Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Weekly: This Week in History

Posted in:

July 24, 1967: The Beatles pay for a full page advertisement in a British newspaper, which states, "The law against marijuana is immoral in principle and unworkable in practice." The ad calls for the legalization of marijuana possession, release of all prisoners on marijuana possession charges and government research into medical uses.

July 23, 1985: Tulio Manuel Castro Gil, judge of the Superior Court of Bogota, Colombia, is assassinated as he climbs into a taxi, following his indictment of Pablo Escobar for the murder of Lara Bonilla.

July 20, 1995: The total number of US marijuana arrests since 1965 passes the 10,000,000 mark, according to an estimate by NORML.

July 22, 1997: Drug Czar General Barry McCaffrey says, "In the view of the nation's scientific and medical community, marijuana has a high potential for abuse and no generally accepted therapeutic value." He says this despite an editorial from the January 30, 1997 issue of the New England Journal of Medicine that states, "Federal authorities should rescind their prohibition of the medicinal use of marijuana for seriously ill patients and allow physicians to decide which patients to treat."

July 26, 2001: The British newsmagazine The Economist devotes an entire issue to drug policy, endorsing decriminalization and harm reduction.

July 25, 2002: The Hawaiian Tribune Herald reports: Marijuana eradication in Hawaii contributed to the increase in the use of the drug "ice," according to a three-year study prepared for the National Institute on Drug Abuse. The study's four-page executive summary states, "The use of ice in Honolulu had led to particularly serious physical and psychological problems and significant social disruption in poor working communities where it replaced marijuana, which had become scarce and expensive due to eradication policies... Residents were both pushed away from pakalolo [marijuana], their staple drug of choice, and pulled toward ice by a well organized marketing campaign by Asian distributors." It also notes that violence is more prevalent in the Honolulu meth users.

July 26, 2003: The Honolulu Advertiser reports that a Hilo woman who smokes marijuana to treat her glaucoma received a check for $2,000 from her homeowners insurance company for the loss of four plants stolen from her yard. Under a state law passed in 2000, patients with permits who are under a doctor's care may possess up to 3 ounces of marijuana and grow up to seven plants at a time for medical purposes.

July 28, 2003: James Geddes, originally sentenced to 150 years for possession of a small amount of marijuana and paraphernalia and for growing five marijuana plants, is released.

July 21, 2004: The Multidisciplinary Association for Psychedelic Studies (MAPS), Prof. Lyle Craker, and Valerie Corral file lawsuits against the DEA, HHS, NIH, and NIDA for obstructing medical marijuana research.

Job Opportunity: Research and Policy Associate, Vera Institute of Justice, DC

Responsibilities of the research and policy associate include conducting research, interviewing experts, visiting facilities, and writing standards for the National Prison Rape Elimination Commission (NPREC). The research and policy associate reports to the director. In addition to working on standards for NPREC, the office will be developing programs to further the work of the Commission on Safety and Abuse in America's Prisons. The research and policy associate may work on a number of projects but initially will play a substantial role in the work that Vera produces for NPREC. Additionally, the research and policy associate will be responsible for producing targeted literature reviews, assessing existing standards, researching problems and practices in a variety of correctional environments, and working with the Vera staff and experts in the field to develop appropriate standards.

Applicants should have at least three years of research experience or other relevant experience in law or corrections and have worked in the area of criminal justice, prisons, or closely related fields. Applicants should have a law or master's degree. Particular experience with issues related to sexual violence, although not required, would be useful. A demonstrated interest in issues related to prison conditions is an important quality in an applicant. Excellent writing and research skills are required. In addition, there will be some travel required.

The salary is mid-40's to mid-50's, or dependent on experience; excellent benefits.

To apply, send a cover letter and résumé to: Alex Busansky, Commission on Safety and Abuse in America's Prisons, 601 Thirteenth Street, NW, Suite 1150 South, Washington, DC 20005. You can also e-mail the information to job.rpassociate.dc0707@vera.org or fax it to (202) 639-6066. Only applicants selected for interviews will be contacted. No telephone calls, please.

Background

In June 2006 the Vera-staffed Commission on Safety and Abuse in America's Prisons issued its final report and recommendations to prevent violence and abuse in prisons and jails, to improve safety for prisoners and staff, to improve the medical and mental health care of prisoners, and to improve public safety and public health through the work of responsible corrections. Vera staff in Washington, DC, continue the work that the Commission started by pursuing a variety of projects aimed at improving safety and conditions in prisons and jails. As part of this work, Vera staff are working with the National Prison Rape Elimination Commission (NPREC) to develop standards for lock-ups, jails, prisons, juvenile facilities, community corrections, and immigration detention centers. The standards will contribute to the detection and prevention of, and response to sexual assault and rape during incarceration. NPREC was established by the Prison Rape Elimination Act of 2003 and is charged with conducting research and developing standards addressing prison rape. NPREC is currently scheduled to issue a report and standards in winter 2008-2009.

The Vera Institute values diversity and is proud to be an equal opportunity employer.

Web Scan

Criticism of Fumigation Grows in Colombia as Cocaine Trade is Undiminished, report by Matthew Stein in World Politics Review

Pardon Whom?, Katha Pollitt suggests the president look to the war on drugs, in The Nation

A Crack in the System, American Prospect on prospects for crack sentencing reform

The Marijuana Lobbyist, The Hill article about MPP's Aaron Houston

A Home for Ibogaine in Barcelona, Mary Clare Ditton on the Huffington Post

DrugTruth Network:
Cultural Baggage for 07/13/07: Jay Fisher, asst Atty General in Georgia, a member of Law Enforcement Against Prohibition (MP3)
Century of Lies for 07/13/07: Medical Marijuana Special: Jeff Jones, Paul Armentano, Bruce Mirken & Canadian Radio extract (MP3)

Vlissingen drug consumption rooms, video from the HaRdCOREhARMREdUCER web site, Belgium

report of the French Observatory on Drugs on cannabis consumption and cultivation in France

Weekly: Blogging @ the Speakeasy

Along with our weekly in-depth Chronicle reporting, DRCNet has since late summer also been providing daily content in the way of blogging in the Stop the Drug War Speakeasy, as well as Latest News links (upper right-hand corner of most web pages), event listings (lower right-hand corner) and other info. Check out DRCNet every day to stay on top of the drug reform game!

http://stopthedrugwar.org/files/flapper1-arbizu.jpg
Speakeasy photo, with flappers (courtesy arbizu.org)

This week:

Scott Morgan brings us: "It's Time for the Drug Czar to Resign," "Sen. Coburn Thinks Police Should Shoot Drug Suspects in the Back," "Clinton Promises to End Federal Raids on Medical Marijuana Dispensaries," "Showtime's "In Pot We Trust"is a Must-see," "The Difference Between Pot Growers and Terrorists," "Rudy Giuliani's Position on OxyContin and Pain Management Is Correct ," "David Murray Lies About Steve Kubby's Position on Medical Marijuana" and "Drug Czar Says Pot Growers are 'Terrorists.'"

Phil Smith opines, "When Oversight Means Oversight: Waxman Goes After Walters for Politicizing His Office," and points out how "Rudy Hates Pot Smokers (Especially Black and Brown Ones) More Than He Likes Effective Policing."

David Borden comments that "You know the drug war's been lost when they're growing marijuana right outside the DEA's office..." and discusses "Hurwitz Receives Lesser Sentence Second Time Around, Could Be Free in 17 Months.

David Guard has been busy too, posting a plethora of press releases, action alerts, job listings and other interesting items reposted from many allied organizations around the world in our "In the Trenches" activist feed.

Join our Reader Blogs here.

Thanks for reading, and writing...

Feedback: Do You Read Drug War Chronicle?

Posted in:

Do you read Drug War Chronicle? If so, we'd like to hear from you. DRCNet needs two things:

  1. We are in between newsletter grants, and that makes our need for donations more pressing. Drug War Chronicle is free to read but not to produce! Click here to make a donation by credit card or PayPal, or to print out a form to send in by mail.

  2. Please send quotes and reports on how you put our flow of information to work, for use in upcoming grant proposals and letters to funders or potential funders. Do you use DRCNet as a source for public speaking? For letters to the editor? Helping you talk to friends or associates about the issue? Research? For your own edification? Have you changed your mind about any aspects of drug policy since subscribing, or inspired you to get involved in the cause? Do you reprint or repost portions of our bulletins on other lists or in other newsletters? Do you have any criticisms or complaints, or suggestions? We want to hear those too. Please send your response -- one or two sentences would be fine; more is great, too -- email borden@drcnet.org or reply to a Chronicle email or use our online comment form. Please let us know if we may reprint your comments, and if so, if we may include your name or if you wish to remain anonymous. IMPORTANT: Even if you have given us this kind of feedback before, we could use your updated feedback now too -- we need to hear from you!

