Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Feature: New Study Rips Canadian "Tough on Drugs" Policy, Funding

Despite formally adopting harm reduction as part of a national drug strategy in 2003, the Canadian government continues to spend the vast majority of its anti-drug funds on unproven and probably counterproductive law enforcement measures, according to a study published Monday. The report was released the same day as a Vancouver Sun poll that found two-thirds of Canadians support treating drug use as a public health issue. Together, the study and the poll are a clear shot across the bow for the Conservative government of Prime Minister Steven Harper, which has promised a tough new national drug strategy with a heavy emphasis on law enforcement.

Produced by the BC Center for Excellence in AIDS, which is partially funded by the British Columbia provincial government, "Canada's 2003 renewed drug strategy -- an evidence-based review," offers a blistering critique of what its authors call the "Americanization" of Canadian drug policy. The study warns that continued reliance on such policies would be a "disaster."

https://stopthedrugwar.org/files/canada-parliament.jpg
Canadian Parliament, Ottawa (courtesy Library of Parliament)
The study found that of the $368 million the Canadian federal government spent on drug programs in 2004-05, some $271 million, or 73%, went to law enforcement measures such as Royal Canadian Mounted Police investigations, border control, and federal drug prosecutions. Another $51 million (14%) went to treatment programs, and $26 million (7%) was spent on "coordination and research," while prevention and harm reduction programs were on a starvation diet with $10 million (2.6%) each.

Canada has little to show for all that money spent on drug law enforcement, the study suggested. The report showed Canada's Drug Strategy has failed to stem the numbers of Canadians trying illicit drugs. In 1994, 28.5% of Canadians reported having consumed illicit drugs in their life; by 2004, that figure had jumped to 45%.

The proportion of federal anti-drug spending devoted to law enforcement activities has decreased from 95% in 2001 after the former Liberal government began emphasizing harm reduction and prevention in the face of criticism from the federal auditor-general and other critics. But for the authors of the study released Monday, the portion of the budget devoted to law enforcement remains unacceptably high.

"While the stated goal of Canada's Drug Strategy is to reduce harm, evidence obtained through this analysis indicates that the overwhelming emphasis continues to be on conventional enforcement-based approaches which are costly and often exacerbate, rather than reduce, harms," the report concluded.

"Current federal spending on scientifically proven initiatives which target HIV/AIDS and other serious harms is insignificant compared to the funds devoted to law enforcement," said Dr. Julio Montaner, director of the BC Center for Excellence in HIV/AIDS and one of the report's senior authors. "However, while harm-reduction interventions supported through the drug strategy are being held to an extraordinary standard of proof, those receiving the greatest proportion of funding remain under-evaluated or have already proven to be ineffective."

That comment was a direct shot at the Harper government's reluctance to reauthorize Insite, the Vancouver facility that is North America's only safe injection site for hard drug users. On September 1, when Health Minister Tony Clement gave the facility only a one-year reauthorization (it had asked for three), he publicly questioned research showing the site is effective, save lives, and does not increase drug use or crime rates in the neighborhood. More research was needed, Clement said.

That same day, the Canadian Police Association, representing rank and file officers, publicly condemned harm reduction measures. Association vice-president Tom Stamatakis told the media then that harm reduction was sucking too much money from law enforcement. "This harm-reduction focus has led to unprecedented levels of crime in our city," he said, calling for a new national strategy that focuses on treatment, prevention and enforcement.

But that is precisely what is not needed, the BC Center study found. "The proposed Americanization of the drug strategy towards entrenching a heavy-handed approach that relies on law enforcement will be a disaster," said Dr. Thomas Kerr, a study coauthor. "It is as if the federal government is willing to ignore a mountain of science to pursue an ideological agenda."

"I think it's great that this study has been released," said Donald McPherson, drug policy coordinator for the city of Vancouver. "It clearly shows that while there has been some movement since 2001, there is still not a very balanced drug strategy. This week's polling shows that the public gets it, that people understand this is primarily a health issue," he told Drug War Chronicle. "My hope is that people in the federal government will look at the evidence and eventually realize that evidence-based approaches are preferable to ideologically war on drugs-type approaches. The fact that the public gets it will help the politicians get it."

The study also won applause from New Democratic Party (NDP) Vancouver East Member of Parliament Libby Davies, who in a message to eNDProhibition, the party's anti-prohibitionist wing, said she agreed that "the Conservative government must stop relying on a law-enforcement approach to address problems associated with illegal drug use in Canada. My NDP colleagues and I have long supported a harm reduction, education, and prevention approach to illegal drug use in Canada," she added.

"Prohibitionists have never been called on to justify prohibition, and this report is saying they can't justify these policies," said Eugene Oscapella of the Canadian Foundation for Drug Policy. "This comes from a very credible organization, and it will help to sway public opinion," he told Drug War Chronicle. "It will resonate with Canadians in general, but I doubt it will make the Conservatives shift gears. These guys are quite willing to overlook the facts in pursuit of their ideological goals."

While Monday's Vancouver Sun poll showed only one-third of Canadians favoring tougher, law enforcement-based approaches, Oscapella noted, that one-third is the Conservative Party's base. "The Conservatives will go with their base on this, but to the extent this report educates the public, it could have an impact on the margins."

Drug War Chronicle contacted the Canadian Department of Justice for comment, but its press people referred us to Health Canada, which has not responded to the query.

Treatment Not Jail: California Governor Proposes Cutting Proposition 36 Drug Treatment Funds

As part of his 2007-08 budget released this week, California Gov. Arnold Schwarzenegger has proposed cutting funding for the state's treatment-not-jail program, Proposition 36. Under the six-year-old program, people charged with drug possession can be diverted into drug treatment instead of being sent to prison. Some 140,000 people have entered treatment under Prop. 36, saving the state an estimated $1.3 billion dollars in prison costs.

Passed by the voters in 2000, Prop. 36 mandated that the state allocate $120 million a year for its first five years. Last year, the first year in which the legislature had to set funding, it approved $145 million for Prop. 36. Schwarzenegger's proposed budget is thus a $25 million dollar decrease from the previous year. But it is almost $90 million less than the $209.3 million the California Coalition of Alcohol and Drug Associations estimated is needed to "adequately address the treatment needs."

To make matters worse, Schwarzenegger's proposal would funnel $60 million of the $120 million into the year-old Substance Abuse Offender Treatment Program (OTP), which requires counties to come up with matching funds before they can get any of the state funds. Cash-starved county governments will have to come up with the money or they will lose out. The counties have already said they will challenge that requirement, and the measure could lead to lawsuits by counties or drug offenders if treatment is not made available.

Schwarzenegger's proposed cuts come despite a UCLA analysis showing that taxpayers saved $2.50 for every dollar invested in the program. Look for a funding battle in Sacramento over Prop. 36 this year.

Law Enforcement: Florida County Will Pay for Manhandling Men in Errant Drug Bust Caught on Videotape

Florida's Pinellas County has agreed to pay $100,000 to two men mistakenly arrested and roughed up by deputies from the sheriff's department's narcotics division. Fortunately for the men, Desmond Small, 26, and Christopher Lobban, 20, the incident was caught on videotape from a camera in a car rental office where the bad bust went down.

The August 17 incident occurred when deputies following a vehicle thought to be carrying drugs lost track of it. Minutes later, another pair of deputies spotted what they thought was the same vehicle and followed it to the car rental agency. When the vehicle's occupants got out and entered the car rental office, the deputies burst in with guns drawn and forced Small and Lobban to the floor. One deputy put his foot on the back of Small's head and and repeatedly pushed his face into the floor. Small suffered abrasions to his face and a cut to his mouth that required stitches. Rental agency employees said the carpet he was lying on was so bloodstained they had to throw it out. The video also showed two officers exchanging high-fives over their big bust, and one of them apparently stomping on Small's leg as he lay cuffed on the carpet.

Although rental agency employees who witnessed the arrest said Small and Lobban did not resist, the deputies accused Small of not cooperating. "I don't think they were resisting other than just being kind of shocked," rental employee Brad Bess told the St. Petersburg Times.

"I was like, 'What the hell is going on?'" Small said in an interview with sheriff's investigators released Wednesday. "I said, 'Sir, I didn't do anything.'"

The $100,000 pay-out to the two men was approved by County Attorney Susan Churuti. She said that given the results of the sheriff's department's investigation, the pair could have sued the county for civil rights violations, wrongful arrest and personal injury.

The two narcotics deputies, whose status as undercover agents apparently protects them from having their identities revealed, are now serving 12-day suspensions without pay and are on workplace suspension for a year.

But at least one county commissioner doesn't think that's enough. "If I were sheriff, I think I would send a stronger message that that kind of conduct is unacceptable," Commissioner Kenny Welch said. "And I'm not sure I want to see those two particular officers working narcotics in South County. I plan to raise that issue with the sheriff."

