Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Feature: Fireworks at Book Forum in Washington as "Lies, Damn Lies, and Drug War Statistics" Authors Confront ONDCP Official

(DRCNet continues to offer this book as a membership premium -- read more here.)

The libertarian Cato Institute was the scene of drug policy confrontation last Thursday, as a leading Office of National Drug Control Policy (ONDCP -- the drug czar's office) official and two of ONDCP's harshest academic critics traded barbs and flung statistics over ONDCP's goals, whether it achieves them, and how it handles -- or mishandles -- the data.

Dr. David Murray, chief scientist for ONDCP, was on the hot seat as Appalachian State University professors Matthew Robinson (criminal justice) and Renee Scherlen (political science), the authors of "Lies, Damned, Lies, and Drug War Statistics: A Critical Analysis of Claims Made by the Office of National Drug Control Policy," subjected his agency to a sustained attack over what they called the misuse and manipulation of data used to evaluate whether ONDCP is doing its job.

Explaining that he and Scherlen had analyzed consecutive annual National Drug Control Strategies, the document where ONDCP sets its goals and measures its success at attaining them, Robinson went immediately on the offensive. "Our analysis suggests that the drug strategy is not an honest document, but really little more than a political document that does little more than reinforce the dominant ideology of the drug war and maintain the status quo," he said.

He and Scherlen then spent the next 30 or 40 minutes showing just how ONDCP manipulated data, changed goals, conflated statistics, and otherwise jimmied the numbers on drug use, on the cost of the drug war, and on the success of US drug policy in Latin America. "ONDCP shifts targets in its budgets and national strategies, making it impossible to evaluate how well it is meeting its drug war goals," said Robinson. "It focuses on good news such as short term declines and ignores the bad news, it selectively presents statistics favorable to its case, and sometimes makes claims that are just plain false."

"When it comes to statistics, they cook the books," Scherlen summarized.

"This is not Cato's finest hour," retorted Murray, after sitting through the sustained attack. "We've seen an attack on the integrity of me, my boss, and ONDCP. Wow," he exclaimed. "This is a devastating indictment... if it were true, but it's not. Instead, it's a series of confusions, misunderstandings, and ignorance on the part of the researchers, which they project onto us as our perfidy and willful deception."

Murray attacked Robinson and Scherlen for including drug use data from the 1990s and suggested that ONDCP and its current chief, John Walters, should not be blamed for what he described as the failures of the Clinton administration. "It wasn't this administration setting goals and being accountable then. We have seen progress since Walters took over in 2001," he said, citing recent downward trends in youth drug use.

Murray also made the unusual claim that rising emergency room mentions and drug-related deaths are "not current measures of drug use going up or down," but instead reflect decisions years earlier to commence drug use.

He also attacked the notion that ending drug prohibition would reduce harm, saying the idea that drug laws, not drugs, were the problem was "a delusion that grows out of late night dorm room discussions in college." But again, he used some unusual arguments. "Look at Mexico, the death and destruction of the drug trade," he argued, "is it the laws that made this happen or that these substances are profoundly dangerous?" A few breaths later, Murray sneered, "Do you think people wouldn't beat up their wives when they're stoned?" if drugs were legal.

Rhetorical excess aside, Murray also made the strongest prohibitionist argument: "We're saving lives and reducing social pathologies; when we diminish substance abuse, we make a difference. We have to try to reduce supply and demand."

It was a good event, said Timothy Lynch, director of Cato's Criminal Justice Project, who hosted the discussion. "Normally, you get turned down by ONDCP, so we were pleased they decided to send a representative," said Lynch. "This was the first time I've seen this guy. He came in and his presentation started out strong, but as it went on he started turning people off and became condescending and patronizing. I don't think he was winning anyone over to his position."

Listening to the discussion should prove useful for others, too. "This will be a good resource for people preparing for drug czar Walters or Murray coming to their areas," said Lynch. "They can hear the arguments and prepare their rebuttals."

"The authors did a pretty good job outlining a number of problems with how data is presented by ONDCP," said Eric Sterling, head of the Criminal Justice Policy Foundation. "Murray's response was not really very direct, and he engaged in ad hominem attacks. Still, he's a very effective PR person, he has a great voice and good presence, and he sounds very authoritative."

One thing that struck Sterling, he said, was Murray's change of title. "He used to be a senior policy analyst, but now he has the title of chief scientist. That's sounds very credible and authoritative, but for someone who is essentially a spokesperson and propagandist to take that title is a PR move," Sterling said.

"I respect Dr. Murray a lot for coming to these events and putting himself in situation where he is totally outnumbered," said Tom Angell, government relations director for Students for Sensible Drug Policy. "Of course, I disagree with 99% of what he says, but it's good that he is coming out to talk."

As Mahatma Gandhi once said, "First they ignore you, then they ridicule you, then they fight you, then you win." From Murray's presence and response to the critique, it appears we are now somewhere between stages two and three.

Watch or listen to the forum in the Cato web site archive, here.

(DRCNet continues to offer this book as a membership premium -- read more here.)

Feature: Canadian Mom Searching for Missing Daughter Denied Entry to US Over 21-Year-Old Drug Conviction

Glendene Grant, a 49-year-old resident of Kamloops, British Columbia, never had any interest in visiting the United States. That changed a little more than a year ago, when her daughter, then 21-year-old Jessie Foster went missing in Las Vegas in March 2006. Since then, she has made three trips to the US to talk with investigators and publicize her daughter's case on TV talk shows.

Jessie Foster traveled to Las Vegas in 2005, and became a prostitute working for an escort service -- a fact her mother did not know until she began investigating her disappearance. For more than a year, there has been no sign of her. Her case had been declared "cold" by the North Las Vegas Police Department, but on the suggestion of a US journalist, Grant contacted a new unit in the Las Vegas Metropolitan Police Department dedicated to human trafficking cases, the ATLAS (Anti-Trafficking League Against Slavery). ATLAS agreed to take on the Foster case, saying it had the earmarks of a sex slavery case.

http://stopthedrugwar.org/files/jessiefoster.jpg
Jessie Foster
Grant was set to travel to Las Vegas again last week to meet with investigators and local media about the case, but this time she was turned back by US Customs and Border Protection (CBP) officers at the Vancouver airport. The reason? She had a 1986 conviction for marijuana and cocaine possession.

As Drug War Chronicle reported just two weeks ago, both the US and Canada bar people who admit past drug use or have drug convictions from entering the country. Glendene Grant found that out the hard way, and she can't believe her ancient conviction even matters.

"I was supposed to fly last Monday night, but when I got to the airport, they told me to come back the next day," Grant told Drug War Chronicle. "I went early and spent three hours talking to one of the agents, and he finally said I would be denied and that I would have to get a waiver -- the same form they had given me the night before. I asked to speak to CBP supervisor Patricia Lundy, but I could tell she was not going to listen to anything I had to say. She asked if my daughter had chosen to go to Las Vegas, and when I said yes, she said 'Then I guess she made her own choices, didn't she?' When I asked 'Are you telling me my daughter chose to be kidnapped?' she threw me out of the office and called the RCMP to escort me away. It was the most unprofessional behavior I've seen in my life."

"They tried to say I couldn't cross because of that old drug conviction," Grant said. "I have never hid it, I had a valid passport, then, for some reason, it became an issue."

It was always an issue, according to the CBP. "She is automatically inadmissible for life because of the drug conviction," said CBP spokeswoman Cherise Miles. "We let her in before because it was an extreme circumstance. If she was coming on vacation, she would have been denied admission," she told the Chronicle.

Grant's only recourse is to seek a waiver allowing her to enter the US, said Miles. "A waiver is not automatic, but perhaps her circumstances would help turn it in her favor." The waiver fee is a non-refundable $265. The process takes "perhaps four to six weeks, maybe longer," said Miles.

"I don't have $265," Grant protested. "We have to fundraise for everything we do. I can't work very much, we can't afford to keep going, but we do. But I don't have $265." [Ed: There is a donation form at the Jessie Foster web site linked to above.]

CBP's Miles said that Grant had been allowed in on a humanitarian "parole," but that she had been warned she would have to apply for a waiver. Grant said that the first she heard about a waiver was when CBP officers at the Vancouver airport refused her entry and handed her a waiver form.

Now, Grant is pondering her options. "I don't know what to do," she said. "I've contacted my Canadian representatives, but it doesn't look like there is any way around this. Maybe the provincial governor can give me a pardon."

In the meantime, Jessie Foster remains missing and a harsh and unyielding US immigration law is keeping her mother from trying to find her. "I just sit here and think about it," she said. "What happens if they do find Jessie or her body and I can't go get her?"

Feature: Congress Moves to End Ban on DC Needle Exchange Funding

A nine-year-old measure barring the District of Colombia from spending its own funds on needle exchange programs (NEPs) instituted by conservative Republican lawmakers was removed from the DC appropriations bill Tuesday. Led by House Subcommittee of Financial Services and General Government chair Rep. Jose Serrano (D-NY), the subcommittee voted to excise the language from the bill, a key step in allowing the District to enact the proven harm reduction measure in an effort to reduce the spread of HIV/AIDS and other blood-borne infectious diseases.

https://stopthedrugwar.org/files/preventionworksatwork.jpg
Ron Daniels at PreventionWorks! van, Washington (screen shot of recent nytimes.com ''slide show'')
Although it has one of the highest HIV/AIDS infection rates in the country, with as much as a third of it linked to injection drug use, Washington, DC is the only city in the country expressly prohibited from spending money for NEPs. According to the North American Syringe Exchange Association, more than 200 NEPs are currently operating in 36 states.