Again, please help us keep Drug War Chronicle alive at this important time! Click here to make a donation online, or send your check or money order to: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036. Make your check payable to DRCNet Foundation to make a tax-deductible donation for Drug War Chronicle -- remember if you select one of our member premium gifts that will reduce the portion of your donation that is tax-deductible -- or make a non-deductible donation for our lobbying work -- online or check payable to Drug Reform Coordination Network, same address. We can also accept contributions of stock -- email borden@drcnet.org for the necessary info.

Europe: Britain to Review Marijuana's Classification, Could Be Moved Back to Tougher Drug Schedule

New British Prime Minister Gordon Brown told parliament Tuesday that his government will reconsider whether marijuana should remain a Class C drug (steroids, minor tranquilizers) or should be treated more harshly and considered a more dangerous Class B drug (amphetamines, barbiturates). The move comes as the opposition Conservatives have called for rescheduling and amidst a sustained media scare campaign linking marijuana to mental illness.

The government of then-Prime Minister Tony Blair downgraded marijuana to Class C in January 2004, which largely made marijuana possession a non-arrestable offense. But the move has been controversial since its inception, and has already been reviewed twice before. The Advisory Council on the Misuse of Drugs (ACMD), which is charged with the new review, also reviewed the decision last year, but found the risks were not severe enough to merit reclassification. Similarly, former Home Secretary Charles Clarke commissioned a review of the decision, but decided in January 2005 to keep marijuana in Class C.

"We will be asking the ACMD to review the classification of cannabis, given the increase in strength of some cannabis strains and their potential harm," the Home Office said Wednesday. "It would be wrong to prejudge that review which shows how seriously we take our priority of reducing drug-related harm."

The opposition Tories, who are calling for a harder line on drug policy, said they would support reclassification. "We would welcome the reclassification of cannabis," said Shadow Home Secretary, David Davis. "Drugs are a scourge on society and a major cause of crime which Labor has failed to tackle. We have long called for the reclassification of cannabis based on the science and evidence available which shows all too clearly the real damage this drug can do to people -- especially young people."

While drug policy groups differed in their responses to the Brown government's announced review, none supported reclassification. Instead, such groups called for the review to be viewed in the context of a broader review of drug policy as the British government's 10-year drug plan ends in 2008.

"This announcement is all about political posturing, and has nothing to do with science," said a spokesman for the Transform Drug Policy Institute. "It follows in the wake of a series of all-too-familiar cannabis health panics, which have been hyped up by certain newspapers and more recently the Tory party who have been vocally calling for reclassification back to B."

The review of marijuana classification was redundant, Transform argued. "In reality the potency issue and the mental health issues associated with cannabis are well understood and have not changed significantly since they were last reviewed by the ACMD in 2005. The ACMD will not be happy to have to rake over the coals yet again: there is no evidence to warrant another time consuming review, and even if there were, there is also no evidence to suggest another reclassification would reduce harm.

It is not marijuana's classification but its criminalization that is the problem, the group said. "Classification appears to be entirely irrelevant to levels of use, or associated harms; Since the move from B to C in 2004, cannabis use has continued its slow decline, according to data from the British Crime Survey," Transform noted. "It is the criminalization of cannabis, and the unregulated illegal markets this creates, that is responsible for increasing the harms associated with its supply and use. If the Government is serious about reducing harm they should legally regulate the trade and use their limited resources to educate young people about the risks."

Rethink, an organization that concentrates on mental health issues, didn't call for legalization but for a public health campaign to warn of the mental health dangers of the weed. Paul Corry, Rethink's director of public affairs, says:

"We welcome the review of the government's drugs strategy and fully expect it to endorse the now accepted link between high risk groups using cannabis and the development of severe mental illness," said Paul Corry, the group's director of public affairs in a Wednesday press release "The strategy should look back at past government promises of a high profile, sustained public health campaign on the issue and ask 'what happened to it?'"

But while Rethink emphasized the dangers of marijuana consumption, the group did not see reclassification as the answer. "Although there has been renewed interest in yet again reclassifying cannabis, the experiences of our members tell us that reintroducing tougher criminal penalties for possession and use would do nothing to reduce use," said Corry. "What most people who have experienced the misery of developing mental illness from using cannabis want to see is a properly funded health campaign, not harsher laws that end up criminalizing people who have developed a health problem."

For the past decade, Britain has been one step forward, one step back on marijuana policy. It looks like the political pressure is building for one step back again.

Harm Reduction: Jersey City Signs Up for Needle Exchange

The Jersey City, New Jersey, City Council Wednesday unanimously passed an ordinance allowing for the creation of a needle exchange program in the city. The move came after the city hesitated earlier this year because Mayor Jeremiah Healey, a needle exchange supporter, balked at a part of the state's pilot program that would have included a needle exchange van.

Jersey City becomes the fifth Garden State city to pass a needle exchange ordinance since Gov. Jon Corzine (D) signed a bill allowing them into law in December. The other cities are Atlantic City, Camden, Newark, and Paterson. None have functioning needle exchange programs yet. All have either just passed ordinances or have applications to join the pilot program under review by the state.

New Jersey has the highest rate of cumulative HIV/AIDS cases among women, the third highest rate of pediatric HIV/AIDS cases, the fifth highest rate of adult HIV/AIDS cases and a rate of injection-related HIV infection that is nearly twice the national average.

Still, it took years of activism and lobbying by local public health officials and the Drug Policy Alliance, whose Roseanne Scotti paced the halls of the state capitol, to win approval of needle exchange programs in New Jersey. And the battle isn't over yet. Seven other New Jersey cities that could be eligible to participate have so far failed to do so.

Drug Use: One in 12 US Workers Uses Drugs, SAMHSA Says

One out of every 12 full-time workers in the United States used an illegal drug in the past month, according to survey data released Monday by the Substance Abuse and Mental Health Services Administration (SAMHSA). The survey indicated that 8.2% of full-time workers -- or 9.4 million people, including 7.3 million marijuana smokers -- were past-month illegal drug users.

The survey also found that about 10.1 million full-time workers were heavy alcohol users, defined as downing five drinks at a time at least five times a month. Although SAMSHA's inclusion of past-month drug users with heavy alcohol drinkers suggests an equivalence between the two groups, that is not borne out by its estimates of dependence or abuse among the two. Of the 9.4 million illegal drug users, less than a third met SAMSHA's dependency or abuse criteria -- which undoubtedly overstate the number of problem substance users -- while the number dependent on alcohol or who abused alcohol was 10.5 million -- more than the number identified as heavy drinkers.

The report found the highest rates of current illicit drug use were among food service workers (17.4%) and construction workers (15.1%). Highest rates of current heavy alcohol use were found among construction, mining, excavation and drilling workers (17.8%), and installation, maintenance, and repair workers (14.7%). Public security workers, librarians, and health workers had the lowest rates of illegal drug use.

Other, unsurprising, findings: Young people were more likely to be illegal drug users or heavy drinkers, and drug users were less likely to work for employers who had drug testing programs.

Government anti-drug officials used the survey data release to raise alarms about workplace drug use and call for expanded drug testing. "Substance abuse is a serious problem for the health, wellbeing and productivity of everyone in the workplace," said SAMHSA Administrator Terry Cline.

"Employees who use drugs miss work more often, are less healthy, and are more prone to harming themselves and others in the workplace," said drug czar John Walters. "We hope that employers will take note of this report and consider implementing workplace drug testing policies that can help prevent drug use before it starts, help identify drug-using employees who need drug treatment services and also reduce employers' liability from drug-related workplace accidents."

"The high rates of drug and alcohol use in hazardous industries is cause for concern," said Elena Carr, drug policy coordinator at the US Department of Labor (DOL). "Clearly businesses can ill-afford the risk of having workers operating meat slicers, backhoes, or other dangerous equipment while under the influence of alcohol or drugs, which is one reason why DOL helps employers and employees work together to proactively prevent such safety hazards."

Of course, admitting to past month drug use or heavy drinking does not necessarily equate to "operating… dangerous equipment under the influence of alcohol or drugs." While the people paid to send out anti-drug messages see only danger, an alternative reading of the data could suggest that millions of American workers manage to hold down jobs despite smoking a joint on the weekend or perhaps drinking too much.

The report is Worker Substance Use and Workplace Policies and Programs.

Medical Marijuana: ONDCP Claims Steve Kubby Has Changed His Mind, Kubby Says No Way!

