Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Europe: Dutch May Join Trend and Ban Magic Mushrooms

Since the turn of the century, psychedelic (or magic) mushrooms have been declared illegal by authorities in Britain, Denmark, Ireland, and Japan. Now, amidst a media blitz over a handful of incidents involving people high on 'shrooms, the conservative Dutch government is considering doing the same.

http://www.stopthedrugwar.org/files/psilocybe-cubensis-erowid.jpg
psilocybe cubensis (courtesy erowid.org)
While the United Nations 1971 Convention on Psychotropic Substances banned psilocybin, the main psychoactive ingredient in magic mushrooms, the mushrooms themselves, especially when fresh, have inhabited a murkier legal status. In the United States, magic mushrooms are illegal under federal law, but not the spores from which they can be generated.

In Holland, where marijuana is retailed at state-sanctioned coffee houses, magic mushrooms are also available at so-called smart shops. Under Dutch practice, the smart shops can sell the mushrooms as long as they are fresh. They also sell various "smart drugs" and herbs, as well as other exotic psychedelics, such as salvia divinorum or San Pedro cactus.

But ever since Gaelle Caroff, a photogenic French teenager, died after jumping from a building under the influence of magic mushrooms in March, sectors of the Dutch press and conservative politicians and Caroff's parents have agitated for their sale and use to be banned. Although Caroff had suffered previous psychiatric problems, her parents blamed the mushrooms.

Dutch newspapers repeatedly published photos of the 17-year-old Caroff and they began highlighting other incidents involving people high on mushrooms, usually young tourists: a Brit, 22, who ran amok in a hotel, breaking a window and cutting his hand; an Icelander, 19, who, thinking he was being chased, leapt from a hotel balcony, breaking both legs; a Dane, 29, who drove crazily through a campground.

Amsterdam health services reported in January that emergency services were summoned to deal with bad mushroom trips 148 times over a three-year period from 2004 to 2006, or about once a week. Of the 148 incidents, 134 involved foreigners. Other Dutch government numbers suggest that tourists are gobbling up most of the mushrooms sold in smartshops.

In response to the rising clamor in the press, Health Minister Ab Klink ordered the national health institute to reassess the risks of magic mushrooms. Klink has said that, depending on what the institute concludes, he will recommend either that magic mushrooms sales be banned outright or limited to those over 18.

Either proposed move appears to have broad support in parliament. A majority of center and rightist parties has demanded the fungi be banned. That would be in line with the broad contours of a Dutch government that is increasingly conservative on issues ranging from Muslim immigrants to misbehavior in Amsterdam's notorious Red Light District to a mostly frustrated inclination to try to reverse the country's liberal marijuana policy.

Middle East: More Drug Executions in Saudi Arabia

Three drug offenders were among five people executed in Saudi Arabia last Friday, one of the busiest days for the executioner there in some time. According to the Saudi interior ministry, the total number of executions so far this year now stands at 117, four more than the number executed in all of 2000, the previous record high year.

http://www.stopthedrugwar.org/files/saudi-arabia-map.jpg
In Riyadh, Pakistani national Omar Sardar was executed for "smuggling heroin concealed in his stomach." His compatriot, Jahangir Zarin Bin Adam Khan Mhanid was executed in Jeddah for the same offense. Nigerian Nureddin Mohammed was also executed in Jeddah, for cocaine trafficking.

The other two people executed last Friday were Pakistani nationals convicted of robbing taxis.

In an International Harm Reduction Association report on drug executions issued last month, the author cited Amnesty International as finding that 26 of 50 Saudi executions in 2004 were for drug offenses and "at least" 33 more occurred in 2005. There are no figures yet available for last year.

According to the IHRA report, the number of countries that have death penalty provisions for drug offenses has climbed from 22 in 1985 to 34 this year. While nearly three dozen countries, including the US, have the death penalty for some drug offenses, actual executions have only been carried out in China, Egypt, Indonesia, Kuwait, Malaysia, Saudi Arabia, Singapore, Thailand and Vietnam.

Southeast Asia: Probe into Thai Drug War Killings Getting Underway

In early 2003, then Thai Prime Minister Thaksin Shinawatra declared that he would wipe out drugs in Thailand by spring's end. That didn't happen, but some 2,500 alleged drug users and traffickers were killed by shadowy death squads as part of the Thaksin government's drug war that year alone.

http://www.stopthedrugwar.org/files/thailandembassyprotest.jpg
2003 protest at Thai embassy, DRCNet's David Guard in foreground
With Thaksin overthrown by a military coup some months ago, the new Thai government has said it would investigate the killings. This week, the investigation took a step forward with the naming of former Attorney General Khanit Nakhon to lead an independent committee looking into the killings.

Justice Ministry permanent secretary Jarun Pukditanakul told theBangkok Post Saturday the commission will ask the Department of Special Investigation to provide information to help bring guilty officials to justice. ''The government has to give priority to this issue," he said. "Those who had a hand in the extra-judicial killings must be held responsible for their acts."

That sounded good to Somchai Homlaor, head of the Foundation for Human Rights and Development, who said the murders involved people from low-level policemen all the way up to former Prime Minister Thaksin. ''This is a big issue. The government should be serious about it,'' said the human rights activist.

Thaksin acted amidst growing concern over the rapid increase in the use of methamphetamine in Thailand early this decade. Known in Thailand as "ya ba," or "crazy medicine," the drug has been popular among workers, students, and night-clubbers. Thaksin's bloody offensive to wipe out drugs failed, of course, and methamphetamines are still widely available in Thailand, but 2,500 are dead. Now they just might get some justice.

Racial Profiling: Kansas Police Agencies Honor Reporting Law Mostly in the Breach

Only one out of three Kansas law enforcement agencies are reporting racial profiling information to the state attorney general's office, the Kansas City Star reported Saturday. This despite a law signed two years ago by Gov. Kathleen Sebelius (D) requiring them to do so in a bid to end police stops based solely on skin color.

http://stopthedrugwar.org/files/njturnpike.jpg
enter at peril of profiling
The law requires departments to make annual reports listing complaints of racial profiling, but it has no enforcement mechanism. "We don't have any enforcement ability" over those agencies that don't report, said Ashley Anstaett, spokeswoman for Kansas Attorney General Paul Morrison. "There's no penalty if they don't report."

"There's no hammer behind the law. No teeth in it," said state Sen. David Haley (D-Kansas City), who was an original sponsor of the bill. "It became the proverbial toothless paper tiger."

So toothless that 284 of Kansas' 431 law enforcement entities -- that's 66% -- didn't bother to comply. It doesn't have to be that way. Next door in Missouri, there is a 97% compliance rate, not least because departments that don't comply stand to lose funds. In 2005, the Missouri Department of Public Safety withheld more than $7,000 from 17 non-complying agencies.

Nor is that the only problem with the Kansas racial profiling law. It also called for a 15-member Governor's Task Force on Racial Profiling, which was supposed to quantify the problem and make recommendations for abolishing the practice. But some of the task force's members apparently can't be bothered to actually show up for monthly meetings, leaving it without a quorum at its last one.

Among the critics is the task force's co-chairman. "Up until this point there's been a lot of dialogue, but the truth is, people are looking for action," said the Rev. Allen Smith of Salina. "We're expecting some real results," said Smith, pastor of St. John's Missionary Baptist Church in Salina. "I don't think the issue is going away."

Sen. Donald Betts (D-Wichita), another sponsor of the legislation, said the task force's role was even more critical because of the lack of teeth in the data collection part of the law. He said he would call for the replacement of task force members if something doesn't happen. "It does not take forever and a day to come up with recommendations of data collection," he said. "It's time to stop talking about it and time to be about it. It's time to move… If the task force doesn't do something, I intend to hold the task force accountable."

Racial profiling was identified as a problem in Kansas after a study released in 2003 showed that state troopers were three times as likely to stop black and Hispanic motorists than white ones. Police in some Kansas cities were also found to be twice as likely to stop black or brown motorists.

The 2005 bill was supposed to address that problem, but without the cooperation of law enforcement it will not. As for the task force, it has until 2009 to complete its work. But it may not get that long, especially if the police don't step up and start handing in their numbers.

Law Enforcement: Illegal Search Kills Prosecution in Largest Heroin Bust in California History

Two Mexican brothers arrested in the largest heroin seizure in California history walked free this week after federal prosecutors in San Diego dropped the charges against them. Prosecutors had little choice because a federal judge ruled last month that police had violated the Fourth Amendment's ban on warrantless searches and threw out the evidence against them. Two others arrested in the case have already pleaded guilty and are awaiting sentencing.

At the time of the Valentine's Day bust, Immigration and Customs Enforcement (ICE) nearly dislocated their shoulders patting themselves on the back for uncovering what they described as a major heroin, methamphetamine, and marijuana trafficking operation. But their eagerness to search and make arrests eventually cost them the case.

