Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Book Offer: Lies, Damn Lies, and Drug War Statistics

http://www.stopthedrugwar.org/files/drugwarstatisticsbook.jpg
Normally when we publish a book review in our Drug War Chronicle newsletter, it gets readers but is not among the top stories visited on the site. Recently we saw a big exception to that rule when nearly 2,000 of you read our review of the new book Lies, Damned Lies, and Drug War Statistics: A Critical Analysis of Claims Made by the Office of National Drug Control Policy. Much of this reading took place during a week that had other very popular articles as well, so clearly the topic of this book, which was authored by respected academics Matthew Robinson and Renee Scherlen, has struck a chord. As well it should.

Please help DRCNet continue our own work of debunking drug war lies with a generous donation. If your donation is $32 or more, we'll send you a complimentary copy of Robinson and Scherlen's book to help you be able to debunk drug war lies too.

Over the coming weeks I will be blogging on our web site about things I've learned reading Lies, Damn Lies, and Drug War Statistics. Stay tuned!

Your donation will help DRCNet as we advance what we think is an incredible two-year plan to substantially advance drug policy reform and the cause of ending prohibition globally and in the US. Please make a generous donation today to help the cause! I know you will feel the money was well spent after you see what DRCNet has in store. Our online donation form lets you donate by credit card, by PayPal, or to print out a form to send with your check or money order by mail. Please note that contributions to the Drug Reform Coordination Network, our lobbying entity, are not tax-deductible. Tax-deductible donations can be made to DRCNet Foundation, our educational wing. (Choosing a gift like Lies, Damn Lies, and Drug War Statistics will reduce the portion of your donation that you can deduct by the retail cost of the item.) Both groups receive member mail at: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036.

Thank you for your support, and hope to hear from you soon.

Sincerely,


David Borden
Executive Director

P.S. You can read Chronicle editor Phil Smith's review of the book here.

Feature: Drugs Should Be Classified According to Their Harms, British Experts Say -- And They're Not Now

A study published last Friday in the prestigious British medical journal The Lancet has called for drugs -- licit and illicit -- to be classified by the harm they do rather than the artificial divisions embodied in Britain's Misuse of Drugs Act. With the US Controlled Substances Act set up in a very similar fashion, the study speaks to US drug policy as well.

The study, Development of a Rational Scale to Assess the Harms of Drugs of Potential Misuse, also sought to arrive at a science-based assessment of the comparative harms of various substances, both licit and illicit. The results will be surprising only to those who rely on the mass media for their drug knowledge.

The British researchers, led by Dr. David Nutt, professor of psychopharmacology at the University of Bristol, and Dr. Colin Blackmore, professor of physiology, anatomy and genetics at Oxford University, assessed the potential harms of the different drugs on three different scales: the physical harm to the user caused by the drug, the tendency of the drug to induce dependence, and the deleterious effects of drug use on families, community, and society.

When weighed on the basis of harm caused, the researchers found both alcohol and tobacco to be more harmful than marijuana or ecstasy. Heroin and cocaine topped the list as most harmful, followed by barbiturates, street methadone, and alcohol. Of the 20 substances evaluated, marijuana came in 11th, just behind the heroin substitute buprenorphine and just ahead of solvents. Interestingly, LSD and ecstasy both scored very low on the harm scale, coming in at 14th and 18th places, respectively. The mild Middle Eastern stimulant khat was scored as the least harmful of the substances evaluated.

The researchers noted that the rankings by harm had little relation to the way substances were classified in the United Kingdom. While both LSD and ecstasy, for example, were found to be low in harm, they are classified as Class A drugs in Britain -- the most serious classification. Similarly, alcohol and tobacco, while ranking relatively high on the harm scale, remain legal substances.

The situation is similar with the US Controlled Substances Act (CSA). Under the CSA, marijuana, LSD, khat, and ecstasy are all Schedule I drugs, a designation they share with the much more harmful drugs heroin and cocaine. US drug law designates these soft drugs as more dangerous than drugs like barbiturates and amphetamines, which are Schedule II drugs, although the latter rank much higher on the Lancet's harmfulness scale.

Such mis-scheduling is a problem, said the researchers. "Drug policy is primarily aimed at reducing the harm to individual users, their families and society," said Dr. Blakemore in a statement accompanying the release of the study. "But at present there is no rational, evidence-based method for assessing the harm of drugs. We have tried to develop such a method. We hope that policy makers will take note of the fact that the resulting ranking of drugs differs substantially from their classification in the Misuse of Drugs Act and that alcohol and tobacco are judged more harmful than many illegal substances."

"Drug misuse and abuse are major health problems," said Dr. Nutt. "Our methodology offers a systematic framework and process that could be used by national and international regulatory bodies to assess the harm of current and future drugs of abuse."

While US drug reform activists generally lauded the study and its conclusions, they raised concerns about the ranking of marijuana squarely in the middle in terms of harms.
"It does seem eminently reasonable as we look at marijuana laws that we start from the well-documented fact that marijuana is safer than alcohol and tobacco," said Bruce Mirken, communications director for the Marijuana Policy Project (MPP). "That being the case, our current laws, both in the US and Britain, would appear to make very little sense. The very concept that laws about drugs should bear some relationship to the actual dangers of the drugs is downright enlightening," he told Drug War Chronicle.

Allen St. Pierre, executive director of the National Organization for the Reform of Marijuana Laws (NORML), welcomed the findings, but also raised concern about marijuana's ranking. "They've paved the way toward a better understanding of drug scheduling," he told the Chronicle. "At the very least, this should start the inversion process of pushing cannabis to where it should be on the drug schedules."

And where would that be? "We need to acknowledge that marijuana, alcohol, caffeine, and tobacco are all soft drugs," he said. "Anything above that would need scheduling or some sort of regulation on the substance."

The Lancet study's authors would disagree slightly. In their discussion of science-based drug scheduling, while they note there are no sharp break points on the relative harm scale, they suggest that even a three-tiered system like that now in place in Britain could be more equitably arranged. "If a three-category classification were to be retained," they wrote, "one possible interpretation of our findings is that drugs with harm scores equal to that of alcohol and above might be class A, cannabis and those below might be class C, and drugs in between might be class B. In that case, it is salutary to see that alcohol and tobacco -- the most widely used unclassified substances -- would have harm ratings comparable with class A and B illegal drugs, respectively."

Marijuana's ranking as more harmful than drugs like LSD and ecstasy grated somewhat on the marijuana movement spokesmen. "They ranked it pretty high for dependency, but marijuana dependency tends to be pretty mild," said MPP's Mirken. "You could make the case that dependence on a drug that isn't that harmful isn't as damaging as dependence on one that is more harmful. I don't know that these researchers made that distinction."

"They gave a little too much weight to the social harm they ascribe to cannabis and, more notably, the intoxication level," said NORML's St. Pierre. "They rank it as slightly more intoxicating than LSD, but smoking cannabis in even its most potent form can hardly be compared to a six-hour LSD experience. I suspect that the Lancet editors are giving too much deference to the notion that cannabis is now as powerful as those other drugs."

"I may have some quibbles with their methodology, but this is a reasonable step, and it's more than we're capable of in the US," said Mirken. "When you're crawling and others are walking, you don't criticize them for not running a four-minute mile."

Weekly: This Week in History

Posted in:

April 1, 1909: The Opium Exclusion Act takes effect.

April 3, 1953: With the support of Allen W. Dulles, director of Central Intelligence, Richard C. Helms proposes funding for a biochemical warfare research program named MKULTRA, which among other things administered LSD to its unwilling participants.

March 30, 1961: The UN Single Convention on Narcotic Drugs is convened in New York City, the first of the three international treaties binding signatory nations into prohibitionist systems.

April 2, 1988: The Economist editorializes in favor of bringing drug users within the law by allowing them to purchase limited doses of drugs that have been manufactured and distributed legally.

March 30, 1992: Bill Clinton, during the 1992 presidential campaign, says, "When I was in England I experimented with marijuana a time or two, and I didn't like it. I didn't inhale."

April 1, 2000: Canada's premier national newspaper, The National Post, editorializes in favor of legalizing marijuana.

April 5, 2000: The Journal of the American Medical Association publishes "Trends in Medical Use and Abuse of Opioid Analgesics." The researchers conclude: "Conventional wisdom suggests that the abuse potential of opioid analgesics is such that increases in medical use of these drugs will lead inevitably to increases in their abuse. The data from this study with respect to the opioids in the class of morphine provide no support for this hypothesis. The present trend of increasing medical use of opioid analgesics to treat pain does not appear to be contributing to increases in the health consequences of opioid analgesic abuse."

March 31, 2001: An editorial in the The Lancet -- the United Kingdom's top medical journal -- criticizes the futility of drug prohibition and America's present anti-drug strategies.

April 2, 2003: US Rep. Ron Paul asks the US Government Accountability Office (GAO) to investigate whether the Office of National Drug Control Policy violated the Congressional ban on spending funds on publicity or propaganda.

Marijuana: Cincinnati City Council Votes to Extend Tough Ordinance

The Cincinnati City Council voted Tuesday to renew a tough municipal marijuana ordinance it approved last year despite charges that it had not done what supporters said it would do: reduce violent crime. Thanks to strong local opposition to the ordinance when originally passed, it included a sunset provision and would have expired Friday if the council had not acted.

