Breaking News:Against Jeff Sessions for Attorney General

Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Drug War Prisoners: Rockefeller Law Victim Turned Activist Veronica Flournoy Dead at 39

Former New York Rockefeller drug law victim turned reformer Veronica Flournoy died last week of lung cancer in a Florida hospice. Flournoy, 39, a heavy drug user in her younger years, was snagged in an undercover drug operation and sentenced to eight years to life under New York's draconian Rockefeller laws.

http://www.stopthedrugwar.org/files/veronicaflournoy.jpg
Veronica Flournoy, with NY Senate Majority Leader Joe Bruno, daughters Candace and Keeshana and mother Eileen (courtesy kunstler.org)
Flournoy served her minimum sentence, then collected her two young children and tried to begin life anew with her family. But the lung cancer, which appeared while she was in prison and which prison doctors told her not to worry about, left her with little time.

Prison opened Flournoy's eyes to the injustice of the drug war, and she never forgot her fellow prisoners. Flournoy participated in rallies designed to pressure polticians to undo the Rockefeller laws and even consented to using her terminal illness in a move to heighten the pressure. She appeared in a February public service announcement sponsored by the William Moses Kunstler Fund aimed at Gov. Eliot Spitzer (D) and other state politicians who have been slow to act on vows to reform the state's harsh drug laws.

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

More prison guards are in trouble. A Louisiana cop gets busted for pills -- corruption or desperation? Let's get to it:

In Tallahassee, Florida, a Florida Department of Corrections officer was arrested last Friday on drug and other charges. Officer Terrance Ruffen, 31, faces charges of tampering with evidence and possession of less than 20 grams of marijuana. He was arrested after Gadsden County sheriff's deputies raided a home in Quincy in an investigation of crack cocaine sales there.

In Shreveport, Louisiana, a Shreveport police officer was arrested Tuesday on drug charges. Sgt. Thomas Morgan, a supervisor in the Uniformed Services Division, faces four counts of obtaining a controlled substance by fraud. Morgan, 39, went down after Shreveport narcotics officers received a complaint a week ago that he was illegally obtaining prescription medications. He is on paid administrative leave pending an internal investigation. (Is this corruption, or desperation? Hard to tell without more facts.)

In Elkhart, Indiana, an Elkhart County corrections officer was arrested Monday for taking home drugs seized from a prisoner after a visit. Mario Randle, 35, allegedly searched the inmate after a visit, finding a modified screwdriver containing at least two illegal drugs. Police said Randle did not report the incident, but instead took the items with him when his shift ended. He faces felony counts of drug trafficking and official misconduct and is looking at up to three years in prison. He has been fired.

Weekly: Blogging @ the Speakeasy

Along with our weekly in-depth Chronicle reporting, DRCNet has since late summer also been providing daily content in the way of blogging in the Stop the Drug War Speakeasy -- huge numbers of people have been reading it recently -- as well as Latest News links (upper right-hand corner of most web pages), event listings (lower right-hand corner) and other info. Check out DRCNet every day to stay on top of the drug reform game!

https://stopthedrugwar.org/files/dc-beer-raid-small.jpg
prohibition-era beer raid, Washington, DC (Library of Congress)

This week:

Scott Morgan brings us: "FOX News Discusses Drug Legalization," "Democratic Presidential Candidates All Support Medical Marijuana," "Bush Makes Lengthy Incoherent Statement About Plan Mexico," "Supporting Medical Marijuana Is Smart Politics," "'Marijuana Signature Project' Not as Cool as it Sounds," "Why Isn't the Drug War a Mainstream Political Issue?," "Anti-Drug Researchers Claim That All High Schools are Either 'Drug Infested' or 'Drug Free.'"

David Borden contributes: "Pain News" and "New Mexico Medical Marijuana Update -- Richardson Says Full Steam Ahead Despite Attorney General's 'Prank.'"

The Reader Blogs have some really interesting posts this week too, including links to interesting articles, discussion about politicians, and other issues.

David Guard has continued to repost press releases, action alerts and other organizational announcements. in the In the Trenches blog.

Thanks for reading, and writing...

Drug War Prisoners: 86-Year-Old Alva Mae Groves Dies Behind Bars

Alva Mae "Granny" Groves, the 86-year-old North Carolina grandmother sentenced to 24 years behind bars after refusing to testify against her children, died last week at a federal prison hospital in Texas. Federal prison officials denied her request to die at home, saying her charges were too serious to allow compassionate release.

http://www.stopthedrugwar.org/files/almamaegroves.jpg
Alva Mae Groves (courtesy november.org)
Groves had already served 13 years in prison after pleading guilty to conspiracy to possess with intent to sell cocaine and aiding and abetting the trading of crack cocaine for food stamps. She was 74 when she went to prison. She always maintained that she had been punished for failing to cooperate with federal prosecutors to lock up her children for life.

"My real crime... was refusing to testify against my sons, children of my womb, that were conceived, birthed and raised with love," Groves wrote in a 2001 letter to November Coalition, an anti-prohibitionist group that concentrates on freeing federal drug war prisoners.

Law enforcement officials continue to maintain that Groves played a key role in a cocaine conspiracy conducted by family members, but family members have always said she did nothing more than look the other way. Five members of her family were imprisoned in the investigation. Her son, Ricky Groves, is doing a life sentence, while Groves, her older daughter, and her granddaughter were all sent to federal prison in Tallahassee, Florida.

Groves became one of the poster children for sentencing reform as reaction grew to the drug war excesses of the 1980s and 1990s. But any reforms will come too late for the grandmother who loved tending her garden.

"It's a relief she's dead, but it's a hurt, a real hurt we weren't with her," daughter Everline told the Charlotte Observer. "What could she have hurt?"

Groves dreamed of getting out of prison, planting new gardens, and seeing grandchildren born while she was behind bars, but never had the chance. Her kidneys began failing early this year, and she was transferred to a federal prison hospital in Fort Worth.

Groves did not want to die in prison, she told the November Coalition in a recent letter. "I realize everyone has a day to die; death is a fate that will not be cheated. But I don't want to die in prison. I want to die at home surrounded by the love of what's left of my family."

Last winter, the Groves family asked for compassionate release so she could die at home. The family wrote to every official they could think of and enlisted the help of groups like the November Coalition, to no avail. As Groves' daughters leaned over her bed on July 19, prison officials handed them a letter denying the request.