The Office of National Drug Control Policy (ONDCP -- the drug czar's office) used testimony submitted to Congress last week to misrepresent the position of Steve Kubby, a leading California medical marijuana advocate. Kubby acted this week to denounce the deception and clarify his continuing support for medical marijuana.

http://stopthedrugwar.org/files/kubby1.gif
Steve Kubby
In written testimony before the House Judiciary Subcommittee on Crime, Terrorism and Homeland Security, Dr. David Murray, ONDCP's Chief Scientist called medical marijuana advocates "modern-day snake oil proponents," sneered at medicines that make patients "feel good," and claimed that laws okaying medical marijuana in a dozen states have led to "abuse, confusion, and crime." Then, to further buttress his argument against the therapeutic use of the herb, he added:

"Founding proponents of medical marijuana in the United States have reversed their key positions of support for medical marijuana. Rev. Scott Imler, Co-founder of Prop 215, has lamented the passage of California's medical marijuana law stating that, 'We created Prop. 215 so that patients would not have to deal with black market profiteers. But today it is all about the money. Most of the dispensaries operating in California are little more than dope dealers with store fronts.' Imler also said that medical marijuana has 'turned into a joke.' Steve Kubby, another Co-founder of medical marijuana in California stated in a letter to supporters on April 14th, 2006 that 'Marinol is an acceptable, if not ideal, substitute for whole cannabis in treating my otherwise fatal disease.' (Alternatives magazine, Fall, 2006 Issue 39, San Gabriel Valley Tribune 2/07, Message from Steve Kubby, Steve Kubby Released After Serving 62 Days in Jail, April 14th, 2006)"

Imler, a founder of the Los Angeles Cannabis Resource Center, which was raided and shut down by the DEA in 2001, has not taken exception to Murray's portrayal of his position -- after all, Murray accurately transcribed his words from the year-old magazine article. But Kubby, who was forced to resort to Marinol while jailed for two months in California, certainly took umbrage.

"My comments about Marinol were based upon my relief that I did not die in jail," he wrote in an email to supporters. "My comment was intended to acknowledge that I did get good blood pressure control with the Marinol and that finding certainly deserves further study. On the other hand, I lost 33 pounds in 62 days while on Marinol, so perhaps I should have used stronger language than 'less than ideal.'"

Kubby suffered from almost constant nausea while on Marinol, he wrote, adding that Murray took his sentence about Marinol out of context. The paragraph from which it was extracted reads as follows: "During that time I experienced excruciating pain, a vicious high blood-pressure crisis, passed blood in my urine and I lost 33 pounds. However, there was also good news. I learned that Marinol is an acceptable, if not ideal, substitute for whole cannabis in treating my otherwise fatal disease. Now I am a free man and I am profoundly grateful to be alive and to have friends and supporters such as you."

While conceding that Marinol can be effective for treatment of hypertension and would allow him to travel briefly without medical marijuana, it does not allow him to have an acceptable quality of life, Kubby said.

"Please help me squash this deceptive and dangerous misrepresentation of my true feeling on this matter by the ONDCP," Kubby wrote. "It just shows how desperate they are that they must mislead people in this way. And just so there is no question about this, let me be clear: Whole cannabis is not only the best medicine for me, it is the only medicine that has kept me alive during the 32 years that I have continued to live, in relatively good heath, despite a terminal diagnosis of malignant pheochromocytoma."

With Murray and ONDCP, it's sort of like that old country song title: "Who Are You Going to Believe -- Me or Your Lying Eyes?"

Marijuana: Drug Czar Calls Pot Growers Dangerous Terrorists

In a bout of rhetorical excess unusual even for the nation's drug czar, Office of National Drug Control Policy (ONDCP) head John Walters called California marijuana growers "violent criminals" and "terrorists" who wouldn't think twice about helping foreign terrorists enter the country to cause mass casualties. Walters made his remarks at a June 12 press conference in Redding, California as he lauded paramilitarized teams of law enforcement personnel conducting raids on marijuana grows on public lands in Shasta County.

People need to get over their "reefer blindness" and realize that drugs "fund terror and violence," Walters said in remarks reported by the Redding Record-Searchlight. As for pot growers tending crops on public land in the area: "These people are armed, they're dangerous," Walters said, calling them "violent criminal terrorists."

Upon reflection, the ONDCP noted the following day in its blog that Walter's comments were all good. "Do you have Reefer Blindness?" the blog post asked, qualifying the Redding Record-Searchlight story as "a good story" and displaying no second thoughts about Walters' incendiary rhetoric.

Unfortunately, no reporters present at the Walters press event challenged him on the role of marijuana prohibition in promoting violence or pushing marijuana growers onto public lands. Nor did anyone challenge him to present the least scintilla of evidence for his claim that marijuana growers would happily aid and abet Al Qaeda-style terrorists in attacking their fellow citizens. That is a good thing for Walters, because there simply isn't any.

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

Bad cops, bad cops, whatcha gonna do? A New York City cop helps drug dealers rip off other drug dealers, a North Carolina cop builds a really impressive bad cop resume, a former North Carolina sheriff can't account for much of his evidence, and an Indiana cop gets a slap on the wrist for stealing from a drug suspect. Let's get to it:

In New York City, an NYPD officer faces federal drug conspiracy charges for allegedly helping a gang of drug dealers rip off other drug dealers. Officer Darren Moonan was arrested July 8 on charges of conspiracy to distribute narcotics and conspiracy to commit robberies of drugs and drug money over a seven-month period beginning last December. Moonan and his five fellow co-conspirators allegedly netted at least $810,000 in cash and 200 pounds of marijuana in its robberies of competing drug dealers. Moonan is also accused of using his badge to avoid searches and driving stolen drug money away from the scenes of the crimes. He faces up to 60 years in prison.

In Edenton, North Carolina, an Edenton police officer was arrested July 10 for planting drug evidence on innocent people. Officer Michael Aaron Davidson was charged with altering evidence in a criminal investigation for repeatedly planting crack pipes on a man he arrested when a member of the Kinston Police Department back in 2000. Davidson was investigated but never arrested, and left the Kinston department during the initial investigation. According to the SBI, Davidson has been investigated numerous times over allegations of missing money, excessive use of force, and planting evidence (three other times). He was also investigated but not charged in a case where more than $2,000 in seized drug cash went missing. Davidson only went down now because another Edenton cop, Police Officer Nichole Gardner, got busted on Oxycontin charges and decided to mention that she had seen Davidson planting evidence.

In Asheville, North Carolina, a criminal investigation is underway into evidence handling in the Buncombe County Sheriff's Office after an audit showed that cash, guns, and drugs had gone missing. Former Sheriff Bobby Medford, who was in office for 12 years, is in the hot seat over either sloppy or crooked evidence handling during his tenure. According to an audit, at least $217,000 in seized cash could not be accounted for, nor could 337 firearms. In addition, marijuana, cocaine, and pills listed on 1,138 evidence entry sheets have gone missing.

In Evansville, Indiana, a former Evansville Police officer has been sentenced for stealing money from a drug suspect. Former officer Gerald Rainey, a highly decorated veteran, was charged in April after admitting to stealing money from a backpack seized during the arrest of a suspect on an outstanding drug warrant. He plea-bargained to one count of theft and was sentenced July 13 to 18 months probation and 80 hours of community service. The felony conviction means Rainey will not be able to work again as a police officer.

Editorial: Why Should the Drug Czar's Office Even Exist?

Posted in:

David Borden, Executive Director

http://stopthedrugwar.org/files/borden12.jpg
David Borden
The frequency of inappropriate or dishonest (or strange) behavior by the US Office of National Drug Control Policy (the drug czar's office) seems to be increasing. Last month, DRCNet Blog Editor Scott Morgan and I were wondering at the growing inanity of ONDCP's "anti-drug" ads, which has reached a point where we don't think even ONDCP could really believe they could work. Bizarre productions comparing smoking marijuana with putting leeches on your body, or suggesting if you smoke pot then an alien might steal your girlfriend, were themselves trumped by "Stoners in the Mist," a fake documentary video posted on ONDCP's AboveTheInfluence.com web site featuring the fictional character "Dr. Barnard Puck," who performs various experiments on marijuana users to test their behavior and reflexes. It's really hard to see this slickly-produced video as making any positive or meaningful contribution to anything. How much of our money did they spend to create it? I suggested that maybe they've admitted to themselves that the ads just don't work and can't be made to work, and have decided to go wild and have fun with any looney idea they can come up with while the money lasts.