"My basic principle in this bill is that the federal government should not dictate to the city how to manage its own affairs or spend its own money," said Serrano in a Tuesday statement. "Therefore, you will find that we have removed or changed riders that have been in past bills that closely prescribed to the city what it should or should not do."

"This is a huge step in helping to reduce HIV and AIDS in Washington, DC," said Naomi Long, director of the Washington Metro office for the Drug Policy Alliance. "We are pleased that Congress decided to stop playing politics with the lives of intravenous drug users in DC."

"This is extremely important," said Channing Wickham, director of the Washington AIDS Partnership. "About a third of AIDS cases here in the District are related to injection drug use. This is not a pro-drug move; it's a public health move," he told Drug War Chronicle. "There are numerous studies that show not only that giving drug users access to clean needles reduces the spread of HIV infections, but also that people in such programs get access to drug treatment and medical care. It's a win-win situation," he said.

"If they actually lift the ban, that'll be great," said Ron Daniels of Prevention Works!, a privately-funded NEP that arose in response to the 1998 federal ban on funding. "If they don't, our hands are tied. The people we are serving now are only the tip of the iceberg," he told the Chronicle from the mobile van the group uses to take clean needles to drug users. "We're only seeing about a third of the people we know are injection drug users. They have got to do something to stop this epidemic."

Even with the limitations imposed by having to seek out private funding, Prevention Works! managed to distribute more than 236,000 needles and had regular contact with some 2,000 injection drug users last year.

https://stopthedrugwar.org/files/needle-exchange-logo-small.gif
popular needle exchange logo
While the DC appropriations bill is still in the early stages, the subcommittee vote this week was a critical step, said Bill Piper, director of government relations for the Drug Policy Alliance. "This was the key vote," said Piper. "Committee chairs pick their battles carefully, and the fact that Serrano went ahead and did this suggests he thinks he can take this all the way. In the full committee, the Democrats will generally get behind whatever the subcommittee decided, and on the floor, the presumption will be against amending bills against the wishes of the committee."

That doesn't mean ideologically driven opponents will give up without a fight. Rep. Todd Tiahrt (R-KA), the man who inserted the ban in 1998, was still at it this week. Apparently ignorant of the mountain of scientific evidence establishing the effectiveness of NEPs in reducing the transmission of HIV/AIDS and other diseases, Tiahrt claimed that "needle exchange programs have been proven in many studies to be ineffective and a threat to the surrounding community, especially the children."

That prompted a Wednesday visit to Tiahrt's office by the Drug Policy Alliance, which hand-delivered numerous studies proving the effectiveness of NEPs. "Rep. Tiahrt's claims that syringe exchange programs don't work is similar to claiming the world is flat," said Piper. "We want him to have the information so he doesn't continue to embarrass himself and, more importantly, sabotage this life-saving measure."

With the subcommittee vote, DC is now closer than ever to being able to finance NEPs, and the measure will pass, Piper predicted. "I think this is one we will win," he said. "Not without a fight, of course, but the stars are aligned, everyone in DC wants this, and in the end, the DC syringe ban will be repealed."

Job Opportunities: Director of Federal Policies and Web Developer, MPP, Washington

The Marijuana Policy Project is hiring a Director of Federal Policies and a Web Developer for its Washington, DC office.

The Director of Federal Policies must be an outstanding and hands-on manager, have strong political instincts and solid political or government relations experience, and be able to persuasively promote MPP’s policy goals.

The overarching goal of the position is to pass medical marijuana legislation in the US Congress, while preventing bad bills from being enacted. Specifically, the Director of Federal Policies’ responsibilities are as follows:

  • Overseeing and effectively managing MPP's direct lobbying efforts in Congress, which includes managing the Director of Government Relations, who is MPP's primary congressional lobbyist; and advising the Executive Director on legislative strategy, including tactics for moving bills forward and fighting bad bills.
  • Overseeing the work of two or more MPP grantees who are working to build intra-district coalitions to pressure targeted US House members to vote for MPP's medical marijuana legislation on the House floor.
  • Overseeing and effectively managing MPP’s New Hampshire Campaign Manager, who is working to get all Democratic and Republican presidential candidates to take public, positive positions on medical marijuana access.
  • Building relationships with "grasstops" figures among MPP's supporter base, and facilitating contacts between these grasstops and members of Congress.
  • Managing MPP's "War on Drug Czar" campaign, which includes coordinating legal efforts against the White House drug czar's meddling in local- and state-level marijuana policy reform efforts.

Additionally, the Director of Federal Policies manages the workload for the four-person department (which also includes one full-time intern in addition to the employees mentioned above), writes content for MPP's web sites relating to federal legislation, and writes sample letters for e-mail subscribers to send to their members of Congress.

The Director of Federal Policies reports to the Executive Director.

In addition to a competitive salary, the position includes full health insurance and an optional retirement package.

The Web Developer position requires the ability to perform exceptionally in a fast-paced, high-pressure campaign environment -- and is an excellent opportunity for someone who is meticulous and hard-working to become immersed in the technology aspect of a successful and good-sized nonprofit advocacy organization.

The Web Developer's primary responsibility is to maintain MPP's presence on the web. This includes, but is not limited to planning, implementing, and maintaining MPP web sites (including setting up the sites on a server, working with MPP staff to design the front-end interface (including graphics and interactive elements), and integrating the sites with MPP's content management systems); general web site maintenance for mpp.org and all other MPP-related sites (using XHTML and CSS standards-compliant technology); researching, recommending, and implementing cutting-edge Web technologies to help MPP achieve its goals; monitoring and regularly reporting on Web activity for all MPP web sites to the Director of IT, Chief of Staff, and Executive Director; carrying out ad hoc projects as assigned in order to relieve department-wide workload; and occasionally providing back-up help-desk support for MPP's staff when other IT staffers are unavailable.

MPP is a heavily Apple-based organization, so extensive experience with Mac OS X and Mac OS X Server is a huge plus. Ideally, the candidate will be comfortable working with and supporting Mac OS X systems, servers and applications.

Familiarity with and experience developing web sites and applications using JavaScript (W3C DOM, not specific to any browser), PHP, Perl, Python, and other Web-enabled scripting and programming languages are a plus; candidates who can demonstrate skills in this area are strongly desired.

The salary of the Web Developer is $40,000 to $50,000, depending on experience. Health insurance and an optional retirement package are included.

The Web Developer reports to MPP's Director of Information Technology, who in turn reports to MPP's Executive Director.

To apply, visit http://www.mpp.org/jobs/process.html and follow the instructions there. Interviews are being conducted on a rolling basis, so interested individuals are encouraged to apply as soon as possible.

With more than 21,000 members and 100,000 e-mail subscribers nationwide, MPP is the largest marijuana policy reform organization in the United States. MPP works to minimize the harm associated with marijuana -- both the consumption of marijuana and the laws that are intended to prohibit its use -- and believes that the greatest harm associated with marijuana is imprisonment. MPP has 23 staffers in its DC office, three staffers in California, five in Minneapolis, and one in New Hampshire.

Anúncio: Novo formato para o Calendário do Reformador

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Desejamos informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estiverem disponíveis.

Anúncio: Os feeds RSS da DRCNet estão disponíveis

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Anúncio: Agora os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis para a SUA página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página é dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, note também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Entre em contato conosco se quiser assistência ou informe-nos sobre o que está relacionando e aonde. E obrigado de antemão pelo seu apoio.

Semanal: Esta semana na história

03 de junho de 1876: Os freqüentadores visitam a Exposição do Haxixe Turco na Exposição Centenária da Filadélfia, em que muitos tomam parte.

01 de junho de 1996; O ator e ativista pró-cânhamo, Woody Harrelson, é preso e acusado de cultivo de menos de cinco plantas de maconha após plantar quatro sementes de cânhamo industrial à vista do xerife da Comarca de Lee, William Kilburn, em Lexington, Kentucky.

01 de junho de 1998: Uma carta muito divulgada e assinada por mais de 600 líderes internacionais e profissionais influentes de nota de vários campos é escrita ao Secretário-Geral da ONU, Kofi Annan, instando-o a repensar "as políticas fracassadas e fúteis da guerra às drogas" já que os signatários acham que a guerra contra as drogas está fazendo mais mal que o próprio abuso de drogas. Os signatários pedem a abertura do debate a abordagens alternativas ao abuso químico com base no bom senso, na ciência, na saúde pública e nos direitos humanos.

04 de junho de 1998: A Common Sense for Drug Policy começa uma campanha publicitária de $60,000 na CNN e outros veículos, calculada para coincidir com a cúpula sobre as drogas da ONU do 08 de junho, com um vídeo do presidente Clinton na ONU com uma voz dublada imitando o presidente e instando uma mudança nas políticas de drogas (com uma nota visual que dizia que não era Clinton quem estava falando). No dia 07 de junho, a ABC Evening News cobriu o ocorrido.