Feature: Pot Peace in Seattle as Another Hempfest Celebrates Cannabis Nation

Cannabis Nation was on the march in Seattle last weekend. An estimated 150,000 people showed up Saturday and Sunday at Myrtle Edwards Park on Elliot Bay just north of downtown to celebrate the 16th annual Seattle Hempfest and call for marijuana legalization. Lauded by organizers as the world's largest drug reform protest rally or, as they like to put it, "protestival," once again, the Hempfest lived up to its advance billing.

http://stopthedrugwar.org/files/hempfest2007-1.jpg
DRCNet associate director David Guard addresses Hempfest
As usual, Hempfest was marked by peacefulness, a hefty dose of commerce, and the heady, sickly sweet smell of burning marijuana. Hundreds of vendors -- the vast majority of whom seemed to be peddling glass pipes, eight-foot bongs, and other smoking accoutrements -- did a brisk business, and thousands of celebrants toked up blissfully as Seattle police -- obeying a 2003 voter-installed city "lowest priority" ordinance -- looked on without acting.

Some 60 bands ranging from rock to reggae to hip-hop to punk, as well as a tent pumping out techno music, kept the sounds coming. Among the musical highlights were reggae veteran Pato Banton, whose "I Do Not Sniff the Coke (I Only Smoke Sinsemilla)" evoked huge roars of approval and Hempfest mainstays the Herbivores, whose "Losing Battle" ("You can throw us all in prison, but you can never win the fight") could well be the Hempfest anthem.

Between the people-watching -- oh! What a glorious parade of punks, Goths, aging hippies, junior hippies, suburban moms with strollers, Oregon pot fairies, men in skirts, and the simply indescribable -- the music, the pipe shopping, and the effort of moving among the masses, it was easy to miss the serious political message behind the event, but organizers made every effort to ensure that even the most apolitical stoner got a healthy dose of the reform message.

"Hempfest is all about promoting the freedom of choice and human rights," said head organizer the ubiquitous and tireless Vivian McPeak from the Main Stage during one of his countless mini-rants between acts. "Responsible, law-abiding adults should not be incarcerated for marijuana offenses," he reminded the audience.

McPeak was only the most visible (and audible) voice of Hempfest. An all-volunteer effort involving hundreds of people, Hempfest is a testament to the power of community organizing.

http://stopthedrugwar.org/files/hempfest2007-2.jpg
David Guard and Phil Smith at DRCNet table
And while the Hempfest multitudes may have mostly been more interested in bong hits than politics, those who were there for something more than a party had plenty of opportunities to listen and learn. Dozens of drug reformers, from nationally known figures like Jack Herer, Ed Rosenthal, Rick Steves, and Keith Stroup, as well as lesser-known but equally impressive local activists, were on the speakers' list. While serious drug policy discussion was relegated to the Hemposium tent, where panel after panel met to argue different aspects of the marijuana laws, medical marijuana, and broader drug reform issues, drug reformers also graced all the stages in between musical acts.

Travel writer and TV travel program host Rick Steves addressed a huge crowd Sunday afternoon from the Main Stage. Having just returned from Europe, Steves told the crowd that most Europeans don't consider marijuana a big deal, and neither should Americans. Steves cited the Declaration of Independence, with its call for life, liberty, and the pursuit of happiness. "I think that's what America is about," he said.

An impassioned Debby Goldsberry of the Cannabis Action Network moved the crowd with her account of DEA harassment of medical marijuana dispensaries in California, while federal medical marijuana patient Elvie Musika drew cheers and applause for standing firm for the herb.

While the crowds were happy to listen to Steves and other reform advocates talking to them from the stages between bands, drug reform booths were relatively quiet. Perhaps one out of a hundred Hempfest attendees stopped to talk politics, and maybe one out of 500 bothered to add his or her name to reform email lists.

That could be a mark of the "normalization" of marijuana on the West Coast in general and in Seattle in particular. After a rocky start with police in the festival's early days in the 1990s, police and organizers have reached an accommodation. Law enforcement reasonableness is doubtless linked to experience with the peaceful gathering, which has become a Seattle institution, but is also a matter of law and public policy in the city. In 2003, voters there approved an initiative making adult marijuana possession offenses the lowest law enforcement priority. With fewer than 40 marijuana possession arrests in Seattle last year, the police clearly have heeded the voters.

While Seattle police were visible and circulating among the crowds, a no-arrest policy was clearly evident. Officers walking or riding bicycles routinely passed clusters of young pot-smokers without taking action. Seattle police Wednesday told the Chronicle there had been a grand total of five arrests. "It was a peaceful event," said Officer Mark Jamieson, a department spokesman. "There were three felony arrests and two misdemeanor arrests, and a few patrons were escorted out of the park," he said.

One of those arrested was a young man who blew pot smoke in a police officer's face, a move McPeak denounced as "boneheaded" from the stage. Another was a young man who tried to steal a woman's purse and was chased down by the crowd and held for police.

For Officer Jamieson and the Seattle police, Hempfest is just another event. "Hempfest is approached the same way as any of the hundreds of other events held in the city annually," he said. "It is a permitted, legal event which requires Seattle police officers to staff, based on the numbers of participants that attend each year."

And that's as it should be. Hempfest is indeed the world's largest drug reform "protestival," but it is also -- and for the majority of attendees, more -- a celebration and normalization of the cannabis culture that they share. Given the broad community support in Seattle and a police department that knows how to follow as well as lead its community, America will know it has reached "drug peace" when Seattle's approach is norm and not the exception for similar events around the country.

To see how far we are from drug peace now, though, just ask yourself what might have happened if Hempfest had been held in your community.

Feature: Push for Medical Marijuana Underway in Kansas

An effort to bring Kansas into the ranks of the medical marijuana states took a big step forward last Friday as one of the state's most well-known political figures appeared at a news conference at the state capitol to announce his support of such a move. Former Attorney General Robert Stephan, a Republican who held the position from 1979 to 1995, told the news conference the state has an obligation to act to allow its citizens to use medications that would alleviate suffering.

http://stopthedrugwar.org/files/robertstephan.jpg
Robert Stephan, KSCCC press conference, August 2007
"Let me make clear that I am in no way advocating drug legalization," said Stephan, who has been on record as a medical marijuana supporter since 1983. "But I also do not believe that the state should preempt the role of the physician when it comes to deciding what's best for ill Kansans. That's why I support changing state law to ensure that individuals can obtain and use a limited amount of marijuana if recommended by their doctor -- without fear of prosecution."

Stephan cited his own experience as a cancer patient, as well as the suffering of other patients, in calling for a Kansas medical marijuana law. Rejecting opposition to the medicinal use of marijuana as "voodoo medicine" and recounting the moans of misery he heard on the cancer ward, Stephan said, "It seemed incomprehensible to me that there should be such suffering and any drug, including marijuana, should be available to assist the patient." Stephan said access to medical marijuana should not be limited to cancer patients. It has proven useful for glaucoma, AIDS, Multiple Sclerosis, and other diseases, he said.
Stephan declined a Drug War Chronicle request for an interview. He said he feared talking to a publication that advocates for drug legalization would damage his cause.

