Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Editorial: La guerra a las drogas tiene muchas constantes, pero no es una

David Borden, director ejecutivo

https://stopthedrugwar.org/files/borden12.jpg
David Borden
Esta semana, Phil nos dio un anticipo de lo que él cree que serán los artículos más destacados de 2008 de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas. Como también señaló, algunas cuestiones son constantes.

Una cuestión como ésa, simultáneamente mundana (debido a su omnipresencia) y espectacular (también debido a la omnipresencia), es la de la corrupción policíaca impulsada por los beneficios y otros incentivos creados por la prohibición de las drogas. De las 50 ediciones que publicamos el año pasado, 46 de ellas incluyen informes de las “historias de policías corruptos de esta semana” y tres de las cuatro semanas que no los tuvieron sucedieron cuando Phil estaba viajando en Perú y Bolivia. Espere que la prohibición corrompa ininterrumpidamente las instituciones de nuestro país y también las de otros países e instituciones globales hasta que las drogas sean legalizadas.

Otra cuestión es la de los precios callejeros para comprar drogas ilegales, un barómetro del impacto de la guerra a las drogas, aunque sea defectuoso. La teoría es la de que, al atacar la fuente de las drogas, al hacer la interdicción y arrestar a traficantes, la oferta de drogas será reducida y su precio va a aumentar, lo que, a su vez, reduce la demanda. La cuestión apareció el año pasado cuando la secretaría antidroga tuvo la caradura de jactarse de un incremento “inédito” en los precios de la cocaína en 2007 en comparación con 2006. Como señalaron analistas en respuesta, no es inédito – no es inédito del todo, aquello fue literalmente una mentira deslavada – y, más importante aún, dichos aumentos han sido totalmente abrumados por las caídas en los precios que sucedieron durante la mayor parte de los años. Como señalé en un editorial el semestre pasado, en términos reales el precio callejero medio de cocaína en los EE.UU. ha caído a razón de cinco desde principios de años 1980 cuando se instauró el programa de rastreo de los precios. Espere que la guerra a las drogas siga no alcanzando sus resultados prometidos – aun cuando medidos según sus propios términos – hasta que se termine la guerra a las drogas.

Hablando de la secretaría antidroga – conocida formalmente como Gabinete de Política Nacional de Control de las Drogas u ONDCP, una sucursal de la Casa Blanca -, 2007 presenció la publicación de un libro revelador que detalla un abanico impresionante de tergiversaciones de hechos y estadísticas de parte del ONDCP en sus informes anuales a lo largo de los últimos años. Con agradecimiento – y de modo atípico -, los grandes medios de comunicación, incluso la NPR y el Washington Post reconvinieron al ONDCP por su confabulación respecto a la coca. Desdichadamente, fue apenas una de las tramoyas propagandísticas que el ONDCP ha realizado desde que el libro de denuncia llegó a la estantería el marzo último. Como señaló el nuevo vicedirector de la agencia esta semana, el equipo del gobierno actual tiene “un año más” para hacer el trabajo. Dudo que el equipo del próximo gobierno se salga mucho mejor, pese a quien venza las elecciones, pero nunca se sabe. Si el secretario antidroga de Bill Clinton con más tiempo de servicios prestados sirve de indicio, no lo hará.

Las circunstancias más constantes de la guerra a las drogas también son las más trágicas: el cotidiano lúgubre entre rejas; los dolores del paciente, un día sí y otro no, por la negación de remedio; el desespero del niño que crece en un barrio deteriorado por la pobreza y plagado por la violencia del narcotráfico. Nuestro deber es acordarnos de las víctimas silentes de la prohibición todos los días, contar sus historias a todos los que quieran escucharlas; comparar la crueldad de la guerra a las drogas con el trabajo, la compasión y la esperanza constantes.

Cuando llegue el momento oportuno, los cambios por que trabajamos van a venir. Y ése será de veras el artículo más destacado del año.

Reportaje: Lo que vamos a observar en la Crónica de la Guerra Contra las Drogas en 2008

Phillip S. Smith, escritor/editor

https://stopthedrugwar.org/files/philsmith.jpg
Phil Smith
La semana pasada, la Crónica de la Guerra Contra las Drogas concluyó el año con un sumario de los diez reportajes más destacados sobre la guerra a las drogas de 2007. Ya es año nuevo y es tiempo de mirar adelante. Cuando se trata de la reforma de las políticas de drogas, no hay muchas novedades en el horizonte, pero hay muchísimos negocios inconclusos y muchísimas cuestiones de largo tiempo que resolver. Gran parte de lo que vamos a cubrir va a tratar de estas cuestiones demasiado familiares, pero no todo. Aunque, como otros medios, gran parte de nuestra cobertura sea conducida por lo que llega por los teletipos, también vamos a llevar a cabo algunos reportajes especiales. Y, por supuesto, como estamos en año electoral, eso quiere decir que habrá muchísima política que cubrir también. He aquí 10 cuestiones/eventos/países importantes a que vamos prestar atención en 2008.

La campaña electoral

Las elecciones nacionales serán un reportaje importante el año entero. Los demócratas parecen listos para recobrar la Casa Blanca y fortalecer sus mayorías en la Cámara y el Senado. Pero ¿qué significaría eso para la reforma de las políticas de drogas y qué rol – si es que hay uno – desempeñará en las campañas en las primarias y las elecciones generales? Vamos a observar e informar respecto a las políticas de drogas en la campaña de las elecciones nacionales a lo largo del año – ya sean los contrincantes demócratas en las primarias hablando de marihuana medicinal, ya sean los republicanos intentando competir para ver quien es el más duro con la metanfetamina; ya sea Mike Huckabee hablando de redención, ya sea Hillary Clinton hablando sobre por qué la retroactividad en las condenas contra la piedra de cocaína no es buena idea; ya sea Ron Paul diciendo “legalícenla” o John Edwards negándose a hacerlo. ¿Será que los republicanos van a intentar atacar a los demócratas por ser “indulgentes con las drogas”? ¿Será que los demócratas se van a escabullir de la reforma de las políticas de drogas si lo hacen? Esté atento. ¿Y esas disputas para la Cámara y el Senado? Vamos a observarlas también.

Iniciativas electorales

No habrá apenas candidatos compitiendo en noviembre. Michigan está listo para devenir el primer estado con marihuana medicinal en el Medio Oeste y una campaña de recolección de firmas para una iniciativa de marihuana medicinal en Arizona está a punto de ponerse en curso. Vamos a informar sobre estas campañas durante 2008, así como cualesquier (si es que hay) activistas de las iniciativas relacionadas con la marihuana medicinal en Oregón que decidan llevarlas a votación y, en el otro lado de la cuestión, la tentativa de vaciar la Ley de Marihuana Medicinal de Oregón [Oregon Medical Marijuana Act] en una posible iniciativa organizada por autoproclamados luchadores anticriminalidad de Oregón. Mientras tanto, una iniciativa de despenalización de la marihuana estará en las urnas en Massachusetts y vamos a informar sobre eso y cualesquier otras iniciativas que surjan también.

La reforma de las políticas de las drogas en el Congreso

Con los demócratas a cargo del Congreso por el segundo año, ¿será que la reforma de las políticas de drogas se saldrá mejor que durante el primer año? Hubo un poco de movimiento el año pasado, pero no mucho, y los demócratas apenas detienen la mayoría en este año electoral. Vamos a rastrear el progreso (o no) de las cuestiones en el Congreso como la enmienda Hinchey-Rohrabacher sobre la marihuana medicinal, los proyectos para reducir la disparidad en las condenas para la piedra y el polvo de cocaína y la financiación de las aventuras antidrogas en el extranjero, entre otros. Pero, como presenciamos este año, el control demócrata del Capitolio también quiere decir vistas, un prerrequisito fundamental para la acción. También no vamos a perder de vista a quienes están haciendo presión por audiencias y quienes no lo están y respecto de cuales cuestiones.

Marihuana medicinal

El único esfuerzo reformador de las políticas de drogas que parece haber desarrollado tracción de verdad es la marihuana medicinal. El año pasado, se presentaron proyectos en unos 20 estados, pero estos apenas pasaron por todo el trámite en Nuevo México y Rhode Island, donde se volvió permanente una ley existente sobre la marihuana medicinal. Esperamos nuevos intentos de lograr la aprobación de proyectos de marihuana medicinal en la mayor parte de los estados que contó con acción el año pasado y también en algunos otros que no la presenciaron. Este año, vamos a conseguir por lo menos dos estados más y quizá hasta media docena. Vamos a acompañar las providencias de la asamblea respecto de todos estos proyectos.

California: El caso especial

California es un otro mundo. Tiene la ley más vaga sobre la marihuana medicinal, cuenta con cientos de dispensarios, sufre redadas de la DEA y enjuiciamientos federales, ve a jurisdicciones municipales intentando resolver las cuestiones de marihuana medicinal y tiene un décimo de la población del país entero. ¿Será que California es la onda del futuro? Está resbalando en la legalización personal de hecho a consecuencia de la ley de marihuana medicinal, y, si así es, ¿está mal? ¿Será que es “a un lado, Ámsterdam; a un lado, Vancouver; he aquí el Valle de San Fernando”? La situación en el Golden State es compleja y se desarrolla rápido en direcciones que nadie puede predecir fácilmente. Seguramente, los sucesos allá van a ser noticia por aquí este año.

¿Quién lucra con la prohibición?

La prohibición de las drogas ha fracasado evidentemente en sus propios términos. Pese a décadas de guerra a las drogas y cientos de billones de dólares, un segmento considerable de la población sigue consumiéndolas y lo seguirá haciendo en el futuro inmediato. La prohibición de las drogas también ha traído todo tipo de consecuencias imprevistas, desde financiar la violencia política, pasando por tiroteos en las esquinas entre traficantes de la competencia, hasta llenar nuestras prisiones muy allende del aforo y demás. No solamente la prohibición permanece, sino que sigue casi no siendo contestada. ¿Por qué? Por supuesto, hay muchas personas profundamente preocupadas por el consumo de drogas, pero, de la misma manera, han surgido intereses institucionales, tanto públicos como privados, que sacan provecho del statu quo de las políticas de drogas. En lo que va a ser una serie continua a lo largo del año, vamos a echar un vistazo a esos intereses, cómo sacan provecho y cómo influencian las políticas. Entre ellos: El sector de los exámenes toxicológicos, el sector del tratamiento de la toxicomanía, el sector de los sabuesos rastreadores de drogas, las agencias del orden y los proyectistas, constructores y contratistas de las prisiones. ¿Usted tiene sugerencias para otros? Envíeme un correo-e.

Las políticas de drogas y el subtratamiento del dolor

Durante varios años, la Crónica ha cubierto de manera episódica las presencias de los pacientes y terapeutas del dolor y también las cuestiones generales que rodean el tratamiento del dolor en un régimen de prohibición de las drogas. Este año, vamos a investigar más la cuestión, no apenas aquí en los EE.UU., sino también en el extranjero, particularmente en los países más pobres en vías de desarrollo, donde el consumo de analgésicos opiáceos está en niveles enormemente más bajos que en los países desarrollados ricos. Vamos a examinar el rol del régimen global de la prohibición de las drogas, la opiofobia y otros factores, como la pobreza o los efectos estructurales de la regularización global de las drogas, que también puedan contribuir para perpetuar este estado de cosas. ¿Y esas propuestas de desviar las adormideras afganas hacia el mercado medicinal legítimo? ¿Pueden ayudar? Busque informes de la Crónica sobre estas cuestiones este año.

Afganistán: La guerra y las adormideras

Y hablando de Afganistán, este reportaje no va a desaparecer ni en este año ni en el futuro inmediato. El año pasado fue el más sanguinario desde la invasión estadounidense hace seis años ya que más efectivos de los EE.UU. y la OTAN fueron muertos, junto con miles de insurgentes talibanes y civiles afganos. También hubo la cosecha más grande de adormideras de todos los tiempos y ahora Afganistán tiene el mando y el palo sobre el mercado global de opio. Esta semana, el alto general estadounidense en el sitio predijo que la cosecha de este año será aun más grande. El gobierno de los EE.UU. está enmarañándose en la tentativa de descubrir cómo reaccionar y, mientras tanto, el Talibán, funcionarios corruptos del gobierno afgano y comerciantes de drogas están todos enriqueciendo con los beneficios. Las drogas, la lucha contra la insurgencia, el combate al terrorismo y la construcción nacional son parte del juego en Afganistán y hay mucho en juego. Esté atento.

México: La guerra a las drogas en el sur

La violencia relacionada con la prohibición de las drogas en México se ha descontrolado, ya que el número de muertos sube año tras año. El año pasado, el presidente entrante Felipe Calderón convocó al ejército mexicano y ahora, 2.500 muertes, miles de arrestos y cientos de incautaciones después, el narcotráfico parece no haber sido afectado. Con todo, Washington está contento con el abordaje agresivo de Calderón y parece listo para aprobar un paquete de ayuda antidroga de $1.4 billón de larga duración, conocido peyorativamente como Plan México. Mientras tanto, los niveles de consumo de drogas están creciendo en México, la producción de cultivos susceptibles de ser transformados en drogas continúa la misma y esa cocaína colombiana sigue llegando hasta los mercados insaciables al norte del Río Grande. De aquí a algunas semanas, la Crónica de la Guerra Contra las Drogas va a hacer una larga gira por México, probablemente saliendo de la frontera en el Valle del Río Grande, de ahí hacia México, DF y los estados productores de drogas de Guerrero y Sinaloa, luego se sube la Costa del Pacífico y se concluye el viaje en la frontera en Tijuana. Busque más blogueo e informes investigativos durante ese viaje, así como más cobertura a lo largo del año.