Under Ohio law, possession of up to 100 grams of marijuana is no more than a ticketable offense with a maximum $100 fine. That was too lenient for the city fathers in Cincinnati, who last year passed a municipal ordinance allowing police to arrest and jail people for up to 30 days for simple pot possession. The measure would reduce crime by removing guns from the streets, allowing police to target dealers, and scaring residents of nearby Kentucky and Indiana away from coming to the city to buy drugs, supporters said at the time.

Cincinnati police testified that marijuana arrests had removed 62 guns from city streets, but opponents, led by a coalition of groups organized as Citizens for a Safer Cincinnati, argued that crime rates had increased since the ordinance was passed. They have the numbers on their side.

As Safer Cincinnati member and Hamilton County Libertarian Party head Paul Green noted in an analysis of crime figures since the ordinance was passed, the ordinance has not succeeded in any of its three goals. There were fewer arrests of out-of-staters, but their total number was small in both years, and the reduction is a measly 0.7%. And while police bragged that they had seized 62 weapons, the number of guns reported to have been used in crimes was up 27%. The number of handguns -- the weapon most commonly carried by drug dealers -- reported to have been used in crimes was up 17%.

Violent crime has also increased since the ordinance has been in place. Murders were up 16% in 2006 compared to 2005, and armed robbery was up a whopping 44%. Overall, the serious crime index showed a 4.4% increase in 2006.

But despite the ordinance's failure to achieve its stated goals, the council reapproved it. That will make the ordinance a campaign issue, Safer Cincinnati warned.

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

Two cops get busted, a jail guard pleads guilty, a Border Patrol agent is found guilty, and a sheriff's deputy is sent to prison. Just your typical week of drug prohibition-related law enforcement corruption. Let's get to it:

In Indianapolis, an Indianapolis Police reserve officer was arrested for stealing drugs and money from undercover officers. Reserve Officer Chris Spaulding is accused of stealing $7,000 from one undercover officer during a sting and failing to turn in the evidence. He is also charged with using a Hendricks County hotel room to sell drugs, especially marijuana. Spaulding is in jail pending a bail hearing. His trial date is set for May 14.

In Deerfield Beach, Florida, a patrol deputy was arrested Tuesday for taking cocaine and prescription drugs from what he thought was an abandoned automobile. Patrol Deputy Robert Delaney is charged with possession of cocaine and oxycodone. Delanay came to the attention of superiors when a confidential informant reported that he bought and used cocaine. That led the sheriff's office to set up a sting, leaving four grams of cocaine and six oxycodone tablets in a vehicle, then calling Delaney to investigate. As officers watched, Delaney took the drugs for himself. He also admitted snorting some of the cocaine while on duty.

In White Plains, New York, a Westchester County corrections officer pled guilty March 21 for his role in a drug distribution network. Jail guard Michael Gray, 43, pled guilty to attempted criminal sale of a controlled substance and promoting prison contraband for selling cocaine to another jail guard and bringing the drug into the jail in August 2005. He was part of a trafficking ring operating in the Bronx and Westchester County that was busted in a series of raids in December 2005. He will be sentenced in June.

In Tucson, a former Border Patrol agent has been found guilty of making off with a 22-pound brick of marijuana during a border bust. Former Agent Michael Carlos Gonzalez, 34, was convicted by a federal jury March 20 of possession of marijuana with intent to distribute and possession of a firearm during a drug trafficking offense. Gonzalez went down after a December 2005 traffic stop. An Arizona state trooper stopped a pickup, the passenger and driver fled into the desert, and the trooper pursued them. Gonzalez arrived on the scene, grabbed one of the numerous bricks of weed in the truck, moved the remaining bricks to cover up his theft, and put the brick in his vehicle. Unfortunately for him, the trooper's patrol car camera caught it all. Gonzalez is looking at up to 10 years in federal prison, five on each count.

In Winchester, Kentucky, a former Clark County deputy sheriff has been sentenced to prison on firearms and drug charges. Former Deputy Brad Myers was originally charged with two counts of trafficking in a controlled substance and two counts of carrying a firearm during the offense, but pled guilty to one count of distributing Lortab pills and one count of carrying a semiautomatic pistol. Myers' attorney argued that he developed an addiction to pain pills after being injured on the job, but he's still going to prison for three years.

Middle East: Marijuana Not Kosher for Passover, Says Green Leaf Party

Israel's Green Leaf Party, the country's leading marijuana reform advocacy organization, warned Wednesday that marijuana is not kosher for Passover. Jews who observe the week-long holiday's dietary laws should lay off the weed, the group said.

According to Green Leaf, rabbis have grouped marijuana products along with a family of foods including peas, beans, and lentils that are forbidden to observant Jews during Passover according to the European tradition of rabbinic interpretation. Passover begins on Monday.

http://stopthedrugwar.org/files/seder-plate.jpg
Passover ritual 'seder plate' (courtesy Wikimedia)
"We are warning our people not to eat anything with hemp products if they follow the practice of kitniyot on Pesach," said party spokesperson Michelle Levine. "We are considering announcing a ban on everything containing hemp just to be on the safe side. We are going with the rabbis on this. People should remove all cannabis and hemp from their homes."

The Orthodox Anarchist blog disagreed, calling the rulings relating to separation of grains outdated and urging Ale Yarok to instead focus on highlighting halakhic (Jewish religious statutory interpretation) moral arguments such as those supporting medical marijuana or the Orthodox Union's support for religious ayahuasca use rights.

There is an upside to the rabbinical ban during Passover, said Levine. "Logic dictates that if the rabbis say cannabis is non-kosher for Passover, it is apparently kosher during the rest of the year."

Imposição da Lei: As Estórias de Policiais Corruptos Desta Semana

Só mais outra semana de corrupção no aparelho judiciário-legal relacionada à proibição das drogas. Uma policial de Nova Iorque é pega com drogas na sua gaveta de roupa interior, um policial de Ohio recebe algumas acusações ruins, mais guardas de prisão ficam gananciosos e um ex-policial de St. Paul vai à prisão

Mas antes de irmos ao que interessa, precisamos fazer um par de correções. Na semana passada, incluímos brevemente um ex-promotor do Wisconsin que foi preso com maconha e equipamento de cultivo no nosso salão da vergonha. Não deveríamos ter feito isso. Ele foi um promotor há muito, muito tempo e só por um breve período, e embora ele fosse acusado de manufatura e entrega de maconha, não está claro que ele estivesse traficante. Pedimos desculpas a Gene Radcliffe.

Há mais de um ano, incluímos o promotor do Arizona, William Reckling, na lista de bandidos da lei. Não deveríamos tê-lo incluído. Nós o vimos como um promotor hipócrita que usava drogas ele mesmo, mas isso não acontecia. Após se deparar tardiamente com o nosso artigo, Reckling escreveu para esclarecer que ele era um promotor municipal, que, diferentemente dos promotores de distrito ou de comarca, não processa criminalmente. Além do mais, escreveu Reckling, ele compartilha os nossos pontos de vista sobre a crueldade e a futilidade da guerra às drogas e a experiência dele com a apreensão o desanimou tanto de sua pátria que ele vai ir aos climas mais amantes da liberdade da América Central. Boa sorte para ele.

O resumo semanal de policiais corruptos deve ser somente esse. Às vezes fica bem claro; às vezes é mais subjetivo. Em geral, não incluímos policiais que foram pegos usando ou portando drogas. Embora as pessoas que prendam pessoas por fazerem o mesmo que eles fazem no tempo livre deles possam se qualificar como hipócritas, isso não as torna corruptas. Onde fixar o limite? Nesta semana, incluímos um policial de Ohio que até agora só foi preso por acusações de porte com base em afirmações no mandado de busca de que ele estava traficando. A esta altura, esse policial é um caso duvidoso. Agora, se nos depararmos com um juiz ou um promotor que está perseguindo infratores da legislação antidrogas durante a noite, mas cheirando carreiras em casa, provavelmente o incluiremos também, só pela hipocrisia absoluta disso. Acho que esperamos um padrão ligeiramente mais alto deles que dos policiais e guardas de prisão. São decisões de juízo, mas tentamos tomá-las assim até agora. Muito bem, vamos ao que interessa:

Na Cidade de Nova Iorque, uma oficial novata da Polícia de Nova Iorque foi presa no dia 15 de março depois que a polícia, que executava um mandado de busca na casa dela, encontrou uma grande reserva de drogas na gaveta de roupa interior. A oficial Carolina Salgado, 30, foi presta após uma averiguação de um mês das vendas de drogas feitas perto da casa que ela compartilhava com o seu namorado, Nelson Fernández, um reputado ganguista da Latin Kings. Durante a busca na casa dela, a polícia encontrou 150 saquinhos de maconha, dois sacos de cocaína, $3,000 e um montão de apetrechos da Latin Kings. Apesar de Salgado e Fernández não estarem em casa no momento, a polícia os encontrou em um carro nas imediações. No carro, a polícia encontrou outros 15 sacos de maconha e mais dois sacos de cocaína. Salgado enfrenta acusações de pôr em perigo o bem-estar de uma criança (três crianças sem adultos presentes estavam em casa quando esta foi sitiada) e porte de drogas.

Em Toledo, Ohio, um oficial da polícia de Toledo foi preso no sábado por porte de drogas e acusações relacionadas. O oficial Bryan Traband, 36, e outro homem foram presos no lar de Traband depois que a polícia, que cumpria um mandado de busca, encontrou cocaína e maconha. De acordo com o mandado de busca, no mês passado a polícia recebeu duas pistas de que Traband estava envolvido na venda e consumo de drogas, mas as autoridades só o acusaram até agora por porte de cocaína, maconha, apetrechos para consumo de drogas e por permitir abuso químico. O veterano com 13 anos de serviços prestados pediu demissão e está em liberdade sob fiança por mérito pessoal.

