Breaking News:We Just Won an Old Fight

Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Hemp: North Carolina Governor Signs Bill to Study Industrial Use

North Carolina Governor Michael Easley has signed a bill that will create a commission to study the industrial uses of hemp. With that move coming as California awaits Governor Arnold Schwarzenegger's decision on whether to sign a hemp bill there and North Dakota finalizes rules that would allow farmers to grow hemp under a 1999 law, it appears the hemp logjam is beginning to break -- at least in the states.

The Beneficial Uses of Industrial Hemp Act, passed as part of the as part of the Studies Act of 2006, will lay the groundwork for industrial hemp farming in the heavily agriculture Tarheel State.

According to the new law, a commission will be created to study ""the uses of industrial hemp oil as an alternative fuel and motor oil; the uses of omega-3 rich industrial hemp seed and industrial hemp oil in snack foods, body care products, and food supplements; the uses of industrial hemp fibers as raw materials for construction and paper products and for fabric; and the uses of industrial hemp in the manufacture of recyclable car parts."

The commission will be comprised of 15 members, including delegates of the Governor, the Commissioner of Agriculture, the Secretary of Commerce, House and Senate leaders, Agriculture Committee chairs, the President of the NC Farm Bureau, and the deans of the Kenan-Flagler Business School at UNC-Chapel Hill, the Fuqua School of Business at Duke, the College of Agriculture and Life Sciences at NCSU and the School of Agriculture and Environmental Sciences at NC A&T. The commission will report its findings and recommendations to the 2007 General Assembly and the Environmental Review Commission by December 1, 2006.

Weekly: This Week in History

Posted in:

September 29, 1969: At the beginning of the second week of Operation Intercept, the Nixon Administration’s failed, unilateral attempt to halt the flow of drugs from Mexico into the United States, the Bureau of the Budget (predecessor to the Office of Management and Budget) sends a scathing critique to the White House of the June report that served as the catalyst for the plan, calling it a "grossly inadequate basis for Presidential decision" and warning that its recommendations were based on faulty or unproven assertions.

September 29, 1989: The domestic cocaine seizure record is set (still in effect today): 47,554 pounds in Sylmar, California.

September 30, 1996: President Bill Clinton signs into law the Omnibus Consolidated Appropriations Act for 1997. FY1997 totals provide increased drug-related funding for the two leading drug law enforcement agencies in the Department of Justice: FBI ($2,838 million) and DEA ($1,001 million).

October 1, 1998: The increase in funding of prisons and decrease in spending for schools prompts protests by California high school students.

October 2, 1982: Ronald Reagan, in a radio address to the nation on federal drug policy, says, "We're making no excuses for drugs -- hard, soft, or otherwise. Drugs are bad, and we're going after them. As I've said before, we've taken down the surrender flag and run up the battle flag. And we're going to win the war on drugs."

October 2, 1992: Thirty-one people from various law enforcement agencies storm Donald Scott's 200-acre ranch in Malibu, California. Scott's wife screams when she sees the intruders. When sixty-one-year-old Scott, who believes thieves are breaking into his home, comes out of the bedroom with a gun, he is shot dead. A drug task force was looking for marijuana plants. Interestingly, Scott had refused earlier to negotiate a sale of his property to the government. DEA agents were there to seize the ranch. After extensive searches, no marijuana is found.

October 3, 1996: US Public Law 104-237, known as the "Comprehensive Methamphetamine Control Act of 1996," is signed into law by President Bill Clinton. It contains provisions attempting to stop the importation of methamphetamine and precursor chemicals into the United States, attempting to control the manufacture of methamphetamine in clandestine laboratories, to increase penalties for trafficking in methamphetamine and List I precursor chemicals, to allow the government to seek restitution for the clean-up of clandestine laboratory sites, and attempting to stop rogue companies from selling large amounts of precursor chemicals that are diverted to clandestine laboratories.

October 4, 1970: Legendary singer Janis Joplin is found dead at Hollywood's Landmark Hotel, a victim of what is concluded to be an accidental heroin overdose.

October 5, 1999: The war on drugs is "an absolute failure," says Gov. Gary Johnson of New Mexico at a conference on national drug policies at the Cato Institute. Johnson, who drew sharp criticism from anti-drug leaders for being the first sitting governor to advocate legalizing drugs, argues that the government should regulate narcotics but not punish those who abuse them: "Make drugs a controlled substance like alcohol. Legalize it, control it, regulate it, tax it. If you legalize it, we might actually have a healthier society." Johnson also meets with founding members of Students for Sensible Drug Policy.

Sentencing: No Retroactive Relief for Rockefeller Drug Law Prisoners, New York Appeals Court Rules

People serving tough mid-level sentences under New York's draconian Rockefeller drug laws will not be able to get those sentences reduced if they were convicted before drug sentencing reforms took effect in January 2005, the state's highest court ruled September 21. In its opinion in the consolidated cases of three men sentenced under the old laws, the court held that the legislature intended only to cut the sentences of those newly convicted.

https://stopthedrugwar.org/files/rockpataki.jpg
not enough: Gov. Pataki signs Rockefeller reform bill, 12/04
Under the Drug Law Reform Act that came into effect last year, some 400 prisoners facing the most severe sentences -- up to life -- were allowed to seek retroactive sentence cuts. But thousands of prisoners doing lesser, but still severe, sentences were not explicitly granted that right. Three of them -- Thomas Thomas Utsey, Michael Nelson and Corey Smith -- appealed to the Court of Appeals, arguing they should have had the same opportunity to seek retroactive redress.

But in a unanimous decision, the court said no way. The bill clearly stated that the law would "apply to crimes committed on or after the effective date," the court noted. "Under the plain language of the statute, the relevant provisions of the DLRA are intended to apply only to crimes committed after its effective date," Chief Judge Judith Kaye said in her decision. "That being so, defendants are not eligible for the reduced penalties contained in the new law."

It took years of dogged effort by a broad coalition of civil rights, prison reform, and drug reform groups to win even the partial reform that was approved in 2004. Now, the New York courts have strongly signaled that any further relief must come through that same cumbersome legislative process.

Marijuana: Arkansas Town Joins List of Locales With Lowest Law Enforcement Priority Initiatives This November

Eureka Springs, Arkansas, is the latest community to join the ranks of those voting on initiatives that would make marijuana offenses the lowest law enforcement priority. Similar efforts have been victorious in Seattle and Oakland and the college town of Columbia, Missouri; and this year, Missoula, Montana, and three California cities -- Santa Barbara, Santa Cruz, and Santa Monica -- already have lowest priority initiatives qualified for the ballot.

https://stopthedrugwar.org/files/oregonbust.jpg
marijuana bust
Thanks to the efforts of nearby University of Arkansas NORML, who put on the signature gathering effort, the Carroll County Election Commission approved the measure for the ballot Monday. The measure would make the arrest and prosecution of marijuana possession cases involving less than an ounce the lowest law enforcement priority.

“We believe this is going to free up other police resources to deal with more serious crimes,” local NORML chapter president Ryan Denham told the Arkansas Democrat-Gazette.

Eureka Springs Police Chief Earl Hyatt was not enthused, though he did sound a bit confused. He errantly told the Democrat-Gazette the measure would contradict state and federal law, but it would only direct police to set a policy regarding law enforcement priorities. “Whether it passes or not, if it’s in contradiction with state or federal law, it doesn’t count,” Hyatt said.

NORML's Denham told the local newspaper the campus group had originally set out to mount campaigns in Fayetteville, where the university is, but aborted those efforts after realizing they would fall short. Instead, they aimed at the smaller Eureka Springs, where only 144 valid signatures -- 15% of those voting in the last mayoral election -- were required. The group handed in 156.

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

The lucrative cross-border drug traffic draws another Border Patrol agent into trouble, a New Jersey cop's forgetfulness gets him in trouble, and two more greedy prison guards get themselves in trouble. Nothing special here; it's just another week in the drug war. Let's get to it:

In El Paso, a Border Patrol agent was arrested September 15 on charges he accepted bribes to allow dope through a border checkpoint, the Associated Press reported. According to the criminal complaint, Arturo Arzate, a 21-year Border Patrol veteran, allegedly met with smugglers and agreed to take payments of $50 for each kilogram of marijuana and $1,000 for each kilo of cocaine he let get through. The feds have accused him of receiving $16,000 in bribes while he was under an investigation that began last fall. Arzate's downfall began when an informant told the FBI he had seen Arzate meeting with a known drug trafficker. He is charged with bribery, conspiracy, and knowingly distributing a controlled substance.

In Irvington, New Jersey, a police officer was arrested last Friday on charges he stole drugs, handguns, and case files from the departmental evidence locker, the Associated Press reported. Irvington Police Officer Frederick Southerland went down after he failed to pay rent on a storage unit. The items in the storage unit were sold at auction, and when the buyer discovered five pistols, cocaine, heroin, and marijuana, he notified authorities, who soon swooped in on Southerland. The 18-year veteran officer is now charged with official misconduct and receiving stolen property and faces up to 10 years in prison.

In Homer, Louisiana, one Union Parish Detention Center guard was arrested September 21 and another was being sought on charges they smuggled marijuana in to a jail inmate, according to the Associated Press. Guard Nicholas Wilson, 21, was booked and bailed out pending trial, while guard James Webb, 23, was on the lam at last report. The pair went down after detectives found an ounce of weed in an inmate's cell, and Wilson admitted his involvement and ratted out Webb. The missing Webb faces charges of distribution of marijuana, malfeasance in office, conspiracy to distribute marijuana, and conspiracy to introduce contraband into a penal institution. Wilson is charged with one count -- conspiracy to introduce contraband.

Europa: É Mais Provável que a Polícia Londrina Prenda Negros do que Brancos por Porte de Maconha

Um relatório da Scotland Yard, o quartel-general da Polícia Metropolitana de Londres, sobre a raça e as detenções por maconha, está levando a acusações de racismo. O relatório descobriu que as pessoas de ascendência eram 40% de todas as pessoas presas por maconha em Londres, apesar de serem apenas 12% da população. Para piorar as coisas, assim que alguém fosse parado pela polícia por infringir as leis sobre a maconha, teria mais chances de ser preso se fosse negro.

