Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Europe: British Top Cop Calls for Prescription Heroin for Addicts

The head of the British Association of Chief Police Officers (ACPO) called this week for addicts to be prescribed heroin to prevent them from committing crimes to feed their habits. ACPO head Ken Jones, the former chief constable of Sussex, also admitted that current law enforcement strategies are failing when it comes to a "hardcore minority" of heroin users.

https://stopthedrugwar.org/files/kenjones.jpg
Ken Jones
"You need to understand there is a hard core, a minority, who nevertheless commit masses of crime to feed their addiction," Jones said in remarks reported by The Independent. "We have got to be realistic -- I have looked into the whites of these people's eyes and many have no interest whatsoever in coming off drugs. We have to find a way of dealing with them, and licensed prescription is definitely something we should be thinking about."

Jones is one of the most senior police officials ever to advocate the use of prescription heroin in the effort to reduce the harm from black market use of the drug. According to research in Great Britain, heroin users commit an average of 432 crimes a year.

Studies in Switzerland and the Netherlands, where prescription heroin programs are underway, have found reductions in crimes committed by participants. While Britain has some 40,000 registered heroin addicts using methadone (and an estimated 327,000 "problem drug users" of cocaine or heroin), only a few hundred are currently receiving prescribed heroin as part of a pilot program. That's not enough, said Jones.

"I am not in any shape or form a legalizer, but what I am concerned with is that we have to shape up to some tough realities," he said. "We don't have enough treatment places for those who want to go on them. What we need is a cross-party consensus which considers the overwhelming public view to be tough on the roots of drugs, as well as treating its victims," he argued.

"I was a drugs officer and we have to be realistic," Jones continued. "There is a hardcore minority who are not in any way shape or form anxious to come off drugs. They think 'I am going to go out there and steal, rob, burgle and get the money to buy it'. What are we going to do -- say 'OK we are going to try and contain this by normal criminal justice methods' and fail, or are we going to look at doing something different? Start being a bit more innovative. It is about looking at things in a different way without turning away completely from the current position."

While up until the 1960s, British doctors regularly prescribed heroin to addicts, that practice ended under US pressure and because of scandals related to loose prescribing. It is time to go back to the good old days, Jones said. "There are junkies who are alive today who would have been dead now," he said. "Their lives are stable, yes, their addiction is being maintained, but far better they are being maintained than them trying to get their fix off the street from crime. Heroin is an incredible stimulator of crime and I think we are foolish if we don't acknowledge that."

Marijuana: Colorado Pot Advocate Ken Gorman Killed Saturday, Days After Local News Station Did "Exposé" On Him

Colorado marijuana activist Ken Gorman, 59, was shot and killed in his Denver home Saturday night in an apparent home invasion robbery. The killing came just days after local TV station CBS4 aired a report on him that included shots of marijuana plants growing inside his home. Gorman grew the plants legally as a registered medical marijuana patient, but in the report, Gorman was seen advising avowed non-medicinal marijuana users how to use the medical marijuana laws to be able to possess the plant with impunity. As of Thursday, no arrests had been made and police said they were still investigating.

https://stopthedrugwar.org/files/ken-gorman-icon.jpg
Ken Gorman's web icon
Gorman was one of the most well-known faces in the Colorado marijuana and medical marijuana scene. He was also a member of DRCNet. Gorman had organized several smoke-ins at the state capitol, as well as giving numerous lectures and making public appearances supporting the medical and recreational use of marijuana. He also ran for governor on a pro-marijuana platform.

According to witness accounts, three masked men entered Gorman's home with guns drawn Saturday evening. Shots were fired, police were called, and they found him lying on his living room floor with a gunshot wound to the chest. He was pronounced dead shortly after.

While Denver police refused to speculate on whether the killing was related to Gorman's legal medical marijuana grow, fellow activists had little doubt that he died in an attempted robbery. "It's pretty amazing that this guy worked his entire life trying to make marijuana legal and in the end, the fact that marijuana is illegal is what led to his death," Mason Tvert, executive director of SAFER, an organization dedicated to legalizing small amounts of recreational marijuana, told the Denver Daily News. "It's safe to say that if marijuana were legal Ken would not have been killed," Tvert said. "I think it's a violent incident highlighting what happens when marijuana is kept illegal."

Gorman himself had told CBS4 just a few weeks ago that he feared being robbed because of his openness about his marijuana operation. "I mean, I've had a gun stuck to my head, people stabbed in my house from people trying to get my marijuana," Gorman said on January 31. He added that his home had been burglarized 15 times.

Gorman will be missed. "I've been in patient meetings where patients stood, with tears in their eyes, and said, 'When no one would help me, Ken Gorman would,'" said Brian Vicente, executive director of Sensible Colorado, a nonprofit organization that advocates for drug policy reform in Colorado. "You don't hear that, that often," Vicente told the Daily News. "He was a character."

Bad Bills: Nevada Legislation Could Send Parents to Prison for 15 Years for a Single Plant

Building on a 2005 law that made it a felony offense for people to operate methamphetamine labs in homes where children are present, a Nevada legislator has introduced a bill that would subject people growing even a single marijuana plant to the same penalties. Under the bill, they could be sentenced to up to 15 years in prison.

The bill, Senate Bill 6, was introduced by state Sen. Joe Heck (R-Las Vegas), who doesn't see any difference between undertaking a complicated and risky chemical process and growing a plant. "You are exposing children to dangers when you are selling any illegal substance out of your house or growing any illegal substance out of your house, so you should be held to the higher penalties," Heck told the Senate Human Services and Education Committee.

"If a guy has a couple of (marijuana) plants in there (now), he could be out in a week," Heck said. "But if there is a child present, with this, now he could serve five to 15 years for exposing that child to the dangers of this activity. The very behavior of small children puts them at risk around these materials, including marijuana," Heck said. "As any parent knows, the first place a toddler places anything they find is in their mouth. What if this object is a marijuana plant?"

But during the Monday hearing on the bill, representatives of the American Civil Liberties Union of Nevada and the Clark County (Las Vegas) Public Defenders Office urged legislators to think twice. "The way the bill is currently drafted states that someone could be growing marijuana for their personal use and not for the purposes of distributing it, selling it or engaging in drug trafficking and they would be treated as if they were engaged in those activities," said Gary Peck, executive director of the ACLU of Nevada.

The proposed new law amounted to "shooting fleas with cannons," Peck said, adding that it could impose an even greater burden on the state's overflowing prison population. "No one who is testifying in support of the bill can actually talk about the implications in respect to the incarceration rate," Peck said.

Applying the same penalties to meth lab operators and pot plant growers is inappropriate, said public defender Jason Frierson. "The reason that statute was written the way it was is because meth labs have a tendency to explode and the chemical components, the fumes and the chemical burns -- the exposure to those were the reasons for the greater penalties," Frierson said. "As I read it, this is treating the growth of one marijuana plant similarly with the existence of a meth lab in the presence of children."

The usual suspects supported the bill, including the Nevada District Attorneys Association, the Nevada Sheriffs and Chiefs Association and the Peace Officers Research Association. "It is our belief that anytime you have drugs and children together, it is a dangerous combination, a dangerous mix," said Kristin Erickson, a Washoe County deputy district attorney speaking for the state association.

Nevada is a state where medical marijuana is legal and patients or caregivers can grow up to three or four plants, but the bill makes no mention of that.

