Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Weekly: Blogging @ the Speakeasy

Along with our weekly in-depth Chronicle reporting, DRCNet has since late summer also been providing daily content in the way of blogging in the Stop the Drug War Speakeasy, as well as Latest News links (upper right-hand corner of most web pages), event listings (lower right-hand corner) and other info. Check out DRCNet every day to stay on top of the drug reform game!

http://stopthedrugwar.org/files/speakeasy1-reduced.gif
Speakeasy photo (courtesy arbizu.org)

This week:

Scott Morgan gets a hit on reddit.com with "Justices Stevens, Souter, & Ginsburg: Drug Policy Reform Sympathizers?," and opines on "Marijuana Policy Reformers Don't ''Hide Behind AIDS and Cancer Patients','" "Is it Ok to Out Prohibitionist Politicians for Past Pot Use? Yes," "DEA Official: Marijuana Will Kill You," "ONDCP Still Fuming About New Mexico's Medical Marijuana Law," "Bong Hits 4 Jesus: Today's Ruling Does Not Affect Political Speech" and "Do Firefighters Get Stoned When a Stashhouse Burns Down?"

Phil Smith authors "Let's Celebrate UN Anti-Drug Day... By Killing People," "The Latest Imprisonment Numbers Are Out; No Surprises," and "Plane Crash, Missing Person Search Hinder Pot Crop."

David Borden pens "Newark's leaders are starting to talk sense -- maybe big time," "Christiania is in trouble again (video)," and "''End Racial Profiling Act'' coming to Congress soon..."

David Guard has been busy too, posting a plethora of press releases, action alerts, job listings and other interesting items reposted from many allied organizations around the world in our "In the Trenches" activist feed.

Join our Reader Blogs here.

Thanks for reading, and writing...

Appeal: A Victory is In the Works, With Your Help

Posted in:

Years of work have brought DRCNet and our allies near to an historic victory in Congress. Since 1998 DRCNet has campaigned for repeal of an infamous law, authored by drug warrior congressman Mark Souder, that delays or denies federal financial aid to would-be students because of drug convictions. This month a committee of the US Senate approved a bill that among other things would remove the "drug question" from the federal financial aid form -- not quite full repeal, but close -- the fight is not over yet, though, and we need your donations to help us finish the job.

DRCNet's most recent work to bring this about include organizing sign-on letters under the banner of the Coalition for Higher Education Act Reform (CHEAR), including one sent to US Senators and signed by 120 organizations including many of the nation's largest advocacy groups. We founded CHEAR in 1999 -- a few months after the law was passed, but before it took effect -- and have built it up ever since -- just one part of the multi-faceted effort we've put in to bring things to this point. (Visit http://www.raiseyourvoice.com to learn more.)

 

Your donations will enable us to lobby hard the next few months to protect this victory and to push to turn it into something even bigger -- full repeal of a federal drug law, something that hasn't happened in the US since 1970. And your donations will turn this already successful campaign into a larger one taking on more "collateral consequences" of the drug war -- mobilizing the groups we've worked with already to repeal similar bans in welfare and housing and voting law, to get sentencing laws changed and more. We've been "pounding the pavement" going to the places we need to be to find the partners we need for this expanded effort, and we need your donations to pay for staff hours to continue and to put those connections to work.

 

So please make a generous donation to DRCNet today, to support this campaign, and to help us take it into the next stage. Visit http://stopthedrugwar.org/donate to make a donation online, or send your check or money order to: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036. Donations to Drug Reform Coordination Network to support our lobbying work are not tax-deductible. Tax-deductible donations to support our educational work can be made payable to DRCNet Foundation, same address. We can also accept contributions of stock -- email borden@drcnet.org for the necessary info. Thank you in advance for your support.

 

Sincerely,

 

David Borden, Executive Director

P.O. Box 18402

Washington, DC 20036

http://stopthedrugwar.org

 

 

 

 

 

 

 

2002 press conference DRCNet organized for CHEAR, with ten members of Congress participating.

Europe: Scottish Police Chief Says Time to Consider Prescribing Hard Drugs

A leading Scottish police official has inserted himself into the ongoing debate over drug policy in Scotland by saying that law enforcement alone is not working and that drug courts and even the prescribing of Class A drugs to users should be considered. John Vine, Chief Constable of Tayside Police made the remarks in a Monday interview with BBC Scotland.

http://stopthedrugwar.org/files/johnvine.jpg
John Vine
"I don't think we are winning the war against drugs just by enforcement alone," Vine said. "We need to continue that effort and reassure communities that we are going to be there for them but we also need to talk to politicians and health authorities to see whether we can do something differently to reduce the demand for Class A drugs," he said.

"I would like to see, for example, drugs courts being set up in the area and would also like to see possibly some debate about whether prescribing Class A drugs might be something the health authorities might consider."

Ecstasy, LSD, heroin, cocaine, crack cocaine, magic mushrooms, and injectable amphetamines are all considered Class A (most serious) drugs under the United Kingdom's drug classification scheme. But it is likely Vine is talking about heroin, and possibly cocaine and amphetamines, the illicit drugs that are associated with the greatest social problems in Scotland.

Heroin seizures had tripled in Tayside in recent years, Vine said. While his police force can continue to produce good arrest figures, he added, it is time for a dialogue between law enforcement, health authorities, and politicians to come up with a long-term solution. That may not be a popular notion, he said, but he would be willing to experiment in Tayside.

"There are people who will have a view as to whether this would be socially acceptable or whether this would have any chance of working," Vine told BBC Scotland. "I would like this force and this police area to be a pilot area for any initiative which might be regarded as innovative or risky which could be evaluated by experts to see whether we can reduce demand for acquisitive crime."

Perhaps the Scottish new prime minister of Britain will lend Chief Vine an ear.

Anúncio: Novo formato para o Calendário do Reformador

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Desejamos informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estiverem disponíveis.

Anúncio: Os feeds RSS da DRCNet estão disponíveis

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da Guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Anúncio: Agora os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis para a SUA página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página é dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, saiba também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Entre em contato conosco se quiser assistência ou informe-nos sobre o que está relacionando e aonde. E obrigado de antemão pelo seu apoio.

Semanal: Esta semana na história

28 de junho de 1776: A primeira versão da Declaração da Independência é escrita - em papel de cânhamo holandês. Uma segunda versão, a lançada no dia 04 de julho, também está escrita em papel de cânhamo. A versão final é copiada da segunda em pergaminho animal.

25 de junho de 1923: Durante um discurso em Denver, no Colorado, o senador Morris Shepard, um texano astuto que ajudou a instaurar a lei seca, diz: "Há tantas chances de revogar a Décima Oitava Emenda [que proibiu o álcool] quanto de que um beija-flor voe ao planeta Marte com o Monumento de Washington amarrado à sua cauda".

26 de julho de 1936: A Convenção para a Supressão do Tráfico Ilícito em Drogas Perigosas é assinado em Genebra.

24 de junho de 1982: Durante comentários sobre a Ordem Executiva 12368 feitos do Roseiral da Casa Branca, o presidente Ronald Reagan diz: "Vamos baixar a bandeira de rendição que pairou sobre tantos trabalhos antidrogas. Vamos hastear a bandeira de batalha".

27 de junho de 1991: A Suprema Corte sustenta, em uma decisão de 5 a 4, um estatuto do Michigan que impõe uma sentença obrigatória de prisão perpétua sem possibilidade de condicional para qualquer um condenado por porte de mais de 650 gramas de cocaína.

23 de junho de 1999: O governador do Novo México, Gary Johnson, diz: "A tal Guerra Contra as Drogas do país tem sido um fracasso desgraçado. Não funcionou. O problema das drogas está piorando. Acho que é o problema número um que o país enfrenta hoje em dia... Realmente precisamos pôr todas as opções sobre a mesa... e uma das coisas de que vai se falar é a descriminalização... O que estou tentando fazer aqui é lançar a discussão".

26 de junho de 2001: A China marca um dia internacional antidrogas da ONU realizando marchas em que pilhas de entorpecentes são queimadas e 60 pessoas são executadas por crimes de drogas. As autoridades chinesas executam centenas de pessoas desde abril em uma operação anticriminalidade rotulada "Golpe Duro" que contou com julgamentos acelerados e uso geral da pena de morte. [O ritual macabro tem sido repetido todos os anos desde então.]