El escenario internacional: Las políticas de drogas en la agenda

Las políticas de drogas van a estar en la agenda tanto en las Naciones Unidas como en la Unión Europea este año. La ONU se va a reunir en la Sesión Especial de la Asamblea General en Viena para discutir el éxito de la estrategia antidroga anterior de 10 años y trabajar en la próxima, en tanto que la UE va a intentar proponer un segundo plan de cinco años como parte de su Estrategia en Materia de Droga para 2005-2012. El primer plan de cinco años termina este año. Además, las largas estrategias en materia de droga van a ser discutidas por legisladores en Gran Bretaña y Canadá. Vamos a observar e informar sobre todo esto.

Recurso: É possível acessar o Calendário do Reformador através da página da DRCNet

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Recurso: A página da DRCNet oferece uma grande quantidade de feeds RSS ao seu leitor

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da Guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Webmasters: Ajude o movimento pondo feeds de agregação da DRCNet na sua página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página for dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, saiba também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Entre em contato conosco se quiser assistência ou informe-nos sobre o que está relacionando e aonde. E obrigado de antemão pelo seu apoio.

Retorno: Você lê a Crônica da Guerra Contra as Drogas?

Você lê a Crônica da Guerra Contra as Drogas? Se sim, gostaríamos de ouvi-lo. A DRCNet precisa de duas coisas:

  1. Estamos entre doações ao boletim informativo e isso torna a nossa carência de doações mais premente. É grátis ler a Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas não produzi-la! Clique aqui para fazer uma doação por cartão de crédito ou PayPal ou para imprimir um formulário a fim de mandá-lo por correio.

  2. Por favor, mande citações e informes sobre de que maneira você aplica o nosso fluxo de informação, para uso em futuras propostas de doação e cartas a financiadores ou possíveis financiadores. Você usa a DRCNet como fonte para falar em público? Para cartas ao editor? Ajuda a conversar com amigos ou sócios sobre a questão? Pesquisa? Para instrução própria? Você mudou de opinião sobre quaisquer aspectos das políticas de drogas desde que se inscreveu ou foi inspirado a se envolver na causa? Você reproduz ou republica partes dos nossos informativos em outras listas ou em outros informativos? Tem quaisquer críticas, reclamações ou sugestões? Queremos ouvi-las também. Por favor, mande a sua resposta - tudo bem se forem uma ou duas frases; seria ótimo ter mais também - mande um e-mail a [email protected] ou responda a um endereço eletrônico da Crônica ou use o nosso formulário eletrônico de comentário. Faça o favor de nos informar se podemos reproduzir os seus comentários, e, em caso positivo, se podemos incluir o seu nome ou se deseja continuar anônimo. IMPORTANTE: Mesmo se você nos deu este tipo de retorno antes, seria útil termos o seu retorno atualizado agora também - precisamos saber o que você acha!

Mais uma vez, por favor, ajude a manter a Crônica da Guerra Contra as Drogas viva nesta época importante! Clique aqui para fazer uma doação eletrônica ou envie o seu cheque ou ordem de pagamento a: Caixa Postal 18402, Washington, DC, 20036. Faça a sua doação a nome da Fundação DRCNet para fazer uma doação dedutível do imposto de renda à Crônica da Guerra Contra as Drogas - lembre-se se escolher um dos nossos prêmios gratuitos que reduzirão a parte da sua doação que é dedutível de impostos - ou faça uma doação não-dedutível ao nosso trabalho de lobby - pela Internet ou através de chegue pagável à Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas no mesmo endereço. Também aceitamos contribuições em ações - mande um e-mail a [email protected] para as informações necessárias.

Semanal: Blogando no Bar Clandestino

Junto com a nossa reportagem investigativa da Crônica, desde o verão passado a DRCNet também esteve proporcionando conteúdo diário na forma de blogagem no Bar Clandestino Stop the Drug War - muitíssimas pessoas estiveram lendo-o recentemente-, assim como links às Últimas Notícias (canto inferior esquerdo) e mais informações. Cheque a DRCNet todos os dias para ficar a par da reforma das políticas de drogas!

https://stopthedrugwar.org/files/dc-beer-raid-small.jpg
reide anticerveja da época da lei seca, Washington, DC (Biblioteca do Congresso)

Desde a última edição:

Scott Morgan nos traz: “O fascínio de tempos prósperos do secretário antidrogas pela violência da guerra às drogas” [The Drug Czar's Fair-Weather Fascination With Drug War Violence] e “Curso básico de jornalismo: Tudo o que o secretário antidrogas diz está errado” [Journalism 101: Everything the Drug Czar Says is Wrong] (A semana foi curta por causa das festas.)

David Guard publica numerosas notas à imprensa, alertas e outros anúncios organizacionais no blog In the Trenches. Por favor, junte-se a nós nos Blogs do Leitor.

Obrigado por ler, e escrever...

Estudantes: Faça o seu estágio na DRCNet e ajude a parar a guerra às drogas!

Quer ajudar a acabar com a "guerra contra as drogas" enquanto também recebe créditos universitários? Candidate-se ao programa de práticas da DRCNet para este outono (ou primavera) e você pode vir se somar à equipe e nos ajudar a travar a luta!

A DRCNet (também conhecida como "Stop the Drug War") tem um bom histórico de dar experiência considerável de trabalho aos nossos estagiários - você não vai passar o verão arquivando ou passando recados, você desempenhará um papel integral em um ou mais dos nossos programas empolgantes. As opções de trabalho que você pode realizar conosco incluem a comunicação com a coalizão como parte da campanha para revogar o dispositivo antidrogas da Lei de Ensino Superior [Higher Education Act] e expandir esse trabalho para abranger outras leis ruins sobre as drogas como disposições parecidas na lei de previdência social e moradia pública; contato na blogosfera e na rede; pesquisa e comunicação com a mídia; trabalho na página (pesquisa, redação, suporte técnico); possivelmente outras áreas. Se você for escolhido para o estágio, lutaremos para compatibilizar os seus interesses e habilidades com qualquer área em que você se encaixar da melhor maneira.

Embora os nossos estágios não sejam remunerados, nós lhe reembolsaremos a passagem de metrô e a DRCNet é um lugar divertido e gratificante para se trabalhar. Para se candidatar, favor enviar o seu currículo a David Guard pelo [email protected] e tome a liberdade de nos contatar pelo (202) 293-8340. Esperamos ter notícias suas! Confira a nossa página em http://stopthedrugwar.org para saber mais sobre a nossa organização.

Semanal: Esta semana na história

1º de janeiro de 1932: A recém-instaurada Agência Federal de Narcóticos, uma unidade do Ministério do Tesouro dos EUA, se encarrega da imposição das leis federais contra os opiáceos e a cocaína da Unidade de Álcool do ministério. Harry J. Anslinger, o ex-subcomissário da Lei Seca, assume como comissário de narcóticos.

29 de dezembro de 1988: Em Estado vs. Mussika, o juiz Mark Polen comenta: “Há uma necessidade premente de uma lei mais compassiva e humana que distinga claramente entre a conduta criminal dos que abusam socialmente de químicos e as necessidades médicas legítimas de pacientes gravemente doentes...”.

30 de dezembro de 1989: Ignorando as provas do contrário, o diretor John Lawn da DEA ordena que a cânabis permaneça na lista dos entorpecentes de Classe I que está reservada para drogas que não têm nenhum emprego medicinal conhecido.

03 de janeiro de 1990: Após eludir a captura depois da invasão estadunidense do Panamá e buscar asilo no consulado do Vaticano, o general Manuel Noriega se entrega à DEA e é levado a Miami no dia seguinte.

28 de dezembro de 1992: A emissora ABC Television transmite um especial importante sobre a guerra às drogas na Bolívia que, de acordo com o governo Bush, é a nossa “melhor esperança” de vencer o combate às drogas na América do Sul. A ABC conclui decisivamente que não há esperança nenhuma e que a guerra contra a produção de drogas já foi perdida.

02 de janeiro de 1994: Durante o processo de classificação emergencial, o psicodélico sintético 2C-B (4-bromo-2,5-dimetoxifenetilamina) é acrescentado à lista de drogas de Classe I.

1º de janeiro de 1995: A maior emissora de televisão do Oregon, a KATU-TV em Portland, realiza uma “telepesquisa” que faz a pergunta: “Você apóia a legalização da maconha para financiar a educação?” Mais de cinqüenta e quatro por cento dos milhares de entrevistados respondem que “sim”.

30 de dezembro de 1996: O presidente Clinton aprova o plano para combater as novas leis estaduais que legalizam a maconha para os doentes e moribundos.

29 de dezembro de 1997: O New York Times informa que funcionários estadunidenses e mexicanos disseram que os Estados Unidos estavam proporcionando aos militares mexicanos bastante suporte de inteligência secreta e treinamento para centenas dos seus oficiais a fim de moldar uma rede de efetivos antidrogas ao redor do país. O Times aponta que “o trabalho seguiu adiante apesar da inquietação crescente nos EUA de que isso resultar em problemas mais sérios de corrupção e direitos humanos em uma das instituições mais respeitadas do México... De fato, uma nova análise do serviço de inteligência estadunidense dos laços dos militares com as drogas citará provas da ampla infiltração no corpo de oficiais”.

02 de janeiro de 1988: A Administração de Repressão às Drogas (DEA, na sigla em inglês) desiste das tentativas de intimar os nomes de indivíduos que compraram um livro sobre o cultivo de maconha chamado “A hidroponia da maconha: Cultura aquática de alta tecnologia” [Marijuana Hydroponics: High-Tech Water Culture]. A agência se retrata de suas ações depois de questionamentos legais da União Estadunidense das Liberdades Civis (ACLU, na sigla em inglês) e o reconhecimento de John Stevens, subprocurador dos EUA, de que as intimações são “indevidamente acabrunhantes”.

1º de janeiro de 1999: A Campanha de Paz das Drogas, um comitê californiano de ação política, é formada no intuito de “procurar um fim pacífico para acabar com a guerra que está sendo travada agora pelos nossos governos contra nós, os cidadãos dos Estados Unidos da América e do Mundo”.

31 de dezembro de 2000: Um relatório do Ministério de Justiça declara que as prisões estaduais funcionam entre a capacidade total e 15% acima dela, enquanto que as federais funcionam com 31% acima da lotação.

América Latina: Presidente equatoriano quer perdoar as “mulas” de drogas

No sábado passado, em seu discurso semanal na rádio, o presidente equatoriano Rafael Correa propôs perdoar entregadores de drogas de menor importância, conhecidos comumente como “mulas”. Correa também pediu a redação de novas leis antidrogas que reflitam a gravidade de vários delitos de drogas.

https://stopthedrugwar.org/files/correa.jpg
Rafael Correa
Correa disse que ia pedir a uma assembléia especial a redação de uma nova constituição para perdoar as mulas. A assembléia assumiu poderes legislativos desde que o Congresso do país foi dissolvido no mês passado e Correa mais os aliados políticos dele controlam 60% dela.

Conforme as leis antidrogas equatorianas, de que Correa reclama que foram redigidas sob pressão de Washington, as pessoas pegas até com 100 gramas de cocaína podem ser condenadas a mais de 10 anos de prisão, uma situação que Correa chamou de “absurda”. A lei atual trata da mesma maneira o “chefão Rodríguez Orejuela, do cartel de Cáli (Colômbia) e a pobre mulher, mãe solteira, desempregada que se atreveu a levar 300 gramas de droga”, disse Correa. “É uma barbaridade”.

Embora o Equador quase não produza coca, o principal ingrediente na cocaína, é freqüentemente utilizado como país de trânsito para drogas provenientes dos vizinhos Colômbia e Peru, os dois maiores produtores de coca do mundo, que têm como destino os Estados Unidos.

Desde a sua eleição no início deste ano, Correa tem criticado a guerra às drogas dos EUA na América Latina. Ele se recusou a prorrogar o arrendamento da base área estadunidense em Manta e virou truta do anátema de Washington, o mandatário venezuelano Hugo Chávez. Quando se trata da guerra às drogas, Correa também tem alguma experiência pessoal. No início deste ano, reconheceu que o pai dele, quem faleceu quando ele tinha nove anos de idade, cumpriu três anos de prisão nos EUA por portar drogas.

Ásia: China está pronta para adotar lei antidrogas

O Congresso Nacional do Povo da China está pronto para aprovar a primeira lei antidrogas desse país para reduzir o consumo e o tráfico de drogas. Atualmente, os delitos de drogas são tratados pelo Código Penal geral da China.

https://stopthedrugwar.org/files/chinese_anti_drug_poster.jpg
cartaz antidrogas chinês
Nesta semana, o Congresso está estudando uma terceira versão da lei depois que o seu Comitê de Leis anunciou no domingo que ela estava “pronta para adoção”. Se for aprovada em sua forma atual, a lei sobre as drogas marcaria o primeiro passo para frente para os consumidores de drogas registrados da China, estimados em 1.16 milhão. As regras atuais exigem que os consumidores de drogas sejam confinados em centros de reabilitação, mas conforme a nova lei, muitos poderiam se submeter a tratamento nas suas comunidades.