Medical Marijuana: Supporters File Federal Lawsuit Against HHS, FDA

The medical marijuana defense group Americans for Safe Access (ASA) filed a lawsuit in federal court Wednesday against two federal agencies over their contention that marijuana "has no currently accepted medical use in treatment in the United States." The lawsuit names the Food and Drug Administration (FDA) and the Department of Health and Human Services (HHS) as defendants. ASA accused the FDA and HHS of issuing "false and misleading" statements about the medicinal uses of marijuana.

"The FDA position on medical cannabis is incorrect, dishonest and a flagrant violation of laws requiring the government to base policy on sound science," said Joe Elford, ASA chief counsel.

"The science to support medical cannabis is overwhelming, yet the government continues to play politics with the lives of patients desperately in need of pain relief," said ASA executive director Steph Sherer. "Americans for Safe Access is filing this lawsuit on medical cannabis to demand that the FDA stop holding science hostage to politics."

The filing of the lawsuit comes at the end of a two-year petition process during which the FDA and HHS refused to respond to complaints that they were playing politics with the science of medicinal marijuana. The lawsuit charges that the two agencies are violating the Data Quality Act, which requires federal agencies to rely on sound science. The act, originally crafted by industrial lobbyists as a weapon their corporate clients can use in their ongoing battles with federal regulators, also allows citizens to challenge inaccurate information or that based on faulty data.

ASA first filed a petition seeking redress from HHS in October 2004, but the agency refused to act on the petition. ASA appealed in May 2005, to no avail. Now it is taking its challenge to the federal courts.

"Citizens have a right to expect the government to use the best available information for policy decisions. This innovative case turns the Data Quality Act into a tool for the public interest," said preeminent legal scholar and case co-counsel Alan Morrison, who founded Public Citizen's Litigation Group and currently serves as a senior lecturer at Stanford Law School.

Cânhamo: Ron Paul Apresenta Projeto de Cânhamo Industrial no Congresso dos EUA

O congressista republicano do Texas, Ron Paul, apresentou um projeto que legalizaria a agricultura do cânhamo nos Estados Unidos. Esta é a segunda vez que o deputado Paul apresenta este projeto, mas ele não chegou a lugar nenhum no último Congresso. O projeto, o HR 1009, permitiria que os fabricantes domésticos que usam cânhamo o comprassem de produtores estadunidenses. Atualmente, a lei estadunidense impede a produção de cânhamo industrial e os fabricantes estadunidenses têm que importar o cânhamo deles de outros países.

https://stopthedrugwar.org/files/ronpaul.jpg
Ron Paul
Desta vez, o deputado Paul tem nove defensores, todos democratas. Eles são os deputados Tammy Baldwin (D-WI), Barney Frank (D-MA), Raul Grijalva (D-AZ), Maurice Hinchey (D-NY), Dennis Kucinich (D-OH), Jim McDermott (D-WA), George Miller (D-CA), Pete Stark (D-CA) e Lynn Woolsey (D-CA).

"É indefensável que o governo dos Estados Unidos impeça os agricultores estadunidenses de cultivarem esta planta. A proibição subsidia os agricultores em países que vão do Canadá à Romênia ao eliminar a competição estadunidense e encoraja a localização de empregos em indústrias como a de alimentos, autopeças e roupas que utilizam o cânhamo industrial no exterior em vez de estarem aqui nos Estados Unidos", disse o deputado Paul. "Ao aprovar a Lei de Agricultura do Cânhamo Industrial [Industrial Hemp Farming Act], a Câmara dos Deputados pode ajudar os agricultores estadunidenses e reduzir o déficit comercial - tudo isso sem gastar um único dólar do contribuinte".

Os fabricantes de alimentos à base de cânhamo como a French Meadow Bakery, Hempzels, Living Harvest, Nature's Path e Nutiva fazem seus produtos com o cânhamo canadense. "Segundo a política nacional de controle das drogas atual, o cânhamo industrial pode ser importado, mas não pode ser cultivado pelos agricultores estadunidenses", diz Eric Steenstra, presidente da Vote Hemp. "A DEA tomou o conceito antiquado de maconha da Lei de Substâncias Controladas [Controled Substances Act] fora de contexto e o usou como pretexto para proibir a agricultura do cânhamo industrial. A Lei de Agricultura do Cânhamo Industrial de 2007 nos trará de volta a tempos mais racionais em que o governo regulava a maconha, mas dizia aos agricultores que podiam prosseguir e continuar cultivando cânhamo como sempre tinham feito", disse Steenstra.

https://stopthedrugwar.org/files/hemp.jpg
plantas de cânhamo
A apresentação do projeto sobre o cânhamo acontece dias depois que Dakota do Norte lançou as primeiras autorizações estaduais para que os agricultores cultivem o cânhamo. Mas, os cultivadores de cânhamo de Dakota do Norte ainda devem conseguir a aprovação da DEA, algo que provavelmente não acontecerá sob a lei atual. Dakota do Norte não está sozinho. Uns 14 outros estados aprovaram medidas pró-cânhamo e sete aprovaram projetos que tiram as barreiras à sua produção ou pesquisa.

América Latina: México Toma Providências para Descriminalizar o Porte de Drogas - Para que Possa Se Concentrar nos Traficantes

Os legisladores do Partido de Ação Nacional (PAN) do presidente mexicano Felipe Calderón apresentaram um projeto de lei no Senado Mexicano que descriminalizaria o porte de pequenas quantidades de drogas para os "viciados". Um projeto de reforma das políticas de drogas ainda mais forte que incluía limites mais altos de porte pessoal de drogas e que teria sido aplicado a todos os consumidores de drogas foi aprovado tanto pelo Senado quanto pelo Congresso Mexicano, só para ser vetado pelo presidente Vicente Fox após as fortes objeções de Washington.

https://stopthedrugwar.org/files/dea-mexico-poster.jpg
cartaz da DEA em espanhol que procura a organização mexicana do narcotráfico
Segundo a versão do projeto deste ano, que foi apresentado no Senado na quarta-feira, as pessoas pegas pela primeira vez com menos de dois gramas de maconha e quantidades igualmente pequenas de outras drogas, como cocaína e metanfetamina, não seriam processadas. Mas, as pessoas pegas mais de uma vez em porte de drogas ilegais seriam processadas a menos que se qualificassem como "viciadas" provando que estavam em tratamento químico ou sob cuidados médicos. O projeto retém uma disposição que protegeria de processo os indígenas que levassem a cabo o consumo religioso de drogas.

Mas, a legislação proposta não marca uma liberalização das políticas de drogas do México. Em troca, aumenta o poder do México de prender e processar os infratores da legislação antidrogas ao permitir que os sistemas estaduais judicial e policial de tomar providências contra os infratores por drogas. Segundo a lei atual, esse poder é reservado ao governo federal. O projeto permitiria que as autoridades se concentrassem nos traficantes de drogas ao liberar recursos para perseguir os traficantes e aumenta as sentenças de prisão para os delitos de tráfico de drogas.

"Isto não é legalização", disse o senador do PAN, Alejandro González, que dirige a comissão de justiça do Senado. "Vamos ser muito mais duros com os traficantes de drogas", disse em entrevista coletiva na Cidade do México na segunda-feira.

