Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Feature: Guilty Pleas Only the Beginning in Aftermath of Atlanta "Drug Raid" Killing of 92-Year Old

Last Thursday, two Atlanta narcotics officers pleaded guilty to manslaughter charges in the shooting death of an elderly woman during a botched drug raid, but that is just the beginning in what looks to be an ever-expanding investigation into misconduct in the Atlanta narcotics squad. A federal investigation is already underway, and yesterday, Rep. John Conyers (D-MI), chair of the House Judiciary Committee, called on Attorney General Alberto Gonzales to launch a thorough investigation of issues raised by the case, including police misconduct, the use of confidential informants, arrest quotas, and the credibility of police officials.

http://www.stopthedrugwar.org/files/kathrynjohnston.jpg
Kathryn Johnston
Things began to unravel for the Atlanta Police Department's 16-man street narcotics team on November 21, when three Atlanta narcs broke into the home of 92-year-old Kathryn Johnston using a "no-knock" warrant that claimed drug sales had taken place there. The elderly Johnston responded to the intruders dressed in plain clothes by firing one shot from an old pistol, which missed the officers. The narcs responded with a barrage of bullets, firing 39 shots, five or six of which hit Johnston, who died shortly afterward.

Since then, investigators have found that in the Johnston case:

  • The narcotics officers planted drugs to arrest a suspected drug dealer, who in turn pointed them toward Johnston's residence.
  • The narcotics officers lied on their search warrant application, saying that a confidential informant had bought drugs at that address when that did not happen.
  • The narcotics officers lied on their search warrant application, saying the house was occupied by a large man who employed surveillance cameras.
  • The narcotics officers planted marijuana in Johnston's basement after they shot her in order to bolster their case and impugn her reputation.
  • The narcotics officers asked another confidential informant to lie for them after the fact and say he had bought drugs at Johnston's residence.

But that confidential informant, Alexis White, instead went to the feds with his story (and this week, he went to Washington, DC, to talk to congressional leaders about snitching), and the fabric of lies woven by the Atlanta narcs rapidly unraveled. Last Wednesday, three of them, Officers Gregg Junnier, Jason Smith, and Arthur Tesler, were indicted on numerous state charges, including murder, as well as federal civil rights charges. The following day, Junnier and Smith pleaded guilty to a state charge of manslaughter, with sentencing to be postponed until after the federal investigation is complete. They face up to 10 years on the manslaughter charge and up to life in prison on the federal civil rights charge.

But the problems in the Atlanta narcotics squad run deeper than one incident of misconduct. According to federal investigators, what the Atlanta narcs did during the botched Johnston raid was business as usual.

"Junnier and other officers falsified affidavits for search warrants to be considered productive officers and to meet APD's performance targets," according to a federal exhibit released Thursday. "They believed that these ends justified their illegal 'Fluffing' or falsifying of search warrants. Because they obtained search warrants based on unreliable and false information, [the officers] had on occasion searched residences where there were no drugs and the occupants were not drug dealers."

Cutting corners, though, can have serious consequences. As prosecutors noted, once the narcs had received a tip there were drugs at Johnston's residence, Officer Junnier said they could get a confidential informant to make a buy there to ensure there actually were drugs at that location. "Or not," Smith allegedly responded.

At a news conference last Thursday, FBI Atlanta Special Agent in Charge Greg Jones called the officers' conduct "deplorable." In an ominous addendum, Jones added that the agency will pursue "additional allegations of corruption that other Atlanta police officers may have engaged in similar conduct."

US Attorney David Nahmias said Johnston's death was "almost inevitable" because of such widespread activity and vowed a far-reaching investigation into departmental practices. He said he expects to find other cases where officers lied or relied on bad information. "It's a very ongoing investigation into just how wide the culture of misconduct extends," Nahmias said. "We'll dig until we can find whatever we can."

And now, House Judiciary Committee head Rep. Conyers wants to ensure that the feds dig deep. In a letter released yesterday, Conyers told Attorney General Gonzales:

"There are several key issues raised by the Johnston case: police misconduct (falsifying information and excessive use of force); misuse of confidential informants; potentially negative impact of arrest quotas and performance measures; and the integrity and credibility of law enforcement officials. We are particularly concerned about the misuse of confidential informants. The reliability of confidential informants used in narcotics cases is often compromised because they are cooperating with law enforcement in order to extricate themselves from criminal charges. The absence of corroboration requirements for information obtained through confidential informants leaves room for abuse. All these factors can have the effect of eroding public confidence in the criminal justice system.

"We are concerned that the Atlanta incident may be indicative of a systemic problem within the Atlanta Police Department. Additionally, we are disturbed that the actions of the Atlanta Police Department may be a reflection of conduct used in other jurisdictions throughout this country. Significantly, the number of "no knock raids" has increased from three thousand in 1981 to more than fifty thousand in 2005."

Former New Jersey narcotics officer and current head of Law Enforcement Against Prohibition Jack Cole shares Conyers' concerns. "I think this kind of thing is going on across the country," he told Drug War Chronicle. "If anyone really dug into this, you would find similar things in a lot of departments. It's about using a war on drugs metaphor. When you have a war, you need an enemy, someone despicable, so you can do whatever you want to them," he said. "We train our police to feel like they have to win at any cost because it's a war."

Maybe, just maybe, the federal investigation into the Atlanta narcs will morph into the kind of hearings on drug war policing that are long, long overdue. If not, at least Kathryn Johnston has won a measure of justice.

Feature: US Sentencing Commission Announces Reduction in Crack Cocaine Sentences

In an annual report sent to Congress Monday, the US Sentencing Commission announced it had amended federal sentencing guidelines to lower the sentences imposed on people convicted of federal crack cocaine offenses. Unless Congress takes affirmative action to block the move, it will go into effect on November 1. The report also urged Congress to address the 100:1 sentencing disparity between crack and powder cocaine sentences.

http://stopthedrugwar.com/files/lenbias.jpg
The tragic death of basketball star Len Bias in the 1980s prompted passage of the harsh crack sentencing law. But Bias actually overdosed on powder cocaine. (photo from ONDCP's ''Pushing Back'' web site)
Under the controversial crack laws, people convicted of distribution offenses involving five grams of the drug face five-year mandatory minimum prison sentences, while it takes 500 grams of powder cocaine to trigger the same penalty. Similarly, someone convicted of distributing more than 50 grams of crack faces a 10-year mandatory minimum sentence, while it would take five kilograms of powder cocaine to get the 10 years.

But while the congressionally mandated sentencing disparity between crack and powder cocaine is extreme, federal sentencing guidelines make it even worse for the low-level offenders caught under the federal crack laws. The guidelines currently call for a sentencing range of 63 to 78 months for five grams and 121 to 151 months for 50 grams. In both cases, the bottom of the guideline range falls above the mandatory minimum sentence set by Congress.

In an April 27 meeting, the Sentencing Commission voted to reduce the guideline ranges to 51 to 63 months and 97 to 121 months, respectively. Under this scheme, what is currently the low end of the guideline range will become the top end. According to the commission, 78% of federal crack defendants will benefit from the change, with sentence reductions averaging 16 months. With some 5,000 people being convicted under the federal crack laws each year, the move will have an impact.

That is, unless Congress moves to block it. On four previous occasions, the Sentencing Commission has recommended changes to lessen the gap between powder and crack cocaine offenses, but Congress blocked each of those initiatives. It also punished the commission for its temerity in suggesting that the crack-powder disparity be eliminated in 1995 by allowing the commission to dwindle to one member.

"The Commission has long recognized that the current guidelines scheme is unjust, and an amendment is long overdue," said Carmen Hernandez, president-elect of the National Association of Criminal Defense Attorneys (NACDL) in a speech responding to the sentencing changes. "Nowhere is this more apparent than in the fact that 83% of inmates serving time in the federal system for crack cocaine are minorities, and their sentences are more than 50% longer than inmates serving time for cocaine powder, even though crack defendants tend to be low-level street dealers. In fact, the average sentence for possession of crack cocaine is far longer than the average sentences for violent crimes such as robbery and sexual abuse," she noted.

"NACDL urges Congress to respect the Commission's decision, which was made after consideration of the testimony and evidence that it has reviewed at Congress' direction for more than a decade and allow these amendments to go into effect," the group said in a press release. "We also recommend to Congress that it carefully consider the reports and evidence the Commission has compiled."

Families Against Mandatory Minimums (FAMM), a group whose name is self-explanatory, greeted the amendment by noting that is "has been a long time coming." FAMM noted that the commission considered the sentencing change as "a modest step toward alleviating some of the disparity in sentencing of crack defendants but it is not a solution to the problem because Congress needs to address the mandatory minimum sentencing statutes, over which the Commission has no control." The group will urge Congress to take action to further reform crack mandatory minimums, it said.

http://stopthedrugwar.com/files/prisondorm.jpg
federal prison dorm
"This is a pretend reform; it isn't enough," said Nora Callahan, executive director of the November Coalition, a drug reform group concentrating on freeing drug war prisoners. "This is dramatically less than what the commission asked for in 1994, and it is just heartbreaking that we haven't come any further than this. They think they can throw us a bone and we'll calm down for another 10 years, but we're not going to calm down," she told Drug War Chronicle.

The Sentencing Commission has been cowed by Congress and should be revamped, Callahan said. "We need a brand new, independent commission that can't be intimidated," she argued. "When this commission recommended dramatic reform a few years ago, Congress not only didn't do it, but it spanked them hard and ended up politicizing the commission, and the commission learned its lesson: Just ask for a little bit and tell Congress 'you fix it,'" she said.

A new commission should be modeled on police oversight boards and state sentencing commissions, Callahan suggested. It should include former prisoners and family members, too. "These people need to be on the commission, as do the people who are dealing with all the offenders coming back into the community," she said.

While Congress has for the past two decades given little heed to concerns about the crack-powder sentencing disparity and its disproportionate impact on minority communities, there could be some movement this year, said Bill Piper, head of government relations for the Drug Policy Alliance.

"Rep. Rangel introduced a bill months ago that would eliminate the disparity," he told the Chronicle. "And Sen. Sessions has told the press he will introduce some sort of reform bill at some point. I suspect that now that the full report has come out, there will probably be some hearings. Rep. Conyers has suggested that might happen, but no hearing dates have been set yet," he explained.

