Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Europe: Dutch Left Greens Open Pro-Marijuana Web Site

Two Dutch Left Green (GroenLinks) politicians have opened a web site to promote marijuana and its legal use and enjoyment. The Weed Map web site includes a search tool that locates all of Holland's coffee shops, as the country's marijuana bars are colloquially known. Coffee shop locations are marked with a pot leaf logo, moving one's mouse over which causes a window with the shop's street address to pop up.

http://stopthedrugwar.org/files/weedmap.jpg
Weed Map web site in use -- partial screenshot
Left Green politicians David Rietveld and Koen Martens opened the web site because they want marijuana to be available to all "because smoking cannabis is pleasant," as the site says. "Smoking cannabis should simply be allowed. Always and everywhere. Because it is pleasant and in many respects better than alcohol, for example. Better for people's health and better for society."

But that isn't always the case, even in Holland, the site warns. "Some places do not offer the possibility of using cannabis. It is up to you to join us in charting these problem areas. Then we can urge councils to make sure coffee shops are within everybody's reach for once and for all."

The site was set up to parody the Weed Free anti-marijuana web site set up by the ruling Christian Democrats (CDA). "The CDA website states that cannabis use may be linked to psychological complaints," Rietveld told reporters over the weekend. "There is insufficient scientific evidence to support this, however."

Latin America: Brazilian Governor Says Legalize Drugs to Fight Crime

The governor of the Brazilian state of Rio de Janeiro told reporters last Friday that legalizing drugs could help stem the violent crime that is making the city of Rio one of the most dangerous in Latin America. In doing so, he took a swipe at United States-style prohibitionist policies.

http://stopthedrugwar.org/files/favela.jpg
favela neighborhood, Rio de Janeiro
"A lot of crime in my state and city comes from [drug] prohibition, many young people die in wars over drug selling spots," said Gov. Sérgio Cabral. He called for a discussion of drug legalization in Brazil and internationally. "Is the United States correct in its conservative policy on drugs? In my view, absolutely incorrect," he said.

In the favelas of Rio, drug dealers organized into "commands" control entire neighborhoods and have engaged in uprising and gun battles with police on numerous occasions in the past few years. More recently, paramilitary vigilante groups known as "milicias" have joined the fray, waging war against the commands. This all contributes to a murder rate of about 40 per 100,000, making violent crime a serious social and political problem.

Gov. Cabral campaigned on a pledge to reduce violent crime and moved early in his administration to send federal special police into the city to confront the commands. But so far, it hasn't worked.

"The governor is merely saying out loud what so many more think but fear to say," said Ethan Nadelmann, executive director of the Drug Policy Alliance. "Rio today is like Chicago under Al Capone -- times ten. Reforming drug prohibition won't be as quick and easy as repealing alcohol Prohibition was, but there's no hope for breaking the drug-crime nexus unless many more elected officials heed Governor Cabral's call."

http://stopthedrugwar.org/files/sergiocabral.jpg
Sérgio Cabral
Cabral's comments were greeted cautiously but enthusiastically by Brazil's leading anti-prohibitionist drug reform organization, Rio-based Psicotropicus. In an open letter, the group lauded Cabral for having "the guts to say what the vast majority of people who understand the workings of the drug economy don't have the courage to say." For Psicotropicus, congratulations are in order for a governor "who begins his term with a step in the right direction as he dares to propose paths not yet traveled toward the solution of the grave problems resulting from the criminalization of some psychoactive substances and the barbarian violence produced by such criminalization."

Psicotropicus worries that Cabral will not move forward, but retreat in the face of criticism from drug warriors and moralists. It urges the governor to stand firm and put together a commission to move toward an end to the drug prohibition regime. The life of the city is at stake: "A transition has to be made, one that among other things should reduce the war arsenal in the hands of the several criminalized groups who control the illegal trade of drugs," the group argued. "There is a civil war going on in Rio de Janeiro and we don't realize that one of its main reasons is that we don't control those illicit drugs but instead put them in the hands of outlawed groups to produce and distribute them. And then we mobilize the police to fight these groups who heavily arm themselves, violence explodes and the population is fucked. It couldn't be more stupid."

Canada: Afghan Opium Should Be Bought Up and Marketed Worldwide, Defense Think Tank Says

A stolidly mainstream Canadian think tank, the Canadian Defense and Foreign Affairs Institute, is calling for an international marketing board for Afghan opium in an effort to defang the Taliban insurgency and deflate the booming drug trade in Afghanistan. The recommendation came in an Institute report on Canada's involvement in Afghanistan that warned that the war against the Taliban could be lost.

http://stopthedrugwar.org/files/symposium.jpg
2005 Senlis Council symposium on opium licensing, Kabul (photo by Drug War Chronicle editor Phil Smith)
The Institute and the report support Canadian involvement in Afghanistan, but say current NATO policies in the country need adjusting. The possibility of negotiating with the Taliban must be considered, the report concluded, as must innovative approaches to the Afghan opium dilemma.

Last year, Afghanistan accounted for more than 90% of the global supply of illicit opium, creating more than $3 billion in revenues. While much of that money goes to national and international traffickers, the crop is worth at least $750 million to Afghan farmers.

Attempting to eradicate Afghan opium crops, which is official US and NATO policy, only drives farmers into the waiting arms of the Taliban, said the report authored by Gordon Smith, Canada's ambassador to NATO between 1985 and 1990. A better approach would be to create an international clearinghouse to purchase opium crops and resell them in the legal medicinal market.

According to the report, Canada in Afghanistan: Is It Working?:

"Innovative alternatives are urgently required to replace current counterproductive policies of poppy eradication by force that only alienate farmers and drive them into the arms of the Taliban. Poppy production in Afghanistan has been a problem for over half a century and has consistently defied international control efforts. Meanwhile, the world's hospitals face a major shortage of opiate-based medicines like morphine. Canada should advocate for the creation of an international marketing board for Afghan poppy producers, whereby farmers are paid fair prices, and overseen by the auspices of a governmental body that would ensure central regulation, legality, and security. Production marketed through this body would be used solely for medicinal purposes on the international market."

As the West finds itself hung on the horns of the Afghan opium dilemma -- eradicate it and increase support for the Taliban; ignore it and watch the Taliban grow rich off the trade while the world's junkies drown in cheap smack -- calls for an innovative response like the one outlined by the Institute are coming with greater frequency. But there is little indication that they're listening in Washington.

This Week's Corrupt Cops Stories

Our "This Week's Corrupt Cops" feature may have been on hiatus while your editor was down South America way, but it's been pretty much business as usual. We're back now, and here's this week's edition with the usual cast of crooked cops and greedy guards. Let's get to it:

In Randolph County, North Carolina, a juvenile detention supervisor has been indicted on federal cocaine trafficking charges. James Ledwell, 37, who spent the last nine years teaching young people about the dangers of drugs, was arrested February 28 on federal charges. The indictment came three weeks after Ledwell was busted trying to sell more than a half-pound of coke to a Greensboro police officer.

In Hollywood, Florida, a veteran detective has surrendered after being charged along with three other officers in a sting where they thought they were protecting mob shipments of drugs and stolen art, diamonds, and watches. Hollywood Detective Thomas Simcox, 50, surrendered to federal agents February 28 and was released later that same day on a $350,000 bond. The four officers were charged with drug trafficking and other offenses after a two-year FBI sting in which they agreed to "protect and facilitate" criminal activities for what was supposed to be a "criminal organization based out of New York." Instead, it was feds posing as mobsters. Now the cops face up to life in prison.

In Scranton, Pennsylvania, a Scranton police officer was arrested March 1 after allegedly dealing drugs while on duty. Officer Mark Conway, 36, was in uniform when Lackawanna County detectives found five Oxycontin tablets and 33 methadone tablets in his car. Conway went down after an informant told police Conway had been addicted to heroin for more than a year and the informant had scored for him numerous times. A second informant recorded a conversation with Conway in which the officer agreed to deliver Oxycontin and methadone for $780. Conway was charged with possession of methadone, possession of OxyContin, unlawful delivery of OxyContin and two counts of using a telephone for a drug transaction. He is out on $25,000 bail.

In Fishkill, New York, an Ulster County jail guard was arrested Monday after being caught with 10 ounces of cocaine. Shawn Forte, 30, faces a charge of first degree criminal possession of a controlled substance after he was stopped for "speeding" on Interstate 84 in Fishkill. According to state police, the charges stemmed from an investigation by the Ulster County Sheriff's Office and the Ulster Regional Gang Enforcement Narcotics Team. Forte was being held without bail at the Dutchess County Jail as of mid-week, and more charges could be pending.