It all started when ICE agents at the San Ysidro border crossing found a car with nearly 12 kilos of Mexican heroin hidden inside. The driver was allowed to continue to his destination in Anaheim under ICE surveillance. The driver met with another man, then drove to an Anaheim house and pulled into the garage. Without waiting for a search warrant, ICE agents entered and searched the house, arresting six people and seizing 121 pounds of heroin, 34 pounds of marijuana, and 3 pounds of methamphetamine, along with about $3,500 in cash.

Attorneys for the two Mexicans argued in court papers the men had been staying at the Anaheim home and had a "reasonable expectation to privacy" guaranteed by the Fourth Amendment. They also argued that there was no threat to officer safety or that the evidence would be destroyed if ICE waited to get a search warrant.

Federal prosecutors argued that agents had no time to obtain a search warrant and that the drugs and the driver who led agents to the house were at risk, but US District Court Judge James Selna wasn't buying it. He instead ruled for the defense, holding that the search was unconstitutional and that the evidence derived from that search -- the seized drugs -- could not be admitted in court.

"To me, the issue is a rule of law and it won," said attorney Joel Levine, who represented one of the brothers.

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

Posted in:

The charges pile up against a pair of former Virginia police chiefs, a Cleveland DEA agent has some explaining to do, and so does a Houston crime lab tech who didn't follow procedures and wouldn't take a drug test. Let's get to it:

In Houston, more than 200 drug cases are in jeopardy after a lab technician is accused of "failing to properly secure drug evidence." It's only the latest scandal for the city's troubled crime lab, which has been under scrutiny for the past five years over faulty DNA testing that sent people to prison, the drug and alcohol testing division being shut down after its director failed a proficiency test, and evidence from thousands of cases being improperly stored in the evidence rooms. In the latest blow, the Houston Police Department announced Tuesday that lab tech James Carpenter had been relieved of duty with pay. Carpenter, who worked in the drug lab since 2002, had been recently warned about missing work, and investigators sought him out last week after receiving reports that he "was not handling evidence in compliance with lab protocols." When Carpenter refused to give a formal statement or submit to a drug test, he was suspended. Now, all his work for the past six months -- some 200 drug cases -- is under review.

In Richmond, Virginia, two former Southwest Virginia police chiefs already facing charges were arrested again last week on new drug charges. Former Damascus Police Chief Anthony Steven Richardson was charged with conspiracy to distribute drugs, obstruction of justice, possession of drugs and possession of firearms. Richardson, 40, already faced seven felony counts from June, including distributing methamphetamine. Former Chilhowie Police chief Dwayne Sheffield was charged with distribution of drugs, child abuse/neglect and conspiracy to distribute drugs. Sheffield, 37, already faced charges from May of committing sex crimes against a 17-year-old girl during a Halloween haunted house that raised money for sexual assault victims. The new charges resulted from an investigation by state, local, and federal law enforcement officials, and officials said the drugs involved were mainly methamphetamine and marijuana. Sheffield's wife, Nancy, was also charged with drug distribution, conspiracy, and child abuse/neglect.

In Cleveland, a DEA agent is under scrutiny after one of his informants admitted sending dozens of people to prison with false testimony. Informant Jerrell Bray told authorities in May he had made up testimony and lied on the witness stand in numerous cases, resulting in the dropping of charges in two cases and the release of one prisoner so far. Many more could come. DEA Agent Lee Lucas, who has a reputation as gung-ho drug fighter, is Bray's handler. The testimony of both Bray and Lucas in numerous drug cases is being challenged. Look for more to come out in coming weeks and months on this one.

Canada: Health Canada Gives Okay to Sativex for Cancer Patients

Health Canada announced Tuesday it has approved Sativex, a marijuana-derived sublingual spray, for use as a pain reliever in patients suffering from advanced cancer. Sativex contains THC, the primary psychoactive ingredient in marijuana, as well as cannabidiol, a non-psychoactive compound.

The drug, manufactured by GW Pharmaceuticals, a British concern, and Bayer, can now be used by adult cancer patients who experience moderate to severe pain even while using the highest tolerated doses of opioid pain medications. Previously, its use in Canada had been limited to multiple sclerosis patients.

Like its use for MS, Sativex's use in cancer patients was approved under Health Canada's Notice of Compliance with Conditions policy, which means that while Sativex has demonstrated promising benefits, is of high quality, and possesses an acceptable safety profile, it still needs further study.

"Cannabinoids have an important role in treating complex cancer pain, particularly neuropathic pain, and demonstrate a positive effect with current treatment options," Dr. Lawrence Librach, the director of the Temmy Latner Centre for Palliative Care at Toronto's Mount Sinai Hospital, said in a Health Canada release.

"GW is delighted to receive Health Canada's regulatory approval for Sativex in the relief of cancer pain," said GW chairman Dr. Geoffrey Guy. "Sativex has been shown to provide important pain relief to the most high need patients with advanced cancer. We are pleased to be able to offer the prospect of an improved quality of life for people who previously had little such opportunity."

Feature: Is Addiction a Brain Disease? Biden Bill to Define It as Such is Moving on Capitol Hill

A bill introduced by Sen. Joe Biden (D-DE) that would define addiction as a brain disease is moving in the Senate. Treatment professionals, mainstream scientists, and recovery advocates see it as a good thing. There are some skeptics, though.

http://stopthedrugwar.com/files/NIDAcover.gif
NIDA book cover, with brain scan image
The bill, the Recognizing Addiction as a Disease Act of 2007 (S. 1011), would also change the name of the National Institute on Drug Abuse (NIDA) to the National Institute on Diseases of Addiction, and change the name of the National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism to the National Institute on Alcohol Disorders and Health.

"Addiction is a neurobiological disease -- not a lifestyle choice -- and it's about time we start treating it as such," said Sen. Biden in a statement when he introduced this bill this spring. "We must lead by example and change the names of our federal research institutes to accurately reflect this reality. By changing the way we talk about addiction, we change the way people think about addiction, both of which are critical steps in getting past the social stigma too often associated with the disease. This bill is a small but important step towards stripping away the social stigma surrounding the treatment of diseases of addiction," said Sen. Biden.

The measure is garnering bipartisan support. It passed out of the Senate Health, Education, Labor and Pensions (HELP) committee in June with the backing of Sen. Mike Enzi (R-WY), the ranking minority committee member. "Science shows us the addiction to alcohol or any other drug is a disease," Enzi said in a statement marking the vote. "While the initial decision to use drugs is a choice, there comes a time when continued use turns on the addiction switch in the brain. That time can vary depending on factors ranging from genetics to environment to type of drug and frequency of use. Because of that and the continued stereotypes and challenges that are often barriers to people with addiction issues seeking treatment I am proud to support this legislation. Although the names of the Institutes will change, their mission -- preventing and treating drug and alcohol addiction -- will remain the same."

The politicians are taking their cue from neurological researchers led by NIDA scientists who have been working for years to find the magic link between the brain and compulsive drug use. Dr. Nora Volkow, current head of NIDA, has been leading the charge, and Biden and Enzi could have been reading from her briefing book.

"Drug addiction is a brain disease," said Volkow in a typical NIDA news release. "Although initial drug use might be voluntary, once addiction develops this control is markedly disrupted. Imaging studies have shown specific abnormalities in the brains of some, but not all, addicted individuals. While scientific advancements in the understanding of addiction have occurred at unprecedented speed in recent years, unanswered questions remain that highlight the need for further research to better define the neurobiological processes involved in addiction."

Not surprisingly, the treatment and recovery communities, anxious to see the social climate shift to one of more support and less punishment for the addicted, support the legislation. "Recognizing addiction is the next step forward," said Daniel Guarnera, government relations liaison for the NAADAC -- The Association for Addiction Professionals. "NIDA and its scientists have demonstrated overwhelmingly that addiction is not a behavioral trait, but rather is caused by physiological changes to the body that make people want to use addictive substances. This bill allows the terminology to catch up with the science."

Although the bill does little more than make a congressional pronouncement and rename a couple of institutes, it is still an important step, said Guarnera. "Yes, it's symbolic, but that symbolism is hugely important, because language should reflect medical knowledge, and medical knowledge has demonstrated that drug abuse is a physical phenomenon."

"We utterly endorse this bill," said Pat Taylor, executive director of Faces and Voices of Recovery, a treatment and recovery advocacy umbrella organization. "I think it's a great idea to rename the agencies. People with drug and alcohol problems can and do recover from addiction. Calling them 'abusers' just stigmatizes them."

Taylor and her organization are actively supporting the bill, she said. "We've sent letters of endorsement for the bill," she said. "People blame people for their drug and alcohol problems, so this is an important issue for the recovery community. We need to rethink how we talk about this."