Europe: Scottish Labor Politician Fights for Harm Reduction as Party Turns Hard-Line on Drugs

On the eve of a major conference on new approaches to Scottish drug and alcohol policy Monday, outgoing Member of the Scottish Parliament (MSP) Susan Deacon, blasted her party's increasingly hard-line approach to drug policy, defended harm reduction approaches, and called drug prohibition "the product of a bygone age." The harsh critique of the Scottish Labor Party's disdain for methadone maintenance, push for abstention-based drug treatment, and enthusiasm for taking children from drug-using parents came in an opinion piece published in the Sunday Herald, "The Political Addiction to Tough Talking on Drugs Has Failed Us All."

https://stopthedrugwar.org/files/susandeacon.jpg
Susan Deacon
Deacon, the MSP for Edinburgh East and Musselburgh, is a member of the Scottish Royal Academy's RSA UK Commission on Illegal Drugs, Public Policy and Communities, which will issue a report in March. She is also a former Labor health minister who will retire after the next elections. And she is increasingly at odds with her bench-mates on drug policy. The party's recent moves toward abstinence-based "contracts" for addicts and away from previous support for methadone maintenance prompted Deacon to respond with vigor.

"The fact is," she wrote, "it's time to get real. The demonization of drugs and drugs users may make for rabble-rousing speeches and sensationalist headlines but it does little to promote understanding of what is really going on in our society, to help those whose lives are affected. Here in Scotland, we have seen too many knee-jerk responses and blanket solutions. Policy and practice should not be framed by immediate reactions to the latest tragic incident or research report. We need a pragmatic approach to drugs policy -- not a moralistic one."

The notion that methadone maintenance had failed was "nonsense," Deacon wrote. "What about the people for whom methadone has helped them to move away from criminal activity, to hold down a job or to look after their children?" Deacon called proposed moves to restrict treatment options "utterly perverse" and said the idea of taking children from drug-using parents was "paternalistic and simplistic."

But while she explicitly defended harm reduction as a policy approach to drug problems, Deacon also attacked drug prohibition. "UK drugs control laws are more than 30 years old, a product of a bygone age," she wrote. "A growing number of voices, both at home and abroad, are raising questions about whether the current national and international legal framework is fit for purpose -- this discussion cannot be a no-go area."

Oddly enough, Deacon's intra-party foe on drug policy, MSP Duncan McNeil called her critique "conservative." McNeil, who first proposed the idea of "contracts" for drug users, said of Deacon: "The harm reduction policy was well meant and necessary, but things move on. Susan has her views on this subject but she has become very conservative.
"The Labor Party has gone through an extensive consultation on this, but Susan didn't take part in the debate on it at conference."

While her own Labor Party was one target of Deacon's opinion piece, she also aimed to inoculate Monday's Scottish parliament's Futures Forum from more reflexive drug fighter chest-beating. The forum brought together more than 250 senior police officers, academics, community leaders, and health professionals seeking a "fresh perspective" on Scotland's approach to drugs and alcohol.

According to one account of the forum, Deacon may have found a more receptive audience there than within her own party. That account found leading police official and drug policy experts talking bluntly about the need to get beyond "macho posturing" and how the Misuse of Drugs Act was "not fit for contemporary purpose."

With endemic heroin and alcohol abuse, and now, the newfound popularity of cocaine, Scotland is in need of new approaches to drug policy. With politicians like Deacon fighting regressive tendencies in her own party and ongoing efforts like the Futures Forum and the RSA UK Commission on Drugs underway, Scottish politicians will have the knowledge base to act. Whether they will have the political will to apply that knowledge remains to be seen.

Medical Marijuana: Bills Introduced in Michigan, South Carolina, Massachusetts, Vermont and Soon in New Mexico

With state legislatures getting down to business around the country this month, the medical marijuana issue is showing up at the statehouse. So far, bills to okay the medicinal use of the herb have been introduced in Michigan and South Carolina, with one planned in New Mexico. Meanwhile, in Vermont, which approved medical marijuana in 2004, a bill has been introduced that would expand the range of conditions for which it could be used.

Medical marijuana is currently legal in 11 states, beginning with a California initiative in 1996. Since then, seven more states (Alaska, Colorado, Montana, Nevada, Oregon, Maine and Washington) have approved medical marijuana through the initiative process, while in three states (Hawaii, Rhode Island, and Vermont), it was approved by the legislature.

Arizona voters also approved medical marijuana at the polls, but the law there is effectively dead because it requires a doctor to prescribe it, which the DEA will not allow. Other states learned from Arizona's experience and require only a doctor's recommendation, thus getting around the DEA roadblock. In Maryland, the medicinal use of marijuana can be offered as an affirmative offense in the event a patient is arrested.

Whether this year will see additions to the list of medical marijuana states remains to be seen, of course, but some legislators have been quick off the mark. In Michigan, where medical marijuana obtained its first legislative hearing ever in November, Rep. Lamar Lemmons Jr. is set to introduce HB 4038, which is essentially the same bill as last year's. According to the Michigan legislature's web site, it will be formally introduced on Monday.

In South Carolina, state Sen. William Mescher (R-Pinopolis) last week introduced a bill, S 220, which would allow patients suffering from any open-ended list of medical ailments and their caregivers to possess up to six plants and one ounce of marijuana. Patients would have to register with the state, which would issue identification cards.

Mescher told the Florence Morning News his wife had died of lung cancer 24 years ago, and doctors at the time told him marijuana might alleviate some of her symptoms, but that she could become dependent. "There were concerns that she would become addicted," he said. "Here this woman had maybe two or three months to live -- and in extreme pain. It didn't make any difference if she became addicted."

A friend in similar circumstances now compelled him to act, he said. "To me, it's no different than morphine or any other painkiller that a doctor can prescribe. Some doctors say it doesn't help. But if the person thinks it's helping them, then it's helping them."

Mescher has a reputation as a determined crusader in South Carolina. He fought for a decade to legalize tattooing in the state so it could be regulated. "It took me 10 years to get tattooing regulated in South Carolina," Mescher said. "I've got a bulldog tenacity."

In New Mexico, the Drug Policy Alliance Network announced this week that it is again pushing the Lynn and Erin Compassionate Use Act (last year's version here). For the past two years, the measure has passed every legislative hurdle, but not received a House floor vote for reasons primarily unrelated to the issue.

The law requires a patient to receive a recommendation for medical marijuana from his or her medical provider, after which the patient must submit an application to the New Mexico Department of Health for approval. The department will then issue an ID card that permits the patient and a primary caregiver to possess medical marijuana. A licensed facility approved by the Department of Health will be responsible for producing, distributing, and dispensing medical cannabis to patients.

In Massachusetts, the Drug Policy Forum of Massachusetts reports that Rep. Frank Smizik has reintroduced a medical marijuana bill, with this year's version numbered H 2507. (Last year's version is here.) Modeled on the law adopted next store in Rhode Island, the bill would provide protection for patients with a written recommendation from their doctors.

Meanwhile in Vermont, which passed a medical marijuana bill in 2004, Sen. Richard Sears (D-Bennington), chairman of the Judiciary Committee, has introduced a bill would expand the law to include additional diseases and conditions and allow patients to grow more marijuana for their own use. Under the current law, only cancer, HIV/AIDS, and multiple sclerosis patients qualified, but under Sears' proposed S 007 that list would expand to include any "life threatening, progressive, and debilitating disease or medical condition or its treatment that produces severe, persistent, and intractable symptoms such as: cachexia or wasting syndrome; severe pain; severe nausea; or seizures."

The bill increases the number of plants patients or caregivers can grow from one mature plant to six and from two immature plants to 18. The amount of usable marijuana they can possess would be increased from one ounce to four.

The Vermont Senate Judiciary Committee held a hearing January 11. Max Schlueter, head of the Vermont Crime Information Center, told the committee there were 29 people registered for the program. Patients like Steve Perry and Mark Tucci helped explain why the law needs to be changed.

Perry suffers from degenerative bone disease and would like to use marijuana to ease its symptoms, but it is not currently on the list of approved diseases. "Because the law doesn't allow me to legally use or obtain marijuana, I have to put myself at risk of being arrested and going to jail every time I need to ease the pain," Perry said.

Mark Tucci has multiple sclerosis, one of the currently approved trio of ailments, but he said the current law doesn't allow him to produce enough to supply his needs and forces him into the black market. "I'm getting sick of going out to try to find the stuff," said Tucci.

The legislative season in the states is young, but medical marijuana is off to a fast start in a handful of them.

