug testing. For Tennessee vet Russell Belcher, the struggle is taking a slightly different course. Belcher, whose 1977 back injury and spinal fusion had him in pain so severe he couldn't work after 2000, was cut off from pain meds by the VA after he tested positive for marijuana. Belcher said he used marijuana to treat sleeplessness and pain after the VA refused to up his methadone dose.

"It's a wonder to me that some vet ain't gone postal on them," he told the Chronicle. "They pushed me pretty close. To me, not signing the substance abuse agreement is not an option. If you sign it you're screwed, if you don't sign it, you're screwed. I complained for months about the dose being too low, but they said that's all you get and if you test positive for anything we're kicking you out. When the civilian doctors would find marijuana on a drug screen, they told me they would prefer I didn't do that because it was still illegal, but they didn't kick me out of the program. I was using it for medicinal purposes. I have tremendous trouble sleeping, muscle cramps that feel like they'll pull the joint out of the socket. I had quit using for a long time because of this mess with the drug testing, but then they wouldn't increase my pain medicine. I thought I have to do something; it's a matter of self preservation," he said.

"The pain clinic at the VA has discharged me from their care and said the doctor would no longer prescribe narcotics for me unless I attend the substance abuse program," Belcher continued. "They aren't going to be satisfied until I spend 30 days in the detox unit." While Belcher would like to join Krawitz in taking on the VA, in the meantime he is looking for a private physician.

When asked about the veterans' plight, Dr. Fisher was sympathetic. "They made Krawitz sign a contract under duress with forced drug testing as a condition of his continued treatment," he pointed out. "That violates basic rights like the right of privacy. There is no suspicion he is a drug addict. They want to treat all patients as if they were criminal suspects, and that has little to do with what the nature of the doctor-patient relationship should be."

Dr. Heit, while less sympathetic than Dr. Fisher, was decidedly more so than the VA. When asked about the cases of the vets, he explained that he would be flexible, but would also insist they comply with the terms of their agreements. "In the end, you have to choose whether you want me to do pain management with legal controlled substances or you want to use illicit substances, but you don't get to choose both," he said. "I don't disagree that marijuana may help, but the rules are it's an illicit substance. I can't continue to prescribe to someone who is taking an illicit substance."

And here we are. Patients seeking relief from pain meet the imperatives of the drug war -- and we all lose.

Feature: Reefer and Religion -- Nevada Clergy Embrace Marijuana Legalization

It was the press conference heard 'round the world -- or at least around the country and in every corner of Nevada. Last Tuesday, four Nevada clergymen stood side by side with organizers of the Nevada initiative to regulate and control marijuana to publicly endorse the measure. They spoke for at least 33 Nevada clergy who endorsed Question 7, as the initiative is known on the ballot.

https://stopthedrugwar.org/files/nevadaclergy1.jpg
The measure would allow adult Nevadans to legally possess small amounts of marijuana and to purchase it at state-regulated stores. Under current Nevada law, possession of less than an ounce is a misdemeanor offense and all sales are illegal.

Preachers for pot legalization -- for the media, that was as good as man bites dog, and the press coverage showed it. According to a list compiled by the Interfaith Drug Policy Initiative (IDPI), who spearheaded the effort of bringing the clergy on-board, media hits included CNN, MSNBC, every major newspaper in Nevada, repeated features on Nevada TV stations, and an Associated Press story that was picked up by at least 37 media outlets nationwide.

Across Nevada and the country, readers and viewers heard people like the Rev. Ruth Hanusa, chaplain at the Campus Christian Association at the University of Nevada-Reno, explain why they supported changing the marijuana laws. "Some of us Protestants believe that one of the functions of government is to curb sinful behavior," she said. "But our marijuana laws are not curbing marijuana use and they are causing more harm than good by filling the pockets of dangerous criminals and ensuring that children have the easiest access of anyone," she said.

They also got to hear the Rev. Paul Hansen, senior pastor at Holy Spirit Lutheran Church in Las Vegas explain why he supported Question 7. "On its face, our current marijuana laws appear to be moral, but it is a cosmetic morality," said Hansen. "Our current laws are causing virtually unfettered access to marijuana. Marijuana is far easier to access than alcohol because drug dealers don't card," he said.

"This became a big story because most people think that the religious community is the last place on earth to find support for ending marijuana prohibition," said IDPI's Troy Dayton, who has spent much of the year in Nevada. "It is making such a difference because by its very nature it reframes the debate. This marijuana issue is up against a lot of cultural baggage, decades of a government misinformation campaign, and a strong puritan ethic which embraces a spirit of punishment. In addition, many voters think they are voting on whether or not they think marijuana is good or not; not what the best policy regarding marijuana best serves the community."

Gaining the support of such respected community leaders is critical for gaining support for the cause, Dayton told Drug War Chronicle. "It doesn't matter if our side has better reasoning if the average voter dismisses the issue without a careful and open-minded inquiry," he said. "When the average voter hears about religious leader support, first his attention is grabbed, and secondly the cognitive dissonance of this reality forces a reframing of the issue in his mind. No one could accuse these religious leaders of being in favor of marijuana use and they are clearly respected moral leaders in the community. So this makes people wonder, 'Why are they supporting this?'"

https://stopthedrugwar.org/files/nevadaclergy2.jpg
The faith-based support is providing a boost for a campaign that is in a tight uphill battle to put Nevada over the top as the first state to vote to regulate and control marijuana, said initiative supporters. "To have so many people in the faith-based community who represent so many denominations is a big plus for the campaign," said Patrick Killen, communications director for the Committee to Regulate and Control Marijuana (CRCM), the group behind the campaign. "Having these people of faith come forward on this shows that creating a sensible alternatives to our state's marijuana laws is an issue that resonates with a diverse array of people in Nevada," he told the Chronicle.

"As far as we know, this is the first time that so many clergy from different denominations have explicitly called for legally regulated sources of access for marijuana," said IDPI executive director Charles Thomas. "And it came about because of a lot of hard work. We had Troy in Nevada for about five months, and our Tyler Smith joined him for a few weeks. They traveled the state and sat down and talked one-on-one with religious leaders, and a number of those people not only took the information and read it, but also took a few days to pray about it. Praying is a way to really reflect on what your deepest values are."

One of those doing some serious reflecting was Pastor Hansen. "Some people from the campaign contacted me this spring, and I was skeptical at first," said Hansen. "I thought it was about a bunch of people who smoked marijuana and wanted a license to do it, but as I began to research the issue, I saw there is a movement in the Western world to rethink our policies toward marijuana, and I thought this was a just position," he told the Chronicle. "When I look at the issue and what they're doing in Holland and all the unforeseen negative consequences of alcohol prohibition, I see a lot of the same things happening in terms of organized crime profiting from an underground criminal marijuana market."

Pastor Hansen made clear he was speaking for himself -- not representing his church or congregation -- as he addressed the issue. While his public stance in favor of Question 7 has won him support, "I've also gotten a few people who expressed their displeasure," he noted wryly. "Lutherans are not all of one mind on lots of issues."

Nor are members of other denominations. But having religious leaders speaking out for marijuana legalization is an advance for the cause. And with Question 7 trailing in some polls and leading narrowly in others, the divine intervention would be most welcome.

Feature: Justice Department Report Shows Drug Use Among Prisoners Holding Steady, But Emphasizes Increased Methamphetamine Use

A new report from the Justice Department's Bureau of Justice Statistics (BJS) shows that prior drug use among state prisoners is essentially unchanged in the last decade, while prior drug use among federal prisoners is up slightly. But in presenting the report, Drug Use and Dependence, State and Federal Prisoners 2004, BJS emphasized small increases in prior methamphetamine among state and federal prisoners.

https://stopthedrugwar.org/files/ice.jpg
bag of crystal meth, also known as 'ice'
That is at least in part because that's what BJS' clients were interested in, said report author Chris Mumola. "We have a lot of increased demand for information on methamphetamines," he told Drug War Chronicle. "The Office of National Drug Control Policy and correctional administrators want to know about that population."

What BJS found regarding meth was that 7% of state prisoners reported using it in the month previous to arrest in 1997. That figure increased to 11% in 2004. Reported meth use among state prisoners at the time of the offense increased from 4% to 6% during the same period. Federal prisons reported similar increases. Among white prisoners, a full 20% reported using in the month before arrest, compared to 1% of black inmates. Among Hispanics, 12% of state prisoners and 5% of federal prisoners reported meth use in the month prior to arrest. Among women, 17% of state inmates and 15% of federal inmates reported using, compared to 10% of men in both the states and the federal system.

More broadly, the report found that a majority -- 56% -- of state inmates used drugs in the month prior to arrest, with 40% reporting marijuana use, followed by crack or powder cocaine (21%), stimulants (12%), and heroin and other opiates (8%). These state figures are essentially unchanged from 1997, the last time the survey was done.

Interestingly, violent offenders were less likely to have used methamphetamine than either drug or property offenders. Only 4% of violent and property offenders reported using in the month prior to arrest, compared to 14% of drug offenders.

That makes intuitive sense -- and it also raises questions about just what these figures are telling us. Do the rising figures for meth use suggest rising meth use rates, increasing law enforcement attention, or both? BJS wasn't much help. One employee -- not Mumola -- would say only, "We don't do sociology. There is no way of determining that."

"I don't think we know whether this is the result of rising use or rising enforcement," said Marc Mauer, executive director of The Sentencing Project, a criminal justice think tank that emphasizes alternatives to incarceration. "We do know there has been a lot of targeting of resources at meth enforcement in recent years, but that could indicate a greater focus on meth at the expense of other drug law enforcement. This may not indicate any rise in use or sales, but in arrests. We also don't have a good grasp on the extent of meth use, which varies from region to region. It could be important in San Diego, but not in Philadelphia," he told the Chronicle.

Mauer was struck by the report's emphasis on meth. "It's sort of odd that they highlighted this so prominently," he said. "If you look at the overall distribution of drugs that people in prison have used, meth is on the low end. While there are some people in prison who used meth, it is still a modest number. Highlighting those figures plays into the whole public discussion about whether there is a meth epidemic, but when you look more broadly at the whole range of drugs used by prisoners, you get a very different picture."

You could also get a very different picture of prior drug use by prisoners if alcohol were included in the survey, as it was in 1997. BJS does it clients a disservice by failing to include alcohol use, said Mauer. "You can't talk about criminality without talking about alcohol," he exclaimed. "In terms of violent crime, there is much more of a correlation with alcohol than with other drugs. If you want to look at comprehensive substance abuse policy, you are omitting half the problem if you don't look at alcohol."

The reasons for omitting alcohol were not sinister, said BJS's Mumola. "The 1997 report was 16 pages, and this time we had to cut it to 12," he explained. "We had to edit it down and make it more focused. At the same time, there was both increased demand for figures on meth and new measures of dependence and abuse. There is high demand for making better assessments of who needs treatment, so there was a lot of additional content we had to squeeze in, and it would have been impossible to give full treatment to alcohol issues, so we streamlined it."

One thing the report did not mention, but that could be teased out by examining this and other BJS reports on prison population is that there are more than 44,000 people serving prison sentences for marijuana offenses. In a Thursday press release, the National Organization for the Reform of Marijuana Laws (NORML) crunched the numbers. "According to these figures, nearly 45,000 state and federal prisoners are behind bars for having committed some type of cannabis-related offense," said NORML executive director Allen St. Pierre. "This means that US taxpayers are currently spending over $1 billion annually to incarcerate Americans for pot."

