Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Feature: US Uses Annual Drug Certification Report to Attack Bolivia, Venezuela

The Bush administration released its annual "Presidential Determination on Major Drug Transit or Major Illicit Drug Producing Countries" report Monday, and both the report itself and Bush administration spokesmen used the occasion to launch attacks on Bolivia and Venezuela. The attack on Bolivia is related to the shift away from the forced eradication of coca crops under the "zero cocaine, not zero coca" policy of President Evo Morales, but the attack on Venezuela, which is neither a major drug producing country nor unusual in the region in being used as a transshipment point for Colombian cocaine, appears to have little to do with its adherence to US drug policy goals and much to do with the increasingly adversarial relationship between Venezuelan President Hugo Chavez and the Bush administration.

https://stopthedrugwar.org/files/boliviancoca.jpg
Bolivian coca (source: US State Dept.)
Chavez and Morales are close allies in an emerging left-leaning, anti-imperialistic axis in Latin America. Bolivia announced this week it is accepting Venezuelan assistance to construct new military facilities near the Paraguayan border.

The list of major drug producing or trafficking nations remains unchanged from last year. Included are Afghanistan, the Bahamas, Bolivia, Brazil, Colombia, Dominican Republic, Ecuador, Guatemala, Haiti, India, Jamaica, Laos, Mexico, Myanmar, Nigeria, Pakistan, Panama, Paraguay, Peru and Venezuela.

Only two nations -- Myanmar and Venezuela -- were determined to have "failed demonstrably" to meet their obligations under international drug control treaties. Myanmar has reduced opium production, but remains an isolated military dictatorship. Sanctions against Venezuela were nevertheless waived, because of a belief by the administration "programs to aid Venezuela's democratic institutions are vital to the national interests of the United States" (though many in the hemisphere have suspicions about what that really means since the administration's tacit support for an attempted coup against Chavez in April 2002 and because of where the money is going).

"Venezuela's importance as a transshipment point for drugs bound for the United States and Europe has continued to increase in the past 12 months, a situation both enabled and exploited by corrupt Venezuelan officials," press secretary Snow charged.

The Bush administration might have a little more traction with such charges if it did not single out Venezuela. Mexico, for instance, is not mentioned in the text of the annual report except in the list of major trafficking nations despite rampant corruption, drug trade-related violence at record levels, and a government response that is curiously supine. Nor is Guatemala mentioned, despite the fact that the head of its anti-drug agency, Adam Castillo, pleaded guilty in federal court in Washington just two weeks ago to conspiring to smuggle cocaine into the country.

"This is the same charade they go through every year," said Sanho Tree, head of the Institute for Policy Studies Drug Policy Project. "These are essentially political determinations." The waiver to continue funneling money to anti-Chavez groups is a clear sign of that, Tree said. "If they decertify Venezuela without the waiver, they can't funnel all that money through the so-called pro-democracy opposition," he told Drug War Chronicle.

The Venezuelan government, for its part, rejected its designation as a failed partner in the war on drugs and accused the US government of "politicizing" international anti-drug policy. In an official statement issued Monday, the government said, "Venezuela denounces the continued politicization of important bilateral issues by the US State Department. The Bush administration consciously continues to practice a policy of substituting facts by unfounded statements, driven by simple political differences, the explicit purpose of which is to isolate Venezuela."

The statement went on to note that Venezuela had seized more than 35,000 kilograms of drugs last year and that its anti-drug efforts had won international praise. In comments earlier this month, British officials praised Venezuela's "tremendous cooperation" in fighting drugs, while the French talked of "intense cooperation" and the Spanish said Venezuelan authorities "are efficient in registering and detaining individuals that could be transporting drugs."

The Venezuelan statement also carried an implicit threat. The Chavez government threw the DEA out of Venezuela last year amid accusations it was spying on the Venezuelan government, and since then, the two countries have been negotiating a new agreement allowing the agency to operate there. "Baseless accusations, such as those contained in the Bush administration's report, will not help finalize an agreement as important as this one," the statement warned.

While the Bush attack on Venezuela's anti-drug record stinks of global power politics, its criticism of Bolivia is based on more traditional US drug policy concerns. "My administration is concerned with the decline in Bolivian counternarcotics cooperation since October 2005," Bush said in the report. "Bolivia, the world's third largest producer of cocaine, has undertaken policies that have allowed the expansion of coca cultivation and slowed the pace of eradication until mid-year, when it picked up. The Government of Bolivia's (GOB) policy of 'zero cocaine, but not zero coca' has focused primarily on interdiction, to the near exclusion of its necessary complements, eradication and alternative development."

White House press secretary Tony Snow amplified those remarks at a Monday press conference. "Despite increased drug interdiction, Bolivia has undertaken policies that have allowed the expansion of coca cultivation and have significantly curtailed eradication," he said. Snow warned that the US government is waiting to see whether the Bolivian government will eradicate minimum acreages, make changes to Bolivian law desired by the US, and tightly control the sale of coca leaf. The US will review Bolivia's compliance with US drug policy goals in six months, he said.

The Bolivians responded with only slightly less asperity than the Venezuelans. "The administration of the United States has a mistaken reading with respect to Bolivian anti-drug policy," said government spokesman Alex Contreras in an official statement Monday. "Bolivia invites the United States to join the policy of zero cocaine and to recall that it is the principal producer of precursor chemicals to transform coca into cocaine. Also, it has the largest market of illegal drug consumers."

The Bolivian government will accomplish its goal of eradicating 5,000 hectares of coca this year, Contreras said, adding that that benchmark "will have been smoothly surpassed, not by the imposition of the US government, but by our own will and without using any tear gas, let alone repression and confrontations," a clear reference to the bloody conflicts between coca growers and former Bolivian governments that attempted to impose US-style forced eradication policies.

Voluntary eradication is indeed going on, said Kathryn Ledebur of the Bolivia-based Andean Information Network, who questioned the Bush administration's strict timelines. "I find it ironic that forced eradication took nine months during the Banzer administration and now they want radical results in six months. No nation can comply with that," she told the Chronicle. "The real sticking point is the six-month deadline to eliminate farmers' personal coca plots. That could push the Bolivian government to the breaking point. This suggests the Bush administration has no real idea what should be done, but it wants a firm scolding on the record."

Ledebur also found irony in the US complaints about the lack of progress with alternative development. "That is funded and driven by the US," she pointed out.

Both Ledebur and Tree agreed that Bolivia is energetically tackling the cocaine trade. "The interdiction of cocaine is a concrete result the Bolivian government can point to," said Tree. "Coca does not equal cocaine, and until it does become cocaine, coca should be a domestic matter and not something on the US agenda. If Bolivia can successfully regulate where the coca goes, it should not be an issue. Evaluating Bolivia on how many hectares of coca it eradicates is a meaningless metric."

Feature: House Votes to Require School Districts to Allow Random, Warrantless Mass Search Policies

In a voice vote Tuesday night, the US House of Representatives voted to approve a measure that would force school districts across the country to adopt policies allowing teachers and school officials to conduct random, warrantless searches of all students at any time based on the "reasonable suspicion" that one student may be carrying drugs or weapons. Sponsored by Rep. Geoff Davis (R-KY), the Student Safety Act of 2006 (H.R. 5295) had no committee hearings and was fast-tracked to the House floor.

https://stopthedrugwar.org/files/stratfordraid.jpg
Expect more of this if the Davis bill passes.
"Drugs and violence don't belong in our schools," said Rep. Davis during floor debate Tuesday. "I am a firm believer in our Constitution and our Bill of Rights, and this legislation doesn't offer a blank check to anyone to conduct random arbitrary searches. The Supreme Court has held that teachers and school officials can use their judgment to make decisions that will help control their classrooms and protect their students. This is simple, commonsense legislation."

Actually, the bill does not offer a blank check for searches, it forces it down school districts' throats. According to an analysis of the bill by the Congressional Research Service, it "requires states, local educational agencies, and school districts to deem a search of any minor student on public school grounds to be reasonable and permissible if conducted by a full-time teacher or school official, acting on any colorable [changed in the final version to "reasonable"] suspicion based on professional experience and judgment, to ensure that the school remain free of all weapons, dangerous materials, or illegal narcotics." And just to make sure school districts get the message, the analysis notes, the bill "denies Safe Schools and Citizenship Education funds, provided under the Elementary and Secondary Education Act of 1965, to states, local educational agencies, and school districts that fail to deem such searches reasonable and permissible."

Some House Democrats stood up to oppose the bill. "This bill would strip funding from any school district that decides local teachers and administrators know better than Congress how to make their schools safe," said Rep. Lynn Woolsey (D-CA). "It is a mistake to assume that every student is as guilty as some troubled person. We will stop any new program that would label all youth as guilty," she vowed.

"As someone who taught for six years in one of the toughest schools and communities in the country, I have serious reservations about what this legislation actually does," said Rep. Danny Davis (D-IL). "I am not alone. The American Association of School Administrators, the National School Boards Association, the PTA, the ACLU, the American Federation of Teachers, and my own Chicago school district all have concerns. We are concerned that this legislation overrides already enacted school search policies for a one-size-fits-all policy. This bill establishes a policy that gives teachers the authority to conduct searches when that authority should rest with the school board. And it penalizes schools for noncompliance by withholding Safe and Drug-Free Schools Act funds. While we all want our schools to be safe and secure places, this bill is duplicative, unnecessary, and takes away rights that should be reserved to local communities."

While Democrats spoke against the bill in debate Tuesday night, none took the simple step of asking for a roll-call vote, which might have resulted in a defeat for the measure. Since the bill was fast-tracked, it required a two-thirds vote in the House, and it is not clear that the bill could have reached that hurdle had members been forced to vote on the record. The bill now moves to the Senate for consideration.

"We're disappointed not only with the House in passing this bill, but with the cowardice displayed by the Democrats in not calling for a roll call vote to get legislators on the record," said Tom Angell, communications director for Students for Sensible Drug Policy (SSDP). "Any member could have called for a roll call vote, but nobody did, and that could have made a difference. Not a single member of Congress felt it was important enough to get their colleagues on the record on this issue," he told Drug War Chronicle.

Along with DRCNet and the Drug Policy Alliance, SSDP worked with extremely short notice to mobilize opposition to the bill, which was thought to have died a peaceful death but was revived at the last minute as a campaign maneuver by Rep. Davis. The drug reform groups opposing the bill were joined by the ACLU and a number of education groups. The only major education group supporting the bill is the National Education Association.

"We did pretty good analysis when we got the legislation, and the thing that really hung us up was the way they defined searches as an activity performed by a full-time teacher or public school official," said Tor Cowan, director of legislation for the American Federation of Teachers, which opposed the bill. "We don't think teachers are trained to be police officers. If a teacher believes a student is carrying a weapon or in possession of drugs, they should direct that to the vice-principal or dean of discipline, who has been trained by the district as to what's allowable, and he would determine what the next step should be. That is preferable to having 50 school teachers, all with a different understanding of what reasonable suspicion meant, try to do this," he told Drug War Chronicle.

"From an administrator's perspective," Cowan continued, "they feel like they have policies in place that could be jeopardized by this bill. We already have enough federal requirements and mandates, and this could lead to challenges of policies that have already been settled by the Supreme Court. The court gives a pretty wide berth to school districts when it comes to establishing reasonable suspicion."

Although Republican legislators Tuesday night hammered away at the theme that the bill would protect the safety of teachers and students alike, Cowan bristled at the implication that bill opponents were not concerned with security. "It is a false argument to say that people who didn't support this don't care about school safety," he said. "It is already very clearly in a teacher's self-interest -- not only in herself, but in her students', and her school's -- to report her suspicions that a student is carrying a weapon or using drugs to the appropriate administrator in the school. The means are already there to ensure security and make sure schools remain drug- and violence-free."