In Beaver, Pennsylvania, an outside report has found that the Beaver County Jail is "tainted" with sex, drugs, and violence, and jail guards are involved. The report found guards having sex with prisoners, guards physically abusing prisoners, guards accused of providing drugs to prisoners, and nearly half of prisoners who had been in for at least 60 days and were tested for drugs came back positive. Beaver County Controller Richard Towcimak, who chairs the prison board, said board members were "completely disheartened" by the report, while Beaver County District Attorney Tony Berosh said he would turn it over to the state attorney general's office.

Southwest Asia: Opium -- Not Just for Afghanistan Anymore?

With a keen eye peeled on his country's southern neighbor, Afghanistan, a Kyrgyz politician Wednesday came up with a unique solution to solving his own country's foreign debt problem. Kyrgyzstan Member of Parliament Azimbek Beknazarov, a former national prosecutor general, told parliament Kyrgyzstan should allow the planting of opium to pay its foreign debts.

http://stopthedrugwar.com/files/poppy2.jpg
incised papaver specimens (opium poppies)
"To solve this problem [of foreign debt] we need unordinary steps. I know that my suggestion will stir a heated debate," Beknazarov said. "This year Afghanistan announced almost officially that it will increase opium crops. We have to do the same and permit our people to plant opium for a year or two. After that all international organizations will raise havoc and offer themselves to write off out country's debts," the deputy said.

Beknazarov's remarks came after the parliament refused to enroll in an international program that would write off part of the debt for the world's poorest countries because deputies did not want to admit that Kyrgyzstan is among those countries. The country's foreign debt is about $2 billion.

That figure is about two-thirds the estimated annual revenues from the Afghan opium trade. Afghanistan is also set to receive hundreds of millions of dollars in anti-drug aid from the United States and NATO countries this year. While Beknazarov was undoubtedly speaking tongue in cheek, there is a certain element of truth to his remarks.

Anúncio: Novo Formato para o Calendário do Reformador

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Ansiamos por informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estiverem disponíveis.

Anúncio: Os Feeds RSS da DRCNet Estão Disponíveis

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Anúncio: Agora os Feeds de Agregação de Conteúdo da DRCNet Estão Disponíveis para a SUA Página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página é dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, note também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Busca na Rede

página em tributo a Ken Gorman

relatório sobre as sentenças mínimas obrigatórias de Maryland, do Justice Policy Institute

grupos atacam o Conselho Internacional de Controle dos Entorpecentes por impedir a prevenção eficaz a HIV/AIDS

Prisões Privadas: Comércio em Almas [Private Prisons: Commerce in Souls?], documentário de Silja Talvi (vídeo) para SourceCode, The Dish Network

a Anistia Internacional sobre a desmobilização dos paramilitares colombianos (eles a chamam de farsa), com animação de Mark Fiore

a rádio Al Group 86 com os policiais contra a guerra às drogas, Real e MP3

Tony Newman sobre "$125 por um maço de cigarros!" [$125 for a pack of cigs!] nas prisões californianas, Huffington Post

artigo do East-Village.com sobre a vernissagem de Tony Papa

O James Bond apóia a legalização?, Daniel Craig no blog da Transform

Europa: Grã-Bretanha fornecerá heroína a dependentes, diz escrito "confidencial" do Ministério do Interior

O governo britânico está preparado para começar a prescrever heroína através do Serviço Nacional de Saúde a "usuários veteranos reincidentes" depois que um programa-piloto provou ter sucesso, de acordo com um informe no jornal The Independent, que cita um escrito "confidencial" preparado pela equipe de políticas estratégicas do Ministério do Interior. O documento informativo também sugere a autorização das vendas de heroína e cocaína, mas o governo não irá tão longe assim, disse The Independent.

De acordo com o escrito, do qual The Independent diz que obteve uma cópia: "O Ministério do Interior deve ponderar a entrega mais ampla de heroína prescritível injetável a usuários altamente dependentes através do NHS. Dado o fracasso das intervenções na oferta em ter qualquer efeito considerável sobre o mercado de drogas, vale a pena considerar uma administração maior do mercado pela entrega mais ampla de heroína prescritível injetável a usuários altamente dependentes através do NHS".

De acordo com as fontes do Ministério do Interior citadas pelo jornal, só os usuários inveterados que não responderam ao tratamento com metadona estarão aptos. "Ele só se aplicará a um pequeno número de pessoas", disse um porta-voz do Ministério do Interior.

As fontes do Ministério do Interior acrescentaram que, na Suíça, onde os médicos prescrevem heroína em vez de metadona a tais usuários, 26% pararam de usar e a criminalidade e o desemprego caíram. Citando a experiência suíça, o escrito diz, "Contrariamente à crença popular, há provas de que a heroína não intoxica necessariamente o usuário - ela pode ser estabilizada com as pessoas que levam vidas relativamente normais".

O despacho também adverte que a Grã-Bretanha está metida numa batalha perdida com os contrabandistas de drogas e sugere a legalização da venda da heroína e da cocaína. "Há cada vez mais provas da impossibilidade de vencer a guerra contra a oferta de drogas. Um sistema de oferta fiscalizada das drogas permitiria que o Governo exercesse um grau muito maior de influência sobre a maneira pela qual as substâncias são consumidas do que é possível atualmente", aconselhou o relatório. "Há um argumento forte de que a proibição causou ou criou muitos dos problemas que acompanham o consumo ou consumo indébito de drogas. Uma opção para o futuro seria regular as drogas diferentemente, através ou das vendas sem receita médica ou das vendas autorizadas ou da prescrição do médico".

Mas, em um editorial de domingo do Independent, o jornal observou que o governo não tomará providências para autorizar ou regulamentar de outra maneira as vendas de drogas. "Legalizar a oferta de drogas foi recusado firmemente pelo governo porque sancionaria o consumo de drogas", observou o jornal. "A política de objetivar os contrabandistas e traficantes de drogas continua, apesar da advertência do relatório de que reduzir a oferta de drogas faz com que os preços subam e a criminalidade aumente".

Política Extrema: Prefeito de Vermont Pede a Pena de Morte para os Traficantes de Drogas Pesadas e a Legalização da Maconha

A frustração do prefeito de Barre, Vermont, Thomas Lauzon, com as drogas e as políticas de drogas está aparecendo e o está deixando um pouquinho esquizofrênico. Em comentários informados no Barre-Montpelier Times Argus no sábado, Lauzon pediu a pena de morte para os traficantes de crack e heroína e, no mesmo fôlego, pediu a legalização da maconha.

Ele disse que planeja pedir à assembléia estadual que adote a pena de morte e legalize a maconha. Se não obtiver sucesso nisso, disse, espera iniciar uma discussão em todo o estado sobre o problema de drogas estadual, provavelmente a partir de um fórum de abril em Barre.

Barre (pronuncia-se "berry") é uma cidade de rápido desenvolvimento que no passado era conhecida como "A Chicago da Nova Inglaterra". Hoje em dia, Barre tem a fama de ser exportadora de monumentos fúnebres de granito, uma distinção que lhe conseguiu uma matéria "ZipUSA" na edição de outubro de 2003 da National Geographic.

"As pessoas que estão traficando crack e traficando heroína tem valor social zero e deveriam pegar pena de morte", disse Lauzon. "Estou seguro que todos se distanciarão de mim", disse Lauzon no sábado de seu pedido da pena de morte. "Mas se alguém diz que estamos ganhando a guerra contra as drogas, está mentindo".

No sábado à noite ele reiterou essa posição em outra entrevista com o Times Argus. "Que valor social têm? Estão traficando crack e heroína aos jovens, sabendo muito bem quais serão os efeitos", disse o prefeito. "A que propósito servem na sociedade,. afora destruir vidas e destruir famílias?"

Os políticos de Vermont reagiram com cautela. O senador estadual Richard Sears (D-Bennington), presidente do Comitê Judiciário do Senado, disse que ele compreendia a frustração de Lauzon, mas não adotava nem a pena de morte para traficar drogas pesadas nem a legalização da maconha. "Acho que o homem está muito frustrado e compreendo a frustração dele", disse Sears. "A meu ver, o problema é que ignoramos este problema até que ficou fora de controle".

Jason Gibbs, porta-voz do governador James Douglas, disse ao jornal que embora o governador não fosse inalteravelmente contrário à pena de morte, ele era contrário à legalização da maconha. "Ele não é inalteravelmente contrário à pena de morte, mas não tem nenhum plano de introduzi-la. Há algumas circunstâncias nas quais ele apoiaria uma pena de morte, mas não tenho certeza se esta está entre elas", disse Gibbs. "A maconha é uma droga inicial para alguns, então ele não quer apoiar a legalização".