Desde que assumiu o cargo em dezembro, o presidente Calderón declarou guerra contra as organizações violentas do tráfico de drogas do México. Ele mandou milhares de efetivos aos germinais do narcotráfico, como o estado de Michoacán e as cidades grandes assoladas pela violência e a corrupção relacionadas às drogas, como Tijuana e Acapulco.

A versão do projeto do ano passado estabelecia quantidades para o uso pessoal, fazendo com que fosse vetada por fim, disse González. "Cometeu-se um erro, infelizmente, na câmara baixa, acrescentando a isenção aos consumidores. Isso realmente traiu o espírito das reformas, aumentando as quantidades e por isso estamos prestando atenção às críticas e fazendo as mudanças", observou.

Ah, claro, o "espírito das reformas". A lei está feita para facilitar a guerra às drogas do México, não para acabar com ela.

Canadá: Prefeito de Vancouver Faz Pressão por Plano de Manutenção com Estimulantes

O prefeito de Vancouver, Sam Sullivan, que quer iniciar um plano inovador para fornecer estimulantes prescritíveis aos usuários de cocaína e de metanfetamina, lançou os resultados de uma pesquisa que ele encarregou que mostrava forte apoio à idéia entre os habitantes de Vancouver. A sondagem lançada na sexta-feira passada mostrava que 61% dos entrevistados apoiariam tal programa para lidar com o abuso químico desenfreado no Downtown Eastside da cidade.

O prefeito precisa conseguir uma isenção das leis sobre as drogas do Canadá do governo federal. Segundo o plano de Sullivan, chamado CAST (Tratamento de Substituição da Dependência Crônica), até 700 usuários crônicos de cocaína e de metanfetamina receberiam doses mantenedoras de estimulantes. O lançamento dos resultados da pesquisa visa a aumentar a pressão sobre o governo federal para aprovar o programa experimental.

A pesquisa também descobriu que uma maioria ainda maior dos habitantes de Vancouver tinha suas dúvidas quanto aos programas tradicionais de tratamento químico baseados na abstinência. De acordo com a pesquisa, 71% dos entrevistados achavam que tais programas funcionavam na verdade com menos de um quarto dos participantes.

"O público parece estar ciente de que um grande número de pessoas dependentes continuará envolvido na criminalidade e na desordem como conseqüências do longo consumo de drogas", disse Sullivan em nota à imprensa na sexta-feira passada. "Sabemos que muitos consumidores de drogas não respondem, no longo prazo, aos programas tradicionais de tratamento baseados na abstinência".

Semanal: Esta Semana na História

21 de fevereiro de 1971: Os Estados Unidos se juntam a outros países na assinatura da Convenção internacional sobre as Substâncias Psicotrópicas em Viena, Áustria.

16 de fevereiro de 1982: Durante um discurso em Miami, Flórida, George H.W. Bush promete usar aeronaves militares sofisticadas para rastrear os aviões usados pelos contrabandistas de drogas. Em junho, a vigilância aérea contava com meras 40 horas por mês, não as 360 horas prometidas por Bush, instigando o deputado Glenn English a convocar audiências sobre este tópico. Em outubro, o Gabinete Geral de Contabilidade lançou um parecer em que dizia que "é duvidoso que a força-tarefa [da baixa Flórida] possa causar qualquer impacto duradouro sobre a disponibilidade das drogas".

17 de fevereiro de 1997: A legislação para revogar uma lei estadual de 18 anos que permite que os médicos prescrevam maconha aos pacientes que padecem de câncer ou glaucoma é recusada por um comitê do senado da Virgínia em uma votação de 9 a 6.

20 de fevereiro de 1997: A CNN informa que um painel prestigioso de especialistas reunido pelos Institutos Nacionais da Saúde disse que há provas promissoras de que fumar maconha pode aliviar o sofrimento de alguns pacientes de doenças graves.

18 de fevereiro de 1999: O Dr. Frank Fisher, um terapeuta da dor da Alta Califórnia, é preso e acusado de cinco acusações de assassinato. Após cerca de seis anos de rinhas legais e de mais acusações impostas contra ele, determina-se que ele é completamente inocente.

18 de fevereiro de 2000: O presidente Clinton assina a "Lei Hillary J. Farias e Samantha Reid de Proibição das Drogas para Estupro Durante Encontros de 2000" [Hillary J. Farias and Samantha Reid Date-Rape Drug Prohibition Act of 2000], classificando o GHB como droga de Classe I.

22 de fevereiro de 2000: Devido à violência relacionada às drogas, o Departamento de Estado dos EUA lança um alerta ao viajante para Tijuana, Cidade do México e Cidade Juárez, que são rotuladas como "perigosas". O prefeito de Juárez, Gustavo Elizondo, protesta contra a Secretaria de Estado dos EUA, Madeleine Albright.

21 de fevereiro de 2001: O New York Times informa que um estudo recente lançado em uma reunião da Organização Mundial da Saúde descobriu que os adolescentes estadunidenses têm mais chances de fumar maconha e de consumir outras drogas ilícitas que os seus homólogos europeus. Embora eles tenham mais chances de fumar cigarros e de beber álcool, só 17 por cento dos estudantes europeus informaram consumir maconha, comparados com os 41 por cento dos estudantes secundários estadunidenses. O estudo é interessante já que os EUA implementam uma abordagem de tolerância zero enquanto que muitos países europeus tendem a empregar estratégias de redução de danos e, em geral, são mais tolerantes.

19 de fevereiro de 2004: Os veteranos e os ativistas pró-maconha medicinal em São Francisco realizam um protesto/comício defronte à Clínica da Repartição de Veteranos de São Francisco e pedem aos médicos que trabalham para a Repartição de Veteranos que ajudem a proporcionar um melhor acesso à maconha medicinal.

Busca na Rede

Tucker Carlson da MSNBC critica o arquiguerreiro antidrogas do Congresso, Mark Souder, pelo aumento no financiamento de uma "campanha antidrogas televisiva que os estudos sugerem que, na verdade, aumenta o consumo de drogas entre os adolescentes".

Em uma perda para o movimento, o ativista da LEAP e ex-diretor antidrogas da Scotland Yard, Eddie Ellison, perdeu a sua batalha contra o câncer e faleceu nesta semana. Leia o tributo feito pela Transform do Reino Unido aqui e vá ao blog da Transform para republicações dos escritos e discursos de Ellison. Visite a página de Ellison aqui.

Os Presos por Maconha Custam $1 Bilhão por Ano aos Estadunidenses, Paul Armentano da NORML na Alternet.

Notícias e pesquisa da tevê sobre o orador da LEAP, Peter Christ, na Flórida.

Errata

O artigo da semana passada sobre a nova lei do Arkansas que relacionada a gravidez ao consumo de drogas implica que a lei agora é parte do código penal do estado. Embora a lei certamente tenha um efeito altamente punitivo, na verdade ela é parte do código civil do estado.

Na semana passada, um dos nossos dois artigos sobre o apoio e os desdobramentos legais em Atlanta após a tragédia de Kathryn Johnston informou que a Sra. Johnston tinha 88, enquanto que o outro dizia que ela tinha 92. Ambos os números apareceram várias vezes na grande mídia, mas pretendíamos informar que ela tinha 92 nos dois artigos.