"My sense is that the stars are starting to align themselves in a very good way," Piper prophesied. "There is interest in this in both the House and Senate judiciary committees, including among some Republicans. Now, the Sentencing Commission report is in. It is just a matter of when the process will start and finish," he said. "Still, I don't think anyone believes we will see it actually pass this year, and if it did, Bush would veto it."

While it appears unlikely Congress will act to redress the inequities of the federal crack laws this year, it seems equally unlikely to move affirmatively to block the Sentencing Commission's minor sentencing reform. Now, after two decades that have seen thousands of young black and brown people sent up the river for years for picayune crack offenses, it looks like the tide is beginning to turn.

Feature: Blacks, Hispanics More Likely to Be Searched at Traffic Stops -- But That Is Not Proof of Racial Profiling, Justice Department Claims

While police stop white, black, and Hispanic drivers at similar rates, members of the latter two groups are much more likely to be subjected to a roadside search, according to a new report on citizen-police encounters from the Justice Department's Bureau of Justice Statistics (BJS). But BJS refused to conclude that the difference in search rates is caused by racial profiling, saying other factors could be at play.

http://www.stopthedrugwar.org/files/njturnpike.jpg
"While the survey found that black and Hispanic drivers were more likely than whites to be searched, such racial disparities do not necessarily demonstrate that police treat people differently based on race or other demographic characteristics," BJS noted in a press release announcing the report. "This study did not take into account other factors that might explain these disparities."

Civil liberties advocates contend that the report is flawed and that BJS is pulling its shots. They point not only to missing data in the current report, but also to political interference in the Justice Department on earlier reports, including a controversial 2005 report on racial profiling that was buried after then BJS head Lawrence Greenfeld refused to remove information about racial profiling. Greenfeld was shortly after forced from his position.

The current report studied police-citizen interactions in 2005 and found that 43 million Americans, or 19% of the population, had some form of interaction with a police officer that year. Some 18 million of them were for traffic stops.

In those traffic stops, only 3.6% of white drivers pulled over were searched, compared to 8.8% of Hispanics and 9.5% of blacks. Blacks were also more than twice as likely as whites to be arrested during a traffic stop and nearly four times as likely to report being subjected to force, while Hispanics faced a 50% higher chance than whites of being arrested and were nearly twice as likely to be subjected to force.

Even when police searched motorists' vehicles, they were unlikely to find anything. Fully 88% of all vehicle searches resulted in no contraband found. In previous reports, BJS published figures on "hit rates," or successful searches, by motorists' race, but it did not include that critical information in this year's report.

"The omission of data on hit rate by race is a glaring omission," said Scott Morgan, associate director of the Fourth Amendment education group Flex Your Rights. "Racial profiling apologists will first argue that there is no such thing as racial profiling, and when you refute that, they revert to the argument that profiling is justified by higher levels of criminal activity," he told Drug War Chronicle. "Hit rate data is crucial to refuting the argument that this discriminatory treatment of minorities is justified by their behavior."

Previous versions of the BJS report have found that police were less -- not more -- likely to find drugs or other contraband in vehicles driven by minority drivers than by white drivers. The lack of such data in the current report is a serious problem, said Reginald Shuford, senior staff attorney for the ACLU's Racial Justice Program.

"Many studies have concluded that despite being more likely to be searched by police, African American and Hispanic drivers are actually less likely to be carrying contraband," Shuford told the Chronicle. "This report is silent on that issue, but this is data that absolutely must be recorded and analyzed."

Shuford also scoffed at BJS's refusal to qualify its findings as evidence of racial profiling. "The numbers speak for themselves," he said. "Most people would look at these numbers and conclude that racial bias and profiling are alive and well. BJS's contention that they are unable to conclude that this is racial profiling is not particularly compelling," he said.

But BJS statistican Matthew Durose, one of the report's authors, defended the report's lack of hit rate data and limited conclusions. "The study was based on a sample size that is too small to form reliable estimates," he told the Chronicle. "In our sample of 64,000 respondents, 189 were stopped and searched by police, and only 30 cases involved African American drivers stopped and searched. We don't really have the numbers to form reliable estimates," he said.

As for calling it racial profiling, Durose said there was insufficient information. "There are countless circumstances that could explain these searches, and we don't have the officers' reasons for conducting them, so we are not going to say we have proven racial profiling. We don't take that leap. What we have done is to alert the public that this is the survey data."

But the critics were not mollified. "We think that the report demonstrates clear and significant racial disparities in what happens to motorists after they are stopped by law enforcement," said the ACLU's Shuford. "If BJS doesn't have a big enough sample size, they need to get one. This is really critical information, and it is likely it would be consistent with earlier studies, which found that African Americans and Hispanics are no more likely to be carrying contraband than whites."

"BJS released a report that shows that racial profiling exists, and then they deny it," said Flex Your Rights' Morgan. "And then they omit the hit rates. And they released this on a Sunday. The absence of critical data, the decision to go for a Sunday release, the burying of the last report on racial profiling -- all this paints a picture of a Justice Department not any more interested in talking about racial profiling than Congress forces it to be. These reports are congressionally mandated, and I get the sense that we wouldn't have them at all -- even in flawed form -- if Congress didn't make them do it."

BJS says it cannot produce evidence of racial profiling. The critics say it's because it doesn't want to. Meanwhile, another black guy is probably getting pulled over and searched on the New Jersey Turnpike right now.

Weekly: This Week's Corrupt Cops Stories

It's a real motley crew this week: a small-town police chief gone bad, cops escorting drug shipments, and, of course, more crooked prison guards.

First, a brief note about this weekly feature and what we are and are not trying to accomplish with it. Our purpose in publishing the corrupt cops stories is to make the points about how vast the problem of police corruption really is, how drug prohibition is a major cause of police corruption, and how much hypocrisy there is in the system.

What we're not doing is "gloating" over cops getting a taste of their own medicine or calling for harsh punishments for them. Some of the police officers mentioned here undoubtedly were unethical people when they took the job. Others either bent to temptations or pressures existing in their individual situations or gradually strayed down the wrong path. How harshly they deserve to be punished is an individual matter. Most of all want to end the drug war so that none of this happens at all.

Now, let's get to it:

In Cabot, Arkansas, the former Lonoke police chief and his wife were sentenced Tuesday for running a criminal organization dealing in drugs and jewelry. Former Chief Jay Campbell had been convicted on 23 counts, including conspiracy to manufacture methamphetamine and running a continuing criminal enterprise. His wife, Kelly Campbell, was convicted of 26 counts, including residential burglary and obtaining a controlled substance through theft or fraud. The ex-chief is going down for 40 years, while his wife got a 20-year sentence. Trials are pending for the former mayor and two others in this tale of small-town corruption writ large.

In Hollywood, Florida, two Hollywood police officers pleaded guilty April 25 on heroin trafficking charges. Detective Kevin Companion and Officer Stephen Harrison admitted running a protection racket and using police vehicles to escort heroin shipments for people they thought were traffickers, but who were really undercover FBI agents. According to court documents, they also transported stolen diamonds from New Jersey, protected an illegal card game on a yacht, and trafficked in stolen bearer bonds. The pair face 10 years in federal prison when they are sentenced on July 20. Two other Hollywood police officers involved in the racket, Sgt. Jeffrey Courtney and Detective Thomas Simcox, are expected to plead guilty as well, but no hearing dates have been set in their cases.

In Hartford, Connecticut, the New Haven Police Department's recently-fired head narc was formally indicted on corruption charges on April 25. William White, 63, chief of the New Haven drug squad, narcotics detective Justen Kasperzyk, 34, and three bail bondsmen were arrested a month ago after an eight-month investigation by state and federal authorities. Now, White is charged in the indictment with two counts of theft of government funds and bribery conspiracy after he was videotaped stealing money planted by the FBI in what he thought was a drug dealer's car. Kasperzyk was not mentioned in the indictments. The bail bondsmen were indicted for paying White and other officers bribes of up to $15,000 to track down clients who had become fugitives. They face up to 20 years in prison.

In Clovis, New Mexico, a Curry County jail guard was arrested April 24 for smuggling marijuana and tobacco into the jail. Curry County Adult Center Officer Raul Lopez, 23, told investigators he needed cash when an inmate offered to pay him to bring in the goodies. He now faces three counts of bringing contraband into a place of imprisonment and three counts of distribution of a controlled substance. All the charges are felonies. He has now been fired and is being held on $30,000 bond in neighboring Pecos County. Lopez is the fifth Curry County jail guard to be arrested in the past year, on charges ranging from contraband to assaulting prisoners.

In Rutland, Vermont, a state prison community corrections officer was arrested April 27 for selling cocaine. Sheri Fitzgerald, 43, went down after selling coke to a confidential informant that same day and is accused of selling it to offenders she oversaw in the community corrections program. She faces felony charges of cocaine possession, cocaine distribution, distribution of narcotics, and a misdemeanor count of illegal possession of a narcotic. That could get her up to 19 years in prison. The 18-year veteran of the Vermont Department of Corrections employee is now jailed on a $250,000 bond.

Medical Marijuana: Minnesota Bill Passes Senate, House Version Moving Too

The Minnesota Senate Tuesday gave final approval to a medical marijuana bill, passing SF 345 on a narrow 33-31 vote. The vote marks the first time a medical marijuana bill has been approved by a full vote in either House in Minnesota.

Also Tuesday, the House version of the medical marijuana bill, HF 655, overcame one more committee hurdle, passing the House Finance Committee on a 20-14 vote. It should soon be on the way to a House floor vote.

While there are differences between the House and Senate bills, both would essentially set up a system where qualified patients could obtain marijuana to ease their pain and symptoms through nonprofit organizations registered with the state.

"I'm happy the Senate has voted to protect some of Minnesota's most vulnerable citizens from the threat of arrest for trying to alleviate their pain, per the advice of their doctor," said Sen. Steve Murphy (DFL-Red Wing), the bill's lead sponsor. "I'm hopeful we are only a few weeks away from Minnesota becoming the 13th medical marijuana state."

But Minnesota is not there yet. The House must still approve its version of the bill in a final floor vote. And even if it passes and is reconciled with the Senate version, Gov. Tim Pawlenty (R), backed by law enforcement organizations, is vowing to veto it.

Methamphetamine: Senators Feinstein and Grassley Introduce Bill to Heighten Penalties for Meth Dealers Who Flavor Their Product

Responding to a handful of reports from across the country about the appearance of "Strawberry Quick" methamphetamine, or meth flavored with sweeteners, Senators Diane Feinstein (D-CA) and Charles Grassley (R-IA) have introduced legislation that would increase penalties for persons convicted of selling flavored meth. Following the lead of law enforcement and drug treatment spokesmen, the senators are portraying the flavored meth as a marketing tool aimed at kids and their bill as a response to the perceived threat.