But let's not think about that. Instead, let's concentrate on the demon drug du jour. That's what BJS and it's client-driven research did.

Weekly: This Week in History

Posted in:

October 14, 1970: President Nixon spearheads the Controlled Substances Act (CSA), legislation establishing today's "schedules" as a means of classifying drugs strictly by their medical value and potential for abuse.

October 15, 1986: Assistant Attorney General Mark Richard testifies before the Kerry Committee that he had attended a meeting with 20 to 25 officials and that the DEA did not want to provide any of the information the committee had requested on the Contra involvement in drug trafficking.

October 13, 1999: In a series of raids named "Operation Millennium," law enforcement in Mexico, Colombia, and Ecuador arrest 31 persons for drug trafficking, including Colombian cartel leader Fabio Ochoa. Ochoa is indicted in a Ft. Lauderdale court for importing cocaine into the US, which requests his extradition in December 1999.

October 13, 1999: Governor of New Mexico Gary Johnson is quoted by the Boston Globe: "Make drugs a controlled substance like alcohol. Legalize it, control it, regulate it, tax it. If you legalize it, we might actually have a healthier society."

October 19, 1999: Taking a states' rights approach to medical marijuana, candidate George W. Bush says, "I believe each state can choose that decision as they so choose." As president, Bush escalates prosecutions of medical marijuana providers by the US Dept of Justice and opposes states' rights arguments in court proceedings.

October 17, 2002: Florida Governor Jeb Bush's daughter is sentenced to 10 days in jail and led away in handcuffs after being accused of having crack cocaine in her shoe while in drug rehab. In a statement, the governor says he realizes his daughter must face the consequences of her actions.

October 14, 2003: Supreme Court justices reject the Clinton administration's request, continued by the Bush administration, to consider whether the federal government can punish doctors for recommending or even discussing the use of marijuana for their patients. The decision by the High Court clears the way for state laws allowing ill patients to smoke marijuana if a doctor recommends it.

October 14, 2003: At Emory University Law School former President Jimmy Carter says, "All three of my boys smoked pot. I knew it. But I also knew if one was caught he would never go to prison. But if any of my [black] neighbors got caught, they would go to prison for ten, twelve years. No law school has had the temerity to look at what is fundamentally wrong with our legal system, which discriminates against the poor."

Paraphernalia: Florida County Approves Tough New Ordinance

Head shop and paraphernalia store owners in Pinellas County, Florida, are in for a rough ride after the county commission Wednesday gave final approval to a new drug paraphernalia ordinance that will make it easier to win convictions than current Florida law. Under state law, people can only be found guilty of paraphernalia sales if it can be proven they knew the product they sold would be used to ingest drugs. The new county ordinance lowers the bar, requiring only that the seller should reasonably have known such use would occur.

Those convicted under the new county ordinance face up to 60 days in jail and fines of up to $500. Repeat offenders could see their business licenses jerked.

https://stopthedrugwar.org/files/pipe.jpg
pipe
The new law is the result of a county Drug Paraphernalia Abatement Task Force organized by County Commission Chairman Ken Welch last year. The ordinance follows almost letter by letter the recommendations of the task force's report issued in June, which claimed that drug paraphernalia "enabled" drug use.

Opponents of the ordinance showed up at the commission's Wednesday meeting to no avail. According to a report in the St. Petersburg Times, among those protesting the ordinance was Kurt Donely, executive director of the Florida NORML chapter. He said the proposed 60-day penalty was too extreme. "I would lose my house, my car," Donely said. "Something would happen to my pets."

Another opponent was Tamara Pare, 23, an employee of Purple Haze Tobacco & Accessories in St. Petersburg. She arrived dressed as a hooker, wearing red heels, a short skirt, and a halter top. Her attire, she said, was "a visual metaphor" that underscored the silliness of the "reasonably should know" standard. "Many reasonable people today might see me dressed like this and think I'm a prostitute," Pare told the board.

Her boss, Leo Calzadilla, spoke via videotape from his store, with shelves of water pipes on display behind him. The ordinance would be aimed at specialty shops like his when items that could be used as drug paraphernalia can be found almost anywhere he said. "This ordinance is going to do nothing but tie up our local courts system," Calzadilla warned.

But commission head Welch was unswayed, although he acknowledged the ordinance would not stop drug use. "It's not going to solve the entire problem," he said. "It's a step in the right direction."

Perhaps Welch and the county commission should be stepping over toward the county attorney's office because it appears it will be busy fending off challenges. "I'm still confused," Alan Berger, 51, co-owner of Balls of Steel in Gulfport, said after the vote. "Should I pull everything off the shelves? I guarantee you, we will fight."

Pain Medicine: Dr. Hurwitz Denied Bail, to Sit in Prison Pending New Trial

Nationally-known pain treatment specialist Dr. William Hurwitz was denied bail pending retrial Wednesday. Hurwitz has been in prison since he was convicted in November 2004 on drug trafficking charges over his prescribing of large quantities of opioid pain relievers to patients, some of whom later admitted abusing and/or selling them. Hurwitz' conviction was thrown out on appeal, and he sought his freedom pending a new trial.

https://stopthedrugwar.org/files/hurwitz.jpg
Dr. Hurwitz in 1996 (photo courtesy Skip Baker)
Although Hurwitz had posted a $2 million bond to get out of jail after his arrest and complied with all its conditions, US District Court Judge Leonard Wexler, the same judge whose deficient instructions to the jury resulted in the verdict being thrown out, rejected a motion by Hurwitz' attorneys to free him. Judge Wexler said he was concerned Hurwitz might flee.

"Things have changed with respect to flight," Wexler said as he rejected the motion. "A jury has found him guilty of 50 counts... I think there is a risk of flight."

Hurwitz is probably the most prominent physician to be prosecuted in an ongoing federal crackdown on what authorities call prescription drug abuse and the over-prescribing of drugs such as Oxycontin and other pain relievers. His case mobilized more interest and support in the media and the medical community than any of the dozens of other cases of doctors prosecuted in the federal campaign.

He was convicted after Judge Wexler instructed jurors that they could not consider whether Hurwitz acted "in good faith" when prescribing. Hurwitz and his attorneys argued that the "good faith" defense was crucial to proving his innocence because he believed he was helping his patients by prescribing large amounts of pain relievers.

Prosecutors urged that Hurwitz remain jailed pending trial, saying he had reason to flee. "At least one jury found him guilty 50 times over," said Assistant US Attorney Gene Rossi. "He's about 60 years old, and the sentence that was imposed, 25 years, is essentially a life sentence. That is a strong incentive."

But Hurwitz' attorneys said he had not fled when out on bail before and he had a good chance of winning in the new trial. "He faithfully abided by every condition of his release," said defense attorney Lawrence Robbins.

The Robing Room, a web site that allows criminal justice professionals to rate judges, gives Wexler a mediocre 3.5 out of 10, though the sample size (only nine people, mostly criminal defense lawyers) is limited. Among the comments:

"This is one of the most mean spirited individuals I have ever met... He lacks judicial temperament and is not remotely as smart as he thinks he is, plus he does not listen."

"He is, quite simply, a terrible judge... A yeller, a browbeater, a one-sided unabashed prosecution lover... Doesn't pay much attention to legal citations that are clearly relevant procedurally... Mean and nasty, not very intelligent."

"Doesn't know the law and doesn't care."

Read David Borden's letter to Judge Wexler about evident flaws in the trial, sent prior to the original sentencing of Dr. Hurwitz, here.

Get further information about the Hurwitz case on the web site of the Pain Relief Network.

Latin America: Tijuana Mayor Vows to Investigate Entire Police Force for Links to Drug Trade

The mayor of the Mexican border city of Tijuana, Jorge Hank Rhon, announced over the weekend that the entire municipal police force is to be investigated for involvement in the drug trade. The city is home to the Arellano Felix drug trafficking organization, one of the most powerful in Mexico. The group is locked in a bloody battle with the competing "Juarez cartel," led by the criminal heirs of the legendary Amado Carrillo Fuentes, known as the "Lord of the Skies" before his death in 1997. Dozens of people have been killed this year in Tijuana in battles between the rival groups.

https://stopthedrugwar.org/files/tijuanalogo.gif
Tijuana police logo (courtesy DrugWar.com)
Tensions have worsened in the city since the August arrest of Francisco Javier Arellano Felix by US authorities off the Baja California coast in August. Since then, violence has escalated, and the dead include at least five police officers from city, state, or federal agencies, including assistant Tijuana police chief Arturo Rivas Vaca, who was gunned down in his patrol car in mid-September.

After that incident, Tijuana officials accused federal law enforcement officials of not doing enough to help fight the traffickers, which prompted an unusually testy response from the federal attorney general's office. In a communiqué issued in late September, the office accused Mayor Rhon and Tijuana secretary of public safety Luis Javier Algorri Franco of "complacency or direct complicity" with the drug traffic.

Rhon was also facing pressure from powerful Tijuana business interests worried that the corruption and violence could affect their bottom lines. The major business group in the city, the Entrepreneurial Coordinating Council, had announced last month it was boycotting public functions until local, state, and federal law enforcement agencies began working together, and last week, it threatened to move businesses from the city unless something was done.

That is apparently what prompted Rhon's weekend call for a mass investigation of the municipal police. While police corruption in Tijuana has been endemic for years -- local police report 66 of their own arrested in the past six months -- it is the open political spat between Rhon and Mexico City that greased the wheels for the investigation and the pressure from business that made it happen.

"Everyone from the policeman on the beat to the state police superintendent will be subject to this investigation," Rhon told a weekend press conference.

"We haven't waited for anyone to come from outside to help us with the theme of corruption," Algorri said in the weekend press conference announcing the mass investigation of Tijuana's 2,300 police. Algorri added that it was unfair to single out the city police. "The problem of corruption in police agencies is a reality, and all of the police agencies have problems with corruption," he said.

Methamphetamine: Georgia Governor Makes It Campaign Issue, Seeks to Double State Task Force

Locked in a close reelection race, in recent weeks, Georgia Gov. Sonny Perdue (R) has unveiled high-profile proposals to go after two of America's favorite bogeymen -- online sex predators targeting youth and illegal immigrants seeking drivers' licenses -- and this week, he added methamphetamine to his witch's brew of hot-button issues. At a Tuesday news conference surrounded by members of the Georgia Bureau of Investigation (GBI), Perdue announced he would ask legislators for funds to double the number of agents on the GBI's Meth Force.

https://stopthedrugwar.org/files/sonnyperdue.jpg
Mr. Photo-Op in Action: Georgia Gov. Sonny Perdue
Launched earlier this year in response to reports of increasing methamphetamine use in the state, the GBI Meth Force is currently staffed with 30 agents. According to state statistics, meth cases submitted to the GBI have more than quadrupled from 1,200 in 2000 to 5,200 in 2005.

"Georgia is waging an effective battle against the scourge of methamphetamine with a strong local, state and federal coalition," Perdue said Tuesday during the news conference at the GBI Regional Drug Enforcement Office in Canton in remarks reported by the Gwinnett Daily Post. "An additional 15 agents... will double the state's efforts to combat meth and related crimes like burglaries, assaults and even homicides."