Is addiction in fact a brain disease? Some researchers think that's too simple. Scott Lilienfeld, a professor of psychology at Emory University told ABC News last week: "What I find troubling with the brain disease rhetoric is that it's grossly oversimplified, it boils down an incredibly complex problem to not necessarily the most important explanation. You can view a psychological problem on many levels. Low level explanation refers to molecules in the brain. There are other levels including people's personality traits and moods, people's parents, environment. Higher level than this is community."

"Every level tells you something useful," Lilienfeld continued. "Brain disease is only one level among many and not even the most helpful. Implying it's the only level of explanation, that's counterproductive."

Some mavericks go even further. "No, addiction is not a brain disease," said Dr. Jeffrey Schaler, a psychologist and professor in the Department of Justice, Law and Society at American University in Washington, DC, and author of "The Myth of Addiction." "Diseases are physical wounds, cellular abnormalities. Addiction is a behavior, something that a person does. Diseases are things a person has," he argued.

"You can't will away a real disease," Schaler continued. "But people will away behaviors they don't like all the time."

Others feel that the concept of addiction itself is too imprecise. "There is no clear conception of what people mean by the word 'addiction,' and there are numerous papers on this unsatisfactory concept," said Professor John Davies, head of the Center for Applied Social Psychology at the University of Strathclyde in Scotland, another prominent critic of the "addiction is a brain disease" model. Using drugs and 'addiction' are not synonymous," Davies continued, noting that many "fun drug users" become "addicts" as soon as they end up in court.

"Of course, people can and do get into an awful mess when they fail to manage their habit effectively," Davies concedes. "But look at the data. Harmful damaging drug use is heavily social-class related whereas drug use per se is less so. People give up the so-called 'disease' when their lives change, they get a new partner, a new job, a move of house."

"Sen. Biden's crusade is part of a decades-long, political struggle to isolate drug habits in users and to obscure the social and historical factors that ultimately underline so-called drug problems," said Richard De Grandpre, author of "The Cult of Pharmacology: How America Became The World's Most Troubled Drug Culture" (see review here next week), citing the case of the Vietnam war veterans who picked up opiate habits, but who, for the most part, rapidly shed them upon returning home.

"These vets used chronically and were said to be addicted. What happened to their addictions?" De Grandpre asked. "The feared epidemic did not materialize because the social factors that sustained heroin use in Vietnam had all but disappeared upon returning."

Davies sees the addiction label as having pernicious consequences for problem users as well. "It makes things far worse," he said. It makes people believe that the roots of their behavior are beyond their capacity to control, which is the last thing you need when you're trying to get someone to change their behavior."

How should drug policy reformers (e.g., those concerned first and foremost with loosening prohibitionist drug policies) respond to the Biden bill? Rhetorically, both the "disease" and "choice" models have been used repeatedly to justify draconian policies -- the former at drug sellers, who mostly are not kingpins or monsters seeking to addict children to their goods, but get charged as such in the court of public opinion -- the latter at problem users, or even users in general, because they should just stop, because it's a choice.

"I tend to think that language changes that reduce the fuel in the drug discussion will help rather than hurt our cause," said David Borden, executive director of Stop the Drug War (DRCNet, publisher of this newsletter). "Terms like 'Diseases of Addiction' pack less verbal or rhetorical punch than shorter ones like 'Drug Abuse,' and are less useful for purposes of political propaganda. If the names of the agencies shift, the language coming out of the agencies will also have to shift, at least somewhat, and that will help -- it will be harder for politicians to focus their rhetoric on nonsense statements like 'all use is abuse,' if 'abuse' is no longer the government-endorsed term of choice in the discussion."

"Those are political concerns, however," Borden pointed out. "If 'disease' is a scientifically imprecise term for describing the set of conditions that are commonly known as 'addiction' -- and it seems to me that it probably is -- then Congress and NIDA probably shouldn't be using the term for that purpose. I'd be more comfortable with the bill if it used slightly different language." Still, he thinks it's probably a net positive. "I think the obvious message of the terminology shift would be to say that people with drug problems are not really criminals, and that's a good thing."

"Plus if addiction isn't a disease, there's still obviously some condition that some people have, physical for at least some of them, that makes it harder for them to make favorable choices," Borden added. "Otherwise I don't think there would be thousands of people risking arrest or overdose to inject themselves daily with heroin, or millions knowingly doing what they're doing to themselves with cigarette smoking. So I'm not sure that the imprecision in the term chosen for the discussion is such a big problem."

Schaler disagrees. "Drug policy reformers play into the hands of the therapeutic state when they support the idea that drug addiction is a treatable disease," he said. "It means doctors have more power over people instead of just drug agents."

In principle, neither Congressional fiat, nor therapists' concerns over what the right message is to send to patients, nor advocates' concerns over what will ultimately lead to better policies, should take a second seat in this debate -- the question is fundamentally a scientific one, and a philosophical one. With Congress holding the purse strings for the bulk of addictions research in this country, however, Congress' choices now may indeed affect the language being used in the future for some time to come. And language can indeed have an impact in ways going beyond its initial purposes.

Matéria: A delação em evidência - Comitê da Câmara realiza audiência sobre abusos de informantes

O Comitê da Câmara sobre o Judiciário ouviu policiais e juristas que dizem que é preciso mais supervisão e padrões mais estritos a respeito da utilização de informantes confidenciais na imposição da lei em uma audiência de 19 de julho. A sessão foi convocada pelo presidente do comitê, o deputado John Conyers (D-MI), para examinar as maneiras de evitar abusos como aqueles que resultaram na morte a tiros de Kathryn Johnston, a moradora nonagenária de Atlanta, em dezembro passado.

http://stopthedrugwar.com/files/kathrynjohnston.jpg
Kathryn Johnston
Johnston foi morta após abrir fogo contra agentes antidrogas disfarçados de Atlanta que estavam derrubando a porta dela para cumprir um mandado de busca inadvertida de cocaína. Esses policiais haviam obtido o mandado de um magistrado de Atlanta dizendo-lhe falsamente que um informante confidencial comprara drogas na casa de Johnston. Depois, naquele mesmo dia, esses policiais tentaram fazer com que esse informante mentisse e os respaldasse, mas, em troca, ele os denunciou às autoridades federais. Dois oficiais envolvidos se confessaram culpados de homicídio desde então, enquanto que um terceiro aguarda julgamento por acusações de cárcere privado.

Embora fosse o assassinato de Johnston o que levou diretamente à audiência do mês passado, a preocupação com o uso generalizado de informantes, ou dedos-duros, esteve se acumulando durante anos, especialmente no que diz respeito à imposição da lei antidrogas.A hostilidade para com a lei que ou ameaça pequenos infratores para que delatem os demais ("Quer ser estuprado por vários durante 30 anos na prisão?") ou cultiva informantes mercenários que se infiltram nas comunidades e fazem transações em drogas para ganhar dinheiro esteve fervilhando nas comunidades pobres e minoritárias durante anos.

O movimento "Parem de Dedurar", muito difamado pelos agentes da lei por solapar o império da lei, é, pelo menos em parte, uma conseqüência direta da dependência da guerra às drogas nos informantes confidenciais. Especialmente nas comunidades formadas por pessoas negras, que foram duramente afetadas pela guerra às drogas, a irritação com as táticas da guerra às drogas, inclusive a utilização de informantes, é palpável.

Agora, como os democratas controlam o Congresso de novo, ele está pronto para lhe dar ouvidos - e possivelmente tomar providências. O deputado Conyers disse na sessão e nas reuniões com funcionários do Projeto de Reforma da Lei sobre as Drogas da União Estadunidense das Liberdades Civis (ACLU, sigla em inglês) e da Drug Policy Alliance que está preparando leis para tentar refrear o uso descontrolado de informantes. O recurso aos informantes está "totalmente fora de controle", disse Conyers. "É cada agência da lei por si mesma. Isto está corrompendo todo o processo da justiça penal", advertiu.

"Temos um problema sério que vai além de abrir mão de casos em que os dedos-duros foram úteis", prosseguiu Conyers. "O sistema de justiça penal inteirinho está sendo intimidado pela maneira pela qual isto está sendo feito e, em muitos casos, especialmente no âmbito municipal, malmanejado... Um monte de pessoas morreu por causa da má informação, Kathryn Johnston em Atlanta para início de conserva. Por errar de casa, a mulher de 92 anos perdeu a vida dela. Mas, depois as forças de segurança tentaram intimidar o informante confidencial para que consertasse as coisas. Daí, há as forças de segurança envolvidas em perpetrar este encobrimento do que é uma atividade claramente criminosa. Daí que o nos traz aqui hoje não é coisa pouca e vamos tomar alguma providência a respeito disso".

Haverá mais audiência no futuro, prometeu Conyers. "Esta é a primeira vez que examinamos este assunto em mais de doze anos... Mas, isto é só a ponta do iceberg. Temos que realizar as audiências mais minuciosas da história estadunidense recente sobre toda a questão do sistema de justiça penal, que vai muito além dos informantes. Isto tem sido retomado e articulado por muitas das testemunhas, que estamos falando da cultura do sistema legal e de que jeito é preciso mudá-lo. Uma audiência nos faz começar e tenho muito orgulho do que conseguimos aqui hoje".