06 de junho de 2002: A recém-formada organização de defesa da maconha medicinal, o Americans for Safe Access, realiza um dia nacional de ação com protestos em mais de 50 escritórios da DEA ao redor do país.

07 de junho de 2003: Cheryl Miller, uma paciente de esclerose múltipla e destacada defensora da maconha medicinal, morre de pneumonia e outras complicações relacionadas à EM aos 57 anos de idade. O marido dela, Jim, que continua ativo no movimento, sobrevive à sua morte.

02 de junho de 2004: O juiz Paul L. Friedman do Juizado Distrital dos EUA do Distrito de Colúmbia derroga uma lei aprovada pelo Congresso que proíbe os grupos de reforma da legislação sobre a maconha de comprarem espaço publicitário nos sistemas públicos de transporte. O juiz Friedman aponta que o governo federal não pode proibir certos tipos de expressão porque desaprova o seu conteúdo - especialmente à luz da própria propaganda do governo que defende a punição dos usuários de maconha nestes mesmos trens e ônibus.

Busca na rede: Gente que conhecemos

"Alone in a City's Battle Against AIDS" [Sozinho na batalha contra a AIDS de uma cidade], exposição de slides animados com Ron Daniels do programa de redução de danos/troca de seringas da PreventionWorks! de DC na página do New York Times (artigo acompanhante)

vídeo do ex-funcionário da DRCNet, Chris Mulligan na página do Washington Post discutindo a sua paixão pela reforma da lei sobre a maconha, parte da série semanal de entrevistas em vídeo, OnBeing

Europa: Novas restrições sobre alguns cafés cannábicos holandeses

A linha mais dura do governo holandês nos famosos cafés de maconha da Holanda está causando um efeito negativo. Em Roterdã, quase metade dos cafés da cidade terá que fechar porque estão perto demais de institutos do ensino médio. Enquanto isso, na cidade fronteiriça de Mastrique, aonde os "turistas das drogas" dos países vizinhos com leis sobre a maconha mais repressivas afluem para comprá-la, a associação municipal dos cafés anunciou nesta semana que começará a exigir verificações de impressões digitais de todos os clientes.

A Holanda tem atualmente mais de 700 cafés, consideravelmente menos que o auge de cerca de 1.500. Os cafés são muito criticados pelos vizinhos da Holanda e o atual governo holandês gostaria de vê-los desaparecer. Agora, se um café fechar não pode ser substituído por outro. Mas, os cafés retêm apoio popular, pelo menos em parte por causa dos enormes proventos que geram - uma estimativa de $1.5 bilhão ao ano.

http://stopthedrugwar.org/files/maastricht-coffee-shop.jpg
o subsolo de um café, Mastrique (por cortesia da Wikimedia)
De acordo com a agência holandesa de notícias ANP, a ação de restringir os cafés em Roterdã surgiu da preocupação com o consumo crescente de maconha de parte dos alunos e os problemas causados pela sua venda e consumo. Conseqüentemente, a cidade decidiu proibir os cafés situados a menos de 180 metros das escolas secundárias. Isso quer dizer que 27 cafés de Roterdã serão forçados a ir à falência.

Em Mastrique, os donos de café estão fazendo as suas próprias regras para evitar infringir as famosas políticas de tolerância da Holanda a respeito da maconha. Segundo a medida anunciada nesta semana, eles vão começar a tirar as impressões digitais dos clientes e escanear as suas cédulas de identidade a partir do fim deste verão.

"Isto não é algo que estamos fazendo voluntariamente, mas com dor nos nossos corações", disse Marc Josemans, diretor da União dos Cafés de Mastrique. "Temos muito medo de perder clientes por isto, e, para falar a verdade, sentimos um pouco de vergonha por fazê-lo, mas a Cidade de Mastrique tem punições tão duras que sentimos não ter nenhuma escolha", disse ele à Associated Press.

Os cafés têm alvarás para vender até cinco gramas de maconha por cliente por dia. Eles não podem vendê-la a ninguém menor de 18 anos nem podem permitir drogas que não forem a cannabis nas dependências. Desde que o prefeito de Mastrique, Gerd Leers, tomou posse em 2002, a polícia tem imposto estritamente as regras, resultando no fechamento de 11 dos 26 cafés da cidade.

De acordo com Josemans, a averiguação de impressões digitais e da cédula de identidade será testada no café dele em agosto e entrará em vigor em todos os cafés de Mastrique por volta de setembro. Tentando apaziguar as preocupações com a privacidade, Josemans disse que as impressões digitais iam acompanhar uma foto digital e uma escaneada da cédula de identidade do cliente, com toda a informação, exceto a data de nascimento. As impressões digitais não seriam de uma qualidade tal que ajudassem a polícia, disse.

A informação seria armazenada em cada café. "Não vamos divulgar esta informação a mais ninguém e não estamos vinculados uns com os outros nem com a Internet", disse Josemans.

Sudeste Asiático: Mais penas de morte para delitos de drogas

O Sudeste Asiático continua com a sua resposta macabra ao tráfico e à manufatura de drogas, já que nove pessoas foram condenadas à morte na Indonésia nesta semana por manufaturarem êxtase e mais três foram condenadas à morte no Vietnã por manufaturarem e traficarem metanfetminas. Outras quatro pessoas foram condenadas à morte por tráfico de heroína no Vietnã no mesmo dia. A região, junto com a China, é responsável pela maior parte das penas de morte para os delitos de drogas.

http://stopthedrugwar.org/files/chinese_anti_drug_poster.jpg
pôster antidrogas chinês
Na Indonésia, a Suprema Corte indonésia pronunciou penas de morte contra um francês, um holandês, dois indonésios e cinco chineses. Os europeus eram os especialistas na manufatura, os indonésios faziam a manufatura cotidiana e os chineses financiavam toda a operação, que produzia milhões de comprimidos de êxtase.

"A Suprema Corte considera especialistas o francês e o holandês", disse o ministro Djoko Sarwoko. "Se os deixarmos em paz, poderiam produzir em outro lugar ou ensinar a outros as suas habilidades. É uma ameaça para a próxima geração". [Ed.: A declaração do juiz é orwelliana - mesmo se se concordasse que os réus deveriam ser impedidos de manufaturar drogas no futuro, isso pode ser conseguido por métodos alheios à execução.]

Naquele mesmo dia, o Tribunal do Povo da Cidade Ho Chi Minh pronunciou penas de morte contra três homens e uma mulher por comprar pó de metanfetamina na vizinha Camboja, prensá-lo para fazer comprimidos de várias cores e formas e vendê-lo aos clientes na cidade. Outro homem foi condenado à prisão perpétua, enquanto que 17 outros réus foram condenados a sentenças de prisão que vão dos cinco aos 18 anos.

"Eles produziram e venderam 24.000 comprimidos pesando até 6 quilogramas no período entre 2003 e março de 2005, quando o cartel foi pego", disse o juiz presidente Vu Phi Long. "Este é um dos casos de drogas não-relacionados com a heroína mais importantes até agora".

Enquanto isso, na terça-feira o Tribunal do Povo da província de Son La impôs a pena de morte contra três homens por tráfico de pouco mais de 15 quilogramas de heroína. Uma mulher no caso foi sentenciada à prisão perpétua.

Segundo as normas de condenação vietnamitas, o porte, distribuição, manufatura ou contrabando de mais de 600 gramas de heroína ou 2.500 gramas de drogas sintéticas é punido com a morte. Agora, o Vietnã condenou 22 infratores da legislação antidrogas à morte neste ano.

O Vietnã e nove outros países-membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Brunei, Camboja, Indonésia, Malásia, Mianmá, as Filipinas, Cingapura, Tailândia) prometeram criar uma região livre das drogas por volta de 2015.

Maconha medicinal: Projeto de lei de Rhode Island é aprovado com maiorias à prova de veto

Agora, só um homem está entre os cidadãos de Rhode Island e uma lei permanente sobre a maconha medicinal e mesmo ele não será capaz de impedi-la. Na quarta-feira, o Senado estadual votou esmagadoramente a favor do projeto. Na semana passada, a Câmara estadual o aprovou por uma margem similar.

O governador Donald Carcieri (R) prometeu vetar o projeto. Mas, como ambas as câmaras o aprovaram com mais de 80% dos votos, os defensores legislativos do projeto não devem ter nenhum problema em garantir os dois terços dos votos necessários para revogarem o veto esperado.

Não seria a primeira vez. Em 2005, o governador Carcieri vetou um projeto sobre a maconha medicinal que está marcada para expirar no dia 30 de junho, mas em janeiro de 2006 a assembléia anulou esse veto - a única vez que qualquer legislatura estadual anulou um veto a fim de legalizar a maconha medicinal.

A Lei Edward O. Hawkins e Thomas C. Slater de maconha medicinal [Edward O. Hawkins and Thomas C. Slater Medical Marijuana Act] "protegeria os pacientes com doenças debilitantes, e os seus médicos e fornecedores principais, de detenção, ação criminal e outras penas e de confiscação de bens se tais pacientes tomarem parte no consumo medicinal de maconha".