On the honesty front, professors Robinson and Scherlen provided an embarrassment of riches in the form of their recently-released book Lies, Damn Lies, and Drug War Statistics, which documents in detail the misleading presentations of data ONDCP has made in their annual National Drug Control Strategy reports to create an appearance of an effective drug policy when in reality the policy has proven itself completely ineffective. David Murray, a high-level ONDCP official who is involved with the statistics, professed offense and indignation at a book forum hosted by the Cato Institute where he confronted the authors, artfully playing the part of an injured victim whose integrity has been unfairly maligned.

The details don't support that act, of course, and Murray's most recent public statement demonstrates his true stripes. In testimony to the House Judiciary Subcommittee on Crime, Terrorism and Homeland Security last week, Murray offered as evidence against the legitimacy of medical marijuana the claim that Steve Kubby, a prominent medical marijuana advocate, had reversed his position. In a response distributed by email, Kubby vehemently denied the claim, and demonstrated how Murray had taken his words out of context to create an appearance about them that is completely false.

Strange, but not the only strange words to come out of ONDCP recently. According to a news report from Redding, California: "John P. Walters, President Bush's drug czar, said the people who plant and tend the gardens are terrorists who wouldn't hesitate to help other terrorists get into the country with the aim of causing mass casualties."

WHAT?!?!?!?!?!?!?

When I saw the article, my first reaction was to wonder if Walters' presentation could have been misconstrued by the reporter, as it was not a direct quote, but a description. The direct quotes from Walters were offensive enough. But this particular idea just seemed too far out to me for even Walters to be willing to go there. I emailed the reporter to ask about this, but I haven't heard back from him, so I guess I can't say for sure. But I think we should give the reporter the benefit of the doubt, absent any evidence to the contrary. And a post on ONDCP's blog links to the Redding story, and calls it a "good story," suggesting they don't consider it inaccurate. The blog post has been online and unmodified now for six days, plenty of time for the higher-ups to catch anything they considered inappropriate.

Let's all agree that marijuana growers are out to make money, and therefore want most of all to remain undetected and to go about their business. Hence, they have a strong disincentive to get involved in anything that might attract attention to them, including supporting international terrorism targeting the United States. (I can't believe that even needed to be said.)

ONDCP week isn't over yet, though, we still have one more really big one. On Tuesday Rep. Henry Waxman, chairman of the House Operations and Government Reform Committee, accused ONDCP of engaging in electioneering last fall by sending drug czar Walters to make public appearances with Republican Representatives and Senators who were facing tough reelection campaigns. The evidence, which involves communications between Karl Rove, former White House Director of Political Affairs Sara Taylor and ONDCP staff, seems pretty compelling to me, at first glance at least. Of course, as drug reformers we know Walters has violated the law to campaign against marijuana reform ballot initiatives many times.

That's a political scandal. The policy scandal is that the agency continues to fund and lobby for programs which they know do not work. From the ad campaign and student drug testing, to Plan Colombia and the drug war as a whole, the evidence clearly shows we're not getting our money's worth, or maybe any worth. Putting that together with the nonsense constantly emanating from the agency -- misrepresentations of facts, violations of state and federal election laws, ads and quotes that can be truly wild and strange -- this seems like a good time to ask whether ONDCP should exist at all. What are we really getting from this agency that's worth keeping? Even people who agree with the drug laws ought to be taken aback at ONDCP's behavior by now.

Catching ONDCP in lies or lunacy or misconduct is getting to be like shooting fish in a barrel.

Retorno: Você lê a Crônica da Guerra Contra as Drogas?

Você lê a Crônica da Guerra Contra as Drogas? Se sim, gostaríamos de ouvi-lo. A DRCNet precisa de duas coisas:

  1. Estamos entre doações ao boletim informativo e isso torna a nossa carência de doações mais premente. É grátis ler a Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas não produzi-la! Clique aqui para fazer uma doação por cartão de crédito ou PayPal ou para imprimir um formulário a fim de mandá-lo por correio.

  2. Por favor, mande citações e informes sobre de que maneira você aplica o nosso fluxo de informação, para uso em futuras propostas de doação e cartas a financiadores ou possíveis financiadores. Você usa a DRCNet como fonte para falar em público? Para cartas ao editor? Ajuda a conversar com amigos ou sócios sobre a questão? Pesquisa? Para instrução própria? Você mudou de opinião sobre quaisquer aspectos das políticas de drogas desde que se inscreveu ou foi inspirado a se envolver na causa? Você reproduz ou republica partes dos nossos informativos em outras listas ou em outros informativos? Tem quaisquer críticas, reclamações ou sugestões? Queremos ouvi-las também. Por favor, mande a sua resposta - tudo bem se forem uma ou duas frases; seria ótimo ter mais também - mande um e-mail a borden@drcnet.org ou responda a um endereço eletrônico da Crônica ou use o nosso formulário eletrônico de comentário. Faça o favor de nos informar se podemos reproduzir os seus comentários, e, em caso positivo, se podemos incluir o seu nome ou se deseja continuar anônimo. IMPORTANTE: Mesmo se você nos deu este tipo de retorno antes, seria útil termos o seu retorno atualizado agora também - precisamos saber o que você acha!

Mais uma vez, por favor, ajude a manter a Crônica da Guerra Contra as Drogas viva nesta época importante! Clique aqui para fazer uma doação eletrônica ou envie o seu cheque ou ordem de pagamento a: P.O. Box 18402, Washington, DC, 20036. Faça a sua doação a nome da Fundação DRCNet para fazer uma doação dedutível do imposto de renda à Crônica da Guerra Contra as Drogas - lembre-se se escolher um dos nossos prêmios gratuitos que reduzirão a parte da sua doação que é dedutível de impostos - ou faça uma doação não-dedutível ao nosso trabalho de lobby - pela Internet ou através de chegue pagável à Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas no mesmo endereço. Também aceitamos contribuições em ações - mande um e-mail a borden@drcnet.org para as informações necessárias.

Apelo: Há uma vitória em obras, com a sua ajuda

Anos de trabalho deixaram a DRCNet e os nossos aliados próximos de uma vitória histórica no Congresso. Desde 1998, a DRCNet tem feito campanha pela revogação de uma lei infame, de autoria do congressista antidrogas Mark Souder, que atrasa ou nega ajuda financeira federal a estudantes em potencial por causa de condenações por crimes de drogas. Ontem, um comitê do Senado dos EUA aprovou um projeto de lei que, entre outras coisas, tiraria a "pergunta sobre as drogas" do formulário de auxílio financeiro federal - não é uma ab-rogação total, mas está próximo de ser - a luta não acabou, apesar de tudo, e precisamos de doações para nos ajudar a terminar o trabalho.


O último trabalho da DRCNet para ocasioná-lo inclui organizar abaixo-assinados sob a bandeira da Coalition for Higher Education Act Reform (CHEAR, sigla em inglês), inclusive um emviado aos senadores dos EUA e assinado por 120 organizações, inclusive muitos dos maiores grupos de apoio do país. Fundamos a CHEAR em 1999 - poucos meses depois que a lei foi aprovada, mas antes de entrar em vigor - e viemos aumentando-a desde então - ela é só uma parte do esforço multifacetado que temos feito para trazer as coisas a este ponto. (Visite http://www.raiseyourvoice.com para saber mais.)


 


As suas doações nos ajudarão a fazer mais pressão nos próximos meses para protegermos está vitória e para que ela se converta em algo ainda maior - a revogação total de uma lei federal sobre as drogas, algo que não aconteceu nos EUA desde 1970. E as suas doações transformarão esta campanha que já é bem-sucedida em algo maior encarregando-se de mais "conseqüências colaterais" da guerra às drogas -- mobilizar os grupos com que já trabalhamos para anular proibições parecidas na lei sobre a previdência, a moradia e as eleições, para fazer com que as leis sobre as penas mudem e mais. Estivemos "gastando as solas do sapato", indo a lugares em que precisamos estar para encontrar os parceiros de que precisamos para este esforço expandido e precisamos das suas doações para pagar as horas do pessoal a fim de que continue e ponha essas relações para funcionar.


 


Então, por favor, faça uma doação generosa à DRCNet hoje mesmo para apoiar esta campanha e nos ajudar a levá-la ao próximo estágio. Visite http://stopthedrugwar.org/donate para fazer uma doação eletrônica ou envie o seu cheque ou ordem de pagamento a: DRCNet, P.O. Box 18402, Washington, DC 20036. As doações à Drug Reform Coordination Network ou à Rede Coordenadora da Reforma das Políticas de Drogas para apoiar o nosso trabalho de pressão não são dedutíveis do imposto de renda. As doações dedutíveis para apoiar o nosso trabalho de conscientização podem ser feitas a nome da Fundação DRCNet no mesmo endereço. Também podemos aceitar contribuições em ações - mande um e-mail a borden@drcnet.org para obter as informações necessárias. Obrigado de antemão pelo seu apoio.