27 de junho de 2001: Um artigo do Newsday intitulado "Censo: A guerra contra as drogas atinge os negros" [Census: War on Drugs Hits Blacks] informa: Os negros são menos de 3 por cento da população do Connecticut, mas respondem por 47 por cento dos internos nas prisões, cadeias e centros de reabilitação, mostram os dados do censo de 2000.

22 de junho de 2002: A Assembléia Geral da Associação Universalista Unitária aprova uma Declaração de Consciência chamada "Alternativas à guerra contra as drogas".

27 de junho de 2002: No caso Conselho de Educação do Distrito Escolar Independente No. 92 da Comarca de Pottawatomie vs. Earls, a Suprema Corte decide por 6 a 3 sustentar a política mais radical de exames toxicológicos a aparecer perante a Corte - um requerimento de exame para qualquer estudante de escola pública que procurar tomar parte em qualquer atividade extracurricular, um quase equivalente de uma política universal de exames.

25 de junho de 2003: O Tribunal Administrativo de Cundinamarca, na Colômbia, ordena o paro da fumigação com glifosato até que o governo obedeça ao plano de gerência ambiental para o programa de erradicação e ordena uma série de estudos para proteger a saúde pública e o meio ambiente.

Busca na rede

Montel Williams discute a maconha medicinal em The Morning Show com Mike e Juliet, KTTV-11, Los Ângeles

Tony Papa escreve sobre a Última vontade ao governador Spitzer [Dying Wish to Gov. Spitzer] de Veronica Flournoy, Counterpunch

animação da DPA, "Incarcerex", a droga dos políticos para reduzir "a ansiedade eleitoreira" - que tem os seus efeitos colaterais (para o país)

Desde a lei seca [ Up from Prohibition], comentário no New York Sun, instigado pelo novo livro "Dry Manhattan"

SlangTV, vídeo publicado atualmente sobre a proposta de autorização da papoula afegã

Cadê o debate sobre a reforma das políticas de drogas hoje em dia?, excerto de uma publicação vindoura da Transform

Repensando o encarceramento: Novas direções para reduzir a criminalidade [Reconsidering Incarceration: New Directions for Reducing Crime], novo relatório do Instituto Vera

Segurança pública, gastos públicos: Prognosticando a população prisional dos Estados Unidos 2007-2011 [Public Safety, Public Spending: Forecasting America's Prison Population 2007-2011], relatório do Desempenho de Segurança Pública dos Pew Charitable Trusts

Os países podem legalizar as drogas sozinhos? [Can individual countries legalize drugs?], vídeo com o destacado médico australiano, o Dr. Alex Wodak na página "HaRdCOREhARMREdUCER"

Oriente Médio: Dubai condena mais dois ocidentais à prisão por quantidades infinitesimais de drogas

O Tribunal de Primeira Instância de Dubai condenou mais dois ocidentais a sentenças de quatro anos de prisão por ter quantidades diminutas de drogas ilícitas enquanto transitavam pelo aeroporto de Dubai. A sentença mínima para o porte de drogas é de quatro anos nos Emirados Árabes Unidos.

No primeiro caso, um britânico de 25 anos, identificado penas como W.H., foi preso na semana passada por portar 0,07 grama de maconha e duas tiras diminutas de haxixe. O bretão infeliz disse ao tribunal que ele não pretendia trazer drogas a Dubai, mas simplesmente se esqueceu que os restos das drogas estavam nos bolsos dele. Ele será deportado depois de cumprir a sua sentença.

Nesta semana, um cidadão canadense empregado como consultor do Escritório da ONU Contra as Drogas e o Crime e conselheiro do Programa de Eliminação da Papoula Afegã foi preso por portar 0,06 grama de haxixe. Os tribunais de Dubai não identificam os réus, mas os informes da imprensa canadense o chamaram de Herbert William Tatham de Vancouver.

O advogado de Tatham, Saeed Al Gailani, disse durante uma audiência anterior que Tatham estava voltando de uma participação em uma campanha de erradicação das drogas e que ele devia ter colhido os vestígios de drogas durante o trabalho dele. "As calças dele devem ter colhido por engano a quantidade minúscula de haxixe", dissera o advogado.

Mas, o Tribunal de Primeira Instância de Dubai não se importou.

Oriente Médio: Irã enforca quatro por narcotráfico

No sábado, as autoridades iranianas enforcaram quatro narcotraficantes condenados na cidade portuária sulista de Bandar Abbas, de acordo com um informe da agência de notícias ISNA. Os enforcamentos elevam o número de execuções no Irã neste ano a 102. A república islâmica executou 177 pessoas no ano passado, de acordo com um relatório da Anistia Internacional.

Os executados foram Malek S., condenado por tráfico de pouco mais de 1 quilograma de heroína; Javad S., condenado por portar pouco mais de 28,5kg de ópio; e Qasem e Kavoos (não revelaram nem o nome nem o sobrenome), ambos condenados por portarem armas e quase 154 quilogramas de ópio.

Segundo a lei iraniana, os crimes capitais incluem não só o assassinato, a traição e a espionagem, mas também o estupro, o assalto à mão armada, a apostasia, a blasfêmia, a sodomia reincidente, o adultério, ou prostituição, e os crimes graves de narcotráfico.

Metanfetamina: Com laboratórios de metanfetamina chegando a quase zero, Nevada toma providência para rastrear os remédios para o resfriado

Na semana passada, o governador Jim Gibbons (R) sancionou um projeto de lei feito para dificultar o preparo caseiro de metanfetamina, mesmo apesar de que os reides contra os laboratórios de metanfetamina no Nevada caíram para quase zero. Em 2006, houve exatamente três laboratórios de metanfetamina descobertos no estado e nenhum até o presente momento neste ano.

O projeto, o AB 148, tira os remédios para o resfriado e a alergia vendidos sem receita que contenham pseudo-efedrina, um precursor químico da metanfetamina, das estantes das lojas de conveniência e exige que as farmácias vendam os produtos somente mediante a apresentação da receita. Os clientes que desejarem comprar tais artigos terão que apresentar identificação e assinar os seus nomes em um registro, que as forças de segurança poderão inspecionar em sua caça aos misteriosos laboratórios de metanfetamina evanescentes.

http://stopthedrugwar.com/files/dumb-bill-signing.jpg
o governador Gibbons sancionando o AB 148 - pelo menos sente que está fazendo algo
"Esta medida assistirá em nossas tentativas de combater a manufatura e o consumo desta droga perigosa", disse a primeira-dama do Nevada, Dawn Gibbons, na declaração de sanção do governador. "Com freqüência demais, vemos pequenos laboratórios caseiros que produzem metanfetamina a partir de remédios básicos para o resfriado que é possível comprar sem receita. Esta lei dará aos consumidores o acesso aos medicamentos de que precisam enquanto que, ao mesmo tempo, impede os produtores de metanfetamina de obter quantidades excessivas para os laboratórios caseiros deles", acrescentou, aparentemente sem saber nada sobre as últimas estatísticas acerca dos laboratórios de metanfetamina.

"Esta lei endurece as restrições sobre a venda de produtos vendidos sem receita usados amiúde na produção de metanfetamina", disse o governador Gibbons, igualmente ignorante. "Estas salvaguardas ajudarão a garantir que estes projetos sejam usados para os seus fins pretendidos".

Apesar dos parabéns mútuos entre o governador e a legislatura, onde o projeto foi aprovado por unanimidade nas duas câmaras, os oficiais da lei do Nevada reconheceram que a grande maioria da metanfetamina consumida agora no estado - e no país vem dos "superlaboratórios" mexicanos. O xerife da Comarca de Carson, Kenny Furlong, admitiu isso quando inquirido se não era o que estava acontecendo pelo Nevada Appeal. "É verdade, é bem verdade", respondeu.

"A legislação feita para dificultar a vida dos criminosos que preparam metanfetamina é mais uma ferramenta simbólica do que prática para as agências de segurança", observou o Appeal.

Mas, olha, pelo menos parece que estamos fazendo algo.