Anúncio: Agora os Feeds de Agregação de Conteúdo da DRCNet Estão Disponíveis para a SUA Página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página é dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, note também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Entre em contato conosco se quiser assistência ou informe-nos sobre o que está relacionando e aonde. E obrigado de antemão pelo seu apoio.

Anúncio: Os Feeds RSS da DRCNet Estão Disponíveis

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Anúncio: Novo Formato para o Calendário do Reformador

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Ansiamos por informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estiverem disponíveis.

Web Scan

Virtual Medical Marijuana March on Ottawa, new web site by activist Phillipe Lucas.

Albany blog post on upcoming Kunstler Fund TV ad campaign against the Rockefeller Drug Laws.

Ethan Nadelmann urges Canada Must Not Follow the US on Drug Policy... and video from the Ottawa press conference: part 1, part 2, part 3, part 4, part 5, part 6, part 7.

Drug Truth Network Update:
One-hour special report on the impact of the drug war on the African-American community, two MP3 files here and here.
Cultural Baggage for 02/16/07: -- Bruce Mirken of Marijuana Policy Project + Dr. Rick Doblin of Multidisciplinary Association for Psychedelic Studies & Terry Nelson of LEAP, Poppygate, Drug War Facts & CBS4 Denver: "New Marijuana Law Forces Judge to Quit" (MP3)
Century of Lies for 02/16/07: Methamphetamine Conf. IV: Reporter Doug McVay, Dr. Neal Flynn, Phil Smith, Donald Davis, William McCall & Michael Seaver (MP3)

Economist Steven Levitt on Why Selling Drugs in a Gang is the Worst Job in America, glumbert.com.

Pew Charitable Trust Public Safety Performance Project report, "Public Safety, Public Spending: Forecasting America's Prison Population 2007-2011".

California prison guards union sues state to stop out-of-state prisoner transfers, NPR

Maconha Medicinal: Juíza da DEA Decide Deixar que Professor Cultive Maconha para Fins de Pesquisa

Na segunda-feira, uma juíza de direito administrativo da Administração de Repressão às Drogas (DEA) decidiu que um professor na Universidade de Massachusetts em Amherst deveria poder cultivar maconha para fins de pesquisa. A decisão não é compulsória e recai por fim nas mãos da diretora da DEA, Karen Tandy, mas a decisão da juíza Mary Ellen Bittner prepara o caminho para que o professor Lyle Craker, um horticultor que se especializa em plantas medicinais, vire possivelmente o segundo cultivador autorizado de maconha para fins de pesquisa nos Estados Unidos.

https://stopthedrugwar.org/files/lylecraker.jpg
Lyle Craker (cortesia da aclu.org/drugpolicy/)
Atualmente, só um programa antigo apovado pelo governo na Universidade do Mississippi pode cultivar maconha legalmente para fins de pesquisa. Mas, Craker e outros mantiveram que a maconha da horta de Mississippi não está nem prontamente disponível nem é da qualidade e força suficientes para ser útil para os pesquisadores.

Craker solicitou a autorização da DEA para cultivar maconha para fins de pesquisa pela primeira vez em 2001 e conseguiu o apoio dos senadores do seu estado natal, Edward Kennedy e John Kerry, ao projeto. Mas, durante anos, a DEA se recusou a tomar providências sobre a solicitação e, em 2004, Craker e a Multidisciplinary Association for Psychedelic Studies (MAPS) processaram a agência, acusando-a de atrasos excessivos no trato de sua solicitação.

Após audiências no ano passado, a agência respondeu negando a solicitação dele, dizendo que não havia escassez de maconha para fins de pesquisa e que Craker e os seus defensores privados podiam ficar à vontade para enviarem pedidos para competirem pelo contrato de cultivo de maconha. Mas, Craker e a MAPS discordaram veementemente e procuraram uma decisão de um juiz de direito administrativo da DEA.

Em sua decisão da segunda-feira, a juíza Bittner determinou que o pedido de Craker para cultivar maconha "seria de interesse público". O parecer dela observou que: "Haveria risco mínimo de desvio de maconha. Atualmente, há uma oferta inadequada de macona disponível para fins de pesquisa... [e] a competição no fornecimento de maconha para tais fins é inadequada".

Embora a decisão não fosse definitiva - a DEA tem 20 dias para responder e pode ignorar as decisões da juíza -, o professor Craker e a MAPS aclamaram a decisão com otimismo contido. "Esta decisão é uma vitória para a ciência, a medicina e o bem público", disse Craker em uma nota à imprensa da MAPS.

"Durante décadas, os políticos têm dito que a maconha não tem valor medicinal provado enquanto os cientistas não tiveram autorização para provar o contrário", disse o doutor Rick Doblin, presidente e fundador da MAPS.

O Projeto de Reforma da Lei Sobre as Drogas da American Civil Liberties Union, que ajudou a discutir o caso, também se pronunciou satisfeito com a decisão. "Durante tempo demais, a DEA inseriu a política inadequadamente em um processo regulamentar que deveria ser deixado para a DEA e a ciência médica", disse Allen Hopper, um advogado do projeto, em nota à imprensa. "Estamos satisfeitos que a juíza tenha recomendado um fim ao bloqueio do governo da pesquisa da maconha medicinal".

A DEA se recusou a fazer comentários sobre a decisão até o momento, mas, como observado acima, ela não é compulsória. O otimismo com a decisão é moderado pela lembrança da decisão de 1988 do juiz de direito administrativo da DEA, Francis Young, que dizia que a maconha está entre as substâncias terapêuticas mais benignas conhecidas pelo homem. Essa decisão aconteceu em uma tentativa de reclassificar a maconha como medicamento prescritível, mas foi ignorada pela agência.

"Espero que a administradora Tandy observe a decisão e me conceda a oportunidade de fazer o meu trabalho sem ser impedido pela política da guerra às drogas", disse Craker.

Há forte apoio à tentativa de Craker e da MAPS de cultivar a sua própria maconha para realizar pesquisar aprovadas pela DEA e a FDA sobre os usos medicinais da maconha. Antes desta decisão, as organizações que já tinham escrito à DEA a favor da solicitação do professor Craker incluíam a Fundação de Esclerose Múltipla, a Fundação Linfoma dos Estados Unidos, a Associação Nacional de Política de Saúde Pública, a Igreja Metodista Unida, a Americans for Tax Reform, a Associação dos Estudantes de Medicina dos Estados Unidos, várias associações estaduais de enfermeiras, a Secretaria de Saúde Pública do Massachusetts, os senadores Kerry e Kennedy do Massachusetts, 38 integrantes da Câmara dos Deputados Federais e as Associações Estaduais de Medicina da Califórnia e do Texas, as duas maiores associações estaduais de medicina dos Estados Unidos.

Agora, é hora de continuar fazendo pressão.

Maconha Medicinal: Estudo Descobre que Ela Pode Ajudar a Aliviar a Dor

Um estudo dos pesquisadores na Universidade da Califórnia-São Francisco liderado pelo Dr. Donald Abrams descobriu que a maconha proporciona alívio considerável às pessoas que padecem de dor neuropática. O estudo foi o primeiro do seu tipo nos Estados Unidos em quase 20 anos e fornece nova munição aos defensores da maconha medicinal enquanto buscam providências do Congresso sobre a questão.

