Breaking News:Dangerous Delays: What Washington State (Re)Teaches Us About Cash and Cannabis Store Robberies [REPORT]

Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

Ho-hum, the banality of drug war-related law enforcement corruption. More crooked cops trying to rip-off drug dealers, another one trying to rip-off his own department, and, of course, yet another prison guard trying to earn a few bucks on the side. Also notable this week is an overview of corruption along the US-Mexico border in the Los Angeles Times. It's well worth checking out, too.

In Chicago, two Chicago police officers trying to rip off what they thought was a drug dealer's cash stash went down in a sting operation Wednesday, according to the Associated Press. Officers Richard Doroniuk, 30, and Mahmoud "Mike" Shamah, 27, used information from a co-defendant to obtain search warrants to search self-storage lockers. In two raids, they stole $31,100 in what they thought was drug money, reporting no cash seizure in the first raid and only reporting part of the cash in the second, but the money had actually been placed in the lockers by the FBI and Chicago police internal affairs investigators. Doroniuk, Shamah, and their co-conspirator have now been charged with conspiring to steal government funds.

In Columbia, South Carolina, the Associated Press reported October 19 that a former York County deputy has been busted for ripping-off $1,200 in cash that was supposed to be used in undercover drug deals. William Graham, 37, worked in the county's special drug unit and was in charge of keeping track of those funds. Instead he pocketed them. Now, he has confessed and repaid the money, but still faces charges of embezzlement of public funds and misconduct in office.

In Inez, Kentucky, a federal prison guard was indicted for taking $3,000 for smuggling drugs to a prison inmate, the Associated Press reported Wednesday. Guard Alice Marie Stapleton, 30, now faces seven counts of drug possession and conspiracy to smuggle contraband into the prison. According to the indictment, a prisoner's mother delivered heroin and marijuana to Stapleton at a local motel and Stapleton smuggled them into the prison. The prisoner in question has already pleaded guilty to being part of the conspiracy, and his mother and her driver are preparing to do the same, so it looks like the state will have the witnesses it needs to convict Stapleton.

Law Enforcement: Lawsuit Shines Light on Florida Police Department's Shady Forfeiture Practice

A lawsuit filed by a young Bradenton, Florida, man to win the return of $10,000 in cash seized from him by the Bradenton Police Department has shined a light on a longstanding -- and possibly illegal -- asset forfeiture policy by the department. Under the Florida Contraband Act, persons whose money and property were seized by police have the right to have a judge rule on the legality of the seizure. But the Bradenton police have for years been using their own "Contraband Forfeiture Agreement," which people arrested are told to sign to agree to give up their property and waive any legal recourse.

https://stopthedrugwar.org/files/bradentonbadge.gif
Florida's finest...
The practice came to light last week, when the Sarasota Herald Tribune began reporting on the case of Delane Johnson, 20, who was stopped outside an apartment house in July. When police spotted a wad of cash in his pants pocket, he told them he was using the money for a party. They arrested him on the rarely-used charge of failing to report a business transaction in excess of $10,000 (he had $10,020). Police claim Johnson signed the "Contraband Forfeiture Agreement" -- a claim he disputes -- and they deposited the money in a police bank account.

County prosecutors dropped the charges, saying it was not a crime to carry cash, but police refused to return the money. Now Johnson is in court fighting to get his money back.

"The whole arrest was bogus. It's awful," attorney Varinia Van Ness, who represented Johnson, told the Herald Tribune. She wants the courts to order the department to follow state law instead of continuing its end run around the law.

"Hopefully, we'll put a stop to it when we get in front of a judge," said attorney Louis Daniel Lazaro, who also represents Johnson. "There are possible corruption charges on a criminal level."

This wouldn't be the first time people have gone to court to get their money back. Last year, a Manatee county judge ordered Bradenton police to return $7,000 seized from a woman who was arrested for a driver's license violation after a traffic stop. Judge Douglas Henderson ruled that the woman did not knowingly and willingly agree to have her money confiscated even though her named appeared on the forfeiture agreement.

The Bradenton Police Department's unusual practice was viewed with concern by attorneys and constitutional scholars contacted by the Herald Tribune. They said police may be pressuring people to sign away their rights, a charge some local residents said was true.

"Who knows what they are telling people to get them to sign it," said Sarasota-based defense attorney Henry E. Lee, who represented a woman last year in a police forfeiture case in Bradenton. "This is a source of revenue for the police, and it's just rife for abuse."

"It sounds like robbery to me," said Joseph Little, a law school professor at the University of Florida.

Bradenton police have seized more than $12,000 from 15 people arrested since August. Janie Brooks, 56, was one of them. She was in her front yard in a poor neighborhood when police swooped in, said they found drugs, and seized her car and $1,200 cash. As she sat in the back of a patrol car, police pressured her into signing the forfeiture form, she said. "He kept rushing me, like, 'Go ahead, things will be better if you did,'" Brooks said. "It was like, there's gonna be some big time stuff that happens to me if I don't sign it."

Bradenton Police Chief Michael Radzilowski was unrepentant. "If you're selling drugs, I'm going to take your money, your car, your house -- if I can get it," he said. "That's my goal here. Eventually we're going to seize someone's house." He also accused Delane Johnson of being a drug dealer, though he was never charged with a drug-related offense. "Does he really think a judge will give him back his drug money? God bless him if a judge goes along with that."

It's little wonder Radzilowski defends the practice. The county's asset forfeiture fund, which the department uses to buy new equipment and pay for drug education and other programs, has gone as high as $150,000.

Middle East: In Battle Over Criminalizing Bongs, Israeli Justice Department Unit Calls for End to Persecuting Marijuana Users

A bill before the Israeli Knesset that would send people to prison for up to three years for possessing a bong has caused a breach in the Israeli Justice Ministry and provoked the ministry's Office of Public Defense (similar to a public defender's office in the US) to not only reject the bong bill, but also call for an end to the persecution of soft drug users. Instead, the Public Defense said, law enforcement should concentrate on large-scale dealers and traffickers.

It was the Justice Ministry's Legislative Department that drafted the bong bill, which is now before the Knesset's Constitution, Law, and Justice Committee. In addition to three-year sentences for bong possession, the bill proposes sentences of up to five years for bong sales.

But in her recommendation to the committee, Deputy Public Defense Attorney Dr. Hagit Lernau not only ripped the bill, but the arrest of pot- and hash-smokers as well. Hagit explained the "enforcement paradox" -- that harassing casual soft drug users can create greater social harm than benefit.

"The 'enforcement paradox' is that much greater when the issue in question is the use of drugs which cause relatively little harm to users and the nature of which is infrequent and, for the most part, ends with the beginning of serious employment and a person's domestication," Lernau wrote. "It is the social effect and not the drug use itself which ends up harming individuals. It harms their ability to evolve professionally and economically and become normally integrated in society."

Lernau also took after Israeli law enforcement: "Instead of ensuring and developing the necessary services needed for education, treatment and welfare, law enforcement chooses to concentrate on expanding criminal law despite the damages this causes," she wrote. "The result of this policy is dozens of criminal indictments on possession of several grams of cannabis drugs, without any practical wisdom to support it."

Israel should follow the example of Europe instead of trying to pass silly bong laws, Lernau added. The Europeans, she wrote, "concentrate efforts on mass importing/exporting and distribution, while taking a tolerant approach of explanation and treatment/rehabilitation towards users and drug cultivators for private use."

Europe: Spanish Medical Marijuana Group Goes Public with "Therapeutic Cannabis Bank"

A Spanish medical marijuana activist group, the Amigos de María, has announced the creation of the first publicly known medical marijuana dispensary in the country. Operating through the Internet, the "Cannabis Pharmacy" will provide information about medical marijuana, encourage patients to grow their own, and put patients in contact with listed growers who are prepared to donate part of their crops for patients.

While the Cannabis Pharmacy is the first public dispensary, it is not the first Spanish dispensary. As the group noted, "We are aware that other groups have been doing this for several years in a more or less clandestine form. The only new thing is that we have gone public in the hope that our politicians take note of the matter and normalize, once and for all, the use of cannabis, and until that time arrives, we can reduce the risks of the therapeutic use of cannabis."

Spain is moving jerkily toward acceptance of medical marijuana, with Catalan authorities having authorized a pilot program for marijuana in pharmacies last year. Earlier this year, authorities in Barcelona announced plans for a trial of the marijuana-based sublingual spray Sativex that will involve up to 600 patients and 60 participating pharmacies.

But the Spanish government does not recognize the informal dispensaries, making the move by the Amigos de María a challenge to the government. The Amigos are ready. "We are not afraid because we are convinced that what we are doing is right and will help the people," a spokesman told the Basque newspaper Noticias de Alava. "The law is only good if it is just, and in this case it isn't."

The group has already aroused the ire of the Ministry of Health, which accused it of encouraging youth marijuana use -- a big issue in Spain these days. The Amigos rejected that charge, noting that "At no time have we attempted, as the health minister insinuated, to promote the use of marijuana among young people, and it seems incredible to us that since our project is directed toward sick adults, that the health ministry mixes the two and says it is worried this will normalize use among the youth."

And so the battle is joined.

Europa: Tribunal de Apelações Holandês Decide que Paciente de Maconha Medicinal Pode Cultivá-la Ele Mesmo

Até agora, tem sido ilegal cultivar maconha nos Países Baixos, mas um caso decidido na terça-feira fez uma fenda no dique a favor dos pacientes. Apesar de os famosos cafés da Holanda proporcionarem vendas de cannabis no varejo com a aquiescência do Estado Holandês, o país nunca redigiu nenhum dispositivo para tirar os cultivadores que suprem as lojas do mercado negro. Igualmente, apesar de a Holanda permitir que a maconha medicinal seja comprada nas farmácias, não deixa que os pacientes a cultivem eles mesmos.