 


Atenciosamente,


 



David Borden, Diretor-Executivo


P.O. Box 18402


Washington, DC 20036


http://stopthedrugwar.org


 



 


 


 


 


 


 


entrevista coletiva de 2002 que a DRCNet organizou para a CHEAR, com dez congressistas participando.

Semanal: Blogando no Bar Clandestino

Junto com a nossa reportagem investigativa da Crônica, desde o verão passado a DRCNet também esteve proporcionando conteúdo diário na forma de blogagem no Bar Clandestino Stop the Drug War, assim como links às Últimas Notícias (canto inferior esquerdo) e mais informações. Cheque a DRCNet todos os dias para ficar a par da reforma das políticas de drogas!

http://stopthedrugwar.org/files/flapper1-arbizu.jpg
foto de bar clandestino, com as raparigas (por cortesia de arbizu.org)

Nesta semana:

Scott Morgan nos trae: "It's Time for the Drug Czar to Resign" [Chegou a hora do secretário antidrogas renunciar], "Sen. Coburn Thinks Police Should Shoot Drug Suspects in the Back" [O senador Coburn acha que a polícia deveria atirar em suspeitos de delitos de drogas pelas costas], "Clinton Promises to End Federal Raids on Medical Marijuana Dispensaries" [Clinton promete acabar com os reides federais contra os dispensários de maconha medicinal], "Showtime's ‘In Pot We Trust’ is a Must-see" [Não dá para perder “Na maconha confiamos” do Showtime], "The Difference Between Pot Growers and Terrorists" [A diferença entre cultivadores de maconha e terroristas], "Rudy Giuliani's Position on OxyContin and Pain Management Is Correct" [A posição de Rudy Giuliani sobre o Oxycontin e a terapia da dor está certa], "David Murray Lies About Steve Kubby's Position on Medical Marijuana" [David Murray mente sobre a posição de Steve Kubby a respeito da maconha medicinal] e "Drug Czar Says Pot Growers are 'Terrorists'" [O secretário antidrogas diz que os cultivadores de maconha são “terroristas”].

Phil Smith opina "When Oversight Means Oversight: Waxman Goes After Walters for Politicizing His Office" [Quando a supervisão é levada a sério: Waxman persegue Walters por politizar o gabinete dele] e observa como "Rudy Hates Pot Smokers (Especially Black and Brown Ones) More Than He Likes Effective Policing"
[Rudy odeia mais os fumantes de maconha (especialmente os negros e morenos) do que gosta de policiamento eficaz].

David Borden comenta que "You know the drug war's been lost when they're growing marijuana right outside the DEA's office..." [Sabe-se que a guerra às drogas foi perdida quando estão cultivando maconha bem do lado de fora do escritório da DEA...] e discute "Hurwitz Receives Lesser Sentence Second Time Around, Could Be Free in 17 Months” [Hurwitz pega uma sentença menor da segunda vez e pode estar livre em 17 meses].

David Guard também esteve ocupado publicando uma pletora de notas à imprensa, alertas, listas de empregos e outros artigos interessantes republicados de muitas organizações aliadas ao redor do mundo em nosso feed ativista "In the Trenches".

Una-se aos nossos Blogs do Leitor aqui

Obrigado por ler, e escrever...

Anúncio: Novo formato para o Calendário do Reformador

http://www.stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
Com o lançamento da nossa nova página, O Calendário do Reformador não aparecerá mais como parte do boletim Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas será mantido como seção de nossa nova página:

O Calendário do Reformador publica eventos grandes e pequenos de interesse para os reformadores das políticas de drogas ao redor do mundo. Seja uma grande conferência internacional, uma manifestação que reúna pessoas de toda a região ou um fórum na universidade local, queremos saber para que possamos informar os demais também.

Porém, precisamos da sua ajuda para mantermos o calendário atualizado, então, por favor, entre em contato conosco e não suponha que já estamos informados sobre o evento ou que vamos saber dele por outra pessoa, porque isso nem sempre acontece.

Desejamos informá-lo de mais matérias novas de nossa nova página assim que estiverem disponíveis.

Anúncio: Os feeds RSS da DRCNet estão disponíveis

Os feeds RSS são uma onda do futuro – e a DRCNet os oferece agora! A última edição da Crônica da Guerra Contra as Drogas está disponível usando RSS em http://stopthedrugwar.org/chronicle/feed.

Temos muitos outros feeds RSS disponíveis também, sobre cerca de cem subtópicos diferentes das políticas de drogas que começamos a rastrear desde o relançamento da nossa página neste verão – relacionando não somente os artigos da Crônica da Guerra Contra as Drogas, mas também as publicações no Bar Clandestino, as listas de eventos, os links a notícias externas e mais – e para as nossas publicações diárias nos blogs e em seus diferentes subendereços. Visite o nosso Mapa do Sítio para ler a série completa.

Obrigado por se sintonizar na DRCNet e na reforma das políticas de drogas!

Anúncio: Agora os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis para a SUA página!

Você é fã da DRCNet e tem uma página que gostaria de usar para difundir a mensagem com mais força do que um único link ao nosso sítio pode conseguir? Temos o prazer de anunciar que os feeds de agregação de conteúdo da DRCNet estão disponíveis. Tanto se o interesse dos seus leitores está na reportagem investigativa quanto na Crônica da Guerra Contra as Drogas, o comentário corrente nos nossos blogs, a informação sobre subtópicos específicos da guerra às drogas, agora podemos dar-lhes códigos personalizáveis para que você os ponha nos lugares adequados no seu blog ou página e atualizem automaticamente os links ao conteúdo de conscientização da DRCNet.

Por exemplo, se você for um grande fã da Crônica da Guerra Contra as Drogas e acha que os seus leitores tirariam benefícios dela, pode ter as manchetes da última edição, ou uma porção delas, aparecendo e atualizando-se automaticamente quando sair cada nova edição.

Se a sua página é dedicada às políticas de maconha, pode publicar o nosso arquivo temático, com links a todos os artigos que publicamos na nossa página acerca da maconha – os artigos da Crônica, as publicações nos blogs, a lista de eventos, links a notícias externas e mais. O mesmo vale para a redução de danos, o seqüestro de bens, a violência do narcotráfico, os programas de troca de seringas, o Canadá, as iniciativas eleitorais, quase cem tópicos diferentes que rastreamos correntemente. (Visite o portal da Crônica, na coluna direita, para ver a lista atual completa.)

Se você gosta especialmente da nossa nova seção do Bar Clandestino, há conteúdo novo todos os dias lidando com todas as questões e você pode colocar links a essas publicações ou a subseções do Bar Clandestino.

Clique aqui para ver uma amostra do que está disponível - por favor, note que a extensão, a aparência e demais detalhes de como isso aparecerá na sua página podem ser personalizados para se adequarem às suas necessidades e preferências.

Por favor, saiba também que ficaremos felizes em fazer-lhe mais permutas do nosso conteúdo disponível sob pedido (apesar de não podermos prometer o cumprimento imediato de tais solicitações já que, em muitos casos, a oportunidade dependerá da disponibilidade do nosso web designer). Visite o nosso Mapa do Sítio para ver o que está disponível atualmente – qualquer feed RSS disponível ali também está disponível como feed de javascript para a sua página (junto com o feed da Crônica que não aparece ainda, mas que você já pode encontrar na página de feeds relacionada acima). Experimente o nosso gerador automático de feeds aqui.

Entre em contato conosco se quiser assistência ou informe-nos sobre o que está relacionando e aonde. E obrigado de antemão pelo seu apoio.

Oportunidades de trabalho: Diretor de políticas federais e web developer, MPP, Washington

O Diretor de Políticas Federais deve ser um administrador ótimo e participativo, ter instintos políticos fortes e sólida experiência em relações políticas ou governamentais e ser capaz de promover persuasivamente as metas de políticas do MPP.