In a talking points memo produced to tout the proposal, the GBI explained that "the agents will be assigned to respond to meth labs, to investigations targeting meth drug trafficking organizations, as undercover agents conducting investigations of meth dealers, and to investigations of meth-related crimes or crimes committed in support of meth financing and operations." This is necessary because "local law enforcement is overrun with street level meth dealers and must devote more resources toward enforcement," the not disinterested GBI argued.

Perdue has developed a record of going after methamphetamine. In 2004, he requested and the legislature passed a provision increasing the penalties for cooking meth around a child. In 2005, he signed legislation that restricted the sale of medications containing pseudoephedrine, which is often used in home meth labs, and this year he budgeted $1 million to jumpstart the GBI Meth Force and another $1 million for treatment for about 200 meth users. The doubling of the force would take another $1 million.

But Perdue's Democratic opponent in next month's election, Lt. Gov. Mark Taylor, accused the governor of playing politics. "For the last month, Sonny Perdue has staged issue announcements to set up the next broadcast of a new political ad, and here he goes again," Taylor spokesman Rick Dent wrote in an e-mail to the Daily Post. "This is not governing, it's staging. It's all hat and no cattle. Voters deserve better."

South Pacific: New Zealand Sports Drug Tests Snag Mainly Marijuana Smokers

The athletic drug testing regime in New Zealand continues to detect primarily marijuana users, according to the latest annual report from Drug Free Sports New Zealand (DFNZ), the quasi-governmental agency in charge of sports drug testing in the South Pacific island nation. Of some 1,262 athletes tested in the year prior to June 30, a paltry 15 of them -- or slightly more than one-tenth of one percent -- tested positive for any banned substance, and 10 of them tested positive for marijuana. Both the paltry positive result rate and the snagging of pot-smokers are in line with previous years.

DFNZ executive director Graeme Steel told the New Zealand Press Association that marijuana was not a performance-enhancing substance like steroids and complained that positive tests for marijuana were taking up DFNZ resources. "Cannabis remains a singular challenge to both the testing and education programs," he said. "We have continued to argue that the nature of cannabis use is such that it should not be lumped in with performance-enhancing substance use."

Steel said DFNZ was working with sports associations and players' groups to educate them about how long marijuana can stay in their systems. If such groups were aware of marijuana metabolites' staying power, perhaps the agency wouldn't have to waste its time and resources on the herb, he suggested. "Our efforts to respond to the challenge posed by the inclusion of cannabis on the list continue to require a very high proportion of our resources."

Of the five athletes' drug tests that came back positive for substances other than marijuana, four were for anabolic steroids in bodybuilding and one was for epinephrine in power lifting.

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

A tawdry tale out of Tulsa, a New York cop gets off easy, and the Boston Police aren't sure where all the dope went. Just another week of drug prohibition-related police corruption. Let's get to it:

https://stopthedrugwar.org/files/tulsa.jpg
hot times in Tulsa
In Tulsa, Oklahoma, a federal civil rights lawsuit filed by the husband of an exotic dancer is shining a light on some sordid business involving a pair of Tulsa Police Department officers. The lawsuit was filed by Shannon Coyle, the husband of dancer Crystal Garr. Coyle was arrested on drug charges last year by Officer Travis Ludwig, after Coyle filed an internal affairs complaint against Ludwig because Ludwig was sleeping with Garr. Coyle was arrested first on marijuana possession charges, then again on methamphetamine and paraphernalia charges in raids led by Ludwig. When Coyle found out Ludwig was sleeping with his wife, he text-messaged him, warning him to stay away. Ludwig then took those messages to a deputy prosecutor who okayed another arrest for Coyle, this time for intimidating a witness -- Ludwig. All the charges were dropped once officials became aware of the affair, and Ludwig has been disciplined by the department, but he still faces Coyle's lawsuit. So does Officer Israel Rodriguez, whom Coyle also accuses of sleeping with his wife. Ludwig and Garr currently live together, although she remains married to Coyle, the father of her four children. Oh, by the way, the deputy prosecutor who okayed Coyle's third arrest? She had also been sleeping with the busy Ludwig. Read all about this Oklahoma law enforcement Peyton Place in the Tulsa World, which has in-depth coverage and a handy chart with all the players.

In New York City, a former NYPD narcotics detective got off easy last week when he was sentenced for robbing more than $740,000 from drug dealers over an eight-year period, Newsday reported. Former detective Julio Vasquez, 46, was among five NYPD cops arrested in the scheme, which unraveled when federal agents staking out a drug suspect saw him robbed by Vasquez and fellow cop Thomas Rachko. All of the other cops have pleaded guilty, too. Vasquez got a sweet six-year sentence from federal Judge Carol Amon on October 5 after prosecutors filed a letter saying he had cooperated with investigators. Under the federal sentencing guidelines, he would have faced between 17 and 22 years.

In Boston, an audit of the Boston Police drug depository has revealed that the department cannot account for some of the drugs seized over the years, the Boston Globe reported Sunday. Police Commissioner Albert Goslin told the Globe it was too early to suggest corruption and that the drugs -- seized as evidence over the years -- may just be lost. As the audit continues, three officers are trying to track down the drug evidence in some 190,000 cases, some dating back more than 20 years.

Anúncio: Novo Formato para o Calendário do Reformador

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
A partir desta edição, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Ansiamos por informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estejam disponíveis.

Semanal: Esta Semana na História

06 de Outubro de 2000: O ex-Presidente dos EUA, Bill Clinton, é citado na Rolling Stone: “Eu acho que a maioria das pequenas quantidades de maconha foi descriminalizada em alguns lugares, e deveria ser”.

07 de Outubro de 1989: O ex-Secretário de Estado dos EUA, George P. Schultz, diz aos alunos reunidos na Faculdade de Administração de Empresas de Stanford, “Me parece que não vamos chegar a lugar algum até que tiremos a criminalidade do negócio das drogas e os incentivos à criminalidade disso. Francamente, a única maneira em que eu posso pensar de conseguirmos isto é possibilitar que os dependentes comprem drogas em algum lugar regulado a um preço que se aproxime do custo delas... Precisamos pelo menos pensar nisso e examinar formar de legalização controlada das drogas... Nenhum político quer dizer o que eu acabei de dizer, nem por um segundo sequer”.

07 de Outubro de 2003: O comediante Tommy Chong começa uma sentença de nove meses de prisão federal por administrar uma loja de narguilés que vendia cachimbos aos fumantes de maconha.

08 de Outubro de 1932: A Lei Estadual Uniforme de Narcóticos [Uniform State Narcotics Act] é aprovada e endossada pela Agência de Narcóticos federal como alternativas às leis federais. Por volta de 1937, todos os estados proíbem o consumo de maconha.

09 de Outubro de 2000: A PBS dá início a um programa especial de dois dias intitulado “Drug Wars”. A série examina os esforços incessantes dos Estados Unidos durante as três últimas décadas para parar o fluxo de drogas ilegais que entram no país e mostra como a guerra às drogas desperdiça centenas de bilhões de dólares, altera o sistema de justiça criminal, põe milhões de pessoas na cadeia e permite o florescimento do crime organizado.

10 de Outubro de 2002: O Secretário Antidrogas John Walters viaja a Las Vegas, Nevada e começa dois dias de aparições ao redor do estado fazendo pressão ilegalmente contra a Questão 9, uma proposta de emenda da constituição estadual legalizando o porte de 90 gramas ou menos de maconha para adultos. A medida é derrotada nas urnas no mês seguinte.

12 de Outubro de 1984: A Lei Compreensiva de Controle da Criminalidade [Comprehensive Crime Control Act] vira lei, estabelecendo normas federais de condenação “mínima obrigatória” que não dão aos juízes discricionariedade nenhuma na imposição das sentenças de prisão. Durante os dois anos seguintes, as sentenças por delitos de drogas aumentam 71% em todo o país.

Maconha: Tribunal Superior de Idaho Decide que os Funcionários Não Podem Impedir Iniciativa de Legalização Só Porque Não Gostam Dela

Há dois anos atrás em Sun Valley, Idaho, Ryan Davidson queria começar uma petição a favor de uma iniciativa municipal que teria permitido que os habitantes de Sun Valley portassem, cultivassem e vendessem maconha dentro dos limites da cidade da comunidade das montanhas. Mas, os funcionários municipais, ao invés de meramente confirmarem que a petição inicial de Davidson com 22 assinaturas estava corretamente formatada, como especificamente no código municipal, recusaram a petição proposta dele de uma vez, dizendo que contradizia as legislações estadual e federal e que, assim, estava fora do alcance do processo de iniciativas da cidade.

Davidson entrou com uma ação e perdeu no tribunal distrital, daí recorreu ao Tribunal Superior de Idaho. Em uma decisão dada no dia 27 de Setembro, o tribunal superior concordou unanimemente com Davidson. “A Cidade protesta que se o Escrevente não pode parar as iniciativas inconstitucionais, qualquer grupo pode enviar petições em favor de qualquer número de causas bizarras”, escreveu o Ministro Roger Burdick pelo tribunal. “Embora seja verdade que muitas de tais iniciativas possam ser propostas, ordenar através da substância das iniciativas propostas para separar o joio do trigo não é o papel do Escrevente Municipal. Os contrapesos adequados contra o poder da iniciativa são o público eleitor e os tribunais, e uma câmara municipal retém o poder de revogar ou emendar decretos-lei equivocados aprovados pela legislação direta”.

Além de permitir o consumo e o comércio regulados de maconha, a iniciativa de Davidson teria ordenado que a lei municipal convertesse as leis sobre a maconha na menor prioridade dela. Também teria ordenado que a cidade pressionasse os funcionários estaduais a mudarem as leis sobre a maconha do estado.

O tribunal não decidiu se tal iniciativa seria constitucional sob a lei de Idaho, dizendo que a decisão podia aguardar a aprovação de tal iniciativa. Em um parecer concorrente, o Ministro-Chefe Gerald Schroeder debateu que partes dela infringiriam a lei estadual e, portanto, seriam inválidas. “Tempo, esforço e dinheiro terão sido gastos, exceto até o ponto em que os legisladores terão a opinião de um pequeno segmento dos eleitores classificados do estado”, escreveu Schroeder. “Não obstante, a decisão para permitir que o processo aconteça por si só sem a intervenção judicial é apropriada”.

Não se sabe ainda se Davidson começará uma nova petição agora, apesar de ser razoável achar que alguém que foi à corte mais alta no estado para ganhar esse direito provavelmente o exercerá logo, logo.

Condenação: Iniciativa Legislativa do Arizona Faria as Reformas Retrocederem Quando Se Trata dos Infratores da Legislação Antidrogas

Há uma década, os eleitores no Arizona aprovaram uma iniciativa inovadora, a Proposição 200, “A Lei de Medicalização, Prevenção e Controle das Drogas de 1996” [The Drug Medicalization, Prevention, and Control Act of 1996], que impediria os juízes de enviarem infratores primários ou secundários por porte de drogas à prisão. Mas, agora, a assembléia do Arizona, preocupada com a droga demoníaca do dia, quer tratar aqueles condenados por porte de metanfetamina diferentemente – ser mandados à cadeia ou à prisão ao invés de receber regime de liberdade vigiada e tribunal de drogas.

https://stopthedrugwar.org/files/safford.jpg
Complexo Prisional do Estado do Arizona - Safford
Na votação de Novembro está a Proposição 301, uma iniciativa defendida não pelos eleitores, mas pela assembléia estadual. Se os legisladores do Arizona quisessem ir a público para desfazerem parcialmente a Prop. 200, eles podiam ter votado na emenda dela. Ao invés disso, eles redigiram esta proposição e deixaram que os eleitores decidissem.