That is evident from the title of the bill, S 1211, or the "Saving Kids from Dangerous Drugs Act." The bill would (purportedly) save kids from dangerous drugs by applying the current penalty enhancement for selling meth to minors (doubles the sentence, with a one-year mandatory minimum) to anyone who "manufactures, creates, distributes, or possesses with intent to distribute a controlled substance that is flavored, colored, packaged or otherwise altered in a way that is designed to make it more appealing to a person under 21 years of age, or who attempts or conspires to do so."

"This bill will send a strong and clear message to drug dealers -- if you target our children by peddling candy-flavored drugs, there will be a heavy price to pay," Senator Feinstein said in a statement announcing the legislation. "Flavored meth -- with child-friendly names like Strawberry Quick -- is designed to get people to try it a few times. It's all about hooking young people, and we have to stop this practice before it grows any further. So, this legislation will increase the criminal penalties for anyone who markets candy-flavored drugs to our youth -- by imposing on them the same enhanced penalties applied to dealers who distribute drugs to minors."

"New techniques and gimmicks to lure our kids into addiction are around every corner. Candy flavored meth is the latest craze used by drug dealers," Senator Grassley said. "Research has shown time and again that if you can keep a child drug-free until they turn 20, chances are very slim that they will ever try or become addicted. This makes it all the more important that we put an end to the practice of purposely altering illegal drugs to make them more appealing to young people."

But the bill has several problems. While ostensibly aimed at meth makers and sellers, it applies to any controlled substance, including marijuana. There is also little evidence of the threat the bill supposedly addresses. While law enforcement and drug treatment people can claim that flavored meth is aimed at kids, there is no smoking gun in the form of a meth marketing manual or anything like that.

But the most serious problem with the bill is the subjective nature of its language. What exactly is a controlled substance that is "flavored, colored, packaged, or otherwise altered in a way that is designed to make it more appealing" to kids? If it is flavored, does that mean it is aimed at kids? If ecstasy tablets are marked with a smiley face or cartoon character, does that mean they are aimed at kids? What if the dealer is selling flavored drugs to adults? Hopefully this bill will die and these questions will not have to be answered.

Pain Medicine: Dr. Hurwitz Convicted of 16 Counts in Retrial

Prominent Northern Virginia pain specialist Dr. William Hurwitz was convicted last Friday on 16 counts of drug trafficking after a jury for the second time decided that he had overstepped the bounds of legitimate medical practice in prescribing large doses of opioid pain relievers to patients. Hurwitz' original conviction was overturned on appeal, and supporters hoped he would walk free after his second trial.

But the 12-member jury instead found him guilty on the 16 counts, not guilty on 17 others, and presiding Judge Leonie Brinkema dismissed the remaining 12 counts, saying she did not want jurors to have to come back and deliberate further. Brinkema had earlier dismissed the most serious charges against Hurwitz -- that his prescribing had caused the death of a patient and injury to two others.

Brinkema's dismissal of the remaining counts irked prosecutor Arthur Rossi, who behaved like a sore winner after managing to run up enough convictions against Hurwitz to send him to prison for centuries. Although he could be sentenced to time served,
he could also get up to 20 years in prison on each count. He has been jailed since he was originally found guilty in November 2004.

Still, although Hurwitz and his defense team would be hard-pressed to claim victory, he is in a substantially better position than after his first conviction. In his first trial, Hurwitz was found guilty of 50 of 62 felony counts, including causing the death of one patient and injury to two others. He was sentenced to 25 years by Judge Leonard Wexler, five more than the mandatory minimum he faced for the patient death. In the current case, the number of convictions against him has shrunk dramatically, the counts of patient death and injury were dismissed, and while he theoretically faces up to 320 years in prison, none of the counts carry a mandatory minimum sentence.

He may also fare better before Judge Brinkema, who has demonstrated fairness from the bench. That's in contrast to the judge in his original trial, the irascible Leonard Wexler, whose performance during the first Hurwitz trial raised serious questions about his fairness and objectivity.

While prosecutors portrayed Hurwitz as little more than a drug dealer, pain patients and their advocates saw him as a brave and heroic figure who prescribed necessary drugs for patients with nowhere else to turn.

The case "is not about the lawful practice of medicine... but rather about the unlawful drug trafficking of pain medication," said US Attorney Chris Rosenberg. "Drug traffickers come in all shapes and sizes. This one just happened to wear a white coat and be a doctor."

But Richard Sauber, a lawyer for Hurwitz, said defense attorneys are "disappointed in the verdict. We think that Dr. Hurwitz was a doctor first and foremost and not a drug dealer." He added that Hurwitz "saved a number of lives."

New York Times science reporter John Tierney, who has covered the trial in great detail on his TierneyLab blog, spoke with several jurors after the verdict was announced and reported that "they said that the jury considered Dr. William Hurwitz to be a doctor dedicated to treating pain who didn't intentionally prescribe drugs to be resold or abused. They said he didn't appear to benefit financially from his patients' drug dealing and that he wasn't what they considered a conventional drug trafficker."

Then why did they find him guilty of "knowingly and intentionally" distributing drugs "outside the bounds of medical practice" and engaging in drug trafficking "as conventionally understood"? Tierney asked. "After attending the trial and talking to the jurors, I can suggest two possible answers: 1. The jurors were confused by the law. 2. The law is an ass (to quote Mr. Bumble from 'Oliver Twist')."

The law may be an ass, but it's enough to send Dr. Hurwitz to prison for the rest of his life. The verdict is a victory for federal prosecutors in their war on what they regard as excessive prescribing of pain medication. Chronic pain patients are unlikely to be as pleased.

Marijuana: It's That Time Again -- Marijuana Marches Set for Saturday in More Than 200 Cities Worldwide

On Saturday, tens (if not hundreds) of thousands of marijuana aficionados and supporters will take to the streets of more than 200 towns and cities around the globe in the annual Million Marijuana March pro-legalization demonstrations. Long coordinated by veteran New York City marijuana (and ibogaine) activist Dana Beal and his organization Cures Not Wars, and lately joined by Canadian "Prince of Pot" Marc Emery and Cannabis Culture magazine, the marches are now in their fourth decade.

Marches or other events will take place in most major North American and European cities, as well as numerous smaller towns and cities, especially college towns like Asheville, Boulder, and Chapel Hill. Latin America will also be represented, with rallies set for Buenos Aires and other Argentine cities, Lima, Mexico City, Rio de Janeiro, Santiago, and Sao Paulo. Kingston, Jamaica, will also be on the marijuana map this year. Capetowners will march in South Africa, and marches are scheduled for cities in Australia, New Zealand, Japan, and Israel as well.

Check out the complete list of cities to find the one nearest to you and then go out and exercise your rights. The Chronicle will be covering the event in San Francisco, and we will have scene reports from around the world next week.

Anúncio: Agora os Feeds de Agregação de Conteúdo da DRCNet Estão Disponíveis para a SUA Página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página é dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, note também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Entre em contato conosco se quiser assistência ou informe-nos sobre o que está relacionando e aonde. E obrigado de antemão pelo seu apoio.

Anúncio: Os Feeds RSS da DRCNet Estão Disponíveis

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Anúncio: Novo Formato para o Calendário do Reformador

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Ansiamos por informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estiverem disponíveis.

Sudoeste Asiático: O Narcotráfico É um Pilar da Economia Afegã

O tráfico de ópio gera $6.7 bilhões por ano, com grande parte desse dinheiro ficando nas mãos de agricultores e traficantes locais, disse o vice-ministro afegão do Interior, Mohammed Daud Daud, aos repórteres em uma entrevista coletiva em Cabul na sexta-feira passada.

http://stopthedrugwar.com/files/poppy2.jpg
papoulas
O tráfico de ópio também gera empregos, cria cargos para uns 110.000 afegãos envolvidos no tráfico, disse Daud, citando dados do Escritório da ONU Contra Drogas e Crime (UNODC, sigla em inglês). Isso não inclui os dois milhões de pessoas envolvidas na produção da papoula pelo país afora. Daud estimou que os agricultores granjeiam 20% do dinheiro gerado ou cerca de $1.4 bilhão no ano passado, tornando a papoula de longe o principal cultivo lucrativo do país.

Desconhece-se a divisão dos ganhos entre os traficantes afegãos e estrangeiros. Também não se sabe como os lucros estão indo parar nos cofres do Talibã e da Al Qaeda, apesar de todos os observadores concluírem que eles também estão lucrando com o tráfico.

Não são os únicos. Daud disse na entrevista coletiva que as forças antidrogas tinham prendido mais de mil pessoas nos últimos três anos, inclusive funcionários do governo.

O Afeganistão proporciona mais de 90% da oferta global de ópio, da qual se deriva a heroína. De acordo com o UNODC, a safra deste ano será outra recordista, apesar dos trabalhos limitados de erradicação do governo afegão e de seus patrocinadores ocidentais.

Europa: Bélgica e Alemanha Precisam Abrir os Seus Próprios Cafés Cannábicos, Diz Prefeito Holandês

Gerd Leers, o prefeito da cidade holandesa fronteiriça de Mastrique, pediu que as vizinhas Bélgica e Alemanha abram os seus próprios cafés cannábicos e regulem a venda de maconha em uma tentativa de reduzir o fluxo de "turistas das drogas" que afluem à cidade dele. Ele também disse que a regulação da cannabis é um problema que deveria ser tratado no âmbito europeu.

http://stopthedrugwar.com/files/maastricht-coffee-shop.jpg
o subsolo de um café em Mastrique (por cortesia da Wikimedia)
"A melhor maneira de solucionar o problema é que os líderes políticos da Europa se reúnam, ouçam estes problemas e abram os seus olhos para uma solução real", disse Leers.

Os governos alemão e belga se queixaram durante anos que os seus cidadãos estejam indo à Holanda para comprar cannabis. As autoridades holandesas, enquanto isso, reclamam da criminalidade e do congestionamento associados aos estrangeiros e aos cafés e o governo conservador holandês está pensando em vários esquemas para impedir que os estrangeiros desfrutem dos cafés. Estimados 1.5 milhão de "turistas das drogas" visitam Mastrique todos os anos, de acordo com os dados oficiais.