Maconha medicinal: Governadora do Connecticut veta projeto de lei

Na quarta-feira, a governadora do Connecticut, Jodi Rell (R), vetou um projeto que teria permitido o consumo de maconha medicinal no Constitution State. A Lei de Uso Compassivo [Compassionate Use Act] (HB 6715), aprovada pelo Senado estadual por uma votação de 23 a 13 depois de sair da Câmara com uma votação de 89 a 58 semanas antes, ambas as quais foram margens amplas - mas não à prova de veto.

http://stopthedrugwar.com/files/jodirell.jpg
a governadora Rell mostrou muita crueldade com os pacientes com o seu veto do projeto sobre a maconha medicinal do Connecticut
Para anular o veto da governadora, os defensores do projeto precisariam de 24 votos no Senado e de 101 votos na Câmara. Nenhum dos defensores legislativos do projeto fez qualquer manifestação pública sobre tentar uma anulação. A principal defensora, a deputada Penny Bacchiochi (R-Somers) foi citada em um artigo da Associated Press dizendo que ela ia trabalhar com a governadora em busca de uma lei de comprometimento no ano que vem.

Em sua mensagem de veto, a governadora Rell chorou lágrimas de crocodilo para os seus concidadãos do Connecticut que podiam se beneficiar com o consumo terapêutico de cânabis. "Embora o projeto procure proporcionar alívio aos pacientes que padecem de dores intensas e persistentes, o projeto de lei também exige que os pacientes ou os fornecedores principais tomem parte em uma atividade ilegal para consumir maconha".

"Não sou nenhuma estranha para as dores e o desengano incríveis associados com lutar contra o câncer e tenho pensado muito na decisão sobre assinar ou vetar este projeto", prosseguiu Rell. "Simpatizo completamente com a meta bem-intencionada de aliviar as dores e o sofrimento, mas há alternativas legais, o projeto força cidadãos honestos a procurar traficantes para fazerem uma compra e não há dispositivo para monitorar nem o consumo nem a prova de sua eficácia".

Rell também temia que sancionar o projeto de lei "passaria a idéia errada" aos jovens e observou que poucos médicos prescrevem maconha porque é uma infração da lei federal. O projeto teria permitido que os médicos emitissem recomendações, não prescrições.

O projeto teria permitido que os habitantes adultos que sofrem de doenças que incluem a AIDS, a EM e o câncer cultivassem maconha em casa assim que obtivessem uma recomendação e tivessem se inscrito junto ao estado.

Embora Bacchiochi expressasse alguma simpatia pelo exame de consciência da governadora sobre sancionar o projeto ou não, o senador estadual Andrew J. McDonald (D-Stamford), o vice-líder da maioria, disse depois que o veto foi anunciado que Rell não colocara as suas inquietações quando o projeto fora redigido. "De muitas maneiras, um veto do governo do Estado representa mais uma falha do que um exercício de liderança da governadora", disse McDonald. "A governadora claramente se afasta da grande maioria dos seus concidadãos ao se opor a esta legislação".

Depois da aprovação do projeto, pacientes, médicos, parentes e defensores montaram uma tremenda campanha por telefone e correspondência instando a governadora a sancionar o projeto. A governadora estava recebendo centenas de ligações e cartas todos os dias em apoio à maconha medicinal, inclusive de especialista em medicina, direito e saúde de todo o país.

"A mensagem de veto da governadora mostra que está gastando o seu último cartucho", disse Lorenzo Jones, diretor-executivo da A Better Way Foundation, que militou em favor da lei. "Ela disse antes que ia apoiar o projeto se fosse somente para pacientes terminais, porque, claramente, os outros tratamentos não eram suficientes. Agora, diz que vai vetar o projeto porque ainda é ilegal segundo a lei federal, embora mais de 99% de todas as detenções por maconha aconteçam de acordo com a lei estadual. Ela também foi tão evasiva nisto que isso faz imaginar se não recebeu uma ligação de Washington. Está acatando o conselho do pior governo na história a respeito das demandas de 83% dos habitantes do Connecticut?"

"É inconcebível que Rell ignore toda a ciência para vetar este projeto", disse Gabriel Sayegh, diretor de projeto na Drug Policy Alliance, que também fez pressão pela sua aprovação. "A eficiência medicinal da maconha é inexpugnável. Como resultado deste veto, os pacientes que consomem maconha para aliviar a dor deles e estão sofrendo ainda são considerados criminosos?"

A resposta é sim, pelo menos até o ano que vem.

Maconha medicinal: Legislatura de Rhode Island anula veto para tornar lei permanente

Nesta semana, os legisladores de Rhode Island votaram esmagadoramente na anulação do veto do governador Donald Carcieri (R) de um projeto que tornaria a lei sobre a maconha medicinal do estado permanente. Na quarta-feira, o Senado votou 29 a 4 para anulá-lo e, na quinta-feira, a Câmara seguiu o exemplo com uma votação inclinada de 58 a 11.

No ano passado, os legisladores aprovaram um projeto de lei sobre a maconha medicinal - também vetado por Carcieri e anulado -, mas essa lei incluía um dispositivo de vencimento. Sem ação da legislatura, teria expirado no dia 30 de junho.

"O fato de que esta anulação tenha sido aprovada por uma margem ainda maior do que a primeira anulação no ano passado diz tudo o que é preciso saber sobre como a lei funcionou direito e como não foi nada polêmica", disse Ray Warren, diretor de políticas estaduais do Marijuana Policy Project.

O grupo nacional que trabalhou com os residentes estaduais se organizou como a Rhode Island Patient Advocacy Coalition para conseguir esta vitória na legislatura. "A nossa legislatura ficou do lado da comunidade científica e médica para garantir que centenas de outros cidadãos gravemente doentes de Rhode Island e eu não tenhamos que viver com medo", disse Rhonda O'Donnell, enfermeira titulada e paciente de esclerose múltipla que foi a primeira a se inscrever no programa de Rhode Island. "Mas, o trabalho não estará terminado até que todos os pacientes em todos os estados que precisam da maconha medicinal tenham proteção completa. Chegou a hora de todas as legislaturas estaduais e o Congresso dos EUA mudarem as leis cruéis e nada científicas que criminalizam os doentes".

Busca e apreensão: Suprema Corte decide que passageiros podem desafiar as batidas policiais

Em decisão unânime, na segunda-feira a Suprema Corte dos EUA sustentou que os passageiros em um carro parado pela polícia têm o mesmo direito a desafiar a constitucionalidade dessa batida que o condutor. A corte sustentou que, quando a polícia detém um veículo, os passageiros estão "apreendidos" e têm o direito a questionar a legalidade dessa apreensão na Justiça.

A decisão aconteceu no caso do habitante da Califórnia, Bruce Edward Brendlin, que foi preso por infração da condicional e acusações de crimes de drogas depois que o carro em que ia foi parado pelo que resultaram ser falsos motivos da polícia. Assim que os policiais tinham detido o veículo, eles ordenaram que Brendlin saísse do carro, o revistaram, buscaram o veículo e encontraram uma tampa de seringa, uma quantidade pequena de maconha e ingredientes usados para preparar metanfetamina caseira.

Embora o condutor do veículo não desafiasse a constitucionalidade da batida, Brendlin o fez: Ele apresentou uma solicitação de supressão das provas contra ele, discutindo que a batida era equivalente a "uma apreensão ilegal de sua pessoa".

Um tribunal de apelações californiano concordou, mas a Suprema Corte californiana anulou a decisão do dito tribunal. Em troca, o tribunal superior californiano concordou com o estado em que embora a polícia "não tinha justificação adequada" para parar o veículo no qual Brendlin andava, só o condutor - não quaisquer passageiros - fora "apreendido". Os passageiros em um veículo parado pela polícia "tomariam a liberdade de ir embora ou senão de cuidar da vida deles como se a polícia não estivesse presente", raciocinou a corte.

Mas, a Suprema Corte dos EUA discordou. Qualquer "passageiro sensato" não tomaria a liberdade de simplesmente ir embora da cena de uma batida, escreveu o ministro David Souter no parecer em Brendlin vs. California. "Uma batida necessariamente abrevia a viagem que um passageiro escolheu da mesma forma que pára o condutor", escreveu Souder. "Brendlin foi apreendido desde que o carro [do condutor] foi parado no acostamento e foi um erro negar a sua solicitação de supressão com base em que a apreensão aconteceu só na detenção formal".