O relatório examinou todas as 24.916 infrações por porte de maconha na cidade entre Janeiro e Abril deste ano. Isso aconteceu como parte de um estudo geral do controle da maconha desde que a erva foi rebaixada para droga de Classe C em 2004. Desde então, a polícia reteve o poder de prender as pessoas por simples porte, mas também tem a escolha de lhes dar uma advertência formal ou uma “advertência de rua” informal.

Parecem estar exercendo esse poder discricionário de maneira discriminatória. Embora 18,5% dos negros fossem presos, apenas 14% dos brancos o eram. Os números se inverteram quando se tratava daqueles que receberam uma advertência, com 19,3% dos brancos recebendo-a, comparados com os 14,2% de negros.

A Scotland Yard se recusou a jogar a culpa de racismo nas fileiras – um tópico sensível na Polícia Metropolitana nos últimos anos – e disse que “nenhuma ação de emenda é planejada” até que haja mais pesquisa. “Estamos levando a cabo mais pesquisa destes dados a fim de compreendermos qual é a causa da sobre-representação”, disse uma porta-voz da polícia. “Não é possível chegar a uma conclusão sem que mais trabalho seja conduzido. A decisão de prender e acusar variará de acordo com cada caso e amiúde depende de uma variedade complexa de fatores”.

Mas, George Rhoden, presidente da Associação da Polícia Negra da Scotland Yard, não aceitava isso. “Tem que se tratar de racismo. Estes dados mostram que o racismo desempenha um papel considerável na maneira pela qual a polícia lida com as pessoas de cor”, disse ele ao Guardian. Ele disse que a polícia estivera ciente do problema da desproporcionalidade durante muitos anos. “Então, por que ainda estamos neste estágio?”

As críticas de Rhoden tiveram o apoio das do Dr. Richard Stone, que presidiu uma comissão anterior que dava uma olhada no racismo dentro da Polícia Metropolitana. Stone tinha “grande simpatia” por Rhoden, disse ele ao Guardian. “Onde há uma desproporção de qualquer tipo tenta-se excluir quaisquer outros motivos possíveis, mas nenhum justifica a desproporção contínua. É preciso pensar que a cor da pele do suspeito é um fator considerável. Mas, a palavra racismo saiu da pauta”, disse.

A Scotland Yard pode não querer dizer a palavra, mas os números falam por si mesmos.

Sudoeste Asiático: Proposta de transformar ópio afegão em morfina legal consegue apoio

Uma proposta para autorizar a produção ilegal de papoulas do Afeganistão e transformá-la em morfina para o mercado medicinal global legítimo conseguiu mais apoio nesta semana enquanto a Cruz Vermelha Italiana e o Crescente Vermelho Afegão lançavam uma campanha para promoverem a idéia. Embora até agora os governos do Afeganistão, dos EUA e dos países da OTAN tenham escarnecido dela, a proposta cuidadosamente investigada de autorização do Conselho de Senlis, um instituto europeu de consultoria em segurança, desenvolvimento e políticas de drogas, já conseguiu o respaldo de algumas figuras políticas na Inglaterra e do governo italiano.

https://stopthedrugwar.org/files/opium-smaller.jpg
os artigos do traficante de ópio (foto do editor da Crônica, Phil Smith, durante a visita de Setembro de 2005 ao Afeganistão)
As Nações Unidas informaram há menos de três semanas que apesar dos esforços correntes de erradicação, o cultivo afegão de papoulas aumentara assombros 60% e produziria um recorde histórico de 6.100 toneladas de papoulas neste ano. Atualmente, o Afeganistão responde por 92% da produção ilícita de ópio em todo o mundo.

De acordo com a ONU,uns 2,9 milhões de afegãos estão envolvidos no cultivo de papoulas, representando mais de 12% da população. O cultivo renderá uma estimativa de $3 bilhões neste ano, com os agricultores embolsando cerca de $750 milhões e o resto indo para os traficantes e seus aliados, que vão do Talibã e da Al Qaeda aos ministros do governo, parlamentares, governadores provinciais e caudilhos.

Em entrevista coletiva na segunda-feira, a Cruz Vermelha Italiana se juntou á campanha em prol da proposta do Conselho de Senlis. “Este sistema que defendemos estipula que uma parte do ópio afegão seja usado para fazer a morfina legal, em vez da heroína ilegal”, disse o presidente da Cruz Vermelha Italiana, Massimo Barra, aos repórteres em Roma. Transformar os campos de papoulas ilícitas em lícitas “reduziria a importância das práticas ilegais no Afeganistão e lidaria com a crise da dor nos países em desenvolvimento”, onde os analgésicos à base de ópio são necessários para tratar os pacientes com câncer, AIDS e outras doenças, disse Barra.

O Crescente Vermelho Afegão também se juntando ao pedido de adoção da proposta do Conselho de Senlis. O Crescente, a Cruz Vermelha Italiana e o Conselho de Senlis também usaram a entrevista coletiva da segunda-feira para anunciar a inauguração de uma ala hospitalar de 50 leitos em Cabul para o tratamento de dependentes químicos.

Para o diretor executivo do Conselho de Senlis, Emmanuel Reinert, que também falou na entrevista coletiva, a erradicação tem provado ser ineficaz e contraproducente porque está tirando os sustentos dos agricultores premidos

“Neste momento, os agricultores não têm escolha; se pudessem, eles gostariam de fazer a coisa certa”, disse, acrescentando que não seria difícil pagar aos agricultores autorizados o equivalente da renda total deles oriunda do cultivo ilegal. “Os agricultores terão o mesmo incentivo financeiro”, disse Reinert.

Busca na Rede

comentários sobre gravidez e consumo de drogas, da Women’s Enews

a página de reforma da justiça criminal de Maryland, incluindo um relatório sobre o tratamento e o encarceramento, do Justice Policy Institute

o discurso antidrogas histórico de Ronald e Nancy Reagan

Cultural Baggage for 09/15/06, inclusive o Juiz Arthur L. Burnett e Vincent Hayden da National African American Drug Policy Coalition e Howard Wooldridge da Law Enforcement Against Prohibition

Semanal: Esta Semana na História

23 de Setembro de 2002: O dispensário de maconha medicinal de Mike e Valerie Corral perto de Santa Cruz, Califórnia, é sitiado pouco antes do amanhecer por agentes federais. Os Corral são dominados a ponto de bala enquanto o roçado cultivado cooperativamente é destruído.

24 de Setembro de 1997: Um júri federal em São Diego indicia o líder do cartel mexicano Ramón Arellano-Félix sob acusações de contrabando de drogas. No mesmo dia, ele é acrescentado à lista dos 10 Mais Procurados do FBI.

25 de Setembro de 1996: Poucos dias antes que o Congresso entrasse em recesso, o Dep. Newt Gingrich (R-GA) apresenta o H.R. 4179, o “Ato de Pena de Morte para o Importador de Drogas de 1996” [Drug Importer Death Penalty Act of 1996]. Dentro de poucos dias, o projeto atrai uma coalizão de 26 co-defensores republicanos. A legislação exige ou uma sentença de prisão perpétua ou a pena de morte para qualquer um pego trazendo mais de 60 gramas de maconha para os Estados Unidos.

26 de Setembro de 2002: Em uma ação que eventualmente resulta em uma ação judicial que alega a interferência ilegal em uma eleição, a Administração de Serviços de Abuso Químico e Saúde Mental (SAMHSA) concede uma doação de $3.000.000 ao governo em Nevada durante a época em que o Secretário Antidrogas dos EUA, John Walters, está tentando construir a oposição à iniciativa eleitoral de Nevada, a Questão 9, que propõe emendar a constituição do estado ao tornar o porte de 90 gramas ou menos de maconha legal para os adultos. (Apenas dois outros estados recebem grandes doações da SAMHSA nessa época – Michigan e Ohio, que também enfrentam iniciativas de reforma das políticas de drogas.)

27 de Setembro de 2004: Atropelado por um condutor embriagado quando tinha quatro anos de idade e paralisado do pescoço para baixo, o tetraplégico Jonathan Magbie morre de cuidados médicos inadequados enquanto cumpria uma sentença de dez dias por porte de maconha em uma cadeia de Washington, DC.

28 de Setembro de 2001: Os agentes da Administração de Repressão às Drogas confiscam arquivos que contêm registros legais e médicos de mais de 5.000 pacientes de maconha medicinal associados ao Centro de Pesquisa Médica da Califórnia na Comarca de El Dorado quando sitiaram o lar e escritório da Drª. Mollie Fry, uma médica, e do marido dela, Dale Schafer, um advogado que anunciara anteriormente a sua candidatura à promotoria da Comarca de El Dorado.

Polícia: Prefeito maluco Melton de Jackson, Mississippi é indiciado por crimes de repressão às drogas

O prefeito de Jackson, Mississippi, Frank Melton, foi indiciado na sexta-feira passada por seis acusações criminais relacionadas à destruição parcial de uma suposta boca-de-fumo no mês passado. Ele também foi acusado de três infrações relacionadas às armas, uma delas criminal, e pode pegar até 50 anos de prisão. Dois detetives da polícia de Jackson que agiram como guarda-costas de Melton também foram indiciados no ataque contra a boca-de-fumo.

https://stopthedrugwar.org/files/frankmelton.gif
Frank Melton como secretário antidrogas, com o gobernador Ronnie Musgrove, 2002
Melton é um executivo da televisão que entrou no serviço público como “secretário antidrogas” do Mississippi em dezembro de 2002. Deixou rápido a marca dele, administrando postos de fiscalização de drogas ilegais e participando de apreensões mesmo apesar de não ser um oficial certificado da lei antes de lhe ser ordenado que parasse e desistisse por verdadeiros agentes da lei. Ele também causou repercussões na primavera seguinte quando prometeu usar meios inconstitucionais para perseguir os preparadores de metanfetamina, pelos quais era aparentemente obcecado.