Marijuana: Decriminalization Bills Filed in Massachusetts, New Hampshire

Twelve states (Alaska, California, Colorado, Maine, Minnesota, Mississippi, Nebraska, Nevada, New York, North Carolina, Ohio, and Oregon) have enacted some form of marijuana decriminalization, all of them during the 1970s, but if legislators in Massachusetts and New Hampshire have their way, that number will grow again this year for the first time in decades. In the former, friendly legislators are reintroducing a decrim bill, while in the latter, a local group is allying with legislators to push new legislation.

In Massachusetts, Senate Bill 881, sponsored by Sen. Pat Jehlen, with four cosponsors, is a refilling of a bill that was approved last year in the Mental Health and Substance Abuse Committee. It specifies a civil penalty for the possession of one ounce of less of marijuana of $250.

The Massachusetts effort builds on years of work by the Drug Policy Forum of Massachusetts and the Bay State NORML affiliate, MassCann. The two groups have brought ballot questions urging their representatives to support various marijuana reform measures before more than 400,000 Bay State voters, and won every one of them. It remains to be seen if the popular support for reform can be translated into a new decrim law.

In New Hampshire, a new grassroots group, the Coalition for Common Sense Marijuana Policy is urging support for HB 92, which was set for a Wednesday hearing in the Criminal Justice and Public Safety Committee.

"Despite the threat of severe penalties, many responsible, productive New Hampshire citizens continue to use marijuana. As long as these individuals do not harm others, we believe it is unwise and unjust to continue persecuting them as enemies of the state," the group declared.

Hopeful that the Granite State's "Live Free or Die" motto will resonate with their peers, Reps. Chuck Weed (D-Keene), Paul Ingbretson (R-Haverill), and Steve Vailancourt (R-Manchester) sponsored the bill. But even though Democrats took over both houses in the November elections, the measure's chances are uncertain. It will be opposed by the usual suspects in law enforcement and the Attorney General's office. The fate of a 2001 medical marijuana bill, which was overwhelmingly defeated, also signals potential problems.

Still, despite a decades-long hiatus since the decrim glories of the Carter years, legislators in at least two states will have the opportunity to renew a long dormant reform movement.

Feedback: Do You Read Drug War Chronicle?

Posted in:

Do you read Drug War Chronicle? If so, we'd like to hear from you. DRCNet needs two things:

  1. We are in between newsletter grants, and that makes our need for donations more pressing. Drug War Chronicle is free to read but not to produce! Click here to make a donation by credit card or PayPal, or to print out a form to send in by mail.

  2. Please send quotes and reports on how you put our flow of information to work, for use in upcoming grant proposals and letters to funders or potential funders. Do you use DRCNet as a source for public speaking? For letters to the editor? Helping you talk to friends or associates about the issue? Research? For your own edification? Have you changed your mind about any aspects of drug policy since subscribing, or inspired you to get involved in the cause? Do you reprint or repost portions of our bulletins on other lists or in other newsletters? Do you have any criticisms or complaints, or suggestions? We want to hear those too. Please send your response -- one or two sentences would be fine; more is great, too -- email [email protected] or reply to a Chronicle email or use our online comment form. Please let us know if we may reprint your comments, and if so, if we may include your name or if you wish to remain anonymous. IMPORTANT: Even if you have given us this kind of feedback before, we could use your updated feedback now too -- we need to hear from you!

Again, please help us keep Drug War Chronicle alive at this important time! Click here to make a donation online, or send your check or money order to: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036. Make your check payable to DRCNet Foundation to make a tax-deductible donation for Drug War Chronicle -- remember if you select one of our member premium gifts that will reduce the portion of your donation that is tax-deductible -- or make a non-deductible donation for our lobbying work -- online or check payable to Drug Reform Coordination Network, same address. We can also accept contributions of stock -- email [email protected] for the necessary info.

Webmasters: Help the Movement by Running DRCNet Syndication Feeds on Your Web Site!

Posted in:

Are you a fan of DRCNet, and do you have a web site you'd like to use to spread the word more forcefully than a single link to our site can achieve? We are pleased to announce that DRCNet content syndication feeds are now available. Whether your readers' interest is in-depth reporting as in Drug War Chronicle, the ongoing commentary in our blogs, or info on specific drug war subtopics, we are now able to provide customizable code for you to paste into appropriate spots on your blog or web site to run automatically updating links to DRCNet educational content.

For example, if you're a big fan of Drug War Chronicle and you think your readers would benefit from it, you can have the latest issue's headlines, or a portion of them, automatically show up and refresh when each new issue comes out.

If your site is devoted to marijuana policy, you can run our topical archive, featuring links to every item we post to our site about marijuana -- Chronicle articles, blog posts, event listings, outside news links, more. The same for harm reduction, asset forfeiture, drug trade violence, needle exchange programs, Canada, ballot initiatives, roughly a hundred different topics we are now tracking on an ongoing basis. (Visit the Chronicle main page, right-hand column, to see the complete current list.)

If you're especially into our new Speakeasy blog section, new content coming out every day dealing with all the issues, you can run links to those posts or to subsections of the Speakeasy.

Click here to view a sample of what is available -- please note that the length, the look and other details of how it will appear on your site can be customized to match your needs and preferences.

Please also note that we will be happy to make additional permutations of our content available to you upon request (though we cannot promise immediate fulfillment of such requests as the timing will in many cases depend on the availability of our web site designer). Visit our Site Map page to see what is currently available -- any RSS feed made available there is also available as a javascript feed for your web site (along with the Chronicle feed which is not showing up yet but which you can find on the feeds page linked above). Feel free to try out our automatic feed generator, online here.

Contact us for assistance or to let us know what you are running and where. And thank you in advance for your support.

Anúncio: Agora os Feeds de Agregação de Conteúdo da DRCNet Estão Disponíveis para a SUA Página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página é dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, note também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Entre em contato conosco se quiser assistência ou informe-nos sobre o que está relacionando e aonde. E obrigado de antemão pelo seu apoio.

Anúncio: Os Feeds RSS da DRCNet Estão Disponíveis

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Anúncio: Novo Formato para o Calendário do Reformador

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Ansiamos por informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estejam disponíveis.

Lista de Empregos: Coordenador de Programa, Programa de Saúde Pública, OSI-Budapeste

O Open Society Institute procura um Coordenador de Programa para trabalhar em Budapeste e se reportar ao Funcionário do Programa Internacional de Desenvolvimento da Redução de Danos em Nova Iorque. O prazo para se candidatar vai até o dia 24 de janeiro de 2007.

O Coordenador de Programa fornecerá apoio administrativo e programático a um programa de subvenções de defesa da redução de danos de três anos pela Rede de Fundações Soros e a Canadian Internacional Development Agency (CIDA), sob a direção de um Funcionário do Programa e os Diretores do IHRD.

Funcionando na Geórgia, Rússia e Ucrânia, o programa apoiará a reforma das políticas públicas e dos serviços à saúde em quatro áreas inter-relacionadas: a qualidade e o acesso ao tratamento químico; mulheres, consumo de drogas e saúde sexual e reprodutiva; organização comunitária de parte de pessoas que consomem drogas e pessoas que convivem com o HIV; e serviços de redução de danos nas prisões.

O trabalho do Coordenador de Programa abrangerá, mas não se limita, à preparação semi-anual de relatórios narrativos e trimestral de relatórios financeiros para a CIDA e demais documentação do programa quando for solicitada, a preparação de planos de trabalho anuais que guiarão a concessão de subvenções nas quatro áreas programáticas, em cooperação com os demais empregados do IHRD e com colaboradores externos; administrar e rastrear todas as subvenções concedidas pela CIDA; comunicação regular com os beneficiários e com o IHRD e demais membros da rede Soros em relação ao desenvolvimento, implementação e informação sobre os projetos; garantir que o IHRD e a Rede de Fundações Soros cumpram consistentemente as nossas obrigações programáticas e de investimento de acordo com os planos de trabalho anuais; manter uma base de dados de todos os gastos programáticos; trabalhar com o pessoal do IHRD, os beneficiários e demais colaboradores nos projetos cooperativos de defesa e assistência técnica e avaliar e ajustas regularmente os programas correntes; e manter uma relação positiva e comunicativa com o pessoal da CIDA. Além do mais, o Coordenador de Programa pode ser convocado a contribuir com os demais projetos do IHRD, quando for necessária e à discrição do Vice-Diretor e/ou do Diretor.

As exigências incluem um diploma de bacharel, 2-4 anos de experiência nos campos da saúde ou dos direitos humanos (preferível, porém não necessariamente, envolvendo a redução de danos e/ou o HIV), familiaridade com os conceitos e métodos da redução de danos, comodidade no trabalho eficaz e respeitoso com pessoas que consomem drogas e pessoas que convivem com a AIDS, fluência na escrita e fala do inglês e do russo, um alto nível de organização, automotivação e atenção ao detalhe, flexibilidade e disponibilidade para trabalhar em uma série de tarefas simultâneas que vão do mundano ao criativo em um ambiente muito acelerado e o poder de ouvir e se comunicar com clareza e eficácia com pessoas de diversas culturas e passados. Os candidatos ideais demonstrarão boa redação, conhecimento das questões centrais para o programa da CIDA e experiência na administração de orçamentos.