Segundo o projeto, os pacientes precisam da recomendação de um médico e uma carteira de registro da Secretaria da Saúde do estado. Eles e seus fornecedores registrados principais podem portar até 12 plantas e 75 gramas de maconha usável.

O projeto de lei conseguiu amplo apoio na legislatura graças em parte aos esforços da Rhode Island Patients Advocacy Coalition, uma coalizão que unia pacientes, profissionais e organizações de medicina, defensores e cidadãos comuns que apóiam o acesso legal à maconha medicinal.

Imposição da lei: Senado dos EUA aprova projeto de lei para restaurar as subvenções às forças-tarefa antidrogas

Na sexta-feira passada, o Senado dos EUA votou na aprovação da legislação que restaurará o programa Edward Byrne de Subvenções de Assistência à Justiça (JAG, sigla em inglês), o qual proporciona financiamento à lei estadual e municipal que permite que essas agências criem forças-tarefa antidrogas compostas por várias delas. A legislação renovaria as subvenções Byrne/JAG durante outros cinco anos em seu nível de financiamento de 2006 de cerca de $200 milhões ao ano.

O programa foi duramente criticado não só por aqueles que citam numerosos abusos das forças-tarefa antidrogas, mas também pelos críticos dos programas esbanjadores e ineficientes. Há dois anos, o grupo de contribuintes Citizens Against Government Waste lançou um relatório mordaz sobre o gasto esbanjador das políticas de drogas. "Feito principalmente para diminuir o narcotráfico pelas fronteiras dos Estados Unidos afora, o programa virou um financiamento permissivo da prevenção às drogas para políticos ávidos de poder que levam à glória aos seus distritos às custas do contribuinte e reduziu a repressão às drogas em áreas em que é criticamente necessário", descobriu o grupo.

O governo Bush esteve tentando eliminar o programa de subvenções Byrne/JAG como medida de contenção de custos, mas a poderosa pressão das forças da ordem chiou. A ação para restaurar o financiamento foi endossada pela Associação Internacional dos Chefes de Polícia, a Associação Nacional dos Xerifes, a Associação Nacional das Organizações da Polícia, a Coalizão Nacional de Associações dos Agentes de Combate aos Entorpecentes, a Associação Nacional de Procuradores, a Associação Nacional de Justiça Penal, a Associação Estadual de Serviços para a Dependência, o Centro Nacional de Ação Legal nas Políticas, a Associação Nacional de Comarcas, a Aliança Nacional das Agências Estaduais de Repressão às Drogas, a Associação de Chefes de Polícia de Cidades Grandes, a Associação de Xerifes de Comarcas Grandes, a Associação Nacional de Diretores do Abuso de Álcool e das Drogas, a Associação Nacional de Diretores do HIDTA e a Coalizão Nacional de Políticas Estaduais.

Os defensores das subvenções às forças-tarefa antidrogas, liderados pelos senadores Diane Feinstein (D-CA) e Saxby Chambliss (R-GA) conseguiram reunir 51 co-defensores para o projeto. Tanto os policiais quanto os políticos estavam alardeando a vitória deles depois da votação.

"O Senado aprovou legislação para renovar as subvenções Byrne/JAG por mais cinco anos. Em uma época em que este país está presenciando o maior aumento nos crimes de sangue que experimentou em mais de uma década, devemos financiar programas como o Byrne/JAG", disse a senadora Feinstein. "Estas subvenções são cruciais para apoiar as forças-tarefa de várias jurisdições em sua luta contra os traficantes de drogas e de armas de fogo, as gangues e o crime organizado. O programa Byrne/JAG mostrou resultados reais durante mais de duas décadas e estas verbas permitirão que os sucessos continuem".

"Fiquei sabendo em primeira mão pela comunidade da lei da Geórgia que este financiamento é crucial para os seus esforços no combate à criminalidade e às drogas e na segurança dos nossos cidadãos tanto nas comunidades rurais quanto urbanas", disse o senador Chambliss. "Se formos pedir que as pessoas façam mais, então temos que lhes dar os recursos de que precisam para levar os seus deveres a cabo. Planejar e proporcionar financiamento robusto a este programa eficaz é essencial para as pessoas em que depositamos a nossa confiança para nos manterem, nós e as nossas famílias, seguros".

"A Associação Nacional de Xerifes gostaria de agradecer a senadora Feinstein pela sua liderança seguida no combate às gangues e pelos seus esforços incansáveis para garantir que este programa vital da lei fosse revitalizado", disse o presidente da Associação Nacional dos Xerifes, Ted Kamatchus, da Comarca de Marshall, Iowa.

"A IACP aplaude a aprovação do Senado da renovação do programa de Assistência à Justiça em Memória de Edward Byrne (Byrne-JAG)", disse o chefe Joseph C. Carter, chefe da Guarda do Trânsito da Baía de Massachusetts e presidente da Associação Internacional de Chefes de Polícia (IACP, sigla em inglês). "Esta medida ajudaria as agências da lei a lutarem contra o abuso das drogas, a criminalidade e a violência e melhoraria o sistema de justiça penal. O Programa Byrne-JAG deu recursos valiosos e cruciais consistentemente às agências estaduais, tribais e municipais da lei e a IACP insta a Câmara dos Deputados a aprovar esta legislação".

"A Coalizão Nacional de Associações dos Agentes de Combate aos Entorpecentes, representando os interesses de aproximadamente 70.000 agentes antientorpecentes em 43 estados pelo país afora, gostaria de agradecer a senadora Feinstein e os seus cinqüenta e dois co-defensores do S. 231 por reconhecerem a importância de estender a autorização atual do programa Edward Byrne de Subvenções de Assistência à Justiça. A renovação deste programa dará recursos que são vitais para os agentes de repressão aos entorpecentes dos Estados Unidos - ajudando-os a manter os bairros seguros da ameaça crescente das gangues e das drogas nas comunidades estadunidenses", disse o presidente da Coalizão, Ron Brooks.

Agora, isso se dirige à Câmara, onde provavelmente será igualmente difícil deter o rolo compressor das forças de segurança.

Busca e apreensão: Tribunal federal da Califórnia descarta buscas de celular sem mandado judicial

No dia 23 de maio, uma juíza de juizado distrital federal na Alta Califórnia decidiu que a polícia precisava de um mandado de busca para examinar os conteúdos dos celulares confiscados das pessoas que estão sendo presas. Embora a polícia possa tipicamente revistar as pessoas no momento da detenção e na autuação, a juíza sustentou que para buscar um celular é preciso um mandado de busca.

O caso surgiu de um reide contra um dispensário de maconha medicinal em dezembro de 2004 de parte da Chefatura de Polícia de São Francisco no qual cinco pessoas foram presas. Três delas - Edward Park, Brian Ly e David Lee - foram levados a uma delegacia local, onde o inspetor da polícia de São Francisco, David Martinovich, admitiu revistar o telefone de um homem e pedir que outro inspetor da polícia procurasse os telefones dos dois outros homens.

"Achava que uma busca dos telefones celulares na delegacia durante o processo de autuação era permissível como revista de autuação", disse Martinovich nos documentos judiciais. Ele admitiu examinar o celular e anotar os conteúdos de sua agenda de endereços.

Os três homens apresentaram uma solicitação de supressão das provas, dizendo que a busca sem mandado judicial dos celulares infringia a Quarta Emenda. A juíza distrital dos EUA, Susan Illston, concordou.

"Este tribunal decide... que, para fins de análise da Quarta Emenda, os celulares devem ser considerados 'posses dentro do controle imediato de um detido' e não parte da 'pessoa'", escreveu Illston em seu parecer. "Isto porque os celulares modernos têm a capacidade de armazenar quantidades imensas de informação privada".

Illston expressou preocupação com as infrações do direito à privacidade das pessoas. "Diferentemente dos bipes e agendas de endereços, os celulares modernos registram as ligações recebidas e feitas e também podem conter agendas de endereços, calendários, mensagens de voz e texto, correio eletrônico, vídeo e fotos. Os indivíduos podem armazenar informações altamente pessoais em seus celulares e podem registrar os seus pensamentos e conversações mais privados em seus celulares através do correio eletrônico e mensagens de texto, voz e torpedos", observou.

"Qualquer decisão contrária podia ter conseqüências dilatadas", prosseguiu Illston. "Na audiência, o governo asseverou que, apesar de que os oficiais aqui limitassem as suas buscas às agendas de endereços dos telefones, os oficiais podiam ter procurado qualquer informação - como e-mails ou mensagens - armazenada nos celulares".

O governo não mostrou nenhum propósito além do de avançar nas investigações criminais, concluiu Illston. "O tribunal decide que o governo não cumpriu o seu ônus para mostrar, por uma preponderância das provas, que é prática normal da polícia procurar os conteúdos de um celular como parte do processo de autuação", escreveu ela. "De fato, o governo não articulou nenhum motivo pelo qual seja necessário procurar os conteúdos de um celular a fim de cumprir qualquer um dos interesses legítimos do governo servidos por uma busca na autuação: a saber, impedir o roubo de propriedade dos detentos e falsas afirmações de roubo da parte dos detentos e identificar contrabando e demais artigos".