Até quatro milhões de habitantes dos EUA sofrem de dor neuropática, inclusive muitos pacientes de HIV/AIDS. De acordo com a Associação Nacional de Pessoas com AIDS (NAPWA), até 37% dos pacientes de HIV/AIDS já consomem maconha para tratarem a dor neuropática e demais sintomas da doença.

"Este estudo valida a experiência que as pessoas que convivem com o HIV/AIDS e seus médicos informaram por anos - a cannabis medicinal proporciona o alívio tão necessário da dor e do sofrimento", disse o diretor-executivo da NAPWA, Frank Oldham Jr. "Por isso estamos nos unindo ao Americans for Safe Access para pedir ao Congresso que trate a cannabis medicinal pelo seu valor medicinal".

O estudo, conduzido entre 2003 e 2005 em um hospital de São Francisco, examinou 50 pacientes de HIV/AIDS que sofriam de dor nos pés, ou neuropatia periférica. Metade dos examinados recebeu maconha, enquanto que a outra metade recebe placebos. Mais da metade dos examinados que usaram maconha informaram sentir reduções na dor.

"Estive convivendo com o HIV/AIDS durante 21 anos e devo a minha vida aos benefícios da cannabis medicinal", disse a participante do estudo da UCSF, Diana Dodson. "Ela reduz a dor e os efeitos colaterais como a náusea e as dores do estômago que são causadas pelas drogas que ingiro a fim de continuar viva. Mas, preciso que o governo me conceda acesso seguro ao meu medicamento".

"Este estudo demonstra a eficiência em potencial da cannabis medicinal para tratar a dor crônica de pessoas que convivem com o HIV/AIDS", disse a Dr.ª Barbara T. Roberts, diretora de assuntos medicinais e científicos do Americans for Safe Access e ex-analista sênior de políticas no Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas da Casa Branca. "Além das pessoas que vivem com HIV/AIDS, há milhares de veteranos que voltam do Iraque que passarão décadas tendo que lidar com a dor neurológica. Ao implementar as recomendações do relatório do IOM, o governo federal estaria explorando mais opções para o seu tratamento de longo prazo da dor neuropática".

Os grupos estão pedindo ao Congresso que realize audiências sobre o relatório do IOM para adotar as suas recomendações a fim de permitir a pacientes e investigadores o acesso à cannabis medicinal. "Chegou a hora de Washington parar de brincar de política com as vidas dos pacientes e propor esta importante descoberta científica", disse Steph Sherer, diretora-executiva do Americans for Safe Access. "O estudo é um despertar para que o Congresso realize audiências para investigar o uso terapêutico e encorajar a pesquisa".

Maconha: Juiz do Colorado Pede Demissão para Protestar Contra o Novo Decreto-Lei Severo da Cidade

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: Fomos informados que a câmara dos vereadores retirou o decreto-lei - vitória, pelo menos por enquanto; eles vão revisar a questão em uma reunião no dia 03 de abril. Confira o Bar Clandestino para maiores informações dentro de pouco tempo.

Um juiz assessor de um juizado municipal na cidade de Lafayette no Colorado pediu demissão do seu cargo em protesto contra as novas penas severas da cidade para o porte de maconha. Leonard Frieling, que também é advogado de defesa em Boulder, trabalhara no cargo durante os últimos oito anos.

https://stopthedrugwar.org/files/leonardfrieling.jpg
Leonard Frieling
Frieling disse que não podia continuar sendo juiz do juizado municipal porque não estava disposto a impor um novo decreto-lei que estipulava uma multa para o porte de pequenas quantidades de maconha de $100 a $1.000 e um ano de cadeia. Segundo a lei estadual do Colorado, o porte de quantidade inferior a trinta gramas de maconha foi descriminalizado e os que forem pegos com maconha enfrentam só uma multa de $100.

A medida ainda não é um assunto encerrado. A Câmara dos Vereadores de Lafayette deu a aprovação preliminar ao decreto-lei na semana passada, mas a votação final está marcada só para a semana que vem.

Frieling pediu demissão mesmo assim, dizendo que já que não queria impor a lei, ele é ética e moralmente incapaz de continuar no tribunal. Frieling também disse que não acha que a maconha deva ser ilegal, senão tratada como o álcool, embora pudesse aceitar a multa atual de $100.

A ação atraiu atenção considerável da mídia à votação da câmara, inclusive os maiores jornais e emissoras de televisão do estado na cobertura. Nem toda a cobertura foi precisa - Frieling teve que lançar uma nota à imprensa na quarta-feira para desbancar as afirmações de que ele não era mais juiz no momento em que anunciou a sua demissão.

(Frieling se inscreveu como o mais recente blogueiro convidado da DRCNet. Clique aqui para ler a nota à imprensa da quarta-feira de Frieling e aqui para mais comentários de Frieling.)

O anti-Dobbs: Vencendo a guerra interna através da legalização das drogas

[Como parte de uma série de programas sobre a questão das drogas do programa da CNN Lou Dobbs Tonight, nesta semana o comunicador populista Lou Dobbs escreveu um editorial chamado "The War Within, Killing Ourselves" [A Guerra Interna, Matando-nos] - um artigo que ele conclui exigindo que o país se comprometa com a "vitória" na guerra às drogas. Mas, os observadores informados das políticas de drogas entendem que esta é uma fantasia utópica irrealizável baseada em premissas defeituosas. David Borden, o diretor executivo da StoptheDrugWar.org, escreveu uma resposta ao artigo de Dobbs que está modelado de acordo com ele, parágrafo por parágrafo, mas que conta a real.)]

WASHINGTON (Crônica da Guerra Contra as Drogas) -- Estamos travando uma guerra que está infligindo ainda mais baixas do que as guerras no Iraque e no Afeganistão e que em todo esse tempo tem custado a mesma coisa. Estamos perdendo a Guerra Contra as Drogas. Na verdade, tudo esteve errado desde o começo.

https://stopthedrugwar.org/files/dobbs-editorial.jpg
Lou Dobbs sobre a guerra às drogas - ele não a entende mesmo
Que não possamos vencer a guerra às drogas é uma verdade que não se ouvirá de John Walters, o diretor do Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas da Casa Branca, que passou a semana passada alardeando as políticas antidrogas do governo Bush. Ele afirma que estas políticas ocasionaram uma queda no abuso químico e melhorias na nossa saúde física e mental.

Embora Walters se concentrasse em uma queda marginal no consumo casual de drogas, ele não fez menção da alta espantosa nas overdoses de drogas. De acordo com o apresentador da CNN, Lou Dobbs, "os Centros de Controle e Prevenção de Doenças informaram nesta semana que as overdoses involuntárias de drogas quase dobraram durante o transcurso de cinco anos, subindo de 11.155 em 1999 para 19.838 em 2004. As overdoses fatais em adolescentes e adultos jovens dispararam 113 por cento". No ano passado, centenas de usuários de heroína morreram quando um lote de heroína misturada com o poderoso opiáceo sintético fentanil chegou a várias cidades grandes.

Se as drogas fossem legais, os usuários teriam menos chances de terem overdoses porque, ao invés de comprarem as drogas na rua, onde a pureza pode flutuar selvagemente e o lote que se obtém pode estar adulterado, eles as conseguiriam de distribuidores e fabricantes autorizados e regulados e saberíamos o que estivessem recebendo. Não é surpreendendo que pessoas como Walters e Dobbs não gostem de idéias assim. Mas, afora acabar com a proibição, vidas podem ser salvas mesmo agora ao oferecer amplamente o antídoto contra a overdose, a naloxona. Tragicamente, o secretário antidrogas Walters se opôs até a isso.