Como prefeito de Jackson desde julho de 2005, Melton continuou com sua postura de combate à criminalidade e às drogas ao melhor estilo justiceiro. Ele começou seu mandado na prefeitura com uma varredura da criminalidade que durou três dias “só para informar às pessoas que estamos presentes”, como disse na época. Essas varreduras policiais, completas com o prefeito Melton dando voltas na Unidade do Comando Móvel da Polícia de Jackson e vestindo um uniforme do comando da polícia, continuaram durante o mandato dele, inclusive uma em dezembro passado que capturou dezenas de estudantes preguiçosos.

As atividades aspirantes à polícia de Melton deram início à indignação e à preocupação da comunidade no início deste ano, incitando a promotora da Comarca de Hinds, Faye Peterson, a investigar se ele cometera algum crime. A promotora não conseguiu nada na primavera, mas quando Melton, seus guarda-costas e alguns adolescentes que geralmente ficam com ele irromperam no que Melton chamou de “uma boca-de-fumo” no mês passado, eles foram longe demais.

Melton e a sua turba quebradora atacaram a fachada da casa com malhos, derrubando parte da parede frontal de uma casa alugada por um homem chamado Evans Welch. Não havia provas de tráfico de cocaína, mas Welch foi preso por porte contraventor de maconha e porte de apetrechos para consumo de drogas. Ele foi solto da cadeia.

Melton e a gangue dele estavam agindo sem mandado de busca nem qualquer causa provável aparente. Agora, ele tentará convencer uma corte que não deveria ser preso por infringir a lei em seu entusiasmo fervoroso por apoiá-la.

Apesar de agora existir um número cada vez maior de pedidos da renúncia dele, o prefeito combatente da criminalidade ainda conta com apoio dentro da cidade, inclusive do pobre bairro de Virden Addition onde aconteceu o ataque do malho. O Jackson Courier-Ledger informou na terça à noite que uns 150 defensores de Melton, os quais levavam cartazes que diziam coisas como “Declarem a inocência de Frank Melton”, convergiram em uma reunião da câmara dos vereadores de Jackson naquela noite para manifestarem o apoio deles.

Maconha Medicinal: Tem Início o Programa de Rhode Island

Os cidadãos de Rhode Island estão se registrando no novo programa de maconha medicinal do estado em um índice de apenas menos de um por dia, de acordo com as autoridades da saúde. Pelo menos 131 pacientes obtiveram as carteiras de registro do estado desde que o programa entrou em funcionamento em Abril e outras 129 pessoas foram certificadas como fornecedoras.

https://stopthedrugwar.org/files/rhondaodonnell.jpg
a importante paciente e ativista de RI, Rhonda O’Donnell, em um protesto em DC
Rhode Island virou o 11º estado a legalizar o consumo medicinal de maconha em Janeiro. De acordo com a lei de Rhode Island, os pacientes com uma de diversas doenças crônicas, inclusive o câncer ou a AIDS, devem fornecer documentação de um médico de que os benefícios de consumir maconha pela enfermidade deles superam os riscos. O Departamento da Saúde do estado emite então uma carteira de registro. Os pacientes e seus fornecedores apontados podem portar até 12 plantas ou 75 gramas da erva.

A lei de Rhode Island não estipula nenhum dispositivo para a maneira através da qual os pacientes obterão as sementes ou a maconha e os funcionários da saúde do estado não querem nem saber, e também não vão dar conselhos sobre onde consegui-la. “Eu não faço perguntas”, disse Charles Alexandre, diretor de regulamentação das profissões da saúde, o departamento que administra o programa. “Eles me perguntam freqüentemente onde consegui-la. Tenho que lhes explicar um pouco”, disse ele ao Providence Journal.

De acordo com Alexandre, 89 médicos assinaram recomendações de maconha medicinal, aliviando os temores de que os pacientes terminariam indo a um pequeno número de “médicos da maconha”.

Agora, Rhode Island se junta às fileiras de estados em que os pacientes seriamente doentes podem tomar os seus remédios em paz – pelo menos, contanto que os federais não apareçam.

Imposição da Lei: Policiais Usaram Alta Tecnologia em Freqüentadores de Festival de Roque no Kansas

A Crônica da Guerra Contra as Drogas informou em Junho sobre “os pontos de sobriedade e repressão no trânsito” feitos para pegar as pessoas que compareceram ao Festival de Música de Wakarusa nas redondezas de Lawrence, Kansas. Mal sabíamos nós que isso foi o mínimo que a lei fez. Agora, parece que os oficiais da lei estadual e municipal fizeram um trabalho em equipe com uma empresa de vigilância e segurança com tecnologia de ponta da Califórnia para colocar o festival e seus 50.000 participantes sob vigilância constante em vídeo de alta resolução.

No que foi essencialmente uma estratégia de marketing patrocinada pelo estado da NS Microwave, Inc., a fabricante da tecnologia, os membros do FBI, da DEA, da Agência de Investigação do Kansas, da Polícia de Lawrence e do Gabinete do Xerife da Comarca de Douglas compareceram todos ao festival para ver o equipamento de $250.000 ampliar a imagem das compras de drogas, da confecção de baseados e de atividades similarmente íntimas. (A NS Microwave, uma subsidiária do licitante de defesa, o Allied Defense Group, se vangloriou deste golpe em uma nota à imprensa agressivamente descortês que, sem dúvida nenhuma, deu com a língua nos dentes.)

A armação incluiu câmeras escondidas, aparelhos de visão noturna e um reboque de comando de mais de 6 metros estabelecido no meio do festival e disfarçado como reboque de uma emissora de rádio. De acordo com um artigo elogioso na publicação comercial Government Security News, “Quando os oficiais da lei viram os monitores da vigilância no reboque de comando, se surpreenderam ao descobrirem que o sistema da NS Microwave estivesse mostrando detalhes nunca esperados. Nas telas, os aparelhos exibiam uma gama enorme de atividades ilegais, inclusive muito narcotráfico, uso de veículos para armazenar os narcóticos dos traficantes e transações entre traficantes e mulas”.

“Foi uma grande surpresa”, disse o Ten. Doug Woods, comandante da patrulha do Gabinete do Xerife da Comarca de Douglas, ao News. “Tivemos resultados muito bons”.

De acordo com os informes da polícia e da imprensa, umas 140 detenções relacionadas às drogas foram realizadas. Mas, não está claro quantas ocorreram como resultado da vigilância escondida. De acordo com Woods, 15 oficiais patrulharam durante o turno vespertino e 20 no noturno, com 50 à mão para o clímax da noite de sábado do festival.

O aparato judiciário-legal do Kansas jamais contou a ninguém sobre a vigilância secreta com tecnologia de ponta e a espionagem não teria sido percebida sem a publicação da nota à imprensa da NS e o artigo positivo da Government Security News, mas depois que isso aconteceu, o Lawrence Journal-World informou a matéria localmente e a reação adversa começou a aparecer. O Journal-World citou freqüentadores que diziam que as câmeras escondidas eram “uma vergonha e meio constrangedoras”. A participante Ali Mangan disse ao jornal local, “Sinto que foi realmente um grande erro porque as pessoas no festival estavam tentando se divertir e relaxar. Estaria disposta a apostar que a maioria das pessoas não aceitaria isso se houvesse sabido”.

Por volta desta semana, o jornal da Universidade do Kansas, o Daily Kansan, estava denunciando a espionagem em sua página editorial. Em um editorial intitulado francamente “Câmeras Secretas Infringiram a Privacidade” ["Secret Cameras Violated Privacy”], o jornal castigou o aparato judiciário-legal municipal e estadual. “Os ganhos econômicos ganharam da privacidade no festival. Se o aparato judiciário-legal tivesse publicado cartazes que declarassem a presença da vigilância eletrônica, o tráfico de drogas poderia ter diminuído desde o princípio”, notou o jornal. “Ao invés disso, o dinheiro suspeito de vir das drogas que foi confiscado e as multas coletadas serão acrescidas aos cofres da cidade, que ainda não disse o que vai fazer com o dinheiro”.

“O que é mais perturbador”, prosseguiu o editorial, “é que a lei provavelmente nunca teria revelado o seu esquema secreto de faturamento se o artigo da GSN não tivesse aparecido. O aparato legal municipal instalou secretamente câmeras em outros lugares públicos? Talvez não fiquemos sabendo até que outro artigo seja publicado em um obscuro jornal comercial”.

Na terça-feira, o organizador do festival Wakarusa, Brent Mosiman, deu a sua opinião na página do Wakarusa com um pedido de desculpas aos participantes e uma crítica da lei. “Não podemos nem lhes dizer como lamentamos que estes problemas [de espionagem] tenham acontecido no Wakarusa deste ano e, sinceramente, pedimos desculpas a todos por quaisquer infrações de seus direitos ou de sua privacidade. Para lhes dar alguns antecedentes, fomos informados que haveria um aumento na presença da lei no evento deste ano. Inicialmente, apoiamos isso quando foi apresentado como esforço para aumentar a segurança de todos na platéia. Contudo, ficou aparente que a repressão, não a segurança e a proteção, era a verdadeira missão do incremento na imposição da lei. Devemos deixar perfeitamente claro que não sabíamos de nenhuma das medidas, táticas ou instrumentos específicos que as várias agências da lei usaram no evento. O mais importante é que o Wakarusa não acredita que tais táticas e aparelhos fossem necessários e não apóia o uso deles. Se não houver garantias consideráveis de que procedimentos similares não se materializarão no futuro, não vamos fazer outro Festival Wakarusa de Música e Acampamento”, escreveu Mosiman.