Em Amite, Luisiana, um auxiliar do xerife da Paróquia de Tangapahoa que trabalhava como guarda da cadeia municipal foi preso no dia 15 de março após concordar em contrabandear crack e vodca a um interno. De acordo com os funcionários federais, o auxiliar Harris Robertson confessou contrabandear artigos proibidos para a cadeia em pelo menos 10 ocasiões desde setembro e receber de $100 a $300 por entrega. Robertson caiu depois que alguém deu uma pista de que estava entregando drogas, álcool, celulares e comida aos presos e os federais armaram para ele. Um agente que fingia ser o amigo de um interno deu a Robertson 15 gramas de crack, duas garrafas da vodca Grey Goose e $300 pelo seu trabalho. Robertson foi preso após aceitar os bens e o dinheiro. Agora, ele pode pegar uma sentença de até 40 anos de prisão pelas acusações federais de porte com a intenção de distribuir crack.

Em Sacramento, Califórnia, um ex-guarda de prisão estadual se confessou culpado na sexta-feira de contrabandear maconha para uma prisão na Comarca de Amador. John Charles Whittle, 47, um veterano de 22 anos da Secretaria de Correção e Reabilitação da Califórnia, caiu depois que os investigadores de assuntos internos interceptaram um pacote enviado à casa de Whittle e descobriram que continha 10 gramas de metanfetamina escondidos dentro de um ursinho de pelúcia. Quando os agentes chegaram, Whittle já tirara a metanfetamina e a escondera em um colete de guardas de prisão à prova de facadas. Whittle admitiu que ele recebeu $5,150 de amigos de internos para contrabandear drogas para a Prisão Estadual de Mule Creek. Ele concordou em não receber os lucros dele e agora aguarda uma data de condenação no dia 19 de abril, quando pode pegar até dois anos de prisão.

Em St. Paul, Minnesota, um sargento aposentado da polícia de St. Paul foi sentenciado a cinco anos de prisão na sexta-feira passada por acusações de tráfico de metanfetamina. O sargento aposentado Clemmie Tucker podia ter recebido pena de prisão perpétua depois que foi pego recolhendo uma carga de metanfetamina na rodoviária da Greyhound Bus em Minneapolis. Ele se confessou culpado em setembro de porte com a intenção de distribuir mais de 500 gramas de metanfetamina. A juíza do juizado de distrito federal, Joan Ericksen, disse que ela ia dar a Tucker um "crédito considerável" na condenação porque ele não tinha antecedentes e pouca probabilidade de reincidir, mas lhe deu alguns anos "porque as drogas são muito nocivas".

Maconha Medicinal: Projeto de Minnesota É Aprovado por Segundo Painel da Câmara

Na segunda-feira, membros de um comitê da Câmara de Minnesota votaram na aprovação de um projeto de lei sobre a maconha medicinal apesar das objeções do aparelho judiciário-legal. O Comitê de Segurança Pública e Direito Civil da Câmara aprovou o projeto, o HF655, em uma votação de 11 a 8. O projeto já foi aprovado pelo Comitê de Saúde e Serviços Humanos da Câmara e agora se dirige para o Comitê de Finanças da Câmara.

Um projeto paralelo no Senado foi aprovado pelo Comitê de Saúde, Moradia e Família do Senado há um mês. Atualmente, está no Comitê do Senado sobre o Judiciário.

O projeto permitiria que os pacientes gravemente doentes consumissem maconha após obterem a recomendação de um médico e se inscreverem junto ao estado. Mas, em um esforço para lidar com as preocupações da lei, o comitê de segurança pública emendou o projeto para que os pacientes não possam cultivar a própria oferta deles. Em troca, organizações não-governamentais autorizadas teriam autorização para cultivar até 12 plantas e aprox. 75 gramas por paciente.

O contingente da lei se manifestou com vigor na audiência do comitê. "Áreas imediatas e óbvias de preocupação incluem os conflitos existentes com a lei federal, o potencial para o acesso e o abuso dos jovens e ao potencial para que esta ação seja usada como plataforma para a legalização da maconha em grande escala", disse Mitch Winzetl da Associação dos Chefes de Polícia de Minnesota à KARE TV 11 News em Minneapolis-St. Paul.

"Fumar é nocivo para o corpo humano em qualquer forma e é particularmente nocivo quando se trata da maconha, que tem químicos consideravelmente mais perigosos do que o tabaco", disse o promotor da Comarca de Dakota, James Backstrom.

Mas, embora os membros do comitê tentassem aliviar as preocupações da lei emendando o projeto supracitado, eles pareceram mais comovidos pelo depoimento de pacientes como Don Haumont, que sofre de câncer de fígado e outros achaques. Ele disse aos legisladores que só uma coisa o ajuda: a maconha.

"Eu comia mais, ganhava peso, me sentia mais saudável, sentia que podia cuidar de mim, podia fazer coisas", disse. "Podia trabalhar e ser produtivo". Como ex-habitante da Califórnia, Haumont disse que podia fumar legalmente ali. "Então, quando me mudei para cá, era mais difícil obtê-la e a qualidade era inferior", disse.

Embora a lei e o governador Tim Pawlenty (R) se oponham ao projeto, ele está conseguindo apoio bipartidário na assembléia. "Trata-se mais de uma coalizão de esquerda e direito, a qual eu acho ser um projeto muito bom que Minnesota deveria virar o 13° estado a aprovar", disse o deputado Steve Sviggum (R-Kenyon), que já se opôs a tal medida.

Onze estados têm programas de maconha medicinal em funcionamento. O Novo México está preste a virar o 12° assim que o governador Bill Richardson (D) assinar o projeto que foi aprovado lá na semana passada.

O Balcão de Doces: Geórgia Está Pronta para Proibir as Ventas de Pirulitos com Sabor de Maconha às Crianças

Segundo um projeto aprovado pela Câmara dos Deputados da Geórgia na terça-feira, os vendedores poderão ser proibidos logo, logo de venderem pirulitos, chicletes e qualquer outro doce aromatizado para ter sabor de maconha às crianças. O projeto, o HB 280, passou rapidíssimo pela Câmara, sendo aprovado por uma margem de 133-26.

O projeto visa aos negócios que vendem doces com nomes inspirados em drogas como "Pot Suckers" e "Kronic Kandy". Tais produtos são aromatizados com o azeite especial do cânhamo para criar o sabor de maconha, mas não contêm quantidades mensuráveis de THC, o ingrediente psico-ativo na maconha.

Se for aprovado pelo Senado, a Geórgia viraria o primeiro estado a promulgar tal proibição. A venda de doces com sabor de maconha já foi ilegalizada na cidade de Chicago, na Comarca de Suffolk, em Nova Iorque e em partes da Comarca de Alameda, Califórnia.

"Este tipo de produto está sendo levados a concertos como a velho picolé que está sendo comerciado na rua", disse a deputada estadual republicana Judy Manning de Marieta, a defensora do projeto. "Estão sendo vendidos por $4 a $8 cada. É bem caro e bem prejudicial para as nossas crianças".

O projeto de Manning diz que os doces promovem o consumo de drogas e promovem a "falsa impressão de que a maconha é divertida e segura". Proíbe a venda de "produtos sabor maconha" a menores, com os infratores sujeitos a uma multa de $1,000 por cada violação.

Atlanta é o lar da Coca-Cola. Como disse o coordenador nacional de contato da Vote Hemp , Tom Murphy, à DRCNet em um e-mail, "Isto te faz pensar se eles pensariam em proibir um refrigerante sabor coca. É vendido a crianças e...".

Murphy também indicou um erro cometido pelo New York Times em um artigo que apareceu na quarta-feira: O Times disse que os doces eram feitos com azeite de semente de cânhamo - um ingrediente usado em muitos produtos alimentícios que não têm sabor de maconha -, em oposição ao ingrediente real dos doces, o azeite essencial de cânhamo.

A Vote Hemp está respaldando um projeto do Senado estadual, o SB 258, que criaria uma isenção para os alimentos à base de cânhamo.

Europa: Clamor por autorização da papoula medicinal cresce entre parlamentares britânicos

Dúzias de parlamentares (MPs, sigla em inglês) britânicos estão convocando o primeiro-ministro Tony Blair a permitir que os agricultores afegãos evitem o que eles chamam de uma carência mundial de analgésicos opiáceos. Uns 40 parlamentares, inclusive os líderes conservadores da oposição, Michael Ancram, Bill Cash e sir Malcolm Rifkind, estão instando Blair a apoiar o programa-piloto liderado pela ONU para autorizar o cultivo de papoulas afegãs para o mercado medicinal.

http://stopthedrugwar.com/files/opium-smaller.jpg
os artigos do traficante de ópio (foto do editor da Crônica, Phil Smith, durante a visita de setembro de 2005 ao Afeganistão)
O Afeganistão é o produtor dominante de papoulas do mundo, respondendo por mais de 90% da colheita global no ano passado. Espera-se que a safra deste ano cresça ainda mais. O governo afegão e seus defensores da OTAN e dos EUA estão tentando suprimir o cultivo, mas fazer isso ameaça solapar o trabalho geral de combate à insurgência contra o ressurgente Talibã.