"We have a couple of issues with this bill, too" said Bill Piper, director of national affairs for the Drug Policy Alliance, one of the drug reform groups leading the opposition. "First, Congress is saying if you don't set a policy allowing teachers and administrators to search students, then you won't get federal money. The bill's authors say they are just trying to maintain the status quo, but that's absurd. School districts now can set their own policies and they should be able to set their own policies. If they want to protect the privacy rights of students, they should be able to do so without fear of losing federal funding," he told the Chronicle.

"Second, the way this bill is worded, it strongly implies that the school district's policy has to be one where they can conduct random mass searches," Piper continued. "If the principle hears a rumor that someone is selling marijuana, he could search every student in the building, and whether those kinds of searches will be constitutional is anybody's guess. Our big concern is that school administrators will get the wrong idea about the limits of their constitutional powers."

"In the controlling Supreme Court cases on these searches, the court held that school administrators did not need probable cause to search students, only 'reasonable suspicion,' which is a lesser standard," said Jesselyn McCurdy, legislative counsel at the ACLU's Washington Legislative Office. "But the court did not specifically rule on whether or not there has to be individualized suspicion; in fact, in its decision, it specifically said it was not expressing an opinion on mass searches," she told the Chronicle.

"We worry that the vague language in the bill will lead administrators to think they can do massive, sweeping searches like they did at Goose Creek," the site of a now notorious drug raid where police with drawn weapons and police dogs invaded a South Carolina high school, McCurdy said. "Regardless of whether the bill actually allows that, it is kind of silly. You can pass any bill you want, but if it's unconstitutional, someone will challenge it and force the Supreme Court to determine its constitutionality. Given that most school districts already have policies on school searches in place, this will only cause more confusion about what schools can and cannot do."

"We oppose this legislation because it is a one-size-fits-all blanket policy mandated from Washington," SSDP's Angell explained. "It sends the message that Congress knows better than school administrators how to keep drugs out of schools, and that is offensive, which is why all those education groups spoke out against it. If this becomes law, we're in danger of seeing more Goose Creek-style raids. A lot of schools already allow searches based on the rather flimsy reasonable suspicion standard, but they currently have a choice. Now Congress is trying to make them do that under the threat of losing federal funding."

Now the bill moves to the Senate, where reformers hope it dies a quiet death. If not, they are prepared to put a stake through its heart. "We'll be keeping a watchful eye on the Senate to ensure they don't try to sneak this bill into law," said Angell. "Lots of times at the end of the session things get tacked onto totally unrelated bills, and we're very wary of that. We'll be alerting the masses and asking people to call the Senate if we get word this bill is moving," he said.

While the opposition effort didn't manage to stop the bill in the House, organizations managed to deliver thousands of e-mails and countless phone calls to representatives in less than a week. And they'll be watching what happens next.

Erramos: A Verdadeira UISCE Pode Nos Fazer o Favor de Se Levantar?

Na nossa matéria da semana passada sobre Jerry Cameron da Law Enforcement Against Prohibition causando comoção quando apareceu em uma conferência na Irlanda, identificamos erradamente um dos patrocinadores da conferência. A UISCE que co-patrocinou a conferência é um grupo irlandês de usuários de drogas (cujo nome verdadeiro ainda não sabemos), não o grupo gaélico de desenvolvimento da juventude que relacionamos na matéria.

Oportunidades de Emprego: Marijuana Policy Project, DC e LA

O Marijuana Policy Project tem as seguintes oportunidades de emprego:

Vice-Diretor de Comunicação:

O MPP está contratando um Vice-Diretor de Comunicação para trabalhar em Washington, DC. O Vice-Diretor de Comunicação promove a mensagem do MPP para a mídia e escreve e edita folhetos e outro material para distribuição pública. Este cargo é uma excelente oportunidade de trabalhar nas linhas de frente de uma organização de advocacia que aparece e é citada regularmente nos noticiários – tanto local quanto nacionalmente.

Os candidatos devem ter excelentes habilidades de comunicação oral, redação impecável, boas habilidades em edição e a capacidade de realizar entrevistas e emissoras de rádio (e eventualmente dar entrevistas na tevê).

Diretor de Relações VIP:

O MPP também está procurando um Diretor de Relações VIP para aumentar a rede de celebridades que estão dispostas a ajudar o MPP a acabar com a proibição da maconha nos EUA. (Por favor, visite www.mpp-vip.org para saber mais sobre o esforço de contato com as celebridades do MPP.) O Diretor de Relações VIP – que é responsável por coordenar o contato do MPP com as celebridades, manter as relações com as celebridades e outras pessoas muito especiais e organizar eventos de alta visibilidade – deve ser persistente e conhecedor dos modos de Hollywood, altamente organizado e localizado em Los Ângeles.

Para ambos os cargos, por favor visite http://www.mpp.org/jobs para a descrição completa dos trabalhos, informação salarial e instruções sobre como se candidatar.

Semanal: Esta Semana na História

21 de Setembro de 1969: Em uma tentativa de reduzir o contrabando de maconha oriundo do México, o Departamento de Alfândegas, sob a direção do Comissário Myles Ambrose, agindo sob as ordens do Presidente Richard Nixon, lança a Operação Intercepte [Operation Intercept], submetendo todo veículo que cruzar a fronteira mexicana a uma inspeção de três minutos, o que, para muitos observadores, marca o começo da guerra moderna contra as drogas. A operação dura duas semanas e desordena a economia em ambos os lados da fronteira, mas não consegue impactar seriamente o fluxo de maconha para os EUA.

19 de Setembro de 1986: O Juiz Federal H. Lee Sarokin diz, “O exame toxicológico é uma forma de vigilância, embora tecnológica. Não obstante, ele informa sobre as atividades extra-oficiais de uma pessoa com tanta segurança como se alguém houvesse estado presente e observando. É o nascimento da sociedade do Grande Irmão de George Orwell”.

17 de Setembro de 1998: 93 congressistas votam sim na primeira votação sobre a maconha medicinal a acontecer na Câmara.

20 de Setembro de 1999: O público é finalmente informado sobre os resultados da Iniciativa 59 de Washington, DC, a Iniciativa de Legalização da Maconha para Tratamento Médico de 1998 [ Legalization of Marijuana for Medical Treatment Initiative of 1998], depois que o Juiz Richard Roberts ordena o lançamento da conta anteriormente suprimida pelo Congresso. Os eleitores tinham apoiado a maconha medicinal por 69-31%.

17 de Setembro de 2002: Os funcionários de Santa Cruz, Califórnia permitem uma entrega de maconha medicinal no Paço Municipal em protesto contra os reides federais.

19 de Setembro de 2002: O Guardian (UK) informa que Mo Mowlam, a ex-ministra responsável pelas políticas de drogas, está pedindo a legalização internacional do tráfico de drogas como parte de um esforço mais eficiente de combate ao terrorismo.

16 de Setembro de 2003: Os eleitores de Seattle aprovam a Iniciativa 75 por 57,8% a 42,2%. A I-75 instriu que a polícia e os promotores municipais tornem o porte adulto de maconha a menor prioridade deles.

21 de Setembro de 2004: Em um discurso, o Presidente da Câmara dos Deputados Federais, Dennis Hastert (R-IL), diz, “O tráfico ilegal de drogas é o motor financeiro que fomenta muitas organizações terroristas ao redor do mundo, inclusive Osama bin Laden”.

Oportunidades de Emprego: Três Cargos na Drug Policy Alliance

O escritório de Washington, DC da Drug Policy Alliance está fazendo contratações para três cargos:

Vice-Diretor de Assuntos Nacionais:

O Vice-Diretor de Assuntos Nacionais trabalha com o Diretor de Assuntos Nacionais para promover a reforma das políticas de drogas no capitólio nacional, influenciar a legislação e as normas federais e mudar o debate nacional acerca das políticas de drogas. As responsabilidades do emprego incluem rastrear e analisar a legislação federal e as políticas do poder executivo; trabalhar com os departamentos de comunicação por Internet e filiação para mobilizar os defensores a agirem; redigir documentos, comunicados e outros materiais de pressão legislativa; administrar o trabalho dos estagiários do escritório; planejar sessões informativas no Congresso e demais eventos; e comunicar as posições da Alliance com as pessoas e representantes do Congresso das outras organizações.

As qualificações incluem: Pelo menos 3 anos de experiência em advocacia ou políticas públicas; experiência na coordenação de campanhas legislativas (pressão, mídia, mobilização de base, etc.); conhecimento do processo legislativo federal (a experiência no capitólio, especialmente na saúde, no judiciário ou nas apropriações, é um bônus); boas habilidades de pesquisa, escrita e oratória; forte atenção ao detalhe.

As responsabilidades incluem:

Rastreamento Legislativo: Usa CQ, Thomas e outros serviços para rastrear o status da legislação federal relacionada às drogas; lê, resume e analisa a legislação e as políticas executivas e mantém uma base de dados legislativa; monitora as audiências dos comitês, mantém arquivos sobre o Congresso; avalia e recomenda vários serviços legislativos, como os sistemas de busca de projetos, ferramentas ativistas e envio de faxes.

Pesquisa e Escrita: Escreve, desenvolve e difunde circulares, históricos, abaixo-assinados, informes sobre políticas e outros tipos de material de pressão; pesquisa e escreve sobre as questões fundamentais de políticas; fala sobre as questões de reforma das políticas de drogas nas conferências.

Supervisão dos Estagiários: Administra o programa de estágios, inclui fazer propaganda do programa, leitura de candidaturas, entrevista com candidatos e contratação e gerência dos estagiários.

Pressão e Contato: Conscientiza os empregados do Congresso e os demais sobre a legislação e as políticas executivas; representa a Alliance em conferências, reuniões e eventos de rede e constrói relações com as outras organizações; planeja sessões do Congresso e outros eventos; organiza as reuniões de coalizão da Alliance, inclusive manter listas de convidados e recrutar novos membros.

Bases de Apoio: Trabalha com o departamento de comunicação pela Internet e com o departamento de filiação para mobilizar os defensores a ligar/escrever/enviar faxes aos representantes deles; redige avisos, conteúdo na rede e textos de fax para o componente Ação da nossa página; trabalha com outros grupos para fazer que enviem os alertas e ponham anúncios nas suas páginas a respeito das campanhas da DPA.

A DPA oferece um pacote excelente de benefícios que inclui seguro de saúde, plano odontológico, oftalmológico e de invalidez, além de seguro de vida; um plano 403(b) generoso; e quatro semanas de férias remuneradas.

Este cargo está disponível até que seja preenchido. Envie uma carta que descreve o seu interesse e contenha currículo e amostra escrita (que não seja editada por terceiros) para: Bill Piper, Drug Policy Alliance, 925 15th Street NW, 2º Andar, Washington, DC 20005 fax: (202) 216-0803, e-mail: [email protected]. Incentivam-se os envios de mensagens eletrônicas (por favor, use “Vice-Diretor” no campo assunto) – não ligue, por favor.

Assistente Legislativo:

O Assistente Legislativo é responsável por rastrear e analisar a legislação federal e as políticas do poder executivo que pertençam à guerra contra as drogas, desenvolve materiais de pressão, pesquisa as questões, planeja eventos, assiste os outros empregados e coordena projetos especiais.

As qualificações incluem: Alguma experiência com leis ou advocacia; excelentes habilidades de pesquisa e redação; forte atenção ao detalhe.

A DPA oferece um pacote excelente de benefícios que inclui seguro de saúde, plano odontológico, oftalmológico e de invalidez, além de seguro de vida; um plano 403(b) generoso; e quatro semanas de férias remuneradas.

Este cargo está disponível até que seja preenchido. Envie uma carta que descreve o seu interesse e contenha currículo e amostra escrita (que não seja editada por terceiros) para: Bill Piper, Drug Policy Alliance, 925 15th Street NW, 2º Andar, Washington, DC 20005 fax: (202) 216-0803, e-mail: [email protected]. Incentivam-se os envios de mensagens eletrônicas (por favor, use “Assistente Legislativo” no campo assunto) – não ligue, por favor.