Imposição da Lei: As Estórias de Policiais Corruptos Desta Semana

Graças a Deus os agentes penitenciários estão mantendo a parte deles no trato, porque a polícia tem se comportado direitinho nesta semana. A única matéria sobre policiais corruptos que temos nesta semana apareceu na verdade na semana passada e estava baseada em acontecimentos que ocorreram no mês passado. Vamos ao que interessa:

Em Baltimore, pela segunda vez neste ano, a Polícia de Baltimore debandou uma de suas “Equipes Especiais de Repressão” e lançou uma investigação interina de suas atividades, pondo em risco dúzias de casos criminais pendentes, informou o Baltimore Sun na semana passada. O departamento dissolveu o esquadrão no mês passado, mas não anunciou isso até a semana passada. De acordo com o porta-voz do departamento, Matt Jablow, a investigação envolve “alegações de improbidade”. “Fontes próximas à investigação” disseram ao Sun que os oficiais são acusados de mentir nos documentos da acusação, cuja maioria envolve detenções por delitos de drogas. As “Equipes Especiais de Repressão” de Baltimore deveriam ser “acionadas rapidamente para responderem aos problemas emergentes de criminalidade violenta por toda Baltimore”, de acordo com o relatório anual de 2005 do departamento, mas das mais de 7.000 detenções que fez junto ao SET do sudeste, a maior parte foi de casos de drogas e perturbação da ordem. Entre Dezembro e Janeiro passados, um “esquadrão flexível” da polícia de Baltimore no sudoeste foi dissolvido após alegações de uma mulher ter sido estuprada pelos oficiais. Aqueles oficiais também foram acusados de roubar e plantar provas. Eles enfrentam julgamento em Dezembro. Nenhum oficial foi preso ainda no último escândalo que surgiu.

Em Malone, Nova Iorque, um agente penitenciário foi preso por supostamente vender heroína a internos na Instalação Correcional de Bare Hill, informou a North Country Gazette na segunda-feira. Michael Bradish, 43, oficial durante 16 anos, caiu após meses de investigação da Inspetoria-Geral do Departamento de Correções. Ele é acusado de porte de substância controlada, corrupção passiva, tentativa de porte de contrabando, receber recompensa por improbidade oficial e formação de quadrilha. Ele está na Cadeia da Comarca de Franklin até e a menos que consiga os $100.000 da fiança.

Em Douglas, Arizona, um oficial do Departamento de Correção do Arizona foi preso na sexta-feira passada sob acusações de porte e vendas de cocaína. O agente penitenciário Renee Dias, 29, foi detido no complexo da Prisão de Douglas, informou o Douglas Dispatch. Os oficiais que entregaram um mandado de busca no lar de Días encontraram pouco mais de 100 gramas de cocaína estimados em mais de $5.000, de acordo com a Polícia de Douglas. Días é acusado de porte de narcóticos, porte de narcóticos para venda e porte de apetrechos de drogas. Atualmente, reside na Cadeia da Comarca de Cochise na vizinha Bisbee.

Anúncio: Novo Formato para o Calendário do Reformador

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
A partir desta edição, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Ansiamos por informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estejam disponíveis.

Editorial: Agora Se Importam com o que É Certo?

David Borden, Diretor Executivo

https://stopthedrugwar.org/files/borden12.jpg
David Borden
Uma das matérias informadas pela maioria das redes de notícias nesta semana foi sobre a detenção nos EUA do famoso caçador de recompensas Duane “Dog” Chapman, procurado para extradição pelo México pelo que as autoridades disseram que era uma detenção ilegal. Chapman e os membros da equipe dele tinham capturado um herdeiro rico de uma empresa de cosméticos, Andrew Luster, que era procurado nos EUA por acusações de estupro (e que agora está cumprindo uma sentença de 124 anos). Os mexicanos queriam que Luster fosse entregue a eles, prendeu os caçadores de recompensas depois que se recusaram e, então, os soltaram sob fiança até a audiência à qual Chapman e companhia não compareceram.

Chapman e sua esposa Beth são figuras supremamente excêntricas. São especialmente famosos no seu estado natal do Havaí, mas têm um público nacional através do programa popular da tevê baseado no trabalho deles, “Dog the Bounty Hunter”. No início deste ano, estive literalmente a poucos minutos de aparecer com Chapman em um programa nacional de tevê a cabo discutindo a metanfetamina, antes que uma mudança no formato frustrasse isso.

Os tipos da procuradoria que apareceram nos noticiários nesta semana foram bem simpáticos em relação a Chapman e achei um dos argumentos deles bem desconcertante. Basicamente, a abordagem deles era a de que embora ele pudesse ter infringido a lei mexicana e embora a infração pudesse ou não ser extraditável pelos EUA segundo a lei estadunidense, o importante – esta é a parte desconcertante – é o que é “certo” a se fazer. Não é certo extraditar Chapman ao México porque a coisa pela qual ele se encrencou era boa e importante.

O desconcertante não é a idéia em si – tenho muito simpatia pela idéia de que o que é certo e justo tem maior importância do que o que é legalmente prescrito quando estão em conflito. Nem todos concordam com isto, mas não é um argumento desconhecido.

O desconcertante é quem estava usando esse argumento. Os mesmos procuradores também diriam que os juízes que ignoram as sentenças mínimas obrigatórias por delitos de drogas se eles acharem que os termos de encarceramento requeridos são injustamente longos – por exemplo – estão “errados”? Se opuseram aos pedidos de extradição do governo dos EUA para recuperar refugiados por maconha medicinal como Steve Kubby e Renee Boje – por sentenças de prisão que muitos temiam na época que seriam duríssimas ou pela negação do acesso ao medicamento – porque que o Canadá lhes desse abrigo em vista de tais sentenças seria “certo”? Eles dariam o apoio deles às cidades e corporações da polícia que permitem a operação de programas ilegais de troca de seringas, porque é crítico deter a disseminação da Hepatite e do HIV, e às pessoas que entregam as seringas dignas de elogios por fazerem isso?

Talvez fizessem isso. Mas, acho que há chances de que não fizessem, em alguns ou todos estes casos. Para a maioria, os procuradores e os aliados deles professam o ponto de vista de que a lei é a lei, trabalhe politicamente para mudá-la se não concorda com ela, mas se a infringir você sabia que corria o risco de castigo e não tem nada que reclamar.

Não é que eu esteja defendendo a extradição neste caso. Os defensores de Chapman têm bons argumentos. O indivíduo que ele capturou era acusado de um crime sério e vil e as autoridades mexicanas não tinham conseguido apreendê-lo. Se pudesse permanecer foragido, ele podia ter cometido os mesmos crimes contra mulheres no México. A captura de Luster feita por Chapman fez um serviço aos mexicanos e às suas vítimas aqui nos EUA. Não tenho em alta conta a sua “detenção cidadã” aleatória de usuários de metanfetamina, mesmo quando ele os leva a clínicas de tratamento em vez de levá-los à polícia, mas esta não é a questão aqui. E pelo menos ele é a favor da legalização da maconha.

Mas, não é como se não houvesse argumentos do outro lado. Chapman não compareceu à audiência dele na corte. Ele infringiu as leis de um país que o autorizara como convidado. Se Chapman pode ignorar as leis e os procedimentos de um país, outros podem ignorá-los também – possivelmente vitimando pessoas sem querer ou até causando dano ou perdas de vidas no processo. Se os EUA podem ignorar os tratados de extradição dos quais são signatários, outros países com gente sob custódia que nós queremos também podem ignorá-los. Os corpos legislativos democraticamente eleitos do México redigiram certas regras que governam esta área de atividade. Aquelas regras podem ser sábias ou não, mas presumivelmente o corpo legislativo que as promulgou teve mais tempo para ponderar as implicações, benefícios e custos delas do que Chapman no calor do momento quando desobedeceu às ordens da polícia mexicana.

Entonces, porque hay argumentos del otro lado – ya estén de acuerdo con ellos o no – es revelador ver que las personas que sirven efectivamente como voceras de la procuraduría se pronuncien por alguien que a ellos les gusta, pero de una manera que probablemente contestarían en la mayor parte de los otros casos.

Sea lo que fuere lo correcto en este caso, lo correcto que los fiscales tienen que empezar a hacer es comenzar a honrar sus juramentos de buscar justicia en vez de buscar solamente lo máximo posible de condenaciones con lo máximo posible de duración en las sentencias de prisión, como sucede comúnmente ahora. Si justicia es tener prioridad sobre el texto de la ley para sus amigos, ellos también deberían defender la justicia real para todos.

Então, porque há argumentos do outro lado – concordem com eles ou não – é revelador que as pessoas que servem efetivamente como porta-vozes da procuradoria se pronunciam por alguém de quem eles gostam, mas de uma maneira que provavelmente contestariam na maior parte dos outros casos.

Seja o que for a coisa certa neste caso, o certo que os procuradores têm que iniciar a fazer é começar a honrar os juramentos deles de procurarem a justiça em vez de buscarem somente o máximo possível de condenações com o máximo possível de duração nas sentenças de prisão, como acontece comumente agora. Se justiça é ter prioridade sobre o texto da lei para os amigos deles, eles também deveriam defender a justiça real para todos.

Matéria: Detenções por Drogas Atingem Outra Alta Recorde, Mais de 786.000 Detenções por Maconha Só em 2005

O FBI lançou o seu Relatório Uniforme Sobre a Criminalidade na segunda-feira e mostrava que apesar de quase duas décadas de esforços de reforma das políticas de drogas, a guerra às drogas continua irredutível, pelo menos quando medida pelas detenções. De acordo com o relatório, o total de detenções por drogas atingiu um recorde de 1,8 milhão no ano passado, respondendo por 13,1% de todas as detenções no país. As detenções por maconha totalizaram 786.545, outra alta histórica.

https://stopthedrugwar.org/files/bristoldrugbust.jpg
apreensão de drogas em Bristol, Virgínia
Mais pessoas foram presas por delitos de drogas no ano passado do que por qualquer outra infração. Cerca de 1,6 milhão de pessoas foram presas por crimes contra o patrimônio, 200.000 menos do que as que foram detidas sob acusações de delitos de drogas. O número de pessoas presas sob acusações de delitos de drogas foi mais que três vezes maior do que as 603.500 pessoas presas por crimes de sangue.

As pessoas presas por tráfico, fabricação ou cultivo de drogas respondiam por apenas 18% de todas as detenções por drogas, o que significa que aproximadamente 1,5 milhão de pessoas esteve à mercê do sistema de justiça criminal meramente porque portaram a substância errada. Quando se trata das detenções por maconha, apenas 12% foram por venta ou cultivo, o que quer dizer que umas 696.000 pessoas foram presas por porte de maconha.