Lauzon disse que discutira as propostas dele com alguns legisladores, mas não chegara muito longe. "Eles ouvem com educação. Eu gostaria de ter uma conversa em todo o estado. A conversa que eu gostaria de começar é 'Como vamos? Estamos contentes com o nosso progresso na guerra contra as drogas? O que estamos fazendo em Vermont a respeito da guerra contra as drogas?" disse Lauzon. "Talvez comecemos em Barre".

Embora a proposta de Lauzon da pena de morte para os narcotraficantes seja a primeira na história recente de Vermont, o seu pedido de legalização da maconha ecoa um feito em dezembro passado pelo Promotor da Comarca de Windsor, Robert Sand, que pediu a legalização da maconha e a descriminalização das outras drogas. E assim está o debate sobre as drogas em Vermont.

Web Scan

Report: The Consequences Aren't Minor: The Impact of Trying Youth as Adults and Strategies for Reform, Campaign for Youth Justice

Video: Member of Canadian Parliament Libby Davies at the recent CSSDP inaugural conference

Save Bernie's Farm!, campaign by medical marijuana patient and drug war victim Bernie Ellis

Drug Truth update, 3/16/07:
Cultural Baggage: Phil Smith of Stop The Drug War (DRCNet) reports on recent trip to Peru and Bolivia, Atty Joe Alford + Terry Nelson of LEAP, Drug War Facts , & Black Perspective (MP3)
Century of Lies: Prof. William Martin of the James A. Baker Institute for Policy Studies + Eric Sterling & Maia Szalavitz (MP3)

Where's the outrage? Schiavo coverage v. Raich's struggle to stay alive, Silja Talvi, Women in Media and News blog

Veterans Suffering from Trauma are Turning to Drugs, and Even Suicide, DPA's asha bandele and Tony Newman in the Huffington Post

Europa: Comunicador Irlandês Lendário Diz que o País Deveria Debater a Legalização das Drogas

O ex-apresentador de programa de entrevistas irlandês e atual diretor do Departamento de Trânsito da Irlanda, Gay Byrne, pediu um debate nacional sobre a legalização das drogas. Como apresentador do Late Late Show na Irlanda de 1962 a 1999, Byrne foi um catalisador destacado na transformação da sociedade irlandesa, abordando tabus como o aborto, a homossexualidade, o abuso sexual de menores por padres, o divórcio e a AIDS. Agora, está se pronunciando sobre as políticas de drogas.

http://stopthedrugwar.org/files/gaybyrne.jpg
Gay Byrne
Em comentários informados durante o fim de semana, Byrne disse que chegara ao ponto em que ele achava que eram necessárias novas idéias nas políticas de drogas irlandesas. "É um grande abismo o que eu vou pular", disse, "mas cheguei à conclusão de que a possibilidade de legalizar as drogas deveria ser examinada".

Byrne disse que a polícia irlandesa está gastando milhões de dólares tentando parar o narcotráfico e esteve fazendo isso durante anos, mas sem muito sucesso. "Cadáveres estão sendo encontrados todos os dias da semana. Tudo o que digo é que talvez exista outro jeito de fazer isso", disse. "Você continua tentando solucionar um problema que tem nos acompanhado por 40 anos ou deveríamos dar uma olhada na legalização da maldita coisa?"

A proibição das drogas resulta em um aumento na criminalidade, sugeriu Byrne. "Não há pessoas matando uma a outra por um maço de cigarros ou uma lata de Heineken", discutiu. "Até quando se conserta um carro que não está funcionando antes que se diga que quiçá exista outra maneira de fazer isto?"

Para sempre, se o governo irlandês fizer o que quer. Apesar das preocupações crescentes com a criminalidade relacionada à proibição, os altos índices do consumo de drogas e as overdoses com drogas, o governo foi rápido em responder os comentários de Byrne com uma negativa firme. "Sou totalmente contrário a legalizar qualquer droga", disse Noel Ahern, o ministro de estado responsável pelas políticas de drogas. "Em diferentes estágios, pessoas diferentes tentaram defender a legalização das drogas. Mas, essa não é uma sugestão que possa dar certo. As drogas são ilegais e assim elas devem ser mantidas. Qualquer papo sobre liberalizar as drogas é irresponsável".

Certo. Supõe-se que é melhor enveredar pela senda contente das políticas proibicionistas fracassadas do que discutir as alternativas. Mas, dada a história de Gay Byrne como catalisador da mudança, talvez Ahern e seus colegas pensem nisso duas vezes.

Liberdade de expressão: Caso "Bong Hits 4 Jesus" se dirige para a Suprema Corte no mês que vem, com Ken Starr apoiando um lado e o SSDP o outro

Em um caso que pode determinar se os estudantes do ensino médio têm o direito a enunciar posições sobre as políticas de drogas que estejam em desacordo com as políticas antidrogas do distrito escolar, a Suprema Corte dos EUA ouvirá em breve [o caso] Frederick vs. Morse - popularmente conhecido como "Bong Hits 4 Jesus" -, pondo frente a frente um ex-estudante do ensino médio do Alasca contra a sua diretora e a diretoria do colégio, que o puniu por segurar um cartaz com essa frase fora da propriedade escolar.

http://stopthedrugwar.org/files/kenstarr-small.jpg
Ken Starr quer inibir quaisquer imitadores do 'Bong Hits 4 Jesus' em potencial
Há quase cinco anos, Joseph Frederick, um estudante Colégio Secundário Douglas em Juneau, Alasca, exibiu o seu cartaz "Bong Hits 4 Jesus" depois que os estudantes foram dispensados do colégio para ver um desfile que trazia a tocha olímpica e passava pela cidade. Frederick foi suspenso por 10 dias pela diretora da escola, que citou as políticas antidrogas escolares. Ele recorreu à diretoria do distrito escolar, que manteve a suspensão dele, mas a limitou aos oito dias de aulas que ele perdera até aquele momento.

Então, Frederick processou a diretora e o colégio, afirmando violações dos seus direitos constitucionais estaduais e federais à liberdade de expressão. Frederick perdeu em tribunal federal de distrito, mas o Tribunal de Apelações do 9° Circuito dos EUA concordou com ele em uma decisão de 2006, sustentando que, porque a exposição do cartaz não aconteceu durante um evento sancionado pela escola, a diretora e o distrito escolar tinham infringido o seu direito à liberdade de expressão previsto pela Primeira Emenda.

Com a assistência do ex-procurador especial de Whitewater, Kenneth Starr, que está trabalhando gratuitamente, o distrito escolar recorreu à Suprema Corte, que concordou em ouvir o caso em dezembro. A argumentação oral está marcada para o dia 19 de março. O distrito escolar discutiu que deixar que Frederick se expresse fazendo referências aos apetrechos e ao consumo de drogas pode interferir em seu esforço para promover uma política antidrogas consistente.

A organização sediada nos campi, o Students for Sensible Drug Policy (SSDP), cujas sucursais estão localizadas principalmente nas faculdades, mas que tem algumas nos colégios, viu um impacto em potencial do caso sobre o poder estudantil de desafiar o dogma da guerra às drogas e decidiu intervir com alegações amicus curiæ ao tribunal superior. De acordo com as alegações do SSDP, "As políticas de drogas do nosso país afetam direta e indiretamente as vidas cotidianas dos estudantes. Ora pelos exames toxicológicos aleatórios para atletas estudantis, ora pelo auxílio financeiro federal condicionado pela falta de qualquer condenação por drogas, os jovens são consideravelmente afetados nas posições como estudantes pelas políticas relacionadas às drogas. Assim, os estudantes têm um interesse pessoal em compreender e discutir as questões subjacentes que orientam e afetam as políticas de drogas deste país. A Primeira Emenda garante que a voz deles sobre estas questões esteja protegida".

"Este caso se centra em um estudante que segurou um cartaz absurdo, mas o argumento do distrito escolar - se for adotado pela Corte - silenciaria a liberdade de expressão nas escolas públicas acerca de tópicos importantes como os exames toxicológicos com estudantes, os fracassos da DARE ou a maconha medicinal", disse Kris Krane, diretor-executivo do SSDP. "A Guerra Contra as Drogas tem impacto sobre os jovens todo santo dia. Os estudantes devem reter o seu direito garantido pela Primeira Emenda a debater as políticas de drogas que os afetam diretamente", acrescentou.