“A metanfetamina é altamente viciante e destrutiva”, escreveu o Promotor da Comarca de Maricopa (Phoenix), Andrew Thomas, em um argumento eleitoral a favor da medida. “Há uma forte relação entre o abuso de metanfetamina e o roubo de identidade. Phoenix tem o segundo índice mais alto de abuso de metanfetamina de todas as cidades do país, como evidenciado pelos exames toxicológicos realizados nos detentos... Esta proposição mudará a lei para que as pessoas presas por porte de metanfetamina possam ser condenadas à cadeia ou à prisão depois de suas primeiras condenação por porte de drogas. Atualmente, os usuários de metanfetamina podem ser encarcerados somente depois de sua segunda ou terceira condenação por porte de drogas, ou se eles se recusarem a participar do tratamento. O tempo na cadeia é freqüentemente a única coisa que oferece aos dependentes da metanfetamina um ambiente seguro e livre das drogas e uma chance de refletirem sobre a situação deles”.

A Proposição 301 destaca os infratores da legislação antimetanfetamina para tratamento especial e faz isso com base em um texto eleitoral equívoco – texto que sobreviveu a um desafio judicial não por mérito próprio, mas porque o desafio aconteceu tarde demais. Na análise da iniciativa feita pelo Conselho Legislativo do Arizona, o qual é parte do processo, o conselho informa aos eleitores que: “Esta mudança na lei permitirá que os juízes usem uma sentença de cadeia como condição de liberdade vigiada para forçar os usuários de metanfetamina a obedecerem ao tratamento e à reabilitação químicos ordenados pela corte”.

O texto é equívoco, na melhor das hipóteses. Embora de acordo com a lei atual, os juízes não possam sentenciar as pessoas à cadeia ou à prisão por infrações primárias ou secundárias da legislação antidrogas, podem colocá-las em liberdade vigiada ou mandá-las à cadeia por infringi-la, como em caso de inobservância aos programas de tratamento químico ordenados pelo tribunal, por exemplo”.

“O ponto de vista deles é o de que isto é simplesmente uma ferramenta para forçar as pessoas a permanecerem no tratamento”, disse Caroline Isaacs da Meth Free Arizona – “Não” na 303. “Isso contradiz completamente o texto real do projeto”, disse ela ao a href="http://www.tucsonweekly.com/gbase/Currents/Content?oid=oid:86957" target=_blank_>Tucson Weekly na semana passada. “Todos estão preocupados com o tamanho do consumo de metanfetamina na nossa comunidade. Mas, a Proposição 301 nos levaria exatamente na direção errada, em termos de lidarmos com o nosso problema de metanfetamina. Dizer que a solução não é proporcionar tratamento às pessoas é fazer as coisas absolutamente ao contrário”.

Não são apenas ativistas como Isaacs que se opõem à medida. A Juíza do Tribunal Superior da Comarca de Pima, Barbara Sattler, que preside o programa de tribunal de drogas da comarca, disse ao Weekly que “há muitos mal-entendidos no tocante à Proposição 301... É verdade que os infratores primários e secundários que portarem pequenas quantidades de drogas (seja metanfetamina, cocaína, heroína etc.) não podem ser inicialmente mandados à prisão ou à cadeia. Contudo, se eles infringirem as ordens de tratamento ou forem detidos por outros crimes ou delitos de drogas, podem ser enviados à cadeia ou à prisão. Os infratores secundários podem pegar uma sentença de prisão diretamente como condição para a liberdade vigiada (apesar de que, mais uma vez, eles não podem ir à prisão diretamente). Infringir uma ordem de tratamento significa não prestar exame toxicológico, tirar positivo para drogas ou não comparecer ao tratamento ou ao aconselhamento ou não morar em um abrigo de apoio aos consumidores de drogas”, escreveu a Juíza Sattler. “Também é possível ir à cadeia ou à prisão se se recusar o regime de liberdade vigiada ou em caso de recusa do tratamento químico”.

Uma vitória para a Proposição 301 seria um desastre, escreveu a Juíza Sattler. “Prender as pessoas é mantê-las fora de circulação, mas quando saem, se não tiveram tratamento, começarão a usá-la novamente. Se esta proposição for aprovada, custará aos contribuintes montões de dinheiro e lotará as prisões de dependentes não-violentos. Embora haja algum tratamento químico, na cadeia ou na prisão, é mínimo e está disponível apenas para uma pequena porcentagem dos presos”.

“Eu acho que o projeto é muito limitado ao objetivar somente a metanfetamina”, prosseguiu. “Embora a metanfetamina seja com certeza uma droga horrível e altamente viciante, os dependentes podem ser tratados. Os tribunais de drogas e outros programas têm tido sucesso. No passado, outras drogas como a heroína e o crack eram a ‘metanfetamina’ de suas épocas. A solução não é objetivar uma droga. Em alguns anos, haverá uma nova droga que substituirá a metanfetamina”.

Cânhamo: Governador da Califórnia Veta Projeto de Cânhamo Industrial

Na sexta-feira passada, o Governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger (R), vetou um projeto que teria permitido que os agricultores californianos cultivassem cânhamo industrial. Defendido pelo Deputado Mark Leno (D-San Francisco), o Projeto da Assembléia 1147 [Assembly Bill 1147] teria definido o cânhamo industrial como cultivo agrícola, teria limitado o seu conteúdo de THC para menos de 0,3% e teria ordenado o teste anual dos campos para assegurar o cumprimento dos limites ao conteúdo.

https://stopthedrugwar.org/files/hempia.gif
(cortesia Centro de Mídia Independente)
Em sua mensagem de veto, Schwarzenegger disse que a medida entrava em conflito com a lei federal e teria tornado mais difícil a supervisão legal dos cultivos ilícitos de maconha. Embora reconhecesse as recentes batalhas jurídicas bem-sucedidas travadas pela indústria do cânhamo, Schwarzenegger disse que “nenhuma corte decidiu especificamente que uma planta viva de cannabis é uma substância não-controlada ou que a agricultura destas plantas não é uma atividade regulada. Conseqüentemente, seria inadequado aprovar a medida que entra diretamente em conflito com os estatutos e as decisões jurídicas federais atuais. Isto só serve para causar confusão e reduzir a confiança pública no nosso sistema de governo”.

Schwarzenegger acreditou no pretexto padrão da polícia estadunidense de que permitir a produção de cânhamo dificultaria a suspensão dos cultivos externos de maconha: “Por fim”, disse, “a lei californiana expressou preocupações de que a implementação desta medida pode gastar os seus recursos e causar problemas consideráveis nas atividades de repressão às drogas. Isto é preocupante dadas as necessidades de erradicação e prevenção à produção de drogas neste estado”.

Curiosamente, a polícia em países em que o cultivo de cânhamo é uma parte legal e produtiva da economia não parece ter problema nenhum na distinção entre o cânhamo industrial e a maconha.

A indústria do cânhamo não ficou contente. “O veto do Gov. Schwarzenegger é uma falta de incentivo a milhares de agricultores, negociantes e consumidores que querem trazer de volta o cânhamo industrial à Califórnia para criar empregos, aumentar a arrecadação de impostos e beneficiar o meio ambiente”, disse Eric Steenstra, fundador e Presidente da Vote Hemp, o principal grupo de defesa da agricultura do cânhamo industrial do país, em nota à imprensa na segunda-feira denunciando o veto. “O veto não estava baseado em fatos, mas em um temor irracional de parecer indulgente com as drogas em ano eleitoral. A mensagem de veto dele mostra que ele sabia que o cânhamo industrial é um problema de desenvolvimento econômico e de agricultura, mas se acovardou perante os lobistas confusos da guerra às drogas. O AB 1147 teria refreado o exagero das autoridades federais que tem impedido as variedades de cânhamo industrial que não são drogas de serem cultivadas em solo estadunidense para termos fibra e sementes. É pouco engenhoso citar as restrições federais quando os lobistas da guerra às drogas se recusam a discutir com a ampla coalizão de agricultores, negociantes e ambientalistas que redigiram a legislação sobre o cânhamo industrial. O cânhamo industrial continuará sendo o único cultivo que é legal importar, vender e consumir, mas ilegal cultivar, na Califórnia”.

“É uma infelicidade que o Governador Schwarzenegger tenha vetado o AB 1147. Tínhamos ansiado pelo cultivo e produção de azeite e sementes de cânhamo nos nossos produtos aqui na Califórnia”, disse David Bronner, presidente do Comitê de Alimentos e Azeites da Hemp Industries Association e presidente da Alpsnack/Dr. Bronner's Magic Soaps. “Os agricultores aqui na Califórnia, como os agricultores por todos os Estados Unidos, estão sempre procurando cultivos lucrativos como o cânhamo para acrescerem à rotação deles. Este veto demonstra claramente por que o HR 3037, a Lei de Agricultura do Cânhamo Industrial de 2005 [Industrial Hemp Farming Act of 2005], precisa ser aprovado no nível federal”.

Agora, sete estados (Havaí, Kentucky, Maine, Maryland, Montana, Dakota do Norte e Virgínia Ocidental) mudaram suas leis para dar aos agricultores o direito afirmativo a cultivarem cânhamo industrial comercialmente ou para fins de pesquisa. Mas, o projeto que o Gov. Schwarzenegger vetou difere daquelas leis. Naqueles sete estados, as leis exigem uma autorização da DEA para cultivar a planta, autorização que a agência reluta historicamente em dar. O projeto da Califórnia teria estipulado explicitamente que o governo federal não tem base nenhuma nem direito nenhum de se meter com o cânhamo industrial na Califórnia.

Condenação: Governador da Califórnia Assina Projeto para Diminuir a Condicional para Infratores que Receberem Tratamento Químico

No sábado, o Governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger (R), assinou silenciosamente um projeto de lei que permitirá que os infratores não-violentos saiam da condicional antes se completarem um programa intensivo de tratamento químico. Segundo a nova lei, os condenados sob liberdade condicional eu desejarem participar serão enviados diretamente a um programa de tratamento residencial de cinco meses. Depois da graduação, sairão da condicional.

A nova lei entrará em vigor em Janeiro. Somente os infratores não-violentos serão elegíveis e devem ter cumprido pelo menos seis meses de tratamento químico enquanto estavam na prisão.

A condicional pós-soltura tem provado ser onerosa para muitos infratores. De acordo com a Secretaria de Correção e Reabilitação da Califórnia, 47% dos condenados sob condicional são devolvidos à prisão como infratores da condicional. São pessoas que cometeram faltas administrativas – não notificar o novo endereço ou o novo emprego ao oficial da condicional, tirar positivo em um exame toxicológico --, não novas infrações criminais. Mais 15% dos presos sob liberdade condicional são devolvidos à prisão sob novas acusações criminais. Atualmente, há mais de 116.000 pessoas em liberdade condicional na Califórnia.