Last Friday's event marked the public coming out for the Kansas Compassionate Care Coalition, which has been busy laying the groundwork for a campaign it hopes will lead to legislation next year. It certainly garnered attention in the Jayhawk State. A Google search this week produced dozens of local media mentions of the news conference.

And that's just fine with KSCCC head Laura Green. "Our goal is to get a bill introduced in the Kansas legislature to protect seriously ill Kansans from arrest and prosecution for using marijuana as a medicine," said Green, "and this will kick-start the conversation."

It is a conversation that could use a boost in the Heartland. Twelve states with some 50 million inhabitants currently have medical marijuana laws, but none of them are in the Midwest. Efforts in legislatures in states such as Illinois and Minnesota have not reached fruition, while voters in South Dakota last year narrowly defeated a medical marijuana initiative -- the first state to reject medical marijuana at the ballot box.

The KSCCC is not carrying a pre-drafted bill to present to the legislature, said Green. "We're still five months away from the legislative session, so we don't have a bill yet," she said. "We're working with individual legislators and trying to built support and a consensus. There are many different medical marijuana models out there, and we're looking for one that our legislators can get comfortable with," Green said.

Some Kansas politicians were quick off the mark to reject medical marijuana after last Friday's press conference, but Green is not concerned. "We don't have a lot of political support right now, but that's to be expected," she argued. "Some politicians say they haven't had a chance to hear from their constituents, while even some of the ones who say publicly they're against it tell us something different in private."

It's not just legislators, said Green, who added she and the KSCCC will do everything they can to make sure elected officials do hear from constituents favoring a medical marijuana bill. The coalition is about a year old and some 400 members strong right now. "We're going around the state recruiting members -- patients, physicians, nurses, members of the religious community -- to try to build our numbers," Green said.

The Kansas State Nursing Association is a key target. The influential group will vote on a medical marijuana resolution in October, Green said, noting that an endorsement from the nurses will be a powerful tool.

The group is also attempting to get the Kansas clergy on its side. "We are getting a lot of religious support," said Green, who, as head of the Drug Policy Forum of Kansas spent long hours mapping out the state's hundreds of congregations as part of laying the groundwork for drug reform efforts. "We did a mailer to members of the clergy last Friday, and we've already had 30 responses. The response from the clergy has really been great," Green said.

If the legislative record in other medical marijuana states is any indication, KSCCC and its supporters have a long and twisting road in front of them. Passage of a medical marijuana law seems to be almost universally a three-year affair, or more. But in Kansas, patient proponents have been laying the groundwork for a year or more, and now they have emerged with a key state political figure standing with them. If they manage to enter the legislative session in January with some momentum, they just might short-circuit the normal, glacial legislative process.

Nota à imprensa: Comerciantes de maconha oferecem a Schwarzenegger um bilhão de dólares

(nota à imprensa da página recém-lançada LetUsPayTaxes.com)

06 de agosto - Uma coalizão de cultivadores e comerciantes californianos ofereceu ao governador Arnold Schwarzenegger um bilhão de dólares para solucionar a atual crise orçamentária do estado. O grupo, chamado Let Us Pay Taxes, faz a oferta através da página deles na Internet, a LetUsPayTaxes.com. A oferta acontece em uma época em que a assembléia californiana chegou a um impasse a respeito de um novo orçamento e a Califórnia parou de expedir cheques para serviços sociais de necessidade vital. Atualmente, os legisladores estão discutindo quais programas serão cortados a fim de equilibrar o orçamento.

"É ridículo que a Califórnia não consiga pagar as suas contas", disse o porta-voz Clifford Schaffer. "É uma tragédia que cortem serviços e programas muito necessitados como o serviço de saúde para os idosos e o tratamento químico na prisão quando o dinheiro para financiar todos estes programas e mais existe e está disponível. Todos os que estiverem esperando um cheque do estado atualmente deveriam ficar enfurecidos com esta burrice".

A regularização e a taxação da maconha podem produzir seis bilhões de dólares em receita adicional, de acordo com estudos econômicos relacionados na LetUsPayTaxes.com. Além disso, pode economizar até dez bilhões de dólares em despesas de repressão. "Essa estimativa é conservadora", disse Schaffer. "Segundo outras, a arrecadação pode ser de cinco vezes isso. Os economistas estão de pleno acordo conosco nisto. A proibição da maconha é um desastre econômico".

"Vamos manter os pés no chão", disse Schaffer. "A legalização da maconha é inevitável. A situação já está fora de controle na Califórnia. As autoridades estaduais e municipais ofereceram um porto seguro para o consumo de maconha medicinal e o Governo Federal simplesmente não tem os recursos para a fiscalização eficaz". Mais importante ainda, diz Schaffer, os funcionários dos clubes de maconha medicinal não têm mais medo do Governo Federal. "Se se conversar com eles, descobre-se que eles sabem que vão vencer esta batalha. Sabem que a DEA está em uma imensa desvantagem numérica e que não consegue processá-los a todos. Os poucos que são processados estão aceitando o destino deles como mártires porque sabem que o que estão fazendo está certo. Estão dispostos a se sacrificar para fazerem-se entender que o Governo Federal foi longe demais na interferência em decisões muito pessoais e privadas. A DEA não vai vencer esta batalha de jeito nenhum. A esta altura, acabou tudo, salvo a contagem do dinheiro - e das vítimas da DEA".

Schaffer prosseguiu dizendo que o mercado nacional da maconha foi estimado em menos de dez bilhões de dólares ao ano a mais de cinqüenta bilhões de dólares ao ano. "Os primeiros estados a regularizar e taxar a maconha terão uma bonança econômica maior do que a Corrida do Ouro na Califórnia", diz Schaffer. "Alguns estados enriquecerão como os sauditas". Schaffer prevê que vai demorar muito para que algumas áreas percebam as possibilidades econômicas. "Estamos falando de muitíssimo dinheiro em potencial", disse. "Os canadenses estão começando a reparar no florescimento econômico fomentado pela cânabis em algumas áreas. Os políticos não conseguem resistir ao dinheiro fresco, especialmente quando está vindo à sua comunidade local. Haverá grandes ganhadores e perdedores. Os vencedores serão os que reconhecerem a conclusão anunciada primeiro".