Em nota à imprensa na semana passada, o principal advogado do American Center for Law and Justice, Jay Sekulow, chamou o caso Frederick vs Morse de "um caso extremamente fraco que nem deveria ser considerado pela Suprema Corte" e pediu que a corte revertesse a sua decisão de ouvi-lo.

Maconha Medicinal: Flint Vira a Quinta Cidade do Michigan a Permiti-la

Os eleitores em Flint, Michigan, foram a favor de permitir o consumo de maconha medicinal por uma margem de 62% a 38% na terça-feira. Flint vira a quinta cidade do Michigan a aprovar tal medida e embora a maconha medicinal continue sendo ilegal tanto segundo a lei estadual quanto a lei federal, a votação em Flint só deve acrescentar força ao ímpeto para pôr a questão perante todo o estado.

Defendido pela NORML Michigan e a Flint Compassionate Care Coalition, o esforço também foi ajudado pela assistência do Marijuana Policy Project e do escritório nacional da NORML.

Agora, Flint se une a Detroit, Ann Arbor, Ferndale e Traverse City como cidades do Michigan em que os eleitores aprovaram o uso de maconha medicinal.

América Latina: A Matança de Políticos Salvadorenhos pela Polícia na Guatemala Abre Janela para a Corrupção das Drogas na América Central, a Matança dos Assassinos A Fecha

Quatro oficiais da polícia guatemalteca em uma unidade contra as drogas e o crime organizado que foram presos pelos assassinatos horripilantes de 19 de fevereiro de três políticos salvadorenhos foram mortos eles mesmos no domingo em um justiçamento descarado dentro da prisão em que eles estavam detidos. Os dois grupos de assassinatos estão levantando sérios questionamentos sobre a corrupção relacionada às drogas na América Central e, em particular, sobre as laços entre a polícia guatemalteca e o crime organizado, mas as mortes dos oficiais da polícia significam que o que sabiam irá à cova com eles.

No dia 19 de fevereiro, os políticos salvadorenhos William Pichinte, Eduardo d'Aubuisson e José Ramón González - todos integrantes do partido governante Arena de El Salvador - e o chofer deles foram encontrados baleados e queimados em seu veículos nas redondezas da Cidade da Guatemala, aonde eles tinham ido para participarem de uma reunião política regional. Como d'Aubuisson é o filho do finado Roberto d'Aubuisson, que liderou os esquadrões direitistas da morte em El Salvador nos anos 1980, as primeiras especulações eram as de que as matanças foram um assassinato político.

Mas, quando Luis Arturo Herrera, comandante da unidade contra o crime organizado da polícia guatemalteca, e três dos seus subordinados foram presos pelo crime três dias depois, várias teorias relacionadas com uma execução por drogas passaram ao primeiro plano. De acordo com as especulações na imprensa centro-americana, a execução dos políticos salvadorenhos aconteceu enquanto os policiais guatemaltecos corruptos procuravam o dinheiro das drogas escondido em um compartimento secreto no veículo. Outra versão, através do chefe da polícia salvadorenha, Rodrigo Ávila, diz que Herrera e os seus homens foram enganados a matar o trio por desconhecidos que lhes disseram que eles eram traficantes de drogas.

Com base em aparelhos de GPS no veículo de Herrera, que o situava na cena do crime, os seus subordinados e ele foram detidos e encarcerados na famosa prisão de El Boquerón a uns 60 quilômetros a leste da Cidade da Guatemala. No domingo à tarde, de acordo com os depoimentos dos parentes dos internos que estavam visitando a prisão, os guardas forçaram as pessoas a sair, homens desconhecidos armados entraram na prisão e ouviu-se o som de disparos. Os quatro policiais foram encontrados mortos a tiros na cela deles.

"Eles disseram [aos visitantes] que tinham que sair porque ia ter uma revista e eles começaram a expulsar os visitantes", disse a mãe de um preso, cuja nora a chamou do lado de fora da prisão. "Quando eles entraram, viram que homens armados entravam na prisão. Daí, quando todos estavam lá fora, eles ouviram vários disparos", disse ela.

"O que se tratou de fazer é calar a boca destes sujeitos para que não envolvessem outras estruturas similares", disse o chefe Ávila aos repórteres. Os policiais mortos foram as vítimas de "pistoleiros da polícia", acrescentou. "É óbvio que as pessoas que cometeram os homicídios (dentro do presídio) têm um nível de influência no lado de dentro das estruturas policiais, ou estruturas penitenciárias ou estruturas do Estado", disse Ávila.

Otto Pérez Molina, ex-diretor da inteligência militar guatemalteca, seguia linhas semelhantes de pensamento. "Estes quatro (policiais) foram mortos porque sabiam muito das ilegalidades dentro da polícia nacional civil e poderiam comprometer as autoridades". De acordo com Pérez Molina, pelo menos dois esquadrões da morte estão operando dentro das agências guatemaltecas da polícia. "Estes grupos estão operando com a cumplicidade das autoridades", disse.

No domingo, as autoridades da prisão tentaram obscurecer as circunstâncias dos justiçamentos ao tentarem relacioná-los a uma rebelião na prisão naquele mesmo dia dos membros de La Mara Salvatrucha, a gangue centro-americana. Mas, os integrantes da Salvatrucha que ligaram para imprensa de dentro da prisão disseram que eles realizaram a rebelião depois das matanças por medo de que os inculpassem pelas mortes dos oficiais.

Embora as mortes dos quatro policiais presos signifiquem que a verdadeira razão por trás das matanças dos políticos salvadorenhos pode não ser conhecida nunca, os dois grupos de assassinatos estão levantando indagações que podem levar, enfim, a uma revelação do lado obscuro e feio do crime organizado e da repressão às drogas centro-americanos.

Rota de colisão: Política "coca sim; cocaína não" da Bolívia vai de encontro ao Conselho Internacional de Controle dos Entorpecentes e, provavelmente, aos Estados Unidos

Aproxima-se um confronto pelo esforço do presidente boliviano Evo Morales de racionalizar a produção de coca no país dele e expandir os mercados para os produtos à base de coca. Após décadas de esforços infrutíferos para suprimir o cultivo da coca na Bolívia - a política "zero coca" adotada pelos Estados Unidos e imposta contra governos bolivianos sucessivos - Morales, um ex-líder do sindicato dos cocaleiros, elaborou políticas que permitem o aumento do cultivo da coca dos 30.000 acres permitidos segundo a lei boliviana atual para 50.000 acres. Agora, o governo Morales também está fazendo pressão pela expansão dos mercados legais para os produtos da coca e, em uma empresa conjunta com o governo venezuelano, está se preparando para começar a exportar os produtos da coca a esse país.

http://stopthedrugwar.org/files/leaves-drying-in-warehouse.jpg
secando as folhas no armazém. O letreiro diz: ‘Coca Poder e Território, Dignidade e Soberania, Congresso Regional 2006-08’
Isso não caiu bem tanto aos Estados Unidos quanto à burocracia antidrogas internacional sediada nas Nações Unidas. Nesta semana, o Conselho Internacional de Controle dos Entorpecentes (INCB, sigla em inglês) apontou diretamente para a Bolívia no seu relatório anual correspondente a 2006 (vá a Tópicos Especiais, a partir do parágrafo 171). No relatório, o INCB acusa a Bolívia de infringir a Convenção Única de 1961 sobre os Entorpecentes, que define a planta da coca como droga ilícita.

"A situação na Bolívia, país este que durante muitos anos não agiu em consonância com as obrigações que lhe incumbem em virtude dos tratados de fiscalização internacional das drogas, continua sendo motivo de especial preocupação para o Conselho", diz o relatório. "A Bolívia é um grande produtor de folha de coca e a sua legislação nacional permite o cultivo do arbusto de coca e o consumo da folha de coca com fins que não são medicinais, o que é incompatível com as disposições da Convenção de 1961".

O INCB estava particularmente preocupado que a Bolívia "tenha apontado a sua intenção de examinar a legislação nacional vigente em matéria de fiscalização de drogas visando a utilizar a folha de coca em uma ampla gama de produtos, alguns dos quais poderiam ser exportados". Isso também seria incompatível com a interpretação do INCB da Convenção.

A linguagem do relatório do INCB é uma clara crítica voltada contra a política declarada do governo Morales de "coca sim; cocaína não" e contra os esforços para o consumo da folha de coca para produtos medicinais e nutricionais. Pior ainda, na opinião do INCB, a Bolívia podia dar um mau exemplo aos demais países produtores de coca: "O Conselho também expressa a sua inquietude pela possibilidade de que os acontecimentos relacionados à política da Bolívia tenham repercussões nos outros países da América do Sul", declarou o relatório com preocupação.