As detenções por maconha foram 42,6% de todas as detenções por drogas, o que sugere que se a erva fosse legal, a guerra às drogas seria reduzida quase pela metade. A heroína e a cocaína responderam por outros 30,2% das detenções por drogas, enquanto que as drogas sintéticas e “outras drogas não-narcóticas perigosas” responderam por 27,2%.

As detenções por maconha mais que dobraram desde 1993, quando estiveram em 380.000. Por volta do começo do governo Bush em 2001, o número era 723.000. O dado caiu para 697.000 em 2002, mas tem aumentado a cada ano desde então.

“Estes números desmentem a falácia de que a polícia não objetiva nem prende os pequenos infratores por maconha”, disse o diretor executivo da National Organization for the Reform of Marijuana Laws (NORML), Allen St. Pierre, que observou que nos índices atuais, um fumante de maconha é preso a cada 40 segundos nos Estados Unidos. “Este esforço é um tremendo desperdício de recursos da justiça criminal que desvia o pessoal da lei de se concentrar na criminalidade séria e violenta, inclusive a guerra contra o terrorismo”, debateu.

“Uma detenção por maconha a cada 40 segundos”, suspirou Tom Angell, diretor de comunicação do Students for Sensible Drug Policy (SSDP). “Eu acho que os números mostram que a maioria das pessoas presas por porte de maconha é jovem, e presumivelmente muitas delas são estudantes. Quanto mais os jovens são presos por delitos de maconha, mais são condenados e perdem o auxílio financeiro deles”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “As conseqüências de uma detenção por delito de drogas não acabam com as algemas e as celas da cadeia; é importante lembrar isso quando saem estes dados todos os anos. Mesmo se as pessoas não estiverem sendo enviadas à cadeia por longos períodos, ainda sofrem muito ao perderem o acesso aos benefícios públicos e terem antecedentes criminais que os caçarão pelo resto de suas vidas”.

“Este é um quebra-cabeça interessante”, disse Bruce Mirken, diretor de comunicação do Marijuana Policy Project. “Sempre ouvimos que a polícia não está fazendo da maconha uma prioridade, mas os números continuam subindo. Poder-se-ia começar a pensar que alguns desses agentes da lei que fazem essas afirmações podem não estar dizendo a verdade”, disse ele à Crônica.

https://stopthedrugwar.org/files/fbichart.gif
porcentagens de detenções por drogas, 1994-2003 (fonte: FBI)
Os dados enormes de detenções por maconha são detectados de alguma forma, disse Mirken. “Quando conversei com os repórteres sobre estes números, ficaram consternados. Muitas pessoas parecem não saber que durante três anos prendemos mais de três-quartos de milhão de pessoas por maconha, quase 90% delas por porte. Gostaria de poder dizer que era um choque que o número tenha subido novamente, mas simplesmente continua aumentando”.

“Prender desnecessariamente centenas de milhares de estadunidenses que fumam maconha responsavelmente destrói as vidas de cidadãos obedientes à lei”, disse St. Pierre, acrescentando que mais de 8 milhões de estadunidenses foram presos por acusações de delitos de maconha na última década. Durante este mesmo tempo, as detenções por cocaína e heroína caíram pronunciadamente, implicando que o aumento na imposição das leis sobre a maconha está sendo realizado às custas da imposição das leis contra o porte e o tráfico de drogas mais perigosas.

“Impor a proibição da maconha custa aos contribuintes entre $10 e $12 bilhões anualmente e tem levado à detenção de quase 18 milhões de estadunidenses”, concluiu St. Pierre. “Não obstante, uns 94 milhões de estadunidenses reconhecem ter usado maconha durante as vidas deles. Não faz nenhum sentido continuar tratando os estadunidenses como criminosos pelo consumo de uma substância que não apresenta mais riscos – e, questionavelmente, muito menos – à saúde do que o álcool ou o tabaco. Uma solução mais sensível seria taxar e regular a cannabis de uma maneira similar ao álcool e ao tabaco”.

“Estes tipos de números mostram os desafios que o movimento de reforma das políticas de drogas continua enfrentando”, disse Bill Piper, diretor de assuntos nacionais da Drug Policy Alliance. “Comparado com 20 ou 30 anos atrás, estamos fazendo um bom trabalho de manter as pessoas fora da cadeia. A maioria das pessoas é presa por acusações de delitos de drogas, pelo menos por porte, provavelmente pegam liberdade vigiada, e isso é importante”, disse ele à Crônica. “Dito isso, o desafio para nós é desconstruirmos as instituições que apóiam isso. Embora a maior parte das detenções ocorra nos níveis estadual e municipal, o financiamento que o governo federal proporciona ao aparato judiciário-legal está relacionado com as detenções, então as corporações estadual e municipal da polícia têm um incentivo muito forte para continuarem prendendo os infratores da legislação antidrogas”.

Matéria: Câmara Vota na Exigência de Políticas de Buscas Aleatórias e Arbitrárias Permitidas pelos Distritos Escolares

Em uma votação oral na terça à noite, a Câmara dos Deputados dos EUA votou na aprovação de uma medida que forçaria os distritos escolares de todo o país a adotarem políticas que permitem que os professores e funcionários escolares realizem buscas aleatórias e arbitrárias de todos os estudantes a qualquer momento com base na “suspeita razoável” de que um estudante pode estar portando drogas ou armas. Defendida pelo Dep. Geoff Davis (R-KY), o Ato de Segurança dos Estudantes de 2006 [Student Safety Act of 2006 (H.R. 5295)] não teve audiência nenhuma e foi acelerada pela Câmara.

https://stopthedrugwar.org/files/stratfordraid.jpg
espere mais disto se o projeto Davis for aprovado
“As drogas e a violência não pertencem às nossas escolas”, disse o Dep. Davis durante o debate na terça-feira. “Acredito firmemente na nossa Constituição e na nossa Carta de Direitos e esta legislação não dá carta branca a qualquer um para conduzir buscas aleatórias e arbitrárias. A Suprema Corte sustentou que os professores e funcionários escolares podem usar o juízo deles para tomar decisões que ajudarão a controlar as suas salas de aula e proteger os seus estudantes. É uma lei simples de bom senso”.

Na verdade, o projeto não dá carta branca para buscas, faz que os distritos escolares a engulam. De acordo com uma análise do projeto feita pelo Serviço de Pesquisa do Congresso , “requer que os estados, as agências educacionais e os distritos escolares municipais considerem razoável a revista de um estudante menor de idade em terreno escolar público e permissível se conduzida por um professor ou funcionário escolar de tempo integral, agindo sobre qualquer suspeito plausível [mudada na versão final para “razoável”] com base na experiência e juízo profissionais para garantir que a escola continua livre de todo e qualquer tipo de armas, materiais perigosos ou narcóticos ilegais”. E para garantir que os distritos escolares entenderam o recado, observa a análise, o projeto “nega as verbas Escolas Seguras e Educação Cidadã, proporcionadas de acordo com o Ato de Educação Elementar e Secundária de 1965 [Elementary and Secondary Education Act of 1965], a estados, agências educacionais e distritos escolares municipais que não considerarem tais buscas razoáveis e permissíveis”.

Alguns democratas da Câmara se levantaram em oposição ao projeto. “Este projeto retiraria o financiamento de qualquer distrito escolar que decidir que os professores e administradores municipais sabem mais que o Congresso como tornar as suas escolas seguras”, disse a Dep. Lynn Woolsey (D-CA). “É um erro supor que todo estudante é tão culpado quanto alguma pessoa problemática. Deteremos qualquer novo programa que quiser rotular a juventude inteira como culpada”, prometeu.

“Como alguém que lecionou durante seis anos em uma das escolas e comunidades mais duras no país, tenho sérias reservas quanto ao que esta legislação faz de verdade”, disse o Dep. Danny Davis (D-IL). “Não estou sozinho. A Associação Estadunidense de Administradores de Escolas, a Associação Nacional de Conselhos Escolares, a Associação de Pais e Mestres, a ACLU, a Federação Estadunidense de Professores e o meu próprio distrito escolar de Chicago estão todos preocupados. Estamos preocupados que esta legislação invalide as políticas de buscas nas escolas que já foram promulgadas por uma política única. Este projeto estabelece uma política que dá aos professores a autoridade de realizar buscas quando essa autoridade deve estar com o conselho escolar. E criminaliza as escolas por não obedecerem ao negar-lhes as verbas do Ato de Escolas Seguras e Livres das Drogas [Safe and Drug-Free Schools Act]. Embora todos nós queiramos que as nossas escolas sejam lugares seguros e protegidos, este projeto é dúbio, desnecessário e tira os direitos que deveriam ser reservados às comunidades locais”.

Embora os democratas se pronunciassem contra o projeto em debate na terça à noite, nenhum deles deu o passo simples de pedir uma votação aberta, o que poderia ter resultado na derrota da medida. Já que o projeto foi acelerado, exigia a votação de dois-terços na Câmara e não está claro que o projeto pudesse ter ultrapassado esse obstáculo se os congressistas tivessem sido forçados a votar abertamente. Agora, o projeto se dirige ao Senado para ser ponderado.

“Estamos decepcionados não somente com a Câmara ao aprovar este projeto, mas com a covardia demonstrada pelos democratas ao não pedirem uma votação aberta para fazer que os legisladores fossem a público”, disse Tom Angell, diretor de comunicação do Students for Sensible Drug Policy (SSDP). “Qualquer membro podia ter pedido votação aberta, mas ninguém fez isso e isso pode ter feito a diferença. Nenhum congressista sentiu que era importante o bastante fazer que os seus colegas fossem a público a respeito desta questão”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas.

Junto com a DRCNet e a Drug Policy Alliance, o SSDP trabalhou quase sem aviso prévio para mobilizar a oposição ao projeto, o qual acreditava-se ter tido uma morte pacífica, mas que foi revivido de última hora como manobra de campanha do Dep. Davis. A ACLU e uma série de outros grupos de conscientização se uniram aos grupos de reforma que se opunham ao projeto. O único grupo grande de conscientização que apoiava o projeto era a Associação Nacional da Educação.