O grupo também cita o terrorismo estrangeiro como motivo para regularizar e taxar a maconha. "O secretário antidrogas John Walters está sendo desonesto quando diz que quem ganha dinheiro com a maconha são os criminosos e terroristas. Os criminosos e terroristas só ganham qualquer quantidade desse dinheiro em razão da proibição que Walters apóia", disse Schaffer. "A proibição da maconha deixa os criminosos ricos como a lei seca o fez. Agora, os criminosos são tão ricos e poderosos que podem desafiar os governos legítimos dos seus próprios países. Não há razão para mandar bilhões de dólares por ano a gangues criminosas estrangeiras quando os estadunidenses patriotas fazem os melhores produtos no mundo. Não há razão para sofrer um déficit na balança comercial tão enorme quando esse dinheiro podia estar proporcionando empregos e financiando serviços muito necessitados aqui nos EUA".

A Let Us Pay Taxes convoca todos os cidadãos estadunidenses a assinarem a petição dela na sua página http://LetUsPayTaxes.com e a fazerem pressão junto aos seus legisladores a respeito da questão. "Aceitem o dinheiro, por favor", disse Schaffer. "Estas pessoas querem contribuir. Agora, é com os políticos dizer-nos por que querem mandar esses bilhões a gangues criminosas estrangeiras em lugar dos seus próprios eleitores".

Polícia: As estórias de policiais corruptos desta semana

Um dos principais agentes da Califórnia é preso por revender Cialis, outro policial da Flórida vai à cadeia e dois guardas de prisão do mesmo estado são pegos pelo de sempre. Vamos ao que interessa:

Em Long Beach, Califórnia, um dos principais agentes da Califórnia foi preso no sábado por vender comprimidos receitados contra a disfunção erétil a policiais disfarçados. O agente especial Henry Kim, supervisor da equipe antigangues da Agência de Repressão aos Entorpecentes estadual em Los Ângeles, fizera propaganda de comprimidos de Cialis à venda na página Craigslist. Oficiais disfarçados de Long Beach responderam ao anúncio, concordaram em comprar 50 comprimidos por $250 e então prenderam Kim quando ele os encontrou para fazer a transação no sábado de manhã. Ele é acusado de porte de uma substância controlada para venda e porte de arma de fogo durante o cometimento de um crime. Mas, por volta da terça-feira, os promotores haviam rebaixado as acusações para quatro acusações contravencionais: distribuir drogas sem licença, prescrever uma substância controlada, prescrever ilegalmente drogas perigosas sem um médico prescrevente e consumir drogas perigosas ilegalmente sem receita. Kim recebeu liberdade provisória sem fiança até o julgamento. Ele está de licença administrativa remunerada até que se concluam os resultados de uma investigação de assuntos internos.

Em Hollywood, Flórida, um quarto oficial da polícia de Hollywood foi para a cadeia por entregar drogas para supostos traficantes de drogas. O ex-sargento Jeffry Courtney foi condenado na sexta-feira passada a nove anos em prisão federal após se confessar culpado de acusações de formação de quadrilha para traficar heroína. Ele aceitou pelo menos $22,000 para proteger aparentes carregamentos de heroína para mafiosos de Nova Iorque, mas os mafiosos resultaram ser agentes do FBI. Courtney é o quarto oficial da Polícia de Hollywood a ser preso na armação, conhecida como Bronze Maculado. Sentenciar-se-á um quinto em outubro por mentir a agentes do FBI a respeito de deixar vazar informações da armação.

Em Nápoles, Flórida, dois guardas de prisão da Flórida foram presos no dia 08 de agosto por combinarem contrabandear cocaína com um preso. Os guardas Jawaan Rice, 21, e Modeste Pierre, 18, são acusados de tráfico de cocaína, contrabando de uma substância controlada em uma penitenciária e suborno passivo. O prisioneiro virou informante e organizou uma entrega de cocaína com Rice e Pierre. Um policial disfarçado fez a entrega e as detenções seguintes. Os dois foram despedidos.

Maconha medicinal: Federais procuram fichas médicas de pacientes do Oregon em averiguação de cultivadores - Pacientes reclamam

Os pacientes de maconha medicinal do Oregon e os seus partidários estão botando a boca no trombone depois que se revelou que um júri federal na vizinha Yakima, em Washington, expediu intimações que exigem as fichas médicas de 17 pacientes do Oregon. As intimações foram emitidas em abril como parte de uma investigação federal de um pequeno número de cultivadores de maconha de Washington e Oregon.

As intimações foram entregues ao Programa de Maconha Medicinal do Oregon, o escritório estadual que expede autorizações a pacientes e cultivadores, e também à Fundação Cânhamo e Cânabis, uma clínica privada de Portland em que os médicos examinam pacientes para ver se as doenças deles podem ser aliviadas pela maconha medicinal.

http://stopthedrugwar.com/files/donald-dupay.jpg
Donald DuPay, foto oficial das eleições de 2006
Como parte da mesma investigação, em junho, agentes da DEA sitiaram o lar do paciente de maconha medicinal e cuidador, Donald DuPay, confiscando 135 plantas que ele estava cultivando para outros pacientes. DuPay, que apresenta um programa local de televisão a cabo sobre maconha, não foi preso. Ele está entre as 17 pessoas cujas fichas foram intimadas.

Para os pacientes do Oregon, a experiência tem sido assustadora e perturbadora. "É loucura. É muito assustador. Se puderem obter a minha ficha, podem obter a do governador Kulongoski, podem obter a sua", disse DuPay, um ex-policial de Portland e candidato em 2006 a xerife da Comarca de Multnomah, ao The Oregonian no sábado.

Para os defensores da maconha medicinal, parece uma nova tática utilizada pelos federais em sua tentativa atual de desbaratar as leis estaduais sobre a maconha medicinal. As intimações do júri são as primeiras já expedidas para fichas de pacientes em um caso acerca da maconha, "e, é lógico, isso é muito preocupante", disse Bruce Mirken, diretor de comunicação do Marijuana Policy Project. "As pessoas esperam privacidade médica e acho que têm o direito de esperá-la", disse. "Uma coisa é falar das pessoas que vendem um produto que realmente não é legal segundo a lei federal. Podemos achar que é burrice. Mas isso está em um domínio completamente diferente de obter as fichas médicas do pessoal".

"Isto passa a idéia a outros estados e seus programas de que estão vulneráveis à interferência federal", disse Kris Hermes do Americans for Safe Access. "Não é preciso ser muito inteligente para saber que o governo federal está tentando solapar a lei sobre a maconha medicinal da Califórnia, dados todos os reides e ameaças aos senhorios. Isto mostra ainda mais que o governo federal fala muito sério em ir atrás dos pacientes".