Os Estados Unidos também expressaram preocupação com as políticas bolivianas da coca sob Morales, assim como inquietudes sobre os laços de Morales com o líder venezuelano Hugo Chávez, cujo governo finalizou um acordo com a Bolívia no início deste mês para financiar a construção de plantas de processamento da coca na Bolívia e para importar os produtos da coca boliviana à Venezuela. Até agora neste ano, o governo dos EUA tem limitado as suas expressões de preocupação a inquietudes sobre as naturezas "antidemocráticas" dos dois líderes esquerdistas sul-americanos, mas o prazo da revisão anual do Departamento de Estado da observância dos demais países às políticas antidrogas dos EUA acaba no fim deste mês. Uma questão de suma importância é a de se as políticas de Morales levarão os EUA a suspenderem a certificação da Bolívia a respeito de estar em consonâncoa com aqueles objetivos.

http://stopthedrugwar.org/files/vitalia-and-daughter.jpg
a integrante do sindicato cocaleiro e ex-líder, Vitalia Mérida, com a filha dela no cocal - escondido a quilômetros da estrada por uma caminhada árdua, um legado dos dias da erradicação
Na semana passada, o governo boliviano não ajudou nada quando o seu ministro de relações exteriores e cultos, David Choquehuanca, disse a um encontro da Organização dos Estados Americanos que a Bolívia nunca erradicaria a coca e que estava mais interessada no "consenso" do que na "democracia". "A luta dos povos indígenas vai além da democracia", disse Choquehuanca. "Na palavra democracia ainda existe a palavra submissão, e submeter o próximo não é viver bem, por isso queremos resolver os nossos problemas mediante o consenso".

É lógico, agora não há consenso internacional sobre a coca e se os funcionários e analistas bolivianos com os quais a Crônica da Guerra Contra as Drogas conversou nesta semana estiverem certos, também não há nenhum indício de que o governo boliviano esteja preste a se dobrar frente aos guerreiros antidrogas em Washington e Viena.

A industrialização do processamento da coca e a expansão dos mercados legais são o plano de ação certo, disse o congressista boliviano Asterio Romero na quarta-feira. Membro do partido Movimento Ao Socialismo (MAS) de Morales, Romero apóia fortemente a política "coca sim; cocaína não". "Primeiro, quero dizer que venho do Chapare, eu era um líder cocaleiro. Sempre era 'coca zero', mas nunca haverá zero coca", disse ele à Crônica. "Lutamos por muitos anos, tivemos muita gente morta e presa porque a coca é uma fonte de subsistência econômica para nós. Nunca permitiremos que outros governos nos imponham a 'coca zero'. Somos uma nação soberana; é uma questão de dignidade boliviana", disse.

"Embora, sim, combatamos o narcotráfico - e estamos nos saindo muito bem; as apreensões de cocaína e precursores químicos estão em alta -, também temos que descriminalizar o cultivo da coca e a industrialização são o caminho", discutiu Romero. "Temos que revalorizar a coca, temos que encontrar mais mercados para a coca. Há países amigos que nos ajudam, como a Venezuela, e somos gratos a eles por isso".

"Com a sua oposição à folha de coca, o INCB só fomente o narcotráfico", disse Silvia Rivera, fundadora do grupo boliviano Coca y Soberanía, professora emérita de sociologia na Universidade de La Paz e assessora de Romero. "Toda folha que tiver usos bons e saudáveis é uma folha que não vai para os traficantes", disse ela è Crônica. "Essa é melhor maneira de lutar contra os traficantes de drogas. Esses burocratas na ONU simplesmente não entendem isso; eles acham que a coca é uma droga".

http://stopthedrugwar.org/files/coca-museum-la-paz.jpg
o Museu da Coca, centro de La Paz
"Acontece o mesmo com o governo dos Estados Unidos", disse Rivera. "Os estadunidenses não conseguem reconhecer a racionalidade de outras formas de vida e a abordagem deles é verdadeiramente esquizofrênica. Teme o narcotráfico, mas cria as condições para que floresça tentando impedir outros usos para a coca. Os EUA tentam discutir que o Evo é a favor dos traficantes de cocaína, mas é a política dos EUA que os ajuda. Além disso, os EUA respaldaram os narcoditadores no passado porque eram fascistas radicais. Eles recebem o apoio e as armas dos EUA para que possam matar as pessoas".

Na verdade, ao invés de bater em retirada em vista das críticas do INCB e dos EUA, o governo Morales parece determinado a fazer pressão com o seu acordo para oferecer os produtos da coca à Venezuela. A Bolívia também está fazendo alarde de ir à raiz do problema através da realização de um esforço para emendar a Convenção Única para tirar a coca da sua lista de drogas ilícitas.

"Esta é uma maneira para que Chávez vá ao limite e veja quais são as fronteiras", disse Kathryn Ledebur da Rede Andina de Informação, que tem acompanhado a economia boliviana da coca e os esforços para reprimi-la durante anos. "Quem vai detê-lo? Já existem exportações consideráveis da folha de coca ao norte da Argentina e ninguém faz nada sobre isso. Contudo, se isto ajudar a agudizar o enfoque sobre mudar a Convenção Única, isso é bom - ela precisa ser emendada".

Ledebur duvidava que o governo Morales fizesse um esforço concertado para emendar a Convenção Única em Viena no ano que vem. "Vamos dizer que a sua política doméstica da coca é mais avançada do que a sua política internacional", disse ela. "Vejo poucas chances de alcançar algo a menos que haja algum tipo de esforço concertado de pressão com o Peru e eu não vejo o presidente García como alguém que esteja disposto a ir ativamente contra os EUA".

Tal ação exigiria uma concertamento dos países produtores de coca, disse Romero, e ele não achava que isso fosse acontecer tão cedo. "É o trabalho do governo boliviano mudar a Convenção de Viena", disse, "mas também é o trabalho da Colômbia e do Peru se juntarem a nós na ONU. Embora aqui na Bolívia tenhamos com Evo um governo com apoio popular para isto, no Peru e na Colômbia, os governos são neoliberais e pró-imperialistas e não vão se unir a nós. Mas, somos antineoliberais e vamos manter esta posição. Não obstante, estamos dispostos a conversar de governo para governo e de homem para homem sobre isto".

http://stopthedrugwar.org/files/santos5.jpg
o camelô pacenho Santos desfrutando de uma mascada vespertina de coca
Mas, para Romero e o governo boliviano, defender a coca é uma questão de orgulho nacional. "Somos um governo soberano e vamos seguir em frente com as nossas políticas", disse. "A coca não é perigosa, a coca não é veneno. Trabalharemos bilateralmente com os países que apoiarem a nossa posição. E os países que tentarem nos impedir agora, como os EUA, bom, talvez possamos lhes enviar alguma coca também".

Como a Bolívia já está confrontando o INCB, a próxima providência das políticas de coca do governo Morales seria a decisão da certificação dos EUA, que deve acontecer em meados de março. Mas, dada a conjuntura atual nos assuntos hemisféricos, com a maré crescente dos governos esquerdistas e os EUA, obcecados como estão com os assuntos no Oriente Médio, perdendo influência na região, os EUA podem muito bem dar um passo para trás e isolar e punir a Bolívia através do processo de certificação.

"Os EUA não conseguem sair do seu arcabouço antidrogas de usar os militares e a erradicação forçada", disse Ledebur, "mas não há acordo dentro do governo Bush sobre o que fazer com a certificação. Se tirar a certificação da Bolívia, perde a pouca alavanca que tem. Agora, a Bolívia tem outras formas de assistência, e não só Chávez; não tem mais que obedecer cegamente às ordens dos Estados Unidos. Se os EUA optarem por lhe tirar a certificação agora, o que fazem no ano que vem?" perguntou.

Isto está ficando muito interessante. A política "coca sim; cocaína não" do governo Morales é um anátema tanto para os EUA quanto para o INCB, mas parece que ambos não podem fazer muita coisa para detê-la e é possível que o desafio boliviano volte diretamente o seu olhar para a Convenção Única de 1961, talvez acertando em cheio o que é o espinhaço legal do regime global da proibição das drogas. Fique ligado.