A compensação é proporcional à experiência e um pacote excelente de benefícios está incluso.

Para se candidatar, envie um currículo, carta de apresentação e pretensões salariais por e-mail antes de 24 de janeiro de 2007 a [email protected]. Por favor, inclua Job Code: PC/BUD/IHRD no assunto. Se o e-mail não estiver disponível, envie-o por faz a 1-646-557-2494. Não faça perguntas por telefone, por favor.

O Open Society Institute é um Empregador de Oportunidades Iguais.

Lista de Empregos: Cargo de Diretor de Contatos no Students for Sensible Drug Policy, Washington, DC

A responsabilidade do Diretor de Contatos é expandir a base do SSDP ao fornecer apoio às sucursais estudantis iniciantes, assim como para promover o SSDP nos campi universitários na tentativa de recrutar novos estudantes para inaugurar sucursais. Além disso, o Diretor de Contatos deve trabalhar com o Diretor de Campo para rastrear e manter informação sobre todas as sucursais da organização. Para esse fim, o Diretor de Contatos irá:

Ajudar os estudantes a começarem sucursais e também os estudantes que tentarem aumentar e fortalecer as sucursais:

  • O Diretor de Contatos não responde aos estudantes que solicitam inaugurar sucursais, mas inspira pro-ativamente os estudantes a se envolverem na organização também. Por conseguinte, o Diretor de Contatos deve desenvolver estratégias e táticas que sejam previdentes e inovadoras em inspirar os estudantes a darem início a novas sucursais, especialmente os estudantes em faculdades localizadas em distritos e estados importantes para as campanhas legislativas do SSDP, bem como as campanhas legislativas de organizações aliadas da reforma das políticas de drogas;
  • O Diretor de Contatos é responsável pelo desenvolvimento de treinamentos, materiais, impressos e outros recursos que beneficiem os estudantes que trabalham para começar, aumentar ou fortalecer as sucursais.

Rastrear e manter informação sobre as sucursais, ativistas e demais simpatizantes do SSDP:

  • O Diretor de Contatos rastreia e mantém informação precisa e corrente sobre a situação das tentativas estudantis de inaugurar sucursais e também sobre a situação das sucursais recém-formadas, inclusive informação acerca dos programas e metas, filiação, quadros da sucursal, etc.;
  • O Diretor de Contatos trabalha diretamente com o Diretor de Campo para rastrear o progresso das sucursais recém-formadas na implementação das campanhas nos campi.

Ajudar o Diretor de Campo do SSDP a executar as campanhas e ações de base do SSDP:

  • O Diretor de Contatos trabalha com o Diretor de Campo para executar várias ações e campanhas de base. O Diretor de Campo assumirá a liderança na criação de campanhas e ações de base, enquanto que o Diretor de Contatos trabalhará com as sucursais novas e inexperientes na implementação.

Assistir na compilação de artigos para o boletim do SSDP:

  • O Diretor de Contatos é responsável por identificar os projetos das sucursais que mereçam a inclusão no boletim do SSDP, resumindo os projetos e redigindo artigos para o informativo.

O candidato qualificado terá uma redação sucinta, persuasiva e inspiradora, além de uma atenção cuidadosa ao detalhe. O candidato se comunicará oralmente com comodidade e convicção e a existência de habilidades interpessoais excelentes é essencial. O postulante deve se sentir extremamente bem na comunicação por telefone, já que como Diretor de Contatos terá que passar muito tempo ao telefone, com os líderes das sucursais e os possíveis líderes de sucursais. O poder de ser enérgico e inspirador é uma condição indispensável, assim como a comodidade no trabalho com pessoas de todas as idades.

O candidato qualificado será um empreendedor com criatividade no desenvolvimento de estratégias e táticas de contato. A dedicação demonstrada à reforma da legislação sobre as drogas é valiosa, mas não é necessária. O SSDP premia a experiência de trabalho e administração de voluntários, especialmente no contexto da organização e do ativismo estudanti. O Diretor de Contatos se reporta diretamente ao Diretor Executivo.

O salário está entre os $28.000-$33.000, proporcional à experiência. Os benefícios incluem seguro de saúde. O Students for Sensible Drug Policy é um empregador que dá oportunidades iguais. O escritório do SSDP está localizado em Washington, DC, perto do Dupont Circle.

Os candidatos interessados devem enviar uma carta de apresentação de uma página e um currículo de uma a duas páginas por e-mail ao Diretor Executivo Kris Krane a [email protected]. Em sua carta de apresentação, favor indicar (1) como soube da vaga do SSDP; (2) por que está interessado em trabalhar com o SSDP especificamente; (3) se tem experiência nas políticas de drogas; e (4) por que está interessado neste cargo específico. Sinta-se à vontade para incluir qualquer informação adicional que considere relevante, que não exceda uma página.

Por favor, não ligue para o escritório do SSDP neste momento. Se você enviar uma carta de apresentação e um currículo, o SSDP lhe responderá dentro de duas semanas ou com um aviso de recusa ou um pedido de maior documentação.

O SSDP é uma rede nacional de estudantes comprometidos com um diálogo aberto, honesto e inclusivo sobre as alternativas à abordagem atual do nosso país ao consumo, abuso e dependência das drogas. Através da participação no processo político, o SSDP trabalha para reformar as leis e as políticas de drogas que causam um impacto negativo sobre a juventude. As campanhas específicas do SSDP incluíram os esforços para revogar a proibição do auxílio financeiro federal contra estudantes com condenações por delitos de drogas e para restringir o financiamento federal para os exames toxicológicos com estudantes. Visite http://www.SchoolsNotPrisons.com para maiores informações sobre a missão e as campanhas do SSDP.

Busca na Rede

Ethan Nadelmann sobre o Relatório Colbert, parte 1 e parte 2 (08/01/07)

amostras de cartas em apoio ao prisioneiro por maconha, Tyrone Brown, da November Coalition

País do Encarceramento em The Nation e Revelações Chocantes (mortes por armas de eletrochoque) em In These Times, Silja Talvi

Índices de Encarceramento dos EUA: Uma Perspectiva Global [US Rates of Incarceration: A Global Perspective], relatório do National Council on Crime and Delinquency - mais um novo relatório sobre a sobre-representação dos jovens afro-americanos na justiça penal, publicação 12:01

Avaliação Nacional da Ameaça das Drogas de 2007

Atualização da Drug Truth Network: Cultural Baggage + Century of Lies + 4:20 Drug War NEWS
Cultural Baggage de 05/01/07: Jack Cole, Diretor da Law Enforcement Against Prohibition + Terry Nelson da LEAP (MP3)

Century of Lies de 05/01/07: Herb Couch, membro da diretoria do Educators for Sensible Drug Policy + Drug War Facts, Corrupt Cop Story e Poppygate (MP3)

A edição de janeiro de 2007 das Cannabinoid Chronicles, Victoria Island Compassion Society

Semanal: Esta Semana na História

16 de janeiro de 1919: Declara-se ratificada a 18ª Emenda (a lei seca) e fica agendada para entrar em vigor em um ano.

16 de janeiro de 1920: A meia-noite, a 18ª Emenda vira lei, tornando o álcool ilegal.

12 de janeiro de 1929: Promulga-se a Lei Porter, estabelecendo os dois primeiros hospitais de narcóticos para dependentes em prisões federais como resposta ao crescimento do número de dependentes químicos.

14 de janeiro de 1937: Uma conferência federal em privado sobre a cannabis acontece na sala 81 do Prédio do Tesouro em Washington, DC, levando à promulgação da proibição federal da maconha no mesmo ano.

15 de janeiro de 1963: O presidente Kennedy estabelece a Comissão Acessória contra o Abuso de Narcóticos e Drogas, com o Juiz E. Barrett Prettyman como presidente.

16 de janeiro de 1980: Paul McCartney é detido pelos oficiais da alfândega japonesa no Aeroporto Internacional de Tóquio quando eles encontraram dois sacos plásticos em suas malas que continham 219 gramas de maconha. Preocupado que McCartney não conseguisse o visto estadunidense segundo as leis de imigração se condenado e não pudesse se apresentar em um concerto vindouro nos EUA, o senador Edward Kennedy liga para o primeiro secretário do Consulado Britânico, D.W.F. Warren-Knott, no dia 19 de janeiro. McCartney é solto e deportado no dia 25 de janeiro.