Os pacientes e seus partidários estão combatendo as intimações. No dia 1º de agosto, advogados que representavam o estado do Oregon e a ACLU, representando A Fundação do Cânhamo e da Cânabis, compareceram perante o presidente da Vara Distrital dos EUA em Yakima, Robert Whaley, para instá-lo a indeferir as intimações.

Nessa audiência, o subprocurador dos EUA, James Hagery, que está liderando a investigação federal, admitiu que as citações eram escritas em termos vagos demais. Ele disse ao juiz que o júri está investigando "quatro ou cinco" cultivadores de Washington e Oregon por se valerem das leis sobre a maconha medicinal para encobrirem as vendas de maconha deles, que os 17 pacientes eram pessoas que receberam maconha medicinal dos cultivadores em questão e que o júri só quer os endereços e telefones atuais, não as "fichas médicas" desses pacientes.

Hagerty não explicou por que, se está apurando supostas vendas de maconha não-medicinal, ele precisa averiguar os pacientes registrados de maconha medicinal.

A decisão sobre as intimações será dada logo, disse o juiz.

Maconha medicinal: Novo México hesita em cultivá-la

Atualização: O governador Richardson ordenou que a Secretaria da Saúde implemente a lei e instou o presidente Bush a parar com os processos contra a maconha medicinal.

Quando a legislatura do Novo México aprovou a lei sobre a maconha medicinal do estado neste ano, a lei era singular em ordenar que o estado supervisionasse a produção e a distribuição da erva. Mas, na quarta-feira, a Secretaria da Saúde estadual anunciou que não cumpriria aquela parte da lei por temor de que os federais prendam funcionários federais.

"A Secretaria da Saúde não submeterá os seus empregados a possível ação federal e, portanto, não vai distribuir nem produzir maconha medicinal", disse o Dr. Alfredo Vigil, que dirige a agência.

Não é como se a decisão fosse uma surpresa. O procurador-geral do Novo México, Gary King, advertiu na semana passada que a secretaria e os empregados dela podiam ser acionados criminalmente pelos federais e que o gabinete dele não podia defender os funcionários estaduais em casos criminais.

Mas, enquanto suspendiam a ameaça de possível processo federal da Secretaria de Saúde e seus empregados, a ação pode deixá-los expostos às providências legais dos partidários da lei. A agência está "ficando vulnerável a um processo", disse a diretora do escritório da Drug Policy Alliance no Novo México, Reena Szczepanski, à Associated Press na quarta-feira. "Lembro que certos legisladores conversavam sobre como não queriam que a avó deles tivesse que ir a um beco e tratar com algum elemento criminoso", disse Szczepanski.

Maconha medicinal: Um esforço entra em andamento no Kansas

Embora as leis estaduais de maconha medicinal estejam em vigor ao longo dos dois litorais, nenhum estado das Grandes Planícies às Apalaches aprovou uma lei assim. No ano passado, uma iniciativa eleitoral na Dakota do Sul foi derrotada por pouco e embora os trabalhos legislativos em alguns estados do Meio-Oeste, a saber, Illinois e Minnesota, tenham progredido, nenhum chegou a ser sancionado pelo governador. Para a maconha medicinal, o território central poderia igualmente o Quarteirão Vazio.

Agora, uma ativista reformadora das políticas de drogas e um destacado político estadual do Kansas esperam mudar isso. Hoje, Laura Green do Drug Policy Forum do Kansas e o ex-procurador-geral do Kansas, Bob Stephan, estão realizando uma entrevista coletiva nas escadarias do capitólio em Topeka para anunciarem a formação da Kansas Compassionate Care Coalition, que fará pressão para conseguir uma lei de maconha medicinal em vigor no Jayhawk State.

Stephan, um republicano que foi procurador-geral de 1979 a 1995, revelou ser um defensor da maconha medicinal à mídia local nesta semana, dizendo aos repórteres que ele apoiara a legalização do consumo medicinal da erva durante os últimos 20 anos. A opinião dele estava baseada na sua própria experiência enquanto paciente de câncer, assim como em conversações entabuladas com outros pacientes da mesma doença, disse.

"Os nossos objetivos são simples", disse Green em um comunicado que anunciava a coletiva de imprensa e a nova organização. "Permitir que os médicos - não os políticos - tomem as decisões sobre o que é o melhor para os pacientes e protejam os cidadãos do risco de detenção simplesmente por estarem tentando conseguir alívio de um grande problema médico. Ninguém deveria enfrentar a provação da detenção e possivelmente da prisão por querer se sentir melhor", disse Green. "Por isso, a Compassionate Care Coalition está trabalhando de perto com os legisladores estaduais, os oficiais da lei, líderes na área da saúde e outros para aprovar leis que ajudem os nossos concidadãos do Kansas em seus momentos de necessidade".

Procure uma matéria sobre o que está sendo preparado no Kansas na semana que vem.

Seqüestro de bens: Uso de verbas confiscadas da Polícia de Austin é apurado

No dia 09 de agosto, Art Acevedo, o chefe da Polícia de Austin no Texas anunciou que uma investigação criminal está em andamento para saber como a polícia de Austin gastou o dinheiro confiscado nos últimos cinco anos e se infringiu as normas que dizem como tais verbas devem ser utilizadas. Acevedo, que esteve no cargo há menos de um mês, disse que quer examinar de perto vários pagamentos feitos dos milhões de dólares confiscados pelo comando da polícia durante esse período.

A apuração acontece depois que o Austin American-Statesman revisou milhares de transações obtidas segundo as leis de transparência institucional do Texas. O exame descobriu que grande parte do dinheiro foi gasta em manutenção de veículos, treinamento e compras de equipamento, mas não tudo isso. Outras despesas incluíram:

  • $13,000 em cota de matrícula universitária para um comandante da polícia;
  • $12,025 em outubro de 2002 em um banquete de premiação;
  • $3,134 em indumentária para o time de corrida do comando da polícia em novembro de 2005;
  • $1,895 em maio de 2005 em um "relógio de corrida";
  • $625 em outubro de 2001 em canecas de café.

http://stopthedrugwar.com/files/austin-badge.gif
a polícia de Austin - pega?
Um memorando preparado pelo chefe Azevedo achou mais problemas. Disse que o comando utilizara verbas confiscadas em 2005 e 2006 para equilibrar o orçamento dele. Na verdade, a conta de verbas confiscadas do comando da polícia começou a ficar no vermelho em junho porque o dinheiro fora gasto para equilibrar o orçamento de 2006.

Tanto o estado do Texas quanto o Ministério da Justiça federal têm regras a respeito de como é possível gastar as verbas confiscadas. Os federais, por exemplo, proíbem que se valham das verbas para pagar salários ou suplantar o financiamento existente ou que as gastem antes que sejam recebidas mesmo. A lei do Texas diz que o dinheiro pode ser usado em salários, horas extras, treinamento de oficiais e equipamento investigativo e material. Outros artigos podem ser comprados com verbas estaduais só se forem utilizados pelos oficiais em "deveres diretos da lei".