Defendido pela Senadora Jackie Speier (D-Hillsborough), o projeto conseguiu o apoio de uma variedade de grupos, inclusive do poderoso sindicato dos agentes penitenciários. “Os presos sob condicional que demonstrarem o nível de compromisso com o tratamento merecem o reconhecimento pelos esforços deles”, disse o porta-voz do sindicato, Lance Corcoran, ao Los Angeles Times na quarta-feira. “É um conceito que vale a pena apoiar”, disse. “A única questão é como vão conseguir um número suficiente de leitos de tratamento químico para todos os que se qualificarem”.

A Senadora Speier disse ao Times que ela defendia a medida porque cerca de três quartos dos 172.000 presos do estado têm problemas com as drogas ou com o álcool. “Se pudermos ajudá-los a derrotar os vícios deles e tirá-los desta desgraça de voltar à prisão, economizaremos centenas de milhões de dólares do contribuinte”, disse Speier.

Agora, a questão é de onde vai sair o dinheiro. O estado economizará $4.340 por ano por cada ex-condenado se não tiver que fazer o monitoramento. O projeto assinado nesta semana não destina nenhuma verba à expansão do tratamento, mas Speier sugeriu que as economias nos custos da condicional podiam arcar com os novos leitos.

Condenação: Projeto Federal para Criar Registro Criminal de Traficantes de Drogas É Apresentado

Era apenas uma questão de tempo. Primeiro, vieram as leis que ordenavam que os criminosos demonizados prediletos da sociedade, os criminosos sexuais, deviam registrar os paradeiros deles junto ao estado depois de terem cumprido as sentenças deles. Depois, vários estados começaram a aprovar legislação que exigia que os preparadores de metanfetamina condenados fizessem o mesmo. Agora, um congressista republicano do Novo México, o Dep. Steve Pearce, entrou com legislação federal que criaria um registro eletrônico nacional de “narcotraficantes criminosos” e exigiria que os estados façam o mesmo ou corram o risco de perderem o auxílio federal.

https://stopthedrugwar.org/files/methregistry.gif
queremos mesmo ajudar os nossos filhos a encontrarem os traficantes de drogas?
No mês passado, Pearce apresentou outro acrônimo chamativo de um projeto, HR 6155, a “Lei Comunidades Liderando a Todos para Longe dos Narcóticos Através de Advertências Eletrônicas” [Communities Leading Everyone Away From Narcotics through Online Warning Notification Act] ou a “Lei CIDADE LIMPA” [CLEAN TOWN Act]. De acordo com o projeto proposto, qualquer um condenado por infração de distribuição, conspiração ou porte de drogas com intenção de distribui-las seria obrigado a se registrar junto às autoridades anualmente e dar-lhes seu nome, endereço, empregador e/ou informação escolar, número do seguro social, antecedentes sociais, descrição física, cópia de identificação oficial e demais informações pessoais. A duração do registro variaria de cinco anos desde o fim da sentença para os réus primários e 10 anos para os réus secundários a registro perpétuo para os reincidentes de terceira ocasião.

O projeto exigiria que tanto o procurador-geral dos EUA quanto vários estados estabelecessem tais registros. Os estados que não obedecessem seriam penalizados mediante a suspensão de uma porcentagem das verbas federais de controle da criminalidade que recebem através da Lei Abrangente de Controle da Criminalidade e Ruas Seguras [Omnibus Crime Control and Safe Streets Act]. Os narcotraficantes condenados podem ser isentos de registro se virarem delatores, ou, no texto anódino do projeto, se derem “assistência considerável na investigação ou processo de outra pessoa que tenha cometido uma infração”.

O projeto ordena que os estados aprovem leis penalizando a inobservância ao registro. Tais leis devem ter sentenças de duração superior a um ano. Em outras palavras, devem ser crimes.

Em nota à imprensa alardeando o seu novo bebê legislativo, Pearce apresentou a sua defesa do projeto em termos de proteção das crianças e deu às suas bases de apoio o crédito pela idéia. “Durante a nossa turnê de conscientização sobre a metanfetamina por todo o 2° Distrito em Agosto, ouvi várias vezes que deveríamos tratar os narcotraficantes condenados como tratamos os infratores sexuais”, disse o Dep. Pearce. “Ambos têm a coragem de violentar os nossos filhos e destruir as vidas deles. As nossas comunidades precisam de mais ferramentas para proteger as nossas crianças. Em particular, os pais e mestres têm o direito de saber quando alguém que pode envenenar os filhos deles mora na vizinhança”.

Até agora, nenhum outro legislador deu o seu apoio ao projeto. Ele foi enviado ao Comitê Judiciário da Câmara.

Imposição da Lei: As Estórias de Policiais Corruptos Desta Semana

Temo-los em cada estágio do processo da justiça criminal nesta semana, na detenção, passando pelos acordos de confissão de culpabilidade, à condenação. Para um par de policiais gananciosos e traficantes de São Luis e Miami, a passagem pela casa de diversões da justiça criminal está só começando. Um ex-policial de St. Paul aceitou um acordo e agora ex-policiais em Connecticut e no Havaí estão dirigindo-se à prisão. Vamos ao que interessa:

https://stopthedrugwar.org/files/miamidade.jpg
patch da Polícia de Miami-Dade (ou artigo # 180033018469 no ebay)
Em Miami, um oficial da polícia da Comarca de Miami-Dade foi preso na sexta-feira passada sob acusações de tráfico de cocaína, anunciou a Promotoria do Distrito Meridional da Flórida em nota à imprensa no mesmo dia. O Oficial Errol Benjamin é acusado de vender 5kg902g de cocaína enquanto vestia uniforme. Ele é acusado de porte de cocaína com intenção de distribuir e pode pegar até pena de prisão perpétua e uma multa de $4 milhões, observaram os federais.

Em São Luis, um oficial da polícia da suburbana Hillsdale, Missouri foi indiciado em uma conspiração elaborada de distribuição de cocaína, anunciou a Promotoria do Distrito Oriental do Missouri em nota à imprensa na sexta passada. O Sargento da Polícia de Hillsdale, Christopher Cornell, conspirou com um atendente de uma empresa de guinchos para roubarem traficantes de drogas e revenderem a cocaína deles, acusaram os federais. O operador de guinchos fazia que os entregadores de drogas entregassem cocaína em Hillsdale e notificava Cornell, que os parava e prendia por pequenas infrações, deixando os carros dele no acostamento. Então, a empresa de guinchos levava os carros, roubava as drogas e as revendia. A Procuradora da União, Catherine Hanaway, estimou que o esquema rendera $2,4 milhões em lucros. O indiciamento procura o seqüestro das propriedades de Cornell, inclusive um Mercedes Benz e outros carros.

Em St. Paul, Minnesota, um oficial aposentado da polícia de St. Paul se confessou culpado na sexta-feira passada de portar metanfetamina com intenção de distribui-la, informou o St. Paul Pioneer Press. Clemmie Howard Tucker, veterano de 23 anos que se aposentou em 1998, foi preso tentando recolher quase 10 quilos de cocaína e aproximadamente 5,5kg de metanfetamina no Armazém da Greyhound Bus na vizinha Mineápolis. A polícia estimou as drogas confiscadas em $4 milhões. Apesar de que Tucker estivesse choroso e constrito durante o acordo dele, não importava: Ele enfrenta uma sentença mínima obrigatória de 10 anos de prisão. As acusações pendentes por cocaína provavelmente serão retiradas na condenação, disse o advogado de Tucker.

Em Bridgeport, Connecticut, um ex-oficial da polícia de Bridgeport foi sentenciado a 45 meses de prisão por revender oxicodona, o ingrediente ativo no analgésico popular Oxycontin. O ex-Oficial Jeffrey Streck, 40, com 10 anos de serviços prestados, se confessou culpado em Janeiro de conspirar para portar oxicodona com intenção de distribui-la após ser preso pelo FBI em 2005. De acordo com a Associated Press, Streck foi preso como parte de uma investigação de três meses do tráfico de cocaína e maconha em grande escala e preparara uma compra de Oxycontin.

Em Honolulu, um oficial da Polícia de Honolulu que se confessou culpado de vender mais de $5.000 em metanfetamina a um informante disfarçado foi sentenciado a cinco anos e cinco meses de prisão no dia 28 de Setembro, informou o Honolulu Star-Bulletin. Robert Henry Sylva, 50, podia ter pegado três acusações de distribuição de metanfetamina durante 2004, mas aceitou uma acusação em um acordo feito em Dezembro. Apesar de Sylva enfrentar uma variação penal de 7 a 12 anos de acordo com as normas acessórias federais, o Juiz Distrital dos EUA, David Ezra, lhe deu uma força a pedido dos procuradores federais depois que eles disseram que ele cooperara com os investigadores após ser pego.

Documentário: Waiting to Inhale

Caro leitor da Crônica da Guerra Contra as Drogas:

Muitos entusiastas da reforma das políticas de drogas leram há duas semanas sobre o nosso novo blog acerca de um novo documentário, Waiting to Inhale: Marijuana, Medicine and the Law [Esperando para Inalar: A Maconha, a Medicina e a Ley], e um debate emocionante aqui em Washington entre dois dos meus colegas e um representante da secretaria antidrogas dos EUA aconteceu depois da exibição do filme. Tenho o prazer de anunciar que a DRCNet está lhe disponibilizando este filme como o nosso mais recente prêmio de filiação – doe $30 ou mais à DRCNet e você pode receber uma cópia de Waiting to Inhale como nosso agradecimento pelo seu apoio.

https://stopthedrugwar.org/files/waitingtoinhale-small.jpg
Soube de Waiting to Inhale durante alguns anos e estou muito feliz por vê-lo divulgado e causando repercussões. As pessoas que aparecem no filme – os fornecedores de maconha medicinal Mike e Valerie Corral e Jeff Jones, a porta-voz dos pacientes Yvonne Westbrook, o cientista Don Abrams – são heróis cujas estórias merecem ser contadas e cujas entrevistas neste filme deveriam ser exibidas em todo o redor. Você pode ajudar ao pedir uma cópia e fazer uma exibição privada no seu lar! Ou você e seus amigos ativistas podem simplesmente assisti-lo em casa como inspiração. (Clique aqui para maiores informações, inclusive um trailer na Internet.)

A sua doação ajudará a DRCNet enquanto fazemos o que achamos que será um plano incrível de dois anos para avançar consideravelmente a reforma das políticas de drogas e a causa de acabar com a proibição globalmente e nos EUA. Por favor, faça uma doação generosa hoje mesmo para ajudar a causa! Eu sei que você sentirá que o dinheiro foi bem gasto depois de ver o que a DRCNet está preparando. O nosso formulário de doação eletrônica permite doar por cartão de crédito, por PayPal ou imprimir um formulário para enviar juntamente com o seu cheque ou ordem de pagamento por correio. Por favor, note que as contribuições à Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas ou Drug Reform Coordination Network, a nossa entidade de pressão política, não são dedutíveis do imposto de renda. As doações dedutíveis podem ser feitas para a Fundação DRCNet, a nossa ala de conscientização. (Escolher um presente como Waiting to Inhale reduzirá a parte de sua doação que pode deduzir pelo custo do artigo.) Ambos os grupos recebem cartas dos membros no seguinte endereço: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036.

Obrigado pelo seu apoio. Se você não viu a nossa nova página, espero que tenha um momento para fazer isso – está muito bom, se me for permitido dizê-lo. :)

Cuide-se bem e espero ter notícias suas.