Como Illston apontou em seu parecer, não há parecer controlador sobre estas questões nem no Tribunal de Apelações do 9° Circuito dos EUA nem na Suprema Corte dos EUA. Em um caso federal similar, o juiz presidente decidiu em favor do governo. Provavelmente estas questões serão mais resolvidas nos tribunais federais de apelação.

Busca e apreensão: Suprema Corte do Minnesota permite cheirada de cão farejador de drogas fora da porta do apartamento

No dia 24 de maio, a Suprema Corte do Minnesota decidiu que a polícia só precisava da suspeita articulável - não o padrão superior de causa provável - para poder usar um cão farejador de drogas para cheirar a porta externa da residência de uma pessoa. A decisão por 5 a 2 provocou um dissenso amargurado.

http://stopthedrugwar.org/files/drugdog.jpg
cão farejador de drogas
A decisão aconteceu em Minnesota vs. Davis, em que a polícia de Burnsville foi informada por operários de manutenção em um complexo habitacional que eles acharam ter visto luzes de cultivo de maconha e que Evan não queria deixá-los entrar no apartamento para consertar o vazamento de água. Com base nessa informação, a polícia trouxe um cão farejador de drogas ao local e o cachorro reagiu fora da porta do apartamento. Daí, a polícia usou a informação dos operários de manutenção, o alerta do cão farejador e os antecedentes criminais de Davis para obter um mandado de busca, que resultou na descoberta de vários artigos de contrabando e três acusações de delitos de drogas contra Davis.

No julgamento, Davis apresentou solicitação para suprimir as provas, debatendo que a polícia precisava de causa provável para chamar um cão farejador à porta do apartamento dele porque a cheirada do cão farejador de sua porta externa era equivalente na verdade a uma "busca" do apartamento dele, requerendo, portanto, causa provável. Ele perdeu no tribunal de julgamento, que concluiu que a polícia só precisava da suspeita articulável e que ela cumprira esse padrão. O Tribunal de Apelações do Minnesota afirmou essa decisão e agora a Suprema Corte a reafirmou.

Embora a constituição estadual exija que os tribunais equilibrem o interesse dos indivíduos na privacidade contra o interesse público na imposição efetiva da lei, a Suprema Corte do Estado sustentou que a intrusão na privacidade de Davis era tão mínima que não precisava de um padrão superior de causa provável. A única intrusão na privacidade de Davis aconteceu porque o cão farejador podia cheirar o que o público não podia. "Esta intrusão, entretanto, é mínima", escreveu o ministro Gildea pela maioria.

"Quando equilibramos a intrusão mínima nos interesses na privacidade [do réu] dentro de sua residência contra o interesse do governo no consumo de farejadores detectores de entorpecentes enquanto ferramenta investigativa para combater a criminalidade das drogas, concluímos que a polícia precisava de uma suspeita razoável e articulável para fazer um cão detector de entorpecentes passar pelo corredor comum do lado externo do apartamento [do réu]", escreveu Gildea. O informe dos operários de manutenção alcançou o nível de suspeita articulável, acrescentou o parecer.

O ministro Alan Page, somado pela ministra Helen Meyer, dissentiu veementemente do parecer da maioria. "Este caso marca um afastamento considerável da nossa jurisprudência constitucional porque é a primeira vez que a corte autorizou a busca de uma residência privada com base em nada menos que a causa provável na ausência de circunstâncias exigentes", escreveu Page. "É um afastamento que nos conduz a um caminho que desgasta as proteções da Quarta Emenda no próprio lar. É um caminho que não estou disposto a trilhar". Infelizmente, Page estava na minoria.

Imposição da lei: As estórias de policiais corruptos desta semana

A maconha desapareceu do armazém de provas, um xerife se confessa culpado, um policial é preso por vazar uma informação e um policial estadual recebe sexo oral, mas perde o seu emprego. Só outra semana de improbidade policial relacionada à proibição. Vamos ao que interessa:

Em Nashville, um policial estadual do Tennessee foi despedido por retirar uma acusação de delito de drogas contra uma atriz pornô em troca de sexo oral. O policial estadual James Randy Moss foi despedido no dia 25 de maio pelo incidente de 07 de maio, que começou quando ele parou Justis Richert, 21, conhecida profissionalmente como Barbie Cummings. De acordo com uma fita feita por Moss, ele a parou por excesso de velocidade. Mas, em uma publicação no seu blog que desapareceu desde então - mas não antes que alguém a informasse à polícia -, Cummings escreveu que Moss descobriu os seus medicamentos receitados ilegais, ela lhe disse que era uma atriz pornô, eles foram ao veículo dele onde procuraram páginas que a mostravam em ação, ele jogou os comprimidos fora e ela lhe proporcionou sexo oral. Moss enfrenta possíveis acusações por destruir as provas também.

Em Richmond, Virgínia, o ex-xerife da Comarca de Henry se confessou culpado no dia 24 de maio por mentir às autoridades sobre a corrupção generalizada em sua chefatura. O ex-xerife H. Franklin Cassell e 12 ajudantes atuais e anteriores, assim como sete outras pessoas, foram indiciados no outono passado por acusações de venderem as armas e drogas que tinham confiscado. Todos menos três se declararam culpados das acusações que incluem formação de quadrilha, distribuição de entorpecentes e de armas em um esquema que durou de 1998 às detenções do outono passado. Cassell não foi acusado de participar da quadrilha, mas de ignorá-la e de mentir aos investigadores federais sobre ela. Ele se confessou culpado de prestar declarações falsas e espera-se que cumpra de seis a 12 meses em prisão federal.

Em Fort Summer, Texas, há maconha em falta no armazém de provas da delegacia de polícia. O chefe Wayne Atchley informou que ele notou um rastro de folhas secas de maconha que saía do armazém de provas no dia 10 de maio e que uma porção desconhecida de uma apreensão de 2.500 plantas estava em falta. Não havia sinais de arrombamento, sugerindo que isso podia ter sido um trabalho interno. Não está claro quantas pessoas tinham chaves para o prédio. Atchley acrescentou que parecia que os ladrões sabiam que a maconha estava ali porque foi a única coisa que eles levaram. Ele pediu à Secretaria de Segurança Pública do Texas que investigasse.

Em Hollywood, Flórida, o quinto oficial da polícia municipal foi preso na Operação Distintivo Maculado [Operation Tarnished Shield]. Com 23 anos de serviços prestados, o tenente Chuck Roberts foi preso em sua casa no dia 24 de maio por acusações de vazar informações da investigação, a qual até agora resultou em acordos de confissão de quatro outros oficiais de Hollywood por acusações de formação de quadrilha relacionada com as drogas por oferecer os seus serviços para proteger carregamentos de drogas em uma armação do FBI. De acordo com um ofício do FBI, Roberts soube da armação por um comandante. Então, ele contou a outro oficial, que contou a um dos oficiais que estava sendo investigado, trazendo assim a operação a um fim prematuro. Então, Roberts supostamente mentiu ao FBI sobre isso. Ele foi acusado de prestar declarações falsas ao FBI. Roberts e dois outros oficiais foram suspensos há duas semanas em razão de seus vínculos com os vazamentos, mas os outros dois não foram acusados.

Oferta da DRCNet aos membros: Defenda a liberdade com camisetas da 4ª Emenda da Flex Your Rights

Como nosso mais recente prêmio de filiação, a DRCNet tem o prazer de oferecer camisetas dos nossos amigos na Flex Your Rights - camisetas brancas que dizem "Não consinto com buscas" e camisetas pretas que dizem "Tem um mandado?", ambas com o texto da 4ª emenda nas costas. A Flex Your Rights é a autora do vídeo que mais de 800 assinantes da DRCNet compraram da gente, "Busted: The Citizen's Guide to Surviving Police Encounters". Sempre uso camisetas da Flex Your Rights e me meteram em muitas conversas, mas nunca em problemas.


Doe $30 ou mais à DRCNet e escolha uma das duas camisetas - doe $55 ou mais para adquirir as duas! Doe $50 e lhe enviaremos uma camiseta E um exemplar de "Busted" - ou $75 para pedir "Busted" e duas camisetas!


Também continuamos com as nossas quatro últimas ofertas - "Lies, Damn Lies, and Drug War Statistics", os três livros de Arnold Trebach, mercadorias da StoptheDrugWar.org e muito mais.Visite a nossa página de doações para ver todas as ofertas na coluna direita.


A sua doação ajudará a DRCNet enquanto avançamos no que pensamos ser um plano incrível de dois anos para fazermos progressos consideráveis na reforma das políticas de drogas e na causa de acabar com a proibição globalmente e nos EUA. Por favor, faça uma doação generosa hoje para ajudar a causa! Sei que você sentirá que o dinheiro foi bem gasto depois de ver o que a DRCNet está preparando. O nosso formulário eletrônico de doação lhe permite doar por cartão de crédito, por PayPal ou imprimir um formulário para enviar junto com o seu cheque ou ordem de pagamento.


Por favor, repare que as contribuições à Drug Reform Coordination Network ou Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas, a nossa entidade de lobby, não são dedutíveis do imposto de renda. As doações dedutíveis podem ser feitas para a Fundação DRCNet, a nossa ala de conscientização. (Escolher artigos gratuitos reduzirá a parte de sua doação que você pode deduzir pelo custo no varejo do artigo.) Ambos os grupos recebem a correspondência dos membros em: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036.