Na terça-feira, de acordo com a Agence France Presse, um tribunal de apelações em Leeuwaarden no norte dos Países Baixos decidiu que o paciente de esclerose múltipla, Wim Moolag, e a mulher dele não deveriam ter sido processados por cultivarem uma planta que lhes renderia 20 gramas de maconha por semana. Apesar de que o tribunal tivesse declarado os Moorlag culpados de cultivo ilegal (e lhes houvesse dado uma multa de $314), o tribunal de apelações sustentou que o direito de Moorlag a tentar aliviar a dor relacionada com a doença dele anulava o interesse do estado em proibir o cultivo de maconha.

Moorlag debatera que não podia comprar maconha dos cafés porque podia conter fungos e bactérias especialmente perigosas para os pacientes de EM.

O advogado de Moorlag, Wim Anker, disse à agência de notícias Dutch ANP que a decisão teria amplas ramificações. “Isto significa que outros pacientes também podem cultivar legalmente a própria cannabis deles, não só os pacientes de EM, mas também as pessoas com AIDS”, disse.

Os procuradores holandeses, contudo, não vão jogar a toalha. Na quarta-feira, eles anunciaram que tinham pedido à Suprema Corte holandesa que anulasse a decisão do tribunal de apelações. “Nós apresentamos uma moção de recurso na terça-feira perante a Suprema Corte”, disse Marina Well, porta-voz da procuradoria em Leeuwaarden.

Anúncio: Novo Formato para o Calendário do Reformador

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
A partir desta edição, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Ansiamos por informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estejam disponíveis.

Semanal: Esta Semana na História

20 de Outubro de 2004: Uma coalizão inovadora de organizações profissionais negras se reúne para formar a National African American Drug Policy Coalition (NAADPC). A NAADPC busca urgentemente alternativas às políticas equivocadas de drogas que levaram ao encarceramento em massa.

22 de Outubro de 1982: O primeiro caso publicamente conhecido das cargas de cocaína dos contras no governo acontece em um cabograma da Diretoria de Operações da CIA. O cabograma repassa a mensagem de que as agências legais dos EUA estão cientes “das relações entre (uma organização religiosa dos EUA) e dois grupos contra-revolucionários nicaragüenses [que] envolvem uma troca (nos Estados Unidos) de narcóticos por armas”. [O material em parênteses foi inserido pela CIA como parte de sua desclassificação do cabograma. O nome do grupo religioso continua em segredo.]

23 de Outubro de 2001: O Ministro do Interior da Grã-Bretanha, David Blunkett, propõe a reclassificação da cannabis da Classe B para a Classe C. Logo, a cannabis é descriminalizada na Grã-Bretanha.

23 de Outubro de 2002: A Time/CNN realiza uma pesquisa telefônica de 1.007 adultos estadunidenses em dois dias (23 e 24 de Outubro). O resultado: Quase um em cada dois estadunidenses adultos reconhece que usou maconha, pouco mais que o índice de um para três em 1983.

24 de Outubro de 1993: O porte de psilocibina e psilocina vira ilegal nos EUA.

25 de Outubro de 1997: A respeito da Colômbia, o New York Times cita o Secretário Antidrogas dos EUA, o General Barry McCaffrey: “Que não reste dúvida nenhuma: Não participamos das operações antiguerrilheiras”. Menos de dois anos depois, no dia 17 de Julho de 1999, o Miami Herald informa: McCaffrey disse que era ‘uma besteira a esta altura’ tentar diferenciar entre esforços antidrogas e a guerra contra os grupos insurgentes”.

26 de Outubro de 1993: A Reuters informa que a National Organization for the Reform of Marijuana Laws (NORML) se juntou a grupos das tropas dos escoteiros, Elks Clubs e outros grupos comunitários em um programa no qual os participantes limpam partes do sistema rodoviário do Ohio. O Departamento de Transporte do Ohio negou a solicitação da NORML duas vezes anteriormente, debatendo que isso seria ajudar a dar publicidade a um grupo “ativista polêmico”. A American Civil Liberties Union entrou na briga e o procurador-geral do Ohio forçou os trabalhadores dos transportes a cederem.

26 de Outubro de 1997: O Los Angeles Times informa que doze anos depois que um agente antidrogas dos EUA foi seqüestrado, torturado e assassinado no México, surgiram provas de que os procuradores federais se fiaram em depoimentos perjurados e informações falsas, jogando dúvidas sobre as condenações dos três homens que agora cumprem sentenças de prisão perpétua no caso.

26 de Outubro de 2001: Na mesma tarde que o Congresso aprova novas restrições contra as liberdades civis, grupos de agentes da DEA caem sobre o LA Cannabis Resource Center, confiscando todos os computadores, arquivos, contas bancárias, plantas e medicamentos do centro. A DEA cita uma recente decisão da Suprema Corte como justificação de sua ação. O jardim de cannabis dos pacientes no local de West Hollywood é confiscado pelos agentes da DEA apesar dos altos protestos do Prefeito de West Hollywood e de muitos funcionários e moradores locais.

Canadá: Suprema Corte Recusa Exames Toxicológicos Aleatórios de Presos Sob Sursis

Em uma decisão na semana passada, a Suprema Corte do Canadá sustentou que o Código Penal do país não permite aos juízes solicitarem que os infratores sob sursis se submetam a exames toxicológicos ou outras exigências para obterem uma amostra de substâncias corporais. A decisão aconteceu no caso de Harjit Singh Shoker, que em 2003 se deitou com a mulher de um oficial da Real Polícia Montada do Canadá pensando em estuprá-la durante uma embriaguez de metanfetamina.

Shoker foi condenado por invasão de propriedade com intenção de cometer agressão sexual e foi condenado a 20 meses de prisão e dois anos de sursis. O juiz de condenação dele inclui como condições do seu regime probatório o dever de passar por tratamento químico, abster-se do consumo de álcool e drogas e fazer exames toxicológicos quando exigido. Ele recorreu dessas condições da sentença dele.

Em 2004, o Tribunal de Apelações da Colúmbia Britânica decidiu que o juiz de julgamento não tinha autoridade para ordenar Shoker a se tratar sem o consentimento dele e também não tinha a autoridade para exigir que Shoker se submetesse a exames toxicológicos. Desde então, os juízes de CB continuaram ordenando aos infratores sob sursis a evitarem as drogas e o álcool, mas desistiram da ordem acompanhante e quase automática de se submeterem ao exame toxicológico.

A Real Procuradoria da Colúmbia Britânica não desafiou a decisão acerca do tratamento químico, mas recorreu sim da decisão sobre os exames toxicológicos – mesmo apesar de que a província tivesse eliminado o financiamento para o programa de exames toxicológicos em 2003. Mas, os procuradores da CB não foram consolados pela Suprema Corte.

A Ministra Louise Charron, que foi autora da decisão, chamou o exame toxicológico de “altamente intrometido” que requeria “padrões e salvaguardas rigorosos para cumprir os requerimentos constitucionais”. O Parlamento podia redigir tais padrões, tornando o exame toxicológico um requerimento legal, observou. “Não se questiona que o infrator sob sursis tenha uma baixa expectativa de privacidade”, escreveu Charron. “Contudo, é a tarefa do Parlamento, não dos tribunais, equilibrar a carta de direitos dos infratores contra o interesse da sociedade ao monitorar efetivamente as condutas deles”.

Se o Parlamento quer que os juízes possam impor os exames toxicológicos como condição da sursis, deve lidar com a questão e não deixá-la ao arbítrio de juízes individuais. “O estabelecimento destes padrões e salvaguardas não pode ser deixado à discricionariedade do juiz de condenação nos casos individuais”, escreveu Charron. “Esses são precisamente os tipos de decisões sobre políticas que o Parlamento tem que tomar a respeito das limitações contidas na carta”.

Que diferencia uma fronteira faz! No lado dos EUA, o tratamento químico e os exames toxicológicos compulsórios são a norma. No lado canadense, é inconstitucional, pelo menos do jeito que tentaram.

Europa: Governo Italiano Aprova Derivados da Maconha para o Controle da Dor

O gabinete italiano aprovou na quinta-feira o uso de derivados da maconha, como o spray sublingual Sativex, no alívio da dor, informou a agência alemã Deutsche Presse Agentur. A ação reverte a política antidrogas imposta pólo governo anterior do ex-Primeiro Ministro Silvio Berlusconi, que foi derrotado pelo atual Primeiro Ministro Romano Prodi no início deste ano.

“Estamos falando da terapia de alívio da dor. Isto não tem nada a ver com fumar baseados”, disse a Ministra da Saúde, Livia Turco, aos repórteres depois do encerramento da reunião do gabinete na qual a decisão foi tomada. “Estas drogas já estão em uso no Canadá, na Suíça e na Holanda”, acrescentou.

Apesar de o governo Prodi ter prometido relaxar as penas endurecidas para delitos de drogas promulgadas pelo governo Berlusconi, essa ação não tem nada a ver com aquilo, disse Turco. “Se alguém falar em cannabis, então todo mundo fica alvoroçado. Estamos falando de terapias contra a dor”.

Condenação: Suprema Corte da Luisiana Ouve Casos de Condenados à Prisão Perpétua por Heroína

Em meio à histeria da guerra às drogas dos anos 1970, os legisladores da Luisiana aprovaram uma lei que ordena pena de prisão perpétua sem condicional para as pessoas condenadas por venderem heroína. Em 2001, a assembléia agiu para emendar essa lei duríssima, corrigindo-a para que as sentenças por distribuição de heroína fossem de cinco a 50 anos de prisão. Essa lei de 2001 também estabeleceu um processo de “revisão de risco” para a soltura precoce dos presos condenados de acordo com as antigas leis severas. Em 2003, a assembléia incluiu especificamente os condenados à prisão perpétua por heroína no grupo de condenados que pode buscar reparação através do processo de revisões, e, em 2005, corrigiu a lei para permitir que os presos busquem uma revisão após cumprirem sete anos de suas sentenças.