“Fizemos uma análise muito boa quando recebemos a legislação e o que nos deixou intrigados de verdade era a maneira que eles definiam as buscas como uma atividade desempenhada por um professor ou um funcionário da escola pública de tempo integral”, disse Tor Cowan, diretor de legislação da Federación Estadunidense de Professores, que se opôs ao projeto. “Não achamos que os professores devam ser treinados para ser policiais. Se um professor achar que um estudante está levando uma arma ou porta drogas, deveria encaminhá-lo ao vice-diretor ou supervisor de disciplina, que foi treinado pelo distrito com relação ao que é permissível e ele determinaria qual seria o próximo passo. Isso é preferível a ter 50 professores, todos com um entendimento diferente do que significava suspeita razoável, tentando fazer isto”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas.

“Da perspectiva de um administrador”, prosseguiu Cowan, “eles sentem que têm políticas a postos que podem ser colocadas em perigo por este projeto. Já temos requerimentos e mandados federais suficientes e isto pode levar a desafios de políticas que já foram estabelecidas pela Suprema Corte. A corte dá condições aos distritos escolares quando se trata de estabelecer a suspeita razoável”.

Na terça-feira, apesar dos legisladores terem martelado o tema de que o projeto protegeria a segurança dos professores e estudantes igualmente, Cowan se encolerizou com a implicação de que os opositores do projeto não estavam preocupados com a segurança. “É um argumento falso dizer que as pessoas que não apóiam isto não se importam com a segurança escolas”, disse. “Já é muito claramente do interesse do professor – não apenas em si mesmo, mas no interesse de seus estudantes e de sua escola – informar suas suspeitas de que um estudante está levando uma arma ou usando drogas ao administrador adequado na escola. Já existem os meios para garantir a segurança e assegurar que as escolas continuem livres das drogas e da violência”.

“Temos um par de problemas com este projeto também”, disse Bill Piper, diretor de assuntos nacionais da Drug Policy Alliance, um dos grupos de reforma das políticas de drogas que lidera a oposição. “Primeiro, o Congresso está dizendo que se não se estabelecer uma política que permita que os professores e administradores revistem os estudantes, então não se receberá dinheiro federal. Os autores do projeto dizem que estão tentando manter o status quo, mas é absurdo. Agora, os distritos escolares podem estabelecer as suas próprias políticas e deveriam poder estabelecer as suas próprias políticas. Se quiserem proteger os direitos de privacidade dos estudantes, deveriam poder fazer isso sem medo de perderem o financiamento federal”, disse ele à Crônica.

“Segundo, do jeito que este projeto está redigido, implica fortemente que a política do distrito escolar tem que ser uma em que eles possam realizar buscas massivas e aleatórias”, prosseguiu Piper. “Se o diretor ouvir o rumor de que alguém está vendendo maconha, pode revistar todos os estudantes no prédio, e quem sabe se esses tipos de revistas são constitucionais. A nossa grande preocupação é que os administradores escolares tenham a idéia errada sobre os limites de seus poderes constitucionais”.

“Nos casos controladores da Suprema Corte sobre estas buscas, a corte sustentou que os administradores escolares não precisavam de causa provável para revistar os estudantes, somente a ‘suspeita razoável’, a qual é um padrão menor”, disse Jesselyn McCurdy, consultora legislativa no Gabinete Legislativo de Washington da ACLU. “Mas, a corte não decidiu especificamente sobre se tem que haver ou não a suspeita individualizada; na verdade, na sua decisão, disse especificamente que não estava expressando um parecer sobre as buscas massivas”, disse ela à Crônica.

“Estamos preocupados que o texto vago no projeto leve aos administradores a pensar que podem fazer buscas massivas e completas como a que fizeram em Goose Creek”, o local de um agora notório reide antidrogas no qual a polícia brandiu armas e os cães farejadores invadiram um colégio secundário de Carolina do Sul, disse McCurdy. “Sem levar em conta se o projeto realmente permite isso, é meio bobo. É possível aprovar qualquer projeto que se quiser, mas se for inconstitucional, alguém o desafiará e forçará a Suprema Corte a determinar a sua constitucionalidade. Dado que a maior parte dos distritos escolares já têm políticas sobre as buscas nas escolas a postos, isto apenas causará mais confusão a respeito do que as escolas podem e não podem fazer”.

“Nos opomos a esta legislação porque é uma política ordenada de Washington”, explicou Angell do SSDP. “Envia o recado de que o Congresso sabe mais que os administradores escolares como manter as drogas fora das escolas, e isso é ofensivo, por isso todos estes grupos de conscientização se pronunciaram contra isso. Se virar lei, corremos perigo de ver mais reides à Goose Creek. Muitas escolas já permitem as buscas com base no padrão bem frágil de suspeita razoável, mas atualmente têm uma escolha. Agora, o Congresso está tentando fazer que façam isso sob a ameaça de perderem o financiamento federal”.

Agora, o projeto vai ao Senado, onde os reformadores esperam que seja derrubado. Se não, estão preparados para lhe cravar uma estaca no seu coração. “Vamos observar o Senado para garantirmos que não tentem transformar este projeto em lei”, disse Angell. “Muitas vezes no final da sessão as coisas são atadas a projetos totalmente não-relacionados e estamos muito cansados disso. Vamos alertas as massas e pedir às pessoas que liguem para o Senado se formos informados que este projeto está passando”, disse.

Embora o esforço de oposição não tenha conseguido deter o projeto na Câmara, as organizações conseguiram entregar milhares de mensagens eletrônicas e fazer inumeráveis ligações telefônicas aos deputados em menos de uma semana. E eles vão observar o que acontece a seguir.

Matéria: Os EUA Usam Relatório Anual de Certificação Sobre as Drogas para Atacar a Bolívia e a Venezuela

Na segunda-feira, o governo Bush lançou o seu relatório anual “Determinação Presidencial sobre os Grandes Países Produtores ou de Trânsito de Drogas” e tanto o próprio relatório quanto os porta-vozes do governo Bush usaram a ocasião para lançar ataques contra a Bolívia e a Venezuela. O ataque contra a Bolívia está relacionado com a mudança da erradicação forçada dos cultivos de coca sob a política “zero cocaína, não zero coca” do Presidente Evo Morales, mas o ataque contra a Venezuela, que não é nem um grande país produtor de drogas nem atípico na região em ser usado como ponto de transferência para a cocaína colombiana, parece ter pouco a ver com a sua adesão às metas das políticas estadunidenses de drogas e muito a ver com a relação cada vez mais contrária entre o Presidente da Venezuela Hugo Chávez e o governo Bush.

https://stopthedrugwar.org/files/boliviancoca.jpg
a coca boliviana (fonte: Departamento de Estado dos EUA)
Chávez e Morales são aliados próximos em um eixo esquerdista e antiimperialista emergente na América Latina. A Bolívia anunciou nesta semana que aceita a assistência venezuelana para construir novas instalações militares perto da fronteira paraguaia.

A lista de grandes países produtores ou traficantes de drogas continua a mesma desde o ano passado. Estão incluídos o Afeganistão, as Bahamas, Bolívia, Brasil, Colômbia, a República Dominicana, Equador, Guatemala, Haiti, Índia, Jamaica, Laos, México, Birmânia, Nigéria, Paquistão, Panamá, Paraguai, Peru e Venezuela.

Apenas dois países – a Birmânia e a Venezuela – estavam determinados a terem “fracassado demonstravelmente” em cumprir suas obrigações segundo os tratados internacionais de controle das drogas. A Birmânia tem reduzido a produção de papoulas, mas continua sendo uma ditadura militar isolada. As sanções contra a Venezuela foram suspensas apesar de tudo, por causa de uma crença do governo de que “os programas para ajudar as instituições democráticas da Venezuela são vitais para os interesses nacionais dos Estados Unidos” (apesar de que muitos no hemisfério tenham suspeitas sobre o que isso realmente significa desde o apoio tácito do governo Bush a uma tentativa de golpe contra Chávez em Abril de 2002 e em razão do destino do dinheiro).

“A importância da Venezuela como ponto de transferência de drogas destinadas aos Estados Unidos e à Europa continuou crescendo nos últimos 12 meses, uma situação tanto permitida quanto explorada por funcionários venezuelanos corruptos”, acusou o secretário de imprensa Snow.

O governo Bush poderia ter um pouco mais de tração com tais acusações se não destacasse a Venezuela. O México, por exemplo, não mencionado no texto do relatório anual, exceto na lista dos grandes países traficantes apesar da corrupção descontrolada, a violência relacionada ao narcotráfico em níveis recordes e uma resposta governamental que é curiosamente fraca. A Guatemala também não é mencionada, apesar do fato de que o diretor de sua agência antidrogas, Adam Castillo, se confessou culpado em tribunal federal em Washington há apenas duas semanas por conspirar para contrabandear cocaína ao país.

“Esta é a mesma farsa pela qual passam todos os anos”, disse Sanho Tree, diretor do Projeto de Políticas de Drogas do Institute for Policy Studies. “Essencialmente, são determinações políticas”. A suspensão para continuar canalizando dinheiro a grupos antichavistas é um sinal claro disso, disse Tree. “Se eles tirarem a certificação da Venezuela sem a suspensão, não podem canalizar todo esse dinheiro através da chamada oposição pró-democracia”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas.

O governo venezuelano, de sua parte, recusou a sua designação como colaborador fracassado na guerra contra as drogas e acusou o governo dos EUA de “politizar” as políticas internacionais antidrogas. Em uma declaração oficial emitida na segunda-feira, o governo disse que “Venezuela denuncia a contínua politização de importantes questões bilaterais pelo Departamento de Estado dos EUA. O governo Bush continua praticando conscientemente uma política de substituir os fatos por declarações infundadas, motivadas por simples diferenças políticas cujo propósito explícito é o de isolar a Venezuela”.

A declaração continuou observando que a Venezuela confiscara mais de 35.000 quilogramas de drogas no ano passado e que seus esforços antidrogas tinham recebido elogios internacionais. Em comentários no início deste mês, os funcionários britânicos elogiaram a “tremenda cooperação” da Venezuela no combate às drogas, enquanto que os franceses falaram da “intensa cooperação” e disseram que as autoridades espanholas e venezuelanas “são eficientes em registrar e deter indivíduos que podem estar transportando drogas”.