A meta principal do cargo é aprovar leis sobre a maconha medicinal no Congresso dos EUA, enquanto que se impede que projetos de lei ruins sejam promulgados. Especificamente, as responsabilidades do Diretor de Políticas Federais são as seguintes:

    <
  • Supervisionar e administrar com eficiência os trabalhos de lobby direto do MPP no Congresso, o que inclui dirigir o Diretor de Relações Governamentais, que é o principal lobista do MPP no Congresso; e aconselhar o Diretor-Executivo sobre estratégia legislativa, inclusive táticas para fazer progredir os projetos de lei e combater os projetos ruins;
  • Supervisionar o trabalho de dois ou mais beneficiários do MPP que estejam trabalhando para construir coalizões intradistritais para pressionar membros selecionados da Câmara dos Deputados dos EUA para votarem a favor da legislação sobre a maconha medicinal do MPP no plenário;
  • Supervisar e administrar com eficiência o Gerente de Campanha do Novo Hampshire do MPP, que está trabalhando com todos os candidatos à presidência, tanto democratas quanto republicanos, para que tomem posições positivas a respeito do acesso à maconha medicinal;
  • Administrar a campanha "Guerra contra o secretário antidrogas" do MPP, o que inclui coordenar os trabalhos legais contra a intromissão do secretário antidrogas da Casa Branca nos esforços municipais e estaduais de reforma das políticas sobre a maconha.

Além disso, o Diretor de Políticas Federais administra a quantidade de trabalho para o departamento composto por quatro pessoas (que também inclui um estagiário de tempo integral além dos empregados mencionados acima), escreve conteúdo para as páginas do MPP a respeito da legislação federal e redige cartas-modelo para que os assinantes eletrônicos as enviem aos seus congressistas.

O Diretor de Políticas Federais se reporta ao Diretor-Executivo.

Além de um salário competitivo, o cargo inclui plano de saúde completo e um pacote opcional de aposentadoria.

O cargo de Web Developer requer a capacidade de trabalhar excepcionalmente em um ambiente de campanha acelerado e de alta pressão - e é uma excelente oportunidade para que alguém meticuloso e trabalhador se aprofunde no aspecto tecnológico de uma organização de defesa bem-sucedida e de tamanho regular sem fins lucrativos.

A responsabilidade principal do administrador de rede é manter a presença do MPP na rede. Isto inclui, mas não está limitado a planejar, implementar e manter as páginas do MPP (inclusive instalar as páginas em um servidor, trabalhar com o pessoal do MPP para desenhar a interface - inclusive gráficos e elementos interativos - e integrar as páginas com os sistemas de gerência de conteúdo do MPP); manutenção geral da página mpp.org e todas as outras páginas relacionadas com o MPP (usando tecnologia compatível com os padrões XHTML e CSS); investigar, recomendar e implementar tecnologias de rede de ponta para ajudar o MPP e alcançar as suas metas; monitorar e dar informes regularmente sobre a atividade na rede para todas as páginas do MPP ao diretor de tecnologia da informação, ao chefe do quadro funcional e ao diretor-executivo; levar a cabo projetos específicos quando atribuídos a fim de desafogar a quantidade de trabalho em todo o departamento; e proporcionar ocasionalmente suporte técnico ao pessoal do MPP quando outros empregados de tecnologia da informação não estiverem disponíveis.

O MPP é uma organização que usa bastante a Apple, então ter muita experiência com Mac OS X e Mac OS X Server é um ponto positivo muito importante. Idealmente, o candidato ficará à vontade trabalhando e dando suporte aos sistemas, servidores e aplicativos de Mac OS X.

A familiaridade e experiência com desenvolver páginas e aplicativos usando JavaScript (W3C DOM, sem nenhum navegador em específico), PHP, Perl, Python e outras linguagens de seqüência de comandos e de programação são um ponto positivo; candidatos que possam demonstrar habilidades nesta área são muito desejados.

O salário do administrador de rede é de $40,000 a $50,000, dependendo da experiência. O seguro de saúde e um pacote opcional de aposentadoria estão inclusos. O administrador de rede se reporta ao diretor de tecnologia da informação, que, por sua vez, se reporta ao diretor-executivo do MPP.

Para se candidatar, por favor visite http://www.mpp.org/jobs/process.html e siga as instruções que estão ali. Repare, por favor, que as entrevista estão sendo realizadas conforme forem agendadas e os indivíduos interessados são incentivados a se candidatar muito depressa já que procuramos preencher este cargo o mais rápido possível.

Com mais de 21.000 membros e 100.000 assinantes eletrônicos em todo o país, o MPP é a maior organização de reforma das políticas de drogas nos Estados Unidos. O MPP trabalha para minimizar o dano associado à maconha - tanto o consumo de maconha quanto as leis que têm o propósito de proibir o seu uso - e acha que o maior dano associado à maconha é a reclusão. O MPP tem 23 empregados em seu escritório de DC, três empregados na Califórnia, cinco em Mineápolis e um no Novo Hampshire.

Oportunidade de trabalho: Harm Reduction Coalition, Oakland

O Especialista em Programa de Troca de Seringas será receptivo às necessidades de assistência técnica e treinamento dos Programas de Troca de Seringas da Califórnia e os Candidatos das Jurisdições Sanitárias Locais devem possuir habilidades organizacionais, perícia em treinamento e assistência técnica e experiência prática com o acesso comunitário às seringas. Dá-se preferência à experiência com a organização comunitária e a familiaridade com fornecedores de serviços locais e comunidades. Os candidatos ideais são pensadores independentes altamente organizados com a capacidade de viabilizar sistemas e dinamizar a informação através de diversos projetos. A HRC valoriza candidatos com uma forte ética de trabalho, senso comum, humor e compromisso com as questões dos direitos humanos e da justiça social.

O cargo está localizado em Oakland, CA e o salário varia entre $43,000-46,000.

Os deveres incluem coordenar as atividades relacionadas ao acesso às seringas, admissão de solicitações técnicas e de treinamento e planos de nível individual para o programa de troca de seringas carente; responder as solicitações de treinamento e assistência técnica em 48 horas; proporcionar assistência técnica a respeito de estratégias de implementação; desenvolver treinamentos regionais, individuais e grupais; manter relações com consultores e consultores contratados quando necessário; participar de reuniões do pessoal e do programa; trabalhar em comum com os demais projetos da HRC para organizar e consolidar materiais, publicações, currículos e folhas informativas, e outros deveres quando exigidos.

Para se candidatar, favor enviar o seu currículo e carta de apresentação por fax a (510) 444-6977. Não ligue, por favor. O prazo final para as candidaturas é o dia 21 de julho de 2007, então, por favor, apresse-se se estiver interessado no cargo.

As pessoas de cor, ex-presos e pessoas com antecedentes de consumo de drogas são incentivados a se candidatar. A HRC proporciona igualdade de oportunidades e oferece um salário competitivo com benefícios de saúde decentes.

A Harm Reduction Coalition (HRC) promove a saúde e os direitos humanos das pessoas que consomem drogas defendendo respostas eficazes das políticas para combater o HIV, a hepatite C, as mortes por overdose e a dependência química. Desde a sua concepção em 1994, a HRC passou de um pequeno grupo de ativistas da troca de seringas preocupados com a prevenção à HIV a líder de um movimento de base que cresce depressa e molda as políticas atuais de drogas e saúde pública para intervenções práticas e compassivas de redução de danos. A HRC proporciona suporte técnico, treinamento e construção de instalações para apoiar os programas de troca de seringas, secretarias de saúde e organizações comunitárias existentes na Califórnia. A meta é expandir o acesso às seringas nas áreas rurais e urbanas.

Semanal: Esta semana na história

13 de julho de 1931: A "Convenção Internacional de Limitação da Manufatura e Regulamentação da Distribuição de Drogas Entorpecentes" se reúne em Genebra.

18 de julho de 1956: A Lei de Controle dos Entorpecentes/Daniel [Narcotics Control Act/Daniel Act] é aprovada, estabelecendo sentenças mínimas obrigatórias para infratores da legislação antidrogas.

14 de julho de 1969: O presidente Richard Nixon envia uma mensagem ao Congresso chamada "Mensagem Especial ao Congresso sobre o Controle dos Entorpecentes e as Drogas Perigosas". A mensagem pede ao Congresso que promulgue legislação para combater os níveis crescentes de consumo de drogas.

17 de julho de 1980: Financiados por rancheiros ricos e chefes do tráfico sob Roberto Suárez Gómez, os "Generais da Cocaína" do "golpe da cocaína" da Bolívia tomam o poder. Depois de poucos meses sabe-se que dois deles, Pierluigi Pagliai e Stefano Delle Chiaie são terroristas direitistas do Propaganda Due (P-2) com supostas matanças em três continentes, e outro, Klaus Altmann, é ninguém mais ninguém menos que o fugitivo nazista de guerra, Klaus Barbie, o açougueiro de Lião. Barbie, que matara centenas de judeus, evitara o processo quando os estadunidenses na Alemanha ocupada o recrutaram como informante em 1947 e bolou a sua fuga.