Mais de 90 heroin lifers continuam atrás das grades, muitos deles idosos após terem passado os anos 1970, 1980 e 1990 e metade da primeira década do século atrás das grades.

No ano passado, os juízes de julgamento nas paróquias de Orleans e de St. Tammany, frustrados com o passo glacial no qual as revisões estavam sucedendo, abaixaram as sentenças de um par de heroin lifers e ordenaram a soltura imediata deles. O estado da Luisiana recorreu da decisão e, nesta semana, a Suprema Corte ouviu os argumentos orais no caso.

Na terça-feira, os promotores discutiram que os heroin lifers devem passar por um processo árduo e longo de revisão que seja controlado pelo Departamento de Correções para procurarem a redução de sentença e liberdade que ela poderia proporcionar. Os juízes de julgamento que ordenaram a soltura dos presos excederam a jurisdição deles, disse Graham Bosworth da promotoria de Nova Orleans.

Mas, os advogados que representam os heroin lifers debateram que as recentes mudanças legislativas tornaram as sentenças antigas patentemente ilegais e que os juízes têm a autoridade de recondenar aqueles presos. “Temos que confiar nas pessoas que temos nas bancas dos tribunais para exercerem a jurisdição delas com sabedoria”, disse o advogado Dwight Doskey.

Os dois homens cujos casos estão sob recurso são Melvin Smith, que foi condenado em 1977 e recebeu recentemente a ordem de liberação do Juiz da Vara Distrital Criminal de Orleans, Calvin Johnson, que o recondenara a 28 anos – essencialmente, o tempo cumprido; e Wesley Dick, que foi condenado a prisão perpétua em 2001 pouco antes da mudança na lei. A Juíza Distrital Patricia Hedges o soltou em Julho após reduzir a sua sentença para 10 anos.

Em um sinal de rancor da promotoria, o Promotor da Paróquia de Orleans, Eddie Jordan, impediu a soltura de Smith. O idoso Smith continua em cadeira de rodas na Casa de Detenção da Paróquia de Orleans até a decisão da Suprema Corte que decidirá o destino dele.

Reides Antidrogas: Juiz do Michigan Decide que as Detenções do Reide à Rave de Flint São Inconstitucionais

Em Março de 2005, a polícia em Flint, Michigan irrompeu no Club What’s Next nas últimas horas da noite da sexta após testemunhar vários exemplos de vendas de drogas em ou perto da danceteria e fumo de maconha dentro do local, que estava realizando uma rave. Apesar de a polícia ter encontrado drogas ou apetrechos com apenas 23 pessoas (apesar das revistas corporais), eles prenderam as 117 pessoas presentes na cena. As restantes 94 pessoas foram acusadas de “freqüentarem uma bocada de drogas”, uma contravenção.

https://stopthedrugwar.org/files/utahraveraid.jpg
reide à rave de 2005 em Utah (cortesia do CMI Portland)
Na sexta-feira passada, um juiz da Corte do Circuito de Genesee anulou aquelas detenções, sustentando que a polícia de Flint infringira os direitos constitucionais dos freqüentadores. Em sua decisão, o Juiz Joseph Farah sustentou que a polícia não tinha provável delito para deter as pessoas meramente por estarem na danceteria.

“A Corte Distrital errou ao encontrar delito provável para deter aqueles réus”, escreveu Farah em sua decisão. “Permitir que as detenções destes 94 réus continuassem seria permitir o tratamento conjunto de pessoas que tinham estado na danceteria durante cinco minutos ou cinco horas, pessoas que não pararam de dançar com aqueles que estavam próximos a uma transação de drogas, pessoas que estavam sentadas em uma mesa voltada para a parede com aqueles metidos em injúrias e acusar aqueles indivíduos presentes com consciência e conhecimento iguais das más ações”.

A ACLU do Michigan, que representou as 94 pessoas presas por estarem presentes, saudou a decisão com prazer. “O decreto-lei sob o qual as detenções foram feitas existe para proteger os cidadãos de Flint de bocadas de drogas reais. Nunca teve a intenção de ser usado aleatoriamente pela polícia contra cidadãos obedientes à lei que vão a danceterias para ouvir música e socializar”, disse a diretora executiva da ACLU Michigan, Kary Moss, em declaração emitida no mesmo dia. “O parecer do Juiz Joseph Farah vindica os direitos constitucionais dos nossos clientes e manda um recado forte às polícias de todos o país”.

“O parecer do Juiz Farah conclui corretamente que a polícia não tinha que se meter a prender nenhum deles”, disse Ken Mogill, advogado da ACLU Michigan que debateu o caso com Elizabeth Jacobs. “É uma vitória gratificante para cada um dos indivíduos obedientes e equivocadamente presos e para o império da lei na nossa comunidade”.

Redução de Danos: Projetos de Troca e Acesso a Seringas de Nova Jérsei Avançam

Um projeto que permitiria que até seis municipalidades de Nova Jérsei estabelecessem programas de troca de seringas e um projeto acompanhante que permitiria a venda sem prescrição de até 10 seringas em farmácias foram aprovados pelo Comitê de Saúde e Cidadãos Idosos da Assembléia na quinta-feira. Após mais de uma década de esforços para conseguir legislação que permitisse aos usuários o acesso mais fácil a seringas esterilizadas, agora parece que os projetos têm ímpeto.

Os políticos de Nova Jérsei começaram a defender os projetos. Antes dos depoimentos no comitê na quinta-feira, o Presidente Herb Conaway (D-Burlington) disse francamente, “Este projeto vai ser aprovado”. O Presidente da Assembléia Joseph Roberts e o Governador Jon Corzine declararam publicamente que pretendem legalizar a troca de seringas o mais rápido possível.

Durante os depoimentos, o epidemiologista do estado, Eddy Bresnitz, disse aos legisladores que eles precisavam agir já. “Não deveríamos nos atrasar mais em colocarmos ferramentas salvadoras de vidas como os programas de troca de seringas nas mãos de comunidades desesperadas para deter a transmissão de doenças transmissíveis pelo sangue, como o HIV e a AIDS”, disse. “Os programas de troca de seringas não só impedem a transmissão de tais doenças, mas também ajudam os dependentes a entrarem no tratamento”.

A Drug Policy Alliance de Nova Jérsei esteve fazendo pressão a favor dos projetos durante anos. “Estamos incrivelmente agradecidos por tantos votos de apoio de parte dos integrantes do comitê”, disse Roseanne Scotti da DPA à Associated Press depois da votação.

Imposição da Lei: As Estórias de Policiais Corruptos Desta Semana

Ocupados, muito ocupados. Juízes consumindo cocaína, policiais traficando cocaína, policiais vendendo êxtase, pilotos da Força Aérea contrabandeando êxtase, químicos da polícia roubando da pilha de provas – e, claro, agentes penitenciários contrabandeando drogas para as prisões. Vamos ao que interessa:

Em Las Cruces, Novo México, a Comissão de Padrões Judiciais do estado entrou com uma petição na sexta-feira passada procurando a remoção de um magistrado da Comarca de Dona Ana com base em seus exames positivos por cocaína, de acordo com a Associated Press. O Magistrado Carlos Garza, 42, negou usar drogas e prometeu combater a ação. Garza foi suspenso pela comissão desde o dia 20 de Setembro, quando não obedeceu à ordem da comissão de se submeter a um exame toxicológico. De acordo com a comissão, desde então ele não passou por outro exame. A comissão também acusou Garza de tentar pressionar um agente de Mesilla durante uma batida de trânsito na qual o juiz estava em um carro com uma mulher “com a qual ele tinha uma relação pessoal” e pressionar o escrivão municipal a deixar limpa a carteira de motorista da mulher antes do tempo em um caso de condução em estado de embriaguez. Ele foi posto em liberdade vigiada pela Comissão de Padrões Judiciais no início deste ano nesse caso e ele disse que a acusação de ter usado cocaína era a continuação da vingança da comissão contra ele. Ele disse que os metabolitos de cocaína encontrados no organismo dele podem ter sido recebidos através de “exposição passiva”. Garza disputa a reeleição sem opositores nas eleições do mês que vem.

[N.E.: Incluir ou não o mero porte ou o simples consumo de drogas de parte do pessoal da justiça criminal entre os exemplos de corrupção é um dilema que a Crônica da Guerra Contra as Drogas enfrenta rotineiramente. Até agora, optamos por inclui-los, porque um juiz que consome drogas ilegais também pode ser um juiz que preside julgamentos e pronuncia sentenças contra outros usuários de drogas que fizeram a mesmíssima coisa (hipocrisia); e porque o juiz está infringindo uma lei que ele jurou cumprir (não obstante seja uma lei da qual discordamos). Mas, é preciso lembrar que há uma diferença entre o consumo de drogas por policiais ou juízes e o lucro com o tráfico de drogas ou outros exemplos de improbidade oficial.]

Em Durham, Carolina do Norte, um xerife-adjunto da Comarca de Durham foi preso em um reide antidrogas a um bar local e outros dois adjuntos foram despedidos por trabalharem como seguranças ali. O Adjunto Michael Owens, o dono do bar sitiado, foi acusado junto com quatro outros por traficar cocaína e conspirar para traficar cocaína e ele pode receber outra acusação de manter um prédio para fins de distribuição de cocaína. Os adjuntos Brad King e Keith Dotson, que trabalhavam nas horas vagas como seguranças para o clube, foram suspensos na mesma noite, informou o Durham Herald Sun e demitidos no início desta semana. As autoridades informaram confiscar 42g de cocaína durante o reide.