Os comentários de Leers aconteceram em entrevista concedida à EUX-TV, na qual ele respondeu uma carta nervosa do primeiro-ministro belga, Guy Verhoftstadt, enviada ao primeiro-ministro holandês, Jan-Peter Balkenende. Verhoftstadt estava levantando objeções aos planos de Mastrique de realocar alguns de seus cafés a pouca distância da fronteira belga.

Embora a Bélgica tenha descriminalizado o porte de maconha, não tem nenhum dispositivo para a oferta de cannabis. Mas, as queixas de Verhoftstadt podem ter mais a ver com as eleições parlamentares belgas e a Bélgica é parte do problema de qualquer jeito mesmo, disse Leers.

"Primeiro, Verhoftstadt deveria ler cuidadosamente as minhas propostas e as minhas idéias, em vez de apresentá-las de uma maneira simplista às pessoas durante uma campanha eleitoral", disse. "A questão é que ele não tem uma idéia clara do que estou fazendo. Convido-o a discuti-lo. Não vamos levar os nossos cafés à fronteira... só estamos tentando superar os problemas em torno dos cafés, torná-los administráveis", disse.

A Bélgica deveria lidar com os seus usuários de maconha no país, disse Leers. "O que ele está fazendo, ele está trazendo os seus clientes a Mastrique e então é preciso ser justo. Ou ele proíbe o consumo de drogas completamente e o combate ou deveria dar passe livre e organizar uma maneira de vender estas drogas às pessoas. Mas, não deveria reclamar, porque Mastrique está tentando se livrar de todos estes problemas que são causados pelos próprios belgas", se queixou Leers. "Eles dizem que nós estamos exportando os nossos problemas de drogas porque temos os nossos ditos cafés onde é possível consumir pequenas quantidades de drogas. Mas, é exatamente ao contrário. Eles estão causando os nossos problemas, porque nos estão enviando os seus clientes e seus habitantes e porque na Bélgica e na Alemanha não dá para comprá-la".

Embora os governos europeus conservadores insistam que os holandeses podem solucionar o problema fechando os seus cafés, Leers discordava. "Se fechá-los fosse a solução, eu seria o primeiro a fazer isso", disse. "Mas a questão é que - e foi provado - se se diz 'não às drogas', isto passa para a clandestinidade. Vira ilegal e então o problema ficaria ainda pior. Acho que é melhor regulá-las e tratar delas em vez de fechar os olhos. Fiquem abertos para novas soluções, porque, do jeito que estamos fazendo agora, estamos perdendo e os criminosos são os ganhadores, os grandes ganhadores. Eles ganham muito dinheiro. Vamos deter isso. Vamos organizá-lo. Vamos regulá-lo, para que possamos esclarecê-lo para a nossa gente".

América Latina: Enquanto Continua Correndo o Sangue, a Oposição do México Pede a Legalização das Drogas - Para Começar com os EUA

Com o número de mortos pela violência relacionadas à proibição das drogas no México em cerca de 600 até agora neste ano, o país parece estar a caminho de equiparar ou exceder as 2.000 mortes na guerra às drogas informadas no ano passado. Embora as operações militares autorizadas pelo presidente entrante Felipe Calderón do Partido Ação Nacional (PAN) tenham resultado em detenções e apreensões de drogas, não parecem ter causado nenhum impacto sobre o negócio multibilionário de oferecer aos estadunidenses as drogas ilegais que eles exigem.

http://stopthedrugwar.com/files/javier-gonzalez-garza.jpg
Javier González Garza
Agora, enquanto o país pondera uma reforma fundamental do próprio governo, o principal partido da oposição, o Partido da Revolução Democrática (PRD) está pedindo um Acordo Nacional Contra o Crime Organizado (leia-se: o narcotráfico), que incluiria a discussão da legalização das drogas.

Os primeiros ruídos aconteceram em meados da semana passada, quando Javier González Garza, o líder do PRD na Assembléia, pediu um fim à guerra às drogas. A interminável guerra contra os ditos cartéis das drogas é infrutífera, disse ele em entrevista publicada na página do partido.

"Não podemos continuar com este assunto enquanto sigamos pensando que vamos combater o problema do narcotráfico sem medidas mais radicais", disse González Garza. "Uma delas tem que ser a legalização das drogas nos Estados Unidos. Porque a legalização das drogas, vou dizê-lo com muita tranqüilidade, o que eu acho é que o maior mercado está nos Estados Unidos, e, portanto, lá é onde, se alcançássemos um assunto internacional em que passássemos a outro nível, se legalizará o consumo de certo tipo de drogas, então eliminaríamos este tipo de coisas que estão acontecendo", disse.

http://stopthedrugwar.com/files/rene-arce-islas.jpg
René Arce Islas
"A outra tem a ver com poder pensar nas ações alheias", prosseguiu González Garza. "Esta guerra, do jeito que está, vai ser perdida, vamos todos perdê-la, não faz sentido algum, é preciso fazer mudanças nisto".

Então, na sexta-feira passada, o senador perredista René Arce Islas, secretário da Comissão de Segurança Pública do Senado, propôs o "Acordo Nacional contra o Crime Organizado", inclusive a legalização das drogas. Acabar com a proibição das drogas é polêmico, mas razoável, disse Arce. "Evidentemente é uma ação radical que gera muita polêmica, mas se a analisarmos com maturidade e serenidade, avaliando os prós e os contras, os riscos e os benefícios em potencial, não se teria que descartar, em determinado momento, o poder chegar a um acordo do tipo que, do nosso ponto de vista e do de muitos especialistas, acabaria com o narcotráfico e a delinqüência que o acompanha".

O PRD e seus aliados controlam 157 cadeiras das 500 da Assembléia, enquanto que o PAN controla 206 e o partido da ex-"ditadura perfeita", que governou o México durante sete décadas, o PRI, está reduzido ao terceiro lugar com 106 cadeiras. Na última sessão legislativa, um projeto que teria descriminalizado o porte de drogas no México esteve a ponto de ser aprovado quando a pressão dos Estados Unidos fez com que o então presidente Vicente Fox retrocedesse. Será que outro ano de horrores relacionados à proibição das drogas levará a um resultado diferente desta vez?

Busca na Rede

"Timothy Leary tinha razão?" ["Was Timothy Leary Right?"], artigo da revista Time sobre os quatro estudos sobre o êxtase terapêutico provocados pela MAPS nos EUA e na Grã-Bretanha

CannabisResource, nova página com uma longa compilação de links, panfletos e outras informações relacionadas ao ativismo pró-maconha

Radley Balko sobre "Medir as proibições" ["Measuring Prohibitions"]

A Harm Reduction Coalition relançou a página dela, com calendários de treinamento, um centro eletrônico de ação, um mapa buscável para compartilhar recursos e serviços de redução de danos, classificados e mais em breve.

The Oaksterdam News, edição da primavera 2007

"A 'Guerra contra as Drogas' dos EUA é uma agressão contra os mais pobres da América do Sul ["The US 'War on Drugs' Is an Assault on South America's Poorest"], Benjamin Dangl da AKPress na Alternet

atualização da Drug Truth Network:
Cultural Baggage de 20 de abril de 2007, PAINEL II: Estamos ganhando a guerra contra as drogas?, com Stan Furce do HIDTA/ONDCP, Marcia Baker da Phoenix House e Dean Becker, integrante da DTN/LEAP + os Fatos da Guerra às Drogas, Bruce Mirken do MPP, a Estória do Policial Corrupto, Poppygate, Tributo a Albert Hoffman
Century of Lies de 20 de abril de 2007:
Steve Bloom, editor da revista High Times + Irv Rosenfeld que recebeu 102 quilogramas de maconha DO GOVERNO DOS EUA e Phillippe Lucas da Vancouver Island Compassion Society

Semanal: Esta Semana na História

27 de abril de 1937: Em uma declaração perante o Comitê de Modos e Meios da Câmara dos Deputados dos EUA, Clinton Hester depõe que um editorial do Washington Times publicado pouco tempo antes que Congresso realizasse a sua primeira audiência sobre a questão da maconha dizia: "O cigarro fatal de maconha deve ser reconhecido como droga mortífera e as crianças estadunidenses devem ser protegidas dela".

01 de maio de 1972: O Nobel de economia, Milton Friedman, é citado na Newsweek: "Legalizar as drogas reduziria simultaneamente a quantidade de criminalidade e aumentar a qualidade da lei. Dá para pensar em qualquer outra medida que conseguiria tanto para promover a ordem pública?"

30 de abril de 1984: O ministro colombiano da Justiça, Rodrigo Lara Bonilla, que combatera o cartel de Medellín, é assassinado por pistoleiros contratados de moto. O presidente Belisario Betancur, que se opusera à extradição, anuncia "Extraditaremos os colombianos". Carlos Lehder é o primeiro a ser posto na lista. A operação força a família Ochoa, Escobar e Óscar Rodríguez Gacha a fugir para o Panamá durante vários meses. Alguns meses depois, Escobar é indiciado pelo assassinato de Lara Bonilla e nomeia os Ochoa e Rodríguez Gacha como testemunhas materiais.

03 de maio de 1994: Dear Abby declara publicamente em sua coluna que: "Assim como os contrabandistas de álcool foram à falência em 1933 quando a Lei Seca foi revogada, tornando a venda de licor legal (eliminando assim o esquema criminoso), a legalização das drogas levaria os traficantes à falência. Também garantiria a qualidade aprovada pelo governo e o imposto sobre as drogas proporcionaria uma fonte corrente de entradas para os programas de conscientização sobre as drogas".

29 de abril de 1996: Em um discurso em um colégio secundário de Miami, o presidente Clinton pede uma guerra contra as drogas - pela segunda vez. O general Barry McCaffrey, o secretário antidrogas do país, disse ao Cleveland Plain Dealer no dia 01 de maio que "tudo o que o presidente anunciou já está sendo feito. Não há nada novo aqui".

02 de maio de 2001: O Senado da Luisiana, em votação de 29 a 5, aprova a legislação radical para desafogar um sistema carcerário estadual superlotado, inclusive acabando com as sentenças obrigatórias de prisão para o porte de pequenas quantidades de drogas.