O pedido dos parlamentares aconteceu em uma moção parlamentar na semana passada. A moção ocorreu duas semanas depois da revelação de que o Ministério do Interior da Grã-Bretanha pensara em tal proposta, mas que desistira em vista da oposição implacável dos governos estadunidense e afegão. Segundo o tratado OTAN-EUA, a Grã-Bretanha está encarregada da responsabilidade pela luta contra a papoula, mas apesar de gastar mais de $400 milhões nos últimos quatro anos, tanto a papoula quanto o Talibã se expandiram.

O pedido dos parlamentares britânicos é o mais recente a ecoar uma proposta de 2005 do instituto de consultoria europeu em defesa e políticas de drogas, o Conselho Senlis, que pediu o desvio da produção de papoulas ilícitas destinadas a serem transformadas em heroína para o mercado negro para os mercados medicinais lícitos, especialmente nos países mais pobres do Sul. Embora não seja adotada por nenhum governo, exceto a Itália, o clamor por esta idéia radical continua crescendo.

Europa: Agora a Buprenorfina, Sucedâneo da Heroína, Está Disponível na Escócia

Uma agência do governo escocês aprovou o consumo do sucedâneo da heroína, a buprenorfina, como substituto para os usuários de heroína incapazes de ingerir a metadona, o sucedâneo mais comum. Agora, a forma da droga em comprimido, a Suboxona, está disponível através do Serviço Nacional de Saúde.

http://stopthedrugwar.com/files/emcdda-buprenorphine-chart.jpg
quadro europeu desatualizado de disponibilidade da buprenorfina, da página do EMCDDA
Apesar de a buprenorfina ser bastante usada na Inglaterra, na Europa e na Austrália, e estar disponível com restrições nos Estados Unidos, ela esteve proibida na Escócia desde meados dos anos 1980 porque fora abusada por usuários que a esquentavam e a injetavam para ficarem dopados. Mas, de acordo com o seu fabricante, a Suboxona irá causar sintomas de abstinência se injetada, aliviando os temores de abuso.

O Consórcio Médico Escocês, a agência que decide quais drogas podem ser prescritas, aprovou a Suboxona só para os pacientes para os quais a metadona não é propícia. Também requer que a manutenção com Suboxona ocorra somente "dentro de um arcabouço de tratamento médico, social e psicológico".

Os especialistas em drogas entrevistados pelo jornal The Scotsman achavam em geral que isso era bom, apesar de pelo menos um defender a abstinência. A decisão foi aclamada como "adição útil" por David Liddell, diretor do Scottish Drugs Forum. Andrew Horne, da instituição caridosa de tratamento químico Addiction Scotland, disse: "Achamos que é uma alternativa útil e que complementará o trabalho de reabilitação que fazemos".

Mas, a manutenção é "parte do problema", disse Neil McKeganey, professor de pesquisa do mal-uso de drogas na Universidade de Glasgow. "Temos um grande número de pessoas que usam medicações sucedâneas e eis aqui outro sucedâneo; ainda nos deixará com pouquíssimos tratamentos químicos concentrados na abstinência".

Busca na Rede

Relatório: The Consequences Aren't Minor: The Impact of Trying Youth as Adults and Strategies for Reform [As Conseqüências Não São Menores: O Impacto de Julgar Jovens como Adultos e as Estratégias para a Reforma], Campaign for Youth Justice

Vídeo: A parlamentar canadense Libby Davies na recente conferência inaugural do CSSDP

Save Bernie's Farm!, campanha do paciente de maconha medicinal e vítima da guerra às drogas, Bernie Ellis

atualização da Drug Truth, 16 de março de 2007:
Cultura Baggage: Phil Smith da Stop The Drug War (DRCNet) informa sobre a viagem recente ao Peru e à Bolívia, o advogado Joe Elford + Terry Nelson da LEAP, os Fatos da Guerra às Drogas e a Perspectiva Negra (MP3)
Century of Lies: O professor William Martin do Instituto James A. Baker de Estudos Sobre Políticas + Eric Sterling e Maia Szalavitz (MP3)

Cadê o ultraje? A cobertura de Schiavo vs. a luta de Racih para continuar viva, Silja Talvi, o blog Women in Media and News

Veterans Suffering from Trauma are Turning to Drugs, and Even Suicide [Veteranos que Sofrem de Traumas Estão Se Voltando Para as Drogas e Até para o Suicídio], Asha Bandele da DPA e Tony Newman no Huffington Post

Semanal: Esta Semana na História

23 de março de 1983: O vice-presidente George Herbert Walker Bush é encarregado do Sistema Nacional de Interdição de Entorpecentes nas Fronteiras, que deveria ter estancado o fluxo de drogas em todas as fronteiras dos EUA. Vinte e cinco anos depois as drogas continuam amplamente disponíveis por todos os Estados Unidos.

25 de março de 1994: O pastor aposentado Accelyne Williams morre de ataque cardíaco quando uma equipe da SWAT que consistia em 13 oficiais fortemente armados da polícia de Boston sitia o apartamento dele com base em uma pista incorreta de um informante não-identificado. Não foi possível encontrar nenhuma droga nem arma no apartamento. Um editorial no Boston Globo observou depois: "A tragédia de Williams foi o resultado, em parte, da mentalidade voluntariosa da Unidade centralizada de Controle das Drogas da Polícia de Boston. Os oficiais estavam entusiasmados em confiscar metralhadoras além de grandes quantidades de cocaína e uma 'quantidade louca de erva', nas palavras do informante".

24 de março de 1998: O presidente da Câmara, Newt Gingrich (R-GA) estabelece a Força-Tarefa do Presidente para os Estados Unidos Livres das Drogas para designar um plano de vitória à II Guerra Mundial a fim de salvar as crianças dos Estados Unidos das drogas ilegais e atingir os Estados Unidos Livres das Drogas por volta de 2002.

29 de março de 2000: A CNN informa que uma operação antidrogas de vários países conhecida como Operação Conquistador captura 2.331 detenções, 4.966 quilogramas de cocaína, 55,6 quilogramas de heroína e 326 toneladas de maconha. A operação de 17 dias acontece no Panamá, Colômbia, Venezuela, Bolívia, Equador, Suriname, Trinidad e Tobago, Montserrat, Dominica, São Cristóvão e Nevis, Antigua, Anguilla, São Martim, as Ilhas Virgens Britânicas, Barbuda, Granada, Barbados, São Vicente e as Granadinas, Santa Lúcia, Aruba, Curaçao, Jamaica, Haiti, na República Dominicana e em Porto Rico.

25 de março de 2002: A Câmara dos Deputados de Maryland aprova esmagadoramente o H.B. 1222, a Lei Darrell Putman de Uso Compassivo [Darrell Putman Compassionate Use Act], que tira as sanções criminais para o consumo medicinal de maconha.

26 de março de 2002: A Suprema Corte dos EUA decide por unanimidade que os inquilinos de moradias públicas podem ser despejados por qualquer atividade relacionada com as drogas de membros ou convidados da casa, mesmo se eles não sabiam.

28 de março de 2002: O juiz federal Emmet G. Sullivan decide que a Emenda Barr, que impede o Distrito de Colúmbia de considerar uma iniciativa eleitoral sobre a maconha medicinal, infringe os direitos da Primeira Emenda.

28 de março de 2003: A Associação das Indústrias do Cânhamo, diversos fabricantes de alimentos e cosméticos feitos com cânhamo e a Associação de Consumidores de Produtos Orgânicos entram com uma petição junto ao Nono Circuito federal para impedir novamente a DEA de acabar com a venda legal de produtos das sementes e do azeite do cânhamo nos EUA.

Oportunidades de Emprego: PreventionWorks, Washington, DC

A PreventionWorks, um programa de troca de seringas/redução de danos que funciona no Distrito de Colúmbia, solicitou financiamento recentemente para um novo programa que eles estão chamando FOCUS. Será um programa de apoio à aderência ao tratamento do HIV para moradores de baixa renda do Distrito de Colúmbia que forem ou que já foram usuários de drogas, que estejam recebendo tratamento para contágio por HIV e lutando para se concentrarem em seus cuidados e/ou no regime de tratamento do HIV deles. Apesar de o financiamento não estar garantido, o recrutamento de candidatos fortes - pessoas com antecedentes sólidos em HIV e consumo de drogas, e que conheçam os recursos do Distrito - para formar o pessoal do programa começou.

Os candidatos interessados devem enviar uma carta de apresentação e currículo para Paula Barahona, diretora-executiva da PreventionWorks, por e-mail (paola@preventionworksdc.org), fax (202-797-3553) ou correio (PreventionWorks, 1407 S Street, NW, Washington, DC 20009).

Emprego 1: Diretor Especialista Clínico do FOCUS

O Diretor Clínico do FOCUS trabalhará 20 horas por semana e proporcionará a liderança para o programa FOCUS. O Diretor Clínico supervisionará os dois Coordenadores de Cuidados de tempo integral que lidarão cada qual com um número de 20-25 casos. O Supervisor Clínico não terá casos. Em troca, o Supervisor Clínico conduzirá todas as reuniões do grupo de apoio, fornecerá cobertura durante as horas de visitas inesperadas e proporcionará aconselhamento individual com os clientes quando necessário. As reuniões serão uma parte importante deste trabalho, já que o Diretor Clínico participará da reunião semanal da PreventionWorks, conduzirá uma reunião grupal semanal com os Coordenadores de Cuidados e se reunirá em privado com a Diretora-Executiva semanalmente (ou quando necessário). O Diretor Clínico do FOCUS será supervisionado pela Diretora-Executiva da PreventionWorks. As metas do desempenho serão delineadas com a Diretora-Executiva no início da atribuição de tarefas. Elas servirão como o principal meio de avaliação do desempenho durante as reuniões semanais de avaliação do desempenho.