Gerente/Recepcionista de Meio-Período:

O gerente administrativo supervisiona as operações diárias do escritório da Alliance em Washington, DC. Os deveres incluem, mas não estão limitados a, atender o telefone, encontrar-se com os visitantes e cumprimentá-los, procurar e pedir os suplementos do escritório, processar a correspondência, lidar com os problemas de manutenção do escritório e assistir o pessoal. Os candidatos devem ser organizados, amigáveis, ponderados e falar bem ao telefone. Dá-se preferência ao compromisso com a reforma das políticas de drogas, mas isso não é essencial.

O cargo de Gerente Administrativo é de meio-período (25 horas por semana) e paga $12 por hora sem benefício nenhum.

Este cargo está disponível até que seja preenchido. Envie uma carta que descreve o seu interesse e contenha currículo e amostra escrita (que não seja editada por terceiros) para: Bill Piper, Drug Policy Alliance, 925 15th Street NW, 2º Andar, Washington, DC 20005 fax: (202) 216-0803, e-mail: [email protected]. Incentivam-se os envios de mensagens eletrônicas (por favor, use “Gerente Administrativo” no campo assunto) – não ligue, por favor.

A missão principal da Drug Policy Alliance (DPA), a importante organização de reforma das políticas de drogas do país, é avançar aquelas políticas e condutas que reduzam da melhor maneira os danos tanto do abuso químico quanto da guerra contra as drogas e proteger a soberania dos indivíduos sobre as suas mentes e os seus corpos. Entre outras coisas, a DPA trabalha para acabar com a proibição da maconha; revogar a condenação mínima obrigatória; promulgar alternativas ao encarceramento para os infratores não-violentos da legislação antidrogas; reduzir a dependência química, as overdoses de drogas e a disseminação do HIV/AIDS e da hepatite; e cortar os gastos dissipadores da guerra às drogas. (Para maiores informações sobre a Drug Policy Alliance, visite http://www.drugpolicy.org.)

A DPA está localizada na Cidade de Nova Iorque e mantém sete outros escritórios em quatro estados e o Distrito de Colúmbia. A DPA tem 46 empregados e é sustentada por 26.000 membros e 107.000 membros eletrônicos.

A Drug Policy Alliance é uma Empregadora de Oportunidade Igual. Mulheres, pessoas de cor e deficientes são incentivados a se candidatar.

Medical Marijuana: Rhode Island Program Begins to Kick In

Rhode Islanders are registering under the state's new medical marijuana program at a rate of just under one a day, according to health authorities. At least 131 patients have obtained state registration cards since the program got under way in April, and another 129 people have been certified as caregivers.

https://stopthedrugwar.org/files/rhondaodonnell.jpg
leading RI patient activist Rhonda O'Donnell, at DC protest
Rhode Island became the 11th state to legalize the medicinal use of marijuana in January. Under the Rhode Island law, patients with one of several chronic illnesses, including cancer and AIDS, must provide documentation from a doctor that the benefits of using marijuana for their condition outweigh the risks. The state Health Department then issues a registry card. Patients or their appointed caregivers may then possess up to 12 plants or 2.5 ounces of the weed.

Rhode Island law makes no provision for how patients are to obtain seeds or marijuana, and state health officials don't want to know, nor will they provide advice on where to get it. "I don't ask," said Charles Alexandre, chief of health professions regulation, the department that operates the program. "They frequently ask me where to get it. I have to do a bit of explaining," he told the Providence Journal.

According to Alexandre, 89 doctors have signed medical marijuana recommendations, alleviating fears that patients would end up going to a small number of "pot doctors."

Rhode Island is now joining the ranks of states where seriously ill patients may take their medicine in peace -- at least as long as the feds don't show up.

Southwest Asia: Proposal for Turning Afghan Opium Into Legal Morphine Gains Support

A proposal to license Afghanistan's illegal opium production and turn it into morphine for the legitimate global medicinal market picked up more support this week as the Italian Red Cross and the Afghan Red Crescent launched a campaign to promote the idea. While so-far scoffed at by the governments of Afghanistan, the US, and the NATO countries, the carefully researched licensing proposal from the Senlis Council, a European security, development, and drug policy think tank, has already won backing from some political figures in England and from the Italian government.

https://stopthedrugwar.org/files/opium-smaller.jpg
the opium trader's wares (photo by Chronicle editor Phil Smith during September 2005 visit to Afghanistan)
The United Nations reported less than three weeks ago that despite ongoing eradication efforts, Afghan opium cultivation had increased a whopping 60% and would produce an all-time record 6,100 tons of opium this year. Afghanistan currently accounts for 92% of illicit opium production worldwide.

According to the UN, some 2.9 million Afghans are involved in opium growing, representing more than 12% of the population. The crop will bring in an estimated $3 billion this year, with farmers pocketing about $750 million and the rest going to traffickers and their allies, who range from the Taliban and Al Qaeda to government ministers, members of parliament, and provincial governors and warlords.

In a Monday press conference, the Italian Red Cross joined the campaign for the Senlis Council proposal. "This system we advocate provides for one part of the Afghan opium to be used to make legal morphine, rather than illegal heroin," Massimo Barra, president of the Italian Red Cross told reporters in Rome. To transform illicit poppy fields into licit ones would "reduce the importance of illegal practices in Afghanistan and would address the pain crisis in developing countries," where opium-based painkillers are needed to treat patients with cancer, AIDS and other diseases, Barra said.

The Afghan Red Crescent is also joining the call to adopt the Senlis proposal. The Crescent, the Italian Red Cross, and the Senlis Council also used the Monday press conference to announce the opening of a 50-bed hospital wing in Kabul for the treatment of drug addicts.

For Senlis Council executive director Emmanuel Reinert, who also addressed the press conference, eradication has proven ineffective and counterproductive because it is taking livelihoods away from hard-pressed farmers.

"Farmers right now do not have a choice; if they could, they'd want to do the right thing," he said, adding that it wouldn't be difficult to pay licensed farmers the equivalent of their net income from illegal cultivation. "The farmers will have the same financial incentive," Reinert said.

Europe: London Police More Likely to Arrest Blacks Than Whites for Marijuana Possession

A report from Scotland Yard, headquarters for London's Metropolitan Police, on race and marijuana arrests is leading to charges of racism. The report found that people from an African or Caribbean background made up 40% of all marijuana arrests in London, despite making up only 12% of the population. To make matters worse, once someone was stopped by police for violating the marijuana laws, he was more likely to be arrested if he was black.

The report looked at all 24,916 marijuana possession offences in the city between January and April of this year. It came as part of a broader study of marijuana policing since the weed was downgraded to a Class C drug in 2004. Since then, police have retained the power to arrest people for simple possession, but also have the option of issuing them a formal caution or giving them an informal "street warning."

They appear to be wielding that discretionary power in a discriminatory way. While 18.5% of blacks were arrested, only 14% of whites were. The numbers flipped when it came to those given a caution, with 19.3% of whites receiving them, compared to 14.2% of blacks.

Scotland Yard refused to blame racism in the ranks -- a sensitive topic in the Metropolitan Police in recent years -- and said "no remedial action is planned" pending further research. "We are undertaking further research of these figures in order to understand what the reason for the over-representation is," a police spokeswoman said. "It is not possible to reach a conclusion without this further work being conducted. The decision to arrest and charge will vary on a case by case basis and is often dependent on a complex variety of factors."

But George Rhoden, chairman of the Yard's Black Police Association, wasn't buying it. "It has got to be about racism. These figures show that racism plays a significant part in the way police deal with people of color," he told The Guardian. He said the police had been aware of the problem of disproportionality for many years. "So why are we still at this stage?"

Rhoden's criticism was joined by that of Dr. Richard Stone, who chaired an earlier commission looking at racism within the Metropolitan Police. Stone had "great sympathy" with Rhoden, he told The Guardian. "Where there is a disproportion of any kind you try to exclude any other possible reasons but none justify the continuing disproportion. You have to think the color of the suspect's skin is a significant factor. But the word racism has dropped off the agenda," he said.

Scotland Yard may not want to say the word, but the numbers speak for themselves.

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

Thank goodness the prison guards are keeping up their end of the bargain, because the police have been pretty well behaved this week. The one bad cops story we have this week actually appeared last week and was based on events that occurred last month. Let's get to it:

In Baltimore, the Baltimore Police Department has for the second time this year disbanded one of its "Special Enforcement Teams" and launched an internal investigation into its activities, jeopardizing dozens of pending criminal cases, the Baltimore Sun reported last week. The department disbanded the squad last month, but didn't announce it until last week. According to department spokesman Matt Jablow, the investigation involves "allegations of misconduct." "Sources close to the investigation" told the Sun the officers are accused of lying in charging documents, mostly involving drug arrests. Baltimore's "Special Enforcement Teams" are supposed to be "deployed in a rapid manner to respond to emerging violent crime problems throughout Baltimore," according to the department's 2005 annual report, but of the more than 7,000 arrests made by the Southeast-side SET, most were drug and nuisance cases. At the end of last December and into January, a Baltimore police "flex squad" on the Southwest side was disbanded after allegations that a woman was raped by officers. Those officers were also accused of stealing and planting evidence. They face trial in December. No officers have yet been arrested in the latest emerging scandal.

In Malone, New York, a veteran prison guard has been arrested for allegedly selling heroin to inmates at the Bare Hill Correctional Facility, the North Country Gazette reported Monday. Michael Bradish, 43, a 16-year officer, went down after a months-long investigation by the state Department of Corrections Inspector General's Office. He is charged with possession of a controlled substance, receiving a bribe, attempted possession of prison contraband, receiving a reward for official misconduct, and conspiracy. He is in the Franklin County Jail until and unless he comes up with $100,000 bail.

In Douglas, Arizona, an Arizona Department of Corrections officer was arrested last Friday on cocaine possession and sales charges. Prison guard Renee Dias, 29, was arrested at the Douglas Prison complex, the Douglas Dispatch reported. Officers serving a search warrant at Dias' home found a half-pound of cocaine valued at more than $5,000, according to the Douglas Police. Dias is charged with possession of narcotics, possession of narcotics for sale, and possession of drug paraphernalia. He is currently residing at the Cochise County Jail in nearby Bisbee.

Law Enforcement: Jackson, Mississippi's Mad Mayor Melton Indicted for Drug Enforcement Crimes

Jackson, Mississippi, Mayor Frank Melton was indicted last Friday on six felony counts related to the partial destruction of a suspected drug house last month. He was also charged with three gun violations, one of them a felony, and faces up to 50 years in prison. Two Jackson police detectives who acted as Melton's bodyguards were also indicted in the drug house attack.

https://stopthedrugwar.org/files/frankmelton.gif
Frank Melton as drug czar, with Gov. Ronnie Musgrove, 2002
Melton is a television executive who entered public service as Mississippi's "drug czar" in December 2002. He quickly made his mark, running illegal drug checkpoints and participating in busts even though he was not a certified law enforcement officer before being told to cease and desist by real law enforcement officials. He also made waves the following spring when he vowed to use unconstitutional means to go after meth cooks, with whom he was apparently obsessed.

As mayor of Jackson since July 2005, Melton has continued his vigilante-style drug warrior and crime-fighter antics. He kicked off his mayoralty with a three-day crime sweep "just to let people know we're out there," as he put it at the time. Those periodic sweeps, complete with Mayor Melton riding around in the Jackson Police Mobile Command Unit in a police commando uniform, continued throughout his tenure, including one last December that netted dozens of truant school children.

Melton's wannabe cop activities sparked community outrage and concern earlier this year, prompting Hinds County District Attorney Faye Peterson to investigate whether he had committed any crimes. The DA came up short in the spring, but when Melton, his bodyguards, and some of the teenage boys he typically has staying with him broke their way into what Melton called "a crack house" last month, he went too far.

Melton and his wrecking crew attacked the front of the home with sledgehammers, knocking down part of the front wall of a home rented by a man named Evans Welch. There was no evidence of cocaine trafficking, but Welch was arrested for misdemeanor marijuana possession and possession of drug paraphernalia. He has since been released from jail.