Decidir em favor da posição da Califórnia de que os passageiros não estão "apreendidos" durante uma batida "convidaria os policiais a parar carros com passageiros apesar da causa provável e da suspeita razoável de qualquer coisa ilegal", escreveu Souter. "O fato de que as provas desveladas como resultado de uma batida arbitrária ainda seriam admissíveis contra quaisquer passageiros seria um incentivo poderoso a fazer o tipo de 'patrulhas errantes' que ainda infringiria o direito do condutor garantido pela Quarta Emenda".

Imposição da lei: As estórias de policiais corruptos desta semana

Um agente porto-riquenho é pego roubando um carro blindado, uma policial do Mississippi é pega por roubar e consumir anfetamina e outro de Toledo que gostava de festejar demais aceita um acordo. Vamos ao que interessa:

Em São João, Porto Rico, um oficial da polícia porto-riquenha que trabalhava com a DEA foi acusado de roubar um carro blindado. Ángel Fernández Ramos, que trabalhou como oficial antidrogas durante os últimos quatro anos, foi um dos cinco homens presos na sexta-feira passada no assalto de $15,000. Entre os outros estavam o pai de Ramos e dois tios. O dinheiro foi recuperado. Os agentes do FBI disseram que estavam procurando as relações entre este roubo e outros roubos de carros blindados na ilha.

Em Gulfport, no Mississippi, uma ex-oficial da polícia de Moss Point foi sentenciada no dia 14 de junho a 41 meses de prisão por narcotráfico no trabalho. Wendy Peyregne foi presa em dezembro de 2006 e responde por seis acusações de tráfico de metanfetamina após uma investigação de dois anos do FBI. Ela acabou se confessando culpada de duas acusações. De acordo com o FBI, Peyregne fez transações em drogas enquanto estava de plantão na delegacia de polícia de Moss Point, traficou drogas da viatura dela e consumiu metanfetamina enquanto estava de plantão. Ela compartilhava a metanfetamina que comprava com, entre outros, um ex-namorado, que virou dedo-duro e ajudou a pegá-la.

Em Toledo, no Ohio, um ex-oficial da polícia de Toledo se confessou culpado no dia 14 de junho de uma contravenção de drogas. O ex-oficial Bryan Traband foi acusado primeiro de porte criminoso de drogas e de três contravenções - permitir abuso químico, porte de apetrechos para consumo de drogas e porte de drogas -, mas lhe foi permitido se confessar culpado de uma só acusação de permitir consumo de drogas. A polícia de Toledo sitiou a residência de Traband depois que um delator lhes disse duas vezes em fevereiro que ele estava vendendo, portando e consumindo cocaína e maconha e que ia dar uma festa no dia 16 de março. A polícia sitiou a casa naquela noite. Traband pegou uma sentença suspensa de seis meses no Centro Correcional do Noroeste do Ohio.

Semanal: Blogando no Bar Clandestino

Junto com a nossa reportagem investigativa da Crônica, desde o verão passado a DRCNet também esteve proporcionando conteúdo diário na forma de blogagem no Bar Clandestino Stop the Drug War, assim como links às Últimas Notícias (canto inferior esquerdo) e mais informações. Cheque a DRCNet todos os dias para ficar a par da reforma das políticas de drogas!

http://stopthedrugwar.com/files/speakeasy1-reduced.gif
foto de bar clandestino (por cortesia de arbizu.org)

Nesta semana:

É a semana publicitária do ONDCP no Bar Clandestino, por cortesia de Scott Morgan: “Adolescentes que consomem drogas têm menos chances de se meter em brigas” [Teens Who Use Drugs Are Less Likely to Get in Fights], “A maconha não causa a pertença a gangues, mas a guerra às drogas sim” [ Marijuana Doesn't Cause Gang Membership, But the Drug War Does], “Pete se levanta do sofá e entra em uma gangue” [Pete Gets Off the Couch and Joins a Gang], “A ênfase do ONDCP sobre a maconha é incoerente em muitos níveis” [ONDCP's Emphasis on Marijuana is Incoherent on So Many Levels], “Maconha, alienígenas e o ONDCP” [Pot, Aliens, and ONDCP].

Phil Smith nos informa sobre “Exames avançados com drogas: Ciência assustadora, cientistas assustadores” [Advanced Drug Testing: Creepy Science, Creepy Scientists].

David Borden escreve sobre a “A conexão da cocaína de Giuliani” [Giuliani's Cocaine Connection], “Outro banho de sangue da guerra às drogas está na próxima esquina?” [Is another drug war bloodbath just around the corner?] (com a resposta de um funcionário do ONDCP que entrou depois) e muitos pequenos artigos.

David Guard também esteve ocupado publicando uma pletora de notas à imprensa, alertas, listas de empregos e outros artigos interessantes republicados de muitas organizações aliadas ao redor do mundo em nosso feed ativista "In the Trenches". Os Blogs do Leitor da DRCNet também foram usados – os convidamos a se somarem a eles e a virarem autores na comunidade da DRCNet também. E os instamos a comentarem em qualquer um ou em todos os escritos supracitados.

Por favor, junte-se a nós nos Blogs do Leitor também – incentiva-se a sua participação.

Obrigado por ler, e escrever...

Retorno: Você lê a Crônica da Guerra Contra as Drogas?

Você lê a Crônica da Guerra Contra as Drogas? Se sim, gostaríamos de ouvi-lo. A DRCNet precisa de duas coisas:

  1. Estamos entre doações ao boletim informativo e isso torna a nossa carência de doações mais premente. É grátis ler a Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas não produzi-la! Clique aqui para fazer uma doação por cartão de crédito ou PayPal ou para imprimir um formulário a fim de mandá-lo por correio.

  2. Por favor, mande citações e informes sobre de que maneira você aplica o nosso fluxo de informação, para uso em futuras propostas de doação e cartas a financiadores ou possíveis financiadores. Você usa a DRCNet como fonte para falar em público? Para cartas ao editor? Ajuda a conversar com amigos ou sócios sobre a questão? Pesquisa? Para instrução própria? Você mudou de opinião sobre quaisquer aspectos das políticas de drogas desde que se inscreveu ou foi inspirado a se envolver na causa? Você reproduz ou republica partes dos nossos informativos em outras listas ou em outros informativos? Tem quaisquer críticas, reclamações ou sugestões? Queremos ouvi-las também. Por favor, mande a sua resposta - tudo bem se forem uma ou duas frases; seria ótimo ter mais também - mande um e-mail a borden@drcnet.org ou responda a um endereço eletrônico da Crônica ou use o nosso formulário eletrônico de comentário. Faça o favor de nos informar se podemos reproduzir os seus comentários, e, em caso positivo, se podemos incluir o seu nome ou se deseja continuar anônimo. IMPORTANTE: Mesmo se você nos deu este tipo de retorno antes, seria útil termos o seu retorno atualizado agora também - precisamos saber o que você acha!

Mais uma vez, por favor, ajude a manter a Crônica da Guerra Contra as Drogas viva nesta época importante! Clique aqui para fazer uma doação eletrônica ou envie o seu cheque ou ordem de pagamento a: P.O. Box 18402, Washington, DC, 20036. Faça a sua doação a nome da Fundação DRCNet para fazer uma doação dedutível do imposto de renda à Crônica da Guerra Contra as Drogas - lembre-se se escolher um dos nossos prêmios gratuitos que reduzirão a parte da sua doação que é dedutível de impostos - ou faça uma doação não-dedutível ao nosso trabalho de lobby - pela Internet ou através de chegue pagável à Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas no mesmo endereço. Também aceitamos contribuições em ações - mande um e-mail a borden@drcnet.org para as informações necessárias.

Apelo: Há uma vitória em obras, com a sua ajuda

Anos de trabalho deixaram a DRCNet e os nossos aliados próximos de uma vitória histórica no Congresso. Desde 1998, a DRCNet tem feito campanha pela revogação de uma lei infame, de autoria do congressista antidrogas Mark Souder, que atrasa ou nega ajuda financeira federal a estudantes em potencial por causa de condenações por crimes de drogas. Ontem, um comitê do Senado dos EUA aprovou um projeto de lei que, entre outras coisas, tiraria a "pergunta sobre as drogas" do formulário de auxílio financeiro federal - não é uma ab-rogação total, mas está próximo de ser - a luta não acabou, apesar de tudo, e precisamos de doações para nos ajudar a terminar o trabalho.