17 de julho de 1984: A Guerra Contra as Drogas e a Guerra Fria colidem, quando o Washington Times publica uma matéria detalhando a infiltração bem-sucedida do informante da DEA, Barry Seal, nas operações do cartel de Medelhim no Panamá. A matéria foi vazada por Oliver North e mostra o envolvimento dos sandinistas nicaragüenses no tráfico de drogas. Dez dias depois, Carlos Lehder, Pablo Escobar, Jorge Ochoa e José Gonzalo Rodríguez Gacha são indiciados por um júri federal em Miami com base nas provas obtidas por Seal. Em fevereiro de 1986, Seal é assassinado em Baton Rouge, LA, por pistoleiros contratados pelo cartel.

13 de julho de 1995: O New York Times informa que a FDA concluiu pela primeira vez que a nicotina é uma droga causadora de dependência que deveria ser regulada.

13 de julho de 1998: A Associated Press informa que o secretário antidrogas dos EUA, Barry McCaffrey, criou uma polêmica na Holanda pela sua afirmação errônea de que "O índice de assassinato na Holanda é o dobro do dos Estados Unidos", que ele explica dizendo: "são as drogas". Na verdade, o índice holandês de homicídios dolosos é menor que um quarto do índice estadunidense. O embaixador holandês responde: "Devo dizer que acho que a oportunidade dos comentários dele - seis antes de ter planejado uma visita aos Países Baixos com a perspectiva de conseguir conhecimento em primeira mão sobre as políticas de drogas holandesas e seus resultados - é bem assombrosa".

15 de julho de 1998: O secretário antidrogas dos EUA, Barry McCaffrey, visita a Suíça para se encontrar com os funcionários responsáveis pelas políticas de drogas e para ver o programa de distribuição de heroína em primeira mão. McCaffrey deixa clara a preocupação do governo com o programa, observando que embora tais políticas possam trazer benefícios no curto prazo, os Estados Unidos pensam que no longo prazo provarão ser prejudiciais para o bem-estar da sociedade suíça.

17 de julho de 2001: A prefeita de Madison, Wisconsin, se manifesta sobre a guerra às drogas em seu discurso Estado da Cidade. Ela diz: "Enquanto cidade e enquanto sociedade, precisamos investir mais dinheiro em programas de prevenção e, portanto, menos no policiamento e no sistema de justiça penal. Chegou a hora de que o país, o estado, a comarca e a Cidade vejam o abuso de drogas e de álcool como problema de saúde pública. Infelizmente, durante anos a ênfase esteve sobre a guerra contra as drogas - uma tentativa de acabar com o consumo de drogas e o abuso de álcool punindo os consumidores/usuários abusivos. É uma estratégia fracassada".

19 de julho de 2001: O Washington Post informa que um informante confidencial da Administração de Repressão às Drogas (DEA, sigla em inglês) comprometeu dúzias de processos pelos Estados Unidos afora ao dar depoimentos falsos sob juramento e esconder os seus próprios antecedentes penais, mas que a DEA continuou empregando-o durante 16 anos apesar do conhecimento detalhado da sua malfeitoria, de acordo com entrevistas, registros judiciais e um relatório interno da agência.

19 de julho de 2001: Em conjunção com uma conferência de dois sobre o êxtase dirigida pelo Instituto Nacional sobre o Abuso de Drogas (NIDA, sigla em inglês), o senador Bob Graham (D-FL) apresenta a "Lei de Prevenção ao Êxtase de 2001" [Ecstasy Prevention Act of 2001]. Uma análise inicial do Center for Cognitive Libery & Ethics (CCLE, sigla em inglês) mostra que este novo projeto, embora proponha gerar mais dados científicos sobre as conseqüências da MDMA (êxtase) à saúde, aloca mais de 22 milhões de dólares a mais repressão legal, propaganda midiática e à criação de um novo exame toxicológico para a MDMA.

16 de julho de 2003: A presidenta das Filipinas, Gloria Arroyo, ordena queimas públicas semanais de drogas ilegais confiscadas pela polícia e também a publicação de fotos dos traficantes de drogas presos. "Vamos pôr um rosto e identificar estas pessoas e envolver o público na caça", diz Arroyo.

Busca na rede

o relatório da PBS sobre Alex Pena Blanca e o caso sobre o cânhamo lacota

a entrevista de High Times com Carl Olsen, discutindo a sua ação federal recentemente apresentada em busca de proteção legal para o consumo religioso de maconha, realizada por Jon Gettman

a edição do verão 2007 de The SSDP Voice

a edição de julho do Heroin Times

o relatório da NPR sobre suspender a proibição do financiamento da troca de seringas em DC

"Hard Road Home", Tony Papa sobre Julio Medina e a Exodus Transitional Community

a edição de verão das Cannabinoid Chronicles

o relançamento da página da LEAP

Barry Beyerstein: Perdemos um dos melhores

(reimpresso de The Trebach Report)

http://stopthedrugwar.org/files/beyerstein.jpg
o Prof. Barry Lane Beyerstein
Quando digo um dos melhores, digo-o com todas as letras. Barry, que acabou de falecer com a idade jovem de 60 anos, foi um acadêmico esplêndido, professor, ativista social e ser humano. Ele era sábio, compassivo e bondoso com todos com quem se encontrava. Em todos os anos que o conheci - quase metade da vida dele -, não consigo me lembrar de nenhuma ação de sua parte que não fosse doce e solidária e muito, muito sábia.

Meus pêsames à sua esposa, Susie, e aos seus filhos, sua filha Lindsay e seu filho Loren. Graças a Ethan Nadelmann e Kevin Zeese por me contar esta notícia triste, porém importante.

Eis aqui as minhas reflexões, algo serpenteantes, mas é assim que me sinto nesta manhã - assim e traumatizado e um pouco bravo com os caprichos às vezes cruéis do destino.

Tem sido fácil seguir o progresso de Lindsay porque ela virou uma da nova geração de especialistas em Internet ou blogueiros afiliados ao Google, acho. Por que me lembro desses anos passados, quando uma Lindsay muito mais jovem intrigou um acadêmico vindo da França fazer uma visita porque o francês que ela aprendeu na escola e no qual era fluente - era, bom, clássico e um francês moderno raramente o ouvia? Barry e Susie riam contidamente enquanto me contavam essa história. Tenho certeza de que não a contei direito e espero que seja corrigida logo.

Conheci ele e a sua esposa Susie quando participavam de um dos meus seminários comparativos sobre as políticas de drogas em Londres na Faculdade Imperial. Isto deve ter acontecido no início dos anos 1980 ou no fim dos anos 1970. A minha memória não é das melhores, mas lembro-me muito bem que Bruce Alexander também estava no seminário. De qualquer jeito, consigo me lembrar que na assistência estavam grandes profissionais canadenses e que ficamos todos nos alojamentos estudantis na Imperial no coração de Londres, ou perto do coração. Foi uma boa época e nos mantivemos em contato desde então. Até então tenho certeza de que completara a minha primeira monografia sobre políticas de drogas, "The Heroin Solution". Cobria a história comparativa do controle das drogas nos EUA e no Reino Unido - e, é lógico, a história da heroína. Logo, logo, passei a trabalhar no próximo, que lidava com a situação então corrente nos EUA, com um pouquinho de informação comparativa sobre o Canadá e também, claro, acerca da Grã-Bretanha. Queria chamá-lo "The War on Us" [A guerra contra nós]. A epígrafe seria "Conhecemos o Inimigo e somos Nós". Estou certo de que Barry gostou dessa idéia. O meu editor me convenceu a intitulá-lo The Great Drug War. Mesmo hoje, particularmente eu não gosto desse título. O que importa aqui é que eu podia contar com a reação de Barry e também de Bruce a todas as reviravoltas na minha pesquisa e com a leitura deles do manuscrito inteiro. Que dedicação e que tremenda ajuda! Citei muito o Barry em uma nota de rodapé importante nesse livro.

Barry e Bruce foram bem úteis quando lidei depois com o processo de montar a Drug Policy Foundation, com a ajuda próxima constante de Kevin e da minha esposa, Marjy. Tanto Barry quanto Bruce estavam no Conselho e proporcionaram sugestões maravilhosas.

A minha família considerava a família de Barry e Susie uma extensão da nossa, embora não nos mantivéssemos constantemente em contato. Quando o nosso filho do meio, Paul, se casou com Joanne Hughes em Seattle, Barry e Susie estavam na assistência.

Os interesses de Barry iam muito além das políticas de drogas e mais recentemente ele esteve muito envolvido na arena cética/paranormal. Este campo vai além do meu conhecimento e não posso conversar sensatamente sobre isso. Não obstante, anexarei links a outros comentários sobre ele e planejo escrever mais sobre ele no futuro próximo. Também farei correções quando qualquer um enviar informações que contradigam a minha memória incerta.