Sinceramente,


David Borden
Diretor Executivo

Resenha: “De los Maras a los Zetas: Los secretos del narcotráfico, de Colombia a Chicago”, de Jorge Fernández Menéndez e Víctor Ronquillo (Cidade do México: Editorial Grijalbo, 2006, 290 pp. PB)

Se se quiser uma lição sobre as conseqüências involuntárias da proibição das drogas, é preciso voltar o olhar para o outro lado do Rio Grande. Como todas as fronteiras, a fronteira EUA-México sempre foi a cena de um contrabando vivaz. Apesar dos autores de “De los Maras a los Zetas: Los secretos del narcotráfico, de Colombia a Chicago não se meterem na pré-história das poderosas organizações mexicanas do narcotráfico, antes naqueles dias tranqüilos dos anos 1960 e 1970, um montão de maconha cruzou essa fronteira, mas era mais um comércio pacífico, freqüentemente coisa de família.

Em 1982, quando o Presidente Ronald Reagan, tendo declarado uma nova guerra contra as drogas, mandou o Vice-Presidente George H.W. Bush a Miami para dirigir um novo esforço de bloqueio do fluxo de cocaína colombiana que cruzava o Caribe até a Flórida, os colombianos se ajustaram mudando as rotas do contrabando através do México. Os colombianos usaram as redes existentes de contrabando, que desde então se transformaram em um monstro, não somente aos olhos dos seus homônimos colombianos, que se viram excluídos da distribuição final aos EUA e dos lucros enormes que rendia.

Fomentados pela cocaína colombiana, os dólares e o armamento estadunidenses, nos últimos 20 anos, os chamados “cartéis” do México – uma designação incorreta para estas organizações brutalmente competitivas do narcotráfico – têm corrompido legiões de policiais, soldados e políticos mexicanos e têm assassinado muitos outros. Todas as vezes que o Estado Mexicano, perseguido pelo seu companheiro do norte, tenta desmantelar os cartéis, o resultado não é a tranqüilidade social ou o fim do narcotráfico, mas as guerras sangrentas entre gangues enquanto as diferentes organizações lutam por posições – e o fluxo de drogas parece nunca ser afetado.

Nos últimos anos, os cartéis se fortaleceram tanto e o número de baixas dos constantes acertos de contas ficou tão horrendo – mais de 1.500 mortos no ano passado e um número parecido até agora neste ano – que parecem estar agindo com impunidade.

Entram os jornalistas da Cidade do México, Jorge Fernández Menéndez e Víctor Ronquillo. Com os grupos do narcotráfico decapitando policiais e se metendo em batalhas de rua com pessoas disfarçadas em Acapulco e causando estragos mortais ao longo da fronteira com os EUA, a sua oportunidade não podia ser melhor, porque eles procuram explicar os procedimentos obscuros do narcotráfico mexicano. Eles estudam e informam sobre Mara Salvatrucha, a gangue tão famigerada que surgiu dos filhos dos refugiados salvadorenses em Los Ângeles e outras cidades estadunidenses (outra lição sobre as conseqüências involuntárias) que aprenderam bem demais os trâmites da vida bandidas e então a reexportaram de volta à América Central. De acordo com Fernández e Ronquillo, Mara Salvatrucha controla grande parte do tráfico em imigrantes ilegais e drogas – na fronteira meridional do México. Mas, como as verdadeiras organizações criminosas do México, os seus tentáculos se estendem até o norte também.

Eles também dão informações sobre os Zetas, a ex-força antidrogas de elite treinada pelos Estados Unidos que mudou de lado e agora age como as forças armadas de Osiel Cárdenas e do Cartel do Golfo – outra lição sobre as conseqüências involuntárias. Graças às habilidades paramilitares dos Zetas, Cárdenas conseguiu confrontar diretamente o Estado Mexicano, como quando os homens dele mataram seis empregados da prisão em Matamoros no início de 2005 em retaliação por uma operação do governo federal contra os chefes presos do cartel.

Há muitas, muitas coisas mais em meio a tudo isso. Fernández e Ronquillo avisam que os líderes presos do cartel passam parte do tempo deles atrás das grades amigando-se com as guerrilhas esquerdistas na prisão e podem estar aprendendo lições táticas ou forjando alianças preocupantes com elas. Apesar das diferenças ideológicas aparentes entre os rebeldes marxistas e os narcotraficantes, os cartéis mexicanos têm mostrado que quando se trata de negócios eles são apartidários. Eles corrompem políticos de qualquer partido, fazem negócios com quem quer que possa beneficiá-los e matam aqueles que ficam no caminho deles.

Os cartéis giram em torno do poder. Quando o antigo PRI administrava o governo, os cartéis corrompiam o PRI. Quando o governo do Presidente Vicente Fox do PAN chegou ao poder, eles tentaram corrompê-lo, e como demonstram Fernández e Ronquillo, tiveram algum sucesso. Os políticos panistas foram flagrados indo aos funerais de traficantes importantes, as administrações municipais panistas foram compradas e os traficantes até conseguiram colocar um sócio no círculo interno do Presidente Fox antes que a mácula do escândalo o retirasse.

Mas, embora Fernández e Ronquillo sejam muito bons em desvelarem os mistérios dos cartéis e explicarem os resultados de décadas de políticas proibicionistas de drogas, eles não dão o salto para o próximo nível. Para eles, “De los Maras a los Zetas” é um despertar desesperado para o público e a classe política mexicanos, um aviso de que o poder dos cartéis ameaça a integridade do Estado Mexicano. Eles não dão o passo seguinte para perguntarem se não há uma maneira melhor. Porém, mais uma vez, não têm que fazer isso – o próprio livro é um testemunho eloqüente do legado corrupto e sangrento da proibição no México.

Sim, o livro está apenas em espanhol. Não será de grande valia para muitos dos nossos leitores norte-americanos, mas a Crônica da Guerra Contra as Drogas também é publicada em espanhol e português, e talvez se pudermos despertar algum interesse aqui na Gringolândia, uma editora estadunidense ou canadense publicará uma tradução. Sabemos muito bem que recebemos pouquíssimas reportagens sérias sobre a guerra mexicana às drogas.

Enquanto isso, para vocês hispanófonos que lêem este tópico com interesse, lhes recomendo o relatório recente do Washington Office on Latin America, "State of Siege: Drug-Related Violence and Corruption in Mexico" [Estado de Sítio: A Violência e a Corrupção Relacionadas com as Drogas no México].

Matéria: Casos de imigrantes deportados por pequenos delitos de drogas são ouvidos nesta semana pela Suprema Corte

Na terça-feira, a Suprema Corte dos EUA ouviu os argumentos orais em dois casos consolidados que questionam se os imigrantes que são residentes legais dos EUA devem enfrentar deportação obrigatória por pequenas infrações como o porte de drogas. Milhares de imigrantes enfrentam uma punição tão perturbadora e de acordo com a National Network for Immigrant and Refugee Rights, mais de um milhão e meio de pessoas foram deportadas desde a apresentação da deportação obrigatória por “crimes agravados” segundo a Lei de Imigração e Nacionalidade de 1996 [1996 Immigration and Nationality Act] que está sendo desafiada nestes casos.

https://stopthedrugwar.org/files/supremecourt.jpg
a Suprema Corte dos EUA
Essa lei expandiu a definição de “crimes agravados” – crimes pelos quais a deportação é obrigatória – além dos crimes violentos graves, que tinham sido o padrão anterior. Os casos perante a Suprema Corte nesta semana giram em torno de se as infrações que são consideradas contravenções de acordo com a Lei de Substâncias Controladas [Controlled Substances Act] federal, mas que são consideradas crimes segundo a lei estadual nos estados em que as pessoas foram condenadas, podem se qualificar como “crimes agravados” de acordo com a lei de imigração.

Muitos daqueles deportados de acordo com a lei de imigração foram em realidade declarados culpados de crimes sérios, mas muitos outros não foram. Em um caso coberto pela Crônica da Guerra Contra as Drogas, João Herbert, que foi adotado por pais estadunidenses de um orfanato brasileiro quando criança, mas que nunca solicitou a cidadania estadunidense, foi preso em sua adolescência por vender um saquinho de maconha. Foi condenado a regime de liberdade vigiada, mas as autoridades federais procuraram deportá-lo com sucesso de acordo com a lei de 1996. Enviado a uma terra que nunca conheceu, ele sobreviveu alguns anos como professor de inglês antes de ser morto pela polícia brasileira em 2004.

Nos casos perante a corte na terça-feira, López vs. Gonzales e Toledo-Flores vs. EUA, as infrações pelas quais os EUA procuram deportar os imigrantes são ainda mais triviais que as do caso de Herbert. José Antonio López era dono de uma mercearia e de uma barraquinha de tacos em Sioux Falls, SD, que veio do México em 1985. O homem casado e pai de dois filhos, que são cidadãos estadunidenses, se confessou culpado de dizer a alguém como obter cocaína. Tal infração é uma contravenção de acordo com a lei federal, mas era crime segundo a lei de Dakota do Sul. Os funcionários federais de imigrações classificaram a infração dele como “crime agravado” de acordo com a lei de imigração e o deportaram ao México.

Reymundo Toledo-Flores foi preso por porte de cocaína no Texas, onde isso é contravenção, mas quando foi pego tentando reentrar ao país pegou uma sentença de prisão de dois anos porque as autoridades de imigrações consideraram a apreensão dele no Texas um “crime agravado” de acordo com a lei de imigrações. Ele está recorrendo da sentença.

“O problema aqui é que a lei estadual e a lei federal não concordam com a determinação da gravidade da infração”, disse o Ministro David Souter durante a argumentação oral da terça-feira. “Não é muito estranho que o Congresso tivesse querido uma leitura do estatuto que tornaria a sua definição de contravenção um crime agravado para fins das leis de imigração?” perguntou.

Os advogados do governo Bush debateram que os funcionários de imigrações classificaram corretamente ambos os casos. “A definição estatutária de ‘crime agravado’ abrange grandes categorias de conduta criminosa de acordo com a lei estadual, sem exigir um paralelo com a lei federal”, escreveu o Subprocurador-Geral de Justiça dos EUA em documento apresentado à corte.

O Subprocurador de Justiça Edwin Kneedler disse à corte na terça-feira que a lei de imigração “olha para a lei estadual”. Se um delito de drogas é crime segundo a lei estadual, é um crime deportável de acordo com a lei federal, debateu.

Mas, três ex-advogados do Serviço de Imigração e Naturalização discordavam em uma posição favorável que eles apresentaram. “Não há indícios claros de que o Congresso pretendesse que a definição de crime agravado se aplicasse aos delitos de drogas que são... contravenções de acordo com a lei federal”, escreveram eles.

O Desembargador-Chefe John Roberts estava tendo idéias similares. “Deve fazê-lo suspeitar”, disse a Kneedler, “que a sua análise de uma infração de ‘tráfico de drogas’... leve à conclusão de que o simples porte se iguala ao tráfico de drogas”.

“Os imigrantes não deveriam ser expulsos do país por fazerem o que o presidente dos Estados Unidos fez”, disse Bill Piper, diretor de assuntos nacionais da Drug Policy Alliance. “Está claro que o tipo de delitos de drogas que discutimos aqui não é o tipo de delitos que o Congresso pretendia quando aprovou essa lei”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Também parece que isto levanta problemas de proteção igual porque parece que ser deportado ou não depende do estado em que se foi condenado. Naqueles estados em que o porte de drogas é crime, se é deportado; naqueles que não é, não se é deportado”.