O último trabalho da DRCNet para ocasioná-lo inclui organizar abaixo-assinados sob a bandeira da Coalition for Higher Education Act Reform (CHEAR, sigla em inglês), inclusive um emviado aos senadores dos EUA e assinado por 120 organizações, inclusive muitos dos maiores grupos de apoio do país. Fundamos a CHEAR em 1999 - poucos meses depois que a lei foi aprovada, mas antes de entrar em vigor - e viemos aumentando-a desde então - ela é só uma parte do esforço multifacetado que temos feito para trazer as coisas a este ponto. (Visite http://www.raiseyourvoice.com para saber mais.)


 


As suas doações nos ajudarão a fazer mais pressão nos próximos meses para protegermos está vitória e para que ela se converta em algo ainda maior - a revogação total de uma lei federal sobre as drogas, algo que não aconteceu nos EUA desde 1970. E as suas doações transformarão esta campanha que já é bem-sucedida em algo maior encarregando-se de mais "conseqüências colaterais" da guerra às drogas -- mobilizar os grupos com que já trabalhamos para anular proibições parecidas na lei sobre a previdência, a moradia e as eleições, para fazer com que as leis sobre as penas mudem e mais. Estivemos "gastando as solas do sapato", indo a lugares em que precisamos estar para encontrar os parceiros de que precisamos para este esforço expandido e precisamos das suas doações para pagar as horas do pessoal a fim de que continue e ponha essas relações para funcionar.


 


Então, por favor, faça uma doação generosa à DRCNet hoje mesmo para apoiar esta campanha e nos ajudar a levá-la ao próximo estágio. Visite http://stopthedrugwar.org/donate para fazer uma doação eletrônica ou envie o seu cheque ou ordem de pagamento a: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036. As doações à Drug Reform Coordination Network ou à Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas para apoiar o nosso trabalho de pressão não são dedutíveis do imposto de renda. As doações dedutíveis para apoiar o nosso trabalho de conscientização podem ser feitas a nome da Fundação DRCNet no mesmo endereço. Também podemos aceitar contribuições em ações - mande um e-mail a borden@drcnet.org para obter as informações necessárias. Obrigado de antemão pelo seu apoio.


 


Atenciosamente,


 



David Borden, Diretor-Executivo


P.O. Box 18402


Washington, DC 20036


http://stopthedrugwar.org


 



 


 


 


 


 


 


entrevista coletiva de 2002 que a DRCNet organizou para a CHEAR, com dez congressistas participando.

Matéria: ONDCP começa campanha intimidativa de verão anual com relatório que relaciona as drogas com as gangues e a violência

http://stopthedrugwar.com/files/flat.jpg
o anúncio de televisão do ONDCP
O secretário antidrogas John Walters e seus subordinados no Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas (ONDCP, sigla em inglês) começaram a temporada de verão com um relatório sobre os adolescentes, as drogas, as gangues e a violência. O relatório, parte da muito criticada Campanha Antidrogas Midiática Nacional para os Jovens do ONDCP, relaciona o consumo de maconha com a pertença a gangues e vincula o consumo de drogas entre adolescentes com índices superiores de violência e demais atividades anti-sociais. Mas, o relatório do ONDCP está causando uma tempestade de desaprovação de críticos que o acusam de ser equívoco e intencionalmente ofuscante.

"Os adolescentes que consomem drogas têm mais chances de tomar parte em comportamento violento e delinqüente e de se unirem a gangues", declarou o relatório. "A investigação mostra que o consumo precoce de maconha - a droga mais usada comumente entre os adolescentes - é um sinal de alerta para a participação posterior com as gangues". Depois da advertência seguinte de que o verão é uma época arriscada e que "os adolescentes que consomem drogas têm duas vezes mais chances de cometer atos violentos", o relatório chegou a uma série de pontos que incluíam os seguintes:

  • Os adolescentes que consomem drogas, particularmente a maconha, têm mais chances de roubar e experimentar outras drogas e o álcool em comparação com os adolescentes que não a consomem;
  • Um em cada quatro adolescentes (27%) que consumiram drogas ilícitas no ano passado informam atacar os demais com a intenção de feri-los;
  • Os adolescentes que consomem maconha têm nove vezes mais chances, em comparação com os que não a consomem, de experimentar outras drogas ilícitas ou álcool e cinco vezes mais chances de roubar.

"É um disparate tão transparente que quase não sei o que dizer", disse Bruce Mirken, o diretor de comunicação normalmente loquaz do Marijuana Policy Project. "A maconha não causa a violência e não ocasiona a criminalidade. A proibição, no entanto, o faz. Essa é a conexão e disso exatamente eles não querem falar. Nesse sentido, este relatório é ainda mais flagrantemente desonesto do que a maior parte dos que o ONDCP divulga".

"É incrivelmente irônica ver o ONDCP expondo a idéia de que a maconha causa a preguiça, o que esteve fazendo durante anos, ao mesmo tempo em que tenta nos dizer que a maconha causa a violência", disse Scott Morgan, blogueiro da DRCNet. "Também é muito mesquinho sugerir um vínculo entre a maconha e a pertença às gangues. Em qualquer medida em que for provável que os usuários de maconha se unam às gangues, estas relações são facilitadas pela proibição das drogas, que cria o mercado negro no qual estas gangues prosperam".

"Que alguns moleques entrem em gangues não tem nada a ver com a maconha", concordou Mirken. "As nossas leis sobre as drogas entregaram o mercado da maconha às gangues e a associação é um resultado direto de leis burras. Se regulássemos a maconha como o álcool, essas associações desapareceriam da noite ao dia".

De fato, os dados que vinculam o consumo de maconha com a pertença às gangues são bem limitados. O ONDCP se fiou em um estudo de 2001 de estudantes de Seattle para chegar à conclusão de que os dois estão relacionados.

"Walters e Murray parecem ter a sua variedade usual de componentes funcionando aqui: um ataque ad hominem contra os anos 1960, um monte de besteiras supostamente pró-família, um ataque contra aqueles que fazem uma abordagem diferente e sua típica distorção dos dados para os desinformados", grunhiu Allen St. Pierre, diretor-executivo da National Organization for the Reform of Marijuana Laws (NORML, sigla em inglês).

"O que o ONDCP nos diz na verdade é que os seus bilhões de dólares em propaganda não impedem que os jovens usem maconha, e, em segundo lugar, que uma porcentagem muito pequena deles continue experimentando outras drogas", disse St. Pierre.

Pete Guither no blog Drug WarRant não concordou com a afirmação de que os consumidores de drogas estavam envolvidos em 17% das brigas. "Tudo parece muito assustador, a menos que se dê uma olhada de verdade", escreveu. "Se se examinar o relatório Monitoring the Future de 2007, vê-se que as porcentagens de quaisquer adolescentes que consumiram drogas no ano anterior são: 8ª série (14,8%), 10ª (28,7%) e 12ª (36,5%). Então, dizer que 17% dos adolescentes que se meteram em brigas sérias informam consumir drogas não é uma coisa particularmente alarmante. Na verdade, parece por estes números que os adolescentes que consomem drogas têm menos chances, em realidade, de se meter em brigas sérias".

O ONDCP também parece ter problemas com a idéia de causa e efeito, disse Mirken do MPP. "Se se examinarem os estudos das crianças, os que estão fumando maconha ou consumindo drogas ou álcool quando jovens são aqueles que já estão tendo problemas, que já não vão bem na escola", disse Mirken. "Não é surpreendente que este grupo problemático de jovens esteja se comportando muito mal, mas tentar jogar a culpa disso na maconha simplesmente não faz sentido nenhum".

O lançamento do relatório pode ter mais a ver com as inquietações do ONDCP com cortes orçamentários para programas que provaram não ser eficazes, como a Campanha Antidrogas Midiática Nacional para os Jovens, do que com as relações reais de causa e efeito entre o consumo de drogas entre os jovens e o comportamento anti-social, sugeriu Tom Angell, diretor de relações governamentais do Students for Sensible Drug Policy (SSDP, sigla em inglês).

"Parece que o ONDCP divulgou isto nervosamente porque tem pavor que os líderes no Congresso estejam tomando providências para cortar o financiamento para muitos dos seus ditos programas antidrogas", disse Angell. "Estão queimando o último cartucho, estão tentando conseguir o máximo de munição possível para defender os seus grandes artigos orçamentários queridos".