18 de janeiro de 1990: O prefeito Marion Barry de Washington, DC, é preso depois que câmeras escondidas o gravaram fumando crack com a sua ex-namorada, Hazel Diane "Rasheeda" Moore, no seu quarto no Hotel Vista.

15 de janeiro de 1997: Milahhr Kemnah, um paciente de AIDS que visitava o Cannabis Cultivators Club em São Francisco, vira a primeira pessoa a comprar maconha medicinal na Califórnia depois da aprovação da Proposição 215.

12 de janeiro de 2001: Salon.com informa que o sobrinho do Procurador Geral designado, John Ashcroft, recebeu sursis por uma condenação criminal em tribunal estadual por cultivar 60 plantas de maconha com intenção de distribuir a droga em 1992. Esta é uma sentença indulgente, dado que estas acusações precipitam amiúde penas federais e tempo de cadeia muito mais duros. Ashcroft era o governador duro com as drogas do Missouri na época.

15 de janeiro de 2002: A Associated Press informa que um tribunal federal de apelações decidiu que, em Idaho, os consumidores de maconha podem dirigir legalmente contanto que a sua condução não seja errante e possam passar por um exame de sobriedade. Um painel de três juízes do Tribunal de Apelações do 9° Circuito dos EUA em São Francisco escreveu que, embora seja ilegal dirigir sob a influência do álcool ou de narcóticos, a lei de Idaho não lista a maconha como narcótico.

14 de janeiro de 2003: Um processo notório por distribuição de analgésicos acaba com em queixumes quando os procuradores californianos dispensam todas as acusações restantes contra o Dr. Frank Fisher.

Europa: União Européia Financia Diálogo com Sociedade Civil Sobre Políticas de Drogas

Na medida orçamentária final aprovada no ano passado, o Parlamento Europeu aprovou uma emenda que aloca $1,3 milhão para apoiar o processo de diálogo com a sociedade civil sobre as políticas de drogas. A ação acontece enquanto a União Européia se prepara para revisar a sua posição nas políticas de drogas em todo o continente em 2008.

A medida, que foi proposta por grupos como a Coalizão Européia por Políticas de Drogas Justas e Eficazes, foi derrotada em setembro, mas os defensores conseguiram fazer outra votação sobre ela no mês passado. Agora, a Comissão Européia deve aprovar um documento final sobre o qual o diálogo estará baseado. Isso está marcado para abril e se o programa existente continuar, um pedido de propostas para participar do diálogo será divulgado em setembro.

"Isto significa que tivemos sucesso em criar um orçamento separado para o processo de diálogo que a Comissão Européia está planejando começar neste ano", disse o coordenador da ENCOD, Joep Oomen. "Saberemos com clareza quanto dinheiro têm para este diálogo e, conseqüentemente, poderemos comprovar como o dividirão".

Embora a participação da ENCOD no diálogo não esteja garantida, ela é provável em vista do papel fundamental do grupo na abertura da discussão sobre as políticas de drogas da União Européia tanto para a sociedade civil quanto para as idéias que emanam dela. "Um terço de todos os participantes na conferência de janeiro de 2006 em Bruxelas eram membros da ENCOD", disse Oomen à Crônica da Guerra Contra as Drogas. "A nossa resposta ao seu pedido de comentários foi certamente uma das mais longas, então será muito difícil nos negarem algum acesso. Somos muito conhecidos no Parlamento Europeu como rede da sociedade civil que trabalha em torno das políticas de drogas".

Mas, Oomen manteve um ceticismo saudável sobre a disposição da União Européia a se dedicar a um verdadeiro diálogo com os oponentes do regime global da proibição das drogas. "Em setembro, eles organização um pedido de propostas, e, lógico, há muitas maneiras de selecionar os candidatos para a participação".

A ENCOD está apoiando a série de recomendações de 2004 do Parlamento Europeu a favor de uma ênfase sobre a redução de danos em vez do proibicionismo conhecido como o Relatório Catania. Embora aquelas recomendações representem o sentimento do Parlamento Europeu, falta ver se os governos que formam a União Européia vão aceitá-las.

Maconha Medicinal: Caso do Colorado Porá a Lei Estadual à Prova

Um casal de Fort Collins será o primeiro no Colorado a buscar o uso da lei estadual de maconha medicinal como defesa contra as acusações de cultivo e distribuição de maconha. James e Lisa Masters declararam a inocência deles na sexta passada e enfrentam um julgamento em março.

O casal foi detido em agosto passado quando a polícia chegou à casa deles para averiguar o bem-estar das duas filhas deles, meninas de quatro e seis anos de idade. De acordo com uma declaração jurada da polícia, um oficial cheirou maconha na casa e o casal disse aos oficiais que tinha as recomendações de médicos para usar a maconha, a qual estava cultivando para esse fim.

No outono passado, os Masters e os seus advogados entraram com uma moção para dispensar as acusações, argumentando que estavam protegidos pela lei estadual de maconha medicinal. O casal, ambos pacientes registrados de maconha medicinal, disse que cultivava maconha somente para eles mesmos e outros pacientes no registro estadual. Mas, em outubro, a Juíza Distrital Jolene Blair recusou essa moção, dizendo que o casal não tinha a documentação adequada que mostrasse que eram fornecedores de pacientes registrados.

De acordo com o código penal do Colorado, a Secretaria de Saúde Pública e Meio Ambiente do estado é acusada de criar "um registro confidencial de pacientes", não de pacientes e fornecedores. Mas, o código também acusa a secretaria de criar um formulário de solicitação para aspirantes a pacientes, e, naquele formulário, exige-se que os pacientes ponham informações sobre os fornecedores.

No outono passado, assim que os Masters foram denunciados, o advogado deles, Rob Corry, debateu que eles estavam dentro dos limites da lei estadual de maconha medicinal. Embora não existam carteiras do registro estadual para os fornecedores, disse ele, os Masters foram designados como tais por pacientes propriamente registrados. "A maioria dos eleitores neste estado disse que a maconha medicinal deveria estar disponível. Espero que o júri siga a lei e mostre alguma compaixão pelos pacientes que precisam de ajuda", disse Corry.

Mas, pelo menos um funcionário do Colorado argumentou que a fim de que alguém tenha proteção como fornecedor, os pacientes devem listar essa pessoa em suas solicitações. Parece que o caso dos Masters solucionará essa ambigüidade aparente na lei. Se os Masters perderem, podem pegar até seis anos de prisão estadual e perder a guarda de suas filhas, as quais foram tomadas pela polícia após a detenção deles apesar da falta de qualquer prova de abuso ou negligência. Foram necessárias oito semanas para que o casal conseguisse a devolução de suas filhas.

"Os Masters estão sendo objetivados por ajudarem os doentes. Este caso de exame tem o potencial para aumentar o acesso vital à maconha medicinal ao expandir a definição legal de 'fornecedor' para permitir que aqueles com responsabilidade considerável para cuidar dos indivíduos gravemente doentes cultivem e lhes forneçam a maconha medicinal", disse o co-advogado Brian Vicente.

Curta: Casa Branca Anuncia Datas e Locais para as Cúpulas Regionais de Exames Toxicológicos com Estudantes

cortesia da NORML News

O Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas (ONDCP) da Casa Branca vai patrocinar mais uma vez uma série de cúpulas regionais para encorajar os administradores do ensino fundamental e médio a promulgarem os exames toxicológicos aleatórios com estudantes patrocinados pela união. As cúpulas de 2007 marcarão o quarto ano consecutivo que a Casa Branca está financiando os simpósios, que estão marcados para acontecer neste inverno e nesta primavera em Charleston, Carolina do Sul (24 de janeiro), Newark, Nova Jérsei (27 de fevereiro), Honolulu, Havaí (27 de março) e Las Vegas, Nevada (24 de abril).

https://stopthedrugwar.org/files/drugtestinglab.jpg
laboratório de exame toxicológico
Segundo as normas federais recém-revisadas, as verbas federais de conscientização podem ser proporcionadas a escolas públicas durante um máximo de quatro anos para arcar com a implementação de programas de exames toxicológicos aleatórios para estudantes que participam de atividades extracurriculares competitivas.

Desde 2005, o Ministério da Educação dos EUA destinou mais de $20 milhões a vários distritos escolares para financiar os programas de exames toxicológicos aleatórios. As subvenções federais não podem ser usadas para arcar com um plano de estudos separados de conscientização sobre as drogas e/ou prevenção e também não podem ser usados para treinar funcionários do colégio na implementação dos exames toxicológicos. Só os investigadores federais são elegíveis para revisar os dados coletados pelos programas escolares, que serão avaliados como parte de uma valoração federal vindoura da eficácia dos exames toxicológicos aleatórios para inibir o consumo de drogas ilícitos entre estudantes.