01 de maio de 2003: A Lei Antiproliferação das Drogas Ilícitas de 2003 [The Illicit Drug Anti-Proliferation Act of 2003 (IDAPA)] é sancionada, emendando, entre outras coisas, uma seção da Lei de Substâncias Controladas [Controlled Substances Act] para objetivar os organizadores de raves. Muda a ênfase do estatuto de punir aqueles que estabelecem lugares em que as drogas são feitas e consumidas, como as "bocadas de crack", para aqueles que mantêm intencionalmente "dependências envolvidas com as drogas", inclusive eventos em espaços externos como shows de roque. Além das sanções criminais nos estatuto original, o estatuto emendado, acrescenta uma sanção civil, diminuindo desse modo o padrão probatório de além da dúvida razoável para uma preponderância das provas.

Oportunidade de Emprego: Funcionário de Programa, Projeto Midiático de Saúde, OSI

O Open Society Institute procura um Funcionário de Programa de tempo integral em seu escritório de Nova Iorque para ajudar no Projeto Midiático de Saúde do Programa de Saúde Pública (PHP, sigla em inglês) do Instituto. Este projeto abrangente visa a melhorar a capacidade das ONGs de saúde pública de utilizar a mídia e se comunicar eficazmente com o público e com os legisladores e facilitar o poder da mídia de conscientizar sobre as populações marginalizadas e as questões estigmatizadas. Estas questões incluem a redução de danos, a saúde dos roma, cuidados paliativos, a saúde e os direitos sexuais e os direitos humanos e a saúde.

O Programa de Saúde Pública visa a promover as políticas de saúde com base na inclusão social, os direitos humanos, a justiça e as provas científicas. O Programa trabalha com as organizações da sociedade civil dentro de dois campos: promover a participação e os interesses de grupos socialmente marginalizados nas políticas de saúde pública e fomentar mais prestação de contas e transparência do governo através da monitoração e da defesa da sociedade civil, com uma ênfase específica no HIV e na AIDS. As áreas do programa se concentram em lidar com os direitos humanos e as necessidades de saúde das pessoas marginalizadas, facilitar o acesso à informação sobre a saúde e defender um papel forte da sociedade civil nas políticas e práticas da saúde pública. Para maiores informações sobre o PHP, visite http://www.soros.org/health.

O Funcionário do Programa Midiático de Saúde se reportará o Vice-Diretor do PHP em Nova Iorque. As responsabilidades incluem facilitar o fomento da estratégia de financiamento midiático da saúde do PHP; supervisionar a concessão de doações à mídia da saúde, inclusive a redação de solicitações de propostas, solicitação e avaliação de propostas, preparação de documentação, acompanhamento dos beneficiários, monitoração e avaliação do programa; identificar e facilitar a assistência técnica midiática para beneficiários e parceiros; trabalhar com as fundações Soros, escritórios do OSI, especialistas e parceiros no desenvolvimento e colaboração do programa; desenvolver iniciativas conjuntas com o Programa Midiático do OSI, que procura promover meios de comunicação independentes, profissionais e viáveis e jornalismo de qualidade; organizar, coordenar e viajar a reuniões, conferências, associações e eventos especiais; preparar os documentos com antecedentes, as resenhas dos impressos e as buscas de informação, planejamento, rastreamento e administração do orçamento midiático para a saúde; e conduzir outras atividades do projeto quando atribuídas.

Os requisitos incluem um mínimo de cinco anos de experiência em mídia, comunicação ou jornalismo; dá-se preferência ao mestrado em mídia/jornalismo/comunicação; dá-se preferência à experiência de trabalho anterior em ONG e ao conhecimento do HIV/AIDS; experiência de trabalho em CEE/FSU e/ou sul/leste da África; redação, oralidade e organização excelentes; compromisso com o trabalho em equipe e com a excelência também; flexibilidade e disponibilidade para trabalhar simultaneamente em uma ampla variedade de tarefas e projetos e poder dar prioridade às tarefas; poder ouvir e se comunicar clara e eficazmente com pessoas de culturas e antecedentes diversos; atenção ao detalhe e poder trabalhar bem sob pressão; conduta e disposição agradáveis e diplomáticas na interação com superiores, colegas e o público em geral; e o conhecimento de pelo menos uma língua estrangeira é um bônus.

O salário corresponde à experiência e o cargo tem início imediato.

Para se candidatar, envie currículo e carta de apresentação a: humanresources@sorosny.org -- assegure-se de incluir "PHP" no assunto. Também pode enviar carta ou fax a: Open Society Institute, Recursos Humanos PHP, 400 West 59th Street, Nova Iorque, Nova Iorque 10019, fax: (212) 548-4675. Não ligue, por favor. O Open Society Institute é um Empregador de Oportunidade Igual.

O Open Society Institute (OSI) trabalha para construir democracias vibrantes e tolerantes cujos governos prestem contas aos seus cidadãos. As sociedades abertas são caracterizadas pelo império da lei, pelo respeito aos direitos humanos, pelas minorias e por uma diversidade de opiniões; governos eleitos democraticamente; economias de mercado nas quais os negócios e o governo sejam coisas diferentes; e uma sociedade civil que ajude a contrabalançar o poder do governo. Para realizar a sua missão, o OSI procura moldar as políticas públicas que garantam mais eqüidade nos sistemas político, legal e econômico e salvaguarde os direitos fundamentais. No âmbito local, o OSI implementa uma gama de iniciativas para fazer com que a justiça, a educação, a saúde e a mídia independente progridam. Ao mesmo tempo, o OSI constrói alianças através das reformas e dos continentes em questões como a corrupção e a liberdade de informação. O OSI dá alta prioridade a proteger e melhorar as vidas das pessoas e comunidades marginalizadas.

Busca e Apreensão: Suprema Corte Lida com os Direitos dos Passageiros nos Veículos

Quando a polícia pára o condutor de um veículo também está "apreendendo" os passageiros do veículo? Essa é a questão que a Suprema Corte dos EUA ponderou na segunda-feira enquanto ouvia a argumentação oral (transcrita aqui em inglês) no caso de um californiano preso por acusações de metanfetamina depois que o veículo em que estava andando foi parado. As perguntas dos ministros deram a entender que eles sentiam que não podiam ir embora se fossem passageiros em um veículo parado pela polícia e que se esse sentimento se mantiver, o tribunal pode decidir que os passageiros têm o direito a fazer desafios da Quarta Emenda a quaisquer provas confiscadas e usadas contra eles.

http://stopthedrugwar.com/files/supremecourt1.jpg
a Suprema Corte dos EUA
O caso põe frente a frente o estado da Califórnia contra Bruce Brendlin, um ex-condenado procurado por violação da condicional. Brendlin era um passageiro em um carro parado aparentemente para inspecionar as etiquetas de inspeção possivelmente vencidas. O oficial reconheceu Brendlin, o prendeu, revistou o carro, encontrou provisões de metanfetamina e acrescentou um delito de drogas às acusações.

Enfim, Brendlin se confessou culpado, mas recorreu com base em que as provas deveriam ter sido suprimidas porque depois se descobriu que a batida de trânsito era falsa. (O oficial já sabia que as etiquetas estavam em ordem porque ele parara o carro momentos antes naquele dia). A Suprema Corte da Califórnia rechaçou a apelação de Brendlin mantendo que só o condutor fora "apreendido" durante a batida de trânsito - não Brendlin - e que, assim, Brendlin não tinha base para desafiar uma busca ilegal.

A advogada de Brendlin, Elizabeth Campbell, disse à corte que quando um oficial da polícia faz um veículo parar, "ele apreende não só o condutor do carro, mas também o carro e todas as pessoas e tudo o que há nesse carro".

O subprocurador-geral da Califórnia, Clifford Zall, debateu que só o condutor, não o passageiro, é "apreendido" porque é o condutor que se submete à autoridade do oficial. Isso causou algum ceticismo entre os ministros, a maioria dos quais deu indícios através de seus comentários de que achava que tanto os passageiros quanto o condutor estavam "apreendidos". Essa também é a posição dos tribunais na maior parte dos estados.

Embora pareça provável que Brendlin vença nesta questão, provavelmente ele ainda será preso como infrator da condicional. Entretanto, o que possivelmente seria uma vitória simbólica para Brendlin pode virar uma vitória considerável para nós.

Imposição da Lei: As Estórias de Policiais Corruptos Desta Semana

Três policiais e um guarda são presos e outro guarda é preso. Mais uma vez, apresentamos o impacto corrosivo da guerra às drogas sobre a ética e a moralidade policiais em toda a sua mundana banalidade. Vamos ao que interessa:

Em Gettysburg, Pensilvânia, o ex-chefe de polícia é acusado de vazar informação de uma apreensão de drogas iminente. O ex-chefe Rolf García e o filho dele de 17 anos foram presos no dia 19 de abril por acusações de García ter contado ao seu filho sobre uma apreensão vindoura em fevereiro de 2006 e de seu filho ter ligado para outras quatro pessoas para avisá-las. Conseqüentemente, dois homens fugiram da residência que era o alvo do reide antes que pudessem ser identificados. García disse ao júri que embora ele nunca contara ao seu filho a localização de uma apreensão planejada, ele podia tê-lo avisado para que mantivesse distância de uma certa área. O filho dele depôs que ele dera informações falsas sobre as apreensões de drogas no passado para obter maconha, mas negou contar a alguém sobre o reide em questão. García e o filho dele são acusados de obstruir apreensão ou ação criminal, enquanto García também é acusado de obstrução da justiça. Marcou-se uma audiência preliminar para o dia 24 de maio. [Se os reformadores deveriam ficar bravos com as ações de García neste caso é outra questão.]

Em Columbus, Ohio, um oficial da polícia de Columbus foi preso por tráfico de cocaína. O oficial Larry Lightning, com 23 anos de serviços prestados, foi preso na sexta-feira passada após uma investigação de dois anos do escritório do FBI em Columbus, da Polícia de Columbus, da Agência de Investigação da Geórgia e da Força-Tarefa Metropolitana Antientorpecentes. Ele responde por acusações federais de formação de quadrilha para portar com a intenção de distribuir pasta básica de cocaína, extorsão de um funcionário público e porte de uma arma de fogo no fomento de um crime de narcotráfico.

Em Evansville, Indiana, um oficial da polícia de Evansville irá logo, logo a julgamento por supostamente roubar dinheiro de um suspeito de delito de drogas. O oficial Gerald Rainey, 33, responde por uma acusação de roubo criminoso por supostamente tirar $1,000 de uma mochila que continha $19,500, que ele confiscou de um suspeito de tráfico de cocaína. O traficante acusado denunciou, a polícia investigou e eles encontraram os $1,000 desaparecidos na viatura de Rainey. No dia 27 de junho ele tem que comparecer ao tribunal.