A lei também excluiria menores de 16 e mulheres grávidas ou em período de amamentação da reabilitação compulsória isolada da dependência química, apesar de que este dispositivo fosse polêmico. Alguns legisladores argumentaram que os infratores jovens da legislação antidrogas podiam receber tratamento designado especialmente para eles em um ambiente isolado.

“Se alguns pais são incapazes de ajudar seus filhos viciados a se reabilitarem e os serviços penitenciários comunitários provaram ser ineficientes também, então os viciados jovens devem receber reabilitação compulsória isolada da dependência química”, argumentaram.

Dentre as drogas proibidas na nova lei estão: o ópio, a heroína, a morfina, a maconha, a metanfetamina e a cocaína. A lei também instaura regras mais estritas para o consumo clínico de fármacos e outros químicos e medicamentos que podem ser utilizados para fazer narcóticos ilegais, como a metadona e a efedrina.

O tráfico de ópio da China foi virtualmente eliminado depois que o Partido Comunista assumiu o poder em 1949 – um evento historicamente singular -, já que o partido o combateu empregando a mesma repressão rigorosa com a qual atacou a sociedade chinesa como um todo. Como a prostituição e outros vícios ocidentais percebidos, apesar de tudo, o ópio voltou à China na esteira de reformas econômicas ao longo das últimas três décadas. O governo chinês informa que o número de consumidores de drogas registrados aumentara desconcertantes 35% entre 2000 e 2005.

Não se sabe ao certo quais sanções penais a nova lei contém. Conforme a atual lei chinesa, o tráfico de drogas pode granjear penas tão severas como a de morte. Umas 50.000 pessoas foram presas por acusações de tráfico de drogas no ano passado.

Maconha: O Idaho obsta iniciativas pró-maconha de município

No mês passado, os eleitores na pequenina Hailey no Idaho aprovaram três iniciativas municipais que legalizavam a maconha medicinal, o cultivo de cânhamo industrial e ordenavam que a cidade tornasse a imposição das leis estaduais e federais sobre a maconha a menor prioridade legal. Agora, funcionários municipais atrasaram a tomada de providências a respeito das iniciativas e a procuradoria geral do Idaho diz que as primeiras iniciativas contradizem a lei estadual e são inválidas e que a terceira “provavelmente não é um assunto permissível para uma iniciativa, e, portanto, é inválida”.

No arrazoado redigido pelo subprocurador-geral Mitchell Toryanski, ele disse que além de contradizer a lei estadual, as iniciativas também eram problemáticas no que diz respeito à liberdade de expressão e porque afetavam a divisão constitucional dos poderes entre o estado e as municipalidades.

No arrazoado, Toryanski escreveu que: “A Constituição do Idaho garante que ‘todos possam se expressar, escrever e publicar livremente sobre todos os assuntos, sendo responsáveis pelo abuso dessa liberdade. O direito à liberdade de expressão inclui o direito a não se expressar’”.

Toryanski também citou a jurisprudência do Idaho sobre a divisão dos poderes para invalidar a iniciativa de menor prioridade legal, apontando que “embora os assuntos de natureza legislativa fossem permissíveis para iniciativas municipais, os assuntos de natureza administrativa não o são”.

“Nada disto me surpreende nem de longe”, disse Ned Williamson, um advogado da cidade de Hailey, ao Sun Valley Online. “Há pelo menos três questões, três problemas nas iniciativas”.

“O dispositivo nas iniciativas que exige que vocês defendam mudanças na lei infringe as suas liberdades de expressão e de discrição política”, disse Williamson, referindo-se ao requerimento imposto sobre os funcionários municipais de que tentem persuadir funcionários em outras cidades, a comarca e qualquer outro a promover o consumo legal de maconha.

“O essencial é que os dispositivos mais importantes das iniciativas são ilegais e inválidos”, disse Williamson. “Isso coincide com o que disse no passado e agora temos que decidir como proceder”. Williamson diz que a cidade pode escolher entre pleitear, revogar ou emendar as iniciativas.

Agora, os funcionários municipais adiaram quaisquer decisões sobre seguir em frente com os comitês de supervisão ordenados pelas iniciativas ou não. Não há notícias do Idaho Liberty Group, o grupo que propôs as iniciativas.

Legislação: O Illinois se soma à curta lista de estados que proíbem a Salvia divinorum

A partir de 1º de janeiro, o porte de Salvia divinorum será crime no Illinois. Antes que a legislatura aprovasse um projeto de lei neste ano, a obscura menta mexicana com propriedades alucinógenas não estivera regularizada e fora vendida livremente em tabacarias, head shops e até postos de gasolina.

https://stopthedrugwar.org/files/salvialeaves.jpg
folhas de sálvia (foto por cortesia de Erowid.org)
“Decidimos seguir em frente em vez de esperar que alguém seja morto por causa dela”, disse o deputado estadual Dennis Reboletti (D-Elmhurst), o defensor do projeto. Ele disse ao Chicago Tribune que era necessário que o Illinois regularizasse a erva estritamente porque o governo federal não tomara providências. A DEA considera a sálvia uma “droga preocupante”, mas, até agora, não tomou medidas para classificá-la conforme a Lei de Substâncias Controladas [Controlled Substances Act].

A sálvia tem sido utilizada tradicionalmente em cerimônias religiosas pelos mazatecas no sul do México, mas, recentemente, chegou aos EUA e outros países onde é de fácil acesso sem receita médica ou através da Internet. Em altas doses, a sálvia pode produzir alucinações intensas, mas esses efeitos duram pouco já que as “viagens” acabam em questão de minutos. Não é uma experiência com drogas que a maioria dos consumidores deseja repetir várias vezes.

Mas, para Reboletti e seus colegas, o risco do consumo de sálvia para adolescentes e universitários é tão grande que ela deve ser proibida. “É muito provável que um possa se ferir ou fazer mal aos demais enquanto se está neste estado induzido pela droga”, disse.

Porém, outros disseram que, dados os empregos espirituais e médicos e o potencial da sálvia, proibi-la é rigoroso demais. Crystal Basler, dona de uma loja de artigos religiosos em Carbondale, disse ao Tribune que a maioria dos clientes dela era de consumidores medicinais, não recreativos. “Alguns descrevem [o efeito] enquanto relaxam bastante, como se tomassem um comprimido contra o estresse”, disse Basler. “A folha é muito, muito suave. Não há porque ilegalizá-la. Um montão de mulheres a compra para a depressão causada pela TPM”.

A sálvia deveria ser regularizada, não proibida, disse. “Sou muito a favor da regularização dela”, manifestou. “Mas, ela não deveria ser ilegal porque se está interferindo no direito de escolha das pessoas em termos do atendimento médico e da orientação religiosa delas”.

A sálvia já foi convertida em droga de Classe I conforme as leis estaduais em Delaware, na Luisiana e no Missuri e também em um punhado de municípios do país. Também se apresentaram projetos para proibi-la no Alabama, no Alasca, na Califórnia, na Flórida, em Iowa, em Nova Jérsei, em Nova Iorque, no Ohio, no Oregon, na Pensilvânia e no Texas, mas, até agora, não tiveram sucesso.

Prisões: Frente à crise orçamentária, o governador da Califórnia pondera a soltura antecipada de 22.000 infratores não-violentos

Frente a um défice orçamentário de $14 bilhões no ano que vem, o governador Arnold Schwarzenegger da Califórnia está considerando uma proposta de corte das despesas inchadas em prisões ao conceder a soltura antecipada a uns 22.000 reclusos não-violentos que não tenham cometido delitos sexuais. A proposta também reduziria a população prisional do estado em outros 6.000 ao mudar a maneira pela qual as infrações da condicional são tratadas. Mas, Schwarzenegger não aprovou a proposta e já está gerando oposição política.

Com uns 172.000 reclusos, o sistema prisional da Califórnia perde apenas para o sistema federal em tamanho e o seu orçamento inflou 79% nos últimos cinco anos para cerca de $8 bilhões. Contudo, o sistema está bastante superlotado e enfrenta duas ações coletivas que procuram limitar as populações de presos porque a superlotação faz com que o estado não ofereça assistência médica que condiga com a Constituição.

De acordo com o último censo de prisioneiros da Secretaria da Administração Penitenciária da Califórnia, mais de 35.000 ou 20.6% deles estão cumprindo penas por delitos de drogas. Os infratores da legislação antidrogas, da que protege a propriedade e “outros” infratores não-violentos respondem juntos pela metade da população prisional do estado.

Segundo o plano apresentado ao governo do estado pelos seus administradores orçamentários da secretaria, infratores de baixo risco que ainda devem cumprir menos de 20 meses seriam libertados antes do tempo. Isso economizaria cerca de $250 milhões do estado no ano fiscal vindouro e mais de $780 milhões até junho de 2010, de acordo com o Sacramento Bee, que deu o furo na semana passada. Isso também envolveria o corte de uns 4.000 postos nas prisões, em sua maioria pelos guardas bem remunerados do estado cuja base salarial é de aproximadamente $60.000 ao ano.

A proposta também pede um sistema “sumário” de condicionais em que os infratores soltos continuariam sob libertação supervisionada, mas não seriam devolvidos à prisão por infrações técnicas da condicional como exames toxicológicos positivos ou faltar a um encontro, mas apenas se forem condenados por um novo crime. Mudar para um sistema sumário reduziria a população média em liberdade condicional em 18.500 no próximo ano fiscal e a população prisional em outros 6.250, conforme a proposta. Isso também custaria cerca de 1.660 empregos de fiscalização da condicional. Em conjunto, as mudanças no sistema de condicionais poupariam $329 milhões do estado até junho de 2010.

Embora tal proposta fosse inovadora se promulgada, as chances são pequenas. Interrogado pela imprensa depois que o Bee deu o furo, Bill Maile, o porta-voz de Schwarzenegger, disse que o governador não decidira se gostava da idéia ou não: “O governador pediu que a secretaria dele pusesse mãos à obra com seus administradores orçamentários para encontrar maneiras de cortar 10% do orçamento em razão da crise que enfrentamos e esta idéia foi uma de muitas que foram emitidas como reação a essa solicitação”, disse Maile. “Não é uma proposta ainda, apenas uma idéia”.

A reação antecipada da classe política não tem sido boa. O deputado José Solorio (D-Santa Ana), presidente do Comitê de Segurança Pública da Assembléia, disse que a reação democrata iria do ceticismo à franca oposição. “Muitos de nós vamos ter algumas preocupações muito graves a respeito de saber se é a direção que queremos começar a tomar ou não”, disse Solorio ao Bee em um artigo de seguimento. As solturas antecipadas já estão derrubadas com os republicanos da Assembléia, acrescentou.

O deputado republicano Todd Spitzer (R-Orange), um dos líderes do partido dele em justiça penal, disse que as solturas antecipadas solapariam o Projeto 900 da Assembléia [Assembly Bill 900] recentemente promulgado, uma medida de $7.9 bilhões que acrescentará 53.000 leitos em cadeias e prisões, mas que também vai instituir a reabilitação enquanto sustentáculo filosófico do sistema prisional do estado.

“Ao pôr as pessoas em liberdade com 20 meses de antecedência, o que deve acontecer quando receberem as suas aptidões de reinserção, não vão recebê-las de jeito nenhum, então a reincidência só vai piorar”, disse Spitzer. “Este plano orçamentário é a desistência dos princípios do AB 900, que devia mudar a maneira pela qual tratamos a criminalidade na Califórnia”.

O consultor político republicano Ray McNally foi ainda mais dramático. “Está bem claro que o governador decidiu não se candidatar nem ao Senado dos EUA nem a outro cargo político”, disse ele, cujos clientes incluem a Associação dos Agentes Penitenciários da Califórnia. “Não dá para soltar 22.000 pessoas da prisão e esperar ser eleito um dia para outro cargo outra vez. Acho que tomou a decisão de se aposentar da política”.

Se Schwarzenegger desafiar a tormenta e adotar a proposta, provavelmente vai incluí-la nos arquivos orçamentários no mês que vem. Se a proposta chegar ao projeto final da lei de diretrizes orçamentárias, deve ser aprovada com dois terços dos votos. Falta bastante, mas ela pelo menos reconhece que poderia haver um caminho melhor do que apenas construir mais prisões.

Polícia: As estórias de policiais corruptos desta semana

A sedução da cocaína prova ser demais para um guarda de trânsito californiano e dois agentes do Brooklyn e dois policiais de Nova Jérsei pagam por revenderem comprimidos. Vamos ao que interessa:

Em Santa Ana na Califórnia, um guarda de trânsito californiano foi preso na segunda-feira por supostamente roubar mais de um milhão de dólares em cocaína do armazém de provas da Polícia de Trânsito. O oficial Joshua Blackburn, 32, com seis anos de serviços prestados, é acusado de entrar no armazém de provas no quartel-general da polícia em Santa Ana. Na sexta-feira, as autoridades da Polícia de Trânsito descobriram o roubo e notificaram a Polícia de Santa Ana, que fez a detenção. Blackburn fica detido na Cadeia da Comarca de Orange sob fiança estipulada em $4 milhões.