Acevedo disse que esperara revelar os resultados de uma investigação interna na semana passada, mas isso foi desbaratado quando virou uma investigação criminal.

América Latina: Contra-almirante colombiano despedido em apuração crescente de corrupção militar relacionada com as drogas

Na segunda-feira, um contra-almirante colombiano que servia ao longo da costa caribenha do país foi exonerado do cargo dele por supostos vínculos com narcotraficantes. O contra-almirante Gabriel Arango é apenas o último em uma série de oficiais militares investigados no que tem virado uma apuração ampliada de conexões entre os militares e as poderosas organizações narcotraficantes do país.

http://stopthedrugwar.com/files/coca-seedlings.jpg
problemas demais por esta planta - legalizem-na logo de uma vez
"Há uma investigação muito adiantada sobre um ilícito", disse o ministro da Defesa Juan Manuel Santos em entrevista à Rádio RCN. "Não posso negar que está relacionada com o narcotráfico e há outros membros da Armada implicados nos fatos".

Arango protestou a inocência dele, apontando o seu recorde em apreender drogas como comandante naval. "Nunca tive vínculos com nenhum narcotraficante", disse ele à Caracol Rádio.

Não é só a marinha. Atualmente, procuradores colombianos estão investigando pelo menos oito oficiais do exército pela suposta colaboração com o cartel do Vale do Norte, a organização mais violenta do narcotráfico do país.

Os militares colombianos têm sido os beneficiários de bilhões de dólares em ajuda antidrogas e antiinsurgência dos EUA conforme o Plano Colômbia. Mas, a produção de coca e cocaína continuou relativamente firme apesar dos bilhões.

Isso acontece porque há interesses demais que se beneficiam com o narcotráfico e a guerra às drogas na Colômbia, disse um agora ex-comandante paramilitar preso à Reuters nesta semana. Salvatore Mancuso, ex-líder do Bloco Norte, a organização paramilitar assassina do narcotráfico, que se rendeu em um acordo vantajoso em 2004, disse que esses interesses incluem políticos e militares que tramam com contrabandistas de drogas, contratistas relacionadas com um programa antidrogas multibilionário dos EUA e empresas que vendem químicos usados para processar a cocaína.

"Enquanto houver um conflito na Colômbia, tudo isso vai florescer", previu Mancuso. "Temos que cortar a fonte de oxigênio das guerrilhas e este oxigênio é a cocaína".

Mancuso, cuja sentença indulgente está ameaçada agora por uma decisão do Supremo Tribunal da Colômbia que exige tratamento mais severo daqueles que mataram inocentes em seu combate às guerrilhas esquerdistas, não é um observador desinteressado. Agora, está oferecendo a sua estratégia anticocaína e serviços ao governo dos EUA, sem dúvida nenhuma esperando fazer com que se indefira um indiciamento estadunidense por narcotráfico.

As prescrições de Mancuso soam familiares também. "Primeiro, precisamos de um plano coerente de erradicação; segundo, requer-se um plano coerente de segurança e presença estatal na área", disse. "Daí é preciso haver desenvolvimento social e econômico para cada comunidade".

Enquanto isso, a proibição das drogas e a guerra às drogas da Colômbia se prolongam e os que podem lucrar o estão fazendo.

América Latina: Presidente nicaragüense adverte contra "interesses imprevistos" e "coisas terríveis" da DEA

Na segunda-feira, o presidente nicaragüense Daniel Ortega disse que não confia na Administração de Repressão às Drogas (DEA, sigla em inglês) dos EUA porque as operações dela escondem "interesses imprevistos" e "coisas terríveis". Ortega não se explicou, mas sem dúvida tem fortes lembranças da tentativa da DEA e do governo Reagan de retratar o seu governo sandinista nos anos 1980 enquanto grandes narcotraficantes enquanto que a CIA e Oliver North, na melhor das hipóteses, faziam a vista grossa para as operações de entrega de cocaína que financiavam os contras, os rebeldes anti-sandinistas respaldados pelos EUA.

http://stopthedrugwar.org/files/daniel-ortega.jpg
Daniel Ortega (por cortesia da Wikimédia)
"É preciso tomar cuidado com a DEA, não podemos ser cegos", disse Ortega em comentários feitos durante a celebração do 27º aniversário da fundação da Força Naval. "Temos que travar a luta contra as drogas, mas que não nos venham com histórias de que vão meter seus helicópteros Cobra ou tropas", disse Ortega, dirigindo-se aparentemente ao governo dos EUA. "O melhor combatente é o soldado nicaragüense".

O governo Ortega tem cooperado com a DEA. Os soldados nicaragüenses confiscaram mais de 2.750kg de cocaína com a colaboração da DEA no ano passado. Ortega disse que continuaria colaborando com a DEA a fim de tirar vantagem da tecnologia e da experiência da agência.

Mas, com um olho na Colômbia, onde centenas de soldados estadunidenses e mercenários estão posicionadas como parte da luta contra as drogas e a insurgência dos EUA ali, e outro no México, que aparentemente está prestes a selar um acordo de ajuda antidrogas de suma importância com Washington, Ortega está dando a entender que tal tremenda intervenção dos EUA não seria bem-vinda na Nicarágua.

Sul asiático: Romeiros sravan da Índia trazem lucros aos vendedores de maconha

Os peregrinos que celebram o mês hindu do Sravan (de meados de julho a meados de agosto) estão enchendo os bolsos dos vendedores de maconha no distrito de Deoghar em Jharkhand, de acordo com um informe no News and Post of India. Considerado favorável pelos seguidores do Senhor Shiva, o mês é marcado por, entre outras coisas, uma peregrinação de milhões de aderentes para derramar água sobre o Shiva linga no templo Baidyanath em Deoghar.

Os peregrinos, vestidos de açafrão, fumam maconha (ganja) como parte da prática. De acordo com uma estimativa citada pelo News and Post, os devotos estão comprando e fumando de 22 a 29 quilogramas de maconha por dia dos contentes vendedores de maconha de Deoghar.

A polícia está ciente das vendas, mas faz a vista grossa, informou o jornal.

"A maconha é apreciada pelo Senhor Shiva. Não há nada errado em fumar a ganja. Ela facilita a jornada de 110km de Sultanganj em Bihar a Deoghar", disse um peregrino ao jornal.