É lógico, John Walters e Lou Dobbs não estão encarando a realidade. Simplesmente não há desculpa para causar a destruição de tantas vidas jovens através destas leis contraproducentes da proibição.

Como alguém pode racionalizar o fato de que os Estados Unidos, com apenas 4 por cento da população mundial, tenham 20 por cento dos prisioneiros do mundo? Mais de meio milhão de nossos presos estão na prisão por delitos não-violentos de drogas.

A proibição das drogas foi promulgada há 93 anos, muito antes que o ex-presidente Richard Nixon chamasse as drogas de "o inimigo público número um" e fizesse pressão pela Lei de Substâncias Controladas de 1970 [Controlled Substances Act of 1970]. Desde então, por um século o governo tem travado uma guerra de agressão contra o seu próprio povo, mas uma guerra fútil. Apesar de as estratégias de repressão do lado da oferta procurarem desencorajar o consumo tornando as drogas menos disponíveis e, portanto, mais caras, as medidas de disponibilidade das drogas tomaram a direção errada: A heroína, por exemplo, vendida a $329 o grama em 1981, mas a $60 o grama em 2003. Os preços da cocaína caíram similarmente.

Como Dobbs apontou, "mais de dois milhões de presos nas prisões do nosso país cumprem os critérios clínicos para a dependência química ou o alcoolismo, mas menos de um quinto destes infratores recebe qualquer tipo de tratamento" embora "os estudos mostrem que o tratamento bem-sucedido corta o abuso químico pela metade, reduz a atividade criminosa em até 80 por cento". Que pena que usemos os leitos valiosos do tratamento com pessoas que não estão viciadas de verdade, mas que são "encaminhadas" a programas de tratamento pelo sistema de justiça penal de qualquer jeito, muitos deles sendo meros usuários casuais de maconha.

Em meio à guerra global contra o terror junto com as guerras no Iraque e no Afeganistão, o tráfico de narcóticos ilícitos possibilitado pela proibição global das drogas está ajudando os nossos inimigos através dos lucros fáceis e não-regulados que ela lhes proporciona. Devemos revogar estas leis antidrogas abusivas e autodestrutivas, enquanto damos alternativas positivas aos jovens, tratamento bem-sucedido aos estadunidenses que lutam para vencer as dependências e programas de redução de danos como a troca de seringas àqueles que não ainda estiverem prontos para pararem de usar drogas.

Qualquer que for o curso que sigamos em prosseguirmos outras guerras, devemos nos comprometer como membros desta grande sociedade com a única opção na Guerra Contra as Drogas - a vitória mediante a legalização.

Apesar de Lou Dobbs chamar de "ridícula" a legalização, as opiniões expressadas neste comentário são compartilhadas por muitas das pessoas mais atentas e respeitadas no mundo, inclusive juízes, procuradores-gerais e chefes de estado.

Matéria: No Peru, os Cocaleiros Lutam para Sobreviver

No lado oriental dos Andes, onde das suas alturas, as montanhas caem milhares de metros na selva da bacia do Amazonas, várias centenas de milhares de camponeses peruanos se sustentam - mas não muito - cultivando a coca. Embora os agricultores e os mascadores de coca a quem eles fornecem considerem a planta sagrada e parte integral da cultura dos Andes, também é com ela que se faz a cocaína.

https://stopthedrugwar.org/files/phil-with-abdon-huaman.jpg
o editor da Crônica, Phil Smith, com o líder do VRAE, Abdón Flores Huamán
Isto transforma os cocaleiros do Peru em alvos do governo dos EUA< que procura erradicar o máximo de coca possível. Também os converte em alvos do governo peruano, o qual, quando se trata das políticas de drogas, tem-se mostrado disposto demais a seguir o exemplo dos gringos. Embora ambos os governos e um montão de organizações não-governamentais também estejam procurando proporcionar oportunidades para o desenvolvimento alternativo aos cocaleiros, esses programas não funcionaram e são abundantes em corrupção, dizem as lideranças cocaleiras.

"Nós, cocaleiros, somos as pessoas que vivem na extrema pobreza e temos que cultivar a folha sagrada para sobreviver", disse Nelson Palomino, diretor do maior sindicato cocaleiro do país, a Confederação de Produtores Agropecuários das Bacias Cocaleiras do Peru (CONPACCP). "Nós somos peruanos honestos e trabalhadores e não temos culpa nenhuma por cultivarmos a coca para sobreviver", disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas durante uma reunião em Lima, mascando folhas de coca enquanto falava. "O que vamos fazer? O desenvolvimento alternativo fracassou. O dinheiro estrangeiro que deve vir aos vales fica nos bolsos dos funcionários em Lima", reclamou Palomino. "Esperamos que o mundo compreenda que temos boas intenções".

"As ONGs e o governo são vampiros", disse Abdón Flores Huamán, secretário da organização de defesa dos cocaleiros, a Federação dos Produtores Agropecuários do VRAE, enquanto era entrevistado no escritório da CONPACCP em Kimbiri às margens do rio Apurímac cheio pela chuva. "Eles usam os nossos nomes para conseguirem apoio aos seus chamados projetos de desenvolvimento alternativo, mas, na verdade, só 10% a 15% desses recursos chegam a nós", afirmou. "O que queremos é livrar-nos destes intermediários que nos acossam e dar apoio direto às nossas autoridades municipais e regionais e diretamente aos camponeses também. Os nossos sindicatos podem participar disto".

https://stopthedrugwar.org/files/60US.jpg
secando as folhas de coca para o mercado -- uns $60US
Nesta semana, uma visita da Crônica da Guerra Contra as Drogas aos campos de coca dos vales dos rios Apurímac e Ene (VRAE) pareceu respaldar o ponto de vista de Palomino de que os cocaleiros não estão ficando ricos, mas meramente sobrevivendo com a colheita da folha. Ali, depois de 200 quilômetros por uma estrada de terra pela cimeira dos Andes de Ayacucho, a cidade grande mais próxima vinculada ao sistema rodoviário nacional, as aldeiazinhas camponesas em que os habitantes moram no que são, em essência, choças sem luz nem água corrente dependem da folha de coca para obterem a escassa renda que conseguem gerar.

"Onde estão os nossos narcopalácios?" perguntou Huamán desdenhosamente. "Você vê algum narcopalácio aqui? Temos sorte se ganharmos $2.000 por ano com quatro plantações de coca. Isso mal é o suficiente para alimentar e vestir os nossos filhos".

"Mal dá para sobrevivermos", disse o cocaleiro Percy Oré, enquanto estava em um campinho cuidando das plantas de coca dele na municipalidade de Pichari na margem leste do Apurímac na província de Cusco. "Olhe esta terra", disse, apontando para o terreno áspero e acidental em que a sua família e ele trabalhavam. "O que mais podemos plantar aqui? O café não dá bem aqui e se tentarmos plantar frutas como nos dizem os servidores sociais, não temos como levá-las ao mercado".