Melton and his gang were acting without a search warrant or any apparent probable cause. Now, he will get to try to convince a court that he should not be sent to prison for violating the law in his fevered enthusiasm for supporting it.

Although there is now a growing chorus of calls for his resignation, the crime-fighting mayor still has support within the city, including the poor Virden Addition neighborhood where the sledgehammer attack occurred. The Jackson Courier-Ledger reported Tuesday night that some 150 Melton supporters carrying signs reading things like "Find Frank Melton Not Guilty" converged on a Jackson city council meeting that evening to demonstrate their support.

Law Enforcement: Cops Used Hidden High-Tech Surveillance on Kansas Rock Festival-Goers

Drug War Chronicle reported in June on the "traffic enforcement and sobriety checkpoints" set up to snare attendees at the Wakarusa Music Festival outside Lawrence, Kansas. Little did we or anybody know that was the least of what law enforcement was up to. Now it turns out that state and local law enforcement officials teamed up with a California-based high-tech security and surveillance company to put the festival and its 50,000 attendees under constant, high-resolution video surveillance.

In what was in essence a state-sponsored marketing ploy by NS Microwave, Inc., the manufacturer of the technology, members of the FBI, the DEA, the Kansas Bureau of Investigation, the Lawrence Police Department and the Douglas County Sheriff's Office all showed up at the festival to watch the $250,000 system zoom in on drug purchases, people rolling joints, and similarly intimate activities. (NS Microwave, a subsidiary of the defense contractor Allied Defense Group, bragged about this coup in an aggressively unhip press release that undoubtedly spilled the beans.)

The set-up included hidden wireless cameras, night vision equipment, and a 21-foot command trailer set up in the middle of the festival and disguised as a radio station trailer. According to a laudatory article in the trade publication Government Security News, "When law enforcement officials viewed the surveillance monitors in the command trailer, they were surprised to discover that the NS Microwave system was showing details never expected. On viewing screens, the equipment displayed a dramatic array of illegal activities, including extensive drug dealing, use of vehicles to store dealers' narcotics and dealer-to-mule transactions."

"It was a big surprise," Lt. Doug Woods, patrol commander for the Douglas County Sheriff's Office, told the News. "We got very good results."

According to police and press reports, some 140 drug-related arrests were made. But it is unclear how many came as a result of the hidden surveillance. According to Woods, 15 officers patrolled during the day shift and 20 at night, with 50 on hand for the festival's Saturday night climax.

Kansas law enforcement never told anyone about the secret high-tech surveillance, and the spying would have gone unnoticed without the publication of the NS press release and the Government Surveillance News puff piece, but after that came out, the Lawrence Journal-World broke the story locally, and adverse reaction began rolling in. The Journal-World quoted festival-goers as saying the hidden cameras were "a shame and kind of embarrassing." Attendee Ali Mangan told the local paper, "I feel like it was really a big mistake because people at a festival are trying to have a good time and let loose. I would be willing to bet that most people wouldn't be okay with that had they known."

By this week, the University of Kansas newspaper the Daily Kansan was denouncing the spying on its editorial page. In an editorial bluntly titled "Secret Cameras Violated Privacy," the newspaper lambasted local and state law enforcement: "Economic gain trumped privacy at the festival. If law enforcement had posted signs stating the presence of video surveillance, drug dealing might have decreased from the outset," the paper noted. "Instead, the suspected drug money seized and the fines collected will be added to the coffers of the city, which still hasn't said what it will do with the money.

"What's most disturbing," the editorial continued, "is that law enforcement probably never would have revealed its secretive moneymaking scheme had the GSN article not surfaced. Has local law enforcement secretly installed cameras in other public places? Maybe we won't know until another article is published in an obscure trade journal."

On Tuesday, Wakarusa festival organizer Brent Mosiman weighed in on the Wakarusa web site with an apology to attendees and critique of law enforcement. "We cannot tell you how truly sorry we are that these [spying] issues occurred at Wakarusa this year and we sincerely apologize to everyone for any violations of your rights and privacy. To give you some background, we were informed that there would be an increased law enforcement presence at this year's event. Initially, we were supportive of this when it was presented as an effort to increase the safety of everyone in attendance. It became apparent however that enforcement, not safety and security, was the true mission of the increased law enforcement. We must make it perfectly clear that we did not know of any of the specific measures, tactics or instruments the various law enforcement agencies used at the event. More importantly, Wakarusa does not believe such tactics and equipment were necessary and does not support their use. If there are not significant assurances that similar procedures won't materialize in the future, we will not host another Wakarusa Music and Camping Festival," Mosiman wrote.

América Latina: As FARC da Colômbia Pedem o Fim da Proibição das Drogas

Em um comunicado enviado nesta semana à Agência Nacional de Notícias da Colômbia (ANNCOL), os rebeldes esquerdistas da Colômbia, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) pediram a legalização mundial do tráfico de drogas para dar um basta ao narcotráfico do mercado negro e seus lucros associados. O comunicado incomum também levava a negação das FARC de serem donas de campos de coca na Serra da Macarena do sul da Colômbia.

“As FARC não semeiam, não têm cultivos nem processam nem transportam nem muito menos comercializam nenhuma classe de narcóticos nem produtos psicotrópicos”, disse o comunicado do corpo decisório superior das guerrilhas, o Secretariado.

Os governos colombiano e estadunidense acusaram as FARC de lucrar com a coca e o tráfico de cocaína, mas não está claro o que isto significa na prática. Alguns informes disseram que o envolvimento das FARC é limitado a taxar os cultivos e o tráfico.

Recentemente, a mídia colombiana alegara que as FARC tinham uns 7.000 acres de campos de coca no Parque Nacional da Macarena, assim ocasionando aparentemente a negativa das FARC. De acordo com o grupo guerrilheiro antigo, os campos de coca são de propriedade de milhares de camponeses que tiveram que se refugiar na economia dos cultivos ilegais para sobreviver.

Embora as FARC tenham pedido programas sustentáveis de erradicação da coca no passado, parece que mudou de idéia nesta semana. “Estamos convencidos de que a batalha contra o câncer do narcotráfico só pode ser vencida ao se elaborar definitivamente uma estratégia mundial que inclua a legalização destes produtos, porque acabaria de vez com os ganhos fabulosos que gera”, dizia a declaração.

Weekly: This Week in History

Posted in:

September 23, 2002: Mike and Valerie Corral's medical marijuana hospice near Santa Cruz, California, is raided just before dawn by federal agents. The Corrals are held at gunpoint while their co-op garden is destroyed.

September 24, 1997: A federal grand jury in San Diego indicts Mexican cartel leader Ramon Arellano-Felix on charges of drug smuggling. The same day he is added to the FBI's 10 Most Wanted List.

September 25, 1996: Mere days before Congress adjourns for the year, Rep. Newt Gingrich (R-GA) introduces H.R. 4170, the "Drug Importer Death Penalty Act of 1996." Within a few days, the bill attracts a coalition of 26 Republican cosponsors. The legislation demands either a life sentence or the death penalty for anyone caught bringing more than two ounces of marijuana into the United States.

September 26, 2002: In a move that eventually leads to a lawsuit alleging unlawful interference in an election, the Substance Abuse and Mental Health Services Administration (SAMHSA) awards a $3,000,000 grant to the governor's office in Nevada during the time when US Drug Czar John Walters is attempting to build opposition to Nevada's ballot initiative, Question 9, which proposes amending the state constitution by making the possession of three ounces or less of marijuana legal for adults. (Only two other states are awarded large SAMHSA grants at that time -- Michigan and Ohio, also facing drug reform initiatives.)

September 27, 2004: Struck by a drunk driver at four years old and paralyzed from the neck down, quadriplegic Jonathan Magbie dies from inadequate medical care while serving a ten day sentence for marijuana possession in a Washington, DC jail.

September 28, 2001: Drug Enforcement Administration agents seize files containing legal and medical records of more than 5,000 medical marijuana patients associated with the California Medical Research Center in El Dorado County when they raid the home and office of Dr. Mollie Fry, a physician, and her husband, Dale Schafer, a lawyer who had earlier announced his bid for El Dorado County district attorney.

América Latina: No Sul da Colômbia, Sai a Ajuda, Entram os Soldados

A Agência de Desenvolvimento Internacional (AID) dos EUA desistiu da campanha de desenvolvimento alternativo designada para ajudar os agricultores no sul da Colômbia a mudar para cultivos legais, informou o Houston Chronicle. O jornal citou um memorando do governo colombiano e o relatório foi confirmado implicitamente por uma fonte anônima da Embaixada dos EUA em Bogotá.

https://stopthedrugwar.org/files/eradication.jpg
erradicação
De acordo com o documento do governo colombiano, a AID suspendeu o programa de desenvolvimento no estado sulista de Caquetá, antigo forte dos rebeldes esquerdistas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), porque a área era perigosa demais para os seus trabalhadores e carecia de potencial econômico. Com a assistência ao desenvolvimento sendo menos de 10% dos $800 milhões que os EUA estão gastando para fazer a guerra às drogas na Colômbia neste ano, a AID canalizará o financiamento para áreas mais seguras.

“Não é possível estar em todos os lugares simultaneamente e é preciso fazer opções”, disse o funcionário anônimo da embaixada à Crônica. “Os recursos têm que estar concentrados onde puderem ser usados com mais eficiência”.

Embora os governos estadunidense e colombiano tenham desistido de desenvolver a região, a retirada do projeto da AID prepara o terreno enquanto os militares colombianos começam a sua maior campanha de todos os tempos no sul. Os EUA gastaram mais de $4 bilhões desde 2000 para ajudar o governo colombiano a obter e manter o controle em tais áreas, mas agora, os conselheiros econômicos estão indo embora e os soldados estão chegando.

Os analistas estadunidenses e os políticos colombianos contatados pelo Houston Chronicle chamaram a ação de má idéia. “Esta não é uma boa maneira de ganhar os corações e mentes”, disse Sanho Tree, um especialista em Colômbia no Institute for Policy Studies em Washington. “Estamos afastando as pessoas do governo e aproximando-as dos nossos inimigos declarados: as guerrilhas e os narcotraficantes”, disse ele à Crônica.

“Esta decisão vai contra todo o conceito de Plano Colômbia”, disse Luis Fernando Almario, congressista de Caquetá.

Adam Isaacson, um especialista em Colômbia no Center for International Policy em Washington, disse à Crônica que desistir do sul devastado pela guerra seria um grave erro. Traçando paralelos com a guerra no Iraque, ele comparou a abordagem atual dizendo: “Esqueçam do Triângulo Sunita”.

América Latina: Em Descumprimento de Promessas de Campanha, o Novo Governo do Peru Acelerará a Erradicação da Coca

Quando o novo Presidente Peruano Alan García estava em uma competição acirrada contra o populista pró-coca Ollanta Humala no início deste ano, ele prometeu que o governo dele iria se opor à erradicação da coca porque os peruanos consideram a folha sagrada e parte das tradições deles. Mas, a Reuters informou na quarta-feira que o governo Garcia procura agora o apoio dos EUA para um novo esforço contra a produção de coca no que atualmente é o segundo maior produtor de coca do mundo.

https://stopthedrugwar.org/files/cocafield.jpg
campo de coca
De acordo com o relatório anual sobre a produção de coca do Escritório das Nações Unidas Contra as Drogas e o Crime, o Peru produz 30% da coca andina. A Colômbia respondeu por 54% enquanto que a terceira Bolívia respondia por 16%. Embora a ONU tenha informado uma pequena queda no cultivo peruano de coca no ano passado, o governo estadunidense estimou que, na verdade, a produção crescera 38%.

Embora parte da coca seja cultivada legalmente e vendida ao monopólio nacional peruano da coca para que seja transformada em vários produtos, sem dúvida nenhuma a outra parte é desviada para o mercado negro e transformada em cocaína. A polícia peruana informou a apreensão de uns 500 laboratórios de cocaína no ano passado.