A maconha tem sido usada para fins espirituais durante milhares de anos na Índia. Ela é cultivada atualmente em pelo menos 10 distritos em Bihar e Jharkhand e consta que as guerrilhas maoístas também estão se metendo no negócio.

Busca na rede

Quando nem o crime nem o castigo compensam, o prefeito de Newark, Nova Jérsei, Cory Booker, no Huffington Post

O país em apuros: A bandeira de cabeça para baixo, Tony Papa no Huffington Post

Esta é a minha rua, a ativista búlgara Milena Naydenova na página HaRdCOREhARMREdUCER

atualização da DrugTruth Network:
Cultural Baggage de 10 de agosto de 2007 -- Thomas Schweich, o "plano" para o Afeganistão de funcionário antidrogas do Ministério das Relações Exteriores + Poppygate (MP3)
Century of Lies de 10 de agosto de 2007 -- A enfermeira Mary Lynn Mathre a respeito da Segurança da Maconha Medicinal + os Fatos da Guerra às Drogas (MP3)

Semanal: Blogando no Bar Clandestino

Junto com a nossa reportagem investigativa da Crônica, desde o verão passado a DRCNet também esteve proporcionando conteúdo diário na forma de blogagem no Bar Clandestino Stop the Drug War, assim como links às Últimas Notícias (canto inferior esquerdo) e mais informações. Cheque a DRCNet todos os dias para ficar a par da reforma das políticas de drogas!

http://stopthedrugwar.org/files/dc-beer-raid-small.jpg
reide anticerveja da época da lei seca, Washington, DC (Biblioteca do Congresso)

Nesta semana:

Phil Smith pergunta aos leitores: "What's a gram of cocaine go for where you live?" [Por quanto sai um grama de cocaína onde vocês moram?] e "Who Should Be the Next Drug Czar?" [Quem deveria ser o próximo secretário antidrogas?] Alguns de vocês lhe responderam.

David Borden proporciona um link a um artigo da Crônica em que o usuário "eco" publicou umas fotos pungentes das vítimas dos assassinatos cometidos pela polícia da Tailândia dos supostos infratores da legislação antidrogas enquanto o governo se prepara para investigar, em "drug war killings" [assassinatos da guerra às drogas].

E Scott Morgan, o popular blogueiro, nos traz: "New Afghanistan Strategy is Exactly the Same as the Old One That Didn't Work" [A nova estratégia para o Afeganistão é exatamente igual à antiga que não deu certo], "Who's Planting All That Pot in the Woods?" [Quem está plantando toda essa maconha no bosque?], "Police Often Lack Basic Knowledge About Marijuana" [Freqüentemente a polícia não sabe os fundamentos sobre a maconha] e "Plan Mexico: The Right Name for the Wrong Idea." [Plano México: O nome certo para a idéia errada.]

David Guard esteve fazendo suas muitas republicações de notas à imprensa, alertas de ação e demais anúncios organizacionais no blog In the Trenches. E também há muita coisa nos Blogs do Leitor aqui.

Obrigado por ler, e escrever...

Semanal: Esta semana na história

18 de agosto de 1989: Luis Carlos Galán, um candidato à presidência colombiana que falou a favor da extradição, é assassinato em um comício de campanha perto de Bogotá. Nessa noite, o presidente Virgilio Barco Vargas expede um decreto de emergência que restabelece a política de extradição. Como resposta, os "Extraditáveis" declaram a guerra total contra o governo colombiano e começam uma campanha de bombardeio/assassinato que dura até janeiro de 1991.

20 de agosto de 1990: O Comitê de Operações Governamentais da Câmara dos Deputados dos EUA lança um relatório sobre os resultados da Operação Geleira [Operation Snowcap], o programa do governo Reagan-Bush que tem em vista deter o fluxo de drogas rumo aos Estados Unidos na sua fonte. A meta da Geleira fora eliminar os cocais, os laboratórios de processamento de cocaína, os terrenos clandestinos e demais operações do narcotráfico nos países cocaleiros da América do Sul. O relatório descobriu que menos de um por cento da cocaína da região fora destruída por esta campanha e que as autoridades na Bolívia, no Peru e na Colômbia estavam profundamente envolvidas no tráfico de entorpecentes.

20 de agosto de 1994: O Guardian informa que Raymond Kendall, secretário-geral da INTERPOL, disse: "O processo de milhares de cidadãos honestos do contrário todos os anos é tanto hipócrita quanto uma afronta aos direitos individuais, civis e humanos... O consumo de drogas não deveria ser mais uma infração criminal".

18 de agosto de 1996: Em São Francisco, uma igreja municipal distribui maconha a pacientes que tiverem a recomendação de um médico na esteira do requerimento temporário que fechada o Cannabis Buyers' Club de São Francisco. "Acho que a postura moral [neste caso] é infringir a lei para oferecer esta maconha", disse o reverendo Jim Mitulski da Igreja Comunitária Metropolitana de São Francisco. "A vitalidade espiritual da nossa igreja sempre veio da disposição a agir onde as pessoas foram relutantes em fazê-lo. Esta igreja não é uma observadora".

17 de agosto de 1999: A CNN informa que as autoridades federais dizem que estão varrendo os últimos membros indiciados de uma grande rede do narcotráfico que embarcava toneladas de cocaína e maconha, em sua maioria colombianas, através dos Estados Unidos. Cerca de 100 suspeitos foram indiciados na "Operação Expresso Sudoeste" [Operation Southwest Express] e 77 foram presos em reides em 14 cidades.

22 de agosto de 2003: David Borden, diretor-executivo da Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas, escreve uma carta aberta ao presidente do Superior Tribunal do Distrito de Colúmbia, Rufus G. King III, declarando a sua recusa a prestar o serviço de júri. "[...] Determinei que leis injustas sobre as drogas e a corrosão causada pela guerra às drogas sobre o sistema de justiça penal como um todo me compelem a recusar o serviço de júri conscienciosamente", disse Borden. Leia a carta na íntegra (em inglês) aqui.

Retorno: Você lê a Crônica da Guerra Contra as Drogas?

Você lê a Crônica da Guerra Contra as Drogas? Se sim, gostaríamos de ouvi-lo. A DRCNet precisa de duas coisas:

  1. Estamos entre doações ao boletim informativo e isso torna a nossa carência de doações mais premente. É grátis ler a Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas não produzi-la! Clique aqui para fazer uma doação por cartão de crédito ou PayPal ou para imprimir um formulário a fim de mandá-lo por correio.