Em Garden City, Nova Iorque, um guarda da Cidade de Nova Iorque foi acusado de oferecer heroína à Reserva Indígena Shinnecock. Gary Morton, 25, se entregou à polícia estadual na sexta-feira passada como parte do esquema de uma rede de distribuição de drogas na reserva, que fica a leste de Long Island. Morton foi uma de mais de doze pessoas presas. Ele é acusado de formação de quadrilha dolosa. As autoridades planejavam prendê-lo em seu trabalho na Ilha de Rikers, mas ele não compareceu, entregando-se no fim daquele dia.

Em Sacramento, um ex-guarda foi condenado à prisão por contrabandear metanfetamina para os internos. John Charles Whittle, 47, um veterano de 22 anos da Secretaria da Administração Penitenciária da Califórnia, se confessou culpado no mês passado. Ele foi preso depois que os agentes de assuntos internos interceptaram um pacote de metanfetamina enviado à casa de Whittle, daí sitiaram a residência depois que ele aceitou a entrega. O ex-guarda na Prisão Estadual de Mule Creek admitiu receber mais de $5,000 para contrabandear drogas na prisão. Agora, o próprio vai cumprir dois anos.

Oferta de Livro: Lies, Damn Lies, and Drug War Statistics

http://stopthedrugwar.org/files/drugwarstatisticsbook.jpg
Normalmente, quando publicamos a resenha de um livro no boletim informativo Crônica da Guerra Contra as Drogas, ela tem leitores, mas não está entre os artigos mais visitados na página. Recentemente, presenciamos uma grande exceção a essa regra quando mais de 1.400 de vocês leram a nossa resenha do novo livro “Lies, Damned Lies, and Drug War Statistics: A Critical Analysis of Claims Made by the Office of National Drug Control Policy” [Mentiras, Malditas Mentiras e as Estatísticas da Guerra às Drogas: Uma Análise Crítica das Afirmações Feitas pelo Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas]. Grande parte dessa leitura aconteceu durante uma emana que teve outros artigos muito populares também, então, claramente, o tópico deste livro, de autoria dos respeitados acadêmicos Matthew Robinson e Renee Scherlen, tocou na ferida. Como deveria.

Por favor, ajude a DRCNet a continuar o nosso trabalho de desacreditar as mentiras da guerra às drogas com uma doação generosa. Se a sua doação for de $32 ou mais, lhe enviaremos uma cópia grátis do livro de Robinson e Scherlen para ajudá-lo a desacreditar as mentiras da guerra às drogas também.

Durante as próximas semanas, vou escrever no blog da nossa página sobre coisas que aprendi lendo Lies, Damn Lies, and Drug War Statistics. Fique ligado!

A sua doação ajudará a DRCNet enquanto avançamos no que pensamos ser um plano incrível de dois anos para fazermos progressos consideráveis na reforma das políticas de drogas e na causa de acabar com a proibição globalmente e nos EUA. Por favor, faça uma doação generosa hoje para ajudar a causa! Sei que você sentirá que o dinheiro foi bem gasto depois de ver o que a DRCNet está preparando. O nosso formulário eletrônico de doação lhe permite doar por cartão de crédito, por PayPal ou imprimir um formulário para enviar junto com o seu cheque ou ordem de pagamento. Por favor, repare que as contribuições à Drug Reform Coordination Network ou Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas, a nossa entidade de lobby, não são dedutíveis do imposto de renda. As doações dedutíveis podem ser feitas para a Fundação DRCNet, a nossa ala de conscientização. (Escolher um presente como Lies, Damn Lies, and Drug Statistics reduzirá a parte de sua doação que você pode deduzir pelo custo no varejo do artigo.) Ambos os grupos recebem a correspondência dos membros em: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036.

Obrigado pelo seu apoio e esperamos ter notícias suas em breve.

Sinceramente,


David Borden
Diretor-Executivo

P.S.: Você pode ler a resenha do livro escrita pelo editor da Crônica, Phil Smith, aqui.

Alerta: Você Mora em AK, CO, CT, GA, IL, IA, KS, MD, MA, NH, NM, NY, NC, OH, OK, RI, TN, UT, VT, WA o WY? Se Sim, Precisamos da Sua Ajuda

http://stopthedrugwar.com/files/student.gif
No início desta semana, a DRCNet emitiu alertas para ação aos nossos assinantes de 21 estados diferentes que estão representados no Comitê de Saúde, Ensino, Trabalho e Pensões (HELP, sigla em inglês) do Senado dos EUA, pedindo que se fizessem ligações e se enviassem e-mails em apoio à inclusão da revogação total da disposição antidrogas da Lei de Ensino Superior [Higher Education Act (HEA)] no projeto pendente de reautorização da HEA do Senado. Muitíssimo obrigado às centenas de vocês que responderam este chamado à ação - temos motivos para acreditar que isso fez a diferença!

Se você for de um dos estados pertinentes e ainda não enviou um e-mail ao seu senador que é membro do HELP, por favor, visite http://www.RaiseYourVoice.com/senate para se pronunciar (ou http://www.RaiseYourVoice.com para saber mais sobre a questão). Os estados são: Alasca, Colorado, Connecticut, Geórgia, Illinois, Iowa, Kansas, Maryland, Massachusetts, Novo Hampshire, Novo México, Nova Iorque, Carolina do Norte, Ohio, Oklahoma, Rhode Island, Tennessee, Utah, Vermont, Washington e Wyoming.

Além disso, por favor, ligue para o escritório do seu senador para registrar a sua opinião dessa maneira também - normalmente, uma ligação tem mais impacto do que um e-mail - e envie um e-mail a borden@drcnet.org para deixar-nos a par. Visite http://www.RaiseYourVoice.com/senate para obter pontos de conversação e mais informações para ajudar em sua ligação. Os números telefônicos dos senadores são os seguintes:

Alasca: Senadora Lisa Murkowki, (202) 224-4654
Colorado: Senador Wayne Allard, (202) 224-5941
Connecticut: Senador Christopher Dodd, (202) 224-2823
Geórgia: Senador Johnny Isakson, (202) 224-3643
Illinois: Senador Barack Obama, (202) 224-2854
Iowa: Senador Tom Harkin, (202) 224-3254
Kansas: Senador Pat Roberts, (202) 224-4774
Maryland: Senadora Barbara Mikulski, (202) 224-4654
Massachusetts: Senador Ted Kennedy, (202) 224-4543
Novo Hampshire: Senador Judd Gregg, (202) 224-3324
Novo México: Senador Jeff Bingaman, (202) 224-5521
Nova York: Senadora Hillary Rodham Clinton, (202) 224-4451
Carolina do Norte: Senador Richard Burr, (202) 224-3154
Ohio: Senador Sherrod Brown, (202) 224-2315
Oklahoma: Senador Tom Coburn, (202) 224-5754
Rhode Island: Senador Jack Reed, (202) 224-4642
Tennessee: Senador Lamar Alexander, (202) 224-4944
Utah: Senador Orrin Hatch, (202) 224-5251
Vermont: Senador Bernard Sanders, (202) 224-5141
Washington: Senadora Patty Murray, (202) 224-2621
Wyoming: Senador Michael Enzi, (202) 224-3424

Obrigado por agir. A DRCNet esteve combatendo esta lei desde que foi aprovada em 1998 e, com a sua ajuda, agora podemos vencê-la mesmo!

http://stopthedrugwar.com/files/bobbyrush2-small.jpg
dez congressistas falaram na entrevista coletiva que organizamos para a Coalition for Higher Education Act Reform em 2002.

Blogando no Bar Clandestino

Junto com a nossa reportagem investigativa da Crônica, desde o verão passado a DRCNet também esteve proporcionando conteúdo diário na forma de blogagem no Bar Clandestino Stop the Drug War, assim como links às Últimas Notícias (canto inferior esquerdo) e mais informações. Cheque a DRCNet todos os dias para ficar a par da reforma das políticas de drogas!

http://stopthedrugwar.org/files/speakeasy1-reduced.gif
foto de um bar clandestino (cortesia de arbizu.org)
O editor da Crônica, Phil Smith, esteve de viagem na maior parte desta semana, então a maior parte da blogagem desta semana foi feita pelo editor Scott Morgan. Scott contribuiu com "O ONDCP admite exagerar a potência da maconha" ["ONDCP Admits Exaggerating Marijuana Potency"], "Quer passar em um exame toxicológico? Troque a maconha pela oxicodona" ["Wanna Beat a Drug Test? Switch From Pot to Oxycodone"] e "Positivos falsos: O segredo sombrio do regime dos exames toxicológicos" ["False Positives: The Dark Secret of the Drug Testing Regime"].

Quem também se uniu a nós nesta semana foi o professor da Universidade de Las Vegas, Randall Shelden, o qual contribuiu com "Resenha de Lies, Damned Lies and Drug War Statistics de Matt B. Robinson e Renee G. Scherlen (SUNY Press, 2007)".

Confira-os em http://stopthedrugwar.org/speakeasy - os incentivamos a publicar comentários.

Além disso, cheque o nosso feed ativista "In the Trenches" para uma pletora de notas à imprensa, alertas de ação, listas de empregos e demais artigos interessados republicados de muitas organizações aliadas pelo mundo afora. E, por favor, junte-se aos nossos Blogs do Leitor, onde você pode virar um autor na comunidade da DRCNet também.

Obrigado por ler, e escrever...

Weekly: This Week in History

Posted in:

May 5, 2001: The United States is voted off the United Nations Narcotics Control Board, the 13-member commission that monitors compliance with UN drug conventions on substance abuse and illegal trafficking.

May 6, 2001: Sydney, Australia, opens its first legal heroin injection room in the Kings Cross Neighborhood, operated by the Uniting Church.

May 9, 2001: The Bush Administration announces its intention to nominate US Representative Asa Hutchinson, Republican of Arkansas, to the position of Administrator of the Drug Enforcement Administration, replacing Acting Administrator Donnie Marshall.

May 9, 2001: At a hearing, Attorney General John Ashcroft testifies that the Justice Department has no higher priority than preventing terrorism. But a day later the department issues budgetary guidance for FY2003 to make reducing the trafficking of illegal drugs one of the two top priorities.

May 10, 2001: President Bush nominates John P. Walters as America's new Drug Czar.

May 8, 2002: The Black Ministers Council of New Jersey announces a campaign to inform minority drivers that they have a right to refuse to submit to automobile consent searches, which have been the focus of the fight over racial profiling. The ministers said at a State House news conference that they would begin their "Just Say No" campaign the following week, in the form of messages to minority churches and the news media.