Mais de $330 milhões em ajuda estadunidense desde 2000 não conseguiram refrear o campesinato cocaleiro do Peru. Agora, o governo peruano quer mais. “Queremos uma presença mais forte do estado nas áreas cocaleiras, mais eficácia na erradicação da coca, a substituição do cultivo de coca e a segurança da exportação de cargas para limitar o contrabando”, disse o chefe antinarcóticos do Peru, Rómulo Pizarro, à Reuters. “Não podemos permitir que estes traficantes continuem envenenando as vidas das pessoas”.

Isso era música para os ouvidos de Susan Keogh, diretora de narcóticos no consulado dos EUA em Lima. Ela disse que a erradicação deve ser parte da nova campanha porque somente o desenvolvimento alternativo não seria o suficiente para acabar com o narcotráfico. “Há tantos laboratórios ilegais de drogas que são como o McDonald’s em cada esquina (nas regiões cocaleiras do Peru)”, disse Keogh à Reuters. “Não se pode só encher aquelas áreas de desenvolvimento, há necessidade de erradicação também”.

Embora não sejam tão politicamente potentes quando os seus homônimos bolivianos, os cocaleiros peruanos estão cada vez mais organizados, porém divididos, e eles e seus deputados no parlamento, como as líderes cocaleiras Nancy Obregón e Elsa Malpartida, estão determinados a dificultar a vida do governo García nesta questão. Não ajuda em nada que García esteja descumprindo as suas promessas feitas a eles.

Europa: Portugal Aprova Locais de Injeção Segura e Dá Início a Programas de Troca de Seringas nas Prisões

Em uma adoção dos princípios da redução de danos, o governo português aprovou o estabelecimento de locais de injeção segura para usuários de drogas e está trabalhando para iniciar programas de troca de seringas nas prisões por volta de 2008, informou o Medical News Today no dia 30 de Agosto. As ações ocorrem como parte de um pacote de medidas que têm o desígnio de “reduzir o consumo de drogas e diminuir os seus efeitos nocivos sobre a sociedade e a saúde”, disse o governo português.

Agora, Portugal segue a liderança da Austrália, Canadá, Alemanha e Suíça, onde os locais de injeção segura em funcionamento estão a postos. Os locais têm demonstrado que ajudam a diminuir a disseminação de doenças como a hepatite C e o HIV/AIDS, reduzir as overdoses, a criminalidade e ajudar os consumidores de drogas a alcançar vidas mais estáveis e alguns deles a contatar os serviços de tratamento e/ou aconselhamento.

De acordo com o European Monitoring Center on Drugs and Drug Abuse, embora os índices de consumo de drogas de Portugal sejam baixos em comparação com os padrões europeus, o país tem sim uma população usuária de drogas injetáveis, que gira em torno da heroína, em sua maioria. Cerca de um-terço de uma amostra de pacientes em tratamento em Portugal informou a injeção de drogas como sua rota predileta de aplicação.

Portugal descriminalizou o porte de drogas em 2000, apesar das vendas de drogas continuarem ilegais. Mas, mesmo se Portugal não estiver pronto para dar o passo gigante de acabar com a proibição das drogas, as ações do seu governo desde então mostram que continua movendo-se em uma direção progressista nas questões das políticas de drogas.

ONDCP: Painel do Senado Recomenda Cortar Salários na Secretaria Antidrogas

O Congresso está ficando cada vez mais irritado com o Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas (ONDCP) e em um sinal claro de seu descontentamento com o desempenho do diretor do ONDCP, John Walters, o secretário antidrogas, um painel do Senado está recomendando que os salários e gastos no ONDCP sejam cortados por mais da metade, de $26,6 milhões neste ano para $11,5 milhões no ano que vem.

Apesar de Walters ter conseguido exibir tais sucessos como quedas marginais nos índices de consumo de drogas entre grupos selecionados – especialmente os adolescentes --, ele esteve sob ataque severo dos guerreiros antidrogas do Congresso, especialmente pela resposta suspensa do ONDCP à disseminação da metanfetamina. Walters e o ONDCP também estão sendo criticados por apoiarem os pedidos do governo Bush de cortes no investimento em doações para ajudar o aparato judiciário-legal municipal a formar forças-tarefa antidrogas e programas HIDTA, ou Áreas de Alta Intensidade de Tráfico de Drogas.

O ONDCP tem 11 empregados de tempo integral. Como seu diretor, Walters ganha $183.000 por ano.

Ele não vale isso, observou o Comitê de Apropriações do Senado. Em sua votação de Julho em um projeto de apropriação, o comitê recomendou os cortes profundos, dizendo que as reduções “refletiriam mais o desempenho real”.

Nessa legislação, o comitê pediu avaliações independentes do ONDCP e exigiu documentação de registros de viagem, salários e contratos. O comitê também reclamou que Walters e o ONDCP não responderam as solicitações de informação do Congresso e impediram que os diretores do programa se encontrassem com o comitê.

“Este tipo de ausência de responsividade... resulta em um desperdício desnecessário de tempo e energia”, declara o projeto. “Numerosas comunicações de acompanhamento são solicitadas em quase todas as instâncias”.

O Senador Kit Bond (R-MO) preside o subcomitê com supervisão sobre o ONDCP. O porta-voz dele, Rob Ostrander, disse à Associated Press que Walters tinha a mania de não prestar atenção às solicitações do comitê. “Infelizmente, este tem sido um problema antigo”, disse Ostrander. “A agência tem antecedentes de não responder ao pessoal do comitê. Esperamos que isso mude, porque afinal precisamos garantir que o dinheiro dos contribuintes seja gasto sabiamente”.

Na semana passada, o Senador Joe Biden usou a palavra no Senado para reclamar de Walters. “Sob o seu comando, o gabinete trabalha mais como uma torre de marfim do que como o centro de comando de nossas políticas nacionais de controle das drogas”, disse Biden.

Os cortes orçamentários provavelmente acabarão sendo restaurados, mas mesmo ameaçar cortar o orçamento sacrossanto do secretário antidrogas é um indício de que os tempos estão mudando.

Maconha: Candidato ao Governo do Texas, Kinky Friedman, Diz Legalizem-Na

O candidato independente ao governo do Texas, Kinky Friedman, disse na quarta-feira que favorece a legalização da maconha. Em entrevista com a Associated Press, o músico feito autor feito governador do estado da Estrela Solitária disse que legalizar a erva manteria os usuários não-violentos fora da prisão, adicionando que ele ia procurar a soltura daqueles que estão atualmente atrás das grades por delitos de maconha.

https://stopthedrugwar.org/files/kinkyfriedman.jpg
Kinky Friedman
"Eu acho que isso deveria ter acontecido há muito tempo”, disse Friedman. “Eu acho que todos sabem que o que John McCain disse está certo. Perdemos a guerra contra as drogas ao fazê-la do jeito que a estamos fazendo. As drogas estão mais disponíveis e baratas do que nunca antes. O que estamos fazendo não está funcionando”.

Friedman está concorrendo contra o atual Gov. Rick Perry (R), o candidato democrata Chris Bell e a republicana-convertida-em-independente Carole Keeton Strayhorn, nenhum dos quais pediu a legalização da maconha. De acordo com a pesquisa Rasmussen mais recente, Friedman precisa de um comparecimento enorme de eleitores fumantes – ele chegou em última lugar com 16% em comparação com os 18% para Bell, 22% para Strayhorn e Perry com 33%. Não há segundo turno no Texas.

A campanha do humorista e narrador fora vista originalmente como piada pela maioria dos observadores, mas com 16% dos votos, Friedman pode ter um impacto real sobre a competição. E enquanto a campanha se dirige ao seu clímax, ele esteve articulando posições sérias sobre questões como a imigração (enviar 10.000 da Guarda Nacional do Texas às fronteiras), a criminalidade (enviar $100 milhões a Houston para ajudar a polícia em uma cidade cheia de refugiados do Katrina) e os impostos (menos deles).

Mas, deixando toda essa seriedade de lado, é a sensibilidade cômica de Friedman que sempre o destacou. Após se formar pela Universidade do Texas em Austin, ele formou a banda ultrajantemente chamada Kinky Friedman & His Texas Jewboys, com músicas como a paródia de “Okie from Muskogee” chamada “Asshole from El Paso” [Babaca de El Paso], a auto-explicativa "Get Your Biscuits in the Oven and Your Buns in Bed" [Pegue Seus Biscoitos no Forno e Seus Bolinhos na Cama] e a confrontadora do anti-semitismo "They Ain't Making Jews Like Jesus Anymore" [Eles Já Não Fazem Judeus Como Jesus].

Ele ainda sabe fazer das suas no reboque de campanha. “Só quero que o Texas seja o número um em algo que não sejam as execuções, os pedágios e os impostos sobre a propriedade”, disse. Quanto à possibilidade de derrota: “Se perder esta competição, me retirarei com irritação petulante”, disse. “Não vou ir embora com graça, te prometo”.

Condenação: Tribunal de Apelações do 3° Circuito dos EUA Anula Sentença por Crack

Em uma decisão na segunda-feira, o Tribunal de Apelações do 3° Circuito dos EUA na Filadélfia anulou uma sentença de 24 anos de prisão para um homem que portava menos de 90 gramas de crack. O tribunal sustentou que o juiz da Corte Distrital dos EUA que condenou o homem errou ao acreditar que tinha que condena-lo com base na disparidade quantitativa de 100:1 entre a pedra e o pó de cocaína. Tais sentenças não são mais obrigatórias, disse o tribunal de apelações, apenas acessórias.

https://stopthedrugwar.org/files/prisondorm.jpg
Segundo uma lei de 1986 aprovada em meio a uma onda de histeria antidrogas, o Congresso dos EUA promulgou um esquema de condenação de nível duplo para os réus acusados de delitos de cocaína com os réus por crack enfrentando sentenças mais longas em décadas do que os réus por pó de cocaína por portarem a mesma quantidade da droga. Mas, o tribunal de apelações sustentou que desde que a Suprema Corte dos EUA decidiu no ano passado que as normas federais de condenação eram apenas acessórias e não obrigatórias, os juízes de condenação não precisavam ser compelidos pelas normas.

O painel de três juízes sustentou que o réu Johnny Gunter tinha direito a uma nova audiência de condenação. “O que se sustenta aqui é que as cortes distritais podem considerar o diferencial pedra/pó de cocaína nas normas como fator, mas não como ordem, no... processo de condenação”, escreveu o Juiz Thomas Ambro pelo tribunal.

O Subprocurador da União, Robert Zauzmer, disse ao Philadelphia Inquirer que a decisão provavelmente ia ser citada por todo réu em um caso de crack. “Este é um parecer significativo que estudaremos com atenção”, disse, acrescentando que os procuradores estavam pensando se pediriam ao tribunal de apelações que repensasse a decisão ou se recorreriam à Suprema Corte dos EUA.

Enquanto isso, o Subdefensor Federal David McColgin disse ao Inquirer que a decisão ajudaria a reduzir as disparidades raciais existentes nas penas para a cocaína. “Isto tem um impacto enorme em ajudar a reduzir a disparidade racial que procede dessa proporção”, disse McColgin.

Imposição da Lei: As Estórias de Policiais Corruptos Desta Semana

Algo cheira mal no estado do Tennessee, com o fedor de corrupção policial vindo das margens do Mississippi até os cumes das Great Smoky Mountains, e isto está bem podre. Enquanto isso, há um caso aparente de, ah, policiamento agressivo demais na Flórida e o agente penitenciário ou carcerário encrencado de sempre. Vamos ao que interessa:

Na Comarca de Cocke, Tennessee, a confissão de culpabilidade de formação de quadrilha para vender milhares de dólares em bens roubados de NASCAR do ex-Subdelegado do Gabinete do Xerife da Comarca de Cocke, Patrick Allen Taylor, é apenas a ponta do iceberg em uma moção que procura uma sentença de prisão muito mais alta do que a pedida pelas normas federais de condenação, informou o Knoxville News-Sentinel na segunda-feira. De acordo com os promotores, Taylor estava envolvido em esquemas de roubo, extorsão, proteção, brigas de galo e uma empresa de entretenimento em vídeo. Para maiores informações sobre todo o caso sórdido, leia o relatório especial do News-Sentinel, "Cocke County Confidential”.