Em Biloxi, Mississippi, um ex-agente da polícia de Biloxi se confessou culpado na sexta-feira passada de vender êxtase, informou o Biloxi Sun Herald. Darrell Cvitanovich, que se demitiu da força após a sua detenção, pode pegar até 30 anos de prisão depois de admitir que vendeu quatro comprimidos de êxtase a um amigo. Cvitanovich, que é filho de um ex-delegado da polícia de Biloxi, foi preso em Junho de 2005 após uma investigação das alegações de que estava envolvido em atividades relacionadas com as drogas. Durante a busca da casa dele, a polícia encontrou 11 comprimidos de êxtase e uma pequena quantidade de metanfetamina. Ele foi acusado de porte de substância controlada com intenção de venda e transferência de substância controlada, mas, na semana passada, se confessou culpado apenas da acusação de vendas. Cvinatovich está livre sob fiança de $50.000 até a condenação.

Na Cidade de Nova Iorque, um piloto da Guarda Aérea Nacional dos EUA que levou um jato à Alemanha e voltou com 200.000 comprimidos de êxtase foi condenado na sexta passada a 17 anos e meio de prisão. O Capitão Franklin Rodríguez, 36, e seu cúmplice, o Sargento John Fong, 37, tinham se confessado culpados em tribunal federal após serem pegos pelo vôo de Abril de 2005. Fong aguarda condenação. O par caiu depois que os agentes federais viram Fong colocar 28 bolsas em uma BMW sedan e as acharam cheias de comprimidos de êxtase, de acordo com a Associated Press. Os procuradores disseram que Rodríguez transportara drogas várias vezes em vôos militares, trazendo centenas de milhares de comprimidos de êxtase aos EUA. Os federais encontraram mais de $700.000 em espécie no apartamento dele. Agora, eles os têm.

Na Filadélfia, uma ex-química civil da Polícia da Filadélfia foi presa no dia 11 de Outubro sob acusações de ter roubado drogas para consumo próprio, informou a Associated Press. Colleen Brubaker, 30, caiu sob suspeição em Abril e pediu demissão em Maio. Agora, as autoridades a acusam de pegar analgésicos opiáceos como Oxycontin, Percocet e Vicodin para fomentar o vício dela. Ela é acusada de porte de drogas, roubo, receptação, adulteração de provas, obstrução, adulteração de registros ou informações públicas e adulteração ou fabricação de provas físicas. Já que Brubaker era a química responsável por centenas de casos de drogas, os defensores públicos agora consideram a possibilidade de que alguns deles possam ter que ser retirados.

Em Stillwater, Oklahoma, um xerife-adjunto da Comarca de Payne foi suspenso sem direito a remuneração durante uma investigação da Agência de Controle de Narcóticos e Drogas Perigosas de Oklahoma, informou a Associated Press. Os funcionários municipais não querem falar sobre o que o Adjunto Brooke Buchanan, com 13 anos de serviços prestados ao departamento, é acusado de fazer, mas confirmam sim que um promotor especial foi nomeado para a investigação. A averiguação pode levar várias semanas até que qualquer acusação seja feita.

Em Lubbock, Texas, uma agente penitenciária da Comarca de Lubbock foi presa no domingo à noite enquanto chegava ao trabalho levando maconha, informou a KLBK-CBS 13 TV em Lubbock. Renata Hernández, 26, é acusada de introduzir uma substância proibida em uma instalação correcional. Ela pode pegar entre dois e dez anos de prisão. Embora os porta-vozes da polícia dissessem que achavam que ela estava trazendo a erva à cadeia para vendê-la, ainda não conseguiram provar isso.

Oferta de Vídeo: Waiting to Inhale

Caro leitor da Crônica da Guerra Contra as Drogas:

Muitos entusiastas da reforma das políticas de drogas leram há duas semanas sobre o nosso novo blog acerca de um novo documentário, Waiting to Inhale: Marijuana, Medicine and the Law [Esperando para Inalar: A Maconha, a Medicina e a Ley], e um debate emocionante aqui em Washington entre dois dos meus colegas e um representante da secretaria antidrogas dos EUA aconteceu depois da exibição do filme. Tenho o prazer de anunciar que a DRCNet está lhe disponibilizando este filme como o nosso mais recente prêmio de filiação – doe $30 ou mais à DRCNet e você pode receber uma cópia de Waiting to Inhale como nosso agradecimento pelo seu apoio.

https://stopthedrugwar.org/files/waitingtoinhale-small.jpg
Soube de Waiting to Inhale durante alguns anos e estou muito feliz por vê-lo divulgado e causando repercussões. As pessoas que aparecem no filme – os fornecedores de maconha medicinal Mike e Valerie Corral e Jeff Jones, a porta-voz dos pacientes Yvonne Westbrook, o cientista Don Abrams – são heróis cujas estórias merecem ser contadas e cujas entrevistas neste filme deveriam ser exibidas em todo o redor. Você pode ajudar ao pedir uma cópia e fazer uma exibição privada no seu lar! Ou você e seus amigos ativistas podem simplesmente assisti-lo em casa como inspiração. (Clique aqui para maiores informações, inclusive um trailer na Internet.)

A sua doação ajudará a DRCNet enquanto fazemos o que achamos que será um plano incrível de dois anos para avançar consideravelmente a reforma das políticas de drogas e a causa de acabar com a proibição globalmente e nos EUA. Por favor, faça uma doação generosa hoje mesmo para ajudar a causa! Eu sei que você sentirá que o dinheiro foi bem gasto depois de ver o que a DRCNet está preparando. O nosso formulário de doação eletrônica permite doar por cartão de crédito, por PayPal ou imprimir um formulário para enviar juntamente com o seu cheque ou ordem de pagamento por correio. Por favor, note que as contribuições à Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas ou Drug Reform Coordination Network, a nossa entidade de pressão política, não são dedutíveis do imposto de renda. As doações dedutíveis podem ser feitas para a Fundação DRCNet, a nossa ala de conscientização. (Escolher um presente como Waiting to Inhale reduzirá a parte de sua doação que pode deduzir pelo custo do artigo.) Ambos os grupos recebem cartas dos membros no seguinte endereço: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036.

Obrigado pelo seu apoio. Se você não viu a nossa nova página, espero que tenha um momento para fazer isso – está muito bom, se me for permitido dizê-lo. :)

Cuide-se bem e espero ter notícias suas.

Sinceramente,


David Borden
Diretor Executivo

Resenha de Vídeo da DRCNet: "Waiting to Inhale: Marijuana, Medicine, and the Law”, Produzido e Dirigido por Jed Riffe

De um punhado de pacientes federalmente aprovados no fim dos anos 1970 e 1980, o movimento estadunidense pró-maconha medicinal cresceu a passos de gigante, com dezenas de milhares de pessoas em uma dúzia de estados agora oficialmente registradas como usuárias de maconha medicinal. Não se sabe quantas pessoas nos 38 estados restantes em que ela ainda é ilegal estão fumando maconha para o alívio da dor, a indução do apetite, a redução da náusea associada com a quimioterapia, o tratamento de glaucoma, a redução dos tremores e os espasmos associados com a esclerose múltipla ou uma lista crescente de doenças ajudadas por uma tragada ou uma mordida de um bolo feito com maconha.

https://stopthedrugwar.org/files/inhaleposter.jpg
Enquanto as investigações acadêmicas e científicas dos usos medicinais da maconha ganham ímpeto, a lista de suas aplicações parece crescer cada vez mais. Dentro das últimas semanas, os pesquisadores informaram que a maconha pode ajudar a prevenir o princípio do mal de Alzheimer.

Mas, a resistência à maconha medicinal continua forte. O governo federal – especialmente as suas burocracias antidrogas, a DEA e o Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas – é inalteravelmente contrário ao seu uso, enquanto que os grupos antidrogas compostos por pais temem que permitir o uso medicinal de maconha “enviará o recado errado” aos filhos deles. Para os demais inimigos, a maconha medicinal é simplesmente mais uma frente na guerra cultural contra os hippies e liberais que esteve acontecendo durante quatro décadas.

Em pouco mais de uma hora, “Waiting to Inhale”, o vídeo recém-lançado pelo documentarista Jed Riffe conta a história da batalha pela erva curadora. Embora decididamente tenha simpatia pela maconha medicinal, o vídeo também se dá ao trabalho de apresentar a outra versão da história.

Ouvimos o porta-voz do ONDCP, David Murray, retratando uma conspiração sombria para legalizar as drogas. “Quem faz pressão por isto e por que se está fazendo pressão?” pergunta. “A pauta é bem financiada e motivada a retirar as barreiras entre eles e a droga que eles gostam ou na qual estão viciados”. Depois, Murray chama a maconha medicinal de “fraude”.

Similarmente, e com mais realismo, o porta-voz da DEA em São Francisco, Richard Meyer, adverte que “alguns traficantes estão usando [a lei de maconha medicinal da Califórnia] a Prop. 215 como cortina de fumaça”.

Riffe também dá espaço ao movimento dos pais antidrogas, com entrevistas com a lendária defensora da guerra às drogas, Sue Rusche, que explica que, há anos, uma viagem a uma loja de discos com os filhos dela em que eles foram expostos a um mostruário de narguilés, cachimbos e outros apetrechos relacionados com a maconha a fez tomar o curso do ativismo. Riffe mostra um movimento antidrogas dos pais que, embora ainda pareça hediondamente agressivo aos reformadores das políticas de drogas, mostra sinais de moderação e sofisticação. Em uma cena, Rusche expressa a antiga cantilena sobre “as drogas iniciais”, mas diz que elas incluem “o tabaco, o álcool e a maconha”. Em outra cena, os membros de um grupo de pais conversam sobre dar informação honesta – e não só assustar as crianças.

Embora o movimento antidrogas dos pais – bastião fundamental de apoio à guerra renovada contra as drogas da era Reagan em diante – possa estar se adaptando à adversidade, também está sendo mudado de dentro. Riffe entrevista o conselheiro da juventude do Novo México, Miguel Santesteban, que está trabalhando com o grupo antidrogas Parents United, e ele tem coisas surpreendentes a dizer. “Talvez quando se trate da maconha”, disse, “a melhor mensagem para eles seja a de que há um contexto responsável para o consumo”. Santesteban não parecia muito impressionado com os esforços antidrogas federais, dizendo, “Se eu fosse um secretário antidrogas, daria metade do meu orçamento às escolas públicas” e “Esta coisa de mandar o recado errado é besteira”.