Obrigado pelo se apoio e espero ter notícias suas em breve.


Atenciosamente,



David Borden
Diretor-Executivo

Oferta da DRCNet aos membros: The Trebach Trilogy

Atualização da primeira oferta: Trebach concordou em assinar todos os exemplares de seus livros que você receber da DRCNet! Além do mais, acrescente apenas $22 à sua doação para adquirir um exemplar de "Lies, Damned Lies, and Drug War Statistics: A Critical Analysis of Claims Made by the Office of National Drug Control Policy" [Mentiras, malditas mentiras e as estatísticas da guerra às drogas: Uma análise crítica das afirmações feitas pelo Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas] também! (Deixe uma nota no espaço para comentários para informar-nos que você o está solicitando.)

Temos a satisfação de anunciar que a nossa mais recente oferta para os membros é a "Trilogia Trebach" - dois clássicos relançados de Arnold Trebach - um antigo amigo da DRCNet, fundador da Drug Policy Foundation e conhecido pelos conhecedores da reforma como o pai do movimento moderno pró-reforma das políticas de drogas - num volume recém-saído:

  • The Heroin Solution [A solução da heroína]: "Um grande sucesso", disse a Publishers Weekly. "Eloqüente e persuasivo" de acordo com The New York Times;
  • The Great Drug War, and Rational Proposals to Turn the Tide [A grande guerra às drogas, e Propostas racionais para reverter a situação]: Há duas décadas, no que era um indiciamento sentido da guerra contra as drogas da era Reagan, Trebach identificou e deu vida a todos os tipos de abusos derivados do esforço para impor a proibição das drogas e começou a explicar uma estratégia para escapar da guerra às drogas e atingir "a paz das drogas" (Crônica da Guerra Contra as Drogas;
  • Fatal Distraction: The War on Drugs in the Age of Islamic Terror [Distração fatal: A guerra contra as drogas na era do terror islâmico]: A destilação da obra de uma vida inteira ns trincheiras da reforma das leis sobre as drogas... um livro que os reformadores grisalhos e os recém-chegados deslumbrados com a causa afins vão querer ler e absorver. (Crônica da Guerra Contra as Drogas)

Por favor, ajude o trabalho da DRCNet com uma doação generosa. Se a sua doação for de $35 ou mais, lhe enviaremos uma cópia gratuita de qualquer um dos livros de Trebach - ou doe $65 ou mais para escolher dois, ou $90 ou mais para os três.

A sua doação ajudará a DRCNet enquanto avançamos no que pensamos ser um plano incrível de dois anos para fazermos progressos consideráveis na reforma das políticas de drogas e na causa de acabar com a proibição globalmente e nos EUA. Por favor, faça uma doação generosa hoje para ajudar a causa! Sei que você sentirá que o dinheiro foi bem gasto depois de ver o que a DRCNet está preparando. O nosso formulário eletrônico de doação lhe permite doar por cartão de crédito, por PayPal ou imprimir um formulário para enviar junto com o seu cheque ou ordem de pagamento. Por favor, repare que as contribuições à Drug Reform Coordination Network ou Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas, a nossa entidade de lobby, não são dedutíveis do imposto de renda. As doações dedutíveis podem ser feitas para a Fundação DRCNet, a nossa ala de conscientização. (Escolher artigos gratuitos reduzirá a parte de sua doação que você pode deduzir pelo custo no varejo do artigo.) Ambos os grupos recebem a correspondência dos membros em: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036.

Leia a resenha de “The Great Drug War” feita pelo editor da Crônica, Phil Smith, aqui, a resenha de “Fatal Distractionaqui e a resenha de “The Heroin Solutionaqui.

Semanal: Blogando no Bar Clandestino

Junto com a nossa reportagem investigativa da Crônica, desde o verão passado a DRCNet também esteve proporcionando conteúdo diário na forma de blogagem no Bar Clandestino Stop the Drug War, assim como links às Últimas Notícias (canto inferior esquerdo) e mais informações. Cheque a DRCNet todos os dias para ficar a par da reforma das políticas de drogas!

http://stopthedrugwar.org/files/speakeasy1-reduced.gif
foto de bar clandestino (por cortesia de arbizu.org)

Nesta semana:

Scott Morgan opina sobre "David in the Liar's Den" [David no Covil da Mentira], "Ed Rosenthal Convicted of Following State Law, Helping Sick People" [Ed Rosenthal é condenado por seguir a lei estadual e ajudar os doentes], "Testing Positive for Marijuana Doesn't Mean You're High" [Tirar positivo por maconha não quer dizer que você esteja doidão] e "Why Does DEA Teach Meth-Cooking to the Public?" [Por que a DEA ensina o preparo de metanfetamina ao público?].

Phil Smith informa: "A New Activist's Tactic Emerges in the Rosenthal Trial" [A nova tática de um ativista surge no julgamento de Rosenthal] e lhe pede que "Ponder This Graph for a Moment, Please" [Pondere este gráfico por um momento, por favor].

David Guard também esteve ocupado publicando uma pletora de notas à imprensa, alertas, listas de empregos e outros artigos interessantes republicados de muitas organizações aliadas ao redor do mundo em nosso feed ativista "In the Trenches". Os Blogs do Leitor da DRCNet também foram usados – os convidamos a se somarem a eles e a virarem autores na comunidade da DRCNet também. E os instamos a comentarem em qualquer um ou em todos os escritos supracitados.

Obrigado por ler, e escrever...

Matéria: Batalha campal se aproxima enquanto governo canadense se apronta para revelar estratégia antidrogas severa

O governo conservador do primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, está pronto para revelar o que se espera ser uma abordagem às políticas de drogas à estadunidense em qualquer dia destes. Embora a ação no parlamento seja improvável até depois do recesso do verão vindouro, as formações de batalha já estão sendo feitas no que promete ser uma luta amarga.

http://stopthedrugwar.org/files/savecanada.jpg
manifestantes pró-Insite (foto por cortesia de timetodeliver.org)
Apesar de o governo ainda ter que revelar os pormenores, supõe-se geralmente que a nova estratégia sobre as drogas fará uma abordagem de "mão dura contra a criminalidade" às drogas, tomando medidas enérgicas contra os cultivos e os vendedores de drogas com penas mais severas, proporcionando mais dinheiro à lei e afastando-se das abordagens de redução de danos como o local de injeção segura de Vancouver, o Insite.

"Haverá mais ênfase na repressão, com algum dinheiro a mais para o tratamento", disse Eugene Oscapella, diretor da Canadian Drug Policy Foundation. "A outra coisa é que querem sentenças mínimas obrigatórias para alguns delitos de drogas, especialmente os delitos graves de narcotráfico", disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas.

Um primeiro indício das políticas de drogas do governo Harper aconteceu em março, quando os conservadores alocaram $70 milhões ao longo de dois anos para a repressão, o tratamento e a prevenção, mas não se fez menção aos programas de redução de danos. No Canadá, estes também incluem as trocas de seringas e a distribuição de cachimbos esterilizados de crack.

Do financiamento adicional, os programas de tratamento receberão quase a metade, a repressão cerca de um terço e o resto será investido em um programa de prevenção para a juventude meio "basta dizer não". Também se espera que a nova estratégia sobre as drogas endosse o uso dos juizados de delitos de drogas, em que os infratores da legislação antidrogas possam receber ordens de ir a programas de tratamento ao invés da cadeia ou da prisão.

O governo federal canadense gasta atualmente cerca de $350 milhões ao ano em esforços antidrogas, a grande maioria dos quais vai para a lei, com quantias menores para o tratamento e a prevenção e uma miséria para a redução de danos. As políticas de drogas canadenses são guiadas por uma estratégia nacional de 20 anos de idade que tem sido amplamente criticada por carecer de direção, alvos e resultados mensuráveis claros.

O que o governo Harper está propondo não é a resposta, diz um número crescente de críticos. O Partido Liberal foi rápido em atacar a futura estratégia conservadora sobre as drogas.

"Espera-se que o governo de Stephen Harper anuncie na semana que vem novas medidas que se furtarão às medidas de redução de danos que ajudam os canadenses, como o local de injeção segura em Vancouver", disse a crítica liberal da saúde, Bonnie Brown, em nota à imprensa na semana passada. "Eles estão tentando fazer isto sob a aparência de tomar medidas enérgicas contra o narcotráfico ilícito e de prevenção - embora toda a pesquisa sugira que uma guerra contra as drogas motivada ideologicamente é ineficaz, enquanto que programas como o local de injeção segura estão produzindo resultados positivos".

Uma série de relatórios - inclusive o Canadian Medical Association Journal e o BC Centre for Excellence in HIV/AIDS - concluíram que o local causou um efeito positivo sobre o Downtown Eastside de Vancouver e não aumentou nem os índices de criminalidade nem de dependência nem ameaçou a saúde e a segurança públicas.

"Ao invés de concentrar os seus esforços onde mais se precisa deles - como financiar o local de injeção segura e outros programas vitais para uma estratégia geral de redução de danos no Canadá -, este governo está colocando a sua pauta direitista na frente das provas científicas e a um tremendo custo para aqueles afetados pela dependência", disse Brown.