Uma avaliação prévia dos programas de exames toxicológicos com estudantes conduzida pela Fundação Robert Wood Johnson concluiu, "Os exames toxicológicos, da maneira praticada nos últimos anos nos colégios do ensino secundário dos EUA, não impedem nem inibem o consumo de drogas entre os estudantes". Os investigadores coletaram dados de 894 escolas e 94.000 estudantes e descobriram que em todos as séries estudadas - 8ª, 10ª e 12ª - os estudantes informaram usar drogas ilícitas em índices virtualmente idênticos em escolas que realizaram os exames versus aquelas que não os fizeram.

Atualmente, só cinco por cento dos colégios examinam aleatoriamente os atletas estudantis e apenas dois por cento dos colégios examinam os estudantes que participam de atividades extracurriculares fora o atletismo. Tanto a Associação Nacional de Educação quanto a Academia Estadunidense de Pediatras se opõem aos programas de exames com os estudantes.

Visite http://www.cmpinc.net/dts para se inscrever eletronicamente a fim de participar de qualquer uma das cúpulas deste ano. Visite http://www.norml.org/index.cfm?Group_ID=3406 para baixar as folhas informativas sobre o exame toxicológico aleatório entre estudantes.

América Latina: Mexicanos Pensam em Criar Cargo de "Secretário Antidrogas"

O governo do presidente mexicano Felipe Calderón está pensando na criação de um cargo nacional de "secretário antidrogas" para coordenar a sua ofensiva contra os traficantes de drogas. A proposta acontece enquanto o presidente Felipe Calderón conduz uma ofensiva policial e militar com milhares de efetivos dispersados contra os narcotraficantes no estado de Michoacán e na cidade limítrofe de Tijuana.

No ano passado, a violência relacionada à proibição das drogas no México atingiu níveis recordes, com umas 2.000 pessoas mortas nas lutas sangrentas entre os chamados cartéis e em conflitos entre a polícia e os pistoleiros do cartel. O negócio de suprir os estadunidenses ávidos de drogas é uma empresa multibilionária para as organizações mexicanas do tráfico de drogas.

A mídia mexicana informou na semana passada que o governo Calderón estava estudando a proposta e se consultando com o alto comando militar e as autoridades estadunidenses como parte do processo. De acordo com aqueles informes, o "secretário antidrogas" participaria da formulação de uma estratégia nacional de segurança e seria aconselhado por oficiais de alta patente dos ministérios da defesa, marinha, fazenda e segurança pública, assim como pela procuradoria geral.

A noção conta com o apoio de legisladores no PAN governante, bem como de membros da oposição de esquerda formada pelo PRD. O senador do PAN, Felipe González González, disse à rádio Formato 21 que criar um cargo de "secretário antidrogas" é um "assunto de interesse nacional". Ele instou os legisladores de todos os partidos a "analisarem responsavelmente a factibilidade" de criar tal cargo e apoiar a legislação que o possibilitaria.

O senador do PRD, Graco Ramírez, disse à emissora de rádio que ele concordava com a necessidade de um "secretário antidrogas" dado o poder crescente das organizações do tráfico de drogas, acrescentando, talvez desejosamente, que o cargo deveria ser ocupado por um oficial militar para "evitar a tentação de ser corrompido" pelos cartéis.

Sem dúvida, o "secretário antidrogas" seria um homem ocupado se o cargo for criado. Os funcionários do governo Calderón disseram aos repórteres que as incursões dos militares e da polícia a Michoacán e Tijuana provavelmente serão expandidas aos estados de Guerrero e Sinaloa.

Imposição da Lei: Mulher Presa por Preservativo Cheio de Farinha Ganha $180.000 em Acordo de Ação Judicial

Uma universitária de Bryn Mawr que foi detida e encarcerada durante três semanas por acusações de tráfico de drogas por portar preservativos cheios de farinha receberá $180.000 da cidade da Filadélfia em um acordo anunciado nesta semana. Janet Lee estava levando os preservativos, que as mulheres na universidade usavam como brinquedos de apertar quando estavam estressadas, em sua bagagem enquanto embarcava em um vôo em direção à casa dela em Los Ângeles a fim de passar as festas de Natal e Ano Novo. Os inspetores do aeroporto encontraram os preservativos e a polícia da Filadélfia disse que os exames toxicológicos preliminares indicavam que os preservativos continham ópio e heroína.

Lee passou as três semanas seguintes na cadeia da Filadélfia enquanto as autoridades ignoravam os protestos de inocência dela. Foi só quando os exames toxicológicos posteriores não confirmaram a presença de drogas que ela foi solta.

Após a sua soltura da cadeia e a retirada das queixas, Lee entrou com uma ação judicial de direitos civis contra a cidade. Ela estava agendada para ir a julgamento na quinta, mas os funcionários da cidade anunciaram na quarta que tinham concordado em pagar a Lee $180.000 para acabar com a ação.

"Sob estas circunstâncias, algo deu terrivelmente errado", disse o advogado de Lee, Jeffrey Ibrahim, ao Philadelphia Inquirer. "Estamos tentando garantir que nada desse tipo ocorra de novo".

Lee, uma novata na época da sua detenção, disse que não sabia que os traficantes de drogas usavam preservativos para levar drogas. "Fui ingênua, muito burra", disse ela.

[Nota do Editor: Os preservativos são usados pelas "mulas" que as engolem cheias de drogas e as levam nos seus estômagos quando viajam ao país; isso não é uma embalagem predileta para as drogas levadas fora do corpo, a saber, na própria bagagem.]

No entanto, a ingenuidade ainda não é uma infração criminal neste país nem levar farinha em um preservativo. Agora, a cidade da Filadélfia está pagando pelo seu zelo na guerra às drogas, apesar de se recusar a admitir o engano ou a responsabilidade.

Imposição da Lei: Pequenos Portadores de Drogas Não Serão Mais Acusados Como Criminosos em Wichita -- os Policiais Se Queixam

Segundo a lei do Kansas, o porte de qualquer quantidade de drogas pesadas é crime, mas os funcionários em Wichita, onde o sistema de justiça criminal está estremecendo sob o peso das acusações por drogas, decretaram que as pessoas pegas com menos de um quarto de grama de metanfetamina ou cocaína sejam acusadas de porte contraventor de apetrechos para consumo de drogas, recebam a intimação para comparecerem ao tribunal e sejam soltas. Alguns policiais de Wichita estão se queixando da mudança.

O passo mais recente em uma desintensificação de uma década dos processos dos delitos de drogas em Wichita aconteceu em novembro, quando os oficiais da polícia tiraram a jurisdição dos detetives de narcóticos, promotores e do laboratório forense quando apareciam pequenos portadores de drogas. Agora, tais apreensões são tratadas automaticamente como acusações contraventoras por apetrechos - a menos que o detido tenha antecedentes criminais ou seja integrante de uma gangue - e os detidos são liberados ao invés de serem autuados para entrarem na cadeia.

Antes de 1993, os promotores municipais acusavam rotineiramente as pessoas de porte criminoso de drogas se qualquer vestígio examinável de drogas pudesse ser encontrado, como resíduos em cachimbos de crack. Depois disso, eles aumentaram os níveis mínimos para quantidades "examináveis", o que eles disseram que era um décimo de um grama. Há dois anos, a pedido da polícia, o nível mínimo foi aumentado para um quarto de grama.

"Falando francamente, há tantos casos de apetrechos que podíamos obstruir o sistema de Tribunais Distritais se acusássemos todos como crimes", disse o Subdelegado da Polícia de Wichita, Tom Stolz, ao Wichita Eagle. A cidade processa uns 1.600 a 1.700 casos de delitos de drogas por ano.

Embora a polícia de Wichita esteja oficialmente por trás dos novos padrões, alguns oficiais de ronda estão descontentes com as mudanças nas políticas e acham que os usuários de drogas estão se safando com muita facilidade, disse o Sargento Chester Pinkston, presidente da Ordem Fraternal da Polícia de Wichita, ao Eagle. "Definitivamente, houve algumas reclamações sobre isso", disse, observando que o sindicato não tomou uma posição sobre a política.

Mas, Gary Steed, xerife da circundante Comarca de Sedgewick, cujos auxiliares ainda abrem acusações criminais por pequenas quantidades de cocaína ou metanfetamina, disse que simpatizava com os oficiais de Wichita. "Não dá para culpá-los por usarem os recursos deles da melhor maneira que podem", disse.