O Diretor Clínico do FOCUS trabalhará pelo menos uma noite por semana e no sábado à tarde. Além das reuniões, os grupos de apoio e as horas de visitas imprevistas, a agenda será flexível.

Os requerimentos para o Diretor Clínico do FOCUS incluem um bacharelado (prefere-se o mestrado), certificação como Assessor Profissional Licenciado (CAC, LCPC ou LCSW), experiência documentada no cuidado do HIV e questões de tratamento e consumo de substância, experiência em liderar grupos e proporcionar terapia individual, crença e compromisso com a abordagem de redução de danos a respeito do consumo de drogas, experiência anterior na administração de casos, experiência anterior com supervisão e antecedentes imaculados de direção ao volante.

Além dessas qualificações, também é preciso ser bilíngüe (inglês/espanhol), ter experiência de vida com consumo de drogas e/ou aderência ao tratamento do HIV e ter familiaridade e relações com uma ampla variedade de serviços em DC para os quais os clientes possam ser encaminhados e dos quais os clientes possam ser recrutados.

Emprego 2: Coordenadores de Cuidados do FOCUS (2)

Dois Coordenadores de Cuidados serão contratados pelo Diretor do FOCUS para trabalhar com clientes e ajudá-los a aderir aos seus regimes de medicação para o HIV. Os Coordenadores de Cuidados trabalharão 40 horas por semana cada (exigir-se-á alguma cobertura nas noites e durante fins de semana) e terão um número de vinte a vinte e cinco clientes. Os Coordenadores de Cuidados trabalharão com os clientes para desenvolver um plano individual de aderência ao tratamento e ajudar os clientes a ficarem com o plano deles. Este cargo exigirá acompanhar os clientes às horas com os médicos, encontrar-se com os clientes individual e semanalmente, ligar e mandar mensagens aos clientes para lembrá-los de suas horas e de tomar seus remédios, encaminhar os clientes a uma ampla gama de serviços que seja geograficamente convenientes e que atenda às necessidades do cliente, cobrir as horas de visitas inesperadas e proporcionar qualquer apoio adicional que os clientes requeiram para ajudá-los a aderir ao seu regime de tratamento.

Os Coordenadores de Cuidados serão supervisionados pelo Diretor do FOCUS. As metas de desempenho serão delineadas por cada Coordenador com o Diretor no início da atribuição de tarefas. Elas servirão como o principal meio de avaliação do desempenho durante as reuniões semi-anuais de avaliação do desempenho. Além do mais, o Diretor observará os serviços e proporcionará respostas para cada Coordenador programada e/ou espontaneamente.

Os Coordenadores de Cuidados trabalharão pelo menos uma noite por semana e em tardes alternadas de sábado. Além das reuniões e dos horários de visitas inesperadas, o calendário de trabalho do Coordenador de Cuidados será flexível para permitir que cada Coordenador cumpra as necessidades de seus clientes individuais.

Os requerimentos para o Coordenador de Cuidados do FOCUS incluem um grau associado (prefere-se o bacharelado), experiência com aconselhamento de dependências (dá-se preferência a CAC, LCPC ou LCSW, mas a experiência pode ser substituída por estes diplomas), experiência documentada no cuidado do HIV e questões de tratamento e consumo de substância, crença e compromisso com a abordagem de redução de danos a respeito do consumo de drogas, experiência anterior na administração de casos e antecedentes imaculados de direção ao volante.

Além dessas qualificações, também é preciso ser bilíngüe (inglês/espanhol), ter experiência de vida com consumo de drogas e/ou aderência ao tratamento do HIV e ter familiaridade e relações com uma ampla variedade de serviços em DC para os quais os clientes possam ser encaminhados e dos quais os clientes possam ser recrutados.

Anúncio: Agora os Feeds de Agregação de Conteúdo da DRCNet Estão Disponíveis para a SUA Página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página é dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, note também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Entre em contato conosco se quiser assistência ou informe-nos sobre o que está relacionando e aonde. E obrigado de antemão pelo seu apoio.

Anúncio: Os Feeds RSS da DRCNet Estão Disponíveis

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Anúncio: Novo Formato para o Calendário do Reformador

http://www.stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Ansiamos por informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estiverem disponíveis.

Matéria: O Estupro nas Prisões e a Guerra Contra as Drogas

As agressões sexuais contra prisioneiros são um problema endêmico nos Estados Unidos, não isolado, a guerra contra as drogas está piorando o problema e os presos da guerra às drogas estão entre aqueles que têm mais chances de virarem vítimas, de acordo com um relatório lançado na quinta-feira. O relatório, "Stories from Inside: Prisoner Rape and the War on Drugs” [Relatos de Dentro: Os Estupros de Presos e a Guerra Contra as Drogas], é do grupo de direitos humanos Stop Prisoner Rape, que chama a estupro de prisioneiros “uma crise de direitos humanos de magnitude assombrosa”.

http://stopthedrugwar.com/files/spr-report-cover.gif
capa do relatório da SPR
Há dificuldades em obter números certos para um crime em que a humilhação, o estigma, o temor da retaliação – e talvez o temor de apuro ou ação judicial dos funcionários – inibe a denúncia, mas, de acordo com os informes preliminares da Agência de Estatísticas da Justiça, que está montando um sistema nacional e anônimo de denúncias, 4% dos prisioneiros informarom ser sexualmente agredidos no ano passado. De acordo com a sondagem citada no relatório, até 20% de presos e 25% das presas foram vítimas de agressão sexual na cadeia ou na prisão. Com uma população carcerária e prisional se aproximando agora dos 2,3 milhões, o número de vítimas pode estar nas centenas de milhares.

Para os presos, o padrão mais comum é a agressão sexual cometida por outros presos. Para as presas, freqüentemente acontece a agressão sexual cometida por guardas ou outros empregados da prisão.

Mesmo os números informados podem ser baixos, de acordo com alguns especialistas. O Dr. Terry Kupers, um psiquiatra especializado em saúde mental na prisão e especialmente na saúde mental dos prisioneiros que foram agredidos sexualmente, disse à Crônica da Guerra Contra as Drogas que os números podem ser muito mais altos.

“A minha estimativa é que seja muito mais disseminado do que o que as estatísticas mostram”, disse Kupers, que fez publicações freqüentes sobre o estupro na prisão e depôs como testemunha perita em nome de vítimas de estupro na prisão. “Acho que o dado de 20% é baixo por dois motivos. Primeiro, as pessoas não informam que têm medo do estigma. Os homens sentem que isso não é digno dos homens e não admitem. Também há o temor de retaliação na prisão, ou dos funcionários ou dos demais prisioneiros. Segundo, muita atividade sexual não é definida como estupro pelos participantes. Um homem jovem e bonito entra na prisão e um preso mais velho lhe diz ‘Vou fazer sexo com você se você concordar não vou te bater e vou te proteger dos demais prisioneiros’. O jovem concorda e vira a mulher ‘voluntária’, mas isso é estupro, é coerção por medo. Esses garotos podem dizer que não estão sendo estuprados, mas estão”.

O que aconteceu com Chance Martin em 1973 não foi algo bonito, mas também não foi fora do comum. O jovem universitário de Indiana foi preso em uma festa em um hotel depois que outro convidado deixou um pedaço de haxixe no vestíbulo e o jogaram na Cadeia da Comarca de Lake em Crown Point. Ali, ele foi atacado e agredido sexualmente por outros seis internos em uma cela comum sem supervisão.

General pop era um cela grande que abrigava 40 homens”, recontou o relatório. “Era tarde da noite quando cheguei ali. Os meus companheiros de cela estavam todos aguardando o julgamento ou cumprindo sentenças municipais. Um era um loiro com bigode cujo rosto estava feito em pedaços – e que ficava estritamente quieto. Encontrando-me desesperado na minha rede, um interno insistiu que me juntasse a um jogo de cartas para ‘me animar’. O jogo durou apenas três mãos. Então, virou uma exigência de sexo. Eram feitas ameaças que apontavam o exemplo do companheiro de cela com o rosto espancado.

“Fazendo se entender, quatro outros internos me bateram nas costelas com cabos de vassoura e de esfregão. Tentei pedir ajuda. Me tiraram o fôlego várias vezes. Enroscado no chão, os meus braços protegiam a minha cabeça. Recordações obscuras me fazem lembrar que fui levado a uma rede obscurecida por lençóis do exército no extremo da cela da carceragem. Um homem me disse, ‘Agora, você tem que me dar cabeça’. Nunca ouvira o termo antes. O mais assustador era que não fazia a menor idéia do que ia acontecer até que já tinha acontecido. Que bom que só havia seis caras. Seis é só o melhor da minha lembrança. Poderiam ter sido muitos mais. Não me lembro dos rostos deles, exceto de uns dois. Eu nem vi a maior parte dos rostos deles.

“Havia uma supervisão quase zero naquela cela. Nenhum guarda tinha linha de visão para aquela cela. A carceragem ficava no extremo de um corredor na ala das celas e a televisão deles ficava ligada durante 24 horas nos sete dias da semana”

Da cadeia, Martin se alistou nas forças armadas e foi ao Vietnã como parte de um acordo para evitar mais tempo atrás das grades. Lá, ele começou a beber muito e a usar drogas, um padrão que ele manteve quando voltou aos Estados Unidos. Ele sofria de problemas emocionais e arruinou três casamentos. Agora, ele é um ativista pela justiça social em São Francisco e trabalha em um escritório de advocacia durante o dia e se vira morando em um complexo habitacional de baixa renda à noite.