Na audiência, o pessoal da lei e os juristas reconheceram igualmente que o sistema de informantes é supervisionado com relaxo e que isso pode resultar em atalhos e abusos da polícia. "A utilização de informantes em matéria criminal de parte do governo é, em grande parte, secreta, irregular e não-responsável", disse a professora Alexandra Natapoff da Faculdade de Direito de Loyola, uma pesquisa do assunto, à comissão.

A enorme dependência de informantes não deixa as comunidades mais seguras, mas mais perigosas, disse Natapoff. "O que significa isto para moradores honestos como a Sra. Johnston?", perguntou. "Quer dizer que devem viver perto de delinqüentes que procuram um jeito de se desculparem da responsabilidade deles através do trabalho. De fato, tornou o lar de Kathryn Johnston um alvo para um traficante. Também quer dizer que, nesses bairros, a polícia tolera os crimes de drogas de pouca importância em troca de informação e, assim, freqüentemente os dependentes e pequenos traficantes podem continuar em liberdade. Também torna a imposição da lei menos rigorosa: é mais provável que a polícia que muito confia nos informantes também aja com base em uma pista não-confirmada de um traficante suspeito. Em outras palavras, um bairro com muitos informantes em matéria criminal é um lugar mais perigoso e inseguro para morar".

A tal dependência também corrói as relações entre a polícia e a comunidade, disse Natapoff. "Esta questão sobre o uso de informantes confidenciais vai diretamente ao cerne do problema das relações entre a polícia e a comunidade", disse ela à comissão. "Isto é um problema histórico neste país e não se reduz ao problema de informar ou dedurar ou parar de dedurar, mas eu diria que as políticas de 20 anos de parte dos governos estadual, municipal e federal de se valer de informantes confidenciais, de devolver criminosos à comunidade com alguma forma de impunidade e indulgência e fazer vista grossa para o mau comportamento deles têm aumentado a desconfiança entre a polícia e a comunidade".

O reverendo Markel Hutchins, pastor da Igreja Batista da Filadélfia em Atlanta e porta-voz da família Johnston, também falou na audiência. "Há um problema com a cultura do policiamento nos Estados Unidos", disse Hutchins. "E em razão dessa cultura, com demasiada freqüência os policiais sentem que podem fazer o que lhes der na telha ao amparo da lei. Este comitê tem a oportunidade única de ajudar a proteger até os próprios oficiais que tomam parte neste tipo de comportamento ao isolá-los da capacidade ou do potencial que têm de se comprometerem nesta espécie de conduta corrupta".

Deve haver mais prestação de contas nos tribunais, disse Hutchins. "Direi a este comitê que se se houvesse exigido do informante confidencial inventado, o qual foi mencionado e utilizado criminalmente no caso de Kathryn Johnston, que comparecesse perante um juiz, a Sra. Johnston ainda estaria viva hoje... Para estes policiais, foi fácil demais se apresentarem ante um juiz e mentir. Eles tomaram parte neste tipo de prática durante anos e isto esteve acontecendo por todo o país... Se a polícia houvesse tido a diligência devida, teria sabido que uma mulher de 92 anos morava ali na casa sozinha. Não houve nenhuma confirmação. Não se fez nenhum trabalho investigativo adequado. Mas acho que, provavelmente, a coisa mais comovedora que aconteceu com a Sra. Johnston é que se ela não tivesse tido 92 anos, mas a minha idade, 29-30 anos de idade, e fosse negra, poderíamos não estar tendo esta reunião agora", disse Hutchins.

http://stopthedrugwar.com/files/conyers-perry-fund.jpg
John Conyers, discursando no evento de captação de fundos da DRCNet para o Fundo Perry em março de 2005
Até o presidente da Associação Nacional dos Agentes de Repressão aos Entorpecentes, Ronald Brooks, concordou que há necessidade de reformas. "Precisamos adotar uma postura absolutamente rigorosa quando as forças de segurança infringirem as regras, como em qualquer outra profissão", disse ele ao comitê. "À primeira vista, a conduta cometida em Atlanta, e em Túlia, e em Dallas, e em uma série de outros lugares foi uma conduta criminosa de parte dos oficiais da lei e ela deveria ser punida vigorosamente... É preciso inculcar uma cultura ética que diga que os fins nunca justificam os meios... Temos apenas uma oportunidade de ter credibilidade em nossos tribunais e em nossas comunidades", disse Brooks.

"Foi uma ótima audiência", disse Bill Piper, diretor de assuntos nacionais da Drug Policy Alliance. "Conyers disse que quer apresentar leis abrangentes que revisem o uso de informantes confidenciais. No momento, nós e o Projeto de Políticas de Drogas da ACLU estamos trabalhando com o gabinete dele para criarmos um texto específico", disse Piper. "Agora, a questão é com o que o projeto vai se parecer. Se alguém tiver sugestões, entre em contato conosco ou com o escritório de Conyers", disse.

"A audiência foi incrível!", disse Ana del Llano, coordenadora de campanha do Projeto de Reforma da Lei sobre as Drogas da ACLU. "Esperamos que, quando o Congresso voltar do recesso em setembro, possamos apresentar um projeto de lei".

Os partidários estão se concentrando em uma série de reformas que cercam a utilização de informantes:

  • normas para o uso e regularização da confirmação de informantes;
  • sessões de confiabilidade, antes do mandado e da condenação;
  • medidas de desempenho;
  • coleta de dados;
  • exigir que os agentes federais notifiquem as forças de segurança estadual e municipal quando tiverem provas de que o informante deles cometeu um crime violento ou de que um acusado é inocente;
  • pôr condições sobre o financiamento federal que requeiram que as polícias estadual e municipal sigam os dispositivos desta legislação.

Já não era sem tempo - tanto para s audiências como para a aprovação da legislação para refrear os dedos-duros, disse Nora Callahan, diretora da November Coalition, um grupo de reforma das políticas de drogas que se concentra nos prisioneiros federais da guerra às drogas. "O sistema de informantes é um sistema de policiamento secreto e escondido", disse. "Quando indagados, a maior parte dos policiais, federal, estadual e municipal, não tem polícia nenhuma nem procedimento escrito a respeito do uso de informante deles. Até que ponto as forças de segurança dependem de um sistema de dedos-duros? As chefaturas de polícia não conseguem nos dar dados sobre os delatores. Os pesquisadores descobriram que cerca de 90% dos mandados de busca são concedidos por juízes que não vêem nada além da declaração de um informante confidencial de um oficial. Derrubam portas com base na palavra de pessoas que trocam informação por favores da polícia".

O sistema é pernicioso mesmo, discutiu Callahan. "Alguns psicólogos ensinam as polícias a como transformar as pessoas em cooperadores, também conhecidos como informantes ou dedos-duros. É o tempo, a ameaça de longos anos na prisão, que reduz as pessoas a entregarem as suas mães ou seus melhores amigos", disse.

Agora, enfim, pode ser que o Congresso intervenha. Mas, a audiência do mês passado foi só o começo.

Veja a audiência inteira on-line e leia o depoimento escrito oficial (em inglês) aqui.

Anúncio: Novo formato para o Calendário do Reformador

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Desejamos informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estiverem disponíveis.

Anúncio: Os feeds RSS da DRCNet estão disponíveis

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da Guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Anúncio: Agora os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis para a SUA página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página é dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, saiba também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Entre em contato conosco se quiser assistência ou informe-nos sobre o que está relacionando e aonde. E obrigado de antemão pelo seu apoio.

Retorno: Você lê a Crônica da Guerra Contra as Drogas?

Você lê a Crônica da Guerra Contra as Drogas? Se sim, gostaríamos de ouvi-lo. A DRCNet precisa de duas coisas:

  1. Estamos entre doações ao boletim informativo e isso torna a nossa carência de doações mais premente. É grátis ler a Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas não produzi-la! Clique aqui para fazer uma doação por cartão de crédito ou PayPal ou para imprimir um formulário a fim de mandá-lo por correio.

  2. Por favor, mande citações e informes sobre de que maneira você aplica o nosso fluxo de informação, para uso em futuras propostas de doação e cartas a financiadores ou possíveis financiadores. Você usa a DRCNet como fonte para falar em público? Para cartas ao editor? Ajuda a conversar com amigos ou sócios sobre a questão? Pesquisa? Para instrução própria? Você mudou de opinião sobre quaisquer aspectos das políticas de drogas desde que se inscreveu ou foi inspirado a se envolver na causa? Você reproduz ou republica partes dos nossos informativos em outras listas ou em outros informativos? Tem quaisquer críticas, reclamações ou sugestões? Queremos ouvi-las também. Por favor, mande a sua resposta - tudo bem se forem uma ou duas frases; seria ótimo ter mais também - mande um e-mail a borden@drcnet.org ou responda a um endereço eletrônico da Crônica ou use o nosso formulário eletrônico de comentário. Faça o favor de nos informar se podemos reproduzir os seus comentários, e, em caso positivo, se podemos incluir o seu nome ou se deseja continuar anônimo. IMPORTANTE: Mesmo se você nos deu este tipo de retorno antes, seria útil termos o seu retorno atualizado agora também - precisamos saber o que você acha!