Ao terminar esta memória divagadora lembro de uma nota que Steve Jobs mandou no sentido de que todos vamos morrer e que, enquanto estivermos por aqui, é melhor que vivamos as nossas vidas para que façamos o que está mais próximo aos nossos corações e às nossas almas e ao nosso senso de ética pessoal. Tudo isso - e sem medo, diria eu. Da vida ou da morte. Também diria que Barry fez precisamente isso, tudinho.

Arnold Trebach

Canadá: Maioria favorece legalização da maconha, mas detenções continuam aumentando

Embora uma nova pesquisa mostre que a maioria dos canadenses adultos é a favor de legalizar a maconha e uma sondagem das Nações Unidas demonstre que o Canadá é um dos países mais maconheiros do planeta, as detenções por maconha ao norte estão em alta. A maioria dos observadores atribui o aumento nas prisões por maconha às forças policiais que não estão mais desanimadas pela perspectiva de descriminalização iminente, como parecia acontecer sob o governo liberal.

Em uma pesquisa Angus Reid realizada em meados de junho, 55% dos entrevistados disseram que a maconha deveria ser legalizada. Embora o governo conservador do primeiro-ministro Steven Harper tenha recusado a proposta de descriminalização da maconha apresentada pelos liberais quando eles estavam no poder, só 38% concordaram com essa política e 52% deram o apoio deles à proposta liberal que nunca foi promulgada.

(A pesquisa também descobriu que há pouco apoio à legalização de quaisquer outras drogas, com 9%, 8% e 7% a favor da legalização da heroína, cocaína e metanfetamina, respectivamente. E embora surpreendentes 71% favorecessem as sentenças mínimas obrigatórias de prisão para grandes cultivadores de maconha e traficantes de drogas, só 37% eram a favor de eliminar os programas de redução de danos como as trocas de seringas e os locais de injeção segura.)

Nesta semana, os jornais canadenses publicaram uma avalanche de artigos baseados no Relatório Mundial sobre as Drogas de 2007 do Escritório da ONU Contra as Drogas e o Crime ressaltando os altos níveis de consumo de maconha no Canadá. De acordo com o relatório da ONU, os canadenses fumam quatro vezes mais maconha do que o resto do mundo, e, já que 16,8% dos adultos informam tê-la consumido um ano antes, o Canadá tem o quinto índice mais alto de consumo, atrás somente da Zâmbia (17,7% em 2003), do Gana (21,5% em 1998) e a Papua-Nova Guiné e a Micronésia, que resultaram empatadas em primeiro lugar com 29% cada em 1995.

O relatório inspirou o National Post a pedir uma mudança nas leis sobre a maconha do país em um editorial da quarta-feira francamente intitulado "Legalizing Pot Makes Sense" [Legalizar a maconha faz sentido]. Após observar que se o Canadá tivesse índices de consumo de álcool e tabaco quatro vezes superiores à média mundial, os resultados seriam totalmente aparentes nos dados de doença e mortalidade, perguntou-se o Post:

"Mas, cadê a 'pegada' de saúde do nosso amor à erva? Talvez esteja escondida em nossas estatísticas de produtividade no trabalho; certamente, não parece ter nenhum impacto nem sobre a nossa expectativa de vida nem sobre outros resultados sanitários mensuráveis. Apesar dos índices aparentes de consumo desanimadoramente altos e apesar dos riscos de adulteração e intensificação que podem ser esperados do status ilegal da cânabis, parecemos não estar nos causando nenhum grande prejuízo a partir de uma longa experiência na relativa tolerância da erva.

"Este é um dado revelador a favor do ponto de vista de que a maconha é fundamentalmente inócua quando comparada com as drogas 'históricas' de abuso que desfrutam de ampla aceitação social e legal e um golpe contra aqueles que sustentam que ela é uma 'droga inicial' para drogas mais duras, visto que não há nada nos dados da ONU sobre essas drogas que sugira que estejamos nos iniciando em números particularmente grandes. Afora as considerações onipresentes de comércio e turismo decorrentes de ser um vizinho dos EUA, parece que isso deixaria pouquíssimos motivos para haver um impedimento lógico contra a descriminalização".

Mas, apesar dos pontos de vista do Post e de numerosas comissões e painéis parlamentares, sob o governo Harper, o Canadá não vai tomar essa direção. Ao invés disso, a Canadian Press informou na terça que as detenções por porte de maconha tinham saltado entre 20 e 50% em várias grandes cidades canadenses no ano passado. Conseqüentemente, agora milhares de canadenses têm antecedentes criminais por um delito que poucos anos atrás estava prestes a ser extinto.

"Todos estavam esperando o que ia acontecer... Não haveria mais entupimentos no sistema judicial com esse projeto de descriminalização ali. Quando foi derrotado, diria que aconteceu o de sempre", disse Terry McLaren, presidente da Associação de Chefes de Polícia de Ontário, a The Canadian Press.

"Podem acusar mais pessoas, mas não estão coibindo os jovens, não estão investindo verbas nem na conscientização nem na prevenção. Os (conservadores) têm uma política muito regressista que está conforme com o que os EUA estão fazendo em sua suposta guerra contra as drogas - o que é um fracasso total", observou a parlamentar do Novo Partido Democrata, Libby Davies.

Outro reformador das políticas de drogas, o advogado e professor de criminologia, Eugene Oscapella da Canadian Foundation for Drug Policy apontou que a regulação e a conscientização a respeito da saúde pública obtiveram sucesso em reduzir o consumo de tabaco e álcool onde a proibição fracassou. "Ao adentrarmos o século XXI, deveríamos ser mais sensatos do que espancar o consumo desta droga com o direito penal", disse. "Não dá certo, não deu certo, não há perspectiva de que dê certo um dia. Contudo, continuamos fazendo isso".

E o Canadá continuará fazendo-o contanto que os conservadores estejam no poder. Mas, mesmo uma mudança no governo não quer dizer que haverá uma reforma considerável na legislação sobre a maconha no Canadá. No governo liberal anterior, apesar de todos os partidos, exceto os conservadores, apoiarem a proposta de descriminalização, o governo não a levou à votação. De alguma maneira, a maioria dos canadenses que favorece a legalização precisa traduzir esse apoio em ação política.

Exames toxicológicos: Suprema Corte do Tennessee sustenta que consumo de maconha fora do serviço não é motivo para negar indenização a trabalhador

A Suprema Corte do Tennessee decidiu que não é possível negar os benefícios indenizatórios trabalhistas por consumo de maconha fora de serviço reconhecido a um operário da casa de máquinas cujos dedos foram esmagados em um acidente de trabalho. O empregador dele procurara negar a sua reivindicação, discutindo que ele infringira a política empresarial de lugar de trabalho livre de drogas e que o seu fumo de maconha fora do serviço prejudicara o tempo de reação dele, causando a lesão.

A decisão aconteceu em Interstate Mechanical Contractors vs. Billy McIntosh, no qual McIntosh prendeu a mão esquerda dele em uma prensa depois que um novo empregado que ele estava ensinando a operá-la ligou os rolos enquanto McIntosh estava arrumando um pedaço de metal. McIntosh perdeu partes dos seus dedos médio e indicador. Enquanto estava hospitalizado, ele tirou positivo para maconha e admitiu fumá-la uma noite antes de se ferir.

A lei de lugares de trabalho livres de drogas do Tennessee supõe que quaisquer lesões em um empregado que tirar positivo para drogas ilícitas são causadas pelo consumo de drogas, mas a lei também permite que os empregados apresentem provas para rebaterem essa suposição. McIntosh teve sucesso em fazer exatamente isso. Apesar de um toxicólogo médico estadual depor "que o nível de THC no metabolismo de McIntosh no momento da lesão teria prejudicado o tempo de reação dele", tanto o colega de McIntosh quanto o capataz dele no ateliê depuseram que ele não parecia estar com os sentidos prejudicados. A lesão que ele sofreu foi ocasionada não pelo fumo de maconha, mas por um empregado inexperiente, debateu McIntosh.

O tribunal de primeira instância concordou, a empresa recorreu e agora a Suprema Corte do estado sustentou o primeiro veredicto. "Neste caso, as provas incontestáveis... eram de que não haveria tempo de reagir se uma pessoa tivesse uma mão próxima a um rolo quando estivesse ligado", escreveu o ministro William M. Barker no parecer. "Os rolos agarraram imediatamente a mão de McIntosh. McIntosh não teve tempo de reagir".

Marquem-no como vitória para os trabalhadores.

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Safe Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School