“Passou muito tempo e não tenho mais pesadelos sobre isso, mas ainda posso sentir o pânico e tendo a não confiar nas pessoas”, disse Martin à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Suspeito de segundas intenções quando as pessoas se comportam bem. Não consigo criar relações interpessoais concretas. Não sou um caso perdido, mas é algo que sempre está aí”, disse.

Embora Martin confidenciasse o seu estupro aos seus amigos, ele não falou disso em público até que se viu na situação de tentar explicar a sua entrada no Exército durante a Guerra do Vietnã a um repórter do San Francisco Chronicle que o entrevistava sobre o seu ativismo ao relento. “Uma das pessoas da Stop Prisoner Rape leu isso e entrou em contato comigo e, pouco tempo depois, virei um defensor sobrevivente”, riu. “Tenta-se criar algo bom a partir de uma experiência negativa. Isto está acontecendo todos os dias e estou fazendo qualquer coisa que possa para impedir que isso aconteça ao próximo”.

Como habitante de São Francisco, agora Martin é portador de uma carteira de usuário de maconha medicinal. “Sabia, quando cheguei aqui, que estivera esperando a minha vida inteirinha por um lugar como este”, disse. “Não era um criminoso quando estava fumando haxixe no segundo grau e não sou um criminoso agora. Mas, pela guerra às drogas, me tiraram os meus direitos humanos mais básicos e fui submetido a uma agressão brutal que me deixou com problemas que duraram anos”.

O nova-iorquino Michael Piper não foi estuprado, mas foi violentamente atacado enquanto evitava uma tentativa fracassada na cadeia em Tempe, Arizona, em 1974, depois que ele foi preso por porte de restos. O ataque o deixou com lesões sérias na cabeça e um compromisso com a mudança. “A minha vida tem sido um desafio em muitos sentidos e esse ataque foi parte de experimentar a vida pelo que ela é”, disse à Crônica. “Vir a público é parte da minha motivação. Mas, eu não gosto do papel de vítima; não o interpreto”, disse. “Esse ataque aumentou a minha resiliência”.

Ele também endureceu a sua conduta a respeito da guerra às drogas. “O consumo de drogas é uma escolha pessoal”, disse, exaltando as virtudes de várias plantas. “Quando reconhecemos que não somos as vítimas das drogas e que elas não são algo de que devamos ser protegidos, então podemos alterar o nosso ambiente e nos responsabilizar pela maneira que vivemos. É uma violação da lei natural quando um governo diz que não posso interagir com uma semente que é uma dádiva do Criador”.

Marilyn Shirley foi enviada à prisão federal em 1998 por acusações relacionadas à metanfetamina depois que um cliente da oficina mecânica sua e do marido dela tentou pagar a conta dele com a droga. Ela foi estuprada por um agente penitenciário. Em uma reviravolta rara, ela conseguiu vê-lo preso depois de manter escondidas durante vários meses as calças que estava usando.

“Não contei para ninguém na prisão, exceto para minha chefe de soldagem e jurei guardar segredo”, disse Shirley à Crônica. “Sentia que não podia confiar em nenhum deles. Mas, cinco minutos depois que me soltaram, fui a pé à administração da prisão e disse: ‘Estou livre?’, e a senhora me disse: ‘sim’, e lhe entreguei as calças com o DNA dele nelas. Eles chamaram o FBI imediatamente e agora ele mesmo está cumprindo 12 anos”.

Mesmo com o seu atormentador atrás das grades, não é fácil para Shirley. “Tenho ataques graves de pânico, tenho que consultar dois psiquiatras, tomo cinco tipos diferentes de medicação”, disse.

Quanto a Martin e Piper, a experiência de Shirley a levou a ir a público. “Não dá para manter isso reprimido dentro de si; te mata”, disse. “Fui a público porque sentia que poderia dar confiança a outras pessoas se fizesse assim. Algo tem que mudar. É tão fácil acabar na prisão; hoje em dia, não é preciso quase nada. Pode ser a tua mulher, os seus filhos, a tua mãe”.

“Ouvimos relatos como estes de sobreviventes de todo o país diariamente”, disse Lovisa Stannow, co-diretora-executiva da Stop Prisoner Rape. “É a crise dos direitos humanos mais espalhada e negligenciada no país e é alarmante em muitos níveis”, disse ela à Crônica. “O estupro na prisão é uma forma de tortura, uma violação dos direitos humanos. Ninguém deveria ter que passar por isso como parte de sua sentença. Também se sabe muito bem que os presos que são abusados sexualmente sofrem desse trauma durante anos ou décadas. Sempre conversamos com pessoas que, anos depois, ainda não conseguem funcionar”.

“Eles padecem de Estresse Pós-Traumático”, disse o Dr. Kupers. “Há um termo não-oficial que usamos, síndrome de resposta ao estupro. Os efeitos do estupro ou do abuso sexual podem durar a vida toda, são muito sérios e causam muito pesar. Como na Guerra do Vietnã, há muita bebida e fumo de maconha, e não sabemos quanto disso é automedicação. Há muitas pessoas afetadas que não percebem isso”, disse.

É pior na prisão, disse. “Uma das coisas que o agrava tanto para os prisioneiros é o cativeiro. Se você for estuprado, você tenta dar um jeito para ficar seguro, você se afasta ou muda de casa, mas quando está na prisão não dá para fazer isso. Pior ainda, você é mantido em cativeiro sexual, no qual você vira a mulher ou a nega de outro preso, um inferno repetitivo de abuso sexual”.

“Escolhemos destacar o papel da guerra às drogas nisto porque sentimos que o vínculo não fora feito”, disse Stannow da Stop Prisoner Rape. “Em virtude da guerra contra as drogas, presenciamos um tremendo inchaço da população das prisões, com meio milhão preso por acusações de delitos de drogas e centenas de milhares mais por infrações relacionadas às drogas. As prisões estão superlotadas e isso cria as condições para a violência sexual. E muitos infratores não-violentos da legislação antidrogas entram no perfil dos internos objetivados para a violência sexual – jovens, não-violentos, inexperientes quando se trata da vida na prisão – e correm muito perigo”.

Isso não tem que ser assim. As mudanças podem e deveriam ser feitas tanto nas políticas institucionais dentro das prisões como na abordagem dos EUA às políticas de drogas em geral, disse Stannow.

“Em grande parte, a violência sexual na prisão é um problema administrativo. Em uma prisão bem administrada, não há violência sexual desenfreada”, apontou. “Uma coisa que precisa ser feita imediatamente é garantir que as nossas prisões e cadeias sejam seguras, para que os internos não sejam agredidos. Os funcionários correcionais podem fazer isto com a classificação e o abrigo adequados e tomando medidas imediatas quando alguém tenha sido agredido. Eles podem garantir também que os internos que tenham sofrido abusos recebem aconselhamento e acesso a tratamento médico. Há muita coisa que pode ser feita no nível institucional”, disse.

Mudar as políticas dentro das prisões é crítico, debateu Stannow. “Recebemos centenas de cartas por ano de sobreviventes e cada uma em quatro vem do Texas”, disse. “Por outro lado, como a Cadeia da Comarca de São Francisco, temos políticas muito boas em vigor para lidarmos com o estupro de presos e com a violência sexual. Há vastas diferenças entre as prisões e os sistemas penais por todo o país e estamos preocupados com os estados em que recebemos um número muito grande de denúncias”, disse.

“Mas, também precisamos reduzir o índice de encarceramento para as pessoas condenadas por infrações não-violentas da legislação antidrogas”, prosseguiu Stannow. “Precisamos levar os programas de tratamento e remanejamento a sério e não mandarmos todos automaticamente à prisão”.

Marijuana: Bob Barr to Lobby for Marijuana Policy Project

My, how times have changed. Less than a decade ago, former Georgia Republican Congressman Bob Barr was the bete noire of the marijuana reform movement. Now, he works for it. That's right, Bob Barr, the man who single-handedly derailed medical marijuana in Washington, DC, has been hired as a lobbyist by the Marijuana Policy Project (MPP).

www.immly.org
Jim and the late Cheryl Miller, with Gary Storck and Jacki Rickert, outside Bob Barr's office (
Ironically, Barr will now lobby for the rights of states to set their own medical marijuana policies without interference from the federal government. It was his 1998 "Barr Amendment" to the annual DC appropriations vote that blocked DC officials from counting the votes in that year's medical marijuana initiative, which won with 69% of the vote.

A former prosecutor in the Atlanta suburbs, Barr was always "tough on drugs," but otherwise showed civil libertarian tendencies. After being defeated in 2002 in a campaign that featured attack ads using medical marijuana patients, Barr parted ways with the Republican Party, joining the Libertarians in 2006. He also became a lobbyist for his former arch-rival, the American Civil Liberties Union.

In an interview this week with The Politico, the former arch-drug warrior explained that times have changed. "I, over the years, have taken a very strong stand on drug issues, but in light of the tremendous growth of government power since 9/11, it has forced me and other conservatives to go back and take a renewed look at how big and powerful we want the government to be in people's lives," Barr said.

Barr brings a "great deal of credibility, particularly among people on the Republican side of the aisle," MPP government relations director Aaron Houston told The Politico. "He certainly would not have been the first person I would have expected to sign off to us, but I'm very pleased that he has," Houston said. "I'm very pleased that he has come around, and I hope he serves as an example to his former colleagues."