Na Cidade de Nova Iorque, no dia 20 de dezembro, um ex-policial de Newark foi condenado a 33 meses em prisão federal após se confessar culpado em um esquema em que ele, outro policial de Newark e uma médica se associaram para obterem dúzias de receitas ilegais para Oxycontin [oxicodona], aviá-las, logo vender as drogas. O ex-oficial Ronald Pompanio, 42, pode pegar até 87 meses, mas ganhou uma colher de chá por cooperar na investigação e depor contra a médica. Em setembro de 2006, tanto Pompanio quanto o ex-policial John Hernández se confessaram culpados de uma acusação de formação de quadrilha para portarem com a intenção de distribuir oxicodona, o principal ingrediente no Oxycontin, após admitirem que aviaram as receitas e venderam as drogas na rua ao norte de Nova Jérsei.A médica, Joan Jaszczult de Bloomfield, também se confessou culpada e pode pegar até 10 anos de prisão. Os comparsas admitiram traficar um mínimo de 250.000 miligramas de oxicodona. [Ed.: Sempre é preciso fazer a pergunta em casos assim: A médica era cúmplice mesmo ou foi vítima inconsciente a respeito da qual os vendedores de drogas inventaram uma estória para reduzirem as sentenças deles? Ou cujas ações os procuradores distorceram? Com freqüência, os veículos de comunicação dependem da versão oficial sem investigarem mais, então, para conhecer realmente a estória em um caso como este poderia ser necessário examinar os fatos independentemente.]

Na Cidade de Nova Iorque, no dia 19 de dezembro, dois oficiais da Polícia de Nova Iorque foram presos por acusações de improbidade e falsificação de registros a respeito do sumiço de 11 saquinhos de cocaína. No dia 13 de setembro, os policiais Julio Alvarez e Sean Johnstone do esquadrão antidrogas da Zona Sul do Brooklyn prenderam um homem e apresentaram mais de 17 saquinhos de cocaína como prova, mas Johnstone, quem trabalhava incógnito, foi gravado depois dizendo que, na verdade, Alvarez apreendera 28 saquinhos de cocaína. Estes são os mesmos dois policiais que entraram nestas páginas na semana passada, quando informamos sobre um escândalo que fermentava na Zona Sul do Brooklyn pelo emprego de epítetos raciais registrados por transmissores que estavam utilizando. Foram esses mesmos transmissores que capturaram a admissão do roubo dos 11 saquinhos de cocaína. Diferentemente da maioria dos réus nos tribunais nova-iorquinos, Alvarez e Johnstone receberam a cortesia de comparecerem ao tribunal sem algemas e foram autorizados a permanecerem em liberdade sem fiança. [Ed.: Por que lhes dar um tratamento especial? Por que não dar a mesma cortesia aos outros réus?]

Polícia: Cagüetes que goraram

Justamente na semana passada, a Crônica da Guerra Contra as Drogas fez a resenha de “Cagüete: Informantes, cooperadores e a corrupção da justiça” [Snitch: Informants, Cooperators, and the Corruption of Justice] de Ethan Brown, que conta a estória da corrupção e das malfeitorias fomentadas pelas leis federais sobre as drogas que virtualmente impelem as pessoas que foram presas a encontrarem outros para entregarem a fim de evitarem elas mesmas a pena de prisão. Não sabemos se é sincronia ou o quê, mas na semana desde então, parece que artigos acerca de maus cagüetes estão surgindo em todos os lugares. Eis aqui três que localizamos nos últimos dias:

Em Twin Falls, Idaho, um homem acusado em um assassinato em Twin Falls trabalhava como informante para a Equipe de Repressão a Entorpecentes da Comarca de Blaine. John Henry McElhiney de Hailey é acusado de matar um garoto de dezoito anos de Twin Falls em setembro. Em resposta às indagações da imprensa, a Chefatura de Polícia da Comarca de Blaine confirmou que McElhiney trabalhava em casos de delitos de drogas para o esquadrão antidrogas. A chefatura não chegou a chamá-lo de “informante confidencial”, apesar de tudo, referindo-se a ele como “indivíduo cooperativo”. Pelos relatos da imprensa local, não está claro se McElhiney virou cagüete pelo dinheiro, para evitar a pena de prisão ou por algum outro motivo. Também não se sabe se o auxílio dele resultou realmente em quaisquer outras prisões. Ele aguarda julgamento pela acusação de assassinato.

Em Seattle, na sexta-feira passada, uma “testemunha cooperadora” se confessou culpada de armar para pessoas por delitos de vendas de drogas. A cagüete Tina Rivard, 40, fora presa em maio por falsificar receitas, mas, ao invés de acusá-la, agentes da Força-Tarefa Antidrogas de Cowlitz-Wahkiakum lhe ofereceram um acordo: indulgência em troca do auxílio dela para construir casos contra traficantes de medicamentos receitados. Rivard ajudou no caso, mas, em um segundo, ela indicou um homem de 21 anos por acusações de tráfico de Oxycontin [oxicodona] ao solapar o sistema de “compra fiscalizada” da força-tarefa. Apesar de os agentes apertarem o número telefônico do suspeito no telefone de Rivard, ela teclava secretamente a rediscagem e ligava para um amigo que fingia ser o suspeito. Logo, ele fazia declarações comprometedoras e arranjava transações de drogas. Rivard também fingiu uma compra de drogas do suspeito nas barbas dos agentes, fazendo com que, na verdade, o amigo dela lhe trouxesse as drogas que afirmava haver comprado. O jovem de 21 anos foi indiciado e podia pegar até 20 anos de prisão, mas Rivard eventualmente admitiu que armara para ele. Agora, o indiciamento contra ele foi despronunciado e ela pode pegar 20 anos.

Em Cleveland, Ohio, um informante da DEA foi condenado por incriminar inocentes e botá-los na cadeia. O informante Jerrell Bray fingiu transações em drogas com amigos enquanto investigadores observavam, mas lhes dava os nomes de pessoas que não estavam envolvidas nas negociações, depois testemunhava ou dava depoimentos jurados dizendo que os inocentes eram traficantes de drogas. Bray conseguiu armar para quatro pessoas, inclusive uma mulher que se recusara a sair com ele quando trabalhava sob o agente Lee Lucas da DEA. Não está claro se Lucas ou outro funcionário da lei tinha ciência do que Bray estava fazendo, mas, no mês que vem, um júri federal vai se reunir para investigar as acusações de obstrução da justiça, perjúrio e armas contra Bray “e os demais”. Bray foi condenado a 15 anos de prisão pelas acusações de perjúrio e de privação de direitos civis, sentença que correrá concomitantemente com a pena estadual por atirar contra um homem em um assalto relacionado com as drogas.

Ironicamente, Bray pode conseguir reduzir a sentença federal dele se “cooperar totalmente”. Quando será que vão aprender?

Apelo: A DRCNet fez um progresso incrível em 2007 e precisamos da sua ajuda para 2008

Caro leitor da DRCNet:

https://stopthedrugwar.org/files/borden-dupont-circle-cropped.jpg
David Borden
A StoptheDrugWar.org (DRCNet, na sigla em inglês) está em um ponto muito interessante e promissor e, neste momento, escrevo para solicitar o seu apoio à nossa organização. Se você estiver fazendo doações caridosas a organizações antes do fim do ano, espero que inclua a Fundação DRCNet nesse grupo. Se fizer doações não-abatíveis para apoiar organizações de pressão, espero que inclua a Drug Reform Coordination Network ou Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas. Os donativos podem ser feitos em http://stopthedrugwar.org/donate on-line, onde também há informações sobre como doar por correio. (Entre em contato conosco se desejar informação sobre doação de ações.)

Primeiro em resumo, depois com maior profundidade:

  1. Aumentamos enormemente a visitação à nossa página, visto que a maior parte do aumento é de novas pessoas que não lêem coisas que tratam das políticas de drogas nem da legalização com regularidade. Conseguimos isso capturando uma parcela do público em sítios “Web 2.0” populares como Digg.com onde leitores apontam e votam nos artigos que deveriam chegar “ao topo”, o único grupo reformador das políticas de drogas que conseguiu este sucesso correntemente;
  2. Tomamos medidas concretas para expandir o leque de questões que apoiamos ativamente, inclusive: a questão explosivo do emprego exagerado de reides da SWAT em casos de drogas com as conseqüências possivelmente mortíferas (visite http://stopthedrugwar.org/policeraids para maiores informações em inglês); as penas para infratores da legislação antidrogas e suas famílias nas leis que tratam da previdência social e das moradias públicas; a expansão da destacada coalizão que formamos a respeito da legislação parecida de ajuda universitária; e o trabalho contínuo na lei de ajuda universitária. Tomaram-se medidas iniciais para lidar com a questão do ópio do Afeganistão também;
  3. Expandimos os nossos trabalhos de conscientização do público a respeito da própria questão da proibição/legalização das drogas e há mais no futuro (http://stopthedrugwar.org/legalization - exclusivamente em inglês);
  4. Seguimos em frente com os aspectos mais importantes do nosso programa, inclusive o boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas e a alavanca dos nossos programas a fim de beneficiar o trabalho de outros grupos;
  5. Os projetos de aumento dos trabalhos no sítio no curto e médio prazo devem surtir mais efeitos consideráveis.

PÁGINA

https://stopthedrugwar.org/files/monthly-views-web.jpg
Como deve estar sabendo pelos correios eletrônicos que enviei à lista, o nosso sítio passou por um redesenho importante durante o verão de 2006, além de uma expansão da nossa publicação (acrescentando-se o modelo de conteúdo diário – blogagem, links para as últimas notícias, entradas diárias de anúncios e lançamentos de outras organizações e assim por diante) começou em setembro de 2006. O resultado imediato foi um aumento considerável no tráfico da nossa página e esse aumento prosseguiu as mais das vezes durante os vários meses seguintes.

Por volta de agosto deste ano, as coisas começaram a “ficar malucas”, já que links visíveis para a DRCNet começaram a aparecer em páginas importantes e freqüentemente mais e mais desde então. Literalmente, tivemos que fazer um upgrade no nosso servidor duas vezes a fim de podermos com o trânsito e agora negociamos um terceiro upgrade. O quadro que aparece à direita, hosts únicos por mês na StoptheDrugWar.org (uma estimativa para o número de pessoas), ilustra a tendência.

Espero que concorde que agora estamos em uma situação bastante diferente da de antes. Para dar um gostinho de como (em parte) se conseguiu isto, listamos aqui os “grandes sucessos” que a StoptheDrugWar.org teve desde o segundo semestre de 2006 – definidos como artigos que tiveram 4.000 “leituras” ou mais. (Estes dados foram atualizados pela última vez no dia 26 de novembro, então houve outros “grandes sucessos”, além de aumentos nos totais para os artigos listados, especialmente os mais recentes.) O essencial não é quantas vezes as nossas matérias estiveram em “grande”, mas com que freqüência muito maior isso está acontecendo agora em comparação com um ano ou mais atrás. Ei-los aqui:


9/29/2006 Matéria: Iniciativa de legalização da maconha do Colorado fica para trás, mas a disputa continua (7.013 leituras) 29/09/2006 Matéria: Organizadores da iniciativa pró-maconha de Nevada vêem disputa difícil, porém vencível, ao entrarem na reta final (5.155 leituras) 15/12/2006 Matéria: Cresce o clamor pela liberdade para o prisioneiro texano Tyrone Brown (20.190 leituras) 05/02/2007 Matéria: A condenação que continua prejudicando - Os infratores por delitos de drogas e os benefícios federais (4.570 leituras) 16/02/2007 O anti-Dobbs: Vencendo a guerra interna através da legalização das drogas (5.781 leituras) 23/02/2007 Resenha da Crônica da Guerra Contra as Drogas: "Lies, Damned Lies, and Drug War Statistics: A Critical Analysis of Claims Made by the Office of National Drug Control Policy", de Matthew Robinson e Renee Scherlen (13.143 leituras entre dois exemplares) 23/03/2007 Matéria: Caso “Bong Hits 4 Jesus” sobre a liberdade de expressão vai à Suprema Corte (4.354 leituras) 13/04/2007 Matéria: A guerra contra a Salvia divinorum esquenta (15.180 leituras) 25/04/2007 ONDCP admite exagerar a potência da maconha (10.589 leituras) 25/05/2007 Oriente Médio: As papoulas voltam a florescer no Iraque (5.356 leituras) 25/05/2007 Matéria: Os policiais da fronteira - tanto o Canadá quanto os EUA inadmitem pessoas que já consumiram drogas (4.046 leituras) 01/06/2007 Maconha medicinal: Projeto de lei de Rhode Island é aprovado com maiorias à prova de veto (11.959 leituras) 08/06/2007 Matéria: Mãe canadense que procurava filha desaparecida não é admitida nos EUA por condenação em delito de drogas de mais de 21 anos atrás (8.754 leituras) 25/06/2007 Ministros Stevens, Souter e Ginsburg: Simpatizantes da reforma das políticas de drogas? (8.050 leituras) 28/06/2007 Editorial: Dois bons motivos para querer legalizar as drogas (6.185 leituras) 10/07/2007 Rudy Giuliani odeia a maconha medicinal, mas adora o OxyContin (15.090 leituras) 26/07/2007 Análise: Quem votou a favor da maconha medicinal desta vez? Detalhamento por voto, partido e mudanças em relação a 2006 (7.227 leituras entre dois exemplares) 30/07/2007 São Francisco ordena que dispensários de maconha medicinal vendam parangos mais cheios (7.438 leituras) 02/08/2007 Novo estudo: A maconha não causa psicose nem dano aos pulmões nem câncer de pele (49.721 leituras) 06/08/2007 Nota à imprensa: Comerciantes de maconha oferecem a Schwarzenegger um bilhão de dólares (72.302 leituras) 06/08/2007 Comerciantes de maconha oferecem a Schwarzenegger um bilhão de dólares (48.654 leituras) 14/08/2007 Freqüentemente a polícia não sabe os fundamentos sobre a maconha (21.612 leituras) 15/08/2007 Quem está plantando toda essa maconha no bosque? (6.694 leituras) 23/08/2007 Prisioneiros da guerra às drogas: Alva Mae Groves, 86, morre atrás das grades (6.821 leituras) 30/08/2007 Os exames toxicológicos incentivam o consumo de cocaína, heroína e metanfetamina (20.291 leituras) 26/09/2007 Por que na verdade a polícia se opõe à legalização da maconha? (20.994 leituras) 05/10/2007 McCain e Giuliani dizem coisas terríveis a um paciente de maconha medicinal (39.636 leituras) 10/10/2007 A verdade sobre por quê os candidatos republicanos se opõem à maconha medicinal (4.801 leituras) 16/10/2007 Os usuários de Digg e Reddit querem legalizar a maconha (16.576 leituras) 22/10/2007 Diretora da DEA se demite e diz que se divertiu bastante (11.182 leituras) 24/10/2007 Este homem recebe 300 baseados por mês do governo federal (40.075 leituras) 31/10/2007 Covardes: Favoritos democratas recusam reforma da lei sobre a maconha (6.608 leituras) 02/11/2007 Matéria: A maconha medicinal pode fazer você perder o seu filho? Na Califórnia, sim (15.105 leituras) 05/11/2007 O susto das drogas: Na Flórida, as crianças ficam doidonas cheirando fezes (7.797 leituras) 13/11/2007 A maconha evolui mais rápido do que os seres humanos (27.144 leituras) 23/11/2007 A resposta horrível de John McCain a um policial que quer acabar com a guerra às drogas (34.950 leituras) 23/11/2007 Matéria: No aniversário da morte de Kathryn Johnston, pesquisa descobre que a maioria dos estadunidenses é contra o emprego de táticas à SWAT em reides antidrogas de rotina (7.183 leituras)