Mas, apesar do tempo dado ao lado contrário, está claro que o interesse e o coração de Riffe estão com os pacientes de maconha medicinal e a luta deles pelo acesso seguro ao seu remédio. O vídeo começa com Mike e Valerie Corral, os fundadores da cooperativa Wo/Men's Alliance for Medical Marijuana (WAMM) nas redondezas de Santa Cruz, recontando como a DEA os sitiou a ponto de bala em 2002, daí passa a palavra a Irv Rosenfeld, “Paciente #1” no programa de acesso compassivo do governo federal, o qual permitia que um número diminuto de pacientes fumasse a erva produzida federalmente até que o Presidente Bush Pai acabou com ele em 1992. Rosenfeld e sete outros foram os avós e Rosenfeld, um corretor da bolsa da Flórida, fuma 10 baseados de erva federal por dia em um esforço quase bem-sucedido de se defender da dor decorrente de uma doença óssea crônica.

Riffe também inclui na mescla os médicos e pesquisadores que renovaram a ciência da maconha medicinal após meio século de lacunas criadas pela proibição da maconha. Riffe entrevista Raphael Mechoulam, o pesquisador israelense que isolou o THC, o qual explica que a maconha tem uma história medicinal de milhares de anos, e também entrevista o Dr. Lester Grinspoon, um dos primeiros defensores acadêmicos da maconha medicinal nos EUA.

Depois da proibição da maconha, explica Grinspoon, “os médicos ignoraram a cannabis” em razão da propaganda Loucura do Baseado do diretor da Agência Federal de Narcóticos, Harry Anslinger, contra ela. Com médicos desavisados regurgitando as afirmações dos guerreiros antidrogas sobre a erva do mal, “os médicos não só viraram as vítimas, mas também os agentes eficazes da propaganda”.

Enquanto Irv Rosenfeld e Robert Randall (“Paciente #0”) no programa federal de acesso compassivo estavam fumando a erva federal deles nos anos 1980, a epidemia de AIDS estava começando a mostrar a sua cara feia, especialmente em São Francisco, e Riffe mostra com muita habilidade como o que fora um movimento pelos direitos dos homossexuais se transformou em um movimento pelos direitos dos pacientes de AIDS e daí virou mais uma corrente no movimento pró-maconha medicinal que crescia rapidamente.

Riffe conversa com mais pessoas – paciente, médicos, investigadores, políticos – que tenho espaço para mencionar e "Waiting to Inhale" é excelente em reunir as diferentes correntes que formam a história da maconha medicinal. Por mais que seja um elogio das maravilhas da maconha medicinal, "Waiting to Inhale" consegue contar a história complexa e complicada de um movimento de massas, de uma jornada científica e de uma batalha política corrente, e faz isso de maneira envolvente e tocante. Para os curiosos sobre os contornos da questão da maconha medicinal, "Waiting to Inhale" é um recurso valioso e notavelmente assistível.

“Waiting to Inhale” é o mais recente prêmio de filiação da DRCNet - clique aqui para pedi-lo!

Clique aqui para a página oficial do documentário, inclusive um trailer e a lista das próximas exibições.

Matéria: Importantes Reformadores das Políticas de Drogas São Candidatos a Cargos Estaduais em Connecticut e Maryland

Dois dos reformadores das políticas de drogas mais conhecidos estão nas eleições de Novembro e embora, exceto por um milagre, eles não tenham chance nenhuma de vencer, ambos estão levando a mensagem da reforma das políticas de drogas a novos públicos e, com sorte, estão conseguindo um novo apoio ao desmantelamento da proibição das drogas. Em Connecticut, Cliff Thornton, diretor do grupo de reforma Efficacy está concorrendo como indicado do Partido Verde ao governo do estado. Em Maryland, Kevin Zeese da NORML e da primeira Drug Policy Foundation (antecessora da Drug Policy Alliance), fama e presidente do Common Sense for Drug Policy está concorrendo ao Senado dos EUA como candidato de “unidade” como indicado dos partidos Verde, Libertariano e Populista. (No Alabama, a ativista pró-reforma das políticas de drogas Loretta Nall conseguiu a indicação do Partido Libertariano ao governo, mas não podendo superar os requerimentos classificatórios onerosos para partidos terceiros, foi reduzida a fazer uma campanha por correspondência.)

https://stopthedrugwar.org/files/cliffthornton.jpg
Cliff Thornton em campanha
Em Connecticut, Thornton enfrenta o desafiante democrata, John DeStefano, e a titular republicana, a Governadora Jodi Rell, que, de acordo com as últimas pesquisas conseguirá a vitória com uma margem superior a 20 pontos percentuais. Apesar de Thornton não ter sido incluído nas pesquisas e ter sido excluído do debate de televisão da quarta á noite – ele conseguiu sim publicar um anúncio de campanha justo antes do debate -, ele disse à Crônica da Guerra Contra as Drogas que a sua campanha esteve abrindo um novo espaço para a reforma das políticas de drogas em Connecticut.

“Estamos causando impacto”, disse. “Tem havido cerca de 175 tiroteios e matanças aqui nos últimos três meses e falo sobre o porquê. É principalmente por isso que Reel e DeStefano não me querem nos debates – eles não querem defender uma política fracassada de drogas”.

Podem não querer conversar sobre as políticas de drogas, mas para Thornton essa é a peça central da campanha dele. “Nem sempre começo com as questões das drogas, mas todos querem saber delas. Todos as entendem”, disse Thornton. “Reel e DeStefano estão mantendo distância do problema, apesar de os empregados deles falarem sobre isso às vezes”.

O ano de trabalho de Thornton nas trincheiras da reforma das políticas de drogas em Connecticut e em todo o país o tornou uma quantidade conhecida nos círculos políticos e midiáticos locais e a disputa ao governo deste ano tem dado muito que falar a artigos sobre Thornton e a questão das drogas. Agora, o problema está ganhando ainda mais visibilidade em Connecticut graças à Law Enforcement Against Prohibition, que atualmente está em turnê oratória em todo o estado. Embora a LEAP não faça campanha em prol de candidatos, a oportunidade da campanha de Thornton está jogando lenha na fogueira dos seus esforços em Connecticut. O grupo já teve umas 70 palestras ou entrevistas com a mídia durante a sua operação atual, com mais alguns agendados.

“É difícil medir o impacto da LEAP”, disse Thornton, “mas é muito poderoso”.

Com apenas algumas semanas restantes na campanha, Thornton está a todo vapor. “Temos uma agenda lotada entre agora e o dia das eleições”, disse. “Eles não nos querem nos debates, não nos querem nas pesquisas, mas não podemos impedir a divulgação da nossa mensagem, e, nesse sentido, já vencemos”.

Embora em Connecticut, um voto em Thornton em vez de Rell ou DeStefano provavelmente não cause impacto nenhuma na suposta vitória de Rell, as coisas não são assim na disputa de Maryland ao Senado dos EUA. Nessa cadeira aberta, o democrata Ben Cardin está em uma disputa acirrada com o republicano Michael Steele. De acordo com as últimas pesquisas, Cardin tem uma ligeira vantagem, mas pelo menos uma pesquisa mostra empate técnico, com cada candidato recebendo 46% dos votos e Zeese recebendo 3%. Em Maryland, a campanha de Zeese pode ser o verdadeiro desempate, ou como Zeese prefere chamá-lo, “competição”.

Zeese já teve algumas realizações notáveis. Ele conseguiu forjar uma aliança com a sua candidatura Verde-Libertariana-Populista e virou o primeiro candidato de terceiro partido em Maryland a conseguir uma cadeira nos debates do Senado. Já que ele carece de fundos de campanha para empreender uma campanha publicitária completa, os debates serão críticos para o sucesso da campanha de Zeese.

“Tive que passar obstáculos para entrar nos debates – pode haver até seis deles – e isso é o fundamental para toda a campanha. Temos que ser ouvidos e vistos e isto ajudará a fazer que a mídia reconheça a minha candidatura”, disse Zeese à Crônica. “Acho que os meus números nas pesquisas subirão consideravelmente assim que os debates começarem porque as pessoas ouvirão a minha mensagem”.

É-lhe difícil ser ouvido agora. “A campanha de Zeese é invisível”, disse o professor de governo da Universidade de Maryland, Paul Hernson. “Ele não tem recebido muita cobertura”.

Mas, disse Hernson, com a disputa tão apertada como está, Zeese pode causar impacto. “Se esta disputa resultar muito acirrada, é possível que um candidato de partido menor como Zeese possa ser o elemento de desempate”, disse ele à Crônica.

Zeese pode se beneficiar com a política racial enrolada desta contenda. O democrata Cardin é branco e está tentando apelar à base democrata negra dele, que ainda está mordida pela vitória de Cardin sobre Kweisi Mfume nas primárias, enquanto que o republicano Steele é negro e está tentando apelar aos conservadores brancos enquanto recebe o apoio de alguns eleitores democratas negros.

Zeese está tirando vantagem da questão das políticas de drogas onde puder. “No debate da Urban League, na minha apresentação falei sobre a necessidade de tratamento, não da reclusão, e falei sobre a população prisional”, relatou. “Quando alguém me fez uma pergunta sobre se os afro-americanos deveriam apoiar os democratas, falei sobre o fato de Maryland ser o estado com mais injustiça racial no país, com 90% dos presos por delitos de drogas sendo negros. É isso que dá eleger democratas, disse-lhes”.

Com Steele avançando sobre Cardin, Zeese pode fazer as coisas mudarem. A única questão é a de quem ele tem mais chances de tirar votos e isso não está claro de jeito nenhum.