Matéria: No Chapare boliviano, a política "coca sim; cocaína não" de Evo Morales traz a paz, se não a prosperidade

Durante mais de duas décadas a partir do início dos anos 1980, vários governos bolivianos que trabalhavam a mando do governo dos Estados Unidos adotaram uma política de erradicação forçada dos cultivos de coca no Chapare da Bolívia, uma região plana na província de Cochabamba. Era uma época de luta e conflito, violações dos direitos humanos e mobilizações camponesas enquanto dezenas de milhares de famílias dependentes da coca lutavam contra a polícia e os soldados, bloqueavam estradas, e, por fim, se uniram em uma força política poderosa que ajudou a derrocar governos. Agora, com um líder do sindicato cocaleiro do Chapare, Evo Morales, na residência presidencial em La Paz, os tempos mudaram e os dias de uma política de "coca zero" imposta pelos EUA ficaram no passado.

http://stopthedrugwar.org/files/coca-leaves-drying-by-highway.jpg
folhas de coca secando à beira da estrada
Segundo a legislação imposta pelos EUA e adotada em 1988, a Lei 1008, só os camponeses na região cocaleira tradicional das Yungas tinham autorização para cultivarem a coca e a produção total de coca estava limitada a 30.000 acres. Mas isso não impediu os camponeses de cultivarem a coca no Chapare, onde, no início dos anos 1980, a produção florescera durante os anos do "golpe da cocaína" do general Luis García Mesa. O desenvolvimento da produção de coca nesta área não-tradicional e não-autorizada era o alvo mais importante dos esforços de erradicação respaldados pelos EUA durante todos os anos 1990 e o início desta década.

Conseqüentemente, as violações dos direitos humanos de forças antidrogas treinadas e financiadas pelos EUA estavam desenfreadas. "Durante este período, eu recebia uma média de 10 denúncias por dia dos cocaleiros", disse o ex-defensor do povo do Chapare, Godofredo Reinecke. "Assassinatos, estupros, roubos, agressões, tudo isso, cometidos por soldados e policiais contra os cocaleiros", disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas nesta semana.

Agora as coisas são diferentes. Embora os soldados permaneçam na área, uma força especial da polícia alocada à área para impedir os bloqueios nas estradas e demais rebeliões foi retirada a pedido dos EUA - porque não tinha nada a fazer. As rebeliões camponesas acabaram, os bloqueios são história e as violações dos direitos humanos pelas forças de segurança caíram abruptamente. Há paz no Chapare e isso acontece por causa do abandono da política "coca zero".

http://stopthedrugwar.org/files/asterio-romero.jpg
o congressista boliviano Asterio Romero falou com a Crônica da Guerra Contra as Drogas nesta semana
Na verdade, a mudança começou em 2004, antes que Morales fosse eleito presidente, quando o então presidente Gonzalo Sánchez de Lozada assinou um acordo com os cocaleiros alinhados com as Seis Federações dos Cocaleiros do Trópico de Cochabamba que permitia que cada família cultivasse um cato (1.600 metros quadrados - cerca do tamanho de um terço de um campo de futebol americano) de coca.

Mas, como parte de uma política geral de "coca sim; cocaína não" adotada por Morales desde que assumiu o cargo há pouco mais de um ano, na verdade o governo boliviano virou as costas para o limite de 30.000 acres para a produção legal, permitindo formalmente agora mais 20.000 acres no Chapare para que sejam cultivados com coca. Mas embora tais medidas tenham levado a paz à região, ela continua atolada na pobreza e no desespero, como a Crônica da Guerra Contra as Drogas presenciou durante uma visita ali nesta semana.

Em um terreninho perto de Villa Tunari no Chapare, a agricultora Vitalia Mérida cultiva a coca, junto com laranjas e bananas, em uma tentativa de alimentar e vestir os sete filhos dela. A situação está difícil, disse ela. "Os meus filhos não querem ir à escola por razões econômicas", disse ela à Crônica. "Eles querem sair e ganhar dinheiro". As laranjas e bananas dela trazer apenas uma miséria, disse, enquanto que o seu cato de coca lhe permite embolsar cerca de $75 por mês, totalizando cerca de $900 ao ano - soma próxima à renda média na Bolívia, um dos países mais pobres da América do Sul.

Apesar da luta constante para ter uma renda, disse Mérida, uma ex-líder das Seis Federações (e ainda mantém a filiação), a vida está melhor do que nos dias da erradicação forçada. "Ainda somos pobres, mas somos livres agora", disse. "Agora há paz. Antes, esperávamos que os soldados viessem como bandidos. Eles nos matam, nos prendem".

Enquanto Mérida falava, o silêncio da selva remota era interrompido pelo estrondo de um helicóptero. "Não, não estão procurando os cocais", disse Reinecke em resposta a uma pergunta. "Eles estão levando alimentos e provisões aos soldados e à polícia antidrogas na região". De acordo com Reinecke, o abastecimento financiado pelos EUA custa $12.000 por dia, uma verdadeira fortuna em uma área em que a fruta é vendida por quase nada e a coca por não muito mais do que isso.

http://stopthedrugwar.org/files/cocaine-and-precursor-search.jpg
posto de inspeção da FELCN (Força Especial de Luta Contra o Narcotráfico) entre Cochabamba e o Chapare, busca de cocaína e precursores em progresso
Embora falte o financiamento do desenvolvimento sustentável, os EUA continuam financiando a presença militar na região. Em uma base militar na vizinha Chimbote, construída com verbas estadunidenses, onde já estiveram acomodados mil efetivos, o estabelecimento está quase deserto, mas o comandante interino, o coronel Edwin de la Fuente Jeria, está alojado com a comodidade proporcionada pelo ar condicionado no seu escritório.

O coronel estava tão tranqüilo quanto as suas imediações. "Não temos mais nada a ver com a coca", reconheceu, antes de dizer que ele não podia contar mais nada sem a aprovação prévia dos superiores dele. De acordo com Reinecke, era verdade - acima de tudo, a base serve agora como lugar de treinamento para os recrutas locais que cumprem o serviço obrigatório deles.

Embora camponeses como Vitalia Mérida estejam lutando, o governo Morales estão tentando aliviar a situação deles. Parte desse esforço gira em torno de ajudá-los a levar a colheita deles ao mercado. Em um armazém de coca a pouca distância da vizinha Shinahota, os cocaleiros estão secando e pesando a colheita em preparação para transportá-la aos mercados legais nas cidades bolivianas.

"Este é o nosso cultivo local", disse o membro das Seis Federações, Félix Cuba, no armazém. "Segundo este novo programa, podemos vendê-la diretamente às cidades sem atravessadores. Isso significa um pouquinho mais de dinheiro para nós", disse ele à Crônica. "E isso mantém a coca fora das mãos dos narcos".

Embora exista uma pressão constante para ganhar mais dinheiro para alimentar as suas familias, os cultivadores estão observando o limite de cultivo, disse ele. "Estamos mantendo a regra de um cato", disse. "É por respeito à política. Evo disse que podemos cultivar um cato, então, para defendermos a política, cultivamos só um cato. A federação administra isto e o fazemos através do controle social".

http://stopthedrugwar.org/files/sign-announcing-venezuela-plant.jpg
placa que anuncia a construção da planta de industrialização da folha de coca financiada pela Venezuela
"As bananas, as laranjas, o mamão, as batatas - todos apodrecem e não dão muito dinheiro", disse a líder das Seis Federações, Juana Cosío, enquanto observava o trabalho no armazém. "Neste ano, com todas as chuvas, a coisa está feia. Cultivamos a coca como garantia", disse ela à Crônica. "Mas precisamos de mais mercados. Por isso estamos tentando produzir a farinha de coca e outros produtos. Não somos narcos, somos apenas agricultores. O governo de Evo reconhece isso, então agora estamos em paz por aqui", disse ela.

Cosío apontou para a assistência proporcionada pelo governo venezuelano do presidente Hugo Chávez, que está fornecendo verbas para as plantas de industrialização da coca tanto no Chapare quanto nas Yungas. "A Venezuela está nos ajudando a processar e vender a nossa colheita", disse.

Segundo um acordo finalizado no início deste mês, a Venezuela não só está financiando a construção das plantas de processamento, mas também prometeu comprar até 4.000 toneladas de produtos de coca, um grande avanço para um cultivo cuja exportação está proibida de acordo com a Convenção Única de 1961 sobre os Entorpecentes da ONU. Segundo esse tratado, a coca é considerada uma droga ilegal permissível somente como aromatizante (extraído o alcalóide da cocaína) ou para uso farmacêutico, com a prática de mascar folhas de coca sendo retirada paulatinamente por volta de 1986.