Imposição da Lei: Frente a Índices Crescentes de Assassinato, Newark e Nova Orleans Voltam-Se Para Estratégias Repressivas da Guerra às Drogas

Com torrentes de assassinatos no início deste ano em Newark e Nova Orleans levando as preocupações públicas com os índices crescentes dos delitos de sangue em ambas cidades ao ponto de ebulição, os funcionários estão pedindo reforços nas duas cidades. Mas, as respostas dos funcionários municipais e da polícia em ambos os casos são essencialmente de mais da antiga abordagem aos problemas emaranhados de pobreza urbana, criminalidade, violência e o narcotráfico sob proibição. E se a marcha massiva barulhenta em Nova Orleans servir de indício, talvez alguns cidadãos estejam começando a dizer já chega.

https://stopthedrugwar.org/files/neworleans1.jpg
polícia de Nova Orleans (cortesia de portland.indymedia.org)
Em Newark, o prefeito Cory Booker e o seu diretor de polícia anunciaram na segunda-feira que vão tentar atacar o índice crescente de homicídios da cidade formando uma nova divisão central de combate aos entorpecentes. Com cinco mortos neste ano, todos relacionados com as drogas, de acordo com os funcionários municipais, a cidade está a caminho de exceder os 104 assassinatos do ano passado, o maior número em uma década.

"Está claro que temos um problema", disse Booker enquanto anunciava o programa. "Estes últimos sete dias - não podemos evitá-lo, não podemos desculpar-nos por isso". A sua platéia no pronunciamento incluía altos oficiais da polícia, membros da Divisão Central de Combate aos Entorpecentes (como se chama a nova unidade) e o diretor municipal da Administração de Repressão às Drogas (DEA).

"O importante é isto: Se quisermos reduzir a violência nesta cidade, temos que afetar o narcotráfico", disse o diretor da polícia, Garry McCarthy. Em uma prosa inquietantemente evocadora do discurso do presidente Bush sobre o Iraque na quarta-feira, McCarthy falou de uma "praça de guerra" para varrer os narcotraficantes e o crime relacionado dos bairros da cidade e mantê-los fora. "É importante que peguemos os bandidos antes que se matem uns aos outros e firam outras pessoas nesta cidade", disse o Sr. McCarthy.

Enquanto isso, Nova Orleans, afrontada por nove assassinatos nos primeiros oito dias deste ano, anunciou uma operação contra os crimes de sangue. "Estamos traçando uma linha na areia que diz já chega", disse Nagin na terça-feira. "Vamos pôr todos os nossos recursos para nos concentrarmos no assassinato e nos crimes de sangue". O plano de Nagin inclui a objetivação dos crimes de sangue ao dirigir postos de controle da polícia entre 2:00 e 6:00 da manhã, quando cerca de um terço dos crimes de sangue da cidade acontece. Apesar da decisão da Suprema Corte de 2000 que pronunciou inconstitucionais os postos de controle cujo propósito seja a repressão legal mais do que a segurança pública (por exemplo, checagens de carteiras de motorista, checagens de sobriedade), os funcionários de Nova Orleans declararam abertamente que vão usar os postos de controle para procurarem infrações relacionadas às drogas e ao álcool, assim como para checarem as carteiras de motorista e o seguro.

Em geral, o sistema de justiça penal da cidade continua arruinado após a desgraça do Katrina, com cadeias transbordando e os tribunais restaurados e ainda lidando com os casos pré-Katrina. Desde a tempestade, a Polícia de Nova Orleans encolheu de 1.700 para 1.400, mas a criminalidade esteve em alta apesar de a população da cidade ter encolhido de 455.000 antes da tempestade para 200.000 agora.

Hoje, uns 3.000 moradores de Nova Orleans levaram o seu descontentamento supurante, tanto com a polícia quanto com os criminosos, às ruas. "Policiais Corruptos Não Podem Limpar a Nossa Cidade" [Dirty Cops Can't Clean Up Our City], dizia um cartaz.

A cidade já está sendo patrulhada por uns 300 efetivos da Guarda Nacional e 60 policiais estaduais. Eles vieram no verão passado depois que cinco adolescentes foram mortos em uma noite. Segundo consta, a governadora Kathleen Blanco estava em reuniões na quarta-feira com os oficiais da Guarda Nacional e da polícia estadual para discutir a situação.

A situação é igualmente bizarra, se não igualmente perigosa, do outro lado do rio em Gretna. Ali, na suburbana Paróquia de Jefferson, o Xerife Harry Lee atribui a desaceleração nas matanças ali ao uso de veículos blindados da sua corporação. "Temos o dinheiro e vamos gastá-lo em coisas que nos ajudem a combater este problema", disse Lee na quarta-feira em uma entrevista coletiva em Gretna. Ele também está iniciando uma unidade conhecida pelas varreduras agressivas que teve que dissolver em 2004 após alegações de consumo de esteróides e outras infrações de parte dos seus oficiais.

Veículos blindados, postos de controle, praça de guerra, "revistar e deter". Que guerra é essa mesmo?

Imposição da Lei: As Estórias de Policiais Corruptos Desta Semana

Esconder maconha dentro de cannoli, pegar cocaína de uma cena de assassinato e revender cocaína estão no radar nesta semana, assim como uma investigação de contrabando de drogas em uma base da Força Aérea dos EUA na Inglaterra. Vamos ao que interessa:

Nas bases de Lakenheath e Mildenhall da Força Aérea dos EUA, uma dúzia de integrantes da Força Aérea estão sob investigação por suposto contrabando de drogas. Os oficiais da Força Aérea negaram os informes jornalísticos britânicos que dizem que aviões militares foram usados para contrabandear drogas, inclusive cocaína, maconha e êxtase, em aviões militares. A investigação começou em setembro e veio a lume em outubro. Ninguém foi acusado ainda, mas 11 militares de Lakenheath e um de Mildenhall estão sendo interrogados pelo Gabinete de Investigações Especiais da Força Aérea. Dois civis britânicos também estão sendo interrogados. Uns 27 militares, entre homens e mulheres, foram detidos em uma investigação de delitos de drogas em Lakenheath em 2002.

Em São Antônio, um oficial da polícia municipal está sob investigação por pegar cocaína de uma cena de crime. O Oficial Eric Rubio é acusado de pegar ums aco de cocaína da cena de um tiroteio. Rubio disse aos investigadores que se esqueceu que estava com as drogas e as levou para casa, daí as pôs na privada e deu a descarga. Porém, a unidade de Assuntos Internos do departamento está investigando se ele deveria ser acusado de adulteração de provas. Rubio está realizando trabalho de escritório até que investigação acabe.

Em Hempstead, Nova Iorque, um guarda da cadeia da Comarca de Nassau foi preso no dia 04 de janeiro após tentar contrabandear maconha enfiada em cannoli na cadeia. Rocco Bove, 24, foi preso após ter deixado uma caixa para um interno. Quando os oficiais o revistaram, encontraram maconha, papéis para enrolar, fósforos e uma pederneira dentro. Bove tirara o recheio dos cannoli, escondera a maconha dentro de sacos plásticos, então recheou novamente o revestimento tubular de massa frita. Bove foi suspenso sem direito a remuneração e acusado de encorajar o contrabando na prisão e de porte ilegal de maconha.

Em Orlando, um agente penitenciário da Flórida caiu em julgamento na semana passada pelo seu papel em organizar uma transação de 5kg902g de cocaína. Michael Wright, 29, tenente na Instalação Correcional de Indian River na Praia de Vero, foi indiciado junto com outro homem por uma acusação cada de conspiração para distribuir narcóticos após concordar em vender 5kg902g de cocaína por $20.000. A transação nunca aconteceu porque Wright e o seu cúmplice fugiram quando perceberam que um helicóptero da polícia circulava a área, mas logo foram presos. Wright pode pegar uma sentença mínima obrigatória de 10 anos de prisão se for declarado culpado.

Imposição da Lei: DEA É Relaxada no Trato do Dinheiro Confiscado, Descobre Auditoria

A Administração de Repressão às Drogas (DEA) tem normas prontas para salvaguardar as centenas de milhões de dólares de dinheiro confiscadas ou apreendidas dos suspeitos de delitos de drogas todos os anos, mas os agentes da DEA as ignoram em grande parte, descobriu uma revisão da Inspetoria Geral do Ministério da Justiça dos EUA. O trato relaxado de todo esse dinheiro serve de convite ao roubo e à corrupção, advertiu a auditoria.

https://stopthedrugwar.org/files/seizedcash.jpg
dinheiro confiscado
A auditoria examinou os milhares de apreensões entre outubro de 2003 e novembro de 2005. Durante esse período, os agentes da DEA conduziram mais de 16.000 apreensões que totalizaram cerca de $616 milhões. De acordo com Inspetor Geral do Ministério da Justiça, Glenn Fine, autor da auditoria, os agentes da DEA freqüentemente não contavam o dinheiro que apreensão, freqüentemente não davam recibos, raramente se importavam em registrar as apreensões nos livros de contabilidade da agência e freqüentemente não faziam que os seus colegas testemunhassem a contagem e o trato do dinheiro.