May 6, 2004: The Houston Chronicle reports that Montel Williams threw his support behind legalizing medical marijuana in New York, saying pot helps him cope with multiple sclerosis. Williams, who was diagnosed with a neurological disease in 1999, says he uses marijuana every night before bed to relieve the pain in his legs and feet. "I'm breaking the law every day, and I will continue to break the law," said Williams, host of the syndicated Montel Williams Show.

Matéria: A Nação Cannábica Celebra o 4/20 - Dúzias de Ações em Campi, Detenções em Massa em Denver, Frustração em Las Vegas

A sexta-feira passada foi 20 de abril (4/20), o feriado não-oficial dos fumantes de maconha do país, e os membros da Nação Cannábica saíram em força nos campi universitários de todo o país. Houve eventos que não aconteceram nos campi, mas alguns deles enfrentaram reações hostis das autoridades locais - mais notavelmente em Denver, onde a polícia citou mais de 50 pessoas por acusações relacionadas com a maconha, e em Las Vegas, onde a burocracia municipal asfixiou de fato uma celebração custosa e há muito planejada de dois dias da cultura cannábica.

http://stopthedrugwar.org/files/denver-rally.jpg
informe da filial da CBS em Denver
As ações nos campi foram, em sua maioria, organizadas pela Safer Alternatives for Enjoyable Recreation (SAFER), o grupo do Colorado que esteve divulgando a sua mensagem "a maconha é mais segura do que o álcool" nos campi universitários e nas cabines de votação. De acordo com o grupo, os estudantes em 50 campi participaram de eventos do 20 de abril sob a rubrica de um "Dia Nacional pela Educação".

Nos eventos da SAFER, que em muitos casos foram coordenados com o Students for Sensible Drug Policy (SSDP) e a National Organization for the Reform of Marijuana Laws (NORML) do campus, os estudantes entregaram materiais que comparavam os efeitos da maconha e do álcool e pediam que as políticas do campus não punissem o consumo de maconha com tanta severidade como o consumo de álcool.

"Parece que os eventos nos campi foram muito bem", disse o diretor da SAFER, Mason Tvert. "Por todo o país, os estudantes distribuíram milhares de materiais escritos e camisetas da SAFER", disse ele à Crônica da Guerra Contra as Drogas. "Os impressos contrastavam os efeitos da maconha e os do álcool - nada de overdose com maconha, ela não contribui para os atos de violência e a agressão sexual, enquanto que o álcool e a droga número um de estupro durante encontro".

Pela resposta desta semana, a ação foi um sucesso, disse Tvert. "Estivemos recebendo muitas mensagens eletrônicas de pessoas que recolheram esses materiais e as sucursais da NORML e do SSDP estão informando que muitos membros novos se inscreveram".

http://stopthedrugwar.org/files/toledo-ssdp.jpg
distribuição de panfletos de parte da integrante do SSDP Universidade de Toledo, Whitney Bodine
"Algumas de nossas sucursais trabalharam com a SAFER para distribuir informação sobre os efeitos relativos do álcool e da maconha", disse o diretor de campo do SSDP, Micah Daigle, à Crônica. Outras sucursais realizaram ou realizarão festivais do cânhamo, disse.

Embora algumas sucursais do SSDP participassem das ações do 04 de abril, outras estavam ocupadas pressionando o Congresso em uma tentativa de revogar a disposição antidrogas da Lei de Ensino Superior [Higher Education Act]. "A semana passada foi uma semana de ação do SSDP na HEA", disse Daigle. "Mandamos cartões telefônicos que as pessoas podiam usar para incentivá-las a ligar para o Comitê HELP do Senado, que está revisando a HEA nesta semana".

Houve outras ações do 04 de abril nos campi que não tinham relação com a campanha da SAFER, embora tocassem em pontos similares. Em Amherst, Massachusetts, centenas de pessoas se reuniram no sábado para o 16º Extravaganja anual, organizado pela Cannabis Reform Coalition (CRC) da Universidade de Massachusetts.

O diretor da CRC, John Werner, fez menção de temas familiares enquanto se dirigia à multidão. "As pessoas estão sendo impedidas de entrar na faculdade por pequenas infrações", disse Werner. Ele disse que quando as pessoas são presas por delitos de maconha, é mais difícil encontrar trabalho quando saem. Em troca, isto pode fazer com que se voltem para a criminalidade.

As leis também tiram os recursos do combate às drogas mais perigosas. "Acho que há drogas que são perigosas e a maconha não é uma delas", disse Werner. "Ninguém nunca morreu de overdose de maconha".

Werner também tratou das políticas de maconha nos campi. "Há um tremendo problema com os policiais nos dormitórios", disse Werner. "Há um índice vertiginoso de detenção". De acordo com Werner, na UMass qualquer estudantes pego com maconha é suspenso imediatamente, o que interrompe severamente o trabalho acadêmico e deixa um mancha no histórico do indivíduo.

Embora os eventos nos campi tenham acontecido sem maiores problemas em grande parte (seis estudantes na Universidade do Colorado foram presos por fumarem maconha publicamente), foi uma história bem diferente para os eventos do 20 de abril em Denver e Las Vegas. Em Denver, dúzias de fumantes de maconha em público foram citados pela polícia, que cercaram em grandes números a marcha pacífica em tributo ao ativista assassinado, Ken Gorman.

"As pessoas que fumam maconha em público têm que estar prontas para sofrerem as conseqüências", disse Tvert da SAFER. "Mas isto é diferente dos anos anteriores e certamente mostra que a polícia estava se dando ao trabalho de citar as pessoas. Foi uma reunião pacífica e o único problema foram as detenções", disse.

De acordo com a polícia de Denver, mais de 100 oficiais, inclusive a equipe da SWAT, a polícia montada, os integrantes disfarçados da agência de repressão ao vício e aos entorpecentes, a unidade de gangues e demais departamentos estavam de plantão durante o comício. "Embora o fumo de maconha não seja ilegal em Denver, ainda é ilegal no Colorado", disse a porta-voz da polícia, Virginia Quinonez.

Porém, Tvert questionou a necessidade da presença massiva da polícia. "Eles chamam a equipe da SWAT para o fechamento de um bar na sexta à noite?" perguntou. "Conseguimos tanta presença da polícia em um jogo dos Broncos?"

Tvert disse que ele planeja ir atrás da questão exigindo audiências na câmara dos vereadores. A SAFER estava por trás da iniciativa bem-sucedida de legalização de 2005 ignorada pelos patriarcas da cidade e Tvert admitiu que a cidade pode presenciar mais ações, talvez na forma de uma iniciativa de menor prioridade legal, se a cidade não mudar de opinião.

O 20 de abril em Las Vegas deveria ter sido um festival de dois dias com dúzias de apresentações ao vivo, vendedores e expositores, mas se transformou em um desastre para os organizadores depois que os funcionários municipais que dão as autorizações paralisaram as autorizações deles, daí os cancelaram completamente no primeiro dia do evento.

Mikki Norris da Cannabis Consumers Campaign e o marido dela, Chris Conrad, o especialista em cultivo de cannabis, viajaram da área da baía de São Francisco para participarem e discursarem no evento. Estavam esperando uma festa e tanto, mas "quando chegamos, o evento fora reduzido consideravelmente", informou Norris. "O local, a Ice House, fora contatado pelas autoridades e lhe tinham dito que nenhuma venda podia acontecer do lado de fora ou de dentro, nenhum orador podia discursar, ninguém podia expor nem distribuir impressos. Só podia haver música em um lugar que tem capacidade para mil pessoas. A polícia estava passando de moto pela grande área de estacionamento que poucas semanas antes recebera um evento do Snoop Dog e outros. Quando o aroma da cannabis foi cheirado no ar exterior, a impositora do código cancelou o evento, ameaçando os donos da Ice House de suspender as licenças deles por 30 dias se não suspendessem o evento do 20 de abril".

Embora Norris lamentasse a hipocrisia de uma cidade fundada no sexo, na bebida e no jogo cancelando um evento pró-maconha, o dano foi além do emocional. "Muitas pessoas perderam milhares de dólares neste fim de semana", observou. "Muitos vendedores perderam dinheiro, a Ice House perdeu dinheiro, os músicos perderam dinheiro, os participantes perderam dinheiro e nós perdemos dinheiro vindo aqui. Muito dinheiro ia ser gasto neste evento, os dólares dos turistas iam ser gastos por toda a cidade e a mensagem era divulgar a legalização, a taxação e a regulamentação da cannabis em Nevada no futuro próximo. Mas, ao invés disso, foi uma grande perda para todos".

Os organizadores da NORML Nevada, Billy e Beth Soloe, não estavam atendendo o telefone nesta semana e a caixa de mensagens deles estava cheia. O casal corre o risco de perder somas consideráveis pelo evento frustrado.

Eles não têm culpa, disse o fundador da NORML, Keith Stroup, que também viajou a Las Vegas para o evento. "[Os organizadores] fizeram um acordo com o local que dizia que a Ice House ficaria encarregada dos problemas das autorizações porque é um local que realiza eventos grandes a toda hora e só 11 dias antes do evento, a Ice House lhes disse que as autorizações não estavam tramitando. A essa altura, a NORML Nevada percebeu que estava com um problema e tentou solucioná-lo, mas tudo o que conseguiram foram as evasivas dos funcionários municipais. Eles criaram uma série interminável de obstáculos; acho que está claro que nunca houve nenhuma intenção de permitir que este evento acontecesse".

Stroup queria que eles lhe tivessem pedido ajuda. "Acho que o pessoal da NORML Nevada tinha boas intenções e trabalhou muito, mas eles supuseram que os funcionários municipais estavam lidando com eles de boa fé e isso claramente não aconteceu", disse Stroup. "Eles deveriam ter pedido a nossa ajuda quando perceberam que isto era uma crise. Talvez devêssemos ter tomado providências para resolvê-lo, mas quando chegamos à cidade no dia do evento, era tarde demais para consertar as coisas. Disse-lhes que se eles quisessem tentar novamente no ano que vem e não têm as autorizações com seis semanas de antecedência, liguem para a gente e os levaremos à justiça".

Aparentemente, os funcionários municipais agiram a pedido do grupo antidrogas mórmon que enviou uma petição com 30 assinaturas exigindo que o evento fosse cancelado, informou Stroup. "Não 30.000 nem 3.000, mas 30 assinaturas!" exclamou. "Claramente, dirigiram-se a alguém na câmara e os burocratas de nível médio receberam ordens de não conceder essa autorização. Alguém decidiu que não era saudável para a cidade e que não iam deixar que o evento acontecesse", disse ele.