EXPANSÃO DAS QUESTÕES

Como mencionamos brevemente acima, começamos a nossa incursão à questão implosiva do emprego abusivo de equipes da SWAT na repressão de menor importância às drogas, o tipo de prática que resultou na matança de Kathryn Johnston, 93, em Atlanta no ano passado. Em outubro, encarregamos um conjunto de perguntas em uma pesquisa (a primeira que fizemos) de eleitores em potencial levada a cabo pela firma Zogby . Uma delas indagava se a polícia deveria lançar mão de táticas de entrada agressiva em situações não-emergenciais. (O texto da pergunta, que voltava a contar a tragédia de Johnston e listava algumas táticas em específico junto com outras informações a respeito da questão, inclusive longas recomendações sobre como as políticas deveriam mudar, aparece no nosso sítio em http://stopthedrugwar.org/policeraids em inglês e o nosso artigo na Crônica está em http://stopthedrugwar.org/pt/cronica/511/dois_tercos_contra_reides_SWAT_... - ele continuou tendo trânsito desde a compilação de dados listada acima e agora conta com quase 10.000 leituras.) Do nosso lado estiveram 66% dos entrevistados, inclusive a maioria de eleitores conservadores e muito conservadores, o que, politicamente, é um resultado ótimo.

Há muito a dizer a respeito da expansão das nossas questões e dos nossos planos ativistas no tema dos reides – faça o favor de mandar um e-mail a David Borden a [email protected] para maiores informações.

APOIO ANTIPROIBIÇÃO

Outra pergunta que foi incluída na supracitada pesquisa Zogby inquiria: “Se drogas pesadas como a heroína ou a cocaína fossem legalizadas, é provável que você as consumisse?” Mero 0,6% dos entrevistados respondeu que sim. Enquanto que a pesquisa deva ser considerada mais qualitativa do que quantitativa – as pessoas nem sempre prevêem a conduta futura delas com precisão -, os resultados mostram claramente que quase todos os estadunidenses têm bons motivos para não quererem consumir estas drogas que não estão limitados às leis contra elas. Portanto, o espectro de enormes aumentos na dependência e da implosão social dos proibicionistas depois da legalização não é uma suposição sensata.

A página http://stopthedrugwar.org/legalization (exclusivamente em inglês) apresenta este resultado, além de links a nossos muitos feeds de categorias de notícias “conseqüências da proibição”. Também formatamos gravações da supracitada conferência sobre a legalização de 2003 para o YouTube, o popular sítio, para que as pessoas possam transmitir os vídeos a partir dos próprios sítios delas. Os vídeos disponíveis até agora têm links do mesmo portal acerca da legalização. A idéia de promover as vozes de líderes respeitados que sejam a favor da legalização é um componente importante da nossa estratégia a fim de empregarmos o poder de persuasão das reputações deles para mudar a opinião pública. Além dos sucessos do sítio dos vários meses passados e de certas questões técnicas que estão sendo tratadas por um web designer ao longo dos próximos dois meses, também vamos lançar a nossa série de blogueiros VIP, que também está nesta estratégia. Também há outras publicações em projeto.

A CRÔNICA DA GUERRA CONTRA AS DROGAS E O APOIO A OUTROS GRUPOS

Um dos aspectos particularmente gratificantes do sucesso do nosso sítio é que, às vezes, pudemos trazer outros grupos junto conosco. Por isto me refiro, acima de tudo, ao emprego dos vídeos no YouTube – segundo se indicou anteriormente, uma maneira pela qual sítios diferentes podem apresentar facilmente os mesmos videoclipes sem terem de armazenar cópias da gravação em seus próprios servidores. Dentre os nossos “grandes sucessos” estão entradas no blog que passam gravações da Law Enforcement Against Prohibition (um de nossos oradores faz uma pergunta difícil a John McCain, que ele responde de uma forma incrível), da DrugTruth Network (uma entrevista realizada durante a conferência da NORML com Irv Rosenfeld, o paciente de maconha medicinal federalmente legal) e da campanha sobre os presidenciáveis e a maconha medicinal no Novo Hampshire dos “Granite Staters” do MPP. As estatísticas do YouTube indicam que aproximadamente um terço das pessoas que visita as nossas páginas que transmitem estes vídeos realmente clica para assisti-los (apesar de que, depois de um certo período de tempo, as estatísticas do YouTube comecem a omitir os dados mais antigos).

As estatísticas também mostram que a nossa eficácia relativa em dar a lume a mensagem reformadora das políticas de drogas em termos do número de pessoas pode, em realidade, ser mais do que a dos sítios mais visitados que cobrem várias questões diferentes. Por exemplo, dos 36.000 ou mais leitores que tivemos para o artigo supracitado de John McCain, cerca de 13.000 clicaram para ver o próprio vídeo, o que responde por mais da metade do total de vezes que o vídeo foi visto. Um artigo sobre o encontro no blog muito lido do Huffington Post, por outro lado, nem sequer fez com que o vídeo fosse visto 1.400 vezes. A nossa entrada do vídeo de Irv Rosenfeld na DrugTruth e a que contava com a indignante gravação da resposta de McCain e Giuliani a um paciente de maconha medicinal do Granite Staters granjeou mais de 40.000 leituras. Assim, a nossa abordagem cooperativa de promover o trabalho de outras organizações se estendeu ao novo formato do sítio e, desse modo, em alguns casos, estamos fazendo com que tenham muita divulgação.

Eis aqui algumas recomendações que temos recebido recentemente a propósito da maneira que a Crônica é empregada pelos leitores:


Eu leio a Crônica da Guerra Contra as Drogas assiduamente para estar ao dia do fracasso da guerra às drogas.
- Gustavo de Greiff, ex-procurador-geral da Colômbia e presidente da REFORMA, a Rede Latino-Americana pela Reforma das Políticas de Drogas

Como representante da LEAP [Law Enforcement Against Prohibition, na sigla em ingles] em Washington, DC, leio sem falta a Crônica da Guerra Contra as Drogas e venho fazendo-o há anos. Isto me deixa a par rapidamente e sem tempo perdido de quais eventos e pessoas estão moldando as políticas. Até o dia de hoje, me reunido com funcionários de metade dos 535 escritórios no Capitólio. Anos de leitura da Crônica me informaram e capacitaram para falar versadamente sobre todas as facetas da Nova Proibição. É uma ferramenta inestimável que utilizo constantemente.
- Policial Howard J. Wooldridge (aposentado)

A Crônica da Guerra Contra as Drogas é o primeiro lugar a que mando o pessoal que quer saber mais sobre o que está acontecendo nas políticas de drogas hoje em dia.
- Tyler Smith, vice-diretor da Interfaith Drug Policy Initiative

Sou um jornalista investigado premiado. Ouvi falar de coisas na DRCNet que logo transformei em artigos para revistas como Rolling Stone e Wired.
- Vince Beiser

A Crônica da Guerra Contra as Drogas é útil para mim e para o meu pessoal para nos mantermos ao dia sobre as questões que giram ao redor das políticas e práticas relacionadas com as drogas. Temos notícias de centenas de presos de DC presos neste pesadelo e dispomos de pouco tempo para nos mantermos a par das questões sobre as quais vocês informam.
- Philip Fornaci, diretor do Projeto dos Prisioneiros de DC do Comitê de Direitos Humanos dos Advogados de Washington

Acho a Crônica da Guerra Contra as Drogas muito útil ao fazer ativismo de base. Trabalho na Assessoria à Toxicomania e na Associação de Prevenção à Toxicomania do meu país e como co-presidente comunitário do Grupo de Planejamento da Prevenção ao HIV do Estado de Washington. Lancei mão de informações da Crônica da Guerra Contra as Drogas para fazer com que os demais na minha comunidade reconhecessem a necessidade de reformar as políticas de drogas. Enquanto membro da Assessoria à Toxicomania, pude fazer circular materiais para todos os membros do governo comarcão.
- Monte Levine

Apresento um programa semanal de rádio em que discuto questões relacionadas com o fracasso da guerra contra as drogas e o setor das prisões. Utilizamos a DRCNet como recurso todas as semanas, a DRCNet facilita bastante esta obra de ativismo ao proporcionar um recurso acessível, não só como ferramenta de pesquisa, mas como intérprete neste mundo político. De vez em quando, um convidado tem que cancelar de última hora. Este risco é parte da rádio ao vivo e o nosso jeito de estarmos preparados é ter a informação da DRCNet à mão e estarmos prontos para compartilhá-la com os ouvintes.
- Sharon North, Rádio Shattered Lives, KZFR, 90.1 FM, Chico, Califórnia

Aqui na Holanda utilizamos bastante o seu jornal para redigirmos o nosso “periódico da guerra contra as drogas” mensal feito pela Fundação Legalize!
- Has Cornelissen, Stichting Legalize!

Utilizo artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas para introduzir estudantes da primeira e da última series do segundo grau em uma averiguação corrente da Guerra às Drogas enquanto modelo de fracasso nas políticas públicas. A CGCD me permite rastrear questões atuais, atualizar os meus materiais e me manter em contato com a comunidade reformadora das políticas de drogas para que possa continuar com o meu trabalho de desenvolver nos jovens uma compreensão profunda e crítica do mundo em que estão amadurecendo.
- Jeanne Polk Barr, presidenta do departamento de História do Colégio Francis W. Parker, Chicago

Sou editor de The Liberator Online, um informativo libertariano eletrônico: Contando com quase 70.000 leitores, que nós saibamos, é a publicação libertariana de maior tiragem de qualquer tipo. É publicado pela Advocates for Self-Government, uma organização de conscientização libertariana apartidária sem fins lucrativos. Emprego a Crônica da Guerra Contra as Drogas e a DRCNet como fonte para informações sobre questões relacionadas com a Guerra às Drogas que sejam pertinentes para os nossos leitores. Na verdade, temos uma reportagem baseada em um artigo da CGCD (o apoio do senador Mike Gravel à reforma das leis sobre as drogas) na nossa presente edição.

Utilizei informações em um artigo para ajudar a formar uma bolsa para os condenados por um delito de drogas que tenham perdido verbas federais para cursarem a faculdade. Agora, visamos a expandir a bolsa a outras universidades e institutos de formação profissional. Obrigado pela sua ajuda!

PLANOS DE DESENVOLVIMENTO DA PÁGINA

Os planos em produção para a StoptheDrugWar.org têm o potencial de conseguir para o alcance e o impacto do sítio o mesmo que o trabalho já feito conseguiu. Junto com algumas melhorias e ajustes necessários nos nossos arcabouços de conexão, comentários e inscrições na lista, vamos executar melhorias de suma importância na maneira que promovemos o nosso material nos supracitados sítios “Web 2.0” que já trouxeram tanta gente à nossa página. No momento, apenas fazemos o bom trabalho de promover o nosso material no sítio Digg e apenas para entradas no nosso blog. O nosso redesenho secundário deixará mais visíveis os links ao Digg nas nossas páginas, vai acrescentá-los e agregá-los para promover artigos em outros sítios importantes em que já tivemos algum sucesso, como Stumbleupon, Reddit e Netscape. Esta é a extensão lógica de uma estratégia que já foi muito bem-sucedida.