Mais uma vez, por favor, ajude a manter a Crônica da Guerra Contra as Drogas viva nesta época importante! Clique aqui para fazer uma doação eletrônica ou envie o seu cheque ou ordem de pagamento a: P.O. Box 18402, Washington, DC, 20036. Faça a sua doação a nome da Fundação DRCNet para fazer uma doação dedutível do imposto de renda à Crônica da Guerra Contra as Drogas - lembre-se se escolher um dos nossos prêmios gratuitos que reduzirão a parte da sua doação que é dedutível de impostos - ou faça uma doação não-dedutível ao nosso trabalho de lobby - pela Internet ou através de chegue pagável à Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas no mesmo endereço. Também aceitamos contribuições em ações - mande um e-mail a borden@drcnet.org para as informações necessárias.

Semanal: Esta semana na história

08 de agosto de 1988: O recorde mexicano de apreensão de maconha é estabelecido (ainda em vigor hoje) - 176ton657kg em Miami, Flórida.

06 de agosto de 1990: Robert C. Bonner é juramentado como administrador da Administração de Repressão às Drogas (DEA, sigla em inglês). Bonner fora juiz federal em Los Ângeles. Antes de virar juiz, Bonner trabalhou como procurador dos EUA de 1984 a 1989.

09 de agosto de 1990: Duzentos guardas nacionais e guardas florestais da Agência de Gestão Fundiária realizam um reide antimaconha chamado Operação Varredura Verde [Operation Green Sweep] em uma área de conservação federal na Califórnia conhecida como King Ridge. Os moradores locais entraram com uma ação de $100 milhões, afirmando que os agentes federais invadiram a propriedade deles ilegalmente, que os prenderam equivocadamente e que os assediaram com seus helicópteros rasantes e armas carregadas.

04 de agosto de 1996: Em meio a uma temporada eleitoral que incluía a iniciativa pró-maconha medicinal da Califórnia, a Prop. 215, agentes antidrogas estaduais, a mando de Dan Lungren, o procurador-geral da Califórnia, sitiam o Cannabis Buyers' Club de São Francisco.

07 de agosto de 1997: O New England Journal of Medicine opina: "Virtualmente ninguém acha que seja razoável iniciar processos criminais de pacientes com câncer ou AIDS que consomem maconha sob o conselho dos médicos deles para ajudá-los a relevar o tratamento médico convencional da sua doença".

08 de agosto de 1999: Uma reportagem da CNN chamada "Adolescentes criticam anúncios antidrogas pan-nacionais" informa que estudantes do segundo grau têm dúvidas de que os anúncios televisivos antidrogas do governo sejam muito inibidores já que eles acham que as advertências constantes sobre os perigos do consumo de drogas embotaram o recado.

07 de agosto de 2000: O Houston Chronicle publica uma notícia em primeira página sobre a corrupção de informantes remunerados em casos de delitos de drogas.

03 de agosto de 2001: O Miami Herald informa que a CIA pagou $1 milhão ao ano durante 10 anos à agência de inteligência peruana dirigida pelo mestre da espionagem caído, Vladimiro Montesinos, para combater o narcotráfico, apesar das provas de que Montesinos também tinha negócios com traficantes colombianos.

08 de agosto de 2001: Durante o terceiro mandato dele no Congresso, Asa Hutchinson é apontado pelo presidente Bush como diretor da Administração de Repressão às Drogas (DEA, sigla em inglês).

03 de agosto de 2004: Sessenta por cento dos habitantes de Detroit votam a favor da Proposição M ("A Lei de Maconha Medicinal de Detroit" [The Detroit Medical Marijuana Act]), a qual emenda o código penal municipal de Detroit para que as sanções penais municipais não se apliquem mais a nenhum indivíduo "que portar ou consumir maconha sob orientação... de um médico ou outro profissional autorizado da saúde".

05 de agosto de 2004: Em um contra-editorial do Seattle Post-Intelligencer chamado "Guerra contra as drogas se intensifica para guerra contra as famílias", Walter Cronkite chama a guerra contra as drogas de "desastrosa" e de "um fracasso" e proporciona uma pletora de motivos para acabar com ela imediatamente.

06 de agosto de 2004: O Nono Circuito ordena a soltura, durante o recurso, de Bryan Epis, que fora condenado de formação de quadrilha para cultivar 1.000 plantas de maconha em um julgamento federal no qual o júri não foi autorizado a ouvir que ele era um ativista pró-maconha medicinal.

Sudoeste asiático: Ministério das Relações Exteriores diz que as políticas de drogas estadunidenses sobre o Afeganistão mudarão, mas não muito

Na semana passada, em uma reunião com "um grupo seleto de analistas de Washington", Thomas Schweich, vice-diretor em exercício da Agência de Assuntos Internacionais em Entorpecentes e Repressão Legal, reconheceu que os trabalhos estadunidenses para destruir o setor da papoula afegã tinham conseguido somente "resultados confusos" e disse que o governo Bush ajustaria as políticas dele para ser mais eficiente. Mas, os comentários de Schweich davam a entender que quaisquer mudanças aconteceriam nas margens.

http://stopthedrugwar.org/files/afghan-farmers.jpg
o editor da Crônica, Phil Smith, entrevistou cultivadores de papoulas afegãos nas imediações de Jalalabad no outono de 2005
No ano passado, o Afeganistão produziu mais de 90% da papoula do mundo e aumentou a produção em 49% para mais de 6.700 toneladas métricas. Espera-se que o cultivo deste ano seja ainda maior. Acredita-se muito que os lucros do tráfico de ópio financiam a insurgência do Talibã e também enriquecem chefes de guerra, governadores e funcionários do governo. Mas, o cultivo também é um sustentáculo da economia nacional e sustento para centenas de milhares de lavradores do Afeganistão que lutam para alimentar as famílias deles.

Em comentários reproduzidos pela EurasiaNet, um serviço de notícias e informação da Ásia Central e do Cáucaso dirigido pelo Open Society Institute, Schweich disse que seriam necessários pelo menos cinco anos para "controlar" a produção de papoulas afegãs, mas que eliminá-la completamente seria "impossível". Cultivos alternativos para os agricultores da papoula não foram encontrados e as propostas de legalização da produção para o mercado medicinal eram "impraticáveis", disse.

A erradicação tem sido uma decepção, disse Schweich, uma admissão nada surpreendente dados os grandes aumentos anuais no cultivo da papoula recentemente. Schweich criticou implicitamente o governo afegão pelo seu sucesso limitado na erradicação, dizendo que as técnicas de erradicação manual e mecânica podem eliminar 10% do cultivo na melhor das hipóteses, enquanto que Washington quer que esse dado suba para 25%. Washington tem vontade de se valer da erradicação aérea contra a papoula, mas o governo Karzai tem objeto até o momento.

Contudo, disse, o plano antidrogas afegão de cinco tópicos da administração estava fundamentalmente correto:

  1. fazer uma campanha eficiente de informação pública;
  2. proporcionar alternativas e oportunidades legais aos cultivadores de papoula para que ganhem o seu pão;
  3. aumentar o poder das forças de segurança afegãs de processar os chefões do narcotráfico através da prisão ou da extradição;
  4. erradicar os cultivos de papoulas; e
  5. proibir o fluxo de entorpecentes dentro e além do Afeganistão.

O programa investe muito na repressão legal e na erradicação, uma abordagem que tem produzido resultados exíguos até agora. Visto que Schweich já admitiu que não bons cultivos alternativos, parece que as políticas estadunidenses para a papoula no Afeganistão continuarão dependendo da propaganda, alguns porretes e pouquíssimas cenouras.

Maconha: A proibição federal da maconha cumpriu 70 anos ontem

Há 70 anos ontem, o Congresso aprovava a primeira lei federal que ilegalizava a maconha. A lei, a Lei de Taxação da Maconha de 1937 [Marijuana Tax Act of 1937], proibiu a erva de fato ao instaurar impostos onerosos sobre compradores, vendedores, produtores e prescritores e ao criar sanções duríssimas para a desobediência.

http://stopthedrugwar.org/files/devilsharvest.jpg
pôster de um filme dos anos 1930 ao estilo de 'Loucura do baseado'
As sete décadas seguintes da proibição da maconha presenciaram um tremendo aumento na popularidade e aceitação da droga, embora continue sendo um chamariz para os guerreiros culturais conservadores determinados a golpear os hippies. Cerca de 100 milhões ou mais de adultos estadunidenses fumaram maconha pelo menos uma vez e uns 16 a 20 milhões são consumidores habituais hoje em dia.