A declaração venezuelana também levava uma ameaça implícita. O governo Chávez expulsou a DEA da Venezuela no ano passado em meio a acusações de que estava espionando o governo venezuelano, e, desde então, os dois países estiveram negociando um novo acordo que permita o funcionamento da agência ali. “Acusações infundadas, como aquelas contidas no relatório do governo Bush, não ajudarão a finalizar um acordo tão importante como este”, advertiu a declaração.

Embora o ataque de Bush contra os antecedentes antidrogas da Venezuela tenha indícios de política das potências globais, as suas críticas da Bolívia estão baseadas em preocupações estadunidenses mais tradicionais com as políticas de drogas. “O meu governo está preocupado com a queda da cooperação antinarcóticos boliviana desde Outubro de 2005”, disse Bush no relatório. “A Bolívia, o terceiro maior produtor de cocaína do mundo, tem levado a cabo políticas que permitiram a expansão do cultivo da coca e desacelerado o passo da erradicação até meados do ano, quando a retomou. A política do Governo da Bolívia de ‘zero cocaína, mas não zero coca’ se tem concentrado principalmente na interdição, para a quase exclusão de seus complementos necessários, a erradicação e o desenvolvimento alternativo”.

O secretário de imprensa da Casa Branca, Tony Snow, amplificou aqueles comentários em uma entrevista coletiva na segunda-feira. “Apesar do aumento na interdição das drogas, a Bolívia tem levado a cabo políticas que têm permitido a expansão do cultivo da coca e diminuído consideravelmente a erradicação”, disse. Snow advertiu que o governo dos EUA está esperando para ver se o governo boliviano vai erradicar o número mínimo de hectares, fazer as mudanças na lei boliviana desejadas pelos EUA e controlar estritamente a venda da folha da coca. Os EUA vão revisar a observância boliviana às metas das políticas de drogas dos EUA em seis meses, disse.

Os bolivianos responderam somente com um pouco menos de rispidez que os venezuelanos. “O governo dos Estados Unidos cometeu um erro de leitura a respeito das políticas antidrogas bolivianas”, disse o porta-voz do governo Alex Contreras em uma declaração oficial na segunda-feira. “A Bolívia convida os EUA a se juntarem à política da cocaína zero e lembra que são os principais produtores de precursores químicos para transformar a coca em cocaína. Além do mais, têm o maior mercado de consumidores de drogas ilegais”.

O governo boliviano alcançará a sua meta de erradicar 5.000 hectares de coca neste ano, disse Contreras, acrescentando que essa marca “terá sido suavemente ultrapassada, não pela imposição do governo dos EUA, mas pela nossa própria vontade e sem usar gás lacrimogêneo nem repressão nem confrontos”, uma clara referência aos conflitos sangrentos entre os cocaleiros e os governos bolivianos passados que tentaram impor as políticas de erradicação forçada à estadunidense.

A erradicação voluntária está acontecendo de verdade, disse Kathryn Ledebur da Andean Information Network sediada na Bolívia, que questionou os prazos estritos do governo Bush. “Acho que é irônico que a erradicação forçada tenha tomado nove meses durante o governo Banzer e agora queiram resultados radicais em seis meses. Nenhum país pode cumprir isso”, disse ela à Crônica. “A questão verdadeiramente difícil é o prazo de seis meses para eliminar as plantações pessoais de coca dos agricultores. Isso pode levar o governo boliviano ao extremo. Isto sugere que o governo Bush não faz a menor idéia sobre o que deveria ser feito, mas quer uma reprimenda firme oficialmente”.

Ledebur também encontrou ironia nas denúncias dos EUA acerca da falta de progresso no desenvolvimento alternativo. “Isso é financiado e motivado pelos EUA”, apontou.

Tanto Ledebur como Tree concordaram que a Bolívia está abordando energicamente o tráfico de cocaína. “A interdição da cocaína é um resultado concreto que o governo boliviano pode apontar”, disse Tree. “A coca não se iguala à cocaína e até que vire cocaína, a coca deveria ser um problema doméstico e não algo na pauta dos EUA. Se a Bolívia puder regular com sucesso o destino da coca, não deveria ser um problema. Avaliar a Bolívia sobre quantos hectares de coca ela erradica é uma métrica insignificante”.

Dê Só Uma Olhada: Muitos Novos Comentários e Notícias Diárias e Mais na DRCNet

Caro leitor da Crônica da Guerra Contra as Drogas:

Na maioria das semanas, eu escrevo um editorial para este boletim. Hoje, achei que seria melhor chamar a sua atenção para o novo e extenso conteúdo que está entrando na nossa página diariamente desde o relançamento do nosso sítio.

https://stopthedrugwar.org/files/homepage.jpg
O enfoque dos nossos novos esforços expandidos (apesar de não ser a totalidade deles) é o projeto blogosférico do “Bar Clandestino da Stop the Drug War”, você pode ler as notícias diárias, comentários, notas à imprensa e anúncios dos nossos muitos grupos aliados no movimento, links para outros artigos interessantes em outros blogs, o ponto de vista da DRCNet sobre o que é novo e importante na questão sem ter que esperar até sexta-feira.

Algumas das publicações mais recentes incluem as seguintes:

Também, há um fomento de links Últimas Notícias para matérias sobre as políticas de drogas na mídia, uma seção atualizada Os Policiais Contra a Guerra às Drogas e muito mais em breve.

Obrigado por se juntar a nós! Por favor, se puder, faça uma doação para apoiar este e outros trabalhos.

Sinceramente,


David Borden
Diretor Executivo

Semanal: Esta Semana en la Historia

23 de Septiembre de 2002: El dispensario de marihuana medicinal de Mike y Valerie Corral cerca de Santa Cruz, California, es allanado poco antes del amanecer por agentes federales. Los Corral son dominados a punto de tiro mientras que su jardín cultivado cooperativamente es destruido.

24 de Septiembre de 1997: Un gran jurado federal en San Diego incrimina al líder del cartel mexicano Ramón Arellano-Félix bajo acusaciones de contrabando de drogas. Al mismo día, él es añadido a la lista de los 10 Más Buscados del FBI.

25 de Septiembre de 1996: Pocos días antes que el Congreso entrara en receso, el Dip. Newt Gingrich (R-GA) presenta el H.R. 4170, la “Ley de Pena de Muerte para el Importador de Drogas de 1996” [Drug Importer Death Penalty Act of 1996]. Dentro de pocos días, el proyecto atrae a una coalición de 26 codefensores republicanos. La legislación exige o una sentencia de prisión perpetua o la pena de muerte para cualquiera atrapado trayendo más de 60 gramos de marihuana a los Estados Unidos.

26 de Septiembre de 2002: En una acción que eventualmente resulta en una acción judicial que alega la interferencia ilegal en una elección, la Administración de Servicios de Abuso Químico y Salud Mental (SAMHSA) concede una donación de $3.000.000 al gobierno en Nevada durante la época en que el Secretario Antidroga de los EE.UU., John Walters, está intentando construir la oposición a la iniciativa electoral de Nevada, la Cuestión 9, que propone enmendar la constitución del estado al volver la tenencia de 90 gramos o menos de marihuana legal para los adultos. (Apenas dos otros estados reciben grandes donaciones de la SAMHSA en esa época – Michigan y Ohío, que también se enfrentan a iniciativas de reforma de las políticas de drogas.)

27 de Septiembre de 2004: Atropellado por un conductor ebrio cuando tenía cuatro años de edad y paralizado del cuello para abajo, el tetrapléjico Jonathan Magbie muere de cuidados médicos inadecuados mientras cumplía una sentencia de diez días por tenencia de marihuana en una cárcel de Washington, DC.

28 de Septiembre de 2001: Los agentes de la Administración de Represión a las Drogas confiscan archivos que contienen registros legales y médicos de más de 5.000 pacientes de marihuana medicinal asociados con el Centro de Pesquisa Médica de California en la Comarca de El Dorado cuando allanaron al hogar y oficina de la Dra. Mollie Fry, una médica, y su marido, Dale Schafer, un abogado que había anunciado anteriormente su candidatura a la fiscalía de la Comarca de El Dorado.

Búsqueda en la Red

comentarios sobre preñez y consumo de drogas, de la Women’s Enews

la página web de reforma de la justicia criminal de Maryland, incluyendo un informe sobre el tratamiento y el encarcelamiento, del Justice Policy Institute

el discurso antidroga histórico de Ronald y Nancy Reagan

Cultural Baggage for 09/15/06, incluso el Juez Arthur L. Burnett y Vincent Hayden de la National African American Drug Policy Coalition y Howard Wooldridge de Law Enforcement Against Prohibition

Suroeste Asiático: Propuesta de transformar opio afgano en morfina legal logra apoyo

Una propuesta para autorizar la producción ilegal de adormideras de Afganistán y transformarla en morfina para el mercado medicinal global legítimo consiguió más apoyo esta semana mientras la Cruz Roja Italiana y el Creciente Rojo Afgano lanzaban una campaña para promover la idea. Aunque hasta ahora los gobiernos de Afganistán, EE.UU. y los países de la OTAN se hayan burlado de ella, la propuesta cuidadosamente investigada de autorización del Consejo de Senlis, un instituto europeo de consultoría en seguridad, desarrollo y políticas de drogas, ya ha logrado el respaldo de algunas figuras políticas en Inglaterra y del gobierno italiano.

https://stopthedrugwar.org/files/opium-smaller.jpg
los artículos del traficante de opio (foto de Phil Smith, editor de la Crónica, durante la visita de septiembre de 2005 a Afganistán)
Las Naciones Unidas informaron hace menos de tres semanas que a pesar de los esfuerzos corrientes de erradicación, el cultivo afgano de adormideras había aumentado el asombroso 60% y produciría un récord histórico de 6.100 toneladas de adormideras este año. Actualmente, Afganistán responde por el 92% de la producción ilícita de opio en todo el mundo.

De acuerdo con la ONU, unos 2,9 millones de afganos están involucrados en el cultivo de adormideras, representando más de 12% de la población. El cultivo rendirá una estimativa de $3 billones este año, con los agricultores embolsando cerca de $750 millones y el resto yendo a los traficantes y sus aliados, que van del Talibán y la Al Qaeda a los ministros del gobierno, parlamentarios, gobernadores provinciales y caudillos.