"É apenas mais um relatório espantoso que o ONDCP sente a necessidade de divulgar para receber qualquer cobertura", disse St. Pierre. "Tudo o que o ONDCP tem feito durante os últimos cinco anos se trata de avivar o medo, a ansiedade e o contágio emocional entre os pais para tentar manter o status quo e parte da mídia fazendo matérias sobre este relatório ridículo".

Mesmo aí o ONDCP teve sucesso limitado. Afora as matérias em vários órgãos da imprensa filadelfense, onde o secretário antidrogas Walters realizou uma entrevista coletiva para anunciar o relatório, um único artigo na Associated Press foi republicado por 65 veículos da imprensa, a maioria dos quais eram emissoras de TV em mercados que iam do pequeno ao médio. Só um punhado de meios impressos publicou o artigo e isso inclui um jornal na maconhófoba Austrália e um na Grã-Bretanha.

Mas, isso não vai impedir o ONDCP de produzir mais relatórios sensacionalistas, mas equívocos, disse St. Pierre da NORML. "Podemos preparar os nossos calendários e saber que, cerca de uma semana antes da volta às aulas no outono, teremos o próximo grande esforço intimidativo do ONDCP", previu.

Weekly: This Week in History

Posted in:

June 30, 1906: Congress passes the "Pure Food and Drug Act."

July 1, 1930: The Porter Act establishes the Federal Bureau of Narcotics (FBN), an agency independent of the Department of the Treasury's Prohibition Unit and consequently unaffected by the passage of the Twenty-First Amendment. Harry J. Anslinger is named acting commissioner, a position he remains in for the next thirty years.

June 29, 1938: The Christian Century reports, "in some districts inhabited by Latino Americans, Filipinos, Spaniards, and Negroes, half the crimes are attributed to the marijuana craze."

July 1, 1973: The Drug Enforcement Administration is established by President Nixon, intended to be a "super-agency" capable of handling all aspects of the drug problem. DEA consolidates agents from BNDD, Customs, the CIA, and ODALE, and is headed by Myles Ambrose.

July 4, 1997: Amado Carrillo Fuentes, according to the DEA the number one drug trafficker on the planet and chased world-wide, dies in a Mexico City clinic of post-surgery complications. He was attempting to change his face through plastic surgery by having excess fat removed.

July 1, 1998: DEA Chief Thomas Constantine is quoted, "[In] my era everybody smoked and everybody drank and there was no drug use."

July 2, 1999: Robert Vorbeck, 38, is arrested for allegedly selling cocaine to undercover officers. Facing life in prison if convicted of felony drug charges, he commits suicide in his jail cell 11 days later. On July 10, 2001, the AP reports that his estate has been ordered to pay $750,000 to the Nassau County, New York district attorney's office. The ruling, part of a settlement in a civil forfeiture case, is the first in the state in which a prosecutor seeks assets from a dead person.

July 5, 1999: In response to Governor Gary Johnson's call for drug reform debate, organizations in New Mexico form an alliance to examine alternative options to current drug policies.

July 1, 2001: Portugal introduces Europe's most liberal drug policy to date with the implementation of new laws establishing no criminal penalties for using and possessing small amounts of not only cannabis but also heavy drugs such as cocaine, heroin and amphetamines.

July 4, 2001: Sir Keith Morris, Britain's former ambassador to Colombia, is quoted in The Guardian: "It must be time to start discussing how drugs could be controlled more effectively within a legal framework. Decriminalization, which is often mentioned, would be an unsatisfactory halfway house, because it would leave the trade in criminal hands, giving no help at all to the producer countries, and would not guarantee consumers a safe product or free them from the pressure of pushers. It has been difficult for me to advocate legalization because it means saying to those with whom I worked, and to the relatives of those who died, that this was an unnecessary war. But the imperative must be to try to stop the damage. Drug prohibition does not work."

July 3, 2003: The Drug Policy Alliance (DPA) announces the results of a California Latino voter poll: 65% oppose jailing young, first-time marijuana sellers, 85% oppose jail for marijuana possession, and 58% oppose jail for possession of "hard drugs."

Web Scan

UN 2007 World Drug Report and accompanying press release

Neurology Now editorial on "The Fight for Medical Marijuana."

DrugTruth Network:
Cultural Baggage for 06/22/07: Nora Callahan of November Coalition + Terry Evans & Bruce Mirken of MPP & Tinfoil Hat Award (MP3)
Century of Lies for 06/15/07: Phil Smith of Drug War Chronicle reports on situ in Mexico + Reena Szczepanski of DPA & Lorenzo Jones & Poppygate (MP3)

Charles Benninghoff on Rep. Charles Rangel's efforts on behalf of the Second Chance Act, American Chronicle

Contributions to the Green Paper on the role of civil society in drugs policy in the European Union

''International Day Against Drug Prohibition'' in Vancouver

Latin America: Mexico Purges Federal Police Chiefs in Drug Corruption Review

The Mexican government announced Monday it has replaced the federal police chiefs in all 31 states and the Federal District to determine whether they are fighting drug trafficking or abetting it. The move comes as President Felipe Calderón is now six-months into an offensive against the powerful and violent so-called cartels that has seen more than 20,000 soldiers and police swarm into cities and states considered hotbeds of the drug trade.

The 32 purged chiefs must submit to and pass polygraph and drug tests before being reconsidered for their positions. Their financial status will also be scrutinized. If they pass muster, they must be retrained before being reassigned.

Drug prohibition-related corruption has been the bane of Mexican law enforcement for decades. Now, once again, a purge of police is viewed as necessary by high officials. Just last month, six federal police officers were arrested for protecting cocaine shipments at the Mexicali airport.

"Every federal cop is obliged to carry out his post with legality, honesty and efficiency," Public Safety Secretary Genaro García Luna said at a news conference Monday announcing the housecleaning. "In the fight against crime, we have strategies. One axis of our strategy is to professionalize and purge our police corps."

Nearly 7,000 of Mexico's 20,000 federal police, who investigate drug crimes and homicides, have been assigned to work alongside the more than 12,000 soldiers deployed in Calderón's war on drugs. That police are working side by side with soldiers has raised concerns that they could be undercutting Calderón's campaign by passing information on to the drug traffickers.

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

Busy, busy. A Virginia police chief gets caught selling speed, a New Jersey State Trooper gets arrested for stealing and re-selling seized drugs, a New Jersey prison guard gets nailed trying to smuggle prescription drugs into the prison, a former Schenectady narc pleads guilty to ripping off cocaine from the evidence locker, a former Border Patrol agent is going to prison for stealing a bale of pot he was supposed to be guarding, and a corrupt Milwaukee cop wants back pay. Let's get to it:

In Damascus, Virginia, the police chief was arrested Saturday on charges he was selling methamphetamine. Chief Anthony Richardson faces seven felony counts of drug distribution and possessing a weapon while possessing drugs. He went down after an undercover investigation where a snitch bought speed off the chief on June 12. Richardson was arrested without incident at the city police department. Washington County Sheriff Fred Newman said there is now a federal investigation into Richardson.

In Elizabeth, New Jersey, a state trooper was indicted and arrested June 21 on charges he stole and sold drugs seized by police. Trooper Brian Holmes, 41, had been suspended without pay since May 2006, when his partner, Trooper Moises Hernandez, pleaded guilty to aiding members of a drug ring. Hernandez is now doing a 24-year state prison sentence. Holmes was indicted on 13 counts including official misconduct, theft, falsifying records and drug trafficking for, among other things, stealing more than 10 pounds of cocaine from a 123-pound seizure at a Newark warehouse in August 2002 and giving the stolen drugs to Hernandez to sell. He is also charged with stealing a thousand ecstasy tablets from a seizure in Elizabeth in 2004 and selling them with Hernandez.

In Fairton, New Jersey, a federal prison guard was arrested June 14 on charges he accepted bribes to smuggle contraband into the prison. Steven Harper, 32, a guard at the Fairton Federal Correctional Institution, is accused of taking money from a person he thought was an inmate's relative to smuggle in prescription drugs, protein powder, work-out supplements and cigarettes. That person was actually an undercover agent. Harper was snitched out by an inmate after agreeing to smuggle in the goods for $6,000. He is now out on $100,000 bond and faces up to 15 years in prison.