Em Memphis, o ex-Oficial da Polícia de Memphis, Andrew Hunt, se confessou culpado na sexta-feira passada de roubar dinheiro, cocaína e pertences pessoais de traficantes de drogas. Ele pode pegar pena de prisão perpétua, mas isso é improvável já que concordou em cooperar com os promotores, informou o Memphis Commercial Appeal. Três outros oficiais da polícia de Memphis já foram indiciados no caso e mais indiciamentos podem acontecer, advertiram os promotores. Hunt fazia parte de “uma gangue de oficiais corruptos uniformizados” que roubaram pelo menos 20 traficantes de drogas, disseram os promotores. E estes homens uns escroques de verdade: Em um caso, Hunt roubou drogas, dinheiro e um relógio de $15.000 de um traficante, daí disse que podia comprar as drogas deles de volta. Quando o traficante conseguiu $9.500 em espécie, Hunt aceitou o dinheiro e ficou com as drogas.

Em Surfside, Flórida, a polícia está investigando acusações de que dois oficiais da polícia de Surfside conspiraram para plantar drogas em um veículo de um ativista cívico da cidade, informou a emissora de tevê de Miami, a Local 10 News no dia 07 de Setembro. Os dois oficiais, o Sargento John Davis e o Oficial Woody Brooks, foram suspensos após supostamente tramarem para plantar cocaína no carro de Jay Senter, que já se encrencara com o Sargento Davis no caso do casal francês citado por numerosas infrações do código e multado em centenas de milhares de dólares por alugar casas em Surfside a turistas. De acordo com as alegações, Davis e Brooks foram ouvidos enquanto tramavam plantar as drogas em retaliação por Senter entregar outro oficial ao FBI no caso de infrações do código. Interessantemente, o vice-prefeito de Surfside, Howard Weinberg, disse à Local 10 que os mesmos oficiais tinham conspirado para prendê-lo por dirigir embriagado perto de um bar da cidade e lançar a câmera no painel em uma tentativa de intimidá-lo, mas a trama foi debelada porque ele somente bebe chá gelado quando sai. Outro oficial anônimo da cidade disse à Local 10 que Davis estava se comportando “feito um nazista” com relação aos opositores políticos.

Em Westchester, Nova Iorque, um agente penitenciário da Comarca de Westchester foi condenado a liberdade vigiada na semana passada por interferir em uma investigação de drogas, informou a North Country Gazette. Timothy Connolly, 39, se confessou culpado de uma acusação de obstrução qualificada de processo e uma acusação de porte de drogas. Ele será supervisionado durante os próximos cinco anos. Connolly foi preso durante uma investigação combinada da Iniciativa de Narcóticos do Promotor de Westchester (W-DANI), a Polícia de Yonkers, a Polícia do Estado de Nova Iorque e a Unidade de Investigações Especiais do Departamento de Correção da Comarca de Westchester e lhe disseram que se calasse a respeito da prisão. Mas, depois ele avisou a um dos principais alvos da investigação que não usasse o telefone dele porque estava sendo monitorado. Connolly foi despedido do Departamento de Correção da Comarca de Westchester no dia 07 de Setembro, no mesmo dia em que se confessou culpado.

Matéria: Ativistas Californianos Procuram Marcar Três Pontos com Iniciativas Municipais de “Menor Prioridade” em Santa Bárbara, Santa Cruz e Santa Mônica

Inspirados pelas iniciativas municipais que tornaram a maconha a “menor prioridade legal” em Seattle e Oakland, os ativistas em três cidades californianas – Santa Bárbara, Santa Cruz e Santa Mônica – estão ocupados trabalhando para garantir que medidas similares sejam aprovadas ali em Novembro. Os organizadores em todas as três cidades dizem que as suas perspectivas de vitória são boas.

As três iniciativas municipais da Califórnia contêm um texto quase idêntico e se autodescrevem similarmente. Como observa a página da Santa Monicans for Sensible Marijuana Policy, o grupo que administra a campanha lá, a iniciativa “torna os delitos de maconha, em que a cannabis seja pretendida para uso pessoal adulto, a menor prioridade legal” e “libera recursos policiais para se concentrar na criminalidade violenta e séria, ao invés de deter e prender usuários não-violentos de cannabis”.

A iniciativa de Santa Cruz dá um passo além ao estabelecer uma posição municipal oficial em favor da legalização da maconha. Lá, a iniciativa “estabeleceria uma política municipal em apoio às mudanças nas leis estaduais e federais que pedem a taxação e regulamentação do uso adulto de maconha”.

O lote de iniciativas deste ano é resultado direto da campanha de Oakland de 2004, a Medida Z, na qual os ativistas organizados como a Oakland Civil Liberties Alliance (OCLA) conseguiram aprovar uma iniciativa que torna os delitos adultos de maconha a menor prioridade e instruir a cidade a defender a taxação e regulação da maconha. Embora a OCLA não esteja envolvida formalmente nas iniciativas deste ano, alguns de seus membros, como Richard Lee do Oaksterdam News e o Café Bulldog, têm ajudado a financiar o esforço. Outros, como a ativista de longa data, Mikki Norris da Cannabis Consumers Campaign, e o diretor da NORML Califórnia, Dale Gleringer, têm sido instrumentais como conselheiros.

“Após a nossa experiência bem-sucedida com a Medida Z em Oakland, nós da OCLA queríamos difundir isto ao redor da Califórnia para mostrar um amplo apoio, então, no ano passado, nós e a NORML Califórnia patrocinamos uma conferência estadual dos ativistas na qual divulgamos a nossa estratégia de Oakland e procuramos quais outras áreas no estado poderiam ser suscetíveis a fazer algo similar”, disse Norris à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “A consultora política que usáramos, Susan Stevenson da Next Generation, redigiu uma solicitação de doação ao Marijuana Policy Project (MPP) dizendo que estávamos interessados em iniciativas ou decretos-lei em cinco cidades e conseguimos um contato com o MPP que nos proporcionava financiamento básico. Ainda temos que arrecadar mais verbas, mas essa doação possibilitou isto”, disse ela.

Depois disso, disse Norris,os ativistas estreitaram seus enfoques. “Encontramos pessoas no que pareciam ser boas áreas e começamos a angariar fundos para conduzir pesquisas para ver se eram viáveis, examinamos a demografia e concordamos nestas três cidades”.

Na verdade, West Hollywood e São Francisco também foram objetivadas, mas na primeira, um vereador municipal apresentou um decreto-lei aceitável para os organizadores e eles desistiram da campanha deles pela iniciativa. Nesta semana em São Francisco, os supervisores municipais passaram a adotar um decreto-lei de menor prioridade.

Os organizadores nas três Santas estão trabalhando pesado agora para garantir a vitória em Novembro, disseram eles à Crônica em termos impressionantemente similares. “As coisas parecem bem por aqui”, disse a porta-voz da Sensible Santa Barbara, Lara Cassell. “Temos sido muito bem-sucedidos até o momento e não há oposição organizada”, disse ela à Crônica. “Na verdade, ninguém se importou em enviar um argumento de oposição para a votação, o que é fabuloso. Santa Bárbara é muito amigável com relação à nossa questão”.

A Sensible Santa Barbara estava beneficiando-se da ajuda proporcionada pelos ativistas de todo o estado, disse Cassell., “mas temos a sorte de termos muitas pessoas na comunidade que nos apóiam. Nos sentimos muito bem com isto. Estamos confiantes que isso será aprovado”.

“As coisas vão muito bem por aqui”, disse Kate Horner, diretora de campanha da Sensible Santa Cruz, o grupo que lidera o esforço ali. “Não há nenhuma oposição organizada, apesar de alguns líderes comunitários terem se pronunciado contra a iniciativa pelos custos possíveis. Mas, esses custos serão mínimos”, disse ela à Crônica. “Em Seattle e Oakland, eles dizem que os custos são basicamente uma questão de xerocar as acusações e nada mais”.

Diferentemente das iniciativas de Santa Bárbara e Santa Mônica, a iniciativa de Santa Cruz vai além do texto de menor prioridade. “Essa disposição requereria que o escrivão municipal enviasse anualmente cartas aos funcionários dos governos estadual e federal declarando a preferência da cidade em favor de um modelo de taxação e regulação”, explicou Horner. “Essa seria a política da nossa cidade”.

O apoio à não-criminalização dos usuários de maconha está em alta em Santa Cruz. Em uma pesquisa feita em Novembro, mais de 80% das pessoas ali eram opostas à criminalização dos fumantes de maconha.

“Os dados dessa pesquisa nos deram a nossa ordem”, disse Horner. “Realmente mostravam um forte apoio. Desde então, tem sido apenas uma questão de construir coalizões por toda a comunidade. Estou confiante que a comunidade quer redirecionar os recursos dos infratores não-violentos da legislação antimaconha para os criminosos violentos”.

“As coisas parecem bem aqui”, disse Nicki LaRosa, porta-voz do esforço de Santa Mônica. “A nossa estratégia é envolver o máximo de pessoas possível. Há muita gente aqui que expressou apoio e estamos trabalhando para garantir que exponhamos a mensagem e levemos os nossos eleitores às pesquisas”, disse ela à Crônica.

“Temos a oposição da polícia sim – eles redigem o argumento eleitoral contra a iniciativa --, mas também temos muito apoio da comunidade. A polícia diz que a maconha já é uma baixa prioridade, mas as estatísticas que temos visto mostram que as pessoas ainda continuam sendo presas. Queremos mandar o recado a Sacramento e Washington de que Santa Mônica está pronta para a próxima fase de acabar com a guerra às drogas ao despriorizarmos os delitos de maconha”.

Santa Mônica parece ser o lugar mais difícil, disse Norris. “Nos sentimos seguros em Santa Cruz e Santa Bárbara; Santa Mônica é o lugar que mais nos preocupa”, disse Norris. “Estamos esperando a oposição da associação dos oficiais da polícia. Santa Mônica é um grande desafio. É uma cidade progressista, mas também tem passado por uma transformação nos últimos anos com os hotéis de luxo e o aumento dos preços das propriedades. E diferentemente de Oakland, até os progressistas parecem se alinhar com a polícia em Santa Mônica. A cidade é muito específica politicamente e tem um forte componente NIMBY [Not In My Back Yard; segundo a Wikipédia, a expressão em português uma tradução literal, ou seja, Não No Meu Quintal]”, disse ela com preocupação.

Mas, Norris também observou que as questões políticas atuais podem causar um impacto positivo em todas as três cidades. “Estas iniciativas são especialmente oportunas já que a Califórnia se depara atualmente com uma enorme crise de superlotação carcerária”, apontou. “Chegou a hora de repensarmos quem estamos colocando nestas prisões superlotadas e estabelecermos prioridades. Podemos continuar construindo prisões a um custo de centenas de milhões de dólares ou podemos examinar as políticas alternativas que param de enviar tantos infratores não-violentos à prisão. As cidades e o estado com certeza economizarão dinheiro ao não prenderem, processarem e encarcerarem cidadãos obedientes à lei por causa da maconha”, debateu.

E o estado não só pode economizar dinheiro, também pode ganhar dinheiro ao passar a taxar e regular, discutiu Norris. “Ultimamente, tem sido notícia em todas as partes que o aparato judiciário-legal está encontrando e desenraizando milhares e milhares de cultivos de maconha em terras públicas com o valor na rua estimado na casa dos milhões”, disse ela, aludindo ao frenesi de erradicação outonal anual do estado. “Não parece estar causando muito impacto na oferta. O mercado neste estado é enorme. Concebivelmente, podíamos arrecadar bilhões de dólares em ganhos e ajudar a financiar os serviços se controlássemos, taxássemos e regulássemos a cannabis”.