Isso não vai impedir a Bolívia, Venezuela e Cuba, que está proporcionando a assistência técnica, de seguir adiante com um Tratado de Comércio dos Povos assinado há alguns meses. Esse tratado aloca cerca de $1 milhão em investimentos na pesquisa sobre a produção da coca. Embora os EUA e os organismos internacionais de fiscalização dos entorpecentes tenham levantado objeções, a Venezuela e a Bolívia continuam firmes. Como observou o ministro do poder popular para as relações exteriores, Nicolás Maduro, enquanto se reunia com o seu homólogo boliviano, David Choquehuanca, no início deste mês, os dois países seguirão em frente com os projetos para "valorizar a dignificar a folha de coca".

http://stopthedrugwar.org/files/vitalia-merida-in-backyard.jpg
a integrante (e ex-líder) do sindicato cocaleiro Seis Federações, Vitalia Mérida, no quintal dela -- nada de narcopalácios por aqui, como os cocaleiros gostam de observar
A industrialização do processamento da coca e a expansão dos mercados legais são o plano de ação certo, disse o congressista boliviano Asterio Romero na quarta-feira. Membro do partido Movimento Ao Socialismo (MAS) de Morales, Romero apóia fortemente a política "coca sim; cocaína não". "Primeiro, quero dizer que venho do Chapare, eu era um líder cocaleiro. Sempre era 'coca zero', mas nunca haverá zero coca", disse ele à Crônica. "Lutamos por muitos anos, tivemos muita gente morta e presa porque a coca é uma fonte de subsistência econômica para nós. Nunca permitiremos que outros governos nos imponham a 'coca zero'. Somos uma nação soberana; é uma questão de dignidade boliviana", disse.

"Embora, sim, combatamos o narcotráfico - e estamos nos saindo muito bem; as apreensões de cocaína e precursores químicos estão em alta -, também temos que descriminalizar o cultivo da coca e a industrialização são o caminho", discutiu Romero. "Temos que revalorizar a coca, temos que encontrar mais mercados para a coca. Há países amigos que nos ajudam, como a Venezuela, e somos gratos a eles por isso".

Agora, a produção da coca foi "racionalizada" no Chapare, como os bolivianos gostam de dizer, e a repressão e a violência patrocinadas pelo estado são coisa do passado, mas faltam grandes passadas antes que a vida dos cocaleiros presencie um verdadeiro melhoramento econômico. O governo Morales, em conjunção com os seus aliados latino-americanos, está fazendo o que pode para ajudar a respeito disso. Mas, como a matéria acompanhante na Crônica desta semana indica, vai ter uma batalha com os Estados Unidos e a burocracia internacional de controle das drogas entre as suas mãos.

Anuncio: Nuevo Formato para el Calendario del Reformador

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Con el lanzamiento de nuestra nueva página web, El Calendario del Reformador ya no aparecerá como parte del boletín Crónica de la Guerra Contra las Drogas, pero será mantenido como sección de nuestra nueva página web:

El Calendario del Reformador publica eventos grandes y pequeños de interés para los reformadores de las políticas de drogas alrededor del mundo. Ya sea una gran conferencia internacional, una manifestación que reúna a personas de toda la región o un foro en la universidad local, queremos saber para que podamos informar a los demás también.

Pero necesitamos su ayuda para mantener el calendario actualizado, entonces por favor contáctenos y no suponga que ya estamos informados sobre el evento o que vamos a saberlo por otra persona, porque eso no siempre sucede.

Deseamos informarle sobre nuevos reportajes de nuestra nueva página web apenas estén disponibles.

Anuncio: Los Feeds RSS de DRCNet Están Disponibles

Los feeds RSS son una onda del futuro – ¡y la DRCNet los ofrece ahora! La última edición de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas está disponible usando RSS en http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Tenemos muchos otros feeds RSS disponibles también, sobre cerca de cien subtópicos distintos de las políticas de drogas que empezamos a rastrear desde el relanzamiento de nuestra página web este verano – relacionando no solamente los artículos de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas, sino también las publicaciones en el Bar Cladestino, los listados de eventos, los enlaces a noticias externas y más – y para nuestras publicaciones diarias en los blogs y en sus distintas subdirecciones. Visite nuestro Mapa del Sitio para leer la serie completa.

¡Gracias por sintonizarse en la DRCNet y en la reforma de las políticas de drogas!

Anuncio: ¡Ahora los Feeds de Agregación de Contenido de la DRCNet Están Disponibles para SU Página Web!

¿Usted es un aficionado a la DRCNet y tiene una página web que le gustaría usar para difundir el mensaje con más fuerza que un único enlace a nuestra página puede lograr? Tenemos la satisfacción de anunciar que los feeds de agregación de contenido de DRCNet están disponibles. Tanto si el interés de sus lectores está en el reportaje investigativo como en la Crónica de la Guerra Contra las Drogas, el comentario corriente en nuestros blogs, la información sobre subtópicos específicos de la guerra a las drogas, ahora podemos darles códigos personalizables para que usted los ponga en los lugares adecuados en su blog o página web y actualicen automáticamente los enlaces al contenido de concienciación de DRCNet.

Por ejemplo, si usted es un gran aficionado a la Crónica de la Guerra Contra las Drogas y cree que sus lectores sacarían beneficios de ella, puede tener los titulares de la última edición, o una porción de ellos, apareciendo y actualizándose automáticamente cuando salga cada nueva edición.

Si su página web es dedicada a las políticas de marihuana, puede publicar nuestro archivo temático, con enlaces a todos los artículos que publicamos en nuestra página acerca de la marihuana – los artículos de la Crónica, las publicaciones en los blogs, el listado de eventos, enlaces a noticias externas y más. Lo mismo vale para la reducción de daños, la confiscación de bienes, la violencia del narcotráfico, los programas de trueque de jeringas, Canadá, las iniciativas electorales, casi cien tópicos distintos que rastreamos corrientemente. (Visite la portada de la Crónica, en la columna derecha, para ver la lista actual completa.)

Si a usted le gusta especialmente nuestra nueva sección del Bar Clandestino, hay contenido nuevo todos los días tratando de todas las cuestiones y usted puede poner enlaces a esas publicaciones o a subsecciones del Bar Clandestino.

Haga clic aquí para ver una muestra de lo que está disponible - por favor, fíjese que la extensión, la apariencia y demás detalles de cómo ello aparecerá en su página pueden ser personalizados para adecuarse a sus necesidades y preferencias.

Por favor, fíjese también que estaremos contentos en hacerle más permutas de nuestro contenido disponible bajo pedido (pese a que no podamos prometer cumplimiento inmediato de dichas solicitaciones ya que, en muchos casos, la oportunidad dependerá de la disponibilidad de nuestro diseñador web). Visite nuestro Mapa del Sitio para ver lo que está disponible actualmente – cualquier feed RSS disponible allí también está disponible como feed de javascript para su página web (junto con el feed de la Crónica que no aparece todavía pero que usted puede encontrar en la página de feeds relacionada arriba). Experimente nuestro generador automático de feeds aquí.

Contáctenos si quiere asistencia o infórmenos sobre lo que está relacionando y adónde. Y gracias de antemano por su apoyo.

Búsqueda en la Red

página en tributo a Ken Gorman

informe sobre las sentencias mínimas obligatorias de Maryland, del Justice Policy Institute

grupos atacan la Junta Internacional de Fiscalización de los Estupefacientes por impedir la prevención eficaz al VIH/SIDA

Prisiones Privadas: ¿Comercio en Almas? [Private Prisons: Commerce in Souls?], documental de Silja Talvi (video) para SourceCode, The Dish Network

la Amnistía Internacional sobre la desmovilización de los paramilitares colombianos (ellos la llaman de farsa), con animación de Mark Fiore

la radio AI Group 86 con los policías contra la guerra a las drogas, Real y MP3

Tony Newman sobre "¡$125 por un paquete de cigarrillos!" [$125 for a pack of cigs!] en las prisiones californianas, Huffington Post

artículo de East-Village.com sobre la inauguración de Tony Papa

¿James Bond apoya la legalización?, Daniel Craig en la bitácora de la Transform

Europa: Gran Bretaña proveerá heroína a adictos, dice escrito “confidencial” del Ministerio de Interior

El gobierno británico está preparado para empezar a prescribir heroína a través del Servicio Nacional de Sanidad a “usuarios veteranos reincidentes” después que un programa piloto ha probado tener éxito, de acuerdo con un informe en el periódico The Independent, que cita un escrito “restricto” preparado por el equipo de políticas estratégicas del Ministerio de Interior. El documento informativo también sugiere la autorización de las ventas de heroína y cocaína, pero el gobierno no llegará tan lejos, dijo The Independent.