In Schenectady, New York, a former Schenectady narc admitted Monday that he stole crack cocaine from the vice squad evidence locker. The admission came as former narcotics officer Jeffrey Curtis pleaded guilty to drug possession and evidence tampering in a plea bargain that will limit his prison time to four years max. Earlier this year, an investigation into missing drug evidence found that cocaine had gone missing in 15 cases and marijuana in one. While Curtis confessed to taking some of the missing dope, he said he couldn't remember if he took all the cocaine State Police investigators said was missing. Curtis first came to investigators' attention after he failed a drug test given in connection with the investigation into the missing drugs. Police put him under surveillance and arrested him March 16 after they spotted him coming out of a suspected drug-dealing house. It's only the latest problem for a troubled department: Earlier this decade, four patrol officers went to prison for rewarding snitches with crack cocaine, another went to prison for giving a gun to a drug dealer, and earlier this year, another officer admitted tipping off a friend about a gambling investigation but was allowed to keep his job.

In Tucson, a former US Border Patrol agent is going to prison for stealing marijuana while on duty. Michael Carlos Gonzalez, 34, was found guilty in March of possession with intent to distribute marijuana and possession of a firearm in furtherance of a drug-trafficking offense. Gonzales was on duty back on December 6 when an Arizona highway patrolman pulled over a vehicle and found 30 bales of weed. The patrolman left Gonzalez to guard the stash, but his dashboard camera showed Gonzalez taking one bale and putting in the trunk of his car. The weed was never recovered. Gonzales must now do 7 ½ years in federal prison.

In Milwaukee, a police detective fired for his involvement in the theft of drug money planted by the FBI is seeking back pay and benefits. Milwaukee Detective Philip Sliwinski was caught up in a sting aimed at another Milwaukee police officer, Edwin Bonilla, after reports that Bonilla had taken drug money from crime scenes. In August 2000, the FBI left a bag with $23,000 in a hotel room, where Bonilla found it. Bonilla testified that he, Sliwinski, and a third officer each took $1,000. Sliwinski was never charged, but he was fired. Now he is seeking back pay and benefits after the Wisconsin Court of Appeals ruled he was denied the right to fully question a federal agent involved in the sting. While the court upheld his firing, Sliwinski's lawyer is arguing that even though he was fired, he should be eligible for pay and benefits up until the state Fire and Police Commission rehears his case.

Matéria: Ação para desfazer a disposição antidrogas da Lei de Ensino Superior é aprovada por comitê do Senado

Na quarta-feira, o Comitê de Saúde, Educação, Trabalho e Pensões (HELP, sigla em inglês) do Senado aprovou uma lei que tiraria a infame "pergunta sobre as drogas" da Solicitação Gratuita de Auxílio Financeiro Federal (FAFSA, sigla em inglês), o formulário usado por dezenas de milhares de estudantes todos os anos, deixando os oponentes da proibição de ajuda financeira por condenações em delitos de drogas otimistas a respeito de conseguir a revogação neste ano.

http://stopthedrugwar.com/files/capitolsenateside.jpg
o Capitólio dos EUA
A Lei de Acesso ao Ensino Superior de 2007 [Higher Education Access Act of 2007], uma lei de conciliação orçamentária que, no momento desta publicação parecia ainda não ter numeração para o projeto de lei, inclui um texto que declara que "O secretário não deve exigir que um estudante dê informação a respeito do porte ou da venda de uma substância controlada do estudante na Solicitação Gratuita de Auxílio Financeiro Federal (FAFSA) ou em qualquer outro formulário financeiro descrito na seção 483(a)". Embora a disposição antidrogas continue em vigor, o mecanismo usado atualmente para impô-la - e o único mecanismo óbvio para impô-la - seria eliminado por ordem do Congresso.

O dispositivo, em vigor desde o ano letivo 2000-2001, proíbe que estudantes com condenações por delitos de drogas recebam auxílio financeiro universitário durante períodos específicos de tempo. Desde então, mais de 200.000 estudantes em potencial foram proibidos de receber o auxílio financeiro federal após responderem "sim" à pergunta sobre as drogas.

Até o ano passado, a disposição de autoria do ardente guerreiro antidrogas, o deputado Mark Souder (R-IN), se aplicava a qualquer condenação por crime de drogas. Mas, depois de uma campanha feita por estudantes e mais de 330 organizações religiosas, educativas, sanitárias, da justiça penal e dos direitos civis agremiadas na Coalition for Higher Education Act Reform (CHEAR, sigla em inglês) e das muitas críticas da lei na grande mídia, Souder e os demais tomaram providências para sopitá-la a fim de se aplicar somente às infrações cometidas enquanto os estudantes estavam cursando a faculdade e recebendo a ajuda federal de Título IV. Levada à frente pela tomada democrata do Congresso nas eleições de novembro passado, que encarregou os defensores da ab-rogação de comitês fundamentais no Congresso, os reformadores continuaram exercendo pressão em favor da revogação total do dispositivo neste ano.

Não foi bem isso o que aconteceu no Comitê HELP do Senado na quarta-feira. Ao invés de revogar totalmente a disposição, o comitê votou em tirar a pergunta sobre as drogas da FAFSA. A medida foi aprovada com facilidade como parte do projeto sobre o ensino proposto pelo presidente e o líder da bancada do HELP, os poderosos senadores Edward Kennedy (D-MA) e Michael Enzi (R-WY).

"Estamos empolgados que o comitê tenha tomado providências para garantir que os estudantes com condenações por crimes de drogas não sejam mais privados automaticamente da sua ajuda e possam continuar estudando e a caminho do sucesso", disse Tom Angell, diretor de relações governamentais no Students for Sensible Drug Policy, uma organização cuja própria existência foi inspirada pelo dispositivo antidrogas da HEA. "Embora seja mais adequado apagar simplesmente a pena dos livros de direito de uma vez, apoiamos a tentativa do comitê de garantir que os estudantes com condenações por crimes de drogas possam receber a ajuda como qualquer outra pessoa".

"A CHEAR está extasiada", disse David Guard, porta-voz da coalizão. "Parece que os nossos oito anos de trabalho pesado estão prestes a ser compensados mesmo". A disposição antidrogas da HEA sempre fora a menina dos olhos do deputado Souder e só de Souder, de acordo com Guard. "Basicamente, isto sempre foi a cruzada de um moralista", disse. "Enquanto que conseguimos reunir uma coalizão bem ampla, em grande parte, Souder se virou sozinho nesta".

O Senado é uma coisa, mas revogar ou mudar a lei também exige ação na Câmara dos Deputados. De acordo com Angell do SSDP, na verdade, as perspectivas parecem muito boas ali.

"Esperamos mesmo que o projeto de renovação da HEA na Câmara inclua a ab-rogação total", disse, citando o respaldo de integrantes de peso do comitê que a apóiam liderados pelo presidente do Comitê de Educação e Trabalho da Câmara, o deputado George Miller (D-CA), e inclusive os deputados Bobby Scott (D-VA), Danny Davis (D-IL), Dennis Kucinich (D-OH) e Rob Andrews (D-NJ).

Se o texto da revogação sobreviver ao processo na Câmara, como parece provável, ainda será necessária a ação em um comitê conjunto de conferência do Congresso. Tal comitê terá que conciliar quaisquer diferenças entre a legislação da Câmara e do Senado, inclusive a diferença entre a revogação e a mera remoção da pergunta do formulário. Além do mais, o texto da ab-rogação na Câmara tem mais chances de aparecer no projeto de renovação da HEA, não na conciliação orçamentária como aconteceu no Senado.

"Agora está um pouco confuso como tudo isto vai se desdobrar", disse Angell. "Haverá uma conferência para o projeto de renovação e outra para o orçamento? Ainda não sabemos", disse. Mas, em qualquer um dos casos, Angell estava bastante otimista que a revogação total possa ser alcançada. "Achamos que o comitê HELP do Senado expressou a sua intenção de não fazer mais que esta pena seja imposta, então, com o texto da revogação total na Câmara, ficaremos em uma boa posição para que finalmente consigamos a revogação de verdade".

Mas isso é pôr o carro na frente dos bois um pouquinho. Embora as chances sejam boas para a revogação do dispositivo antidrogas da HEA neste ano, o assunto ainda não está encerrado e Souder sempre está à espreita. "Ainda há muito trabalho a fazer", disse Angell. "Temos que garantir que não haja emendas hostis na votação e Souder ainda está no comitê. Com certeza ele vai propor uma emenda e precisamos munir os nossos aliados no Congresso com a informação de que precisam para derrotar essa emenda".