De acordo com o pesquisador Jon Gettman, a maconha é o cultivo mais lucrativo do país agora, respondendo por mais ingressos agrícolas do que o trigo, o milho e a soja juntos. Também serve de moedura para o moinho da lei, com umas 800.000 prisões por maconha em 2005, quase 90% delas por porte simples.

Embora cerca de doze estados tenha descriminalizado o porte de maconha, só um deles, Nevada, fez isso recentemente. Os demais vieram em uma onda de reforma nos anos 1970. Igualmente, uma dúzia de estados legalizou o consumo medicinal de maconha, mas essas medidas são ignoradas pelos repressores federais das drogas.

"É difícil pensar em um fracasso de políticas mais espetacularmente ruim e duradouro do que a guerra de 70 anos do nosso governo contra os usuários de maconha", disse Rob Kampia, diretor-executivo do Marijuana Policy Project. "Desde que o governo federal proibiu a maconha em 1937, ela passou de ser uma planta obscura de que poucos estadunidenses sabiam para o cultivo lucrativo número um nos Estados Unidos. Chegou a hora de tomar um novo rumo e regularizar a maconha como fazemos com o álcool".

Nesta semana, comemoramos o começo da proibição federal da maconha. Preferiríamos muito mais estar escrevendo o obituário dela.

Para boas risadas - ou choros -, leia o relato do professor Charles Whitebread da história das leis antimaconha, que descreve a maneira incrivelmente mesquinha pela qual se lidou com o debate sobre a questão.

Busca e apreensão: Suprema Corte da Califórnia diz não a confiscações de carros de compradores de drogas

Em um parecer muito dividido, a Suprema Corte da Califórnia decidiu que os governos municipais não podem confiscar os veículos das pessoas presas por suspeita de comprar drogas ou de usar prostitutas, os dois delitos mais comuns visados pelos decretos-lei municipais de combate à criminalidade mediante a confiscação em uma série de cidades californianas. Os decretos-lei existem com vistas a reduzir a venda de drogas e a prostituição de rua confiscando os carros dos clientes e, dessa maneira, inibir futuros clientes.

A decisão aconteceu em O'Connell vs. Cidade de Stockton, onde uma mulher local, Kenny O'Connell, desafiou o decreto-lei "Apreensão e Seqüestro de Veículos Incômodos" [Seizure and Forfeiture of Nuisance Vehicles]. Em uma argumentação legal que foi mais sobre o poder estadual versus o municipal que sobre os delitos de drogas ou a venda do sexo, o tribunal sustentou que só o estado pode estabelecer sanções para delitos segundo o código penal estadual - não as municipalidades.

O tribunal sustentou que as cidades também não podem ratear punições por infrações da lei estadual que sejam mais rigorosas do que as próprias leis estaduais. Em alguns casos da Califórnia, apreenderam os veículos de condutores que procuravam comprar maconha - o porte simples de maconha resulta em uma multa de $100 na Califórnia.

A punição dos delitos relacionados com a droga e a prostituição "são assuntos de preocupação estadual de que a nossa Legislatura tem tratado extensamente... sem dar azo a mais regularizações no âmbito municipal", decidiu o tribunal.

Embora fosse o decreto-lei de Stockton o questionado, a decisão do tribunal invalida decretos-lei parecidos que começaram com Oakland, a primeira cidade californiana a adotar leis de confiscação em 1998. Desde então, Los Ângeles, São Diego, Sacramento, São Bernardino, Riverside, Inglewood e Ontário, entre outras, promulgaram decretos semelhantes.

Depois que a decisão foi anunciada, o advogado Mark Clausen, que representou O'Connell, disse ao Los Angeles Times que "vários milhares" de veículos tinham sido apreendidos por todo o estado e que a maioria dos condutores que pegaram os seus carros de volta teve que pagar "tarifas de embargo" de até $2,000.

"Estas portarias foram apenas um truque de relações públicas", disse Clausen.

Mas, os promotores e os oficiais da lei disseram ao Times que seqüestrar veículos era uma tática valiosa para impor a lei. "Obviamente, esta ferramenta é muito valiosa para nós", disse o comandante Harland Ward da Polícia de Los Ângeles. "Nos permite cuidar dos problemas da comunidade. É uma ferramenta de que nos valemos para trabalharmos nos problemas de qualidade de vida que afetam os bairros".

O efeito da decisão terá longo alcance, disse John Lovell, advogado da Associação de Chefes de Polícia da Califórnia. "Parece que o embargo não vale mais", disse.

Busca e apreensão: Suprema Corte do Arizona limita buscas de veículos

No fim do mês passado, a Suprema Corte do Arizona decidiu que a polícia não pode revistar rotineiramente os veículos das pessoas que prende. Em uma decisão de 3 a 2 em Estado vs Gant, o tribunal sustentou que a busca arbitrária do veículo de Rodney Gant depois de ter sido preso, algemado e colocado no assento traseiro de uma viatura foi além de um incidente de busca permissível a detenção e que "não era justificável".

A Suprema Corte do Arizona sustentou que a busca do veículo de Gant depois de já estar preso e algemado por um mandado de prisão por infração do código de trânsito não era uma busca resultante em detenção. "Quando as justificações [para uma busca resultante em detenção] não existem mais porque a cena é segura e o detento está algemado, seguro no banco traseiro de uma viatura e sob a supervisão de um oficial, a busca arbitrária do carro do detento não pode ser justificada como algo necessário para proteger os oficiais na cena ou impedir a destruição de provas", escreveu a ministra Rebecca Berch pela maioria.

As forças de segurança do Arizona não ficaram nada felizes com a decisão e algumas agências deram a entender que encontrariam maneiras de burlá-la. As chefaturas de polícia de todo o estado, que colaboram com a Associação de Chefes de Polícia do Arizona e com a Associação de Conselheiros Legais das Forças de Segurança do Arizona, entraram com arrazoados que instam o tribunal a sustentar a condenação e insinuam que vão adotar procedimentos diferentes da detenção - talvez não algemando os suspeitos até depois da busca de um veículo - para poderem continuar a prática.

A ministra Berch tratou dessa ameaça implícita no parecer dela: "Supomos que os policiais exercerão o juízo adequado em seus contatos com os detentos e não tomarão parte em uma conduta que crie riscos desnecessários para a segurança deles ou a segurança pública a fim de burlar os requerimentos de ordem da Quarta Emenda", escreveu.

Polícia: FBI relaxa regras acerca do consumo anterior de maconha de aspirantes a agente

Em meio a uma campanha para contratar centenas de novos agentes, a Agência Federal de Investigação (FBI, sigla em inglês) relaxou as políticas dela sobre o consumo anterior de drogas de parte de candidatos em potencial. A política antiga, em vigor desde 1994, desclassificava os candidatos que tivessem fumado maconha mais de 15 vezes ou que já tivessem usado qualquer droga ilegal.

Segundo a nova política, inadvertida, mas em vigor desde janeiro, os candidatos que não tiverem consumido maconha durante os três últimos anos ou que o tiverem feito para obter mais do que uma "experimentação" não serão impedidos. Os candidatos que não tiverem consumido nenhuma outra droga ilegal durante pelo menos 10 anos também não serão desclassificados.

O vice-diretor do FBI, Jeff Berkin, disse ao USA Today que o sistema anterior virara "arbitrário" e que, para os candidatos, era difícil passar pelo detector de mentiras a respeito do consumo de drogas porque não conseguiam se lembrar quantas vezes tinham fumado maconha.

"Incentiva a honestidade e nos permite examinar a pessoa inteira", disse Berkin enquanto a sua agência procurava aumentar o número de candidatos para os 221 cargos de agente e os 121 cargos de analista de informação que abriu.

O FBI é só a última agência da lei a emendar as suas políticas a respeito do consumo anterior de maconha. Os números crescentes de repartições estão informando problemas de exclusão de candidatos por fumo de maconha no passado, e, cada vez mais, as repartições estão relaxando os padrões delas. Até a secretaria antidrogas entende.

"Cada vez mais a meta do exame de autorização dos candidatos é saber se você é um consumidor atual de drogas, em vez de saber se você já as usou no passado", disse Tom Riley, porta-voz do Gabinete de Política Nacional de Controle das Drogas da Casa Branca. "Não se trata de saber se você fumou maconha quatro ou 16 vezes há 20 anos. Trata-se de saber se você fumou na semana passada e mentiu sobre isso".