Dois outros reformadores importantes das políticas de drogas, o diretor executivo da Drug Policy Alliance, Ethan Nadelmann, e o diretor executivo da Criminal Justice Policy Foundation, Eric Sterling, disseram à Crônica que eles davam as boas-vindas a campanhas de reformadores das políticas de drogas por partidos terceiros, embora Nadelmann estivesse preocupado com o impacto que elas podem ter sobre o Partido Democrata.

“Historicamente, os partidos terceiros desempenham um papel crucial na legitimação de assuntos polêmicos para a ação política nacional”, disse Sterling, que foi rápido em observar que contribuíra com as campanhas de Zeese e Thornton. “O Partido Republicano era um terceiro partido quando se formou e se organizou em torno da questão da abolição da escravatura. Os partidos terceiros nos anos 1920 e 1930 avançaram as questões da administração do trabalho que foram promulgadas nos anos 1930 e 1940, as quais agora damos por certas como parte do jeito estadunidense de ser, como as férias remuneradas e a semana de trabalho de cinco dias. A idéia de que haja apenas dois partidos políticos é algo próprio dos Estados Unidos e não existe na Constituição”, apontou.

“Em Connecticut, os problemas da proibição, a criminalidade e o abuso químico têm sido problemas de grande relevância nas três maiores cidades”, disse Sterling, apontando delegados de política que vão e vêm em Hartford, o atual prefeito usuário de cocaína em Bridgeport e os níveis de criminalidade historicamente altos em New Haven que mantêm relação com a proibição das drogas. “Dados estes antecedentes, a candidatura de Cliff Thornton, a sua biografia singular e a sua capacidade incomum de discursar poderosa e eficazmente a muitos públicos lhe permitiu falar sobre a questão das drogas em Connecticut e isso tem feito que muitas pessoas pensassem sobre a natureza do nosso problema com as drogas, os nossos meios de abordá-lo e as conseqüências de abordá-lo dessa maneira”.

Em Maryland, disse Sterling, há uma disputa dividida em três e Zeese merece apoio quer isso fira a candidatura democrata ou não. “Se for aceito que há um papel legítimo para os partidos terceiros no nosso processo democrático, então não pode ser verdade que isso aconteça somente quando não faz diferença nenhuma”, debateu. “Se Bem Cardin é incapaz de mobilizar os seus aliados na comunidade afro-americana, é culpa dele, não de Kevin Zeese”.

Tais campanhas “inquestionavelmente valem a pena”, disse Sterling. “Aqueles de nós que lêem a Crônica da Guerra Contra as Drogas entendem que a luta para mudar a legislação sobre as drogas no mundo é uma luta de longa data e que transformar as nossas idéias em senso comum requer que elas sejam articuladas nos foros convencionais do debate sobre as políticas, como as campanhas eleitorais. Em Connecticut, a campanha de Thornton fez mais que qualquer coisa em legitimar o debate acerca das políticas de drogas, e, inquestionavelmente, isso é bom”.

Nadelmann da Drug Policy Alliance concordava, mas ele expressou algumas inquietações com as conseqüências negativas. “Se se fala sobre uma disputa para governador, a questão é como os outros candidatos estão neste problema e se isto ajuda o provável ganhador a chegar a uma posição melhor nas políticas de drogas ou não”, disse. “Em Connecticut, Thornton está desempenhando um papel construtivo ao falar sobre as políticas de drogas e provavelmente não terá impacto nenhum sobre o vencedor. Mas, será que a Gov. Rell nos confrontará com isso quando precisarmos que assine um projeto de maconha medicinal ou um projeto de zonas livres de drogas?”

A equação é um pouco diferente para os cargos legislativos, debateu Nadelmann, especialmente neste ano. “Está claro que a reforma das políticas de drogas se sairá melhor sob um Senado e Câmara democratas que republicanos. Em Maryland, Kevin Zeese inovou com a sua coalizão e isso é bom. O que não se quer que aconteça é que os votos em Kevin terminem indo para o candidato e o para o partido que são piores nas políticas de drogas”.

Matéria: Afeganistão expulsa grupo que pede o ópio legal – ou não

O Conselho de Senlis, o instituto do consultório europeu em desenvolvimento e segurança que propôs desviar o cultivo florescente e ilegal de papoulas para o mercado medicinal legal, vai ser expulso do país. Pelo menos, isso é o que um punhado de artigos informou nesta semana. Porém, apesar dos informes, o Senlis não vai a lugar nenhum, disse o grupo à Crônica da Guerra Contra as Drogas.

A primeira matéria apareceu no domingo, quando a Pajhwok Afghan News fez um artigo sobre a entrevista coletiva em Cabul nesse mesmo dia com o Vice-Ministro do Interior do Afeganistão, o Tenente Daud Daud. “Em uma ordem, o Ministro do Interior proibiu as atividades do Conselho de Senlis”, disse Daud Daud de acordo com a Pajhwok. “As atividades do Conselho de Senlis não são úteis para o nosso país; o trabalho dele tem criado problemas complexos para nós”. As atividades do Conselho de Senlis estavam “incentivando” os agricultores a cultivarem mais papoulas, reclamou.

Na segunda-feira, a BBC ecoou a Pajhwok com um artigo intitulado “Grupo de Drogas Recebe Ordem de Sair do Afeganistão”. A BBC informou que um relatório recente do grupo que criticava o governo afegão pelo aumento na produção de papoulas exacerbara as tensões entre os políticos afegãos. Como a Pajhwok, a BBC observou que o porta-voz do Conselho de Senlis no Afeganistão negou que os seus escritórios tinham sido fechados, mas não foi assim que ambos os órgãos da imprensa intitularam a matéria.

Por volta da terça-feira, a Fars News Agency do Irã estava informando o mesmo artigo, mas com uma mudança. De acordo com a Fars, os agentes antidrogas iranianos estavam pedindo crédito pela suposta expulsão do Conselho de Senlis. A agência de notícias informou que Fada Hosein Maleki, diretor da diretoria iraniana antidrogas, estava afirmando que Teerã convencera o governo Karzai a expulsar o grupo. “Declaramos a nossa oposição direta e forte à idéia desde o princípio, enquanto que mantivemos as nossas longas consultas com os agentes afegãos, que felizmente resultaram no fechamento do dito instituto no Afeganistão”, afirmou Maleki.

Em um olhar revelador no jornalismo iraniano, a Fars informou: “Fada Hosein Maleki observou também que as atividades do Instituto ‘Senseless’ [sem sentido, insensato, tolo] francês procuravam legalizar o cultivo de papoulas no Afeganistão bem como as graves conseqüências que tal ação podia ter para o Irã se fosse aprovada”, sem se preocupar em esclarecer se Maleki ou a própria agência de notícias decidira chamar o conselho de “sem sentido”.

Nos dois últimos anos, o Conselho de Senlis abriu escritórios no Afeganistão, organizou a conferência de Outubro passado em Cabul sobre a autorização da papoula como parte da indústria lícita de opiáceos medicinais, publicou pesquisas importantes sobre aspectos numerosos do dilema da papoula afegão, começou um programa de tratamento químico junto com a Cruz Vermelha italiana e o Crescente Vermelho afegão e foi altamente crítico da abordagem dos EUA e da OTAN ao Afeganistão. A sua proposta de autorização do ópio em particular tem criado preocupações entre alguns governos ocidentais e alguns setores do governo afegão.

A Câmara Alta (Meshano Jirga) do Afeganistão exigira antes que o Conselho de Senlis fosse banido. Depois da entrevista coletiva do Tenente Daud Daud, outros funcionários afegãos apoiaram a decisão, com o Ten. Kudai Dad dizendo à Pajhwok que o Conselho de Senlis estava incentivando os agricultores da papoula a acreditarem que os cultivos deles podem ser legalizados.

Mas, a coisa é menos complicada do que parece. “O Conselho de Senlis não foi proibido de realizar as suas atividades no Afeganistão”, disse Jane Francis, diretora de comunicação do grupo em Paris. “O Conselho recebeu uma carta do Ministro do Interior do Afeganistão que dizia que não deveríamos nos meter em atividades ‘contrárias á constituição do Afeganistão’. O Conselho de Senlis é uma instituição de pesquisa e um instituto de consultoria e esta consideração nunca fez nada de inconstitucional no Afeganistão”, disse ela à Crônica da Guerra Contra as Drogas na quinta-feira.

Defender a legalização do cultivo de papoulas através de um esquema de autorização da sua venda em mercados medicinais lícitos não é mencionado na Constituição Afegã. O Artigo 34 (Capítulo 2, Artigo 13), contudo, diz que “a liberdade de expressão é inviolável”.

Francis do Conselho de Senlis também criticou os comentários do Tenente Daud Daud que jogava a culpa nele pelo aumento no cultivo de papoulas, o qual teve uma alta histórica de 6.100 toneladas de papoulas neste ano. “O Conselho de Senlis não é responsável de jeito nenhum pelo aumento no cultivo de papoulas”, disse. “O cultivo de papoulas esteve em alta desde a chegada da comunidade internacional no Afeganistão. O aumento deste ano é apenas uma continuação desta situação. O cultivo de papoulas tem aumentado porque as pessoas estão empobrecendo cada vez mais e em muitas áreas essa é a única maneira de sobreviverem. Ironicamente, a estratégia antinarcóticos de erradicação de cultivos liderada pelos EUA tem contribuído com esta pobreza e tem criado uma intensificação da necessidade de cultivar papoulas – as pessoas têm que compensar o dinheiro que perderam devido à erradicação dos cultivos delas, então as cultivam novamente – e mais delas”.