En una conferencia de prensa el lunes, la Cruz Roja Italiana se juntó a la campaña en pro de la propuesta del Consejo de Senlis. “Este sistema que defendemos estipula que una parte del opio afgano sea usado para hacer la morfina legal, en vez de la heroína ilegal”, le dijo el presidente de la Cruz Roja Italiana, Massimo Barra, a los reporteros en Roma. Transformar los campos de adormideras ilícitas en lícitas “reduciría la importancia de las prácticas ilegales en Afganistán y trataría del crisis del dolor en los países en vías de desarrollo”, donde los analgésicos hechos de opio son necesarios para tratar a los pacientes con cáncer, SIDA y otras enfermedades, dijo Barra.

El Creciente Rojo Afgano también está juntándose al pedido de adopción de la propuesta del Consejo de Senlis. El Creciente, la Cruz Roja Italiana y el Consejo de Senlis también usaron la rueda de prensa del lunes para anunciar la inauguración de una ala hospitalaria de 50 lechos en Kabul para el tratamiento de drogadictos.

Para el director ejecutivo del Consejo de Senlis, Emmanuel Reinert, que también habló en la rueda de prensa, la erradicación ha probado ser ineficaz y contraproducente porque está quitando los sustentos de los agricultores apremiados.

“En este momento, los agricultores no tienen opción; si pudieran, a ellos les gustaría hacer lo correcto”, dijo, añadiendo que no sería difícil pagar a los agricultores autorizados el equivalente de su renta total oriunda del cultivo ilegal. “Los agricultores tendrán el mismo incentivo financiero”, dijo Reinert.

Europa: Es Más Probable que la Policía Londinense Arreste a Negros que Blancos por Tenencia de Marihuana

Un informe de la Scotland Yard, el cuartel general de la Policía Metropolitana de Londres, sobre la raza y los arrestos por marihuana, está llevando a acusaciones de racismo. El informe descubrió que las personas de ascendencia africana o caribeña eran 40% de todas las personas arrestadas por marihuana en Londres, a pesar de ser apenas 12% de la población. Para empeorar las cosas, apenas alguien fuera parado por la policía por infringir las leyes sobre la marihuana, tendría más chances de ser preso si fuera negro.

El informe examinó todas las 24.916 infracciones por tenencia de marihuana en la ciudad entre Enero y Abril de este año. Ello sucedió como parte de un estudio general del control de la marihuana desde que la hierba fue rebajada para droga de Clase C en 2004. Desde entonces, la policía ha retenido el poder de arrestar a la gente por simple tenencia, pero también tiene la opción de darles una advertencia formal o una “advertencia callejera” informal.

Parecen estar ejerciendo ese poder discrecional de manera discriminatoria. Aunque 18,5% de los negros fueran presos, apenas 14% de los blancos lo eran. Los números se invirtieron cuando se trataba de aquellos que recibieron una advertencia, con 19,3% de los blancos recibiéndola, comparados con los 14,2% de negros.

La Scotland Yard se rehusó a echar la culpa de racismo a las filas – un tópico sensible en la Policía Metropolitana en los últimos años – y dijo que “ninguna acción de enmienda es planeada” hasta que haya más pesquisa. “Estamos llevando a cabo más pesquisa de estos datos a fin de comprender cuál es la causa de la sobrerrepresentación”, dijo una vocera de la policía. “No es posible llegar a una conclusión sin que más trabajo sea conducido. La decisión de arrestar y acusar variará de acuerdo con cada caso y a menudo depende de una variedad compleja de factores”.

Pero George Rhoden, presidente de la Asociación de la Policía Negra de la Scotland Yard, no aceptaba eso. “Tiene que tratarse de racismo. Estos datos muestran que el racismo desempeña un rol considerable en la manera por la cual la policía trata de la gente de color”, le dijo él al Guardian. Él dijo que la policía había tenido ciencia del problema de la desproporcionalidad durante muchos años. “Entonces, ¿por qué aún estamos en este estadio?”

Las críticas de Rhoden tuvieron el apoyo de las del Dr. Richard Stone, que presidió una comisión anterior que le echaba un vistazo al racismo dentro de la Policía Metropolitana. Stone tenía “gran simpatía” por Rhoden, le dijo él al Guardian. “Donde hay una desproporción de cualquier tipo se intenta excluir cualesquiera otros motivos posibles, pero ninguno justifica la desproporción continua. Hay que pensar que el color de la piel del sospechoso es un factor considerable. Pero la palabra racismo ha salido de la agenda”, dijo.

La Scotland Yard puede no querer decir la palabra, pero los números hablan por sí mismos.

Policial: Alcalde loco Melton de Jackson, Mississippi es incriminado por crímenes de represión a las drogas

El alcalde de Jackson, Mississippi, Frank Melton, fue incriminado el viernes pasado por seis acusaciones criminales relacionadas con la destrucción parcial de un presunto hueco de drogas el mes pasado. Él también fue acusado de tres infracciones relacionadas con armas, una de ellas criminal, y puede recibir hasta 50 años de prisión. Dos detectives de la policía de Jackson que actuaron como guardaespaldas de Melton también fueron incriminados en el ataque contra el hueco de drogas.

https://stopthedrugwar.org/files/frankmelton.gif
Frank Melton como secretario antidroga, con el gobernador Ronnie Musgrove, 2002
Melton es un ejecutivo de la televisión que entró en el servicio público como “secretario antidroga” de Mississippi en diciembre de 2002. Rápidamente hizo su marca, administrando puestos de fiscalización de drogas ilegales y participando de aprehensiones aunque no fuera un oficial certificado de la ley antes que le ordenaran que parara y desistiera por verdaderos oficiales de la ley. Él también causó repercusiones en la primavera siguiente cuando prometió emplear medios inconstitucionales para perseguir a los preparadores de metanfetamina, por los cuales era aparentemente obcecado.

Como alcalde de Jackson desde julio de 2005, Melton ha seguido su postura de luch contra la criminalidad y la droga al mejor estilo justiciero. Él empezó su mandato de alcalde con una barredura de la criminalidad que duró tres días “sólo para informar a la gente que estamos presentes”, como dijo en la época. Esas barreduras periódicas, completas con el alcalde Melton dando vueltas en la Unidad del Comando Móvil de la Policía de Jackson y usando un uniforme del comando de la policía, siguieron durante su mandato, incluso una el diciembre último que capturó a decenas de escolares haraganes.

Las actividades aspirantes a la policía de Melton dieron inicio a la indignación y a la preocupación de la comunidad a principios de este año, incitando a la fiscal de la Comarca de Hinds, Faye Peterson, a investigar si él había cometido algún crimen. La fiscal no logró nada en la primavera, pero cuando Melton, sus guardaespaldas y algunos adolescentes que por lo común se quedan con él irrumpieron en lo que Melton llamó de “un hueco de drogas” el mes pasado, se pasaron.

Melton y su turba rompedora atacaron la fachada de la casa con mazos, derribando parte de la pared frontal de una casa alquilada por un hombre llamado Evans Welch. No había pruebas de tráfico de cocaína, pero Welch fue arrestado por tenencia contraventora de marihuana y tenencia de pertrechos para consumo de drogas. Él ha sido libertado de la cárcel.

Melton y su pandilla estaban actuando sin orden de búsqueda ni cualquier causa probable aparente. Ahora, intentará convencer a una corte que no debería ser preso por infringir la ley en su entusiasmo fervoroso por apoyarla.

Pese a que ahora exista un número cada vez más grande de pedidos de su renuncia, el alcalde combatiente de la criminalidad aún tiene apoyo dentro de la ciudad, incluso del pobre barrio de Virden Addition donde ocurrió el ataque del mazo. El Jackson Courier-Ledger informó el martes por la noche que unos 150 defensores de Melton, los cuales llevaban señales que decían cosas como “Declaren la inocencia de Frank Melton”, convergieron en una reunión del concejo municipal de Jackson aquella noche para manifestar su apoyo.

Marihuana medicinal: Programa de Rhode Island tiene inicio

Los ciudadanos de Rhode Island están inscribiéndose en el nuevo programa de marihuana medicinal del estado en un índice de apenas menos de uno por día, de acuerdo con las autoridades sanitarias. Por lo menos 131 pacientes han obtenido los carnés de registro del estado desde que el programa entró en funcionamiento en abril y otras 129 personas han sido certificadas como proveedoras.

https://stopthedrugwar.org/files/rhondaodonnell.jpg
la importante paciente y activista de RI, Rhonda O’Donnell, en una protesta en DC
Rhode Island se volvió el 11º estado a legalizar el consumo medicinal de marihuana en enero. De acuerdo con la legislación de Rhode Island, los pacientes con una de diversas enfermedades crónicas, incluso el cáncer y el SIDA, deben proveer documentación de un médico de que los beneficios de consumir marihuana por su dolencia superan los riesgos. La Secretaría de Sanidad del estado emite entonces un carné de registro. Los pacientes y sus proveedores designados pueden tener hasta 12 plantas o 75 gramos de la hierba.

La ley de Rhode Island no estipula ningún dispositivo para la manera por la cual los pacientes obtendrán las semillas o la marihuana y los funcionarios de la salud del estado no quieren ni saber, ni tampoco van a dar consejos sobre dónde conseguirla. “Yo no hago preguntas”, dijo Charles Alexandre, director de reglamentación de las profesiones sanitarias, el departamento que administra el programa. “Me preguntan con frecuencia dónde conseguirla. Tengo que explicarles un poco”, le dijo él al Providence Journal.

De acuerdo con Alexandre, 89 médicos han firmado recomendaciones de marihuana medicinal, aliviando los temores de que los pacientes terminarían yendo a un pequeño número de “médicos de la marihuana”.

Ahora, Rhode Island se junta a las filas de estados en que los pacientes en estado grave pueden tomar sus remedios en paz – por lo menos, con tanto que los federales no aparezcan.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, Vaping, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Pill Testing, Safer Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psilocybin / Magic Mushrooms, Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School