Os grupos de direitos dos imigrantes e das liberdades civis estão pedindo à corte que recuse a interpretação ampla da lei do governo federal e até o Center for Immigration Studies, que geralmente defende uma linha dura na repressão à imigração, não ficou tão entusiasmado com a deportação de pequenos infratores da legislação antidrogas. “Se a assembléia estadual decidiu que isto é um crime sério e alguém que o cometer será deportado, não é como se essa pessoa não soubesse que isso era ilegal”, disse o Dr. Steven Camarota, diretor de pesquisa do grupo. “Não vejo problema nenhum em expulsar estas pessoas. Em alguns casos, contudo, as pessoas se confessam culpadas de crimes sem perceberem que estariam sujeitas à deportação e isso levanta uma questão de justiça”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Todo o sistema de justiça criminal deve moderar a justiça com a misericórdia, mas com a imigração criamos tantas exceções e renúncias que às vezes é bom ser duro”.

Para Camarota, todo o debate sobre a deportação de imigrantes por pequenas infrações da legislação antidrogas “não é nada” em comparação com os verdadeiros problemas de imigração que o país enfrenta. “Estamos falando de milhares de pessoas quando há 37 milhões de imigrantes no país”, apontou. “Não nada de errado na forma pela qual o governo está abordando isto, mas parece que há debate demais sobre algo tão pequeno. Deveríamos colocar os recursos na imposição geral das leis de imigração”.

“A lei de 1996 é destrutiva de verdade”, disse Arnaldo Garcia da National Network for Immigrant and Refugee Rights. “Em qualquer semana, há 20.000 residentes permanentes legais que cometeram pequenas infrações esperando na cadeia de acordo com os trâmites de deportação. Isso inclui casos com o de um garoto de 20 anos que fez sexo com a sua namorada de 17 anos e inclui coisas como a detenção de pessoas com porte de pequenas quantidades de maconha”, disse ele à Crônica. “O governo federal está tentando institucionalizar um padrão duplo. Os residentes legais têm direitos iguais sob o nosso sistema judicial, mas depois que completaram as sentenças deles, são submetidos a uma punição injusta – o banimento para sempre. Esta é uma enorme brecha na fundação do tratamento igual sob a lei”.

Há pouca coisa que os residentes permanentes podem fazer, disse García. “O que se pode fazer é garantir que se conhece a lei”, disse. “Se se vai preso, é preciso ter o conselho de um advogado de imigrações para saber as conseqüências da acusação e se ela é uma infração deportável. Alguns juízes trabalharão com você – fazendo coisas como condenar você a 364 dias em vez de 366, a diferença entre uma contravenção e um crime --, mas o INS só quer te deportar. Vi pessoas que entram para fazer a sua prova de cidadania e a imigração as está aguardando porque foram presas quando adolescentes”.

A proteção final contra a deportação segundo a lei de imigração é virar cidadão estadunidense. “É mais fácil falar que fazer”, disse García. “Há uma enorme espera. Estou trabalhando com uma família que enviou a petição de reunificação dela em 1994. O caso dela esta saindo agora”.

Editorial: Queremos Mesmo Ajudar as Nossas Crianças a Encontrar Traficantes de Drogas?

Repetimos o editorial de Julho de David Borden sobre este tópico devido à sua pertinência nesta semana.

https://stopthedrugwar.org/files/bordenoncouch-smaller.jpg
a sessão usual de edição de quinta-feira à noite de David Borden
Um dos artigos sobre a guerra às drogas desta semana é um esforço legislativo no estado do Maine para criar um comitê para estudar a possibilidade de um registro, acessível ao público em geral, de gente que foi condenada várias vezes por delitos de drogas. Os defensores têm retratado a idéia como uma maneira de ajudar as famílias a proteger os filhos delas de pessoas que possam querer dar-lhes drogas no Maine.

Mesmo usando a lógica da guerra às drogas (que, geralmente, é uma má idéia), esta idéia fracassa decisivamente. A maioria das crianças não começa a usar drogas porque elas lhes são oferecidas por traficantes profissionais. A maioria das crianças começa a usar drogas porque elas lhes são oferecidas por outros garotos - crianças que lhes estão oferecendo por razões sociais ou porque se envolveram na empresa criminosa, mas em qualquer um dos casos não pelos adultos várias vezes condenados que apareceriam no sítio do estado. Também é importante lembrar que a maioria dos traficantes de drogas nunca foi pega, portanto, nunca aparecerá no registro por esse motivo.

Então, embora um registro permita que os pais estejam cientes de alguma fração dos traficantes de drogas de verdade que existem, não levará em conta (e talvez desvie a atenção) das maneiras mais comuns através das quais as drogas chegam às mãos de seus filhos. Além do mais, o mesmo processo econômico incontível que torna qualquer prisão de um traficante uma oportunidade de emprego para novos traficantes, também deve aplicar-se, pelo menos parcialmente, a quaisquer traficantes reincidentes que perderam o negócio porque alguns pais conseguiram fazer com que seus filhos mantivessem distância de qualquer traficante - se as crianças forem determinadas ou apenas voluntariosas, elas acabam conseguido as drogas delas de outra pessoa.

Contudo, mais resplandecente é um argumento que foi apontado numa publicação de um blog "de ensaio" por um membro do nosso pessoal, Scott Morgan, em nossa página que será lançada logo, logo. Scott usou um registro similar no Tennessee, limitado a infratores por delitos de metanfetamina, para mostrar quão útil seria (talvez seja) para qualquer jovem, em qualquer comarca no estado, que desejar encontrar pistas de gente na comarca dele que possa vender-lhe metanfetamina ou outras drogas - um resultado exatamente oposto ao que o registro pretende prevenir.

A diferença principal entre o registro do Tennessee e o registro proposto do Maine, sem contar que o do Maine inclui todas as drogas ilegais, é que o do Maine está limitado a infratores "habituais" da legislação antidrogas, as pessoas que foram condenadas várias vezes por tráfico de drogas. Mas, os infratores reincidentes são exatamente as pessoas que têm mais chances de infringir a lei novamente - as listagens mais úteis para as crianças ou outros que queiram localizar vendedores de drogas convenientemente restringidos. De qualquer forma, não se pode escapar da idéia de que um registro de infratores da legislação antidrogas é na verdade uma campanha publicitária paga pelo contribuinte que apóia o tráfico de drogas.

Afinal, devemos voltar à questão de que a principal maneira pela qual os jovens começam a se envolver no consumo de drogas é através da influência dos outros garotos - em muitos casos, comprando as drogas de outros garotos, nas escolas. Este é um dos fatores que levou a um aumento na predominância de armas nas escolas - aonde vai o mercado subterrâneo, também tendem a ir as armas.

Mas não precisava ser assim. Embora o consumo de álcool por menores de idade seja uma questão importante (o álcool é tanto uma droga quanto qualquer uma das drogas, e bem destrutiva), pelo menos os garotos não estão comprando álcool de outros garotos, na escola, de pessoas que portam armas. Essa situação existe com as drogas ilegais precisamente porque as proibimos. Com a legalização das drogas, os problemas criminais associados ao comércio em drogas desapareceriam - nada de tráfico armado de drogas nas escolas, nada de guerras por território ou mercados a céu aberto.

E embora o dano do consumo de drogas não desapareça quando a proibição terminar, o puro nível de destrutividade que está associado atualmente à dependência em particular também cairia consideravelmente, já que os usuários não estariam mais sujeitos às impurezas aleatórias e às flutuações na pureza, que presentemente levam a intoxicações e overdoses; e os preços altos que as drogas das ruas têm também cairiam, permitindo que muitos, se não a maioria, dos dependentes que são levados agora a comportamentos extremos como o roubo e a prostituição consigam o seu dinheiro para comprar drogas para pelo menos arcar com o vício através de meios legais de sustento. Intensificar a política fracassada a proibição não alcançará isto.

Enquanto isso, pelo menos vamos com calma com estas idéias desatinadas como registros de infratores de drogas. A estigmatização contínua de pessoas que já foram punidas deve ser um motivo suficiente. Mas se não for, a lógica incrivelmente fraca por trás desta idéia deve sê-lo. Queremos realmente ajudar as nossas crianças a encontrar traficantes de drogas? Eu não.

Matéria: Mais Reides Antimaconha Medicinal na Califórnia: O Novo Status Quo?

Pelo menos cinco dispensários diferentes de maconha medicinal na Califórnia foram atacados nos últimos dez dias, totalizando até agora mais de 30 neste ano, de acordo com os defensores da maconha medicinal. Mas, isso significa que aproximadamente 200 dispensários existentes não foram sitiados, o que sugere que o que está acontecendo é mais uma pequena batalha de atrito do que uma ofensiva total da Administração de Repressão às Drogas (DEA) dos EUA e dos aliados dela, entre funcionários recalcitrantes do aparato judiciário-legal estadual e municipal e servidores eleitos.

Eis aqui a mais recente lista de baixas:

https://stopthedrugwar.org/files/ca06raid1.jpg
foto cortesia ASA
Na quarta-feira passada em Modesto, um dia depois que a cidade de Modesto votou na revogação de uma disposição municipal que isenta as organizações sem fins lucrativos do seu decreto-lei que proíbe os dispensários, os agentes da DEA sitiaram o Califórnia Healthcare Collective, um dos dois dispensários restantes na área. Um porta-voz da DEA disse à Crônica da Guerra Contra as Drogas nesta semana que a Polícia de Modesto começou a investigar o dispensário, daí entregou o caso aos federais. Quatro pessoas foram presas sob acusações federais de distribuição de maconha.

No dia seguinte, os agentes da DEA e da polícia municipal sitiaram o dispensário North Valley Discount Caregivers em Grenada Hills e confiscaram toda a cannabis medicinal no lugar. Os dois atendentes foram presos sob acusações estaduais relacionadas com a maconha.

No mesmo dia, os adjuntos do Xerife da Comarca de Stanislaus sitiaram o 2816 Collective em uma área rural perto de Modesto usando um mandado estadual de busca. A polícia confiscou cerca de um quilo de maconha seca e as fichas dos pacientes. O coletivo fechara um dia antes em razão do reide em Modesto. Com tanto o California Healthcare em Modesto quando o 2816 Collective fora do negócio, a região inteira está destituída de dispensários agora, deixando milhares de pacientes em maus lençóis.

Na terça-feira, a DEA sitiou pelo menos oito locais na área da Baía de São Francisco, confiscando mais de 12.000 plantas, $125.000 em espécie e um carro esportivo de luxo. Apesar de alguns informes iniciais histéricos na imprensa local, todos os reides estavam relacionados com o dispensário New Remedies em São Francisco, que envolvia o mesmo pessoal que trabalhava no Compassionate Caregivers, que foi sitiado pela DEA em Los Ângeles em Maio de 2005, quando os federais encontraram mais de $300.000 em espécie, ocasionando a investigação que culminou nos reides da segunda-feira.

Na quarta-feira, a DEA e os oficiais da lei municipal sitiaram o dispensário Palm Springs Caregivers na Comarca de Riverside, confiscando cannabis medicinal, mas sem realizar nenhuma detenção nesse momento. O reide aconteceu um dia depois que o Conselho de Supervisores da Comarca de Riverside votou na proibição dos dispensários em áreas municipais não-incorporadas, que nem sequer incluem Palm Springs, e um mês depois que o Promotor da Comarca de Riverside, Grover Trask, lançou um relatório governamental que debatia que os dispensários são ilegais segundo a lei estadual e federal.