  2. Por favor, mande citações e informes sobre de que maneira você aplica o nosso fluxo de informação, para uso em futuras propostas de doação e cartas a financiadores ou possíveis financiadores. Você usa a DRCNet como fonte para falar em público? Para cartas ao editor? Ajuda a conversar com amigos ou sócios sobre a questão? Pesquisa? Para instrução própria? Você mudou de opinião sobre quaisquer aspectos das políticas de drogas desde que se inscreveu ou foi inspirado a se envolver na causa? Você reproduz ou republica partes dos nossos informativos em outras listas ou em outros informativos? Tem quaisquer críticas, reclamações ou sugestões? Queremos ouvi-las também. Por favor, mande a sua resposta - tudo bem se forem uma ou duas frases; seria ótimo ter mais também - mande um e-mail a borden@drcnet.org ou responda a um endereço eletrônico da Crônica ou use o nosso formulário eletrônico de comentário. Faça o favor de nos informar se podemos reproduzir os seus comentários, e, em caso positivo, se podemos incluir o seu nome ou se deseja continuar anônimo. IMPORTANTE: Mesmo se você nos deu este tipo de retorno antes, seria útil termos o seu retorno atualizado agora também - precisamos saber o que você acha!

Mais uma vez, por favor, ajude a manter a Crônica da Guerra Contra as Drogas viva nesta época importante! Clique aqui para fazer uma doação eletrônica ou envie o seu cheque ou ordem de pagamento a: P.O. Box 18402, Washington, DC, 20036. Faça a sua doação a nome da Fundação DRCNet para fazer uma doação dedutível do imposto de renda à Crônica da Guerra Contra as Drogas - lembre-se se escolher um dos nossos prêmios gratuitos que reduzirão a parte da sua doação que é dedutível de impostos - ou faça uma doação não-dedutível ao nosso trabalho de lobby - pela Internet ou através de chegue pagável à Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas no mesmo endereço. Também aceitamos contribuições em ações - mande um e-mail a borden@drcnet.org para as informações necessárias.

Anúncio: Agora os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis para a SUA página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página é dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, saiba também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Entre em contato conosco se quiser assistência ou informe-nos sobre o que está relacionando e aonde. E obrigado de antemão pelo seu apoio.

Anúncio: Os feeds RSS da DRCNet estão disponíveis

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da Guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Anúncio: Novo formato para o Calendário do Reformador

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Desejamos informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estiverem disponíveis.

Anuncio: Nuevo formato para el Calendario del Reformador

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Con el lanzamiento de nuestra nueva página web, El Calendario del Reformador ya no aparecerá como parte del boletín Crónica de la Guerra Contra las Drogas, pero será mantenido como sección de nuestra nueva página web:

El Calendario del Reformador publica grandes y pequeños eventos de interés para los reformadores de las políticas de drogas alrededor del mundo. Ya sea una gran conferencia internacional, una manifestación que reúna a personas de toda la región o un foro en la universidad local, queremos saber para que podamos informar a los demás también.

Pero necesitamos su ayuda para mantener el calendario actualizado, entonces por favor contáctenos y no suponga que ya estamos informados sobre el evento o que vamos a saberlo por otra persona, porque eso no siempre sucede.

Deseamos informarle sobre nuevos reportajes de nuestra nueva página web apenas estén disponibles.

Anuncio: Los feeds RSS de DRCNet están disponibles

Los feeds RSS son una onda del futuro – ¡y la DRCNet los ofrece ahora! La última edición de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas está disponible usando RSS en http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Tenemos muchos otros feeds RSS disponibles también, sobre cerca de cien subtópicos distintos de las políticas de drogas que empezamos a rastrear desde el relanzamiento de nuestra página web este verano – relacionando no solamente los artículos de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas, sino también las publicaciones en el Bar Cladestino, los listados de eventos, los enlaces a noticias externas y más – y para nuestras publicaciones diarias en los blogs y en sus distintas subdirecciones. Visite nuestro Mapa del Sitio para leer la serie completa.

¡Gracias por sintonizarse en la DRCNet y en la reforma de las políticas de drogas!

Anuncio: ¡Ahora los feeds de agregación de contenido de la DRCNet están disponibles para SU página web!

¿Usted es un aficionado a la DRCNet y tiene una página web que le gustaría usar para difundir el mensaje con más fuerza que un único enlace a nuestra página puede lograr? Tenemos la satisfacción de anunciar que los feeds de agregación de contenido de DRCNet están disponibles. Tanto si el interés de sus lectores está en el reportaje investigativo como en la Crónica de la Guerra Contra las Drogas, el comentario corriente en nuestros blogs, la información sobre subtópicos específicos de la guerra a las drogas, ahora podemos darles códigos personalizables para que usted los ponga en los lugares adecuados en su blog o página web y actualicen automáticamente los enlaces al contenido de concienciación de DRCNet.

Por ejemplo, si usted es un gran aficionado a la Crónica de la Guerra Contra las Drogas y cree que sus lectores sacarían beneficios de ella, puede tener los titulares de la última edición, o una porción de ellos, apareciendo y actualizándose automáticamente cuando salga cada nueva edición.

Si su página web es dedicada a las políticas de marihuana, puede publicar nuestro archivo temático, con enlaces a todos los artículos que publicamos en nuestra página acerca de la marihuana – los artículos de la Crónica, las publicaciones en los blogs, el listado de eventos, enlaces a noticias externas y más. Lo mismo vale para la reducción de daños, la confiscación de bienes, la violencia del narcotráfico, los programas de trueque de jeringas, Canadá, las iniciativas electorales, casi cien tópicos distintos que rastreamos corrientemente. (Visite la portada de la Crónica, en la columna derecha, para ver la lista actual completa.)

Si a usted le gusta especialmente nuestra nueva sección del Bar Clandestino, hay contenido nuevo todos los días tratando de todas las cuestiones y usted puede poner enlaces a esas publicaciones o a subsecciones del Bar Clandestino.

Haga clic aquí para ver una muestra de lo que está disponible - por favor, fíjese que la extensión, la apariencia y demás detalles de cómo ello aparecerá en su página pueden ser personalizados para adecuarse a sus necesidades y preferencias.

Por favor, fíjese también que estaremos contentos en hacerle más permutas de nuestro contenido disponible bajo pedido (pese a que no podamos prometer cumplimiento inmediato de dichas solicitaciones ya que, en muchos casos, la oportunidad dependerá de la disponibilidad de nuestro diseñador web). Visite nuestro Mapa del Sitio para ver lo que está disponible actualmente – cualquier feed RSS disponible allí también está disponible como feed de javascript para su página web (junto con el feed de la Crónica que no aparece todavía pero que usted puede encontrar en la página de feeds relacionada arriba). Experimente nuestro generador automático de feeds aquí.

Contáctenos si quiere asistencia o infórmenos sobre lo que está relacionando y adónde. Y gracias de antemano por su apoyo.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Safe Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School