De acuerdo con el escrito, del cual The Independent dice que ha obtenido un ejemplar: “El Ministerio de Interior debe ponderar la entrega más amplia de heroína recetada inyectable a usuarios altamente dependientes a través del NHS. Dado el fracaso de las intervenciones en la oferta en tener cualquier efecto considerable sobre el mercado de drogas, vale la pena considerar una administración más grande del mercado por la entrega más amplia de heroína recetada inyectable a usuarios altamente dependientes a través del NHS”.

De acuerdo con las fuentes del Ministerio de Interior citadas por el periódico, sólo los usuarios inveterados que no han respondido al tratamiento con metadona estarán aptos. “Ello sólo se aplicará a un pequeño número de personas”, dijo un vocero del Ministerio de Interior.

Las fuentes del Ministerio de Interior añadieron que en Suiza, donde los médicos prescriben heroína en vez de metadona a dichos usuarios, 26% han parado de consumir y la criminalidad y el desempleo han caído. Citando la experiencia suiza, el escrito dice: “Contrariamente a la creencia popular, hay pruebas de que la heroína no intoxica necesariamente al usuario – ella puede ser estabilizada con las personas que llevan vidas relativamente normales”.

El despacho también advierte que Gran Bretaña está metida en una batalla perdida con los contrabandistas de drogas y sugiere la legalización de la venta de la heroína y de la cocaína. “Hay cada vez más pruebas de la imposibilidad de vencer la guerra contra la oferta de drogas. Un sistema de oferta fiscalizada de las drogas permitiría al Gobierno ejercer un grado mucho más grande de influencia sobre la manera por la cual las sustancias son consumidas que es posible actualmente”, aconsejó el informe. “Hay un argumento fuerte de que la prohibición ha causado o creado muchos de los problemas que acompañan el consumo o uso indebido de drogas. Una opción para el futuro sería regular las drogas diferentemente, a través o de las ventas sin receta médica o de las ventas autorizadas o de la prescripción del médico”.

Pero en un editorial de domingo del Independent, el periódico observó que el gobierno no tomará providencias para autorizar o reglamentar de otra manera las ventas de drogas. “Legalizar la oferta de drogas ha sido rechazado firmemente por el gobierno porque sancionaría el consumo de drogas”, observó el periódico. “La política de visar a los contrabandistas y traficantes de drogas continúa, pese a la advertencia del informe de que reducir la oferta de drogas hace que los precios suban y que la criminalidad aumente”.

Política Extrema: Alcalde de Vermont Pide la Pena de Muerte para los Traficantes de Drogas Duras y la Legalización de la Marihuana

La frustración del alcalde de Barre, Vermont, Thomas Lauzon, con las drogas y las políticas de drogas está apareciendo y lo está dejando un poquito esquizofrénico. En comentarios informados en el Barre-Montpelier Times Argus el sábado, Lauzon pidió la pena de muerte para los traficantes de crack y heroína y, en el mismo aliento, pidió la legalización de la marihuana.

Él dijo que planea pedir a la legislatura estadual que adopte la pena de muerte y legalice la marihuana. Si no obtiene éxito en eso, dijo, espera iniciar una discusión en todo el estado sobre el problema de drogas estadual, probablemente a partir de un foro de abril en Barre.

Barre (se pronuncia “berry”) es una ciudad de rápido desarrollo que en el pasado era conocida como “La Chicago de Nueva Inglaterra”. Hoy día, Barre tiene la fama de ser exportadora de monumentos fúnebres de granito, una distinción que le logró un reportaje “ZipUSA” en la edición de octubre de 2003 de la National Geographic.

“Las personas que están traficando crack y traficando heroína tienen valor social cero y les deberían dar muerte”, dijo Lauzon. “Estoy seguro que todos se distanciarán de mí”, dijo Lauzon el sábado de su pedido de la pena de muerte. “Pero si alguien dice que estamos ganando la guerra contra las drogas, está mintiendo”.

El sábado por la noche él reiteró esa posición en otra entrevista con el Times Argus. “¿Qué valor social tienen? Están traficando crack y heroína a los jóvenes, sabiendo muy bien cuáles serán los efectos”, dijo el alcalde. “¿A qué propósito sirven en la sociedad aparte de destruir vidas y destruir familias?”

Los políticos de Vermont reaccionaron con cautela. El senador estadual Richard Sears (D-Bennington), presidente del Comité Judiciario del Senado, dijo que él comprendía la frustración de Lauzon, pero no adoptaba ni la pena de muerte para traficar drogas duras ni la legalización de la marihuana. “Creo que el hombre está muy frustrado y comprendo su frustración”, dijo Sears. “A mi ver, el problema es que hemos ignorado este problema hasta que se puso fuera de control”.

Jason Gibbs, vocero del gobernador James Douglas, le dijo al periódico que aunque el gobernador no fuera inalterablemente contrario a la pena de muerte, él era contrario a la legalización de la marihuana. “Él no es inalterablemente contrario a la pena de muerte, pero no tiene ningún plan de introducirla. Hay algunas circunstancias en las que él apoyaría una pena de muerte, pero no estoy seguro si ésta está entre ellas”, dijo Gibbs. “La marihuana es una droga inicial para algunos, entonces él no quiere apoyar la legalización”.

Lauzon dijo que había discutido sus propuestas con algunos legisladores, pero no había llegado muy lejos. “Ellos escuchan con educación. A mí me gustaría tener una conversación en todo el estado. La conversación que a mí me gustaría empezar es ‘¿Cómo vamos? ¿Estamos contentos con nuestro progreso en la guerra contra las drogas? ¿Qué estamos haciendo en Vermont respecto a la guerra contra las drogas?’” dijo Lauzon. “Tal vez empecemos en Barre”.

Aunque la propuesta de Lauzon de la pena de muerte para los narcotraficantes sea la primera en la historia reciente de Vermont, su pedido de legalización de la marihuana hace eco de uno hecho el diciembre pasado por el Fiscal de la Comarca de Windsor, Robert Sand, que pidió la legalización de la marihuana y la despenalización de las otras drogas. Y así está el debate sobre las drogas en Vermont.

Europa: Comunicador Irlandés Leyendario Dice que el País Debería Debatir la Legalización de las Drogas

El ex presentador de programa de entrevistas irlandés y actual director de la Dirección General de Tráfico de Irlanda, Gay Byrne, ha pedido un debate nacional sobre la legalización de las drogas. Como presentador del Late Late Show en Irlanda de 1962 a 1999, Byrne fue un catalizador destacado en la transformación de la sociedad irlandesa, abordando tabúes como el aborto, la homosexualidad, el abuso sexual de menores por padres, el divorcio y el SIDA. Ahora, se está pronunciando sobre las políticas de drogas.

http://stopthedrugwar.org/files/gaybyrne.jpg
Gay Byrne
En comentarios informados durante el fin de semana, Byrne dijo que había llegado al punto en que él creía que se necesitaban nuevas ideas en las políticas de drogas irlandesas. “Es una gran sima la que voy a saltar”, dijo, “pero he llegado a la conclusión de que la posibilidad de legalizar las drogas debería ser examinada”.

Byrne dijo que la policía irlandesa está gastando millones de dólares intentando parar el narcotráfico y lo ha estado haciendo durante años, pero sin mucho éxito. “Cadáveres están siendo encontrados todos los días de la semana. Todo lo que digo es que quizá exista otra manera de hacerlo”, dijo. “¿Sigues intentando solucionar un problema que nos ha acompañado por 40 años o deberíamos echar un vistazo a la legalización de la maldita cosa?”

La prohibición de las drogas resulta en un aumento en la criminalidad, sugirió Byrne. “No hay gente matando la una a la otra por un paquete de cigarrillos o una lata de Heineken”, discutió. “¿Hasta cuándo se arregla un auto que no está funcionando antes que se diga que tal vez exista otra manera de hacer esto?”

Para siempre, si el gobierno irlandés hace lo que quiere. A pesar de las preocupaciones crecientes con la criminalidad relacionada con la prohibición, los altos índices del consumo de drogas y las sobredosis con drogas, el gobierno fue rápido en contestar los comentarios de Byrne con una negativa firme. “Soy totalmente contrario a legalizar cualquier droga”, dijo Noel Ahern, el ministro de estado responsable por las políticas de drogas. “En diferentes estadios, personas diferentes han intentado defender la legalización de las drogas. Pero ésa no es una sugestión que pueda funcionar. Las drogas son ilegales y así se las debe mantener. Cualquier charla sobre liberalizar las drogas es irresponsable”.

Muy bien. Se supone que es mejor seguir por el sendero contento de las políticas proibicionistas fracasadas que discutir las alternativas. Pero dada la historia de Gay Byrne como catalizador del cambio, quizá Ahern y sus colegas lo piensen dos veces.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Safe Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School