É verdade. Até para ir desta aldeia à cidade mais próxima é preciso uma caminhada de vários quilômetros por uma estrada de terra que só os mais resistentes dos veículos de quatro rodas podem passar durante uma temporada de chuvas. Mas, cocaleiros como Oré não têm veículos de quatro rodas; provavelmente levam as suas folhas de coca ao mercado local em burros ou nos seus próprios ombros. Era possível ver vários camponeses caminhando pela estrada em Pichari que levavam sacos de folhas de coca aos mercados locais.

Só no VRAE, disse Huamán, há uns 40.000 cocaleiros. Embora cerca de 11.000 deles estivessem inscritos junto à ENACO, o monopólio da coca detido pelo governo peruano que se encarrega de todas as compras e vendas legais, os 30.000 restantes não estão. Os líderes cocaleiros insistem consistentemente que os seus cultivos não terminam virando cocaína, mas os cocaleiros reconhecem extra-oficialmente que as folhas que não são compradas pela ENACO são destinadas ao mercado negro.

A situação não cai bem com os cocaleiros. "Queremos ser legais", disse Pastor Romero Castillo, subsecretário da federação do VRAE. "Recusamos o narcotráfico".

Para os líderes, o crucial é separar a coca, "a folha sagrada", da cocaína, a droga que aflige os gringos assim como alguns de seus compatriotas das cidades. "A coca é a nossa cultura; a coca é o Peru", disse Palomino com ferocidade. "Falar da coca é falar da saúde. A coca precisa servir para medicamentos, alimentos e outros usos. Por que o resto do mundo não aceita isso? A planta da coca contém muitos alcalóides. Embora alguns sejam ruins, outros são bons e estamos preocupados que o seu país não reconheça o lado bom da coca. Precisamos que a imprensa estadunidense e o Congresso estadunidense fiquem sabendo desta informação".

O que os cocaleiros precisam é de desenvolvimento alternativo de verdade, uma política agrícola que trate de suas carências e de um aumento nos mercados legais para o seu produto. Alguns empresários peruanos estão trabalhando muito para isso.

"Apesar de existir o abuso, a folha de coca é natural", disse Manuel Seminario Bisso, o empresário por trás da Mana Integral, uma empresa limenha que fabrica produtos de coca assim como produtos à base de outras plantas peruanas nativas, inclusive a maca, o tremoço, o amaranto, a quinoa e a kaniwa. "Queremos revalorizar a folha de coca e estamos investigando vários produtos. Já fazemos produtos como a farinha e o chá de coca e outros produtos alimentícios de coca. Usamo-la nos tamales, fazemos limonada com coca [Nota do Editor: Muito gostosa e refrescante]; é um dos melhores alimentos que podemos usar".

"Foram 45 anos de agressão contra a coca desde a Convenção Única da ONU em 1961", disse Seminario. "Vimos os resultados desta política burra, burra de erradicação. Não queremos a erradicação; queremos desenvolver usos alternativos, mercados alternativos. Segurando um pacote de farinha de coca ("Energize-se! Coma coca! [farinha de coca] Sem cafeína nem taurina: Coca pura... a nossa planta sagrada") que não pareceria fora de lugar no balcão da sua loja de conveniência local, Seminario discutia que se o mercado de coca como artigo alimentício pudesse se expandir, não haveria necessidade nenhuma de erradicar os cultivos. "É muito simples resolver este problema", disse. "Se todos no Peru comessem 12 gramas desta folha todos os dias, usaríamos todo o cultivo. Gostamos de dizer que 'uma folha de coca comida é uma folha de coca a menos para o narcotráfico'".

Mas Seminario lamentou a variedade de problemas que a indústria alimentícia da coca em expansão enfrentaria. "É difícil vender os produtos da coca e há muito preconceito contra eles porque a demonizam. Eles dizem que a coca é uma droga e o meu trabalho é convencer as pessoas de que ela tem benefícios. Devemos revalorizar a planta".

https://stopthedrugwar.org/files/coca-statues.jpg
estátuas das folhas de coca, Parque Municipal, Pichari
Os produtores de coca também enfrentam os preços mais altos da ENACO, o monopólio estadual peruano da coca através do qual toda a coca legal deve ser comprada e vendida. "A ENACO aumentou muitíssimo os preços sem nenhum bom motivo. É uma tentativa de acabar com as altas da produção. A ENACO estabelece os preços e esse é o problema de termos um monopólio assim. Precisamos de um mercado livre. O governo fala sobre o mercado livre e a globalização, mas querem controlar o mercado", reclamou Seminario.

E o problema não é só o governo peruano, de acordo com Seminario. "O governo dos Estados Unidos tem que parar de nos importunar. Queremos vender estes produtos e eles são permitidos no Peru", disse. "Não precisamos vendê-los para o resto do mundo. Não é a coca que mata ou produz a corrupção, então, por favor, deixem-nos em paz e respeitem a nossa soberania nutricional. Os EUA têm que parar de difamar o nosso produto e de tentar nos solapar".

[Nota do Editor: O primeiro artigo baseado na visita da Crônica da Guerra Contra as Drogas à terra andina da coca é só um primeiro olhar de uma série de assuntos complexos relacionados à coca, à cocaína e ao narcotráfico. Procure mais artigos investigativos sobre a política do movimento cocaleiro no Peru e também matérias da Bolívia nas próximas semanas.]

Anuncio: Nuevo Formato para el Calendario del Reformador

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Con el lanzamiento de nuestra nueva página web, El Calendario del Reformador ya no aparecerá como parte del boletín Crónica de la Guerra Contra las Drogas, pero será mantenido como sección de nuestra nueva página web:

El Calendario del Reformador publica eventos grandes y pequeños de interés para los reformadores de las políticas de drogas alrededor del mundo. Ya sea una gran conferencia internacional, una manifestación que reúna a personas de toda la región o un foro en la universidad local, queremos saber para que podamos informar a los demás también.

Pero necesitamos su ayuda para mantener el calendario actualizado, entonces por favor contáctenos y no suponga que ya estamos informados sobre el evento o que vamos a saberlo por otra persona, porque eso no siempre sucede.

Deseamos informarle sobre nuevos reportajes de nuestra nueva página web apenas estén disponibles.

Anuncio: Los Feeds RSS de DRCNet Están Disponibles

Los feeds RSS son una onda del futuro – ¡y la DRCNet los ofrece ahora! La última edición de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas está disponible usando RSS en http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Tenemos muchos otros feeds RSS disponibles también, sobre cerca de cien subtópicos distintos de las políticas de drogas que empezamos a rastrear desde el relanzamiento de nuestra página web este verano – relacionando no solamente los artículos de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas, sino también las publicaciones en el Bar Cladestino, los listados de eventos, los enlaces a noticias externas y más – y para nuestras publicaciones diarias en los blogs y en sus distintas subdirecciones. Visite nuestro Mapa del Sitio para leer la serie completa.

¡Gracias por sintonizarse en la DRCNet y en la reforma de las políticas de drogas!

Anuncio: ¡Ahora los Feeds de Agregación de Contenido de la DRCNet Están Disponibles para SU Página Web!