Semanal: Blogando no Bar Clandestino

Junto com a nossa reportagem investigativa da Crônica, desde o verão passado a DRCNet também esteve proporcionando conteúdo diário na forma de blogagem no Bar Clandestino Stop the Drug War, assim como links às Últimas Notícias (canto inferior esquerdo) e mais informações. Cheque a DRCNet todos os dias para ficar a par da reforma das políticas de drogas!

http://stopthedrugwar.org/files/dc-beer-raid-small.jpg
reide anticerveja da época da lei seca, Washington, DC (Biblioteca do Congresso)

Os Blogs do Leitor estiveram em alta mesmo nesta semana, com publicações de pacientes que consomem maconha medicinal, gente que sofre processo criminal ou tem amigos que estão, leitores sobre o que os seus deputados que votaram contra a maconha medicinal na semana passada lhes disseram, observações, sobre as audiências do Congresso via C-Span e mais.

Nesta semana, do pessoal:

Scott Morgan nos traz: "DC Drug Policy Softball Team Ranked #1" [Time de softbol das políticas de drogas de DC é o #1], "New Study: Marijuana Does Not Cause Psychosis, Lung Damage, or Skin Cancer" [Novo estudo: A maconha não causa nem psicose nem prejuízo aos pulmões nem câncer de pele], "Opposition to Medical Marijuana is a Conspiracy to Prevent Broader Legalization" [A oposição à maconha é uma conspiração para impedir a legalização geral], "Six Months Since Police Shot an Innocent 80-Year-Old Man, and Still No Explanation" [Passaram seis meses desde que a polícia abriu fogo contra um inocente octogenário e ainda não há nenhuma explicação], "San Francisco Orders Medical Marijuana Dispensaries to Sell Fatter Bags" [São Francisco ordena que os dispensários de maconha medicinal vendam sacos mais cheios] y "The People Support Medical Marijuana, Even If Congress Does Not" [O povo apóia a maconha medicinal, mesmo se o Congresso não o faz].

David Borden contribui com: "Important Exchange Re: Clinton & Obama on Needle Exchange" [Intercâmbio importante de Re: entre Clinton e Obama sobre a troca de seringas], "Why did alcohol prohibition end?" [Por que a lei seca acabou?], "Republican and Democratic Senators Query Gonzales on Crack Sentencing Views" [Senadores republicanos e democratas interrogam Gonzáles sobre pontos de vista a respeito das penas para o crack], "Five Architects of the Drug War -- and the Result of Their Work" [Cinco arquitetos da guerra às drogas – e o resultado do trabalho deles], "New Resource on Judges' Views on Federal Sentencing -- Basically, They Hate It" [Novo recurso sobre os pontos de vista dos juízes a respeito da condenação federal – basicamente, a odeiam], "Some Good Forfeiture News" [Algumas boas notícias sobre a confiscação], "Another Pain Doctor on the Ropes" [Outro terapeuta da dor na corda bamba], "Another Letter from a Medical Marijuana Patient ...and Another Letter from a Medical Marijuana Patient" [Outra carta de um paciente de maconha medicinal... e outra carta de um paciente de maconha medicinal] e "I'm as angry as I've been in a long time over this one..." [Estou tão bravo como nunca estivera antes com esta...].

O agitador Phil Smith vai até o limite com "Taking it to the Drug Warriors -- Is It Time for Direct Action?" [Afrontando os guerreiros antidrogas – Chegou a ahora da ação direta?] e informa “My Representative Explains Why She Voted Against Hinchey-Rohrabacher” [A minha deputada explica por que votou contra a Hinchey-Rohrabacher].

David Guard também esteve ocupado publicando uma pletora de notas à imprensa, alertas, listas de empregos e outros artigos interessantes republicados de muitas organizações aliadas ao redor do mundo em nosso feed ativista "In the Trenches".

Una-se aos nossos Blogs do Leitor aqui

Obrigado por ler, e escrever...

Polícia: As estórias de policiais corruptos desta semana

Nesta semana, há dois da fronteira dos EUA com o México, onde a tentação está sempre ao alcance da mão e dois da Flórida, onde a corrupção parece prosperar no clima cheio de vapor. Vamos ao que interessa:

Em El Paso, uma agente das Alfândegas e da Patrulha das Fronteiras foi presa no dia 27 de julho por deixar que mais de uma tonelada de maconha entrasse no país. A oficial da CBP, Margarita Crispín, é acusada de uma acusação de formação de quadrilha para importar uma substância controlada. De acordo com o indiciamento, ela se associou a outros desde 2003 até este ano para abrir caminho para carregamentos em caminhão pelos postos de fiscalização da fronteira. Segundo as últimas informações, ela estava presa aguardando uma audiência sobre a fiança.

Em Miami Beach, um fiscal de parquímetros foi preso no fim de semana passado por acusações de vendas de drogas. O oficial Elio Espinosa supostamente vendeu três sacos de drogas a um informante. Ele é acusado de porte de cocaína com a intenção de vender a menos de 300 metros de uma escola.

Em Tucson, três guardas nacionais foram condenados à prisão na semana passada por formar quadrilha para entregar drogas para traficantes. Eles são só os últimos de mais de três dúzias de policiais e militares, presentes e passados, pegos na Operação Verde Vivo [Operation Lively Green], uma armação do FBI em que agentes fingiam ser traficantes e que solicitou a ajuda de policiais e militares para transportar carregamentos de drogas. Demian Castillo, um ex-recrutador da Guarda Nacional do Exército de Tucson, pegou dois anos por aceitar $14,000 para entregar dois carregamentos de drogas em 2002. O ex-integrante da Guarda, Sheldon Anderson, pegou 10 meses por prestar ajuda em uma única entrega de drogas. O ex-guarda, Mario Quintana, pegou dois anos por ajudar em dois carregamentos. Os três se confessaram culpados de formação de quadrilha para cometer suborno de um funcionário público.

Em Hollywood, Flórida, o quinto policial de Hollywood se declarou culpado em uma armação do FBI. O ex-policial de Hollywood, o tenente Charles Roberts, se confessou culpado de uma acusação de prestar declaração falsa quando ele disse aos investigadores que não sabia nada sobre uma armação secreta do FBI. A armação, conhecida como Operação Distintivo Maculado [Operation Tarnished Badge], tinha em vista policiais de Hollywood que concordaram em transportar heroína para pessoas que eles achavam ser traficantes de drogas, mas que, na verdade, eram agentes do FBI. Ela foi encerrada pouco depois de vazar a notícia de sua existência. Três oficiais foram condenados à prisão pelos seus papéis nas quadrilhas de transporte de drogas e um quarto aguarda a condenação neste mês. Roberts pode pegar até cinco anos de prisão quando for sentenciado em outubro.

Matéria: Colômbia anuncia mudança para erradicação manual de cocais

Seis anos e $5 bilhões em ajuda estadunidense depois que os governos colombiano e estadunidense embarcaram em um programa de fumigação aérea em massa dos cocais colombianos em uma tentativa de esgotar a oferta de cocaína, o governo colombiano anunciou no fim do mês passado que acentuará agora a erradicação manual do cultivo mais lucrativo do país.

http://stopthedrugwar.org/files/coca-seedlings.jpg
mudas de coca
Embora a fumigação aérea fosse defendida pelos guerreiros antidrogas como "solução infalível" que podia dar um fim ao negócio da cocaína colombiana, não funcionou dessa maneira. De acordo com os dados oficiais dos EUA, a quantidade de terra dedicada à produção de coca na Colômbia diminuiu apenas ligeiramente desde 2001, quando a fumigação intensa começou. Nesse ano, uns 420.000 acres foram semeados com coca; em 2006, o número foi de 375.000 acres.

Além de não reduzir o cultivo de coca, a erradicação aérea resultou em atrito com os vizinhos, particularmente com o Equador, que está preocupado com o derramamento. Também tem causado oposição intensa dos camponeses colombianos e os defensores deles, que acusam que o glifosato, o pesticida usado na fumigação, tem prejudicado o meio ambiente, o gado e as pessoas.

Agora, como o controle republicano em Washington está passando para os democratas da Câmara e do Senado, o Congresso está dando sinais de que quer se afastar da erradicação aérea. O presidente colombiano Álvaro Uribe não vai esperar.

"Em lugar de conseguir a adesão dos colombianos à erradicação da droga, [a fumigação aérea] provoca reclamações e provoca reações contra a erradicação", disse Uribe em um discurso de 20 de julho no qual ele anunciou a mudança. A fumigação continuaria sendo somente uma parte "marginal" da estratégia antidrogas, disse.

"Mais do que um revés, é uma evolução. Estamos dando maior importância à erradicação manual do que à fumigação", confirmou o ministro da Defesa, Juan Manuel Santos, para os repórteres em Washington, onde ele estava discutindo os novos planos com os legisladores estadunidenses e pressionando o Congresso para que permitisse mais flexibilidade no uso da ajuda antidrogas dos EUA. "A erradicação manual pode ser mais eficaz e, às vezes, mais barata", acrescentou Santos.

http://stopthedrugwar.org/files/eradication.jpg
trabalho de erradicação aérea
A mudança de políticas foi aclamada pelo jornal mais importante da Colômbia, El Tiempo, em um editorial na semana passada. "Anunciar que se reduzirá a aspersão aérea e se redobrarão esforços na erradicação manual é um primeiro passo para dotar a Colômbia de uma estratégia antidrogas que não atenda só as 'recomendações' de Washington", disse o editorial.