No entanto, os reformadores consideram a situação altamente promissora. Se a revogação acontecer neste ano, será a primeira vez que uma lei federal sobre as drogas foi ab-rogada desde 1970. Tomara que seja um arauto das demais coisas boas que ainda vão ocorrer.

Matéria: Agricultores de Dakota do Norte acionam a DEA por proibição de cultivo de cânhamo

Na segunda-feira, dois agricultores da Dakota do Norte entraram com uma ação na Justiça federal em Bismarck procurando anular a proibição da Administração de Repressão às Drogas (DEA, sigla em inglês) dos EUA de cultivar cânhamo industrial nos Estados Unidos. A ação procura uma ordem judicial que proíba a DEA de acusar os agricultores de infração criminosa da Lei de Substâncias Controladas [Controlled Substances Act (CSA, sigla em inglês)].

http://stopthedrugwar.com/files/hempharvest.jpg
o cânhamo sendo colhido (por cortesia da Wikipédia)
Os produtos à base de cânhamo são legais nos EUA, mas a proibição da DEA impede que os agricultores estadunidenses o cultivem, o que quer dizer que os fabricantes de produtos de cânhamo devem se voltar para fornecedores em países em que é legal cultivá-lo, inclusive o Canadá, a China e a maior parte da Europa.

O cânhamo é um integrante da família cânabis, mas, diferentemente da maconha consumida pelos usuários de maconha recreativa e medicinal, contém só quantidades diminutas da substância psicoativa que deixa os consumidores de maconha doidões. Mas a DEA argumenta que cânhamo é maconha e que a CSA lhe dá autoridade para proibi-lo.

Os agricultores e os advogados deles não concordam e apontam que a CSA contém um texto que isenta explicitamente a fibra do cânhamo, o azeite da semente e a semente incapaz de germinação do conceito de "maconha" e, portanto, não são substâncias controladas de acordo com essa lei. Esse mesmo texto foi usado para permitir a importação legal de cânhamo aos Estados Unidos como resultado de um parecer de tribunal federal que dava a vitória ao setor do cânhamo contra a DEA.

Mas, embora o texto da CSA pareça claro, continuam existindo as ambigüidades, disse Adam Eidinger, porta-voz do grupo de pressão do setor canhamiço, a Vote Hemp. "Há uma contradição na lei quando se trata de cultivar a planta, porque não dá para cultivar a planta sem produzir sementes e flores e a DEA afirma que a lei lhe dá autoridade sobre essas partes da planta", disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas. "Neste caso, temos que ver a intenção do Congresso ao aprovar a lei e achamos que está claro que o Congresso pretendia que o cânhamo fosse excluído", disse.

http://stopthedrugwar.com/files/hempforvictory1.jpg
filme federal da II Guerra Mundial incentivando o cultivo de cânhamo para o esforço de guerra
A ação da segunda-feira é apenas a última em uma luta de uma década de parte dos agricultores da Dakota do Norte para cultivar o cânhamo. O estado aprovou pela primeira vez uma lei sobre o cânhamo em 1997, mas as coisas começaram a se mexer de verdade quando o secretário da Agricultura, Roger Johnson, um defensor enérgico do cânhamo, expediu os primeiros alvarás estaduais para cultivar o cânhamo aos agricultores Wayne Hauge e Dave Monson (que também é um legislador estadual republicano) no dia 06 de fevereiro. Uma semana depois, Hauge e Monson enviaram uma solicitação à DEA pedindo alvarás para fazerem os seus cultivos e observando que eles precisavam de uma resposta por volta de meados de abril a fim de levar a cabo o plantio neste ano.

A DEA não respondeu com presteza. De acordo com uma carta da DEA de 27 de março a Johnson, o secretário da Agricultura, sete semanas não era tempo suficiente para que a agência chegasse a uma decisão a respeito da solicitação. Essa corta foi a gota de água para os cidadãos da Dakota do Norte.

"Estamos pedindo que a DEA não faça nada, que é exatamente o que tem feito durante dez anos", disse Tim Purdon, um dos advogados que trabalha para Monson e Hauge, em uma entrevista coletiva na segunda-feira anunciando a ação. "As normas da Dakota do Norte não requerem mais um alvará da DEA, então, basicamente, estamos pedindo que a corte ordene que a DEA deixe os nossos agricultores em paz".

"Solicitei a minha licença estadual para a Dakota do Norte em janeiro e tinha esperanças de que a DEA agisse rápido e afirmasse o meu direito a plantar o cânhamo industrial neste ano. Infelizmente, a DEA não respondeu de nenhuma outra maneira, exceto para declarar que lhe seria necessário muito mais tempo do que o período que tenho para importar a semente e fazer o plantio", disse o deputado Monson. "Parece que a DEA realmente não quer trabalhar com ninguém para resolver o problema", acrescentou.

"Me reuni com a DEA em fevereiro e lhe apresentei cópias dos alvarás junto com as solicitações de Hauge e Monson e os cheques para a tarifa de solicitação e lhes pedi que nos fizessem o favor de revisar essas solicitações o mais rápido possível", disse o secretário Johnson, que apontou que também se reunira com a agência no ano anterior em uma tentativa de suavizar o caminho. "A DEA não respondeu. Foi uma negação de fato das solicitações, que nos levou ao ponto de entrarmos com esta ação", disse. "A minha forte opinião é a de que a DEA precisa sair desta de ver o cânhamo industrial e a maconha como coisas idênticas. Precisa exercer a sua discrição para vê-las diferentemente, como qualquer outro país industrial faz".

Além de sua recusa obstinada em diferenciar o cânhamo da maconha, a DEA também expressou inquietações de que os legisladores seriam incapazes de saber a diferença entre os dois e que as pessoas esconderiam plantas de maconha em meio aos canhameirais. Tudo isso é um disparate, disse o especialista californiano em cultivo de cânabis e cânhamo, Chris Conrad.

"Em primeiro lugar, este não é um problema nem para a polícia canadense nem britânica nem alemã nem francesa nem espanhola, então por que os policiais estadunidenses são tão incompetentes quando comparados com os do resto do mundo e por que deveríamos mimá-los por isso em vez de exigir que façam os seus trabalhos?" perguntou. "Além do mais, os canhameirais estão registrados e a polícia terá o poder de entrar e inspecionar à vontade, então seria burrice dizer aos policiais onde ela está sendo cultivada, daí tentar esconder a maconha no canhameiral", apontou Conrad.

As duas plantas são cultivadas diferentemente para fins diferentes, observou Conrad. "A maconha é cultivada para dar ramos, enquanto que o cânhamo é cultivado ou para dar caules ou sementes. O cultivo de caules pode ser colhido antes que dê flores, para que jamais se produzisse quaisquer mudas de maconha". Além do mais, apontou Conrad, o cânhamo cresce reto e as plantas são postas a poucos centímetros de distância, enquanto que as plantas de maconha são mais baixas e folhosas. "As plantas de maconha parecem muito diferentes das de cânhamo e se sobressairiam em relação às demais plantas, especialmente em uma inspeção aérea em que se veria que a área ao redor da maconha está sendo limpa das plantas de cânhamo. É muito fácil identificar uma pequena faixa de maconha em um canhameiral e se houver uma planta de maconha, ela se canhamiza [é polinizada pelas plantas de cânhamo] e desaparece".

A ciência e a agricultura do cânhamo provavelmente têm pouco a ver com a insistência intransigente da DEA de que cânhamo é maconha, disse Eidinger da Vote Hemp. "Isto é parte da guerra cultural", sugeriu. "Quando Jack Herer publicou 'O rei vai nu' [The Emperor Has No Clothes] no início dos anos 1980, a DEA começou a ver o pedido de cânhamo industrial como parte do enfraquecimento dos pontos da criminalização da maconha". A publicação do livro de Herer levou a uma revitalização do interesse no cânhamo industrial, mas também associou o cânhamo com a cultura da maconha em vez de agricultores como Hauge e Monson.

Apesar do passado, agora o estado da Dakota do Norte e seus agricultores estão cheios de ser danos colaterais na guerra contra as drogas e deram início à ação que pode solucionar o problema de uma vez por todas.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Safe Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School