¿Usted es un aficionado a la DRCNet y tiene una página web que le gustaría usar para difundir el mensaje con más fuerza que un único enlace a nuestra página puede lograr? Tenemos la satisfacción de anunciar que los feeds de agregación de contenido de DRCNet están disponibles. Tanto si el interés de sus lectores está en el reportaje investigativo como en la Crónica de la Guerra Contra las Drogas, el comentario corriente en nuestros blogs, la información sobre subtópicos específicos de la guerra a las drogas, ahora podemos darles códigos personalizables para que usted los ponga en los lugares adecuados en su blog o página web y actualicen automáticamente los enlaces al contenido de concienciación de DRCNet.

Por ejemplo, si usted es un gran aficionado a la Crónica de la Guerra Contra las Drogas y cree que sus lectores sacarían beneficios de ella, puede tener los titulares de la última edición, o una porción de ellos, apareciendo y actualizándose automáticamente cuando salga cada nueva edición.

Si su página web es dedicada a las políticas de marihuana, puede publicar nuestro archivo temático, con enlaces a todos los artículos que publicamos en nuestra página acerca de la marihuana – los artículos de la Crónica, las publicaciones en los blogs, el listado de eventos, enlaces a noticias externas y más. Lo mismo vale para la reducción de daños, la confiscación de bienes, la violencia del narcotráfico, los programas de trueque de jeringas, Canadá, las iniciativas electorales, casi cien tópicos distintos que rastreamos corrientemente. (Visite la portada de la Crónica, en la columna derecha, para ver la lista actual completa.)

Si a usted le gusta especialmente nuestra nueva sección del Bar Clandestino, hay contenido nuevo todos los días tratando de todas las cuestiones y usted puede poner enlaces a esas publicaciones o a subsecciones del Bar Clandestino.

Haga clic aquí para ver una muestra de lo que está disponible - por favor, fíjese que la extensión, la apariencia y demás detalles de cómo ello aparecerá en su página pueden ser personalizados para adecuarse a sus necesidades y preferencias.

Por favor, fíjese también que estaremos contentos en hacerle más permutas de nuestro contenido disponible bajo pedido (pese a que no podamos prometer cumplimiento inmediato de dichas solicitaciones ya que, en muchos casos, la oportunidad dependerá de la disponibilidad de nuestro diseñador web). Visite nuestro Mapa del Sitio para ver lo que está disponible actualmente – cualquier feed RSS disponible allí también está disponible como feed de javascript para su página web (junto con el feed de la Crónica que no aparece todavía pero que usted puede encontrar en la página de feeds relacionada arriba). Experimente nuestro generador automático de feeds aquí.

Contáctenos si quiere asistencia o infórmenos sobre lo que está relacionando y adónde. Y gracias de antemano por su apoyo.

Errata

El artículo de la semana pasada sobre la nueva ley de Arkansas que relaciona la gravidez con el consumo de drogas implica que la ley ahora es parte del código penal del estado. Aunque la ley seguramente tenga un efecto altamente punitivo, a decir verdad ella es parte del código civil del estado.

La semana pasada, uno de nuestros dos artículos sobre el apoyo y los desdoblamientos legales en Atlanta tras la tragedia de Kathryn Johnston informó que la Sra. Johnston tenía 88, mientras que el otro decía que ella tenía 92. Ambos números han aparecido varias veces en los grandes medios, pero pretendíamos informar que ella tenía 92 años en los dos artículos.

Búsqueda en la Red

Tucker Carlson de la MSNBC critica al archiguerrero antidroga del Congreso, Mark Souder, por el aumento en la financiación de una “campaña antidroga televisiva que los estudios sugieren que aumenta en verdad el consumo de drogas entre los adolescentes”.

En una pérdida para el movimiento, el activista de la LEAP y ex director antidroga de la Scotland Yard, Eddie Ellison, perdió su batalla contra el cáncer y falleció esta semana. Lea el tributo hecho por la Transform del Reino Unido aquí y vaya a la bitácora de Transform para republicaciones de los escritos y discursos de Ellison. Visite la página web de Ellison aquí.

Los Presos por Marihuana Cuestan $1 Billón por Año a los Estadounidenses, Paul Armentano de la NORML en Alternet.

Noticias y encuestas de la tele sobre el orador de la LEAP, Peter Christ, en Florida.

Semanal: Esta Semana en la Historia

21 de febrero de 1971: Los Estados Unidos se juntan a otros países en la firma de la Convención internacional sobre las Sustancias Psicotrópicas en Viena, Austria.

16 de febrero de 1982: Durante un discurso en Miami, Florida, George H.W. Bush promete usar aeronaves militares sofisticadas para rastrear los aviones usados por los contrabandistas de drogas. En junio, la vigilancia aérea contaba con meras 40 horas por mes, no las 360 horas prometidas por Bush, instigando al diputado Glenn English a convocar audiencias sobre este tópico. En octubre, el Gabinete General de Contabilidad emitió un fallo en que decía que “es dudoso que el destacamento [de baja Florida] pueda causar cualquier impacto duradero sobre la disponibilidad de las drogas”.

17 de febrero de 1997: La legislación para revocar una ley estadual de 18 años que permite que los médicos prescriban marihuana a los pacientes que padecen de cáncer o glaucoma es rechazada por un comité del senado de Virginia en una votación de 9 a 6.

20 de febrero de 1997: La CNN informa que un panel prestigioso de expertos reunido por los Institutos Nacionales de la Salud dijo que hay pruebas prometedoras de que fumar marihuana puede aliviar el sufrimiento de algunos pacientes de enfermedades graves.

18 de febrero de 1999: El Dr. Frank Fisher, un terapeuta del dolor de Alta California, es arrestado y acusado de cinco cargos de asesinato. Tras cerca de seis años de riñas legales y de más acusaciones impuestas contra él, se determina que él es completamente inocente.

18 de febrero de 2000: El presidente Clinton firma la “Ley Hillary J. Farias y Samantha Reid de Prohibición de las Drogas para Violación Durante Citas de 2000” [Hillary J. Farias and Samantha Reid Date-Rape Drug Prohibition Act of 2000], clasificando el GHB como droga de Clase I.

22 de febrero de 2000: Debido a la violencia relacionada con las drogas, el Departamento de Estado de los EE.UU. emite un alerta al viajero para Tijuana, México, D.F. y Ciudad Juárez, que son rotuladas como “peligrosas”. El alcalde de Juárez, Gustavo Elizondo, protesta contra la Secretaria de Estado de los EE.UU., Madeleine Albright.

21 de febrero de 2001: El New York Times informa que un estudio reciente lanzado en una reunión de la Organización Mundial de la Salud descubrió que los adolescentes estadounidenses tienen más probabilidades de fumar marihuana y de consumir otras drogas ilícitas que sus homólogos europeos. Aunque ellos tengan más chances de fumar cigarrillos y de tomar alcohol, sólo 17 por ciento de los escolares europeos informaron consumir marihuana, comparados con los 41 por ciento de los estudiantes secundarios estadounidenses. El estudio es interesante ya que los EE.UU. implementan un abordaje de tolerancia cero mientras que muchos países europeos tienden a emplear estrategias de reducción de daños y, en general, son más tolerantes.

19 de febrero de 2004: Los veteranos y los activistas pro marihuana medicinal en San Francisco realizan una protesta/mitin frente a la Clínica de la Repartición de Veteranos de San Francisco y piden a los médicos que trabajan para la Repartición de Veteranos que ayuden a proporcionar un mejor acceso a la marihuana medicinal.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, Vaping, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Pill Testing, Safer Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psilocybin / Magic Mushrooms, Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School