Também há planos em andamento para expandir enormemente o histórico que oferecemos sobre todas as diferentes questões das políticas de drogas, valendo-se de tecnologia disponível através do nosso sistema de sítio na Internet para apresentá-lo de algumas maneiras bem poderosas. (Como já disse, você saberá mais disto depois.)

Espero que, a partir do supracitado, você se dê conta de como estamos entusiasmados com o estado do trabalho da DRCNet a esta altura e de como sentimos que é importante continuar avançando com toda força. Com a continuação do seu apoio, vamos nos fundar nos nossos sucessos para alcançarmos públicos maiores na rede. Vamos nos encarregar da questão explosiva das apreensões irresponsáveis da polícia. Vamos expandir a coalizão contrária à pena de eliminação da ajuda universitária por causa de uma condenação por delito de drogas para incluir as leis parecidas na previdência e na moradia pública. Vamos divulgar a nossa mensagem sobre a necessidade urgente de legalização e as pessoas impressionantes que apóiam esse ponto de vista. Vamos continuar publicando a Crônica da Guerra Contra as Drogas para motivarmos ativistas de todo o movimento reformar das políticas de drogas e conscientizarmos a mídia, os legisladores e o público em geral. Além disso, vamos colocar em funcionamento novas seções importantes do nosso sítio para aumentarmos o alcance e o impacto do nosso trabalho de conscientização ainda mais. Obrigado pelo seu apoio e por fazer parte da causa.

Atenciosamente,


David Borden, diretor-executivo

P.S.: Contribuições de $50 ou mais podem ser creditadas para os nossos primeiros prêmios de livros (ainda não escolhidos) de 2008. (Você terá que nos informar depois que divulgarmos os anúncios de prêmios no ano que vem.) Lembre-se de que as doações abatíveis devem ser feitas a nome da Fundação DRCNet. (A soma dedutível será subtraída pelo preço no varejo de qualquer/quaisquer presente(s) que você escolher.) As doações não-abatíveis à nossa obra lobista devem ser feitas a nome da Drug Reform Coordination Network ou Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas.

P.P.S.: Caso você desejar doar neste instante, dou a informação aqui para o seu conforto: Fundação DRCNet (para doações abatíveis que apoiarem a nossa obra de conscientização) ou a Drug Reform Coordination Network ou Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas (para doações não-dedutíveis que apoiarem a nossa obra lobista), caixa postal 18402, Washington DC 20036 ou http://stopthedrugwar.org/donate on-line. (Entre em contato conosco para doar ações.)

P.P.P.S.: Por favor, tome a liberdade de ligar para a gente pelo (202) 293-8340 se desejar discutir qualquer um dos nossos programas ou tiver outras perguntas ou inquietações.

Matéria: Os dez artigos de maior destaque sobre a guerra às drogas de 2007, de acordo com a Crônica da Guerra Contra as Drogas

Enquanto 2007 termina, faz-se uma retrospectiva nas políticas de drogas. Aqui na Crônica da Guerra Contra as Drogas demos a lume mais de 500 artigos sobre todos os aspectos das políticas de drogas nos EUA e ao redor do mundo neste ano. Mas, se tivermos que reduzi-lo a um punhado de artigos ou tendências nacionais e internacionais, escolhemos os seguintes. Sem mais delongas... os dez artigos de maior destaque sobre a guerra às drogas de 2007, de acordo com a Crônica da Guerra Contra as Drogas:

A guerra às drogas continua moendo

Embora mais de uma década de ativismo concertado em prol da reforma das políticas de drogas tenha produzido algumas mudanças animadoras, a guerra às drogas continuou moendo durante todo o ano de 2007 apesar dos pesares. Em meados do ano, a Agência de Estatística da Justiça anunciou que a população carcerária e prisional dos EUA teve outra alta histórica, com mais de 2.2 milhões de pessoas atrás das grades, inclusive cerca de 500.000 infratores da legislação antidrogas. No fim de setembro, divulgou-se o Relatório Uniforme sobre a Criminalidade do FBI, lançado todos os anos, e descobriu que tanto as detenções por maconha quanto todas as prisões por causa das drogas tiveram altas históricas, com mais de 800.000 das primeiras no ano passado e mais de 1.8 milhão das segundas. Ainda nada teve sucesso em frear o rolo compressor da luta contra a droga.

Os muros começam a vir abaixo: Um indício de justiça para os prisioneiros por crack

Após duas décadas de tratamento rigoroso dos infratores por delitos de pedra de cocaína, 2007 presenciou um progresso considerável, embora modesto, em conseguir justiça para os milhares de pessoas – quase todas negras e pardas – presas conforme as leis federais de sentenças mínimas obrigatórias contra o crack. Depois de anos de súplicas infrutíferas ao Congresso para que mudasse essas leis, em maio, a Comissão de Penas dos EUA anunciou que ia emendar as diretrizes condenatórias federais para reduzir ligeiramente as sentenças para a pedra de cocaína, e, duas semanas depois, ela instou o Congresso a tomar providências para reduzi-las ainda mais ao lidar com a disparidade de 100 para 1 na quantidade de pedra em relação à de pó de cocaína que é necessária para granjear sentenças mínimas obrigatórias. (As diretrizes e as mínimas obrigatórias são regimes condenatórios diferentes e entrelaçados.) No início deste mês, a Comissão de Penas anunciou que seus primeiros ajustes nas penas seriam retroativos, o que quer dizer que até 22.000 pessoas atualmente presas por causa do crack podem solicitar audiências para conseguirem reduções nas suas sentenças. E alguns dias depois, em dois casos que têm a ver com as diretrizes condenatórias federais, que agora são acessórias, a Suprema Corte decidiu que juízes podem fazer reduções em sentenças relacionadas com o crack. Isto mudou para melhor, mas está nas margens. O verdadeiro problema é a maneira pela qual a lei é redigida e o Congresso terá que tomar providências para mudá-la. A pressão acumula, um punhado de projetos foram apresentados e 2008 pode ser o ano em que, enfim, o Congresso aja.

A maconha medicinal na Califórnia: Os bons e os maus tempos

A Califórnia continua sendo um outro mundo quando se trata da maconha medicinal. Conforme a lei vaga do estado, conseguir uma recomendação para virar paciente legal de maconha medicinal não é uma tarefa desanimadora. Dependendo do lugar, visitar um das centenas de dispensários que vendem maconha a pacientes também não é. No entanto, é bem diferente quando se trata dos dispensários. Cerca de 40 deles foram invadidos pela DEA (escrevemos artigos sobre apreensões massivas em Los Ângeles em janeiro e outra vez em julho), que normalmente trabalhava mancomunada com policiais teimosos da cidade, e mais de 100 pessoas respondem a processo federal. Neste ano, a DEA também revelou uma nova tática: ameaçar os senhorios dos dispensários em Los Ângeles, Sacramento e São Francisco. Enquanto isso, a luta pela maconha medicinal na Califórnia também está sendo travada comarca por comarca, municipalidade por municipalidade enquanto que as entidades municipais procuram saber se devem autorizar dispensários e como regularizá-los. O estado está arrecadando os impostos deles e um ativista, Cliff Schaffer da Biblioteca Sobre as Drogas, divulgou uma nota à imprensa, apenas parcialmente de brincadeira, em nome dos comerciantes de maconha do estado que diz que contribuem com um bilhão de dólares em receita fiscal anual para ajudarem o estado a superar a sua crise orçamentária. A situação é incerta e muda depressa na Califórnia, mas parece duvidoso que mesmo os federais possam voltar no tempo à época anterior à Proposição 215.

A maconha medicinal continua se expandindo

O Novo México virou o 12º estado a adotar uma lei de maconha medicinal neste ano, enquanto que Rhode Island tornou a sua lei permanente. O Connecticut aprovou uma lei de maconha medicinal, apenas para que a governadora republicana Jodi Rell a vetasse. Também houve trabalhos dedicados pela maconha medicinal em andamento nas legislaturas de Illinois, Minnesota, Novo Hampshire, Nova Iorque e Tennessee, onde projetos de lei foram apresentados em cerca de mais 15 estados. Tanto o Wisconsin como o Michigan estão para presenciar trabalhos dedicados no ano que vem, o primeiro na legislatura e o segundo através do processo de iniciativas, enquanto que alguns dos estados em que os trabalhos entraram em andamento podem passar para a ofensiva. Vide o nosso panorama do início do ano e o do fim da temporada para maiores detalhes.

A redução de danos faz alguns avanços

Após anos de tentativas, enfim a legislatura de Nova Jérsei aprovou leis sobre a troca de seringas há aproximadamente um ano e, no mês passado, o primeiro programa legal de troca de seringas do estado foi inaugurado em Atlantic City. Neste mês, o Congresso finalmente suspendeu a sua proibição, que já durava nove anos, contra o emprego do próprio dinheiro do Distrito de Colúmbia para financiar um programa de troca de seringas. Enfim, parece que os benefícios das trocas de seringas para a redução de danos estão perdendo parte da sua controvérsia. Enquanto isso, em abril, o governador Bill Richardson do Novo México sancionou a lei do Bom Samaritano, que protege as pessoas que procuram atendimento médico para vítimas de superdose. É a primeira vez que isso acontece. No Litoral Leste, estão debatendo os limites da redução de danos politicamente aceitável nos EUA com uma discussão acerca dos injetórios são-franciscanos. Também seria a primeira vez que isso acontece. O fato de que finalmente esteja sendo levado a sério em alguma parte dos EUA é significativo em si mesmo.

A frustração da reforma na HEA é uma lição da veleidade do Congresso dos EUA e da política antidrogas pré-eleitoral

Após conseguir um revés parcial do dispositivo antidrogas da Lei de Ensino Superior [Higher Education Act] (vulgo “Pena de Eliminação do Auxílio” [Aid Elimination Penalty]) em 2006, os defensores da revogação contavam com os congressistas democratas para derrubá-lo completamente neste ano – ou pelo menos tentá-lo. A princípio, as coisas pareciam estar bem quando, em junho, o Comitê HELP do Senado dos EUA aprovou a remoção da pergunta sobre as drogas do formulário para a obtenção da ajuda financeira federal, embora não revogasse a própria lei como parte do aguardadíssimo projeto de renovação da HEA. Porém, logo as coisas deram errado no plenário do Senado quando o presidente, o senador Ted Kennedy (D-MA), quem atribuía a palavra a respeito do projeto de lei, permitiu que o senador Lindsey Graham (R-SC) apresentasse uma emenda que riscava esse texto sem oposição. Contudo, esperava-se que a Câmara aprovasse uma lei revogatória que pudesse sobreviver no comitê de conferência, mas essa esperança também fracassou quando o deputado George Miller (D-CA), presidente do Comitê de Educação e Trabalho da Câmara, se recusou a deixar que se votasse na emenda ab-rogatória em razão do seu possível impacto orçamentário e, em lugar disso, autorizou o deputado Mark Souder (R-IN), o autor do dispositivo antidrogas, a apresentar a própria emenda dele para limitar mais o alcance da sua medida. Bom, como é mesmo aquele antigo ditado sobre os políticos e as promessas deles?

A guerra às drogas do México se intensifica e os EUA preparam um enorme pacote de ajuda

Felipe Calderón, o presidente entrante do México, começou o primeiro ano dele no poder enviando soldados a Tijuana para que ocupassem a cidade e o encerrou declarando que a guerra às drogas era a mais alta prioridade dele e enviando mais soldados para a ocupação de Reynosa. Nesse ínterim, Calderón mandou milhares de efetivos a vários estados e cidades para travarem a guerra às drogas. Prenderam milhares e apreenderam muitíssimas drogas, mas não causaram um impacto perceptível no fluxo de drogas que vai para o norte e foram acusados de vários abusos dos direitos humanos. Apesar do combate às drogas de Calderón, a violência relacionada com a proibição matou uma estimativa de 2.500 pessoas neste ano, uma alta histórica. Calderón pode ser criticado no México, mas foi celebrado em Washington, que prepara um pacote de assistência antidrogas de $1.4 bilhão. Não há sinal de que as coisas estejam melhorando no México, apesar das tentativas de Calderón, e se o “Plano México” acabar sendo como o Plano Colômbia, as coisas podem piorar bastante.

A paz da coca na Bolívia

Neste ano, não escrevemos muito sobre a Bolívia e isso é um bom sinal. Desde que Evo Morales, ex-líder do sindicato cocaleiro, chegou à presidência em dezembro de 2005, ele fez uma mudança das políticas de “coca zero” dos seus predecessores que eram impostas pelos EUA para a de “coca, sim; cocaína, não”, e, conseqüentemente, o conflito nos cocais caiu enormemente. Os cocaleiros informaram que havia paz, se não prosperidade e embora os EUA e o Conselho Internacional de Controle dos Entorpecentes se queixassem da autorização, de parte de Morales, da expansão limitada do cultivo de coca, não têm apresentado uma firme oposição. A Bolívia, o terceiro maior produtor de coca do mundo, agora está em contraste marcado com o Peru, o número dois, onde os trabalhos de erradicação provocaram greves e conflitos com os cocaleiros várias vezes, e a Colômbia, o número um, onde apesar dos mais de $6 bilhões em assistência estadunidense, a produção continua a mesma, assim como a guerrilha que se intensifica. As coisas não são um mar de rosas nos cocais da Bolívia, mas isto é uma tremenda melhoria nas situações econômica, política e dos direitos humanos dos cocaleiros.