Esse é o plano que não é de tão longo prazo, confessou Norris. “Queremos estabelecer isto para que no dia das eleições possamos dizer que as pessoas de toda a Califórnia querem parar de prender os infratores da legislação antimaconha e fazer que a polícia se concentre nos crimes violentos”, disse ela. “Esperamos receber uma resposta suficientemente grande nestas eleições seja para inspirarmos outra rodada de iniciativas, seja para passarmos a todo o estado”, disse Norris. “Por fim, a nossa meta é levar a reforma fundamental da legislação sobre a maconha a todo o estado”.

Matéria: A Nova Proposta de Declaração de Políticas Sobre Prescrição de Remédios para a Dor da DEA – O Que Ela Significa?

Quando a Administração de Repressão às Drogas (DEA) lançou uma nova declaração de políticas sobre a prescrição de substâncias controladas para os pacientes que sofrem de dores crônicas na semana passada, procurava desagravar o coro crescente de preocupações e queixas dos trabalhadores da saúde e dos pacientes de que a sua posição severa contra os médicos que prescreviam analgésicos estava resultando em uma crise no tratamento dos pacientes de dores crônicas. Mas, se os ativistas e especialistas com quem a Crônica da Guerra Contra as Drogas conversou nesta semana servirem de indício, o trabalho da DEA em tranqüilizar a comunidade da terapia da dor está longe de acabar.

A ação acontece após anos de um aumento nos processos criminais de médicos como o Dr. William Hurwitz, um importante terapeuta da dor na Virgínia, que foi condenado por ser um traficante de drogas pelas suas práticas de prescrição. (Essa condenação foi recentemente anulada sob apelação.) Também acontece dois anos depois que a DEA chocou e consternou a comunidade da terapia da dor, inclusive muitos acadêmicos especialistas em dor que haviam trabalhado com a agência, primeiro publicando e então apagando uma série de “perguntas e respostas” que tinham o desígnio de ajudar os médicos a permanecerem dentro das boas graças da lei. Agora, há uma suspeita comum na comunidade acadêmica da dor de que a DEA fez uma seção falsa de “perguntas e respostas” a pedido do Departamento de Justiça porque isso teria ajudado a defesa de Hurwitz no julgamento dele em Novembro de 2004, mas o Departamento de Justiça não confirmou isso.

https://stopthedrugwar.org/files/painbriefing.jpg
Siobhan Reynolds, Frank Fisher, Ron Libby e Maia Szalavitz em uma Audiência Congressional de 17 de Setembro de 2004 reunida pela Associação de Médicos e Cirurgiões Estadunidenses (foto cortesia Pain Relief Network)
Em nota à imprensa de 06 de Setembro anunciando que a agência relaxaria as normas para prescrever drogas de Classe II, a administradora da DEA, Karen Tandy, também revelou a nova declaração de políticas sobre a prescrição. “Nós ouvimos os comentários de mais de 600 médicos, farmacêuticos, enfermeiras, pacientes e defensores do tratamento da dor e estudamos as preocupações deles cuidadosamente. A declaração de políticas do dia de hoje é o resultado dessa colaboração. A declaração de políticas reitera o compromisso da DEA com a realização do equilíbrio adequado para garantir que as pessoas que precisam de alívio da dor o recebam e aqueles que abusam não”, disse Tandy.

A declaração de políticas delineia o ponto de vista da DEA de como os médicos podem prescrever analgésicos poderosos, como Oxycontin ou fentanil, sem terminarem sendo presos nem chamados de “traficantes de drogas” pelos procuradores federais que pretendem jogá-los na cadeia durante anos. Tais drogas só devem ser prescritas para um “fim medicinal legítimo”, disse a DEA.

“Achamos que a declaração e a norma proposta ajudarão os profissionais da medicina a garantirem que apenas os pacientes que precisam de remédios para a dor os recebam. A declaração reflete a ciência das carências dos pacientes assim como a importância de impedir qualquer desvio ilegal de drogas prescritíveis”, prosseguiu Tandy. “A declaração de políticas do dia de hoje reafirma que a DEA quer que os médicos tratem a dor da maneira adequada segundo os padrões aceitos pela comunidade médica. Os médicos que agirem de acordo com a prática médica aceita deveriam se sentir confiantes de que não serão acusados criminalmente por prescreverem todos os analgésicos apropriados”, concluiu Tandy.

Contudo, nem todos estavam acreditando no que Tandy estava dizendo. “Esta nova declaração de políticas é um mero disfarce”, disse o Dr. Frank Fisher, um médico californiano que passou por uma provação legal de anos após ser acusado de assassinar os pacientes dele mediante sobreprescrição. Por fim, ele foi absolvido em todas as acusações criminais, mas foi arruinado financeira e profissionalmente. “O problema é que os médicos são intimidados e, como resultado disso, temos um desastre de saúde pública com o subtratamento da dor crônica. Isto não lida com o problema. Temos que conseguir tratamento para aqueles que estão morrendo porque não estão sendo tratados. Temos que encontrar uma maneira racional de regulamentar estas substâncias e acho que há um modelo muito bom com o álcool e o tabaco, ambos os quais são infinitamente mais perigosos do que os opiáceos”, debateu.

Embora Fisher tenha sido um crítico severo da DEA, reconheceu sim que a proposta de declaração de políticas sugeria que a agência estava preocupada com um revés. “Está dizendo que”, disse, “agora a DEA parece estar preocupada com a imagem dela. Nesse sentido, é um sinal de progresso, mas a DEA não é o verdadeiro problema – o Ato de Substâncias Controladas [Controlled Substance Act] é o problema. Isto é ficar de braços cruzados enquanto Roma arde em chamas”, disse.

“A DEA tem sido intransigente em suas posições e esta é a primeira chance que vimos”, disse Kathryn Serkes, porta-voz da Associação Estadunidense de Médicos e Cirurgiões (AAPS), uma associação de medicina de filiação superior a 5.000 e tendência libertariana que esteve ativa há muito na guerra da dor. “Eu acho que com o caso do Dr. Bill Hurwitz e o demais que esteve acontecendo nos últimos anos, estamos alcançando o ponto de inflexão”, disse ela à Crônica. “Através da exposição do nosso lado na mídia e nos sítios, através da narrativa das nossas versões e através do trabalho de ativistas como Siobhan Reynolds [da Pain Relief Network], o público entende agora. A mídia entende agora. Temos visto uma mudança nas matérias. Não se trata mais apenas dos médicos horríveis que matam os pacientes; os repórteres estão escrevendo sobre o problema da dor”.

Esse novo entendimento está começando a se infiltrar até dentro da classe política, disse Serkes. “Os políticos estão começando a perceber. As únicas pessoas que não entenderam são a lei e os tribunais. Eu acho que o lançamento desta declaração de políticas foi uma ação estratégica da DEA em vista do recurso bem-sucedido de Hurwitz da condenação dele. Se eu fosse a DEA, com certeza iria procurar algo para mostrar que estamos sendo responsivos. Sinto muito parecer cínica, mas isto parece uma tentativa óbvia de manipulação da situação de parte da agência. Porém”, concluiu, “aceitaremos o que pudermos conseguir. Estamos trabalhando a teoria do cachorro bonzinho com a DEA – elogiar o cachorro quando faz algo bom mesmo se tem alguns problemas de conduta. Bom cachorro, DEA, mas você ainda está na casinha”.

Apesar de alguns problemas gerais com a DEA, o Dr. Howard Heit, um terapeuta da dor e especialista na medicina da dependência de Fairfax, Virgínia, que trabalhou com a agência na nova declaração de políticas, estava muito satisfeito com as normas mais relaxadas de prescrição. “Este é um tremendo passo adiante na meta comum de alcançar o equilíbrio entre a DEA e os profissionais da saúde”, disse ele à Crônica. “Isso vai garantir que os pacientes que precisam de drogas de Classe II as recebam e ajudará a diminuir o desvio de drogas prescritíveis”.

Heit dividiu os seus pacientes em dois tipos: estáveis e problemáticos. “Com os pacientes estáveis, aqueles sem comportamento aberrante que seguem todos os acordos, agora posso dar receitas seqüenciais a pacientes que costumava ter que ver todos os meses”, explicou. “Agora, posso ver os outros pacientes porque os pacientes estáveis não têm que voltar desnecessariamente. Por outro lado, com os meus pacientes com comportamento problemático, quero vê-los a cada duas semanas e controlar mais estritamente as medicações. Isso impede a saída de uma quantidade maior de medicamentos que possa ser mal-usada ou desviada”, disse.

“A DEA disse que cometeu um erro ao não nos permitir fazer prescrições seqüenciais”, disse Heit. “Agora, nos permitem fazer isto. A DEA está respondendo à comunidade da saúde e isto abre um diálogo que esteve fechado nos dois últimos anos. Este é um passo na direção certa. As regras do jogo estão sendo traçadas. A DEA também declarou que não quer praticar medicina, mas está encarregada de impor as regras existentes. Embora eu sinta que é responsabilidade do prescritor saber e seguir as normas federais de prescrição das substâncias controladas, também é responsabilidade da DEA garantir que todos os agentes da DEA que impõem estas normas as conheçam”.

Apesar dos problemas com a DEA no passado, particularmente em torno da seção abortiva de perguntas e respostas sobre a dor em 2004, Heit disse que não restava nenhuma escolha, exceto trabalhar com a agência. “A DEA não vai ir embora, os pacientes não vão ir embora, eu não vou ir embora. Precisamos nos comunicar uns com os outros”.

O Dr. David Joranson do Grupo de Estudos Sobre a Dor e as Políticas no Centro Compreensivo do Câncer da Universidade do Wisconsin, que tem trabalhado de perto com a DEA na seção apagada de perguntas e respostas, mas não em sua mais recente declaração de políticas, relutava em dar um veredicto sobre isso. “Ainda estamos analisando a proposta e tentando ajudar as pessoas a pensá-la até os últimos detalhes”, disse ele à Crônica.

Uma questão que Joranson levantou era a de que grande parte da matéria sobre as limitações sobre os opiáceos prescritíveis está errada e não são apenas os repórteres que estão entendendo errado. “Atualmente, não há exigência de renovação de 30 dias”, disse. “A DEA esclareceu que não há tal solicitação. Não há nenhuma palavra na lei nem nas normas sobre isso e se todos estão dizendo que há, todos estão errados”. Até os médicos erram freqüentemente a respeito da lei, disse. “O material mostra que os profissionais da medicina têm amiúde uma compreensão inadequada da lei e das regras que lidam com as práticas prescritivas”.

Mesmo apesar da própria nota à imprensa da DEA que anunciava a declaração de políticas proposta ter dito que ela “permitirá que os médicos prescrevam uma oferta de até 90 dias de substâncias controladas de Classe II durante uma única visita ao consultório, quando medicinalmente adequado”, essa nota à imprensa é equívoca, disse Joranson. “A declaração implica que há um limite na oferta agora, mas na verdade um médico pode prescrever qualquer quantidade de uma substância controlada em uma única receita”.

Mas, o Professor Ronald Libby, o cientista político do Norte da Flórida que está escrevendo um livro sobre o conflito entre os imperativos da medicina e aqueles da repressão legal, não tinha tanta certeza de que os pacientes se beneficiariam com as normas relaxadas de prescrição. “Em primeiro lugar, os médicos já morrem de medo de escrever prescrições por causa da DEA”, disse ele à Crônica. “Se têm medo de prescrever uma receita, por que deveríamos esperar que se sintam mais seguros prescrevendo três?”, perguntou.

“Eu não vejo mudança real nenhuma nas políticas”, disse Libby. “Além da prescrição de 90 dias, simplesmente não vejo nada. Basicamente, a DEA está cumprindo a sua promessa de substituir a seção de perguntas e respostas, e aqui está. Isto é simbólico porque a DEA está sendo pressionada”, disse.

Discussões seguidas entre a DEA e a comunidade da saúde não vão resolver as contradições, disse Libby. “Eu não acho que se pode chegar às questões subjacentes a menos e até que haja audiências congressionais sobre a DEA”, debateu. “São mais secretos que uma agência de inteligência. É quase impossível conseguir informação deles, até para congressistas”.