Com o Talibã em alta, o cultivo de papoulas cambaleando e sem energia elétrica confiável na capital cinco anos depois que os estadunidenses invadiram, pode ser que os políticos afegãos estejam procurando um bode expiatório – e falando um pouco mais do que podem cumprir. O Ministério do Interior mando o que somente pode ser uma carta de aviso ao Conselho de Senlis, mas o seu vice-ministro exagera o que diz, a imprensa local informa os comentários dele, a imprensa internacional os recolhe e nasce uma matéria equivocada. Parece claro que se as autoridades afegãs quiserem um bode expiatório para o status quo, teriam resultados melhores ao se olharem no espelho do que acusando uma organização européia inteligente que tem abordagens inovadoras ao dilema do ópio.

Editorial: Os Reides Antidrogas Como Campanhas Publicitárias e Eleitoreiras Financiadas pelos Contribuintes

David Borden, Diretor Executivo, 20 de Outubro de 2006

https://stopthedrugwar.org/files/borden12.jpg
David Borden
Hoje, um dos artigos era um informe do Colorado de uma enorme apreensão de maconha. O gabinete da DEA e a Promotoria de Denver anunciaram que tinham capturado 38 traficantes e realizaram uma entrevista coletiva para se gabarem disso.

A ocasião foi questionada pelo grupo Safer Alternative for Enjoyable Recreation (SAFER), os defensores de uma iniciativa de legalização da maconha nas eleições estaduais do mês que vem. A nota à imprensa da SAFER chamou a entrevista coletiva de “um evento político orquestrado”, implicando que, na verdade, ao encenarem esta apreensão a esta altura do campeonato e dar-lhe publicidade, os guerreiros antidrogas locais estavam tentando influenciar as eleições que começam 19 dias depois, com a votação antecipada começando apenas quatro dias depois. (A SAFER também apontou que há listas em Denver para pelo menos 347 traficantes de álcool – uma droga mais perigosa do que a maconha de acordo com a SAFER e segundo qualquer outra leitura razoável científica sobre a questão.)

Na minha opinião, a escolha do momento abre suspeição sobre a motivação dos impositores. Os agentes do Colorado usaram o pretexto de uma apreensão de drogas para conduzirem em realidade uma campanha midiática/publicitária/eleitoreira às custas dos contribuintes (assim como às custas das pessoas presas)?

Se esse fosse o caso, não seria a primeira vez que algo assim acontece. Em 1991, me dizem, o tribunal federal em Charlottesville, Virgínia, corria o risco de ser fechado por motivos orçamentários, sendo que as suas operações seriam incorporadas a outras instalações vizinhas. Entra a “Operação Equinócio” [Operation Equinox], que presenciou a detenção de 12 integrantes de uma fraternidade sob acusações de delitos de drogas. O tribunal teve publicidade e uma aparente razão de ser e atualmente continua vivo e prosperando.

Neste ano na Califórnia, eles foram francos e disseram o que estavam fazendo. Uma nota à imprensa de Julho do gabinete do Procurador-Geral Locklyer sobre como “44 forças-tarefa lideradas pela Agência de Repressão aos Narcóticos do Departamento de Justiça da Califórnia... prenderam pelo menos 115 indivíduos e confiscaram pelo menos $11,9 milhões em drogas como parte de uma varredura de um dia da criminalidade em todo o país”, declarou que a operação “promoveu a continuação do financiamento do programa Subvenções Byrne de Assistência à Justiça que apóia a lei antidrogas municipal e estadual. O programa financiado federalmente tem sofrido cortes profundos durante os últimos anos”.

No negócio da advocacia, quando apresentamos eventos publicitários que esperamos que afetem o processo legislativo, isso é considerado fazer pressão. Estes 38 cidadãos do Colorado, 115 da Califórnia e os 12 integrantes da fraternidade da UVA e os demais em numerosas outras ocasiões eram peões nos jogos políticos jogados pela gente que detém o poder de encarcerar? Isso pode ser difícil de provar, mas está bem claro que essa dinâmica existe e às vezes não é tão difícil de prová-la. De fato, o procurador que busca processos de alta visibilidade e grandes números de condenações para incrementar a sua carreira política é uma criatura famosa e uma das mais poderosas no governo.

Esperemos que esta tática odiosa saia pela culatra dos agentes do Colorado – no dia 07 de Novembro!

Anuncio: Nuevo Formato para el Calendario del Reformador

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
A partir de esta edición, El Calendario del Reformador ya no aparecerá como parte del boletín Crónica de la Guerra Contra las Drogas, pero será mantenido como sección de nuestra nueva página web:

El Calendario del Reformador publica eventos grandes y pequeños de interés para los reformadores de las políticas de drogas alrededor del mundo. Ya sea una gran conferencia internacional, una manifestación que reúna a personas de toda la región o un foro en la universidad local, queremos saber para que podamos informar a los demás también.

Pero necesitamos su ayuda para mantener el calendario actualizado, entonces por favor contáctenos y no suponga que ya estamos informados sobre el evento o que vamos a saber de ello por otra persona, porque eso ni siempre sucede.

Ansiamos por informarlo a usted de más reportajes nuevos de nuestra nueva página web apenas estén disponibles.

Semanal: Esta Semana en la Historia

20 de Octubre de 2004: Una coalición innovadora de organizaciones profesionales negras se reúne para formar la National African American Drug Policy Coalition (NAADPC). La NAADPC busca urgentemente alternativas a las políticas equivocadas de drogas que han llevado al encarcelamiento en masa.

22 de Octubre de 1982: El primer caso públicamente conocido de las cargas de cocaína de los contras en el gobierno ocurre en un cablegrama de la Directoria de Operaciones de la CIA. El cablegrama repasa el mensaje de que las agencias legales de los EEUU tienen ciencia de “las relaciones entre (una organización religiosa de los EEUU) y dos grupos contrarrevolucionarios nicaragüenses [que] involucran a un cambio en (los Estados Unidos) de narcóticos por armas”. [El material en paréntesis fue insertado por la CIA como parte de su desclasificación del cablegrama. El nombre del grupo religioso sigue en secreto.]

23 de Octubre de 2001: El Ministro del Interior de Gran Bretaña, David Blunkett, propone la reclasificación del cannabis de la Clase B para la Clase C. Pronto el cannabis es despenalizado en Gran Bretaña.

23 de Octubre de 2002: La Time/CNN realiza una encuesta telefónica de 1.007 adultos estadounidenses en dos días (23 y 24 de Octubre). El resultado: Casi uno en cada dos estadounidenses adultos reconoce que ha usado marihuana, poco más que el índice de uno para tres en 1983.

24 de Octubre de 1968: La tenencia de psilocibina o psilocina se vuelve ilegal en los EE.UU.

25 de Octubre de 1997: Respecto de Colombia, el New York Times cita al Secretario Antidroga de los EE.UU., el General Barry McCaffrey: “Que no reste ninguna duda: No participamos de las operaciones antiguerrilleras”. Menos de dos años después, el 17 de Julio de 1999, el Miami Herald informa: “McCaffrey dijo que era ‘una tontería a esta altura’ intentar diferenciar entre esfuerzos antidrogas y la guerra contra los grupos insurgentes”.

26 de Octubre de 1993: La Reuters informa que la National Organization for the Reform of Marijuana Laws (NORML) se juntó a grupos de las tropas de los scouts, Elks Clubs y otros grupos comunitarios en un programa en el cual los participantes limpian partes del sistema de carreteras de Ohío. El Departamento de Transporte de Ohío negó la solicitud de la NORML dos veces anteriormente, debatiendo que eso sería ayudar a dar publicidad a un grupo “activista polémico”. La American Civil Liberties Union entró en la pelea y el fiscal general de Ohío forzó a los trabajadores de los transportes a ceder.

26 de Octubre de 1997: El Los Angeles Times informa que doce años después que un agente antidrogas de los EE.UU. fue secuestrado, torturado y asesinado en México, han surgido pruebas de que los fiscales federales se fiaron en testimonios perjurados e informaciones falsas, echando dudas sobre las condenaciones de los tres hombres que ahora cumplen sentencias de prisión perpetua en el caso.

26 de Octubre de 2001: Los agentes de la DEA caen sobre el LA Cannabis Resource Center, confiscando todas las computadoras, archivos, cuantas bancarias, plantas y medicamentos del centro. La DEA cita a una reciente decisión de la Suprema Corte como justificación de su acción. El jardín de cannabis de los pacientes en el local de West Hollywood es confiscado por los agentes de la DEA a pesar de las altas protestas del Alcalde de West Hollywood y de muchos funcionarios y habitantes locales.

Europa: Tribunal de Apelaciones Holandés Decide que Paciente de Marihuana Medicinal Puede Cultivarla Él Mismo

Hasta ahora, ha sido ilegal cultivar marihuana en los Países Bajos, pero un caso decidido el martes ha hecho una fenda en el dique a favor de los pacientes. Pese a que los famosos cafés de Holanda proporcionen ventas de cannabis al por menor con la aquiescencia del Estado Holandés, el país nunca ha redactado ningún dispositivo para quitar a los cultivadores que suplen las tiendas del mercado negro. Igualmente, pese a que Holanda permita que la marihuana medicinal sea comprada en las farmacias, no deja que los pacientes la cultiven ellos mismos.

El martes, de acuerdo con la Agence France Presse, un tribunal de apelaciones en Leeuwaarden en el norte de los Países Bajos decidió que el paciente de esclerosis múltiple, Wim Moorlag, y su esposa no deberían haber sido procesados por cultivar una planta que les rendiría 20 gramos de marihuana por semana. Pese a que el tribunal hubiera declarado los Moorlag culpables de cultivo ilegal (y les hubiera dado una multa de $314), el tribunal de apelaciones sostuvo que el derecho de Moorlag a intentar aliviar el dolor relacionado con su enfermedad anulaba el interés del estado en prohibir el cultivo de marihuana.

Moorlag había debatido que no podía comprar marihuana de los cafés porque podía contener hongos y bacterias especialmente peligrosas para los pacientes de EM.