No Canadá, uma batalha campal se aproxima pela abordagem repressiva dos conservadores às políticas de drogas

Durante a maior parte desta década, os reformadores estadunidenses consideraram o Canadá como bastião da razão e da tolerância quando se trata das políticas de drogas. Embora essa consideração fosse um pouquinho exagerada, é certo que as coisas mudaram para pior com a eleição do governo conservador do primeiro-ministro Stephen Harper. Somente depois de uma campanha concertada nacional e internacionalmente foi que o governo dele concedeu a contragosto uma isenção ao injetório de Vancouver e apenas por seis meses. Harper e os ministros dele caçoaram da própria idéia de redução de danos e, neste segundo semestre, anunciaram que a nova Estratégia Nacional Antidrogas deles não receberia verbas para ela. Algumas semanas depois, os conservadores apresentaram o seu novo projeto sobre os delitos de drogas, com sentenças mínimas obrigatórias para alguns deles, inclusive cultivar maconha. Isso tem provocado uma enorme briga, que vai se desdobrar no ano que vem. Será que o Canadá vai marchar resolutamente para trás em direção ao Século XX? Fique ligado.

O Afeganistão e a papoula

Seis anos depois que os EUA invadiram o Afeganistão, nem a tentativa de derrotar o Talibã nem a guerra contra a papoula estão indo bem das pernas. As baixas dos EUA e da OTAN estão em alta e a papoula continua batendo novos recordes todos os anos. Agora, o Afeganistão responde por 92% da oferta global de ópio e os EUA e seus aliados da OTAN fazem frente a um verdadeiro dilema: Ir atrás dos cultivos e conduzir os agricultores aos braços pacientes do Talibã ou ficar de braços cruzados e observar o Talibã lucrar maravilhosamente com o tráfico. Enquanto isso, as propostas de simplesmente açambarcar o cultivo e desviá-lo para empregos medicinais estão erodindo o consenso proibicionista, já que todos, de institutos de consultoria canadenses e parlamentares britânicos ao Parlamento Europeu, concordam em apoiar tal plano. No fim do ano, o governo dos EUA anunciou que desistira das tentativas de fumigar as papoulas em vista da oposição do governo afegão, dos aliados da OTAN e até do Pentágono e da CIA. Agora, os EUA voltam à estaca zero e o Afeganistão continuará sendo uma questão crucial no futuro imediato com certeza.

Resource: Reformer's Calendar Accessible Through DRCNet Web Site

Posted in:

https://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
DRCNet's Reformer's Calendar is a tool you can use to let the world know about your events, and find out what is going on in your area in the issue. This resource used to run in our newsletter each week, but now is available from the right hand column of most of the pages on our web site.

The Reformer's Calendar publishes events large and small of interest to drug policy reformers around the world. Whether it's a major international conference, a demonstration bringing together people from around the region or a forum at the local college, we want to know so we can let others know, too.

But we need your help to keep the calendar current, so please make sure to contact us and don't assume that we already know about the event or that we'll hear about it from someone else, because that doesn't always happen.

Resource: DRCNet Web Site Offers Wide Array of RSS Feeds for Your Reader

Posted in:

RSS feeds are the wave of the future -- and DRCNet now offers them! The latest Drug War Chronicle issue is now available using RSS at http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed online.

We have many other RSS feeds available as well, following about a hundred different drug policy subtopics that we began tracking since the relaunch of our web site this summer -- indexing not only Drug War Chronicle articles but also Speakeasy blog posts, event listings, outside news links and more -- and for our daily blog postings and the different subtracks of them. Visit our Site Map page to peruse the full set.

Thank you for tuning in to DRCNet and drug policy reform!

Weekly: Blogging @ the Speakeasy

Along with our weekly in-depth Chronicle reporting, DRCNet has since late summer also been providing daily content in the way of blogging in the Stop the Drug War Speakeasy -- huge numbers of people have been reading it recently -- as well as Latest News links (upper right-hand corner of most web pages), event listings (lower right-hand corner) and other info. Check out DRCNet every day to stay on top of the drug reform game!

https://stopthedrugwar.org/files/dc-beer-raid-small.jpg
prohibition-era beer raid, Washington, DC (Library of Congress)

Since last issue:

Scott Morgan brings us: "Traffickers Are Hiring Flat-chested Women to Smuggle Drugs in Their Bras", "Texas Cop Says 'Put Addicts in Jail Where They Belong,'" "New Deputy Drug Czar: 'We Have One Year Left,'" "FOX News Bars Drug Policy Discussion From the Republican Debates by Excluding Ron Paul" and "You Can't Protect the Children's Futures by Putting Them in Jail for Marijuana."

David Guard posts numerous press releases, action alerts and other organizational announcements in the In the Trenches blog.

Please join us in the Reader Blogs too.

Thanks for reading, and writing...

Students: Intern at DRCNet and Help Stop the Drug War!

Posted in:

Want to help end the "war on drugs," while earning college credit too? Apply for a DRCNet internship for this fall semester (or spring) and you could come join the team and help us fight the fight!

DRCNet (also known as "Stop the Drug War") has a strong record of providing substantive work experience to our interns -- you won't spend the summer doing filing or running errands, you will play an integral role in one or more of our exciting programs. Options for work you can do with us include coalition outreach as part of the campaign to repeal the drug provision of the Higher Education Act, and to expand that effort to encompass other bad drug laws like the similar provisions in welfare and public housing law; blogosphere/web outreach; media research and outreach; web site work (research, writing, technical); possibly other areas. If you are chosen for an internship, we will strive to match your interests and abilities to whichever area is the best fit for you.

While our internships are unpaid, we will reimburse you for metro fare, and DRCNet is a fun and rewarding place to work. To apply, please send your resume to David Guard at [email protected], and feel free to contact us at (202) 293-8340. We hope to hear from you! Check out our web site at http://stopthedrugwar.org to learn more about our organization.

Appeal: DRCNet Made Amazing Progress in 2007 and We Need Your Help for 2008

Posted in:

Dear DRCNet reader:

StoptheDrugWar.org (DRCNet) is at a very interesting and promising point, and I am writing to seek your support for our organization at this time. In brief, first, and then in more depth:

  1. We have enormously increased our web site visitation, with most of the increase being new people who don't read about drug policy or legalization on a regular basis. We have achieved this by capturing an audience share on the popular "Web 2.0" sites like Digg.com where readers nominate and vote on which articles should go to "the top," the only drug reform group to achieve this success on an ongoing basis.
  2. We have taken concrete steps to expand the range of issues in which we actively do advocacy including: the explosive issue of the overuse of SWAT raids in drug cases with the sometimes deadly consequences (visit http://stopthedrugwar.org/policeraids for further information); the penalties for drug offenders and their families in welfare and public housing law, expanding the major coalition we've already built on the similar college aid law; and continued work on the college aid law. Initial steps have been taken to engage the Afghanistan opium issue as well.
  3. We have expanded our public education efforts on the drug prohibition/legalization question itself, with more on the way (http://stopthedrugwar.org/legalization).
  4. We have continued the most important aspects of our program from before, including the Drug War Chronicle newsletter, and our leveraging of our programs to benefit the work of other groups.
  5. Further site work in the short- and medium- term pipeline should have additional major effects.

WEB SITE

https://stopthedrugwar.org/files/monthly-views-web.jpg
As you may know from emails I've sent to the list, our web site underwent a major redesign during the summer of 2006, plus an expansion of our publishing (adding the daily content model – blogging, latest news links, daily posting of announcements and releases and so forth from other organizations) commenced in Sept. '06. The immediate result was a substantial increase in our site traffic, with a gradual increase in traffic continuing most of the time for the next several months.

Around August last year, things started "going wild," with high profile links to DRCNet beginning to appear on major web sites, and more and more often ever since. We literally have had to have our server upgraded twice in order to handle the traffic, and are now negotiating a third upgrade. The chart appearing to the right, unique hosts by month on StoptheDrugWar.org (an estimate for the number of people), illustrates the trend.

I hope you'll agree that we are in a seriously different place now than before. To provide a flavor for how (in part) this has been accomplished, we here list "big hits" that StoptheDrugWar.org has had since fall 2006 – "big hits" defined as articles getting 4,000 "reads" or more. (These numbers were last updated on Nov. 26, so there have been new "big hits," as well as increases in the totals for the articles listed, especially the most recent.) The key point is not just how many times our stories have gone "big," but how much more often it is happening now compared with a year or more ago. Here they are:


9/29/2006 Feature: Colorado Marijuana Legalization Initiative Trails, But the Fight Is On (7,013 reads) 9/29/2006 Feature: Nevada Marijuana Initiative Organizers See Tight But Winnable Race Going Into Final Stretch (5,155 reads) 12/15/2006 Feature: Clamor Grows for Freedom for Texas Marijuana Prisoner Tyrone Brown (20,190 reads) 2/5/2007 Feature: The Conviction That Keeps On Hurting -- Drug Offenders and Federal Benefits (4,570 reads) 2/16/2007 The Anti-Dobbs: Winning the War Within Through Drug Legalization (5,781 reads) 2/23/2007 Drug War Chronicle Book Review: "Lies, Damned Lies, and Drug War Statistics: A Critical Analysis of Claims Made by the Office of National Drug Control Policy," by Matthew Robinson and Renee Scherlen (13,143 reads between two copies) 3/23/2007 Feature: "Bong Hits 4 Jesus" Free Speech Case Goes to the Supreme Court (4,354 reads) 4/13/2007 Feature: The War on Salvia Divinorum Heats Up (15,180 reads) 4/25/2007 ONDCP Admits Exaggerating Marijuana Potency (10,589 reads) 5/25/2007 Middle East: Opium Poppies Flower Again in Iraq (5,356 reads) 5/25/2007 Feature: Border Blues -- Canada, US Both Bar People Who Used Drugs -- Ever (4,046 reads) 6/1/2007 Medical Marijuana: Rhode Island Bill Passes With Veto-Proof Majorities (11,959 reads) 6/8/2007 Feature: Canadian Mom Searching for Missing Daughter Denied Entry to US Over 21-Year-Old Drug Conviction (8,754 reads) 6/25/2007 Justices Stevens, Souter, & Ginsburg: Drug Policy Reform Sympathizers? (8,050 reads) 6/28/2007 Editorial: Two Good Reasons to Want to Legalize Drugs (6,185 reads) 7/10/2007 Rudy Giuliani Hates Medical Marijuana, But He Loves OxyContin (15,090 reads) 7/26/2007 Analysis: Who Voted for Medical Marijuana This Time? Breakdown by Vote, Party, and Changes from '06 (7,227 reads between two copies) 7/30/2007 San Francisco Orders Medical Marijuana Dispensaries to Sell Fatter Bags (7,438 reads) 8/2/2007 New Study: Marijuana Does Not Cause Psychosis, Lung Damage, or Skin Cancer (49,721 reads) 8/6/2007 Press Release: Marijuana Dealers Offer Schwarzenegger One Billion Dollars (72,302 reads) 8/6/2007 Marijuana Dealers Offer Schwarzenegger One Billion Dollars (48,654 reads) 8/14/2007 Police Often Lack Basic Knowledge About Marijuana (21,612 reads) 8/15/2007 Who's Planting All That Pot in the Woods? (6,694 reads) 8/23/2007 Drug War Prisoners: 86-Year-Old Alva Mae Groves Dies Behind Bars (6,821 reads) 8/30/2007 Drug Testing Encourages Cocaine, Heroin, and Meth Use (20,291 reads) 9/26/2007 Why Do Police Really Oppose Marijuana Legalization? (20,994 reads) 10/5/2007 McCain and Giuliani Say Terrible Things to a Medical Marijuana Patient (39,636 reads) 10/10/2007 The Truth About Why Republican Candidates Oppose Medical Marijuana (4,801 reads) 10/16/2007 Digg & Reddit Users Want to Legalize Marijuana (16,576 reads) 10/22/2007 DEA Director Resigns, Says She Had an Awesome Time (11,182 reads) 10/24/2007 This Man Receives 300 Marijuana Joints a Month From the Federal Government (40,075 reads) 10/31/2007 Cowards: Democratic Front-Runners Reject Marijuana Law Reform (6,608 reads) 11/2/2007 Feature: Can Medical Marijuana Cost You Your Kid? In California, It Can (15,105 reads) 11/5/2007 Drug Scare: Kids in Florida are Getting High by Sniffing Feces (7,797 reads) 11/13/2007 Marijuana Evolves Faster Than Human Beings (27,144 reads) 11/23/2007 John McCain's Awful Response to a Cop Who Wants to End the Drug War (34,950 reads) 11/23/2007 Feature: On the Anniversary of Kathryn Johnston's Death, Poll Finds Most Americans Oppose Use of SWAT-Style Tactics in Routine Drug Raids (7,183 reads)

ISSUE EXPANSION

As mentioned briefly above, we have begun our first foray into the explosive issue of the overuse of SWAT teams in low-level drug enforcement, the kind of practice that led to the killing of 93-year-old Kathryn Johnston in Atlanta last year. In October we commissioned a set of polling questions (our first) in a likely voter poll conducted by the Zogby firm. One of them asked if police should use aggressive entry tactics in non-emergency situations. (The text of the question, which recounted the Johnston tragedy and listed a few specific tactics, along with other info about the issue including extensive recommendations of how policy should change appears on our web site at http://stopthedrugwar.org/policeraids, and our Chronicle article about it appears at http://stopthedrugwar.org/chronicle/511/two_thirds_oppose_SWAT_raids_kat... – it has continued to get traffic since the data compilation listed above, and now has almost 10,000 reads.) We got 66% of respondents on our side, including a majority of conservative and very conservative voters, politically a strong result.