"Não estabelecer controles eficazes para salvaguardar o dinheiro confiscado pode levar a discrepâncias, acusações de roubo ou apropriação indevida do dinheiro confiscado", escreveu Fine em uma demonstração de modéstia burocrática.

Os procedimentos relaxados levaram a pelo menos 12 exemplos em que ou o Gabinete de Responsabilidade Profissional (OPR) da DEA ou a Divisão de Investigações da Inspetoria Geral investigou alegações de dinheiro roubado ou desaparecido, observou Fine. "As investigações mostraram que o pessoal da DEA não seguiu os controles estabelecidos para salvaguardar o dinheiro confiscado", escreveu. "Os problemas identificados incluem agentes que não contaram o dinheiro apreendido, não dar um recibo DEA-12 ao suspeito e transportar o dinheiro confiscado sem testemunha presente".

Meio que te faz pensar quanto dinheiro ficou de pé e saiu andando, não é?

Matéria: Mais policiais morreram ordenando o trânsito do que travando a guerra às drogas no ano passado

No sábado a noite passado, o policial Calvin Jencks da Patrulha Rodoviária do Tennessee, parte da autodescrita "alcatéia de lobos" de patrulheiros que vagueiam pelas estradas em busca de traficantes de drogas, descobriu o que estava procurando. Mas, quando ele parou um veículo com placa do Texas no fim daquela noite, os seus ocupantes o mataram. Quando foram presos pouco tempo depois, a polícia os descreveu de fato como entregadores de drogas. Assim, o patrulheiro Jencks virou outra baixa da lei na guerra às drogas.

https://stopthedrugwar.org/files/texasraid.jpg
menos perigoso para os policiais do que para os habitantes, pelo que parece
Essa é uma surpresa, não é? Fazer a guerra contra as drogas é perigoso e requer sacrifícios heróicos já que a polícia enfrenta rotineiramente narcotraficantes mortíferos e usuários de drogas transtornados. Pelo menos, essa é a linha oficial, rotineiramente promulgada por oficiais da lei que falam de cartéis e traficantes letais que usam armamento potente. Essa é uma idéia reforçada por inúmeros programas da tevê que glorificam a polícia como a "linha azul fina" que, em grande perigo pessoal, nos protege daqueles drogados. Na verdade, o bravo oficial que luta a guerra às drogas é uma parte oficial da mística venerável que rodeia os homens e mulheres de azul.

Parece que embora impor as leis sobre as drogas não seja tão seguro, estatisticamente também não é especialmente perigoso. De acordo com uma pesquisa da Crônica da Guerra Contra as Drogas baseada em relatórios no Officer.Com, que compila uma lista das mortes de todos os policiais no cumprimento do dever em todo o país com base em notas à imprensa do National Law Enforcement Officers Memorial Fund (NLEOMF), apesar de fazer cerca de dois milhões de detenções por drogas no ano passado, só quatro oficiais da polícia estadunidense foram mortos impondo as leis sobre as drogas e só em dois daqueles casos a imposição da legislação sobre as drogas foi a causa direta da morte. Um oficial disfarçado foi morto fazendo uma compra de drogas, um oficial foi morto entregando um mandado de busca de drogas, um patrulheiro rodoviário morreu em uma batida a caminho de uma apreensão de drogas e um oficial foi morto quando interveio em um conflito entre gangues rivais que traficavam drogas.

Eis aqui a lista completa:

  • Em março, o sargento Jeremy Newchurch do Gabinete do Xerife da Paróquia de Assumption da Luisiana foi morto a tiros em um conflito com um suspeito enquanto cumpria mandados de busca de drogas;
  • Em maio, o oficial Eduardo Chávez da Secretaria de Segurança Pública do Texas foi morto em um acidente de carro enquanto se dirigia a uma apreensão de drogas a oeste da Cidade de Sullivan;
  • Em dezembro, o agente Juan José Burgo-Vélez da Polícia de Porto Rico, 36, foi morto a tiros quando ele e outros oficiais intervieram em uma troca de tiros entre gangues narcotraficantes rivais.

O número de oficiais mortos na guerra às drogas no ano passado é similar, embora ligeiramente menor, ao dos últimos anos. Embora o NLEOMF não tenha lançado ainda dados oficiais sobre as mortes de oficiais relacionadas à repressão às drogas para o ano passado, fez isso para os anos anteriores. Sete oficiais foram mortos em incidentes relacionados às drogas em 2000, 13 em 2001, 2 em 2002, 13 em 2003, 14 em 2004 e 10 em 2005.

De acordo com o NLEOMF, 151 oficiais da lei morreram no cumprimento do dever no ano passado, mas mais da metade morreu em acidentes de estrada (61) ou eventos médicos relacionados ao trabalho, como ataques cardíacos (18). Um oficial foi morto a facadas, outro foi morto a golpes e 54 foram mortos por arma de fogo. De acordo com a compilação do Officer.com, mais oficiais da lei foram mortos ordenando o trânsito do que impondo as leis sobre as drogas.

Dado que há centenas de milhares de oficiais da lei nos EUA, esse não é um índice alto de mortalidade para o policiamento como profissão. De fato, ser um oficial da polícia nem entra na lista dos 10 empregos mais perigosos do Ministério do Trabalho dos EUA. (Para os curiosos, a ocupação mais perigosa é de lenhador, seguida em ordem por piloto de aeronave, pescador, metalúrgico, lixeiro e reciclador, agricultor, telhador, trabalhador da linha elétrica, caminhoneiro e taxista.)

Dado o índice baixo de mortalidade para a polícia na guerra às drogas - 4 mortes em 1,8 milhão de detenções -, os críticos das táticas severas da repressão legal, como a dependência de equipes paramilitarizadas à SWAT que cumprem mandados de busca de drogas e de detenção, têm ainda mais motivos para pensar se são realmente necessárias. De acordo com algumas estimativas citadas em Overkill: The Rise of Paramilitary Police Raids in America do analista de políticas de liberdades civis, Radley Balko, até 40.000 reides da SWAT, a maioria deles por drogas, acontecem todos os anos agora.

"Isto sugere que os infratores da legislação antidrogas não são os criminosos violentos que a polícia retrata amiúde, particularmente as pessoas pobres contra as quais estas táticas da SWAT estão dirigidas freqüentemente", disse Balko à Crônica. "Também respalda os estudos que dizem que armas são raramente encontradas, e quanto são, não são o tipo de armamento potente de alto calibre que os defensores da SWAT sempre dizem que vão encontrar".

Ronald Sloan, diretor da National Narcotics Officers' Associations Coalition, parecia perplexo com os baixos números de fatalidades na guerra às drogas da polícia, mas ainda defendia as táticas agressivas da polícia. "O meu parceiro foi morto em um reide antidrogas", disse ele à Crônica. "Fui um oficial de narcóticos durante 20 anos. É o trabalho mais perigoso que existe". Quanto aos reides da SWAT, disse Sloan, "Esses caras são treinados para essas situações. Têm menos chances de serem alvejados do que um bando de agentes antinarcóticos chutando a porta".

Jack Cole, diretor executivo da Law Enforcement Against Prohibition, também tem uma longa experiência como agente de repressão aos entorpecentes. "Não me preocupava muito com que alguém tentasse me matar. Não os narcotraficantes; são homens de negócios, eles preferem fugir da polícia do que atirar nela, porque sabem que então haveria mais mil policiais para persegui-los".

Mas, foi outro predador engendrado pela proibição que preocupou Cole enquanto fazia o trabalho disfarçado. "O único grupo com o qual estávamos preocupados não era o dos traficantes, mas o dos artistas da extorsão que acham que estão roubando o dinheiro de apenas um traficante, atiram nele e ficam com o dinheiro. Eles nem sequer sabem que você é um policial".

Para Cole, a forte dependência dos reides à SWAT é desnecessária e perigosa, pelo menos para os civis envolvidos. "Quando se considera o número de pessoas mortas nos reides da SWAT, é excessivo", disse. "Como aquela senhora de 92 anos em Atlanta, Kathryn Johnston. A SWAT cria este tipo de situação".

Embora não existam dados seguros sobre o número de pessoas mortas nos reides antidrogas da polícia, “Overkill” de Balko lista dúzias de incidentes em que civis, alguns inocentes, alguns culpados de um delito de drogas, foram mortos ou feridos, e mais em que a polícia atirou no cachorro. O mesmo relatório também lista os incidentes em que os oficiais da polícia morreram em reides antidrogas. Como vimos, embora o número de policiais mortos na guerra às drogas seja baixo, os reides também os matam às vezes.

Parece que, na guerra às drogas pelo menos, os policiais são muito bons em proteger a si mesmos. Agora, a pergunta é: quem nos protegerá deles?

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, Vaping, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Pill Testing, Safer Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psilocybin / Magic Mushrooms, Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School