El abogado de Moorlag, Wim Anker, le dijo a la agencia de noticias Dutch ANP que la decisión tendría amplias ramificaciones. “Esto significa que otros pacientes también pueden cultivar legalmente su propio cannabis, no apenas los pacientes de EM, sino también la gente con SIDA”, dijo.

Los fiscales holandeses, con todo, no van a desistir. El miércoles, ellos anunciaron que habían pedido a la Corte Suprema holandesa que anulara la decisión del tribunal de apelaciones. “Nosotros presentamos una moción de apelación el martes delante de la Corte Suprema”, dijo Marina Well, vocera de la fiscalía en Leeuwaarden.

Canadá: Corte Suprema Rechaza Exámenes Toxicológicos Aleatorios de Presos Bajo Régimen de Libertad Vigilada

En una decisión la semana pasada, la Corte Suprema de Canadá sostuvo que el Código Penal del país no les permite a los jueces solicitar que los infractores bajo libertad vigilada se sometan a exámenes toxicológicos u otras exigencias para obtener una muestra de sustancias corporales. La decisión ocurrió en el caso de Harjit Singh Shoker, que en 2003 se acostó con la mujer de un oficial de la Real Policía Montada de Canadá pensando en violarla durante una embriaguez de metanfetamina.

Shoker fue condenado por invasión de propiedad con la intención de cometer agresión sexual y fue condenado a 20 meses de prisión y dos años de libertad vigilada. Su juez de condenación incluyó como condiciones de su régimen probatorio el deber de pasar por tratamiento químico, abstenerse del consumo de alcohol y drogas y hacer exámenes toxicológicos cuando exigido. Él recurrió de esas condiciones de su sentencia.

En 2004, el Tribunal de Apelaciones de Columbia Británica decidió que el juez de juicio no tenía autoridad para ordenarle a Shoker que se tratara sin su consentimiento y tampoco tenía la autoridad para exigir que Shoker se sometiera a exámenes toxicológicos. Desde entonces, los jueces de CB han seguido ordenando a los infractores bajo régimen probatorio a evitar las drogas y el alcohol, pero han desistido de la orden acompañante y casi automática de someterse al examen toxicológico.

La Real Fiscalía de Columbia Británica no desafió la decisión acerca del tratamiento químico, pero sí recurrió de la decisión sobre los exámenes toxicológicos – aun pese a que la provincia hubiera eliminado la financiación para el programa de exámenes toxicológicos en 2003. Pero, los fiscales de CB no fueron consolados por la Corte Suprema.

La Desembargadora Louise Charron, que fue autora de la decisión, llamó el examen toxicológico de “altamente intrometido” que requería “estándares y salvaguardias rigurosos para cumplir los requerimientos constitucionales”. El Parlamento podía redactar dichos padrones, volviendo el examen toxicológico un requerimiento legal, observó. “No se cuestiona que el infractor bajo régimen de libertad vigilada tenga una baja expectativa de privacidad”, escribió Charron. “Con todo, es la tarea del Parlamento, no de los tribunales, equilibrar la carta de derechos de los infractores en contra del interés de la sociedad al monitorear efectivamente sus conductas”.

Si el Parlamento quiere que los jueces puedan imponer los exámenes toxicológicos como condición de la libertad vigilada, debe tratar de la cuestión y no dejarla al arbitrio de jueces individuales. “El establecimiento de estos padrones y salvaguardias no puede ser dejado a la discrecionalidad del juez de condenación en los casos individuales”, escribió Charron. “Esos son precisamente los tipos de decisiones sobre políticas que el Parlamento tiene que tomar respecto de las limitaciones contenidas en la carta”.

¡Qué diferencia hace una frontera! En el lado de los EE.UU., el tratamiento químico y los exámenes toxicológicos compulsorios son la norma. En el lado canadiense, es inconstitucional, por lo menos de la forma que lo intentaron.

Europa: Gobierno Italiano Aprueba Derivados de la Marihuana para el Control del Dolor

El gabinete italiano aprobó el jueves el uso de derivados de la marihuana, como el spray sublingual Sativex, en el alivio del dolor, informó la agencia alemana Deutsche Presse Agentur. La acción revierte la política antidroga impuesta por el gobierno anterior del ex Primer Ministro Silvio Berlusconi, que fue derrotado por el actual Primer Ministro Romano Prodi a principios de este año

“Estamos hablando de terapia de alivio del dolor. Esto no tiene nada que ver con fumar pitillos”, le dijo la Ministra de la Salud, Livia Turco, a los reporteros después del encerramiento de la reunión del gabinete en que la decisión fue tomada. “Estas drogas ya están en uso en Canadá, Suiza y Holanda”, añadió.

Pese a que el gobierno Prodi haya prometido relajar las penas endurecidas para delitos de drogas promulgadas por el gobierno Berlusconi, esa acción no tiene nada que ver con aquello, dijo Turco. “Si alguien menciona el cannabis, entonces todo el mundo se alborota. Estamos hablando de terapias contra el dolor”.

Condenación: Corte Suprema de Luisiana Oye Casos de Condenados a Prisión Perpetua por Heroína

En medio a la histeria de la guerra a las drogas de los años 1970, los legisladores de Luisiana aprobaron una ley que ordena pena de prisión perpetua sin condicional para las personas condenadas por vender heroína. En 2001, la legislatura actuó para enmendar esa ley durísima, corrigiéndola para que las sentencias por distribución de heroína fueran de cinco a 50 años de prisión. Esa ley de 2001 también estableció un proceso de “revisión de riesgo” para la liberación precoz de los presos condenados de acuerdo con las antiguas leyes severas. En 2003, la legislatura incluyó específicamente a los condenados a prisión perpetua por heroína en el grupo de condenados que puede buscar reparación a través del proceso de revisiones, y, en 2005, corrigió la ley para permitir que los presos busquen una revisión tras cumplir siete años de sus sentencias.

Más de 90 heroin lifers siguen tras rejas, muchos de ellos ancianos tras haber pasado los años 1970, 1980 y 1990 y mitad de la primera década del siglo tras rejas.

El año pasado, los jueces de juicio en las parroquias de Orleáns y de St. Tammany, frustrados con el paso glacial en el cual las revisiones estaban sucediendo, bajaron las sentencias de un par de heroin lifers y ordenaron su liberación inmediata. El estado de Luisiana recurrió de la decisión y, esta semana, la Corte Suprema escuchó los argumentos orales en el caso.

El martes, los fiscales discutieron que los heroin lifers deben pasar por un proceso arduo y largo de revisión que sea controlado por el Departamento de Correcciones para buscar la reducción de la sentencia y la libertad que ella podría proporcionar. Los jueces de juicio que ordenaron la liberación de los presos excedieron su jurisdicción, dijo Graham Bosworth de la fiscalía de Nueva Orleáns.

Pero los abogados que representan a los heroin lifers debatieron que los recientes cambios legislativos volvieron las sentencias antiguas patentemente ilegales y que los jueces tienen la autoridad de recondenar a aquellos presos. “Tenemos que confiar en las personas que tenemos en las bancas de los tribunales para ejercer su jurisdicción con sabiduría”, dijo el abogado Dwight Doskey.

Los dos hombres cuyos casos están bajo recurso son Melvin Smith, que fue condenado en 1977 y recibió recientemente la orden de liberación del Juez de la Corte Distrital Criminal de Orleáns, Calvin Johnson, que lo había recondenado a 28 años – esencialmente, el tiempo cumplido; y Wesley Dick, que fue condenado a prisión perpetua en 2001 poco antes del cambio en la ley. La Jueza Distrital Patricia Hedges lo libertó en Julio tras reducir su sentencia a 10 años.

En una señal de rencor de la fiscalía, el Fiscal de la Parroquia de Orleáns, Eddie Jordan, impidió la liberación de Smith. El anciano Smith sigue en silla de ruedas en la Casa de Detención de la Parroquia de Orleáns hasta la decisión de la Corte Suprema que decidirá su destino.

Reducción de Daños: Proyectos de Trueque y Acceso a Jeringas de Nueva Yérsey Avanzan

Un proyecto que permitiría que hasta seis municipalidades de Nueva Yérsey establecieran programas de trueque de jeringas y un proyecto acompañante que permitiría la venta sin prescripción de hasta 10 jeringas en farmacias fueron aprobados por el Comité de Salud y Ciudadanos Mayores de la Asamblea el jueves. Tras más de una década de esfuerzos para lograr legislación que permitiera a los usuarios el acceso más fácil a jeringas esterilizadas, ahora parece que los proyectos tienen ímpetu.

Los políticos de Nueva Yérsey han empezado a defender los proyectos. Antes de los testimonios en el comité el jueves, el Presidente Herb Conaway (D-Burlington) dijo francamente, “Este proyecto va a ser aprobado”. El Presidente de la Asamblea Joseph Roberts y el Gobernador Jon Corzine han declarado públicamente que pretenden legalizar el trueque de jeringas lo más pronto posible.

Durante los testimonios, el epidemiólogo del estado, Eddy Bresnitz, le dijo a los legisladores que ellos precisaban actuar ahorita. “No deberíamos retrasarnos más en poner herramientas salvadoras de vidas como los programas de trueque de jeringas en las manos de comunidades desesperadas para detener la transmisión de enfermedades trasmisibles por la sangre, como el VIH y el SIDA”, dijo. “Los programas de trueque de jeringas no apenas impiden la transmisión de dichas enfermedades, sino también ayudan a los dependientes a acceder al tratamiento”.

La Drug Policy Alliance de Nueva Yérsey ha estado haciendo presión a favor de los proyectos durante años. “Estamos increíblemente agradecidos por tantos votos de apoyo de parte de los integrantes del comité”, le dijo Roseanne Scotti de la DPA a la Associated Press después de la votación.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, Vaping, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Pill Testing, Safer Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psilocybin / Magic Mushrooms, Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School