There's a lot more to say about our issue expansion and our activist plans in the raids issue -- please email David Borden at [email protected] for further info.

ANTI-PROHIBITION ADVOCACY

Another question included in the aforementioned Zogby poll asked, "If hard drugs like heroin or cocaine were legalized, would you be likely to use them?" A mere 0.6% of respondents answered yes. While the poll should be thought of as more qualitative as quantitative -- people don't always predict their future behavior accurately -- the results clearly show that almost all Americans have strong reasons for not wanting to use these drugs that are not limited to the laws against them. Therefore the prohibitionists' specter of massive increases in addiction and social implosion following legalization isn't a sound assumption to make.

The web page http://stopthedrugwar.org/legalization presents this result, as well as links to our many "consequences of prohibition" news category feeds. We have also had video footage from our 2003 Latin American legalization conference formatted for the popular YouTube web site, so that people can run the videos from their own web sites. Videos available so far are linked from the same legalization main page. A major component of our strategy is the idea of promoting the voices of respected leaders who are pro-legalization, in order to use the persuasiveness of their reputations to shift public opinion. With the web site successes of the past several months, and certain technical issues being addressed by a web site designer over the next couple of months, we will also soon be launching our VIP blogger series, also fitting into this strategy. Other publishing is on the way too.

DRUG WAR CHRONICLE AND SUPPORT FOR OTHER GROUPS

One of the particularly gratifying aspects of our web site success is that at times we have been able to bring other groups along with us. By this I refer primarily to the use of YouTube video – as mentioned above, a way that different web sites can easily present the same video clips without having to host copies of the footage on their own servers. Among our "big hits" articles are blog posts running video footage from Law Enforcement Against Prohibition (one of their speakers posing a tough question to John McCain that he answers in an unbelievable way), the DrugTruth Network (an interview conducted during the NORML conference with federally legal medical marijuana patient Irv Rosenfeld), and MPP's "Granite Staters" New Hampshire presidential candidates and medical marijuana campaign. YouTube's stats indicate that roughly a third of the people visiting our web pages running these videos actually click to watch the videos (though after a certain amount of time the YouTube stats start omitting older data).

The stats also indicate that our relative effectiveness for getting out the drug reform message in terms of number of people can actually be greater than the most widely visited web sites that cover lots of different issues. For example, of the 36,000+ readers we had on the aforementioned John McCain story, nearly 13,000 clicked to watch the video itself, accounting for more than half of the total views the video has gotten. An article about the encounter on the widely-read Huffington Post blog, by contrast, garnered not quite 1,400 views for the video. Our post with the Irv Rosenfeld video on DrugTruth, and our post featuring outrageous McCain and Giuliani footage responding to a medical marijuana patient with Granite Staters, both have garnered over 40,000 reads. Hence, our cooperative approach of promoting the work of other organizations has extended to the new web site format, and we are thereby in some cases getting them a lot of exposure.

Here are a few of the testimonials we've received recently for how readers put the Chronicle to use:


I read Drug War Chronicle assiduously to be up to date on the failing drug war.
- Gustavo de Greiff, former attorney general of Colombia, chair of Latin American drug reform network REFORMA

As LEAP [Law Enforcement Against Prohibition]'s representative in Washington, DC I read without fail the weekly Drug War Chronicle and have for years. This allows me to quickly and without wasted time know what events and people are shaping policy. To date I have met with staffers from half of the 535 offices on Capitol Hill. Years of reading the Chronicle have made me informed and able to speak knowledgeably on all facets of the New Prohibition. It is an invaluable tool I use constantly.
- Officer Howard J. Wooldridge (Retired)

The Drug War Chronicle is the first place I send people who want to know more about what is going on in drug policy today.
- Tyler Smith, Associate Director, Interfaith Drug Policy Initiative

I'm an award-winning investigative journalist. I've heard about things on DRCNet that I then turned into articles for the likes of Rolling Stone and Wired magazines.
- Vince Beiser

Drug War Chronicle is useful for me and my staff to keep us up to date on issues around drug policy and practice. We hear from hundreds of DC prisoners caught up in this nightmare and have little time to keep current on the issues you report on.
- Philip Fornaci, Director, D.C. Prisoners' Project, Washington Lawyers' Committee for Civil Rights

I find Drug War Chronicle very helpful in doing grassroots activism. I serve on my county's Substance Abuse Advisory Board and Substance Abuse Prevention Association and as the community co-chair for the Washington State HIV Prevention Planning Group. I have used information from Drug War Chronicle to bring others in my community to recognize the need for drug policy reform. As a member of the Substance Abuse Advisory Board I have been able to circulate materials to all members of county government.
- Monte Levine

I host a weekly radio program where we discuss issues related to the failed war on drugs and the prison industrial complex. We use the DRCNet as a resource every week. DRCNet makes this activism work so much easier, by providing a resource that is accessible, not only as a tool for research, but as an interpreter in this political world. Occasionally, a guest will need to cancel at the last minute. This hazard is part of live radio, and our way of being prepared is to have the DRCNet information in hand, ready to share with listeners.
- Sharon North, Shattered Lives Radio, KZFR, 90.1 FM, Chico, CA.

Here in the Netherlands we use a lot of your paper to write our own monthly "war in drugs journal" made by the Legalize! Foundation.
- Has Cornelissen, Stichting Legalize!

I use stories from Drug War Chronicle to lead high school juniors and seniors in an on-going inquiry into the Drug War as a model of failed public policy. DWC enables me to track current issues, update my materials, and stay connected to the drug policy reform community so I can continue my work of developing in young people a deep and critical understanding of the world in which they are coming of age.
- Jeanne Polk Barr, Chair, History Dept., Francis W. Parker School, Chicago

I am editor of The Liberator Online, a libertarian email newsletter. With almost 70,000 readers, it is as far as we know the largest-circulation libertarian publication of any kind. It is published by the Advocates for Self-Government, a non-profit non-partisan libertarian educational organization. I use Drug War Chronicle and DRCNet as a source for information on Drug War-related issues of interest to our readers. In fact, we have a story based on a DWC item (Sen. Mike Gravel's support for drug law reform) in our current issue.

I used information in an article to help form a scholarship for those convicted of a drug crime who have lost federal funding for school. Now, we are aiming to expand the scholarship to other universities and community colleges. Thanks for your help!

WEB SITE DEVELOPMENT PLANS

Plans in the works for StoptheDrugWar.org have the potential to achieve as much for the site's reach and impact as the work already done has achieved. Along with some needed improvements and fixes to our logon, commenting, and list subscription frameworks, we will be executing major improvements to how we promote our material to the aforementioned "Web 2.0" sites that have driven so much traffic to our site already. Right now, we are only doing a good job of promoting our material to the site Digg, and only for our blog posts. Our minor redesign will make the Digg links on our pages more prominent, will add them to our Drug War Chronicle pages and elsewhere, and will add links to promote articles to other important sites where we've had some success already, like Stumbleupon, Reddit and Netscape. This is a logical extension of a strategy that has already been very successful.

Plans are also underway to dramatically expand the background information we have available on all the different drug policy issues, using the technology available through our web site system to present it in some pretty powerful ways. (Here again, more later.)

I hope you can tell from the foregoing how excited we are about the state of DRCNet's work at this juncture, and how important we feel it is to continue to push forward at full strength. With your continued support, we will build on our successes reaching wider online audiences. We will take on the explosive issue of reckless police raids. We will expand the coalition opposing the college aid drug conviction penalty to include the similar laws in welfare and public housing. We will get the message out about the urgent need for legalization and the impressive people who support that viewpoint. We will continue to publish Drug War Chronicle to empower activists throughout the drug policy reform movement, and to educate the media, policymakers and the general public. And we will put in place new, important sections of our web site to increase the reach and impact of our educational work even further. Thank you for your support and for being part of the cause.

Sincerely,


David Borden, Executive Director

P.S. Contributions of $50 or more can be credited toward our first (not-yet-selected) book premiums of 2008. (You'll need to remind us after we send out the upcoming premium announcements.) Remember that tax-deductible donations should be made payable to DRCNet Foundation. (The amount that is deductible will be reduced by the retail price of any gift(s) you select.) Non-deductible donations for our lobbying work should be made payable to Drug Reform Coordination Network.

P.P.S. In case you would like to donate at this time, I am providing the information here for your convenience: DRCNet Foundation (for tax-deductible donations supporting our educational work) or Drug Reform Coordination Network (for non-deductible donations supporting our lobbying work), P.O. Box 18402, Washington, DC 20036, or http://stopthedrugwar.org/donate online. (Contact us if you'd like information on donating stock.)

P.P.P.S. Please feel free to call us at (202) 293-8340 if you'd like to discuss any of our programs or have other questions or concerns.

Weekly: This Week in History

Posted in:

January 9, 1923: US Labor Secretary Davis endorses the idea of a national campaign against the peril of habit-forming drugs.

January 5, 1985: Colombia extradites four drug traffickers to Miami. Within days, the US becomes aware of the Medellin cartel's "hit list" which includes embassy members, their families, US businessmen and journalists.

January 4, 1986: Ronald Reagan in a radio address to the nation on relations with Mexico and Canada calls for efforts to be redoubled "to bring this illegal trade, this trafficking and the warping and destruction of human life, to the end."

January 8, 1990: General Manuel Noriega is convicted on eight counts of drug trafficking, money laundering, and racketeering, and sentenced to 40 years in Federal prison.

January 9, 1996: DEA agents in Miami arrest Jorge Luis Cabrera, a 1995 $20,000 donor to the Democratic Party who was invited to a Christmas party that year by Hillary Rodham Clinton. He is busted along with four partners in possession of 6,000 pounds of cocaine.

January 7, 1997: The US House of Representatives votes 226-202 in favor of 25 changes to internal House rules, including requiring House members and their staffs to be tested for illegal drug use.

January 5, 1998: In a speech given to his constituents, House Speaker Newt Gingrich (R-Georgia) calls on his fellow politicians to dramatically increase federal anti-drug efforts. "Just say, now, what does it take to seal off the border?" Gingrich asks. "What does it take to go after drug dealers? What does it take, frankly, to raise the cost for drug users?" Gingrich urges Drug Czar Barry McCaffrey to map a "World War II-style battle plan," to end drug use in America.

January 8, 1998: Rep. Bobby Moak's (R-Lincoln County) Mississippi House Bill 196 proposes "The removal of a body part in lieu of other sentences imposed by the court for violations of the Controlled Substances Law." Moak tells reporters that he introduced the legislation because he felt the state wasn't doing enough to combat drug use. Provisions in the bill mandate that the convicted person and the court "must agree on which body part shall be removed."

January 6, 1999: A lawsuit is filed in Paris accusing Fidel Castro of international drug trafficking.

January 6, 2001: General Barry McCaffrey steps down from his post as Director of the Office of National Drug Control Policy (ONDCP).

Death Penalty: Iran, Vietnam Ring In New Year With More Executions, Death Sentences

Both Iran and Vietnam greeted the new year by resorting -- yet again -- to the ultimate sanction for drug trafficking offenders. In Vietnam, eight convicted heroin traffickers were sentenced to death this week, while in Iran, five drug traffickers were among 13 people executed Wednesday.

https://stopthedrugwar.org/files/tehran.jpg
International Anti-Drugs Day drug burn, Tehran
The Vietnam death sentences bring to at least 43 the number handed down for drug trafficking since the end of November. In the latest verdict, eight members of a gang that trafficked heroin from northwestern Son La province near the Laotian border to Hanoi, Haiphong, and Ho Chi Minh City got the death sentence. The court sentenced 29 others to lengthy jail terms, including 18 sentenced to life in prison.

While opium use has a centuries-old tradition in Vietnam, the Communist government has wiped out most large-scale poppy production. But trafficking from other Southeast Asian nations has been on the rise, drug use has increased sharply since the 1990s, and "heroin continues to be the preferred drug among younger drug abusers," according to the UN Office on Drugs and Crime.

Iran, facing a flood of Afghan opium and heroin, has embraced a similarly final response. The three drug traffickers hanged Wednesday in Qom and the two hanged the same day in Zahedan were only the latest in the Islamic Republic's ongoing battle against trafficking. Last year, Iran carried out 297 executions, with an unknown but sizeable number of them for drug trafficking.

Under Iranian law, anyone found trafficking more than 30 grams (slightly more than an ounce) of heroin or five kilograms of opium is eligible for the death penalty.

That's the way it should be, said a judicial official in Qom. "By implementing God's law, we are increasing security in society and we are sending a message that Qom is not a safe haven for those who break the law," said local judiciary official Hoda Torshizi. But the drugs continue to flow unabated, proving that even state killings en masse can't compete with supply and demand.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, Vaping, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Pill Testing, Safer Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psilocybin / Magic Mushrooms, Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School