A mudança anunciada é o resultado tanto do descontentamento colombiano com os resultados da fumigação quanto do novo equilíbrio do poder em Washington, onde os democratas do Congresso hesitam muito mais em dar um cheque em branco ao governo Bush a respeito da Colômbia, disseram os analistas estadunidenses à Crônica da Guerra Contra as Drogas.

No Congresso, os democratas estão propondo cortes profundos na ajuda militar à Colômbia e tentando mudar as prioridades da segurança para o desenvolvimento econômico. Um projeto de lei da Câmara faria isso mesmo. Enquanto isso, a versão do Senado da Lei de Diretrizes Orçamentárias para o Exterior destina $10 milhões de ajuda militar para proporcionar segurança à erradicação manual e restringiria a aspersão aérea a áreas específicas em que o Ministério das Relações Exteriores certificou que a erradicação manual não é possível.

"Um motivo da redução é que o Congresso soltará menos dinheiro para isso, mas até os colombianos conservadores nunca ficaram muito entusiasmados com a fumigação", disse Adam Isaacson do Center for International Policy, que monitora os gastos do Plano Colômbia. "Os militares colombianos não gostam dela porque não lhes ajuda a ganhar simpatia. Uribe está dizendo que estão tentando aumentar a presença do governo nessas áreas e que a fumigação dificulta isso, então tentarão fazer mais erradicação manual", disse.

Embora a decepção colombiana com os resultados da fumigação seja um fator, a nova era em Washington é o que está mudando as coisas, sugeriu Isaacson. "A mudança no Congresso tem sido o fator decisivo", disse. "Ano após anos, temos visto estes dados desastrosamente decepcionantes da erradicação e os colombianos tinham que engoli-los porque toda voz no poder em Washington dizia que tinham que fazê-lo. Agora, os colombianos têm a chance de dizer o que pensam de verdade sobre essa política".

"Os colombianos estão fazendo isto em parte porque a fumigação aérea simplesmente não deu certo", disse Annalise Romoser do Gabinete de Assuntos Colombianos nos Estados Unidos, uma organização sem fins lucrativos sediada em Washington, DC, que faz consultoria para o Ministério das Relações Exteriores a respeito das questões da Colômbia. "Desde 2000, quando começamos a enorme campanha de fumigação aérea, houve um imenso aumento na produção", disse ela.

"Os colombianos também estão respondendo à mensagem que estão ouvindo do Congresso dos EUA", disse Romoser. "Está claro que tanto a Câmara quanto o Senado estão preparados para cortar drasticamente o financiamento e o governo colombiano não está nem interessado nem é capaz de assumir os custos da erradicação aérea sem o apoio dos EUA que esteve recebendo".

Mas, simplesmente mudar da fumigação aérea para a erradicação manual não basta, disse Romoser. "A erradicação manual só será bem-sucedida quando levada a cabo em consulta com as comunidades afetadas. Precisamos de consultas, não erradicação forçada. As comunidades com que trabalhei no sul são contrárias à erradicação forçada. Se o fizerem sem programas de desenvolvimento socioeconômico em vigor antes de começarem, isso pode acabar sendo muito divisivo".

A erradicação sem o desenvolvimento é uma receita de instabilidade, concordou Isaacson. Ele apontou a experiência da Bolívia de uma década atrás, quando o governo de Hugo Banzer revelou o Plano Dignidade e se lançou a uma campanha de erradicação forçada sem consultas. O caos resultante nos cocais levou a anos de instabilidade política.

"Quando surgiu o Plano Dignidade, os cocaleiros ficaram fulos", lembrava ele. "Bloqueios de estrada, manifestações e, de repente, o cabeça do sindicato cocaleiro do Chapare é o presidente da Bolívia”.

Esse resultado é improvável na Colômbia, onde os cocaleiros não têm nem os números relativos nem a força institucional dos seus homólogos na Bolívia. Mas, como o governo colombiano está pronto para passar da fumigação à erradicação manual "mais amável e gentil" dos cultivos, o potencial de mais conflito social permanece alto, especialmente se a erradicação não for parte de um programa de desenvolvimento socioeconômico integrado e holístico. Até agora, nem o governo dos EUA nem o da Colômbia demonstraram muito apetite por isso.

Anuncio: Nuevo formato para el Calendario del Reformador

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Con el lanzamiento de nuestra nueva página web, El Calendario del Reformador ya no aparecerá como parte del boletín Crónica de la Guerra Contra las Drogas, pero será mantenido como sección de nuestra nueva página web:

El Calendario del Reformador publica grandes y pequeños eventos de interés para los reformadores de las políticas de drogas alrededor del mundo. Ya sea una gran conferencia internacional, una manifestación que reúna a personas de toda la región o un foro en la universidad local, queremos saber para que podamos informar a los demás también.

Pero necesitamos su ayuda para mantener el calendario actualizado, entonces por favor contáctenos y no suponga que ya estamos informados sobre el evento o que vamos a saberlo por otra persona, porque eso no siempre sucede.

Deseamos informarle sobre nuevos reportajes de nuestra nueva página web apenas estén disponibles.

Anuncio: Los feeds RSS de DRCNet están disponibles

Los feeds RSS son una onda del futuro – ¡y la DRCNet los ofrece ahora! La última edición de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas está disponible usando RSS en http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Tenemos muchos otros feeds RSS disponibles también, sobre cerca de cien subtópicos distintos de las políticas de drogas que empezamos a rastrear desde el relanzamiento de nuestra página web este verano – relacionando no solamente los artículos de la Crónica de la Guerra Contra las Drogas, sino también las publicaciones en el Bar Cladestino, los listados de eventos, los enlaces a noticias externas y más – y para nuestras publicaciones diarias en los blogs y en sus distintas subdirecciones. Visite nuestro Mapa del Sitio para leer la serie completa.

¡Gracias por sintonizarse en la DRCNet y en la reforma de las políticas de drogas!

Anuncio: ¡Ahora los feeds de agregación de contenido de la DRCNet están disponibles para SU página web!

¿Usted es un aficionado a la DRCNet y tiene una página web que le gustaría usar para difundir el mensaje con más fuerza que un único enlace a nuestra página puede lograr? Tenemos la satisfacción de anunciar que los feeds de agregación de contenido de DRCNet están disponibles. Tanto si el interés de sus lectores está en el reportaje investigativo como en la Crónica de la Guerra Contra las Drogas, el comentario corriente en nuestros blogs, la información sobre subtópicos específicos de la guerra a las drogas, ahora podemos darles códigos personalizables para que usted los ponga en los lugares adecuados en su blog o página web y actualicen automáticamente los enlaces al contenido de concienciación de DRCNet.

Por ejemplo, si usted es un gran aficionado a la Crónica de la Guerra Contra las Drogas y cree que sus lectores sacarían beneficios de ella, puede tener los titulares de la última edición, o una porción de ellos, apareciendo y actualizándose automáticamente cuando salga cada nueva edición.

Si su página web es dedicada a las políticas de marihuana, puede publicar nuestro archivo temático, con enlaces a todos los artículos que publicamos en nuestra página acerca de la marihuana – los artículos de la Crónica, las publicaciones en los blogs, el listado de eventos, enlaces a noticias externas y más. Lo mismo vale para la reducción de daños, la confiscación de bienes, la violencia del narcotráfico, los programas de trueque de jeringas, Canadá, las iniciativas electorales, casi cien tópicos distintos que rastreamos corrientemente. (Visite la portada de la Crónica, en la columna derecha, para ver la lista actual completa.)

Si a usted le gusta especialmente nuestra nueva sección del Bar Clandestino, hay contenido nuevo todos los días tratando de todas las cuestiones y usted puede poner enlaces a esas publicaciones o a subsecciones del Bar Clandestino.

Haga clic aquí para ver una muestra de lo que está disponible - por favor, fíjese que la extensión, la apariencia y demás detalles de cómo ello aparecerá en su página pueden ser personalizados para adecuarse a sus necesidades y preferencias.

Por favor, fíjese también que estaremos contentos en hacerle más permutas de nuestro contenido disponible bajo pedido (pese a que no podamos prometer cumplimiento inmediato de dichas solicitaciones ya que, en muchos casos, la oportunidad dependerá de la disponibilidad de nuestro diseñador web). Visite nuestro Mapa del Sitio para ver lo que está disponible actualmente – cualquier feed RSS disponible allí también está disponible como feed de javascript para su página web (junto con el feed de la Crónica que no aparece todavía pero que usted puede encontrar en la página de feeds relacionada arriba). Experimente nuestro generador automático de feeds aquí.

Contáctenos si quiere asistencia o infórmenos sobre lo que está relacionando y adónde. Y gracias de antemano por su apoyo.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Safe Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School