A acusação de Brown ressoa junto a uma série de pesquisadores canadenses. "A ciência está ali. O que estamos presenciando aqui é interferência política", disse o Dr. Thomas Kerr do BC Centre for Excellence in HIV/AIDS, que encabeçou várias pesquisas sobre o Insite. "Acho que é um dia triste para as políticas de drogas no Canadá dado que o governo conservador está defendendo agora uma abordagem às políticas de drogas à estadunidense que demonstrou fracassar", disse ele aos repórteres em Vancouver na semana passada.

Kerr não é o único que está reclamando. Vários pesquisadores importantes de todo o Canadá escreveram uma carta aberta ao Ministério da Saúde do Canadá criticando-o por pedir novas pesquisas sobre o Insite apesar de anos de pesquisa mostrando resultados positivos. O pedido de propostas do Ministério da Saúde do Canadá garante que a investigação será superficial e financiada inadequadamente, disseram. Também não concordaram com uma condição que dizia que os pesquisadores não tinham autorização para conversar sobre as suas descobertas durante seis meses depois que os relatórios fossem enviados.

"Claramente, o que isso faz é amortizar as pessoas que poderiam ter algo a dizer até depois que a cortina tenha descido nesta peça de teatro político", disse Benedikt Fischer, diretor do BC Centre for Addictions Research na Universidade de Vitória, em entrevista na sexta-feira passada. "Em conjunto, sentimos que isto se trata de uma tentativa de instrumentalizar a ciência de uma maneira bem vulgar para a política".

"Os conservadores não gostam do Insite", disse Oscapella. "Não é uma questão de ciência, mas de ideologia e de agir para o poleiro. Eles tentaram falsear o propósito deles, o que conseguiram, e a posição de outros países. Isto é um exercício de propaganda do governo para promover os seus objetivos eleitoreiros", disse.

"Mas os liberais também não são anjinhos", apontou. "Eles tiveram três chances de reformar as leis sobre a cannabis e não o fizeram. Dou-lhes algum crédito pelas regras acerca da maconha medicinal, mas, ao mesmo tempo, agora o processo é incrivelmente moroso. Eles abandonaram a descriminalização. Na verdade, eles respaldaram uma guerra às drogas severa, mas com uma retórica mais suave".

"Os liberais são conhecidos por se oporem da esquerda e por governarem da direita", disse Dana Larsen, um candidato do Novo Partido Democrático (NDP, sigla em inglês) para um cargo em Vancouver Ocidental e diretor da ala antiproibicionista do partido, a eNDProhibition. "Agora estão na oposição e dirão que a guerra às drogas de Harper está errada. Mas, eles aprovaram a nossa lei atual sobre as drogas em 1996 apesar dos depoimentos de quase todos de que era uma lei ruim e as detenções por maconha subiram todos os anos em que os liberais estiveram no poder".

Porém, embora o NDP nacional apóie a redução de danos e a legalização da maconha como parte da sua plataforma, as suas lideranças nacionais não adotaram a questão, disse Larsen. "O partido é bom nas políticas e a porta-voz do partido sobre as questões das drogas, Libby Davies, é ótima, mas ainda não tivemos sucesso em fazer com que o partido torne o término da guerra às drogas uma prioridade".

Davies estava fora do país por assuntos pessoais e indisponível para comentários nesta semana.

O Canadá terá o verão inteirinho para se obcecar com as batalhas vindouras pelas drogas e a criminalidade, mas, como o governo Harper é um governo minoritário, terá que contatar os liberais, o NDP e o Bloc Quebecois para aprovar qualquer coisa. Nenhum dos partidos da oposição parece apoiar um pacote "duro com as drogas" como o previsto agora pelos conservadores.

"Eles não têm os votos para aprovar isto por eles mesmos", disse Oscapella. "O temor é o que acontece se forem reeleitos com uma maioria. Então, eles poderiam pisar em todos".

Matéria: Ed Rosenthal é condenado de novo em vitória pírrica para os federais

Na quarta-feira, um júri federal declarou Ed Rosenthal, o "Guru da Ganja", culpado pela segunda vez de cultivar centenas de plantas de maconha no que não é mais do que uma vitória simbólica para os procuradores federais. Como Rosenthal já cumpriu uma sentença indulgente de um dia depois que foi condenado pela primeira vez pelas mesmas acusações em 2003, o juiz de juizado distrital dos EUA, Charles Breyer, o juiz que presidia o caso, já decidiu que ele não pode ser sentenciado de novo.

http://stopthedrugwar.org/files/edrosenthalcourtdate.jpg
Ed Rosenthal no fórum junto com os seus simpatizantes, setembro de 2006 (por cortesia de indybay.org)
A primeira condenação de Rosenthal foi revogada sob apelação. Os procuradores federais vingativos ficaram bravos com as críticas públicas de seus métodos e o processaram de novo sabendo que não podiam puni-lo mais. Eles até apresentaram mais acusações que o juiz Breyer descartou por serem vingativas.

O próprio julgamento foi digno de nota pela recusa em massa do pessoal do movimento pró-maconha medicinal intimado a depor em favor do governo em fazê-lo. Igualmente digno de nota foi a escapada dele sem citações por desacato - pelo menos até agora.

Rosenthal cultivava as plantas para produzir maconha medicinal para o consumo na Califórnia, onde ela é legal, mas a sua defesa não pôde explicar isso ao júri porque foi proibida de fazê-lo pelo juiz Breyer. A lei federal e os tribunais federais não reconhecem a maconha "medicinal". Breyer também não esteve disposto a deixar que os advogados de defesa fossem longe demais em instar o júri a votar com a mão na consciência.

"Há coisas que não podemos fazer... Há respostas realistas demais, perguntas razoáveis que é possível ter que não posso dar-lhes", disse o advogado de defesa Robert Ampranan aos jurados durante a argumentação final. "Temo o meu governo porque nem sempre nos diz a verdade. O governo teve quase seis anos para preencher esta receita... e, contudo, a sua receita, senhoras e senhores, contém ingredientes contaminados, sujos e estragados", disse. "Se cheirar a algo que vai te fazer vomitar, você tem o direito de recusá-lo".

Pouco tempo depois, enquanto Amparan comparava o processo de Rosenthal a injustiças passadas cometidas, como a escravidão e o internamento de nipo-americanos durante a II Guerra Mundial, Breyer expulsou o júri do salão de justiça e acusou Amparan de tentar conduzir o júri a questionar a própria lei federal. Quando Amparan respondeu que não estava fazendo isso, mas que pretendia citar os pretextos falsos para a guerra no Iraque e a resposta desastrosa ao Furacão Katrina como outros exemplos de equívocos do governo, o salão de justiça cheinho explodiu em aplausos. Breyer advertiu que ele ia mandar evacuar a sala se outros arroubos acontecessem, daí ordenou que Amparan não fizesse esse argumento ao júri.

Após deliberar durante dois dias, o júri condenou Rosenthal por cultivar mais de 100 plantas de maconha, de formar quadrilha para cultivar a droga e de manter um cultivo em um armazém. Ele foi absolvido de uma quarta acusação e Breyer ordenou com severidade que os procuradores retirassem a quinta acusação quando o júri disse que chegara a um impasse.

"É uma vergonha que o governo federal continue colocando os cidadãos da Califórnia na posição de terem que deixar os seus próprios votos nas urnas de lado e fingirem que não sabem nada sobre a lei estadual ou a ciência médica", disse William Dolphin, porta-voz do fundo de defesa de Rosenthal, Green Aid. "Depois que 60% do júri simplesmente se recusou a tomar parte em um caso como este, acabamos com um júri que sentiu a necessidade de seguir as instruções do tribunal".

"O governo mostrou que pode realmente conseguir uma condenação em um caso de maconha medicinal no distrito mais simpatizante da maconha no país", disse Dale Gieringer, diretor da NORML Califórnia. "É lógico, quando temos que jogar de acordo com as regras deles e não podemos nem mencionar o elemento principal da defesa, é um caso simples. Ed estava claramente cultivando maconha, como foi demonstrado pelo governo".

Se o veredicto foi algo decepcionante, houve muito drama e desobediência civil no tribunal na sexta-feira passada. Foi quando seis testemunhas do movimento pró-maconha medicinal intimados pelo governo a depor contra Rosenthal simplesmente se recusaram. Cinco outros que estavam preparados para se unir a eles foram descartados com base em detalhes técnicos.

Uma por uma, as testemunhas teimosas Debbie Goldsberry, James Blair, Etienne Fontan, Evan Schwartz, Brian Lundeen e Cory Okie disseram à corte que não iam participar de um processo imoral. (Leia a transcrição em inglês aqui.) "Disse-lhes que não podia participar e ir de encontro aos desejos da comunidade", disse Goldsberry.

O juiz Breyer elogiou os seis pela sua conduta digna e lhes perguntou se ser mandados à cadeia para o fim de semana os faria mudar de idéia sobre depor. Quando eles responderam que não, ele os mandou para casa para o fim de semana. Eles reapareceram na terça-feira, reiteraram a recusa deles a depor e Breyer simplesmente os escusou.