As a newly christened MPP lobbyist, Barr is already talking the talk. There might be "legitimate medical uses of marijuana and we ought not have this knee-jerk reaction against it, and people ought to be allowed to explore," he said.

He will also lobby to kill the Office of National Drug Control Policy's youth anti-drug media campaign, which repeated studies have shown to be ineffective. "A lot of conservatives have expressed great concern over the taxpayer money that is being wasted on this poorly run advertising campaign," said Barr, who left Congress in 2003.

Medical Marijuana: New Hampshire Bill Narrowly Defeated

A bill that would have allowed ill New Hampshire residents to use medical marijuana was narrowly defeated Wednesday. The bill, HB 774, was killed on a 186-177 vote in the House.

Supporters of the bill argued that marijuana can be the only drug that works for patients with some conditions. Rep. Evelyn Merrick (D-Lancaster), who has suffered from cancer, said the treatments can be worse than the disease. "How many others must we allow to suffer needlessly?" she asked her colleagues.

But Rep. Joseph Miller (D-Durham), a retired doctor, and Rep. William Butynski (D-Hinsdale) scoffed at marijuana as medicine. "There is no such thing as medical marijuana," said Butynsk, who also worried aloud about allowing people to grow it.

Real medicine is injected, taken in pill form, or sprayed under the tongue -- not smoked -- said Miller. Besides, he added, it isn't needed. "We have ample therapeutic equivalents legally available," he said.

But while the arguments of opponents prevailed this year, chances are good that proponents of cannabis as medical will be back next year. Given the close vote this year and polling showing two-thirds support for medical marijuana in the state, the prospects are promising, said Stuart Cooper of the New Hampshire Marijuana Policy Initiative.

"This is sensible, compassionate legislation that protects our most vulnerable citizens," Cooper said in a statement after the vote. "But the close vote proves that it's only a matter of time before our elected officials give their constituents what they've asked for: an effective medical marijuana law that ensures nobody gets arrested just for battling life-threatening conditions."

Matéria: Caso “Bong Hits 4 Jesus” sobre a liberdade de expressão vai à Suprema Corte

Na segunda-feira, a Suprema Corte dos Estados Unidos ouviu a argumentação oral em um caso que determinará quanta liberdade de expressão é permitida para os estudantes das escolas públicas. De um lado está o distrito escolar de Juneau, Alaska, as associações nacionais das diretorias escolares, o ex-procurador especial Kenneth Starr e o governo. Do outro lado está o ex-estudante de Juneau, Joseph Frederick, a ACLU, a organização de reforma das políticas de drogas Students for Sensible Drug Policy e uma variedade de organizações liberais e conservadoras preocupadas com a restrição dos direitos dos estudantes a expressarem opiniões em desacordo com as políticas escolares.

http://stopthedrugwar.com/files/bong-hits-4-jesus-demonstrators-2.jpg
estudantes em protesto na Suprema Corte
Em 2002, o colégio secundário de Juneau permitiu que os estudantes saíssem da escola para ver a passagem do desfile olímpico. Frederick liderou um grupo de estudantes que levantou um cartaz grande e sem sentido que dizia “Bong Hits 4 Jesus” enquanto acontecia o desfile. A diretora do colégio, Deborah Morse, fez com que abaixassem o cartaz e suspendeu Frederick por 10 dias, dizendo que o cartaz infringia as políticas antidrogas do colégio. Frederick entrou com uma ação, debatendo que a decisão do colégio infringia os seus direitos da Primeira Emenda e procurando indenização de Morse. Ele perdeu no juizado federal de distrito, mas venceu sob apelação no 9º Circuito dos EUA. Com a assistência pro bono de Starr, o distrito escolar recorreu à Suprema Corte.

Embora, a primeira vista, o caso se trate de um cartaz bobo que pode ou não ter promovido o consumo de drogas, ele vai ao coração da disputa atual pela extensão dos direitos da liberdade de expressão dos estudantes nas escolas. O tribunal superior decidiu em um caso de 1969, Tinker vs. Distrito Escolar de Des Moines, que os estudantes que usassem faixas prestas nos braços para protestar contra a Guerra do Vietnã estavam protegidos pela Primeira Emenda, mas dois casos posteriores se forjaram exceções limitadas. O caso atual, Frederick vs. Morse, determinará se o tribunal superior está disposto a se forjar uma exceção da guerra às drogas também.

O SSDP estava entre uma série de grupos que apresentaram pareceres favoráveis à corte em apoio a Frederick. Em uma aliança curiosa que transcendeu a distinção esquerdista normal na política estadunidense, esses grupos incluíram a ACLU e o Fundo Lambda de Defesa Legal dos direitos dos homossexuais e também grupos conservadores que respaldam a liberdade de credo, como o Instituto Rutherford e o Alliance Defense Fund, que estavam preocupados que as escolas tentassem tomar medidas duras contra a liberdade de expressão religiosa.

“Este é um caso extremamente importante”, disse o diretor-executivo do SSDP, Kris Krane. “O que o governo e o distrito escolar estão defendendo é o direito dos administradores escolares a punir os estudantes que disserem qualquer coisa que possa ser interpretada como expressão de um sentimento positivo sobre as drogas”, disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas. “Se um estudante escrever um trabalho sobre a avó que usa maconha medicinal para aliviar a dor dela com sucesso, esse estudante pode ser punido. Se os estudantes quisessem conversar sobre como as políticas de exames toxicológicos aleatórios nas escolas são ineficazes ou questionar a eficiência da Conscientização de Resistência ao Abuso de Drogas (DARE, sigla em inglês), eles podem ser punidos por esse discurso”.

A argumentação oral ficou animada na segunda-feira, com os ministros submetendo tanto Starr como o advogado de Frederick, Douglas Mertz, a um interrogatório severo. Starr discutiu que os colégios públicos deveriam poder proibir cartazes, broches ou expressões que entrem em conflito com as suas políticas antidrogas. “As drogas ilegais e a glorificação da cultura das drogas são problemas profundamente sérios para o nosso país”, disse Starr enquanto argumentava que a mensagem de Frederick promovia as drogas e que era “completamente inconsistente” com a missão educacional básica da escola.

http://stopthedrugwar.com/files/the-censors.jpg
os censores
Isso instigou o presidente John Roberts a se preocupar com o possível alcance de tal argumento. “O problema é que os conselhos escolares se encarregam atualmente de ampliar a sua missão muito além das substâncias ilegais”, disse.

Mas, em geral, parecia que Roberts nutria simpatia pelo argumento de Starr. “Por que a sala de aula deve ser um fórum para o debate político simplesmente porque os estudantes querem pôr isso na pauta deles?” perguntou Starr.

Com a pergunta acontecendo pouco depois que Starr admitiu que Tinker “articula o ponto de referência do discurso político” de que os estudantes têm o direito de participar, a questão de Robert sugeria que o presidente achava que Tinker foi além da conta. “Supõe-se que a pauta do professor seja um pouquinho diferente e inclua coisas como ensinar Skakespeare ou o teorema de Pitágoras”, disse, acrescentando que “só porque a expressão política está na pauta dos estudantes, não tenho certeza se faz sentido ler Tinker tão geralmente como para incluir a proteção dessa expressão”.

O ministro Samuel Alito, por outro lado, parecia muito mais cético a respeito do caso do governo. Quando o subprocurador-geral Edwin Kneedler debateu que um colégio “não tem que tolerar uma mensagem que for inconsistente” com a sua missão educacional, Alito objetou.

“Acho que esse argumento é muito, muito inquietante”, respondeu Alito, “porque os colégios definiram a sua missão educacional tão vagamente que podem suprimir todos os tipos de expressão política e expressão que demonstre valores fundamentais dos estudantes com o pretexto de se livrarem da expressão que for inconsistente com suas missões educacionais”.

http://stopthedrugwar.com/files/bong-hits-4-jesus-press-conference-5.jpg
Mary Beth Tinker do famigerado Tinker vs. Des Moines
Starr tentou lidar com tais preocupações debatendo a favor de uma exceção da guerra às drogas na Primeira Emenda. “A corte não precisa generalizar além” da questão das drogas, disse. Starr também argumentou que o cartaz era “prejudicial” para a missão da escola. Segundo o precedente em Tinker, a expressão prejudicial pode ser restringida.

Mas, o ministro David Souter questionou o argumento de Starr. “Posso entender que, se eles levantassem o cartaz em sala de aula, isso seria prejudicial”, disse Souter, “mas, o que prejudicou na calçada?... Me parece só uma declaração provocativa de um moleque”.

O ministro Anthony Kennedy, que freqüentemente é voto de Minerva no tribunal superior, mostrou muito mais simpatia pelo trabalho dos colégios para fazer frente ao consumo de drogas, argumentando que o cartaz de Frederick era prejudicial. “Foi completamente prejudicial para a mensagem que o colégio queria promover e completamente prejudicial para a imagem do colégio que eles queriam retratar ao patrocinarem as Olimpíadas”, disse.

Quando chegou a vez dele, o advogado de Frederick, Douglas Mertz, discutiu que o caso é muito mais geral do que as drogas. “É um caso sobre a liberdade de expressão. Não é um caso sobre as drogas”, disse.

“É um caso sobre dinheiro”, interrompeu o presidente Roberts, aludindo à responsabilidade pessoal da diretora Morse por indenização monetária.