Os reides precipitaram o Projeto de Resposta Emergencial do grupo de defesa da maconha medicinal, o Americans for Safe Access, que reuniu manifestantes na sexta-feira passada na sede da DEA em Los Ângeles, assim como em Modesto, Oakland, Sacramento, São Diego, São Francisco e Santa Ana. Os manifestantes também receberam os reides da terça em São Francisco e mais ações estão marcadas para hoje.

“Com o nosso programa de resposta emergencial, toda vez que há um reide federal – e podemos descobri-lo em questão de horas --, ativamos a nossa resposta local, como fizemos em São Francisco nesta semana”, disse Caren Woodson do ASA. “Mas, agora, estamos ativando a resposta nacional de emergência para a sexta-feira. É um dia de ligações. Estamos instando todos a ligarem para a administradora da DEA, Karen Tandy, e informá-la sobre o que acham destes reides. Karen Tandy tem muita discricionariedade e precisa exercê-la”.

Embora o ASA esteja liderando uma batalha imediata, não está só entre os grupos do movimento na tentativa de descobrir o que está acontecendo. De acordo com a DEA, não é nada especial, apenas a imposição das leis contra a maconha. “Os dois casos nos quais o nosso gabinete estava envolvido, Modesto na semana passada e aqui na área da Baía nesta semana, foram a culminação de investigações de longa data”, disse a funcionária de informação pública da DEA de São Francisco, Casey McEnry. “Em Modesto, a polícia de Modesto começou a investigar e daí nos passou a investigação, e com a New Remedies, havíamos lhes apresentado mandados como com a Compassionate Caregivers em LA em Maio de 2005 e soubemos em Dezembro de 2005 que eles tinha mudado o nome deles e tinham aberto uma loja em Oakland”, disse ela à Crônica da Guerra Contra as Drogas.

“Não podemos saber o que passa pela cabeça da DEA, mas não há nenhum sinal de uma ofensiva total”, disse Bruce Mirken, diretor de comunicação do Marijuana Policy Project (MPP). “Este pessoal em São Francisco já estava sendo objetivado – eram vítimas do próprio sucesso deles --, mas com certeza há muitos outros lugares funcionando abertamente. Se a DEA quisesse, podia ir atrás deles com pouco esforço, mas parece que tomaram a decisão de não fazer isso”.

https://stopthedrugwar.org/files/ca06raid2.jpg
foto cortesia ASA
McEnry da DEA não respondeu diretamente as perguntas sobre se a agência tomara a decisão política de não ir agressivamente contra os quase 200 dispensários do estado, mas ela deu um aviso sim. “A contagem da planta mágica é zero, o número da distribuição é zero se se quiser ter certeza de que não vamos possivelmente bater na sua porta”, disse ela. “Qualquer um que cultivar ou distribuir maconha corre risco”.

Embora isso possa ser uma bravata dados os recursos limitados da agência, é preocupante para os dispensários e seus defensores. “Estes dispensários de cannabis legal certificados pelo estado parecem à DEA abrigos de distribuições de drogas”, disse Woodson. “Se um dispensário servir a 150 pessoas por dia, o atendente se parece com um rei do narcotráfico para eles. São alvos fáceis, estão na lista telefônica. E agora algumas destas pessoas enfrentam sentenças muito duras, algumas de até prisão perpétua”.

Não é só a DEA. “Temos o envolvimento esporádico da polícia municipal nos reides, principalmente nas comarcas em que o governo municipal não é favorável, como as Comarcas de Modesto ou Riverside, que é onde fica Palm Springs”, disse Mirken. “Isso nos diz como é importantíssimo que os governos municipais entendam a Proposição 215 e ouçam de suas bases que o acesso à cannabis medicinal é importante”.

“Eles estão escolhendo locais em que as autoridades locais não têm uma postura amigável”, disse Woodson do ASA.

“Estes reides são irrisórios quando há mais de 200 dispensários em funcionamento”, disse Dale Gleringer, diretor da NORML Califórnia, “mas não queremos presenciar a sua disseminação. Temo que isto vá ser um campo de batalha durante algum tempo aqui até que consigamos um regime que permita melhores sistemas de dispensários e produção. A falta de um sistema de produção legal causa muitos problemas e todos no negócio dos dispensários estão trabalhando no mercado negro ou cinza e estão vulneráveis às incertezas legais”.

Embora os dispensários de maconha medicinal continuem sendo numerosos em Los Ângeles e na área da Baía de São Francisco, os reides estão tendo um impacto muito real sobre a oferta em algumas áreas do estado. “Em São Diego, há alguns meses havia uma dúzia de dispensários em funcionamento, mas depois dos reides, desapareceram e o acesso à cannabis medicinal já quase não existe”, disse Woodson. “Há apenas um punhado de serviços de entrega agora e não conseguem lidar com a demanda. Há uma situação similar em Modesto – não há nenhum dispensário na área agora”.

“Acho que isso vai continuar no curto prazo, até que algo aconteça politicamente para mudar a dinâmica”, disse Mirken. “Isso pode acontecer até que haja uma mudança de regime em Washington, e talvez nem assim, dependendo da inteligência dos democratas. Não parece que as coisas vão mudar drasticamente na Califórnia no próximo mandato. A maioria das pessoas no governo estadual e em alguns governos municipais pelo menos faz boca-a-boca em apoio à Proposição 215, mas não vimos muita ação dos funcionários do estado com a influência para tentar parar os reides. Na verdade, não vejo nenhuma mudança no nível estadual”, disse.

Woodson do ASA não estava tão pronta para desistir do governo estadual. “Aqui na Califórnia, nós precisamos fazer que mais funcionários estaduais se pronunciem e denunciem estes reides”, disse ela. “A assembléia estadual como um todo precisa lidar com esta questão e criar normas ou redigir proibições que ordenem a lei estadual e municipal a não participarem destes reides antimaconha medicinal. A assembléia não está fazendo o trabalho dela se não proteger adequadamente os pacientes”.

Outra coisa que a assembléia pode fazer é reiterar e expandir o seu apoio à Proposição 215. “Eles deveriam recodificar isso e tomar uma posição contra os reides federais”, disse Woodson. “E eles deveriam exigir que a nossa delegação federal prestasse mais atenção a esta questão. Tudo o que Diane Feinstein sabe dizer é sobre a metanfetamina; ela e Barbara Boxer não levantaram nem um dedo para ajudar a maconha medicinal. Nós também gostaríamos de ver mais oficiais da lei treinados na questão da cannabis medicinal”.

“A Califórnia não fará nada em todo o estado até que a lei federal mude”, previu Gleringer. “Vejo este padrão de reides esporádicos continuando até que haja uma mudança na lei federal. Há dois ou três anos atrás, eu teria dito que estávamos correndo perigo mortal, mas, na verdade, não tivemos nada além de um aumento no número de dispensários mesmo depois de perdermos duas decisões na Suprema Corte. De alguma forma, é difícil achar que isto vá mudar, especialmente dado o que aconteceu em LA. Há dois anos atrás, não havia clube nenhum em LA, agora há cem. Me parece que a segunda maior cidade do país está sendo firmemente inundada de dispensários. Quando era só na área da Baía, estava preocupado que os federais pudessem fechá-los, mas perderam a chance deles. Agora, tudo o que podem fazer é prender alguém de vez em quando e tentar macular a imagem dos dispensários, mas eles estão aqui para ficar”.

Anuncio: Nuevo Formato para el Calendario del Reformador

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
A partir de esta edición, El Calendario del Reformador ya no aparecerá como parte del boletín Crónica de la Guerra Contra las Drogas, pero será mantenido como sección de nuestra nueva página web:

El Calendario del Reformador publica eventos grandes y pequeños de interés para los reformadores de las políticas de drogas alrededor del mundo. Ya sea una gran conferencia internacional, una manifestación que reúna a personas de toda la región o un foro en la universidad local, queremos saber para que podamos informar a los demás también.

Pero necesitamos su ayuda para mantener el calendario actualizado, entonces por favor contáctenos y no suponga que ya estamos informados sobre el evento o que vamos a saber de ello por otra persona, porque eso ni siempre sucede.

Ansiamos por informarlo a usted de más reportajes nuevos de nuestra nueva página web así que estén disponibles.

Marihuana: Tribunal Superior de Idaho Decide que los Funcionarios No Pueden Impedir Iniciativa de Legalización Solamente Porque No Les Gusta

Hace dos años en Sun Valley, Idaho, Ryan Davidson quería empezar una petición en favor de una iniciativa municipal que habría permitido que los habitantes de Sun Valley tuvieran, cultivaran y vendieran marihuana dentro de los límites de la ciudad de la comunidad de las montañas. Pero, los funcionarios municipales, en vez de meramente confirmar que la petición inicial de Davidson con 22 firmas estaba formatada correctamente, como específicamente en el código municipal, rechazaron su petición propuesta de una vez, diciendo que contradecía las legislaciones estadual y federal y que, así, estaba fuera del alcance del proceso de iniciativas de la ciudad.

Davidson entró con una acción y perdió en tribunal distrital, de ahí recurrió al Tribunal Superior de Idaho. En una decisión dada el 27 de Septiembre, el tribunal superior estuvo de acuerdo unánimemente con Davidson. “La Ciudad protesta que si el Escribano no puede detener las iniciativas inconstitucionales, cualquier grupo puede enviar peticiones en favor de cualquier número de causas rarísimas”, escribió el Desembargador Roger Burdick por el tribunal. “Aunque sea verdad que muchas de dichas iniciativas puedan ser propuestas, ordenar a través de la sustancia de las iniciativas propuestas para separar el trigo de la paja no es el papel del Escribano Municipal. Los contrapesos adecuados en contra del poder de la iniciativa son el público votante y los tribunales, y un consejo municipal retiene el poder de revocar o enmendar ordenanzas equivocadas aprobadas por la legislación directa”.

Además de permitir el consumo y comercio reglamentados de marihuana, la iniciativa de Davidson habría ordenado que la ley municipal convirtiera las leyes sobre la marihuana su menor prioridad. También habría ordenado que la ciudad presionara a los funcionarios estaduales a cambiar las leyes sobre la marihuana del estado.

El tribunal no decidió si dicha iniciativa sería constitucional bajo la ley de Idaho, diciendo que la decisión podía aguardar la aprobación de dicha iniciativa. En un fallo concurrente, el Desembargador Jefe Gerald Schroeder debatió que partes de ella infringirían la ley estadual y, por lo tanto, serían inválidas. “Tiempo, esfuerzo y dinero habrán sido gastados, excepto hasta el punto en que los legisladores tendrán la opinión de un pequeño segmento de los electores clasificados del estado”, escribió Schroeder. “Sin embargo, la decisión para permitir que el proceso ocurra por sí mismo sin la intervención judicial es apropiada”.

No se sabe aún si Davidson empezará una nueva petición ahora, pese a que sea razonable creer que alguien que ha ido a la corte más alta en el estado para ganar ese derecho probablemente lo ejercerá pronto.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, Vaping, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Pill Testing, Safer Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psilocybin / Magic Mushrooms, Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School