A ação bem-sucedida de desobediência civil merece atenção, disse Gieringer da NORML Califórnia. "É importante que isto receba alguma atenção porque é uma das poucas ações em que as pessoas tiveram a coragem de correr o risco de ir à cadeia por se recusarem a depor em favor do governo", disse Gieringer. "O procurador pode apresentar acusações de desacato se quiser, mas acho que o juiz ficaria muito descontente. Rosenthal não irá à cadeia mesmo, então fazer com que alguém vá à cadeia seria uma verdadeira paródia".

"A comunidade está ficando cheia", disse Dolphin da Green Aid. "O júri não estava satisfeito, o juiz não estava satisfeito e uma dúzia de pessoas intimadas a depor simplesmente disseram 'não vou fazer isso e não podem me forçar'".

O governo federal venceu ao conseguir várias condenações contra Rosenthal, mas a vitória pode ser pírrica. O Ministério da Justiça e os procuradores federais locais conseguiram irritar quase todo mundo na Alta Califórnia, do juiz para baixo. E a perseguição seguida de Rosenthal e outros fornecedores de maconha medicinal só fortaleceu a comunidade e a encorajou a tentar novas táticas provocativas.

Apelo e oferta de livro: "Beat the Heat", manual para conhecer os seus direitos e o sistema legal

Como nosso último prêmio para os membros, agora a DRCNet está oferecendo "Beat the Heat: How to Handle Encounters with Law Enforcement". Apesar de não ter sido recém-lançada, esta publicação de 2003 da advogada Katya Komisaruk é, de acordo com o editor da Crônica da Guerra Contra as Drogas, Phillip S. Smith, "o melhor livro de autodefesa legal que vimos em algum tempo". É triste que tal livro seja tão desesperadamente necessário, mas neste país com direitos constitucionais drasticamente desgastados e sentenças mínimas obrigatórias duríssimas para infratores de pouca gravidade da legislação antidrogas, "Beat the Heat" presta um serviço público importante.
Doe $32 ou mais à DRCNet e você pode receber um exemplar gratuito de "Beat the Heat" como agradecimento da nossa parte.


De acordo com o Phil:


"Uma parte valiosa de 'Beat the Heat' é dedicada a explicar como a polícia faz com que as pessoas renunciem aos seus direitos - intimidação, falsa simpatia, mentiras - e a como evitar cair nessas armadilhas. [...] Também é um texto básico para aqueles que foram presos [...]. Komisaruk cobre tudo isso, de ser solto sob fiança e trabalhar com o seu advogado a o que fazer se tudo der errado e se a prisão for o seu destino. Também há um capítulo sobre como presenciar e informar com precisão a má conduta da polícia e também capítulo sobre os direitos legais de menores e não-cidadãos".


Embora seja triste que tal livro seja necessário, neste país com liberdades constitucionais reduzidas, penas mínimas obrigatórias para infratores primários da legislação antidrogas e índices recordes de reclusão, o é.


Continuamos oferecendo camisetas de ânimo similar com ditos da 4ª Emenda "Tem um mandado?" e "Não consinto com buscas" da Flex Your Rights (doe $30 ou mais) e o DVD "BUSTED: The Citizen's Guide to Surviving Police Encounters" (doe $25 ou mais) e muitos outros prêmios que estão listados na nossa página de doação - subtraia $5 do custo das camisetas ou de "Busted" para acrescentá-los ao seu pedido de livro -- visite http://stopthedrugwar.org/donate para fazer a sua doação hoje. (Use o espaço para comentários no fim da página para indicar quaisquer pedidos múltiplos ou especiais que não aparecerem na lista de escolha de presentes.)


A sua doação ajudará a DRCNet enquanto avançamos no que pensamos ser um plano incrível de dois anos para fazermos progressos consideráveis na reforma das políticas de drogas e na causa de acabar com a proibição globalmente e nos EUA. Por favor, faça uma doação generosa hoje para ajudar a causa! Sei que você sentirá que o dinheiro foi bem gasto depois de ver o que a DRCNet está preparando. O nosso formulário eletrônico de doação lhe permite doar por cartão de crédito, por PayPal ou imprimir um formulário para enviar junto com o seu cheque ou ordem de pagamento.


Por favor, repare que as contribuições à Drug Reform Coordination Network ou Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas, a nossa entidade de lobby, não são dedutíveis do imposto de renda. As doações dedutíveis podem ser feitas para a Fundação DRCNet, a nossa ala de conscientização. (Escolher um ou mais artigos gratuitos reduzirá a parte de sua doação que você pode deduzir pelo custo no varejo do artigo.) Ambos os grupos recebem a correspondência dos membros em: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036.

Obrigado pelo se apoio e espero ter notícias suas em breve.


Atenciosamente,



David Borden
Diretor-Executivo

Anuncio: Nuevo formato para el Calendario del Reformador

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Con el lanzamiento de nuestra nueva página web, El Calendario del Reformador ya no aparecerá como parte del boletín Crónica de la Guerra Contra las Drogas, pero será mantenido como sección de nuestra nueva página web:

El Calendario del Reformador publica grandes y pequeños eventos de interés para los reformadores de las políticas de drogas alrededor del mundo. Ya sea una gran conferencia internacional, una manifestación que reúna a personas de toda la región o un foro en la universidad local, queremos saber para que podamos informar a los demás también.

Pero necesitamos su ayuda para mantener el calendario actualizado, entonces por favor contáctenos y no suponga que ya estamos informados sobre el evento o que vamos a saberlo por otra persona, porque eso no siempre sucede.

Deseamos informarle sobre nuevos reportajes de nuestra nueva página web apenas estén disponibles.

Anuncio: Los feeds RSS de DRCNet están disponibles

Los feeds RSS son una onda del futuro – ¡y la DRCNet los ofrece ahora! La última edición de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas está disponible usando RSS en http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Tenemos muchos otros feeds RSS disponibles también, sobre cerca de cien subtópicos distintos de las políticas de drogas que empezamos a rastrear desde el relanzamiento de nuestra página web este verano – relacionando no solamente los artículos de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas, sino también las publicaciones en el Bar Cladestino, los listados de eventos, los enlaces a noticias externas y más – y para nuestras publicaciones diarias en los blogs y en sus distintas subdirecciones. Visite nuestro Mapa del Sitio para leer la serie completa.

¡Gracias por sintonizarse en la DRCNet y en la reforma de las políticas de drogas!

Anuncio: ¡Ahora los feeds de agregación de contenido de la DRCNet están disponibles para SU página web!

¿Usted es un aficionado a la DRCNet y tiene una página web que le gustaría usar para difundir el mensaje con más fuerza que un único enlace a nuestra página puede lograr? Tenemos la satisfacción de anunciar que los feeds de agregación de contenido de DRCNet están disponibles. Tanto si el interés de sus lectores está en el reportaje investigativo como en la Crónica de la Guerra Contra las Drogas, el comentario corriente en nuestros blogs, la información sobre subtópicos específicos de la guerra a las drogas, ahora podemos darles códigos personalizables para que usted los ponga en los lugares adecuados en su blog o página web y actualicen automáticamente los enlaces al contenido de concienciación de DRCNet.

Por ejemplo, si usted es un gran aficionado a la Crónica de la Guerra Contra las Drogas y cree que sus lectores sacarían beneficios de ella, puede tener los titulares de la última edición, o una porción de ellos, apareciendo y actualizándose automáticamente cuando salga cada nueva edición.

Si su página web es dedicada a las políticas de marihuana, puede publicar nuestro archivo temático, con enlaces a todos los artículos que publicamos en nuestra página acerca de la marihuana – los artículos de la Crónica, las publicaciones en los blogs, el listado de eventos, enlaces a noticias externas y más. Lo mismo vale para la reducción de daños, la confiscación de bienes, la violencia del narcotráfico, los programas de trueque de jeringas, Canadá, las iniciativas electorales, casi cien tópicos distintos que rastreamos corrientemente. (Visite la portada de la Crónica, en la columna derecha, para ver la lista actual completa.)

Si a usted le gusta especialmente nuestra nueva sección del Bar Clandestino, hay contenido nuevo todos los días tratando de todas las cuestiones y usted puede poner enlaces a esas publicaciones o a subsecciones del Bar Clandestino.

Haga clic aquí para ver una muestra de lo que está disponible - por favor, fíjese que la extensión, la apariencia y demás detalles de cómo ello aparecerá en su página pueden ser personalizados para adecuarse a sus necesidades y preferencias.

Por favor, fíjese también que estaremos contentos en hacerle más permutas de nuestro contenido disponible bajo pedido (pese a que no podamos prometer cumplimiento inmediato de dichas solicitaciones ya que, en muchos casos, la oportunidad dependerá de la disponibilidad de nuestro diseñador web). Visite nuestro Mapa del Sitio para ver lo que está disponible actualmente – cualquier feed RSS disponible allí también está disponible como feed de javascript para su página web (junto con el feed de la Crónica que no aparece todavía pero que usted puede encontrar en la página de feeds relacionada arriba). Experimente nuestro generador automático de feeds aquí.

Contáctenos si quiere asistencia o infórmenos sobre lo que está relacionando y adónde. Y gracias de antemano por su apoyo.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Safe Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School