O ministro Antonin Scalia caçoou do argumento de Mertz. “Esta é uma fala muito, muito – com todo o devido respeito – ridícula. De onde o senhor tirou essa fala?” Para Scalia, até o argumento de Starr de que as escolas podem suprimir a expressão contrária às suas missões educacionais não ia longe o bastante. “Qualquer colégio”, propôs, “pode suprimir a expressão que defender a infração da lei”.

Na segunda-feira, nem toda a ação na Suprema Corte aconteceu lá dentro. O SSDP liderou uma manifestação de estudantes e simpatizantes fora do tribunal que apareceu em todas as redes de notícias da TV a cabo e quase todos os grandes jornais no país que cobriram a matéria – e a maioria fez isso – publicaram fotos dos manifestantes com suas estórias.

“Trouxemos estudantes do segundo grau de todo o país, inclusive dois de Dakota do Sul que tinham sido suspensos por usarem camisetas que apoiavam as iniciativas de maconha medicinal do ano passado, a fim de demonstrarmos apoio aos direitos dos estudantes à liberdade de expressão em relação às questões das políticas de drogas”, disse Krane do SSDP. “Além destes estudantes e dos nossos contatos locais, uma série de alunos que visitavam a Suprema Corte em excursões se uniram à manifestação conosco”, acrescentou.

“Estávamos tentando mudar o foco do cartaz bobo ‘Bong Hits’ para a questão da liberdade de expressão que isto é”, disse Krane do SSDP. “Fizemos um cartaz grande que dizia ‘Free Speech 4 Students’ [Liberdade de Expressão para os Estudantes] e fizemos com que os estudantes segurassem cartazes que diziam o mesmo. Até o ponto em que a mídia se concentrou na gente, tivemos mais sucesso do que podíamos ter imaginado”.

Eric Sterling, presidente da Criminal Justice Policy Foundation e integrante da diretoria do SSDP, disse a Debra Saunders do San Francisco Chronicle em uma coluna publicada na Terça-feira que ele achava que a Corte “sustentaria e revogaria” a decisão do Nono Circuito, decidindo que a suspensão infringia os direitos de Frederick, mas que Morse não podia ser responsabilizada pessoalmente.

Espera-se o parecer do caso em junho.

(Visite a nossa publicação pós-manifestação no blog para ver mais fotos do evento.)

South America: Bolivia Moves to Block Coca Crop Expansion

The Bolivian government announced Tuesday a new plan to confront the expansion of coca farming in national parks and areas protected under national law. Under the plan, aimed at growers in the traditional coca-producing Yungas area near La Paz, local coca grower unions will be responsible for ensuring that production does not spread.

http://www.stopthedrugwar.org/files/coca-leaves-drying-by-highway.jpg
coca leaves drying by highway, Chapare
According to the Bolivian Information Agency, government officials had been visiting the Yungas since last month to announce the changes, which include banning new planting in fields that have been abandoned for two years or more.

The government of President Evo Morales, a former coca grower himself, has made progress in reducing conflict between coca growers and the government in the Chapare, his native region, but tensions have been rising in the Yungas. While Morales has expanded the amount of coca that can be grown in the Chapare, that has not been the case in the Yungas.

Under Morales' "coca, yes; cocaine, no" policy, the Bolivian government is seeking to end forced eradication of coca crops and replace it with "rationalization," or negotiated eradication of excess crops. The idea is to reduce social conflict by bringing coca growers into the decision-making process rather than imposing eradication on them.

"The farmers' unions, as the smallest units of social organization in the tropics of Cochabamba (Chapare) and the Yungas of La Paz, assume direct responsibility for preventing the cultivation of coca leaf in fields that have been abandoned by their owners for more than two years," said the proposal from the Deputy Minister of Social Defense and Controlled Substances, Felipe Caceres.

The plan also includes marketing the coca crop for licit uses and support for interdiction work aimed at disrupting the cocaine traffic.

Law Enforcement: The Drug War Dominates Grand Jury Action in One Ohio County

Ashtabula County, Ohio, sits in the far northeast corner of the state, adjacent to Cleveland. With slightly more than 100,000 people, 95% of them white, there is not a whole lot of criminal justice system activity going on. Without drug prohibition, there would be even less.

Last Friday, the Ashtabula County grand jury issued indictments for 15 people. One was a sex offender who failed to register, two assaulted a police officer, one was charged with attempted murder, one was charged with auto theft, and one was charged with felonious assault. That's six out of 15 indictments.

The remaining nine indictments were drug-related. The charges included possession of methamphetamine, possession of cocaine, possession of crack cocaine (2), possession of methadone, possession of meth precursors (2), marijuana distribution, and cocaine distribution.

In other words, people charged with simple drug (or precursor) possession accounted for nearly half of all criminal indictments in Ashtabula County last week, and drug-related charges constituted 60% of all indictments. With an end to drug prohibition, or at least an end to arresting drug users, the Ashtabula County court house would be a much quieter place. And while the figures may vary from jurisdiction to jurisdiction, it's pretty much the same all over.

Oferta de Livro: Lies, Damn Lies, and Drug War Statistics

http://www.stopthedrugwar.org/files/drugwarstatisticsbook.jpg
Normalmente, quando publicamos a resenha de um livro no boletim informativo Crônica da Guerra Contra as Drogas, ela tem leitores, mas não está entre os artigos mais visitados na página. Recentemente, presenciamos uma grande exceção a essa regra quando mais de 1.400 de vocês leram a nossa resenha do novo livro “Lies, Damned Lies, and Drug War Statistics: A Critical Analysis of Claims Made by the Office of National Drug Control Policy” [Mentiras, Malditas Mentiras e as Estatísticas da Guerra às Drogas: Uma Análise Crítica das Afirmações Feitas pelo Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas]. Grande parte dessa leitura aconteceu durante uma emana que teve outros artigos muito populares também, então, claramente, o tópico deste livro, de autoria dos respeitados acadêmicos Matthew Robinson e Renee Scherlen, tocou na ferida. Como deveria.

Por favor, ajude a DRCNet a continuar o nosso trabalho de desacreditar as mentiras da guerra às drogas com uma doação generosa. Se a sua doação for de $32 ou mais, lhe enviaremos uma cópia grátis do livro de Robinson e Scherlen para ajudá-lo a desacreditar as mentiras da guerra às drogas também.

Durante as próximas semanas, vou escrever no blog da nossa página sobre coisas que aprendi lendo Lies, Damn Lies, and Drug War Statistics. Fique ligado!

A sua doação ajudará a DRCNet enquanto avançamos no que pensamos ser um plano incrível de dois anos para fazermos progressos consideráveis na reforma das políticas de drogas e na causa de acabar com a proibição globalmente e nos EUA. Por favor, faça uma doação generosa hoje para ajudar a causa! Sei que você sentirá que o dinheiro foi bem gasto depois de ver o que a DRCNet está preparando. O nosso formulário eletrônico de doação lhe permite doar por cartão de crédito, por PayPal ou imprimir um formulário para enviar junto com o seu cheque ou ordem de pagamento. Por favor, repare que as contribuições à Drug Reform Coordination Network ou Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas, a nossa entidade de lobby, não são dedutíveis do imposto de renda. As doações dedutíveis podem ser feitas para a Fundação DRCNet, a nossa ala de conscientização. (Escolher um presente como Lies, Damn Lies, and Drug Statistics reduzirá a parte de sua doação que você pode deduzir pelo custo no varejo do artigo.) Ambos os grupos recebem a correspondência dos membros em: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036.

Obrigado pelo seu apoio e esperamos ter notícias suas em breve.

Sinceramente,


David Borden
Diretor-Executivo

P.S.: Você pode ler a resenha do livro escrita pelo editor da Crônica, Phil Smith, aqui.

Law Enforcement: Atlanta Police Change Policies in Wake of Fatal Drug Raid

The Atlanta Police Department has announced a series of policy changes in the wake of a botched November drug raid that left a 92-year-old woman dead and three undercover officers wounded. According to Chief Richard Pennington, the changes are necessary to protect both citizens and officers in cases where police are relying on informants.

In the November raid in which Kathryn Johnston was shot and killed after opening fire on undercover officers breaking down her door, police said a confidential informant led them to the home. The man police named as the informant has since denied leading them there and has said police asked him to lie about it after the raid occurred.

Fulton County prosecutors have said they will pursue murder indictments against the officers involved. The FBI is also investigating.

"I think a lot of times, some of these things could have been avoided" had the new reforms been in place, Pennington told a downtown press conference Tuesday.

While the federal investigation continues, Pennington said the department would not wait to implement reforms. "We're going to wait for the FBI investigation, but I thought it was incumbent on us to see what we can do to ensure this is not going to happen again," he said.

Pennington said the department would nearly double the size of its narcotics unit, from 16 to 30 officers, and will rotate them off the drug squad every few years to prevent complacency. [Editor: They're increasing the size of the unit after they killed a 92-year old woman?!?!? Doubling it?!?!?!?!?!?] The department will also drug test all 1,800 of its officers.

More to the point, Pennington announced that all applications for "no-knock" warrants, like that obtained in the Johnston case, must now be approved by officers with the rank of major or higher. Applications for regular search warrants must now be approved by an officer with the rank of lieutenant or higher. Previously, lower ranking officers could approve "no-knock" warrants and drug raids.

Also, police supervisors must now witness any payments to confidential informants, and informants must now undergo "integrity checks" to ensure their truthfulness. Police must now photograph informants as they enter a drug location to make a buy, Pennington added.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Safe Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School