"Foi claramente um caso em que alguém não gostou da mensagem", disse Stroup. "A cidade estava afirmando que este evento ia pará-la bruscamente, mas é Las Vegas. Devem estar zoando com a minha cara. Foi uma justificação falaz da cidade. Talvez tenhamos que voltar com armas em punho no ano que vem".

E, como se fosse pouco, os fiscais do código municipal até proibiram os participantes de distribuírem material. "Isso é claramente inconstitucional", disse Stroup. "Se a NORML quiser entregar um folheto em propriedade privada, é o seu direito constitucional".

Stroup disse que conversou com o gerente da Ice House e ofereceu assistência legal se o local desafiasse a proibição dos impressos, mas o gerente a negou, dizendo que os fiscais da cidade ameaçavam fechá-la por pelo menos 30 dias. "A essa altura, não tínhamos a escolha de desafiar as decisões idiotas da cidade", disse Stroup. "Eles podiam ter destruído esse negócio".

A NORML Nevada e a NORML nacional estão ponderando as suas opções legais neste momento, disse Stroup. "Processar por danos não está fora de cogitação. Algumas pessoas tiveram perdas financeiras consideráveis nisto", disse. "Porém, se a nossa meta principal for superar estes obstáculos, temos que nos perguntar se queremos gastar o tempo e os recursos para dar uma lição nesta gente ou se seria melhor usar essa mesma energia para fazer isso de verdade da próxima vez e fazer que a cidade o engula".

Matéria: Caem os Preços da Cocaína e Aumenta a Pureza Apesar de Bilhões em Interdição e Erradicação

Na segunda-feira, a Guarda Costeira dos EUA descarregou cerca de 20 toneladas de cocaína que confiscou no mês passado no litoral da América Central, a maior apreensão marítima de drogas da história dos EUA. Fará alguma diferença? Não, se a história dos trabalhos de interdição da cocaína dos EUA servirem de indício.

Há dois anos, o diretor do Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas (ONDCP, sigla em inglês), John Walters, anunciou com orgulho que os trabalhos de interdição e de erradicação estavam funcionando com base em um aumento nos preços da cocaína. Porém, em um estudo recém-lançado, "Ligando os pontos: A atualização (relutante) do ONDCP sobre o preço e a pureza da cocaína" ["Connecting the Dots: ONDCP's (Reluctant) Update on Cocaine Price and Purity"], John Walsh, do Escritório em Washington para Assuntos Latino-Americanos (WOLA, sigla em inglês) informa que o aumento dos preços anunciado estrondosamente de Walters foi só uma pequena mudança que já foi revertida. Diferentemente de seu pronunciamento anterior, Walters não fez alarde destas descobertas.

Entre os pontos-chave no relatório:

  • Os dados preliminares do governo dos EUA, revelados silenciosamente pelo ONDCP, indicam que o preço da cocaína por grama puro nas ruas dos EUA caiu em 2006, enquanto que a sua pureza aumentou. (O aumento da pureza constitui de fato uma queda a mais no preço);
  • Estas últimas estimativas, seguindo uma tendência de 25 anos, sugerem que as ofertas de cocaína estão estáveis ou até em alta;
  • Isto acontece apesar dos $31 bilhões gastos em trabalhos de interdição das drogas e de controle dos cultivos desde 1997, inclusive $5.4 bilhões gastos na Colômbia - a fonte de 90 por cento da cocaína nos Estados Unidos - desde que o Plano Colômbia começou em 2000;
  • Os dados atualizados sobre a cocaína revertem totalmente um aumento de pouca duração nos preços que a secretaria antidrogas da Casa Branca anunciou no fim de 2005. Essa alta nos preços e essa queda na pureza, que receberam muita atenção da mídia na época, provaram ser uma flutuação medíocre, como os céticos na época sugeriram que ia acontecer;
  • As provas disponíveis indicam que a continuação nos preços baixos e em queda é motivada em grande parte por uma oferta robusta e corrente de cocaína, em vez de por uma diminuição ou colapso na demanda;
  • As novas estimativas do preço e da pureza da cocaína oferecem mais provas de que a ênfase seguida dos EUA na erradicação forçada, com o "Plano Colômbia" como sua peça-central mais visível e custosa, não conseguiu afetar as ofertas de drogas no país.

Os esforços dos EUA no lado da oferta para reduzir o consumo de cocaína impedindo-a de chegar aos EUA fracassaram. Ou, como diz Walsh: "Uma meta perene das políticas antidrogas dos EUA tem sido a de desbaratar as ofertas o suficiente para constranger a disponibilidade... no entanto, este esforço constantemente não conseguiu nem alcançar aumentos duradouros nos preços da droga nem reduções nos níveis de pureza da droga. Mais bem, os preços da cocaína estiveram em queda geral desde 1982. E, de acordo com as novas estimativas, que a secretaria antidrogas da Casa Branca proporcionou silenciosamente a um senador dos EUA em janeiro, esta queda continuou rapidamente em 2006".

E embora Walters e seus colegas guerreiros antidrogas estejam sempre prometendo que o progresso fica na próxima esquina, as Avaliações da Ameaça das Drogas anuais do Centro Nacional de Informações sobre as Drogas mostra que pouca coisa muda:

  • Abril de 2004: "Tanto o pó quanto a pedra da cocaína estão facilmente em venda por todo o país e a oferta total parece estar estável";
  • Janeiro de 2005: "Indícios-chave de oferta doméstica de cocaína mostram que a oferta está estável ou que aumentou ligeiramente nos mercados de drogas de todo o país...";
  • Janeiro de 2006: "A cocaína está em venda em grande parte do país e as ofertas de cocaína estão relativamente estáveis em níveis suficientes para satisfazer a demanda dos consumidores";
  • Outubro de 2006: Apesar dos níveis recordistas de cocaína perdidos ou confiscados a caminho dos Estados Unidos, "não tem havido nenhuma escassez seguida de cocaína nem indícios de ofertas prolongadas nos mercados de drogas nacionais".

http://stopthedrugwar.org/files/ondcp-chart.jpg
quadro dos preços da cocaína ajustados à pureza, preparado para o ONDCP pela Corporação Rand (Veja a versão completa do relatório do relatório da WOLA)
"Já passou da hora de conformarmos as nossas esperanças deste tipo de políticas de controle das drogas à realidade", disse Walsh à Crônica da Guerra Contra as Drogas. "Essa realidade mostra que o recorde deixa claro que é extremamente difícil aumentar os preços durante qualquer duração de tempo. Precisamos pôr o esforço de controle da oferta em uma perspectiva adequada. Mesmo se, na melhor das hipóteses, está impedindo a cocaína de estar muito mais disponível para a venda, isso é marginal para o verdadeiro problema, que é a questão da demanda e das conseqüências do consumo de drogas".

Como Walsh mostra com bastantes detalhes no relatório, o ONDCP suprime os dados para o preço e a pureza da cocaína que o ferem politicamente e alardeia os que sustentam as suas afirmações. Isso não é nenhuma surpresa para Matt Robinson, professor de justiça penal na Universidade Estadual Apalache e co-autor de "Mentiras, malditas mentiras e as estatísticas da guerra às drogas: Uma análise crítica das afirmações feitas pelo Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas" [Lies, Damned Lies, and Drug War Statistics: A Critical Analysis of Claims Made by the Office of National Drug Control Policy].

"Isto é o mesmo de sempre do ONDCP; não é nada surpreendente, apesar de ser muito decepcionante", disse Robinson. "O que mostramos no nosso livro é que eles escolhem e apresentam seletivamente as estatísticas que sustentam o caso deles e ignoram ou tiram a importância das estatísticas que não sustentam o caso deles, e isso é o que este relatório os mostra fazendo também", disse ele à Crônica.

http://stopthedrugwar.org/files/eradication-small.jpg
trabalho de erradicação da coca
Robinson também observou que quando Walters alardeou uma pequena subida nos preços da cocaína em 2005, o ONDCP esteve aplicando o seu velho truque de escolher os dados pontuais que apoiavam o caso deles enquanto ignoravam a tendência geral no tempo. "Mais uma vez, vemos um enfoque muito pontual em um período específico de tempo enquanto se ignoram as tendências de longo prazo. Isso é precisamente o que descobrimos historicamente".

"Infelizmente, não é nenhuma surpresa, como é de se esperar. Como descobrimos várias vezes que examinávamos o ONDCP durante diversos anos, este é um verdadeiro padrão típico", disse Renee Scherlen, professora de ciência política na Universidade Estadual Apalache e co-autora de Robinson. "No presente caso, na verdade o ONDCP escolheu examinar uma parte que não reflete uma tendência".

Os acadêmicos e analistas não são os únicos críticos da "verdadidade" ["truthiness"] do ONDCP, para citar um termo cunhado por Steven Colbert. Outro que está em dúvida é o senador Charles Grassley (R-IA), que escreveu a Walters há um ano em busca de esclarecimentos de suas afirmações. O ONDCP pode estar fazendo um uso seletivo das estatísticas para "proporcionar um quadro mais otimista, porém não necessariamente mais preciso, da situação atual". Grassley ainda não está persuadido, apesar da maior correspondência com o ONDCP. "Quando se trata das estatísticas, acho que é justo dizer que eles preparam os livros", disse o senador Grassley à National Public Radio em entrevista recente. "Eles usam quaisquer estatísticas que forem admissíveis em seu programa de relações públicas".

http://stopthedrugwar.org/files/coca-seedlings.jpg
mudas de coca
A cura para a mendacidade do ONDCP está no Congresso, disse Robinson. "A coisa mais simples para o Congreso é responsabilizá-los", disse. "O congresso pode ordenar avaliações anuais de desempenho, mas não o faz. O Congresso tem a chance de reautorizar o ONDCP a cada cinco anos mais ou menos e esta pode ser outra ocasião, mas o Congresso não tem que esperar para isso", disse.

"A idéia de realizar audiências do Congresso e pedir que sejam responsabilizados através da supervisão é um caminho a seguir", concordou Scherlen. "Para analisar as políticas, temos que ter informação precisa. Queremos saber o que funciona e o que não funciona. Não é preciso se opor à guerra contra as drogas para exigir que tenhamos boa informação e que os dados presentes do ONDCP sejam verídicos".

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Safe Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School