[Nota do Editor: Há anos, ouvi um analista dizer em uma conferência que os investigadores do Tribunal de Contas do Governo gostavam de dizer que DEA significava “ don't expect anything, don't even ask", ou seja, “não espere nada, nem sequer peça” – DB]

Mas, Libby não acha que as audiências congressionais acontecerão logo. “Encaremos os fatos. Os guerreiros antidrogas estão em plena flor. O clima do país não é favorável. Eles conseguiram equacionar o tráfico de drogas ilícitas com o terrorismo e contanto que esse seja o caso e eles incluam os médicos e pacientes nessa guerra, a única maneira de seguir adiante é extirpar esta coisa sobre o desvio da guerra contra as drogas. Mas, mesmo apesar de que as fundações e o pessoal da dor como a Pain Relief Network tenham estado tentando conseguir audiências durante anos, não conseguimos tê-las. Se os democratas ganharem a Câmara, isso poderia mudar, mas os membros têm que pensar no desentendimento. Se se tomar uma posição severa contra a DEA, você mesmo vira um alvo”.

“Ver isto como algo insignificante é perdê-lo de vista”, disse Siobhan Reynolds do grupo de defesa, a Pain Relief Network. “Os pacientes da dor estiveram sofrendo uma contra-operação incrível, um reino de terror que tem custado as vidas das pessoas”, disse ela à Crônica.

Isto é muito pessoal para Reynolds. Um daqueles pacientes da dor que morreram era seu marido, Sean Greenwood, que faleceu no início deste mês de Síndrome de Ehlers-Danlos enquanto Reynols e ele cruzavam desesperada o país em busca de níveis adequados de analgésicos para ele. Porque as precauções antiterror os impediram de tomar remédios nos aviões, a família foi forçada a dirigir por todo o país em busca de um médico que quisesse prescrever as doses enormes de que Greenwood precisava. Morreu no quarto de um motel em um estado que Reynolds não quer identificar por medo de levar a DEA ao médico que eles estavam procurando.

“As pessoas não entendem a enormidade do que os pacientes enfrentam”, disse. “Porque os médicos têm tanta medo da lei, projetaram o temor deles a estes pacientes e estas drogas, então essa gente doente que toma analgésicos assusta os hospitais e os médicos. Sean precisava de muitos cuidados hospitalares, mas eles não se concentraram nos problemas de saúde dele porque todos estão programados para caçar as bruxas com relação aos opiáceos. Tudo o que os hospitais diziam era dar-lhe Narcan, como se os opiáceos fossem responsáveis pelos problemas de saúde dele”, disse ela.

“O meu filho viu a morte do pai sem nenhum bom motivo”, prosseguiu Reynolds. “Ele não podia entrar em um hospital por causa de uma operação do governo que ninguém está disposto a admitir que está acontecendo. Ninguém consegue receber as doses grandes de remédios para a dor que estas pessoas doentes precisam de verdade e essa é uma verdadeira catástrofe de direitos humanos, e que a DEA faça uma declaração de políticas novinha em folha que diz basicamente o mesmo que antes não vai mudar nada”.

O que é necessário, disse Reynolds, é uma agressão legal total contra o arcabouço de controle das drogas prescritíveis da DEA. “Precisamos de um litígio de vários níveis com múltiplos demandantes perseguindo elementos distintos deste problema”. Mas, isso exigirá um compromisso mais forte dos reformadores do que o que até agora tem sido demonstrado. “Estamos em um engarrafamento de pesar e ninguém parece se importar”.

Dê Só Uma Olhada: Muitos Novos Comentários e Notícias Diárias e Mais na DRCNet

Caro leitor da Crônica da Guerra Contra as Drogas:

Na maioria das semanas, eu escrevo um editorial para este boletim. Hoje, achei que seria melhor chamar a sua atenção para o novo e extenso conteúdo que está entrando na nossa página diariamente desde o relançamento do nosso sítio.

https://stopthedrugwar.org/files/homepage.jpg
O enfoque dos nossos novos esforços expandidos (apesar de não ser a totalidade deles) é o projeto blogosférico do “Bar Clandestino da Stop the Drug War”, você pode ler as notícias diárias, comentários, notas à imprensa e anúncios dos nossos muitos grupos aliados no movimento, links para outros artigos interessantes em outros blogs, o ponto de vista da DRCNet sobre o que é novo e importante na questão sem ter que esperar até sexta-feira.

Algumas das publicações mais recentes incluem as seguintes:

Também, há um fomento de links Últimas Notícias para matérias sobre as políticas de drogas na mídia, uma seção atualizada Os Policiais Contra a Guerra às Drogas e muito mais em breve.

Obrigado por se juntar a nós! Por favor, se puder, faça uma doação para apoiar este e outros trabalhos.

Sinceramente,

David Borden
Diretor Executivo

Oportunidades de Empleo: Tres Cargos en la Drug Policy Alliance

La oficina de Washington, DC de la Drug Policy Alliance está haciendo contrataciones para tres cargos:

Vicedirector de Asuntos Nacionales:

El Vicedirector de Asuntos Nacionales trabaja con el Director de Asuntos Nacionales para promover la reforma de las políticas de drogas en el capitolio nacional, influenciar la legislación y las normas federales y cambiar el debate nacional acerca de las políticas de drogas. Las responsabilidades del empleo incluyen rastrear y analizar la legislación federal y las políticas del poder ejecutivo; trabajar con los departamentos de comunicación por Internet y membresía para movilizar a los defensores a actuar; redactar documentos, comunicados y otros materiales de presión legislativa; administrar el trabajo de los practicantes de la oficina; planear las sesiones informativas en el Congreso y demás eventos; y comunicar las posiciones de la Alliance con los personales y representantes del Congreso de las otras organizaciones.

Las calificaciones incluyen: Por lo menos 3 años de experiencia en abogacía o políticas públicas; experiencia en la coordinación de campañas legislativas (presión, medios, movilización de base, etc.); conocimiento del proceso legislativo federal (la experiencia en el capitolio, especialmente en la salud, el judiciario o apropiaciones, es un punto positivo); buenas habilidades de pesquisa, escrita y oratoria; fuerte atención al detalle.

Las responsabilidades incluyen:

Búsqueda Legislativa: Usa CQ, Thomas y otros servicios para rastrear el estatus de la legislación federal relacionada con las drogas; lee, resume y analiza la legislación y las políticas ejecutivas y mantiene una base de datos legislativa; monitora las audiencias de los comités; mantiene archivos sobre el Congreso; evalúa y recomienda varios servicios legislativos, como los sistemas de búsqueda de proyectos, herramientas activistas y trasmisión de faxes.

Pesquisa y Escrita: Escribe, desarrolla y difunde circulares, historiales, pliegos de reclamos, informes sobre políticas y otros tipos de material de presión; pesquisa y escribe sobre las cuestiones fundamentales de políticas; habla sobre las cuestiones de reforma de las políticas de drogas en las conferencias.

Supervisión de los Practicantes: Administra el programa de prácticas, incluye hacer propaganda del programa, lectura de postulaciones, entrevista con postulantes y contratación y gerencia de practicantes.

Presión y Contacto: Conciencia a los empleados del Congreso y los demás sobre la legislación y las políticas ejecutivas; representa a la Alliance en conferencias, reuniones y eventos de red y construye relaciones con las otras organizaciones; planea sesiones del Congreso y otros eventos; organiza las reuniones de coalición de la Alliance, incluso mantener listas de invitados y reclutar a nuevos miembros.

Bases de Apoyo: Trabaja con el departamento de comunicación por Internet y con el departamento de membresía para movilizar a los defensores a llamar/escribir/mandar faxes a sus representantes; redacta avisos, contenido en la red y textos de fax para el componente Acción de nuestra página web; trabaja con otros grupos para hacer que envíen los alertas y pongan anuncios en sus páginas web respecto de las campañas de la DPA.

La DPA ofrece un paquete excelente de beneficios que incluye a seguro de salud, plan odontológico, oftalmológico y de invalidez, además de seguro de vida; un plan 403(b) generoso; y cuatro semanas de vacaciones remuneradas.

Este cargo está disponible hasta que sea llenado. Envíe una carta que describa su interés y contenga currículo y muestra escrita (que no sea editada por terceros) a: Bill Piper, Drug Policy Alliance, 925 15th Street NW, 2º Piso, Washington, DC 20005 fax: (202) 216-0803, correo-e [email protected]. Se alientan los envíos de correos-e (por favor, use “Vicedirector” en el campo asunto) – no haga llamadas, por favor.

Asistente Legislativo:

El Asistente Legislativo es responsable por rastrear y analizar la legislación federal y las políticas del poder ejecutivo que pertenezcan a la guerra contra las drogas, desarrolla materiales de presión, pesquisa las cuestiones, planea eventos, asiste a otros empleados y coordina proyectos especiales.

Las calificaciones incluyen: Alguna experiencia con leyes o abogacía; excelentes habilidades de pesquisa y escrita; fuerte atención al detalle.

La DPA ofrece un paquete excelente de beneficios que incluye a seguro de salud, plan odontológico, oftalmológico y de invalidez, además de seguro de vida; un plan 403(b) generoso; y cuatro semanas de vacaciones remuneradas.

Este cargo está disponible hasta que sea llenado. Envíe una carta que describa su interés y contenga currículo y muestra escrita (que no sea editada por terceros) a: Bill Piper, Drug Policy Alliance, 925 15th Street NW, 2º Piso, Washington, DC 20005 fax: (202) 216-0803, correo-e [email protected]. Se alientan los envíos de correos-e (por favor, use “Asistente Legislativo” en el campo asunto) – no haga llamadas, por favor.

Gerente/Recepcionista de Media Jornada:

El gerente administrativo supervisa las operaciones diarias de la oficina de la Alliance en Washington, DC. Los deberes incluyen, pero no están limitados a, contestar el teléfono, encontrarse con los visitantes y saludarlos, buscar y pedir los suplementos de la oficina, procesar la correspondencia, tratar de los problemas de manutención de la oficina y asistir al personal. Los postulantes deben ser organizados, amigables, ponderados y hablar bien por teléfono. Se da preferencia al compromiso con la reforma de las políticas de drogas, pero eso no es esencial.

El cargo de Gerente Administrativo es de media jornada (25 horas por semana) y paga $12 por hora sin ningún beneficio.

Este cargo está disponible hasta que sea llenado. Envíe una carta que describa su interés y contenga currículo y muestra escrita (que no sea editada por terceros) a: Bill Piper, Drug Policy Alliance, 925 15th Street NW, 2º Piso, Washington, DC 20005 fax: (202) 216-0803, correo-e [email protected]. Se alientan los envíos de correos-e (por favor, use “Gerente Administrativo” en el campo asunto) – no haga llamadas, por favor.

La misión principal de la Drug Policy Alliance (DPA), la importante organización de reforma de las políticas de drogas del país, es avanzar aquellas políticas y conductas que reduzcan de la mejor manera los daños tanto del abuso químico como de la guerra contra las drogas y proteger a la soberanía de los individuos sobre sus mentes y cuerpos. Entre otras cosas, la DPA trabaja para terminar la prohibición de la marihuana; revocar la condenación mínima obligatoria; promulgar alternativas al encarcelamiento para los infractores no-violentos de la legislación antidroga; reducir la drogadicción, las sobredosis de drogas y la diseminación del VIH/SIDA y de la hepatitis; y cortar los gastos derrochadores de la guerra a las drogas. (Para más informaciones sobre la Drug Policy Alliance, visite http://www.drugpolicy.org.)

La DPA está ubicada en la Ciudad de Nueva York y mantiene siete otras oficinas en cuatro estados y el Distrito de Columbia. La DPA tiene 46 empleados y es sustentada por 26.000 miembros y 107.000 miembros electrónicos.

La Drug Policy Alliance es una Empleadora de Oportunidad Igual. Mujeres, personas de color y deficientes son alentados a postular.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, Vaping, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Pill Testing, Safer Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psilocybin / Magic Mushrooms, Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School